10 bandeira

 

68. Silvicultura

Editor do capítulo: Peter Poschen


Conteúdo

Tabelas e Figuras

Perfil Geral
Peter Poschen

colheita de madeira
Dennis Dykstra e Peter Poschen

Transporte de Madeira
Olli Eeronheimo

Colheita de produtos florestais não madeireiros
Rodolfo Henrique

Plantação de árvore
Denis Giguere

Manejo e Controle de Incêndios Florestais
Mike Jurvélius

Riscos de segurança física
Bengt Pontén

Carga Física
Bengt Pontén

Fatores Psicossociais
Peter Poschen e Marja-Liisa Juntunen

Riscos Químicos
Juhani Kangas

Riscos biológicos entre trabalhadores florestais
Jörg Augusta

Regras, Legislação, Regulamentos e Códigos de Práticas Florestais
Othmar Wettmann

Equipamento de proteção pessoal
Eero Korhonen

Condições de Trabalho e Segurança no Trabalho Florestal
Lucie Laflamme e Esther Cloutier

Habilidades e treinamento
Peter Poschen

Condições de vida
Elias Apud

Questões de saúde ambiental
Shane McMahon

Tabelas

Clique em um link abaixo para visualizar a tabela no contexto do artigo.

1. Área florestal por região (1990)
2. Categorias e exemplos de produtos florestais não madeireiros
3. Perigos e exemplos de colheita não madeireira
4. Carga típica transportada durante o plantio
5. Agrupamento dos acidentes com plantação de árvores por partes do corpo afetadas
6. Gasto de energia no trabalho florestal
7. Produtos químicos usados ​​na silvicultura na Europa e América do Norte na década de 1980
8. Seleção de infecções comuns na silvicultura
9. Equipamento de proteção individual apropriado para operações florestais
10. Benefícios potenciais para a saúde ambiental

figuras

Aponte para uma miniatura para ver a legenda da figura, clique para ver a figura no contexto do artigo.

FOR010F1FOR010F2FOR010F3FOR010F4FOR010F5FOR020F4FOR020F5FOR020F6FOR030F6FOR030F7FOR030F8FOR050F1FOR070F2FOR070F1FOR130F1FOR130F2FOR180F1FOR190F1FOR190F2


Clique para voltar ao topo da página

Sábado, março 12 2011 16: 38

Perfil Geral

Silvicultura - Uma Definição

Para efeitos do presente capítulo, entende-se por silvicultura todo o trabalho de campo necessário à constituição, regeneração, gestão e protecção das florestas e à colheita dos seus produtos. A última etapa da cadeia produtiva abordada neste capítulo é o transporte de produtos florestais in natura. O processamento posterior, como madeira serrada, móveis ou papel, é tratado no Lumber, Marcenaria e Indústrias de papel e celulose capítulos neste enciclopédia.

As florestas podem ser naturais, artificiais ou plantações de árvores. Os produtos florestais considerados neste capítulo são madeira e outros produtos, mas a ênfase recai sobre os primeiros, devido à sua relevância para a segurança e saúde.

Evolução do Recurso Florestal e do Setor

A utilização e o manejo das florestas são tão antigos quanto o ser humano. Inicialmente as florestas eram usadas quase exclusivamente para subsistência: alimentos, lenha e materiais de construção. O manejo inicial consistia principalmente em queimar e limpar para abrir espaço para outros usos da terra – em particular, agricultura, mas posteriormente também para assentamentos e infraestrutura. A pressão sobre as florestas foi agravada pela industrialização precoce. O efeito combinado de conversão e superutilização foi uma redução acentuada na área florestal na Europa, Oriente Médio, Índia, China e, posteriormente, em partes da América do Norte. Atualmente, as florestas cobrem cerca de um quarto da superfície terrestre da Terra.

O processo de desmatamento parou nos países industrializados, e as áreas florestais estão aumentando nesses países, embora lentamente. Na maioria dos países tropicais e subtropicais, no entanto, as florestas estão encolhendo a uma taxa de 15 a 20 milhões de hectares (ha), ou 0.8%, ao ano. Apesar do desmatamento contínuo, os países em desenvolvimento ainda respondem por cerca de 60% da área florestal mundial, como pode ser visto na tabela 1. Os países com as maiores áreas florestais de longe são a Federação Russa, Brasil, Canadá e Estados Unidos. A Ásia tem a menor cobertura florestal em termos de porcentagem de área florestal e hectares per capita.

Tabela 1. Área florestal por região (1990).

Região                                  

  Área (milhões de hectares)         

 % total   

África

536

16

América do Norte/Central

531

16

América do Sul

898

26

Ásia

463

13

Oceânia

88

3

Europa

140

4

ex-URSS

755

22

Industrializados (todos)

 1,432

42

Desenvolvimento (todos)

 2,009

58

Mundo

 3,442

100

Fonte: FAO 1995b.

Os recursos florestais variam significativamente em diferentes partes do mundo. Essas diferenças têm impacto direto no ambiente de trabalho, na tecnologia utilizada nas operações florestais e no nível de risco a elas associado. As florestas boreais nas partes do norte da Europa, Rússia e Canadá são compostas principalmente por coníferas e têm um número relativamente pequeno de árvores por hectare. A maioria dessas florestas são naturais. Além disso, as árvores individuais são pequenas em tamanho. Devido aos longos invernos, as árvores crescem lentamente e o incremento de madeira varia de menos de 0.5 a 3 m3/feno.

As florestas temperadas do sul do Canadá, Estados Unidos, Europa Central, sul da Rússia, China e Japão são compostas por uma ampla variedade de espécies de árvores coníferas e folhosas. As densidades de árvores são altas e as árvores individuais podem ser muito grandes, com diâmetros superiores a 1 m e altura superior a 50 m. As florestas podem ser naturais ou artificiais (ou seja, intensivamente manejadas com tamanhos de árvores mais uniformes e menos espécies de árvores). Os volumes em pé por hectare e o incremento são altos. O último varia tipicamente de 5 a mais de 20 m3/feno.

As florestas tropicais e subtropicais são principalmente de folhas largas. Os tamanhos das árvores e os volumes em pé variam muito, mas a madeira tropical colhida para fins industriais é tipicamente na forma de grandes árvores com grandes copas. As dimensões médias das árvores colhidas são maiores nos trópicos, com toras de mais de 2 m3 sendo a regra. Árvores em pé com copas pesam rotineiramente mais de 20 toneladas antes de serem derrubadas e desramificadas. A vegetação rasteira densa e os alpinistas tornam o trabalho ainda mais pesado e perigoso.

Um tipo de floresta cada vez mais importante em termos de produção de madeira e emprego são as plantações de árvores. Estima-se que as plantações tropicais cubram cerca de 35 milhões de hectares, com cerca de 2 milhões de hectares adicionados por ano (FAO 1995). Eles geralmente consistem em apenas uma espécie de crescimento muito rápido. O incremento varia principalmente de 15 a 30 m3/feno. Vários pinheiros (pinho spp.) e eucalipto (Eucalipto spp.) são as espécies mais comuns para uso industrial. As plantações são manejadas intensivamente e em rotações curtas (de 6 a 30 anos), enquanto a maioria das florestas temperadas leva 80, às vezes até 200 anos, para amadurecer. As árvores são bastante uniformes e de tamanho pequeno a médio, com aproximadamente 0.05 a 0.5 m3/árvore. Normalmente há pouca vegetação rasteira.

Impulsionado pela escassez de madeira e desastres naturais como deslizamentos de terra, inundações e avalanches, mais e mais florestas foram submetidas a algum tipo de manejo nos últimos 500 anos. A maioria dos países industrializados aplica o “princípio do rendimento sustentado”, segundo o qual os usos atuais da floresta não podem reduzir seu potencial de produzir bens e benefícios para as gerações futuras. Os níveis de utilização de madeira na maioria dos países industrializados estão abaixo das taxas de crescimento. Isso não é verdade para muitos países tropicais.

Importância Econômica

Globalmente, a madeira é de longe o produto florestal mais importante. A produção mundial de madeira em tora está se aproximando de 3.5 bilhões de m3 anualmente. A produção de madeira cresceu 1.6% ao ano nas décadas de 1960 e 1970 e 1.8% ao ano na década de 1980, e está projetada para aumentar 2.1% ao ano até o século 21, com taxas muito mais altas nos países em desenvolvimento do que nos industrializados .

A participação dos países industrializados na produção mundial de madeira em tora é de 42% (ou seja, aproximadamente proporcional à participação na área florestal). Há, entretanto, uma grande diferença na natureza dos produtos madeireiros colhidos nos países industrializados e nos países em desenvolvimento. Enquanto no primeiro mais de 85% é constituído por toras industriais destinadas à produção de madeira serrada, painéis ou celulose, no segundo 80% é utilizado para lenha e carvão vegetal. É por isso que a lista dos dez maiores produtores de madeira industrial em tora na figura 1 inclui apenas quatro países em desenvolvimento. Os produtos florestais não madeireiros ainda são muito importantes para a subsistência em muitos países. Eles representam apenas 1.5% dos produtos florestais não processados ​​comercializados, mas produtos como cortiça, vime, resinas, nozes e gomas são as principais exportações de alguns países.

Figura 1. Dez maiores produtores de madeira em tora industrial, 1993 (ex-URSS 1991).

FOR010F1

Em todo o mundo, o valor da produção florestal foi de US$ 96,000 milhões em 1991, em comparação com US$ 322,000 milhões nas indústrias florestais a jusante. A silvicultura sozinha respondeu por 0.4% do PIB mundial. A participação da produção florestal no PIB tende a ser muito maior nos países em desenvolvimento, com uma média de 2.2%, do que nos industrializados, onde representa apenas 0.14% do PIB. Em vários países, a silvicultura é muito mais importante do que as médias sugerem. Em 51 países, o setor florestal e as indústrias de base florestal geraram 5% ou mais do respectivo PIB em 1991.

Em vários países industrializados e em desenvolvimento, os produtos florestais são uma exportação significativa. O valor total das exportações florestais dos países em desenvolvimento aumentou de cerca de US$ 7,000 milhões em 1982 para mais de US$ 19,000 milhões em 1993 (dólares de 1996). Grandes exportadores entre os países industrializados incluem Canadá, Estados Unidos, Rússia, Suécia, Finlândia e Nova Zelândia. Entre os países tropicais, Indonésia (US$ 5,000 bilhões), Malásia (US$ 4,000 bilhões), Chile e Brasil (cerca de US$ 2,000 bilhões cada) são os mais importantes.

Embora não possam ser prontamente expressos em termos monetários, o valor dos bens não comerciais e os benefícios gerados pelas florestas podem exceder sua produção comercial. Segundo estimativas, cerca de 140 a 300 milhões de pessoas vivem ou dependem das florestas para sua subsistência. As florestas também abrigam três quartos de todas as espécies de seres vivos. Eles são um sumidouro significativo de dióxido de carbono e servem para estabilizar climas e regimes hídricos. Eles reduzem a erosão, deslizamentos de terra e avalanches e produzem água potável. São também fundamentais para o lazer e turismo.

Emprego

Os números sobre o emprego assalariado na silvicultura são difíceis de obter e podem não ser confiáveis, mesmo para os países industrializados. As razões são a elevada percentagem de trabalhadores por conta própria e agricultores, que em muitos casos não são registados, e a sazonalidade de muitos empregos florestais. As estatísticas na maioria dos países em desenvolvimento simplesmente absorvem a silvicultura no setor agrícola muito maior, sem números separados disponíveis. O maior problema, porém, é o fato de que a maior parte do trabalho florestal não é assalariado, mas de subsistência. O principal item aqui é a produção de lenha, principalmente nos países em desenvolvimento. Tendo em conta estas limitações, a figura 2 abaixo fornece uma estimativa muito conservadora do emprego florestal global.

Figura 2. Emprego na silvicultura (equivalentes a tempo inteiro).

FOR010F2

O emprego assalariado mundial na silvicultura é da ordem de 2.6 milhões, dos quais cerca de 1 milhão em países industrializados. Isso é uma fração do emprego a jusante: as indústrias madeireiras e de papel e celulose têm pelo menos 12 milhões de empregados no setor formal. A maior parte do emprego florestal é trabalho de subsistência não remunerado – cerca de 12.8 milhões equivalentes a tempo integral nos países em desenvolvimento e cerca de 0.3 milhão nos países industrializados. O emprego florestal total pode, portanto, ser estimado em cerca de 16 milhões de pessoas por ano. Isso equivale a cerca de 3% do emprego agrícola mundial e a cerca de 1% do emprego mundial total.

 

Na maioria dos países industrializados, o tamanho da força de trabalho florestal vem diminuindo. Isso é resultado de uma mudança de trabalhadores florestais profissionais sazonais para trabalhadores florestais em tempo integral, agravada pela rápida mecanização, particularmente da colheita de madeira. A Figura 3 ilustra as enormes diferenças de produtividade nos principais países produtores de madeira. Essas diferenças são, até certo ponto, devidas a condições naturais, sistemas silviculturais e erros estatísticos. Mesmo admitindo isso, persistem lacunas significativas. É provável que a transformação da força de trabalho continue: a mecanização está se espalhando para mais países e novas formas de organização do trabalho, ou seja, conceitos de trabalho em equipe, estão aumentando a produtividade, enquanto os níveis de colheita permanecem em geral constantes. Deve-se notar que em muitos países o trabalho sazonal e de meio período na silvicultura não é registrado, mas continua sendo muito comum entre os agricultores e pequenos proprietários florestais. Em vários países em desenvolvimento, a força de trabalho florestal industrial tende a crescer como resultado do manejo florestal mais intensivo e das plantações de árvores. O emprego de subsistência, por outro lado, provavelmente diminuirá gradualmente, à medida que a lenha for lentamente substituída por outras formas de energia.

Figura 3Países com maior emprego assalariado na silvicultura e na produção industrial de madeira em tora (final dos anos 1980 e início dos anos 1990).

FOR010F3

Características da Força de Trabalho

O trabalho florestal industrial permaneceu em grande parte um domínio masculino. A proporção de mulheres na força de trabalho formal raramente ultrapassa 10%. Há, no entanto, trabalhos que tendem a ser predominantemente realizados por mulheres, como plantio ou cuidado de mudas e cultivo de mudas em viveiros de árvores. Nos empregos de subsistência, as mulheres são maioria em muitos países em desenvolvimento, porque geralmente são responsáveis ​​pela coleta de lenha.

A maior parte de todo o trabalho florestal industrial e de subsistência está relacionada com a colheita de produtos de madeira. Mesmo em florestas e plantações artificiais, onde é necessário um trabalho silvicultura substancial, a colheita representa mais de 50% dos dias de trabalho por hectare. Na colheita nos países em desenvolvimento, as proporções de supervisor/técnico para capatazes e trabalhadores são de 1 para 3 e 1 para 40, respectivamente. A proporção é menor na maioria dos países industrializados.

De modo geral, existem dois grupos de empregos florestais: os relacionados à silvicultura e os relacionados à colheita. Ocupações típicas na silvicultura incluem plantio de árvores, fertilização, controle de ervas daninhas e pragas e poda. O plantio de árvores é muito sazonal e, em alguns países, envolve um grupo separado de trabalhadores dedicados exclusivamente a essa atividade. Na colheita, as ocupações mais comuns são motosserra, em florestas tropicais muitas vezes com ajudante; montadores de estrangulamento que prendem cabos a tratores ou skylines puxando toras para a beira da estrada; ajudantes que medem, movimentam, carregam ou desramam toras; e operadores de máquinas para tratores, carregadeiras, guindastes, colheitadeiras e caminhões madeireiros.

Existem grandes diferenças entre os segmentos da força de trabalho florestal no que diz respeito à forma de trabalho, o que influencia diretamente na exposição a riscos de segurança e saúde. A parcela de trabalhadores florestais empregados diretamente pelo proprietário florestal ou pela indústria tem diminuído mesmo nos países onde costumava ser a regra. Mais e mais trabalho é feito por meio de empreiteiros (ou seja, empresas de serviços relativamente pequenas e geograficamente móveis empregadas para um trabalho específico). Os contratados podem ser proprietários-operadores (ou seja, empresas individuais ou familiares) ou ter vários funcionários. Tanto os empreiteiros como os seus empregados muitas vezes têm empregos muito instáveis. Pressionados para cortar custos em um mercado muito competitivo, os empreiteiros às vezes recorrem a práticas ilegais, como trabalho clandestino e contratação de imigrantes não declarados. Embora a mudança para a contratação tenha, em muitos casos, ajudado a reduzir custos, a mecanizar e a especializar, bem como a ajustar a força de trabalho às novas demandas, algumas doenças tradicionais da profissão foram agravadas pelo aumento da dependência do trabalho contratado. Estes incluem taxas de acidentes e queixas de saúde, os quais tendem a ser mais frequentes entre os trabalhadores contratados.

A mão-de-obra terceirizada também contribuiu para aumentar ainda mais a alta taxa de rotatividade da mão-de-obra florestal. Alguns países relatam taxas de quase 50% ao ano para aqueles que mudam de empregador e mais de 10% ao ano que abandonam o setor florestal. Isso agrava o problema de qualificação já crescente entre grande parte da força de trabalho florestal. A maior parte da aquisição de habilidades ainda é por experiência, geralmente significando tentativa e erro. A falta de treinamento estruturado e os curtos períodos de experiência devido à alta rotatividade ou ao trabalho sazonal são os principais fatores que contribuem para os problemas significativos de segurança e saúde enfrentados pelo setor florestal (ver o artigo “Habilidades e treinamento” [FOR15AE] neste capítulo).

O sistema salarial dominante na silvicultura, de longe, continua a ser por peça (isto é, remuneração exclusivamente baseada na produção). Os preços por peça tendem a levar a um ritmo acelerado de trabalho e acredita-se que aumentem o número de acidentes. Não há, no entanto, nenhuma evidência científica para apoiar esta afirmação. Um efeito colateral indiscutível é que os ganhos caem quando os trabalhadores atingem uma certa idade porque suas habilidades físicas diminuem. Nos países onde a mecanização desempenha um papel importante, os salários baseados no tempo têm aumentado, porque o ritmo de trabalho é em grande parte determinado pela máquina. Vários sistemas salariais de bônus também estão em uso.

Os salários da silvicultura estão geralmente bem abaixo da média industrial no mesmo país. Trabalhadores, autônomos e contratados muitas vezes tentam compensar trabalhando 50 ou até 60 horas por semana. Tais situações aumentam o desgaste do corpo e o risco de acidentes por fadiga.

Sindicatos e sindicatos organizados são bastante raros no setor florestal. Os problemas tradicionais de organização de trabalhadores geograficamente dispersos, móveis e às vezes sazonais foram agravados pela fragmentação da força de trabalho em pequenas empresas contratadas. Ao mesmo tempo, o número de trabalhadores em categorias tipicamente sindicalizadas, como os empregados diretamente em grandes empresas florestais, está caindo continuamente. As inspeções do trabalho que tentam cobrir o setor florestal enfrentam problemas semelhantes aos dos sindicalistas. Como resultado, há muito pouca inspeção na maioria dos países. Na ausência de instituições cuja missão seja proteger os direitos dos trabalhadores, os trabalhadores florestais muitas vezes têm pouco conhecimento dos seus direitos, incluindo os previstos nas normas de segurança e saúde existentes, e experimentam grandes dificuldades em exercê-los.

Problemas de Saúde e Segurança

A noção popular em muitos países é que o trabalho florestal é um trabalho tridimensional: sujo, difícil e perigoso. Uma série de fatores naturais, técnicos e organizacionais contribuem para essa reputação. O trabalho florestal deve ser feito ao ar livre. Os trabalhadores ficam assim expostos aos extremos do clima: calor, frio, neve, chuva e radiação ultravioleta (UV). Muitas vezes, o trabalho prossegue com mau tempo e, nas operações mecanizadas, continua cada vez mais à noite. Os trabalhadores estão expostos a riscos naturais como terreno acidentado ou lama, vegetação densa e uma série de agentes biológicos.

Os locais de trabalho tendem a ser remotos, com comunicação deficiente e dificuldades de resgate e evacuação. A vida em acampamentos com longos períodos de isolamento de familiares e amigos ainda é comum em muitos países.

As dificuldades são agravadas pela natureza do trabalho – as árvores podem cair de forma imprevisível, ferramentas perigosas são usadas e muitas vezes há uma carga de trabalho física pesada. Outros fatores, como organização do trabalho, padrões de emprego e treinamento, também desempenham um papel significativo no aumento ou redução dos riscos associados ao trabalho florestal. Na maioria dos países, o resultado líquido das influências acima são riscos de acidentes muito altos e sérios problemas de saúde.

Fatalidades no Trabalho Florestal

Na maioria dos países, o trabalho florestal é uma das ocupações mais perigosas, com grandes perdas humanas e financeiras. Nos Estados Unidos, os custos do seguro contra acidentes chegam a 40% da folha de pagamento.

Uma interpretação cautelosa das evidências disponíveis sugere que as tendências de acidentes são mais frequentemente ascendentes do que descendentes. É encorajador o fato de que há países que têm um histórico de longa data na redução da frequência de acidentes (por exemplo, Suécia e Finlândia). A Suíça representa a situação mais comum de aumento ou, na melhor das hipóteses, estagnação das taxas de acidentes. Os escassos dados disponíveis para os países em desenvolvimento indicam pouca melhora e, geralmente, níveis excessivamente altos de acidentes. Um estudo sobre segurança na extração de madeira para celulose em florestas plantadas na Nigéria, por exemplo, constatou que, em média, um trabalhador sofre 2 acidentes por ano. Entre 1 em 4 e 1 em 10 trabalhadores sofreram um acidente grave em um determinado ano (Udo 1987).

Uma inspeção mais detalhada dos acidentes revela que a colheita é muito mais perigosa do que outras operações florestais (ILO 1991). Dentro da colheita florestal, o corte de árvores e o corte transversal são os trabalhos com mais acidentes, principalmente graves ou fatais. Em alguns países, como na área do Mediterrâneo, o combate a incêndios também pode ser uma das principais causas de mortes, ceifando até 13 vidas por ano na Espanha em alguns anos (Rodero 1987). O transporte rodoviário também pode ser responsável por grande parte dos acidentes graves, principalmente em países tropicais.

A motosserra é claramente a ferramenta mais perigosa na silvicultura, e o operador da motosserra o trabalhador mais exposto. A situação representada na figura 4 para um território da Malásia é encontrado com pequenas variações na maioria dos outros países também. Apesar do aumento da mecanização, a motosserra provavelmente continuará sendo o principal problema nos países industrializados. Nos países em desenvolvimento, pode-se esperar que seu uso se expanda, pois as plantações respondem por uma parcela crescente da colheita de madeira.

Figura 4. Distribuição de fatalidades na extração de madeira entre os empregos, Malásia (Sarawak), 1989.

FOR010F4

Praticamente todas as partes do corpo podem ser feridas no trabalho florestal, mas tende a haver uma concentração de lesões nas pernas, pés, costas e mãos, aproximadamente nessa ordem. Cortes e feridas abertas são o tipo de lesão mais comum no trabalho com motosserras, enquanto as contusões predominam na derrapagem, mas também há fraturas e luxações.

Duas situações em que o já alto risco de acidentes graves na colheita florestal se multiplica são as árvores “penduradas” e a madeira levada pelo vento. O vento tende a produzir madeira sob tensão, o que requer técnicas de corte especialmente adaptadas (para orientação, consulte FAO/ECE/ILO 1996a; FAO/ILO 1980; e ILO 1998). Árvores penduradas são aquelas que foram cortadas do toco, mas não caíram no chão porque a copa ficou emaranhada com outras árvores. As árvores penduradas são extremamente perigosas e são chamadas de “criadoras de viúvas” em alguns países, devido ao alto número de mortes que causam. Ferramentas auxiliares, como ganchos e guinchos, são necessárias para derrubar essas árvores com segurança. Em nenhum caso deve ser permitido que outras árvores sejam derrubadas sobre uma pendurada na esperança de derrubá-la. Essa prática, conhecida como “dirigir” em alguns países, é extremamente perigosa.

Os riscos de acidentes variam não apenas com a tecnologia e a exposição devido ao trabalho, mas também com outros fatores. Em quase todos os casos para os quais há dados disponíveis, há uma diferença muito significativa entre os segmentos da força de trabalho. Trabalhadores florestais profissionais em tempo integral empregados diretamente por uma empresa florestal são muito menos afetados do que os agricultores, autônomos ou contratados. Na Áustria, os agricultores sazonalmente envolvidos na extração de madeira sofrem o dobro de acidentes por milhão de metros cúbicos colhidos como trabalhadores profissionais (Sozialversicherung der Bauern 1990), na Suécia, até quatro vezes mais. Na Suíça, os trabalhadores empregados em florestas públicas têm apenas metade dos acidentes daqueles empregados por empreiteiros, particularmente onde os trabalhadores são contratados apenas sazonalmente e no caso de mão de obra migrante (Wettmann 1992).

A crescente mecanização da colheita de árvores trouxe consequências muito positivas para a segurança do trabalho. Os operadores de máquinas estão bem protegidos em cabines vigiadas e os riscos de acidentes diminuíram significativamente. Operadores de máquinas sofrem menos de 15% dos acidentes de operadores de motosserras para colher a mesma quantidade de madeira. Na Suécia, os operadores têm um quarto dos acidentes dos operadores profissionais de motosserras.

Problemas crescentes de doenças ocupacionais

O reverso da moeda da mecanização é um problema emergente de lesões no pescoço e nos ombros entre os operadores de máquinas. Estes podem ser tão incapacitantes quanto acidentes graves.

Os problemas acima se somam às tradicionais queixas de saúde dos operadores de motosserras, ou seja, lesões nas costas e perda de audição. Dor nas costas devido ao trabalho fisicamente pesado e posturas de trabalho desfavoráveis ​​é muito comum entre operadores de motosserra e trabalhadores que fazem carregamento manual de toras. Como resultado, há uma alta incidência de perda prematura da capacidade de trabalho e de aposentadoria precoce entre os trabalhadores florestais. Uma doença tradicional dos operadores de motosserras que foi amplamente superada nos últimos anos por meio de um design aprimorado da serra é a doença do “dedo branco” induzida por vibração.

Os perigos físicos, químicos e biológicos que causam problemas de saúde na silvicultura são discutidos nos próximos artigos deste capítulo.

Riscos especiais para mulheres

Os riscos de segurança são, em geral, os mesmos para homens e mulheres na silvicultura. As mulheres estão frequentemente envolvidas na plantação e no trabalho de manutenção, incluindo a aplicação de pesticidas. No entanto, as mulheres que têm menor tamanho corporal, volume pulmonar, coração e músculos podem ter uma capacidade de trabalho em média cerca de um terço menor que a dos homens. Da mesma forma, a legislação em muitos países limita o peso a ser levantado e carregado por mulheres em cerca de 20 kg (ILO 1988), embora essas diferenças baseadas no sexo nos limites de exposição sejam ilegais em muitos países. Esses limites são frequentemente ultrapassados ​​pelas mulheres que trabalham na silvicultura. Estudos na Colúmbia Britânica, onde os padrões separados não se aplicam, entre trabalhadores de plantação mostraram cargas completas de plantas carregadas por homens e mulheres com uma média de 30.5 kg, geralmente em terrenos íngremes com cobertura pesada do solo (Smith 1987).

Cargas excessivas também são comuns em muitos países em desenvolvimento, onde as mulheres trabalham como carregadoras de lenha. Uma pesquisa em Adis Abeba, Etiópia, por exemplo, descobriu que cerca de 10,000 mulheres e crianças sobrevivem transportando lenha para a cidade nas costas (ver figura 5 ). O fardo médio pesa 30 kg e é transportado por uma distância de 10 km. O trabalho é altamente debilitante e resulta em inúmeras queixas graves de saúde, incluindo abortos espontâneos frequentes (Haile 1991).

Figura 5. Transportadora de lenha, Adis Abeba, Etiópia.

FOR010F5

A relação entre as condições específicas de trabalho na silvicultura, características da mão de obra, forma de contratação, treinamento e outros fatores afins e segurança e saúde no setor tem sido tema recorrente deste artigo introdutório. Na silvicultura, ainda mais do que em outros setores, a segurança e a saúde não podem ser analisadas, muito menos promovidas, isoladamente. Este tema será também o leitmotiv para o restante do capítulo.

 

 

Voltar

Sábado, março 12 2011 16: 50

colheita de madeira

O presente artigo baseia-se fortemente em duas publicações: FAO 1996 e FAO/ILO 1980. Este artigo é uma visão geral; inúmeras outras referências estão disponíveis. Para orientação específica sobre medidas preventivas, consulte OIT 1998.

A colheita de madeira é a preparação de toras em uma floresta ou plantação de árvores de acordo com os requisitos de um usuário e entrega de toras a um consumidor. Inclui o corte de árvores, sua conversão em toras, extração e transporte de longa distância até um consumidor ou planta de processamento. Os termos colheita florestal, colheita de madeira or logging muitas vezes são usados ​​como sinônimos. O transporte de longa distância e a colheita de produtos florestais não madeireiros são tratados em artigos separados neste capítulo.

Operações

Embora muitos métodos diferentes sejam usados ​​para colheita de madeira, todos eles envolvem uma sequência semelhante de operações:

  • derrubada de árvores: cortar uma árvore do toco e derrubá-la
  • desbaste e desgalhamento (desgalhamento): cortando a copa da árvore inutilizável e os galhos
  • desembarque: retirar a casca do caule; esta operação geralmente é feita na planta de processamento e não na floresta; na colheita de lenha não é feito de todo
  • Extração: mover os troncos ou toras do toco para um local próximo a uma estrada florestal onde possam ser classificados, empilhados e muitas vezes armazenados temporariamente, aguardando transporte de longa distância
  • fabricação de toras/corte transversal (corte): cortar o caule no comprimento especificado pelo uso pretendido da tora
  • dimensionamento: determinar a quantidade de toras produzidas, geralmente por medição de volume (para madeira de pequena dimensão também por peso; este último é comum para madeira para trituração; a pesagem é feita na usina de beneficiamento nesse caso)
  • triagem, empilhamento e armazenamento temporário: as toras são geralmente de dimensões e qualidade variáveis ​​e, portanto, são classificadas em sortimentos de acordo com seu uso potencial como madeira para celulose, toras para serrar e assim por diante, e empilhadas até que uma carga completa, geralmente um caminhão, tenha sido montada; a área desmatada onde ocorrem essas operações, bem como a escamação e o carregamento, é chamada de “desembarque”
  • carregando: mover as toras para o meio de transporte, normalmente um caminhão, e prender a carga.

 

Estas operações não são necessariamente realizadas na sequência acima. Dependendo do tipo de floresta, do tipo de produto desejado e da tecnologia disponível, pode ser mais vantajoso realizar uma operação mais cedo (ou seja, mais próximo do toco) ou mais tarde (ou seja, no desembarque ou mesmo na planta de beneficiamento ). Uma classificação comum dos métodos de colheita é baseada na distinção entre:

  • sistemas de árvore completa, onde as árvores são extraídas para a beira da estrada, o patamar ou a planta de processamento com a copa completa
  • sistemas de madeira curta, onde a desbrota, o desramamento e o corte transversal são feitos perto do toco (as toras geralmente não têm mais de 4 a 6 m)
  • sistemas de comprimento de árvore, onde topos e galhos são removidos antes da extração.

 

O grupo mais importante de métodos de colheita para madeira industrial é baseado no comprimento da árvore. Os sistemas de madeira curta são padrão no norte da Europa e também comuns para madeira de pequena dimensão e lenha em muitas outras partes do mundo. Sua participação provavelmente aumentará. Os sistemas de árvores inteiras são os menos comuns na extração industrial de madeira e são usados ​​apenas em um número limitado de países (por exemplo, Canadá, Federação Russa e Estados Unidos). Lá eles respondem por menos de 10% do volume. A importância desse método está diminuindo.

Para organização do trabalho, análise de segurança e inspeção, é útil conceber três áreas de trabalho distintas em uma operação de colheita de madeira:

  1. o local de derrubada ou toco
  2. o terreno florestal entre o toco e a estrada florestal
  3. o pouso.

 

Também vale a pena examinar se as operações ocorrem de forma bastante independente no espaço e no tempo ou se estão intimamente relacionadas e interdependentes. Este último é frequentemente o caso em sistemas de colheita onde todas as etapas são sincronizadas. Qualquer perturbação interrompe toda a cadeia, desde o corte até o transporte. Esses chamados sistemas de registro a quente podem criar pressão e tensão extras se não forem cuidadosamente equilibrados.

A fase do ciclo de vida de uma floresta durante a qual ocorre a colheita de madeira e o padrão de colheita afetarão tanto o processo técnico quanto os riscos associados. A colheita da madeira ocorre como desbaste ou como corte final. O desbaste é a remoção de algumas árvores, geralmente indesejáveis, de um povoamento jovem para melhorar o crescimento e a qualidade das árvores remanescentes. Geralmente é seletivo (ou seja, árvores individuais são removidas sem criar grandes lacunas). O padrão espacial gerado é semelhante ao do corte final seletivo. No último caso, entretanto, as árvores são maduras e geralmente grandes. Mesmo assim, apenas algumas das árvores são removidas e uma cobertura arbórea significativa permanece. Em ambos os casos, a orientação no canteiro de obras é difícil porque as árvores e a vegetação remanescentes bloqueiam a visão. Pode ser muito difícil derrubar árvores porque suas copas tendem a ser interceptadas pelas copas das árvores remanescentes. Existe um alto risco de queda de detritos das coroas. Ambas as situações são difíceis de mecanizar. O desbaste e o corte seletivo, portanto, exigem mais planejamento e habilidade para serem feitos com segurança.

A alternativa ao corte seletivo para a colheita final é a retirada de todas as árvores de um local, denominada “corte raso”. Os cortes rasos podem ser pequenos, digamos de 1 a 5 hectares, ou muito grandes, abrangendo vários quilômetros quadrados. Grandes cortes rasos são severamente criticados por motivos ambientais e paisagísticos em muitos países. Qualquer que seja o padrão de corte, a colheita de vegetação antiga e floresta natural geralmente envolve maior risco do que a colheita de povoamentos mais jovens ou florestas artificiais, porque as árvores são grandes e têm uma tremenda inércia ao cair. Seus galhos podem se entrelaçar com as copas de outras árvores e trepadeiras, fazendo com que quebrem galhos de outras árvores ao cair. Muitas árvores estão mortas ou com podridão interna que pode não ser aparente até o final do processo de derrubada. Seu comportamento durante a derrubada costuma ser imprevisível. Árvores podres podem quebrar e cair em direções inesperadas. Ao contrário das árvores verdes, as árvores mortas e secas, chamadas de senões na América do Norte, caem rapidamente.

Desenvolvimentos tecnológicos

O desenvolvimento tecnológico na extração de madeira foi muito rápido na segunda metade do século XX. A produtividade média tem aumentado no processo. Hoje, muitos métodos de colheita diferentes estão em uso, às vezes lado a lado no mesmo país. Uma visão geral dos sistemas em uso na Alemanha em meados da década de 20, por exemplo, descreve quase 1980 configurações diferentes de equipamentos e métodos (Dummel e Branz 40).

Embora alguns métodos de colheita sejam tecnologicamente muito mais complexos do que outros, nenhum método é inerentemente superior. A escolha geralmente dependerá das especificações do cliente para as toras, das condições da floresta e do terreno, de considerações ambientais e, muitas vezes, decisivamente do custo. Alguns métodos também são tecnicamente limitados a árvores de pequeno e médio porte e terrenos relativamente suaves, com declives não superiores a 15 a 20°.

O custo e o desempenho de um sistema de colheita podem variar em uma ampla faixa, dependendo de quão bem o sistema se adapta às condições do local e, igualmente importante, da habilidade dos trabalhadores e de quão bem a operação está organizada. Ferramentas manuais e extração manual, por exemplo, fazem todo o sentido econômico e social em países com alto desemprego, mão de obra baixa e alto custo de capital, ou em operações de pequena escala. Métodos totalmente mecanizados podem alcançar produções diárias muito altas, mas envolvem grandes investimentos de capital. As colheitadeiras modernas em condições favoráveis ​​podem produzir mais de 200 m3 de toras por dia de 8 horas. É improvável que um operador de motosserra produza mais de 10% disso. Uma colheitadeira ou um grande cortador de cabo custa cerca de US$ 500,000, em comparação com US$ 1,000 a US$ 2,000 para uma motosserra e US$ 200 para uma serra manual de corte transversal de boa qualidade.

Métodos Comuns, Equipamentos e Perigos

Corte e preparação para extração

Esta etapa inclui a derrubada e retirada da copa e galhos; pode incluir descascamento, corte transversal e raspagem. É uma das ocupações industriais mais perigosas. Ferramentas manuais e motosserras ou máquinas são usadas para derrubar e desramar árvores e cortar árvores em toras. As ferramentas manuais incluem ferramentas de corte, como machados, martelos rachadores, ganchos para arbustos e facas para arbustos e serras manuais, como serras de corte transversal e serras de arco. Motosserras são amplamente utilizadas na maioria dos países. Apesar dos grandes esforços e progressos dos reguladores e fabricantes para melhorar as motosserras, elas continuam sendo o tipo de máquina mais perigosa na silvicultura. A maioria dos acidentes graves e muitos problemas de saúde estão associados ao seu uso.

A primeira atividade a ser realizada é a derrubada, ou seja, separar a árvore do toco o mais rente ao solo que as condições permitirem. A parte inferior do caule é normalmente a parte mais valiosa, pois contém um grande volume, não possui nós e a textura da madeira é uniforme. Portanto, não deve se partir e nenhuma fibra deve ser arrancada da coronha. Controlar a direção da queda é importante, não só para proteger a árvore e as que ficarão em pé, mas também para proteger os trabalhadores e facilitar a extração. No corte manual, esse controle é obtido por uma sequência e configuração especial de cortes.

O método padrão para motosserras é representado na figura 1. Depois de determinar a direção de derrubada (1) e limpar a base da árvore e as rotas de fuga, o corte começa com o rebaixo (2), que deve penetrar aproximadamente um quinto a um quarto do diâmetro na árvore. A abertura do rebaixo deve estar em um ângulo de cerca de 45°. O corte oblíquo (3) é feito antes do corte horizontal (4), que deve encontrar o corte oblíquo em linha reta voltada para a direção de queda a 90o ângulo. Se os tocos puderem arrancar lascas da árvore, como é comum em madeiras mais macias, o rebaixo deve ser finalizado com pequenos cortes laterais (5) em ambos os lados da dobradiça (6). O recorte traseiro (7) também deve ser horizontal. Deve ser feito 2.5 a 5 cm acima da base do rebaixo. Se o diâmetro da árvore for menor que a barra guia, o corte traseiro pode ser feito em um único movimento (8). Caso contrário, a serra deve ser movida várias vezes (9). O método padrão é usado para árvores com mais de 15 cm de diâmetro de topo. A técnica padrão é modificada se as árvores tiverem copas de um lado, estiverem inclinadas em uma direção ou tiverem um diâmetro maior que o dobro do comprimento da lâmina da motosserra. Instruções detalhadas estão incluídas em FAO/ILO (1980) e em muitos outros manuais de treinamento para operadores de motosserras.

Figura 1. Corte com motosserra: Sequência de cortes.

FOR020F4

Usando métodos padrão, trabalhadores qualificados podem derrubar uma árvore com alto grau de precisão. As árvores que têm copas simétricas ou que se inclinam um pouco em uma direção diferente da direção de queda pretendida podem não cair ou podem cair em um ângulo em relação à direção pretendida. Nesses casos, ferramentas como alavancas de derrubada para árvores pequenas ou martelos e cunhas para árvores grandes precisam ser usadas para deslocar o centro de gravidade natural da árvore na direção desejada.

Exceto para árvores muito pequenas, os machados não são adequados para abate e corte transversal. Com serras manuais, o processo é relativamente lento e os erros podem ser detectados e reparados. Com motosserras os cortes são rápidos e o ruído bloqueia os sinais da árvore, como o som da fibra quebrando antes de cair. Se a árvore começar a cair, mas for interceptada por outras árvores, ocorre um “desligamento”, que é extremamente perigoso e deve ser tratado imediatamente e profissionalmente. Ganchos e alavancas giratórias para árvores menores e guinchos manuais ou montados em trator para árvores maiores são usados ​​para derrubar árvores penduradas de forma eficaz e segura.

Os perigos envolvidos com o corte incluem queda ou rolamento de árvores; galhos caindo ou quebrando; ferramentas de corte; e ruído, vibração e gases de escape com motosserras. A queda inesperada é especialmente perigosa com madeira e sistemas radiculares parcialmente cortados sob tensão; árvores penduradas são uma causa frequente de acidentes graves e fatais. Todos os trabalhadores envolvidos na derrubada devem ter recebido treinamento específico. As ferramentas para derrubar e lidar com árvores penduradas precisam estar no local. Os perigos associados ao corte transversal incluem as ferramentas de corte, bem como quebra de madeira e hastes ou parafusos rolantes, principalmente em declives.

Depois que uma árvore é derrubada, ela geralmente é derrubada e desramificada. Na maioria dos casos, isso ainda é feito com ferramentas manuais ou motosserras no toco. Os machados podem ser muito eficazes para desramificar. Sempre que possível, as árvores são derrubadas através de um tronco já no solo. Este tronco serve assim como uma bancada de trabalho natural, elevando a árvore a ser desbastada a uma altura mais conveniente e permitindo o desbaste completo sem ter de virar a árvore. Os galhos e a copa são cortados do caule e deixados no local. As copas de grandes árvores de folhas largas podem ter que ser cortadas em pedaços menores ou puxadas para o lado porque, de outra forma, obstruiriam a extração para a beira da estrada ou para o patamar.

Os perigos envolvidos com o desgalhamento incluem cortes com ferramentas ou motosserras; alto risco de retrocesso da motosserra (ver figura 2); quebrando galhos sob tensão; toras rolantes; tropeções e quedas; posturas de trabalho desajeitadas; e carga de trabalho estática se uma técnica ruim for usada.

Figura 2. Retrocesso da motosserra.

FOR020F5

Nas operações mecanizadas, a queda direcional é obtida segurando a árvore com uma lança montada em uma máquina de base suficientemente pesada e cortando o tronco com uma tesoura, serra circular ou motosserra integrada à lança. Para fazer isso, a máquina deve ser conduzida bem perto da árvore a ser derrubada. A árvore é então baixada na direção desejada por movimentos da lança ou da base da máquina. Os tipos mais comuns de máquinas são feller-bunchers e harvesters.

Os feller-bunchers são montados principalmente em máquinas com esteiras, mas também podem ser equipados com pneus. A lança de derrubada geralmente permite derrubar e coletar uma série de pequenas árvores (um cacho), que são então depositadas ao longo de uma trilha de arraste. Alguns têm um beliche para coletar uma carga. Quando os feller-bunchers são usados, o desbaste e o desgalhamento geralmente são feitos por máquinas no desembarque.

 

Com um bom projeto de máquina e operação cuidadosa, o risco de acidentes com feller-bunchers é relativamente baixo, exceto quando operadores de motosserra trabalham junto com a máquina. Os riscos à saúde, como vibração, ruído, poeira e fumaça, são significativos, uma vez que as máquinas básicas geralmente não são construídas para fins florestais. Os feller-bunchers não devem ser usados ​​em declives excessivos e a lança não deve ser sobrecarregada, pois a direção do corte torna-se incontrolável.

As colheitadeiras são máquinas que integram todas as operações de corte, exceto o descascamento. Costumam ter de seis a oito rodas, tração e suspensão hidráulicas e direção articulada. Possuem lanças com alcance de 6 a 10 m quando carregadas. É feita uma distinção entre colheitadeiras de uma e duas garras. As colheitadeiras de uma garra têm uma lança com um cabeçote de corte equipado com dispositivos para derrubar, desramar, desbastar e cortar transversalmente. Eles são usados ​​para pequenas árvores de até 40 cm de diâmetro de topo, principalmente em desbastes, mas cada vez mais também no corte final. Um harvester de duas garras tem cabeçotes de corte e processamento separados. Este último é montado na máquina base e não na lança. Pode manusear árvores com um diâmetro de toco de até 60 cm. Os harvesters modernos possuem um dispositivo de medição integrado e assistido por computador que pode ser programado para tomar decisões sobre o corte transversal ideal, dependendo das variedades necessárias.

As colheitadeiras são a tecnologia dominante na colheita em larga escala no norte da Europa, mas atualmente representam uma parcela bastante pequena da colheita em todo o mundo. Sua importância, no entanto, provavelmente aumentará rapidamente à medida que o segundo crescimento, as florestas e plantações feitas pelo homem se tornarem mais importantes como fontes de matéria-prima.

As taxas de acidentes na operação de colheitadeiras são normalmente baixas, embora o risco de acidentes aumente quando operadores de motosserra trabalham junto com colheitadeiras. A manutenção das colheitadeiras é perigosa; os reparos estão sempre sob alta pressão de trabalho, cada vez mais à noite; há alto risco de escorregar e cair, posturas de trabalho desconfortáveis ​​e desajeitadas, levantamento de peso, contato com óleos hidráulicos e óleos quentes sob pressão. Os maiores perigos são a tensão muscular estática e esforço repetitivo de controles operacionais e estresse psicológico.

Processo de

A extração envolve mover as hastes ou toras do toco para um patamar ou beira da estrada, onde podem ser processadas ou empilhadas em sortimentos. A extração pode ser um trabalho muito pesado e perigoso. Pode ainda infligir danos ambientais substanciais à floresta e à sua regeneração, aos solos e aos cursos de água. Os principais tipos de sistemas de extração comumente reconhecidos são:

  • sistemas de derrapagem: Os caules ou toras são arrastados no solo por máquinas, animais de tração ou humanos.
  • remetentes: Os caules ou troncos são transportados por uma máquina (no caso da lenha, também por humanos).
  • sistemas de cabo: As toras são transportadas do toco até o patamar por um ou mais cabos suspensos.
  • sistemas aéreos: Helicópteros ou balões são usados ​​para transportar as toras.

 

O arraste no solo, de longe o sistema de extração mais importante tanto para madeira industrial quanto para combustível, geralmente é feito com skidders com rodas especialmente projetados para operações florestais. Tratores de esteiras e, principalmente, tratores agrícolas podem ser econômicos em pequenas florestas particulares ou para a extração de pequenas árvores de plantações de árvores, mas são necessárias adaptações para proteger tanto os operadores quanto as máquinas. Os tratores são menos robustos, menos equilibrados e menos protegidos do que as máquinas construídas para esse fim. Tal como acontece com todas as máquinas utilizadas na silvicultura, os perigos incluem capotamento, queda de objetos, penetração de objetos, incêndio, vibração de corpo inteiro e ruído. A tração nas quatro rodas é preferível e um mínimo de 20% do peso da máquina deve ser mantido como carga no eixo direcional durante a operação, o que pode exigir a fixação de peso adicional na frente da máquina. O motor e a transmissão podem precisar de proteção mecânica extra. A potência mínima do motor deve ser de 35 kW para madeira de pequena dimensão; 50 kW é geralmente adequado para toras de tamanho normal.

Os skidders de garra dirigem diretamente para o indivíduo ou para as hastes pré-empilhadas, levantam a extremidade dianteira da carga e arrastam-na para o patamar. Skidders com guinchos de cabo podem operar em pistas de derrapagem. Suas cargas geralmente são montadas por meio de estrangulamentos, cintas, correntes ou cabos curtos que são presos a toras individuais. Um lançador de estrangulamento prepara as toras para serem enganchadas e, quando o skidder retorna do patamar, vários estrangulamentos são presos à linha principal e guinchos no skidder. A maioria dos skidders tem um arco no qual a extremidade frontal da carga pode ser levantada para reduzir o atrito durante o deslizamento. Quando skidders com guinchos motorizados são usados, uma boa comunicação entre os membros da tripulação por meio de rádios bidirecionais ou sinais ópticos ou acústicos é essencial. Sinais claros precisam ser acordados; qualquer sinal que não seja entendido significa “Pare!”. Figura 3  mostra sinais manuais propostos para skidders com guinchos motorizados.

Figura 3. Convenções internacionais para sinais manuais a serem usados ​​para skidders com guinchos motorizados.

FOR020F6

Como regra geral, o equipamento de derrapagem não deve ser usado em declives superiores a 15°. Os tratores de esteiras podem ser usados ​​para extrair árvores grandes de terrenos relativamente íngremes, mas podem causar danos substanciais aos solos se usados ​​sem cuidado. Por razões ambientais e de segurança, todas as operações de derrapagem devem ser suspensas durante o tempo excepcionalmente chuvoso.

A extração com animais de tração é uma opção economicamente viável para pequenas toras, principalmente em operações de desbaste. As distâncias de derrapagem devem ser curtas (normalmente 200 m ou menos) e os declives suaves. É importante usar arneses apropriados que forneçam o máximo poder de tração e dispositivos como bandejas de derrapagem, sulkies ou trenós que reduzam a resistência à derrapagem.

O arraste manual é cada vez mais raro na extração industrial, mas continua a ser praticado na extração de subsistência, principalmente para lenha. Limita-se a curtas distâncias e geralmente em declive, valendo-se da gravidade para movimentar as toras. Embora as toras sejam normalmente pequenas, esse é um trabalho muito pesado e pode ser perigoso em encostas íngremes. A eficiência e a segurança podem ser aumentadas usando ganchos, alavancas e outras ferramentas manuais para levantar e puxar toras. Chutes, tradicionalmente feitos de madeira, mas também disponíveis como meio-tubos de polietileno, podem ser uma alternativa ao arraste manual de toras curtas em terrenos íngremes.

Os forwarders são máquinas de extração que carregam uma carga de toras completamente fora do solo, seja dentro de sua própria estrutura ou em um reboque. Geralmente possuem guindaste mecânico ou hidráulico para autocarregamento e descarregamento das toras. Eles tendem a ser usados ​​em combinação com equipamentos de corte e processamento mecanizados. A distância de extração econômica é de 2 a 4 vezes a dos skidders. Os encaminhadores funcionam melhor quando os logs são aproximadamente uniformes em tamanho.

Os acidentes envolvendo forwarders são tipicamente semelhantes aos de tratores e outras máquinas florestais: capotamento, penetração e queda de objetos, linhas de energia elétrica e problemas de manutenção. Os perigos para a saúde incluem vibração, ruído e óleos hidráulicos.

O uso de seres humanos para transportar cargas ainda é feito para toras curtas, como madeira para celulose ou escoras em algumas colheitas industriais, e é a regra na colheita de lenha. As cargas transportadas muitas vezes excedem todos os limites recomendados, principalmente para as mulheres, que muitas vezes são responsáveis ​​pela coleta de lenha. O treinamento em técnicas adequadas que evitariam tensão extrema na coluna e o uso de dispositivos como mochilas que proporcionam uma melhor distribuição de peso aliviariam sua carga.

Os sistemas de extração de cabos são fundamentalmente diferentes de outros sistemas de extração, pois a própria máquina não se desloca. As toras são transportadas com um carro que se move ao longo de cabos suspensos. Os cabos são operados por uma máquina de guincho, também conhecida como jarda ou caminhão. A máquina é instalada no patamar ou na extremidade oposta do teleférico, geralmente no topo de um cume. Os cabos são suspensos acima do solo em uma ou mais “longarinas”, que podem ser árvores ou torres de aço. Muitos tipos diferentes de sistemas de cabo estão em uso. Skylines ou guindastes a cabo têm um carro que pode ser movido ao longo da linha principal, e o cabo pode ser liberado para permitir o tracionamento lateral de toras para a linha, antes de serem levantadas e encaminhadas para o patamar. Se o sistema permitir a suspensão total da carga durante o transporte, a perturbação do solo é mínima. Como a máquina é fixa, os sistemas de cabos podem ser usados ​​em terrenos íngremes e em solos úmidos. Os sistemas de cabo em geral são substancialmente mais caros do que o deslizamento no solo e requerem um planejamento cuidadoso e operadores qualificados.

Os perigos ocorrem durante a instalação, operação e desmontagem do sistema de cabos e incluem impacto mecânico por deformação da cabine ou estande; rompimento de cabos, âncoras, mastros ou suportes; movimentos involuntários ou incontroláveis ​​de cabos, carruagens, estrangulamentos e cargas; e apertos, abrasões e assim por diante das partes móveis. Os riscos à saúde incluem ruído, vibração e posturas de trabalho inadequadas.

Os sistemas de extração aérea são aqueles que suspendem totalmente as toras no ar durante todo o processo de extração. Os dois tipos atualmente em uso são sistemas de balão e helicópteros, mas apenas os helicópteros são amplamente utilizados. Helicópteros com capacidade de elevação de cerca de 11 toneladas estão disponíveis comercialmente. As cargas são suspensas sob o helicóptero em uma corda (também chamada de “tagline”). As linhas de amarração têm tipicamente entre 30 e 100 m de comprimento, dependendo tanto da topografia quanto da altura das árvores acima das quais o helicóptero deve pairar. As cargas são presas com gargantilhas longas e são conduzidas até o pouso, onde as gargantilhas são liberadas por controle remoto da aeronave. Quando grandes toras estão sendo extraídas, um sistema de garra operado eletricamente pode ser usado em vez de estrangulamentos. Os tempos de ida e volta são tipicamente de dois a cinco minutos. Os helicópteros têm um custo direto muito alto, mas também podem atingir altas taxas de produção e reduzir ou eliminar a necessidade de construção de estradas caras. Também causam baixo impacto ambiental. Na prática, seu uso é limitado a madeira de alto valor em regiões inacessíveis ou em outras circunstâncias especiais.

Devido às altas taxas de produção necessárias para tornar econômico o uso desses equipamentos, o número de trabalhadores empregados nas operações de helicópteros é muito maior do que em outros sistemas. Isso é verdade para desembarques, mas também para trabalhadores em operações de corte. O registro de helicóptero pode criar grandes problemas de segurança, incluindo fatalidades, se as precauções forem desconsideradas e as tripulações mal preparadas.

Criação e carregamento de logs

A extração de toras, se ocorrer no patamar, é feita principalmente por operadores de motosserra. Também pode ser realizado por um processador (ou seja, uma máquina que desgalha, desbasta e corta no comprimento). O dimensionamento é feito principalmente manualmente usando fita métrica. Para classificação e empilhamento, as toras são geralmente manuseadas por máquinas como skidders, que usam sua lâmina frontal para empurrar e levantar toras, ou por carregadores com garras. Ajudantes com ferramentas manuais, como alavancas, geralmente auxiliam os operadores da máquina. Na colheita de lenha ou quando estão envolvidas pequenas toras, o carregamento em caminhões geralmente é feito manualmente ou com o uso de um pequeno guincho. Carregar toras grandes manualmente é muito árduo e perigoso; estes geralmente são manuseados por carregadores de garras ou lanças articuladas. Em alguns países, os caminhões madeireiros são equipados para carregamento automático. As toras são fixadas no caminhão por suportes laterais e cabos que podem ser puxados com força.

No carregamento manual de madeira, o esforço físico e as cargas de trabalho são extremamente elevados. Tanto no carregamento manual quanto no mecanizado, existe o perigo de ser atingido por toras ou equipamentos em movimento. Os perigos do carregamento mecanizado incluem ruído, poeira, vibração, alta carga de trabalho mental, esforço repetitivo, capotamento, penetração ou queda de objetos e óleos hidráulicos.

Normas e regulamentos

Atualmente, a maioria dos padrões internacionais de segurança aplicáveis ​​a maquinário florestal são gerais – por exemplo, proteção contra capotamento. No entanto, o trabalho está em andamento em normas especializadas na Organização Internacional de Normalização (ISO). (Consulte o artigo “Regras, legislação, regulamentos e códigos de práticas florestais” neste capítulo.)

As motosserras são um dos poucos equipamentos florestais para os quais existem regulamentações internacionais específicas sobre recursos de segurança. Várias normas ISO são relevantes. Foram incorporadas e complementadas em 1994 na Norma Européia 608, Máquinas agrícolas e florestais: Motosserras portáteis—Segurança. Esta norma contém indicações detalhadas sobre características de projeto. Também estipula que os fabricantes são obrigados a fornecer instruções e informações abrangentes sobre todos os aspectos da manutenção do operador/usuário e o uso seguro da serra. Isso inclui roupas de segurança e requisitos de equipamentos de proteção individual, bem como a necessidade de treinamento. Todas as serras vendidas na União Européia devem ser marcadas com “Aviso, consulte o manual de instruções”. A norma lista os itens a serem incluídos no manual.

As máquinas florestais são menos bem cobertas por padrões internacionais, e muitas vezes não há regulamentação nacional específica sobre os recursos de segurança necessários. As máquinas florestais também podem apresentar deficiências ergonômicas significativas. Estes desempenham um papel importante no desenvolvimento de graves queixas de saúde entre os operadores. Em outros casos, as máquinas têm um bom design para uma determinada população de trabalhadores, mas são menos adequadas quando importadas para países onde os trabalhadores têm diferentes tamanhos corporais, rotinas de comunicação e assim por diante. No pior dos casos, as máquinas são despojadas de recursos essenciais de segurança e saúde para reduzir os preços de exportação.

Para orientar as organizações de teste e os responsáveis ​​pela aquisição de máquinas, listas de verificação ergonômicas especializadas foram desenvolvidas em vários países. As listas de verificação geralmente abordam as seguintes características da máquina:

  • áreas de acesso e saída como degraus, escadas e portas
  • espaço da cabine e posição dos controles
  • assento, braços, encosto e apoio para os pés da cadeira do operador
  • visibilidade ao realizar operações principais
  • “interface trabalhador-máquina”: tipo e disposição dos indicadores e controles das funções da máquina
  • ambiente físico, incluindo ruído de vibração, gases e fatores climáticos
  • segurança, incluindo capotamento, objetos penetrantes, incêndio e assim por diante
  • manutenção.

 

Exemplos específicos de tais checklists podem ser encontrados em Golsse (1994) e Apud e Valdés (1995). As recomendações para máquinas e equipamentos, bem como uma lista de normas existentes da OIT, estão incluídas na OIT 1998.

 

Voltar

Sábado, março 12 2011 17: 00

Transporte de Madeira

O transporte de madeira faz a ligação entre a colheita florestal e a fábrica. Essa operação é de grande importância econômica: no hemisfério norte representa de 40 a 60% do custo total de aquisição de madeira na fábrica (excluindo tocos), e nos trópicos a proporção é ainda maior. Os fatores básicos que afetam o transporte de madeira incluem: o tamanho da operação; as localizações geográficas da floresta e da fábrica, bem como a distância entre elas; a variedade de madeira para a qual a fábrica foi projetada; e os tipos de transporte disponíveis e adequados. Os principais sortimentos de madeira são árvores inteiras com galhos, comprimentos de árvores desgalhadas, toras longas (normalmente de 10 a 16m de comprimento), madeira curta (normalmente toras de 2 a 6m), lascas e combustível para suínos. Muitas serrarias podem aceitar sortimentos variados de madeira; alguns podem aceitar apenas tipos específicos - por exemplo, shortwood por estrada. O transporte pode ser rodoviário, ferroviário, marítimo, fluvial ou, dependendo da geografia e da distância, várias combinações destes. O transporte rodoviário por caminhão, no entanto, tornou-se a principal forma de transporte de madeira.

Em muitos casos, o transporte de madeira, especialmente o rodoviário, é parte integrante da operação de colheita. Assim, qualquer problema no transporte da madeira pode interromper toda a operação de colheita. A pressão do tempo pode levar a uma demanda por horas extras e a uma tendência a atalhos que podem comprometer a segurança dos trabalhadores.

Tanto a colheita florestal quanto o transporte de madeira são frequentemente terceirizados. Especialmente quando há vários contratados e subcontratados, pode haver dúvidas sobre quem tem a responsabilidade de proteger a segurança e a saúde de determinados trabalhadores.

Manuseio e Carregamento de Madeira

Quando as circunstâncias permitirem, a madeira pode ser carregada diretamente em caminhões no toco, eliminando a necessidade de uma fase separada de transporte florestal. Quando as distâncias são curtas, equipamentos de transporte florestal (por exemplo, um trator agrícola com reboque ou semi-reboque) podem transportar a madeira diretamente para a fábrica. Normalmente, no entanto, a madeira é levada primeiro para o desembarque na beira da estrada para o transporte de longa distância.

O carregamento manual é frequentemente praticado em países em desenvolvimento e em operações mal capitalizadas. As toras pequenas podem ser levantadas e as grandes roladas com a ajuda de rampas (ver figura 1). Ferramentas manuais simples como ganchos, alavancas, sappies, polias e assim por diante podem ser usadas, e animais de tração podem estar envolvidos.

Figura 1. Carregamento manual (com e sem rampas).

FOR030F6

Na maioria dos casos, no entanto, o carregamento é mecanizado, geralmente com lança articulada, lança articulada ou carregadores frontais. Os carregadores de lança articulada e articulada podem ser montados em transportadores com rodas ou esteiras ou em caminhões e geralmente são equipados com garras. As carregadeiras frontais geralmente têm garfos ou garras e são montadas em tratores de esteira ou tratores articulados com tração nas quatro rodas. No carregamento semimecanizado, as toras podem ser levantadas ou enroladas nos patins de carregamento por cabos e diferentes tipos de tratores e guinchos (ver figura 2) . O carregamento semimecanizado geralmente exige que os trabalhadores estejam no solo prendendo e soltando cabos, guiando a carga e assim por diante, muitas vezes usando ganchos, alavancas e outras ferramentas manuais. Nas operações de picagem, o picador geralmente sopra os cavacos diretamente no caminhão, reboque ou semirreboque.

Figura 2. Carregamento mecanizado e semi-mecanizado.

FOR030F7

Operações de desembarque

As aterrissagens são locais movimentados e barulhentos, onde muitas operações diferentes são realizadas simultaneamente. Dependendo do sistema de colheita, isso inclui carregamento e descarregamento, desgalhamento, descascamento, corte, triagem, armazenamento e picagem. Uma ou mais máquinas grandes podem estar se movendo e operando ao mesmo tempo enquanto motosserras estão sendo usadas nas proximidades. Durante e após a chuva, neve e geada, as toras podem ficar muito escorregadias e o solo pode ficar muito lamacento e escorregadio. A área pode estar cheia de detritos e, em tempo seco, pode ficar muito empoeirada. As toras podem ser armazenadas em pilhas não seguras de vários metros de altura. Tudo isso torna o desembarque uma das áreas de trabalho mais perigosas da indústria florestal.

Transporte rodoviário

O transporte rodoviário de madeira é realizado por veículos cujas dimensões dependem das dimensões da madeira, das condições das estradas e das normas de trânsito e da disponibilidade de capital para compra ou aluguel do equipamento. Caminhões de dois ou três eixos com capacidade de carga de 5 a 6 toneladas são comumente usados ​​em países tropicais. Na Escandinávia, por exemplo, o caminhão madeireiro típico é um caminhão de 4 eixos com um reboque de 3 eixos ou vice-versa – com capacidade de carga de 20 a 22 toneladas. Em estradas privadas na América do Norte, pode-se encontrar plataformas com um peso total de 100 a 130 toneladas ou mais.

Transporte de água

O uso de hidrovias para o transporte de madeira vem diminuindo com o aumento do transporte rodoviário, mas continua sendo importante no Canadá, Estados Unidos, Finlândia e Rússia no hemisfério norte, nas bacias hidrográficas dos rios Amazonas, Paraguai e Paraná na América Latina América, em muitos rios e lagos na África Ocidental e na maioria dos países do Sudeste Asiático.

Em manguezais e florestas de maré, o transporte de água geralmente começa diretamente no toco; caso contrário, as toras devem ser transportadas até a orla, geralmente de caminhão. Toras soltas ou feixes podem ser arrastados rio abaixo. Eles podem ser amarrados em jangadas que podem ser rebocadas ou empurradas em rios, lagos e ao longo da costa, ou podem ser carregadas em barcos e barcaças de tamanhos variados. Os navios oceânicos desempenham um papel importante no comércio internacional de madeira.

Transporte ferroviário

Na América do Norte e nos trópicos, o transporte ferroviário, assim como o aquaviário, está dando lugar ao rodoviário. No entanto, continua a ser muito importante em países como Canadá, Finlândia, Rússia e China, onde existem boas redes ferroviárias com áreas de desembarque intermediárias adequadas. Em algumas operações de grande escala, podem ser usadas ferrovias temporárias de bitola estreita. A madeira pode ser transportada em vagões de carga padrão ou podem ser usados ​​vagões de transporte de madeira especialmente construídos. Em alguns terminais, grandes guindastes fixos podem ser utilizados para carga e descarga, mas, via de regra, são utilizados os métodos de carregamento descritos acima.

Conclusão

Carregar e descarregar, que às vezes deve ser feito várias vezes enquanto a madeira viaja da floresta para onde será usada, costuma ser uma operação particularmente perigosa na indústria madeireira. Mesmo quando totalmente mecanizado, os trabalhadores a pé e usando ferramentas manuais podem estar envolvidos e em risco. Alguns grandes operadores e empreiteiros reconhecem isso, mantêm seus equipamentos adequadamente e fornecem aos seus trabalhadores equipamentos de proteção individual (EPI), como sapatos, luvas, capacetes, óculos e protetores de ruído. Mesmo assim, são necessários supervisores treinados e diligentes para garantir que as questões de segurança não sejam negligenciadas. A segurança muitas vezes se torna problemática em operações menores e particularmente em países em desenvolvimento. (Para um exemplo, veja a figura 3 , que mostra trabalhadores sem registros de carregamento de EPI na Nigéria.)

Figura 3. Operações madeireiras na Nigéria com trabalhadores desprotegidos.

FOR030F8

 

Voltar

Ambiente Operacional

Existem muitos perigos associados à colheita de produtos florestais não madeireiros devido à grande variedade de produtos não madeireiros em si. Para melhor definir esses perigos, os produtos não madeireiros podem ser agrupados por categoria, com alguns exemplos representativos. Assim, os perigos associados à sua colheita podem ser mais facilmente identificados (ver tabela 1).

Tabela 1. Categorias e exemplos de produtos florestais não madeireiros.

Categorias

Exemplos

Produtos alimentícios

Produtos de origem animal, brotos de bambu, bagas, bebidas, forragem, frutas, ervas, cogumelos, nozes, óleos, palmitos, raízes, sementes, amidos

Produtos químicos e farmacológicos e derivados

Aromáticos, gomas e resinas, látex e outros exsudatos, extratos medicinais, tanantes e corantes, toxinas

Materiais decorativos

Casca, folhagem, flores, gramíneas, pot-pourri

Fibra não madeireira para entrançar, fins estruturais e acolchoamento

Bambu, casca, cortiça, sumaúma, folhas de palmeira, vime, junco, capim

 

Os produtos não madeireiros são colhidos por várias razões (subsistência, fins comerciais ou passatempo/recreação) e por uma série de necessidades. Isso, por sua vez, afeta o risco relativo associado à sua coleta. Por exemplo, o apanhador de cogumelos amador tem muito menos probabilidade de permanecer exposto ao risco de exposição a condições climáticas severas do que o apanhador comercial, dependente da colheita para obter renda e competindo por um suprimento limitado de cogumelos disponíveis sazonalmente.

A escala das operações de extração não madeireira é variável, com efeitos positivos e negativos associados sobre perigos potenciais. Pela sua natureza, a colheita não madeireira é muitas vezes um esforço pequeno, de subsistência ou empresarial. A segurança do trabalhador solitário em locais remotos pode ser mais problemática do que para o trabalhador não isolado. A experiência individual afetará a situação. Pode haver uma emergência ou outra situação que possivelmente exija a intervenção direta de fontes consultivas externas de informações sobre segurança e saúde. Certos produtos específicos não madeireiros têm, no entanto, sido significativamente comercializados, prestando-se até mesmo ao cultivo de plantações, como bambu, cogumelos, goma naval, certas nozes e borracha, para citar apenas alguns. Operações comercializadas, teoricamente, podem ser mais propensas a fornecer e enfatizar informações sistemáticas de saúde e segurança no decorrer do trabalho.

Coletivamente, os produtos listados, o ambiente florestal em que existem e os métodos necessários para colhê-los podem estar relacionados a certos riscos inerentes à saúde e à segurança. Esses perigos são bastante elementares porque derivam de ações muito comuns, como escalar, cortar com ferramentas manuais, cavar, coletar, pegar e transportar manualmente. Além disso, a colheita de um determinado produto alimentar pode incluir a exposição a agentes biológicos (uma superfície de planta venenosa ou cobra venenosa), riscos biomecânicos (por exemplo, devido a um movimento repetitivo ou carregar uma carga pesada), condições climatológicas, riscos de segurança de ferramentas e técnicas (como uma laceração devido à técnica de corte descuidada) e outros perigos (talvez devido a terrenos difíceis, travessias de rios ou trabalho fora do solo).

Como os produtos não madeireiros geralmente não se prestam à mecanização e seu custo é frequentemente proibitivo, há uma ênfase desproporcional na colheita manual ou no uso de animais de tração para colheita e transporte em comparação com outras indústrias.

Controle e Prevenção de Perigos

Uma palavra especial sobre as operações de corte é necessária, uma vez que o corte é indiscutivelmente a fonte de risco mais conhecida e comum associada à colheita de produtos florestais não madeireiros. Os riscos potenciais de corte estão ligados à seleção e qualidade apropriadas da ferramenta, tamanho/tipo de corte necessário, força necessária para fazer o corte, posicionamento do trabalhador e atitude do trabalhador.

Em geral, os riscos de corte podem ser reduzidos ou mitigados por:

  • treinamento direto para as tarefas de trabalho: seleção adequada de ferramentas, manutenção e afiação de ferramentas e treinamento do trabalhador com relação à técnica biomecânica adequada
  • treinamento em organização do trabalho: planejamento do trabalho, avaliação de segurança/perigos, preparação do local e conscientização contínua do trabalhador em relação à tarefa de trabalho e arredores.

 

O objetivo do treinamento bem-sucedido em técnica e filosofia de trabalho deve ser: implementação de planejamento de trabalho adequado e medidas de precaução, reconhecimento de riscos, prevenção ativa de riscos e minimização de ferimentos em caso de acidente.

Fatores relacionados aos perigos da colheita

Como a colheita não madeireira, por sua natureza, ocorre ao ar livre, sujeita a mudanças nas condições climáticas e outros fatores naturais, e porque é predominantemente não mecanizada, os trabalhadores estão particularmente sujeitos aos efeitos ambientais da geografia, topografia, clima e estação do ano . Após grandes esforços físicos e fadiga, as condições climáticas podem contribuir para problemas de saúde e acidentes relacionados ao trabalho (ver tabela 2).

Tabela 2. Perigos e exemplos de colheita não madeireira.

Perigos da colheita não madeireira

Exemplos

Os agentes biológicos

Mordeduras e picadas (vetor externo, venenos sistêmicos)

Contato com plantas (vetor externo, venenos tópicos)

Ingestão (vetor interno, venenos sistêmicos)

ação biomecânica

Técnica inadequada ou lesão por uso repetitivo relacionada a dobrar, carregar, cortar, levantar, carregar

condições climatológicas

Efeitos excessivos de calor e frio, induzidos externamente (ambiente) ou devido ao esforço de trabalho

Ferramentas e técnicas

Cortes, riscos mecânicos, manuseio de animais de tração, operação de veículos pequenos

Outros

Briga, ataque de animais, terreno difícil, fadiga, perda de orientação, trabalho em altura, trabalho em locais remotos, trabalho ou travessia de vias navegáveis

 

As operações de extração não madeireira tendem a ocorrer em áreas remotas. Isso representa uma forma de perigo devido à falta de proximidade com os cuidados médicos em caso de acidente. Não se espera que isso aumente a frequência de acidentes, mas certamente pode aumentar a gravidade potencial de qualquer lesão.

 

Voltar

Sábado, março 12 2011 17: 14

Plantação de árvore

O plantio de árvores consiste em colocar mudas ou árvores jovens no solo. É feito principalmente para reflorestar uma nova floresta após a colheita, para estabelecer um bosque ou para mudar o uso de um pedaço de terra (por exemplo, de um pasto para um bosque ou para controlar a erosão em uma encosta íngreme). Projetos de plantio podem chegar a vários milhões de plantas. Os projetos podem ser executados por empreiteiros privados dos proprietários florestais, empresas de celulose e papel, serviço florestal do governo, organizações não governamentais ou cooperativas. Em alguns países, o plantio de árvores tornou-se uma verdadeira indústria. Excluído aqui está o plantio de grandes árvores individuais, que é considerado mais o domínio do paisagismo do que da silvicultura.

A força de trabalho inclui os próprios plantadores de árvores, bem como funcionários do viveiro de árvores, trabalhadores envolvidos no transporte e manutenção das plantas, suporte e logística (por exemplo, gerenciamento, cozimento, direção e manutenção de veículos e assim por diante) e inspetores de controle de qualidade. As mulheres constituem 10 a 15% da força de trabalho dos plantadores de árvores. Como indicação da importância da indústria e da escala de atividades em regiões onde a silvicultura é de importância econômica, o governo provincial de Quebec, no Canadá, estabeleceu a meta de plantar 250 milhões de mudas em 1988.

Estoque de Plantio

Várias tecnologias estão disponíveis para produzir mudas ou pequenas árvores, e a ergonomia do plantio de árvores varia de acordo. O plantio de árvores em terreno plano pode ser feito por máquinas de plantio. O papel do trabalhador limita-se então a alimentar a máquina manualmente ou apenas a controlar a qualidade. Na maioria dos países e situações, no entanto, a preparação do local pode ser mecanizada, mas o plantio real ainda é feito manualmente.

Na maioria dos reflorestamentos, após um incêndio florestal ou corte raso, por exemplo, ou na arborização, são utilizadas mudas que variam de 25 a 50 cm de altura. As mudas são de raiz nua ou foram cultivadas em recipientes. Os recipientes mais comuns em países tropicais são de 600 a 1,000 cm3. Os recipientes podem ser dispostos em bandejas plásticas ou de isopor que normalmente comportam de 40 a 70 unidades idênticas. Para algumas finalidades, podem ser necessárias plantas maiores, de 80 a 200 cm. Eles são geralmente de raiz nua.

O plantio de árvores é sazonal porque depende de clima chuvoso e/ou frio. A temporada dura de 30 a 90 dias na maioria das regiões. Embora possa parecer uma ocupação menos sazonal, o plantio de árvores deve ser considerado uma grande atividade estratégica de longo prazo, tanto para o meio ambiente quanto para a receita, onde a silvicultura é uma indústria importante.

As informações aqui apresentadas baseiam-se principalmente na experiência canadense, mas muitas das questões podem ser extrapoladas para outros países com contexto geográfico e econômico semelhante. Práticas específicas e considerações de saúde e segurança para países em desenvolvimento também são abordadas.

Estratégia de Plantio

A avaliação cuidadosa do local é importante para estabelecer metas de plantio adequadas. Uma abordagem superficial pode esconder dificuldades de campo que retardarão o plantio e sobrecarregarão os plantadores. Existem várias estratégias para o plantio de grandes áreas. Uma abordagem comum é ter uma equipe de 10 a 15 plantadores igualmente espaçados em uma fileira, que progridem no mesmo ritmo; um trabalhador designado então tem a tarefa de trazer mudas suficientes para toda a equipe, geralmente por meio de pequenos veículos off-road. Outro método comum é trabalhar com vários pares de plantadores, cada par sendo responsável por buscar e carregar seu próprio pequeno estoque de plantas. Os plantadores experientes saberão espaçar o estoque para não perder tempo carregando as plantas de um lado para o outro. Plantar sozinho não é recomendado.

Transporte de Mudas

O plantio depende do fornecimento constante de mudas aos plantadores. Eles são trazidos em vários milhares de cada vez dos viveiros, em caminhões ou picapes até onde a estrada vai. As mudas devem ser descarregadas rapidamente e regadas regularmente. Máquinas madeireiras modificadas ou pequenos veículos off-road podem ser usados ​​para transportar as mudas do depósito principal para os locais de plantio. Onde as mudas precisam ser transportadas por trabalhadores, como em muitos países em desenvolvimento, a carga de trabalho é muito pesada. Mochilas adequadas devem ser usadas para reduzir a fadiga e o risco de lesões. Os plantadores individuais levarão de quatro a seis bandejas para seus respectivos lotes. Como a maioria dos plantadores é paga por peça, é importante que eles minimizem o tempo improdutivo gasto em viagens, coleta ou transporte de mudas.

Equipamentos e Ferramentas

O equipamento típico transportado por um plantador de árvores inclui uma pá de plantio ou um dibble (um cilindro de metal ligeiramente cônico na ponta de uma vara, usado para fazer furos que se ajustam às dimensões das mudas em contêineres), duas ou três bandejas de plantas transportadas por um arnês e equipamentos de segurança, como botas com biqueira e luvas de proteção. No plantio de mudas de raiz nua, é utilizado, em vez do arnês, um balde com água suficiente para cobrir as raízes da muda, que é transportado na mão. Vários tipos de enxadas de plantio de árvores também são amplamente utilizados para mudas de raízes nuas na Europa e na América do Norte. Algumas ferramentas de plantio são fabricadas por empresas especializadas em ferramentas, mas muitas são feitas em lojas locais ou são destinadas para jardinagem e agricultura, e apresentam algumas deficiências de projeto, como excesso de peso e comprimento inadequado. O peso normalmente carregado é apresentado na tabela 1.

Tabela 1. Carga típica transportada durante o plantio.

Element

 Peso em kg    

Arnês disponível comercialmente

 2.1

Três bandejas de recipiente de 45 mudas, cheias   

 12.3

Ferramenta típica de plantio (dibble)

 2.4

Total

 16.8

 

Ciclo de Plantio

Um ciclo de plantio de árvores é definido como a série de etapas necessárias para colocar uma muda no solo. As condições do local, como declive, solo e cobertura do solo, têm forte influência na produtividade. No Canadá, a produção de uma plantadeira pode variar de 600 plantas por dia para um iniciante a 3,000 plantas por dia para um indivíduo experiente. O ciclo pode ser subdividido da seguinte forma:

Seleção de um micro-site. Esta etapa é fundamental para a sobrevivência das árvores jovens e depende de vários critérios levados em consideração pelos inspetores de controle de qualidade, incluindo distância da planta precedente e descendentes naturais, proximidade com material orgânico, ausência de detritos ao redor e evitar locais secos ou alagados. Todos esses critérios devem ser aplicados pelo plantador para cada árvore plantada, pois a não observância pode acarretar em penalidade financeira.

Perfuração do solo. Um buraco é feito no chão com a ferramenta de plantio. Dois modos de operação são observados, dependendo do tipo de alça e do comprimento do eixo. Uma consiste em usar a massa do corpo aplicada a uma barra de degrau localizada na extremidade inferior da ferramenta para forçá-la ao solo, enquanto a outra envolve levantar a ferramenta com o braço estendido e afundá-la com força no solo. Para evitar que partículas de terra caiam no buraco quando a ferramenta é removida, os plantadores têm o hábito de alisar suas paredes girando a ferramenta em torno de seu longo eixo com um movimento da mão ou alargando-a com um movimento circular do braço.

Inserção da planta na cavidade. Se o plantador ainda não estiver segurando uma muda, ele pega uma do recipiente, se abaixa, insere no buraco e se endireita. A planta deve estar reta, bem inserida no solo, e as raízes devem estar totalmente cobertas. É interessante notar aqui que a ferramenta desempenha um importante papel secundário ao fornecer um suporte para o plantador quando ele se abaixa e se endireita, aliviando assim os músculos das costas. Os movimentos das costas podem ser retos ou flexionados, dependendo do comprimento da haste e do tipo de cabo.

Compactação do solo. O solo é compactado ao redor da muda recém-plantada para colocá-la na cova e eliminar o ar que pode ressecar as raízes. Mesmo que uma ação de pisoteio seja recomendada, uma batida forte dos pés ou do calcanhar é observada com mais frequência.

Movendo para o próximo microsite. A plantadeira segue para o próximo microssite, geralmente a 1.8 m de distância. Essa distância geralmente é avaliada visualmente por plantadores experientes. Ao seguir para o local, ele deve identificar os perigos no caminho, planejar um caminho ao redor deles ou determinar outra estratégia evasiva. Na figura 1, a plantadeira em primeiro plano está prestes a inserir a muda no buraco. A plantadeira ao fundo está prestes a fazer um furo com uma ferramenta de plantio de cabo reto. Ambos carregam as mudas em recipientes presos a um arnês. Mudas e equipamentos podem pesar até 16.8 kg (ver tabela 1). Observe também que as floreiras são totalmente cobertas por roupas para se protegerem de insetos e do sol.

Figura 1. Plantadores de árvores em ação no Canadá

FOR050F1

Perigos, resultados e medidas preventivas

Poucos estudos em todo o mundo foram dedicados à saúde e segurança dos plantadores de árvores. Embora de aparência bucólica, o plantio de árvores realizado de forma industrial pode ser árduo e perigoso. Em um estudo pioneiro conduzido por Smith (1987) na Colúmbia Britânica, constatou-se que 90% dos 65 plantadores entrevistados haviam sofrido uma doença, lesão ou acidente durante as atividades de plantio de árvores. Em um estudo semelhante conduzido pelo IRSST, o Instituto de Saúde e Segurança Ocupacional de Quebec (Giguère et al. 1991, 1993), 24 de 48 plantadores de árvores relataram ter sofrido uma lesão relacionada ao trabalho durante o curso de suas carreiras de plantio. No Canadá, 15 plantadores de árvores morreram entre 1987 e 1991 das seguintes causas relacionadas ao trabalho: acidentes rodoviários (7), animais selvagens (3), raios (2), incidentes em alojamentos (incêndio, asfixia—2) e insolação (1 ).

Embora escassas e realizadas em um pequeno número de trabalhadores, as poucas investigações de indicadores fisiológicos de esforço físico (frequência cardíaca, parâmetros hematológicos sanguíneos, atividade elevada de enzimas séricas) concluíram que o plantio de árvores é uma ocupação altamente extenuante, tanto em termos cardiovasculares quanto musculoesqueléticos. cepa (Trites, Robinson e Banister 1993; Robinson, Trites e Banister 1993; Giguère et al. 1991; Smith 1987). Banister, Robinson e Trites (1990) definiram “esgotamento do plantador de árvores”, uma condição originada por deficiência hematológica e caracterizada pela presença de letargia, fraqueza e tontura semelhante à “síndrome de exaustão adrenal” ou “anemia esportiva” desenvolvida por atletas de treinamento. (Para dados sobre a carga de trabalho no Chile, ver Apud e Valdés 1995; para o Paquistão, ver Saarilahti e Asghar 1994).

Fatores organizacionais. Longas jornadas de trabalho, deslocamentos e rigoroso controle de qualidade, aliados ao incentivo à produção por peça (prática amplamente difundida entre os arboricultores), podem prejudicar o equilíbrio fisiológico e psicológico do trabalhador e levar à fadiga crônica e ao estresse (Trites, Robinson e Banister 1993). Uma boa técnica de trabalho e pausas curtas regulares melhoram a produção diária e ajudam a evitar o esgotamento.

Acidentes e lesões. Os dados apresentados na tabela 2 fornecem uma indicação da natureza e das causas dos acidentes e ferimentos conforme relatados pela população de plantadores de árvores que participou do estudo de Quebec. A importância relativa dos acidentes por parte do corpo afetada mostra que as lesões nos membros inferiores são mais frequentemente relatadas do que nos membros superiores, se somados os percentuais de joelhos, pés, pernas e tornozelos. A configuração ambiental é favorável a tropeços e acidentes de queda. Lesões associadas a movimentos forçados e lesões causadas por ferramentas, restos de corte ou detritos do solo também são relevantes.

Tabela 2. Agrupamento de frequência de acidentes com plantação de árvores por partes do corpo afetadas (em percentual de 122 notificações de 48 sujeitos em Quebec).

 Rank  

 Parte do corpo  

 % total  

 Causas relacionadas

 1

 Joelhos

14

 Quedas, contato com ferramentas, compactação do solo

 2

 Pele

12

 Contato com equipamentos, picadas e picadas de insetos, queimaduras solares, rachaduras

 3

 Olhos

11

 Insetos, repelente de insetos, galhos

 4

 Voltar

10

 Flexão frequente, transporte de carga

 5

 pés

10

 Compactação do solo, bolhas

 6

 mãos

8

 Rachaduras, arranhões devido ao contato com o solo

 7

 Pernas

7

 Quedas, contato com ferramenta

 8

 Pulsos

6

 rochas escondidas

 9

 Tornozelos

4

 Tropeços e quedas, obstáculos ocultos, contato com ferramenta

 10

 Outros

18

 -

Fonte: Giguere et al. 1991, 1993.

Um canteiro de plantio bem preparado, livre de arbustos e obstáculos, agilizará o plantio e diminuirá os acidentes. A sucata deve ser disposta em pilhas ao invés de sulcos para facilitar a circulação das plantadeiras no local. As ferramentas devem ter cabos retos para evitar ferimentos e ser de cor contrastante. Sapatos ou botas devem ser resistentes o suficiente para proteger os pés durante o contato repetido com a ferramenta de plantio e ao pisar no solo; tamanhos devem estar disponíveis para plantadores masculinos e femininos, e a sola, dimensionada adequadamente para homens e mulheres, deve ter uma boa aderência em pedras ou tocos molhados. As luvas são úteis para reduzir a ocorrência de bolhas e de cortes e hematomas decorrentes da inserção da muda no solo. Eles também tornam mais confortável o manuseio de mudas de coníferas ou espinhosas.

Vida no acampamento e trabalho ao ar livre. No Canadá e em vários outros países, os plantadores geralmente precisam viver em acampamentos. Trabalhar ao ar livre requer proteção contra o sol (óculos de sol, chapéus, protetor solar) e contra insetos que picam e picam. O estresse calórico também pode ser significativo, e a prevenção exige a possibilidade de ajustar o regime de trabalho-repouso e a disponibilidade de líquidos potáveis ​​para evitar a desidratação.

É importante ter equipamento de primeiros socorros e alguns funcionários treinados como paramédicos. O treinamento deve incluir tratamento de emergência de insolação e alergia causada por veneno de vespas ou cobras. Os plantadores devem ser verificados quanto à vacinação contra tétano e alergia antes de serem enviados para locais remotos. Sistemas de comunicação de emergência, procedimentos de evacuação e sinal de reunião (em caso de incêndio florestal, vento ou trovoada repentina, presença de animais selvagens perigosos e assim por diante) são essenciais.

Perigos químicos. O uso de pesticidas e fungicidas para proteger as mudas (durante o cultivo ou armazenamento) é um risco potencial ao manusear plantas recém pulverizadas (Robinson, Trites e Banister 1993). A irritação ocular pode ocorrer devido à necessidade constante de aplicar loções ou sprays repelentes de insetos.

Carga musculoesquelética e fisiológica. Embora não haja literatura epidemiológica específica relacionando problemas musculoesqueléticos e plantio de árvores, os movimentos vigorosos associados ao carregamento de carga, bem como a variedade de posturas e trabalho muscular envolvidos no ciclo de plantio constituem, sem dúvida, fatores de risco, agravados pelo caráter repetitivo do trabalho.

As flexões e extensões extremas dos punhos, ao pegar mudas nas bandejas, por exemplo, e a transmissão de choques para as mãos e braços que ocorrem quando a ferramenta de plantio atinge uma rocha escondida, estão entre os possíveis riscos biomecânicos para os membros superiores. O peso total carregado, a frequência do levantamento, a natureza repetitiva e física do trabalho, especialmente o intenso esforço muscular exigido ao mergulhar o dibble no solo, contribuem para a tensão muscular exercida nos membros superiores.

Problemas na região lombar podem estar relacionados à frequência da flexão. O manuseio de bandejas de mudas (3.0 a 4.1 kg cada quando cheias) ao descarregar caminhões de entrega também é um risco potencial. Carregar cargas com arneses, especialmente se o peso não estiver bem distribuído nos ombros e na cintura, também pode causar dores nas costas.

A carga muscular nos membros inferiores é obviamente extensa. Caminhar vários quilômetros por dia carregando uma carga em terrenos acidentados, às vezes subindo uma colina, pode rapidamente se tornar extenuante. Além disso, o trabalho envolve flexões frequentes do joelho e os pés são usados ​​continuamente. A maioria dos plantadores de árvores usa os pés para limpar os detritos locais com um movimento lateral antes de fazer um buraco. Eles também usam os pés para colocar peso no apoio para os pés da ferramenta para facilitar a penetração no solo e compactar o solo ao redor da muda depois de inserida.

A prevenção do esforço músculo-esquelético assenta na minimização das cargas transportadas, em termos de peso, frequência e distância, em conjugação com a otimização das posturas de trabalho, o que implica ferramentas e práticas de trabalho adequadas.

Se as mudas devem ser transportadas em um balde, por exemplo, a água pode ser substituída por turfa úmida para reduzir o peso carregado. No Chile, a substituição de pesadas caixas de madeira para transporte de mudas por outras mais leves de papelão aumentou a produção em 50% (Apud e Valdés 1995). As ferramentas também devem ser bem adaptadas ao trabalho. A substituição de uma picareta e pá por uma picareta especialmente projetada reduziu a carga de trabalho em 50% e melhorou a produção em até 100% no reflorestamento no Paquistão (Saarilahti e Asghar 1994). O peso da ferramenta de plantio também é crucial. Por exemplo, em uma pesquisa de campo de ferramentas de plantio realizada em Quebec, as variações variaram de 1.7 a 3.1 kg, o que significa que a escolha do modelo mais leve pode economizar 1,400 kg de peso levantado diariamente com base em 1,000 levantamentos por dia.

As ferramentas de plantio com alças longas e retas são preferidas, pois se a ferramenta atingir uma rocha escondida, a mão escorregará na alça em vez de absorver o choque. Uma alça lisa e cônica permite uma ótima aderência para uma maior porcentagem da população. O Instituto de Pesquisa de Engenharia Florestal do Canadá recomenda ferramentas ajustáveis ​​com propriedades de absorção de choque, mas relata que nenhuma estava disponível na época de sua pesquisa de 1988 (Stjernberg 1988).

Os plantadores também devem ser educados sobre posturas de trabalho ideais. Usar o peso do corpo para inserir o dibble em vez de usar o esforço muscular, evitar torções nas costas ou esforço dos braços quando eles estão totalmente estendidos, evitar plantar em declive e usar a ferramenta de plantio como apoio ao dobrar, por exemplo, podem ajudar a minimizar os problemas musculoesqueléticos tensão. Os plantadores novatos não devem ser pagos por peça até que estejam totalmente treinados.

 

Voltar

Sábado, março 12 2011 17: 22

Manejo e Controle de Incêndios Florestais

A relevância dos incêndios florestais

Uma tarefa importante para o manejo florestal é a proteção da base de recursos florestais.

Das muitas fontes de ataque contra a floresta, o fogo costuma ser o mais perigoso. Este perigo é também uma ameaça real para as pessoas que vivem dentro ou adjacentes à área florestal. A cada ano, milhares de pessoas perdem suas casas devido a incêndios florestais e centenas de pessoas morrem nesses acidentes; além disso, dezenas de milhares de animais domésticos perecem. O fogo destrói plantações agrícolas e leva à erosão do solo, que a longo prazo é ainda mais desastrosa do que os acidentes descritos anteriormente. Quando o solo fica estéril após o incêndio e as fortes chuvas encharcam o solo, podem ocorrer grandes deslizamentos de terra ou lama.

Estima-se que todos os anos:

  • 10 a 15 milhões de hectares de florestas boreais ou temperadas queimadas.
  • 20 a 40 milhões de hectares de florestas tropicais úmidas queimam.
  • 500 a 1,000 milhões de hectares de savanas tropicais e subtropicais, bosques e florestas abertas queimam.

 

Mais de 90% de todas essas queimadas são causadas pela atividade humana. Portanto, é bastante claro que a prevenção e o controle de incêndios devem receber prioridade máxima entre as atividades de manejo florestal.

Fatores de Risco em Incêndios Florestais

Os seguintes fatores tornam o trabalho de controle de incêndio particularmente difícil e perigoso:

  • calor excessivo irradiado pelo fogo (incêndios sempre ocorrem durante o tempo quente)
  • má visibilidade (devido a fumaça e poeira)
  • terreno difícil (os incêndios sempre seguem os padrões do vento e geralmente se movem para cima)
  • dificuldade em fornecer suprimentos aos bombeiros (comida, água, ferramentas, combustível)
  • frequentemente obrigatório trabalhar à noite (hora mais fácil de “matar” o fogo)
  • impossibilidade de ultrapassar um incêndio durante ventos fortes (incêndios se movem mais rápido do que qualquer pessoa pode correr)
  • mudanças repentinas na direção do vento, de modo que ninguém possa prever exatamente a propagação do fogo
  • estresse e fadiga, fazendo com que as pessoas cometam erros de julgamento desastrosos, muitas vezes com resultados fatais.

 

Actividades na Gestão de Incêndios Florestais

As atividades na gestão de incêndios florestais podem ser divididas em três categorias diferentes com objetivos diferentes:

  • prevenção de incêndios (como evitar que incêndios aconteçam)
  • detecção de incêndio (como relatar os incêndios o mais rápido possível)
  • supressão de incêndio (o trabalho para apagar o fogo, realmente combater o fogo).

 

perigos ocupacionais

O trabalho de prevenção de incêndios é geralmente uma atividade muito segura.

A segurança na detecção de incêndios é principalmente uma questão de condução segura de veículos, a menos que sejam utilizadas aeronaves. As aeronaves de asa fixa são especialmente vulneráveis ​​a fortes correntes de ar ascendentes causadas pelo ar quente e pelos gases. Todos os anos, dezenas de tripulações são perdidas devido a erros do piloto, especialmente em condições montanhosas.

A supressão de incêndio, ou o combate real ao incêndio, é uma operação muito especializada. Tem que ser organizado como uma operação militar, porque a negligência, a não obediência e outros erros humanos podem não só colocar em perigo o bombeiro, mas também causar a morte de muitas outras pessoas, bem como grandes danos materiais. Toda a organização tem de ser claramente estruturada com boa coordenação entre o pessoal florestal, serviços de emergência, bombeiros, polícia e, em grandes incêndios, as forças armadas. Tem que haver uma única linha de comando, centralizada e no local.

A supressão de incêndios envolve principalmente o estabelecimento ou a manutenção de uma rede de aceiros. Estas são tipicamente faixas de 10 a 20 metros de largura, limpas de toda a vegetação e material incinerável. Os acidentes são causados ​​principalmente por ferramentas de corte.

Grandes incêndios florestais são, obviamente, os mais perigosos, mas problemas semelhantes surgem com queima prescrita ou “fogo frio”, quando queimaduras leves são permitidas para reduzir a quantidade de material inflamável sem danificar a vegetação. As mesmas precauções se aplicam em todos os casos.

Intervenção precoce

Detectar o fogo precocemente, quando ele ainda está fraco, tornará seu controle mais fácil e seguro. Anteriormente, a detecção era baseada em observações do solo. Agora, no entanto, equipamentos de infravermelho e micro-ondas acoplados a aeronaves podem detectar um incêndio precoce. A informação é transmitida a um computador no solo, que pode processá-la e fornecer a localização e a temperatura precisas do incêndio, mesmo quando há nuvens. Isso permite que as equipes de terra e/ou pára-quedistas de fumaça ataquem o fogo antes que ele se espalhe amplamente.

Ferramentas e equipamentos

Muitas regras se aplicam ao bombeiro, que pode ser trabalhador florestal, voluntário da comunidade, funcionário público ou integrante de unidade militar designada para a área. O mais importante é: nunca vá combater um incêndio sem sua própria ferramenta de corte pessoal. A única forma de escapar do incêndio pode ser utilizando a ferramenta para retirar um dos componentes do “triângulo do fogo”, conforme mostra a figura 1. A qualidade dessa ferramenta é crítica: se ela quebrar, o bombeiro pode perder sua ou a vida dela.

Figura 1. Equipamento de segurança do bombeiro florestal

FOR070F2

Isso também coloca uma ênfase muito especial na qualidade da ferramenta; Sem rodeios, se a parte de metal da ferramenta quebrar, o bombeiro pode perder a vida. O equipamento de segurança para bombeiros florestais é mostrado na figura 2.

Figura 2. Equipamento de segurança do bombeiro florestal

FOR070F1

Combate a Incêndios Terrestres

A preparação de corta-fogo durante um incêndio real é especialmente perigosa devido à urgência de controlar o avanço do fogo. O perigo pode ser multiplicado por má visibilidade e mudança de direção do vento. No combate a incêndios com fumaça pesada (por exemplo, incêndios em turfeiras), as lições aprendidas com um incêndio na Finlândia em 1995 incluem:

  • Somente pessoas experientes e fisicamente aptas devem ser enviadas em condições de forte fumaça.
  • Cada pessoa deve ter um rádio para receber instruções de uma aeronave pairando.
  • Somente pessoas com aparelhos respiratórios ou máscaras de gás devem ser incluídas.

 

Os problemas estão relacionados à má visibilidade e à mudança da direção do vento.

Quando um incêndio avançando ameaça as residências, os habitantes podem ter que ser evacuados. Isso representa uma oportunidade para ladrões e vândalos e exige atividades de policiamento diligentes.

A tarefa de trabalho mais perigosa é fazer tiros pela culatra: cortar rapidamente as árvores e arbustos para formar um caminho paralelo à linha de fogo que avança e atear fogo no momento certo para produzir uma forte corrente de ar em direção ao fogo que avança , para que os dois fogos se encontrem. O rascunho do fogo que avança é causado pela necessidade do fogo que avança puxar o oxigênio de todos os lados do fogo. É muito claro que, se o tempo falhar, toda a tripulação será engolfada por forte fumaça e calor exaustivo e sofrerá falta de oxigênio. Somente as pessoas mais experientes devem fazer o tiro pela culatra e devem preparar rotas de fuga com antecedência para qualquer um dos lados do fogo. Este sistema de tiro pela culatra deve sempre ser praticado antes da temporada de incêndios; esta prática deve incluir o uso de equipamentos como tochas para acender o tiro pela culatra. Partidas comuns são muito lentas!

Como último esforço de autopreservação, um bombeiro pode raspar todos os materiais em chamas em um diâmetro de 5 m, cavar uma cova no centro, cobrir-se com terra, molhar o capacete ou jaqueta e colocá-lo sobre a cabeça. O oxigênio geralmente está disponível apenas a 1 a 2 centímetros do nível do solo.

Bombardeamento de água por aeronaves

O uso de aeronaves para combate a incêndios não é novo (os perigos na aviação são descritos em outra parte deste enciclopédia). Existem, no entanto, algumas atividades que são muito perigosas para a equipe de terra em um incêndio florestal. A primeira está relacionada à língua de sinais oficial utilizada nas operações das aeronaves, que deve ser praticada durante o treinamento.

A segunda é como marcar todas as áreas onde a aeronave vai carregar água para seus tanques. Para tornar esta operação o mais segura possível, essas áreas devem ser marcadas com bóias flutuantes para evitar que o piloto precise usar adivinhações.

A terceira questão importante é manter contato de rádio constante entre a equipe de solo e a aeronave enquanto ela se prepara para liberar sua água. A liberação de pequenos helibaldes de 500 a 800 litros não é tão perigosa. Helicópteros grandes, porém, como o MI-6, carregam 2,500 litros, enquanto a aeronave C-120 leva 8,000 litros e o IL-76 pode despejar 42,000 litros em uma varredura. Se, por acaso, uma dessas grandes cargas de água cair sobre os tripulantes no solo, o impacto pode matá-los.

Treinamento e organização

Um requisito essencial no combate a incêndios é alinhar todos os bombeiros, moradores e trabalhadores florestais para organizar exercícios conjuntos de combate a incêndios antes do início da temporada de incêndios. Esta é a melhor maneira de garantir um combate a incêndios bem-sucedido e seguro. Ao mesmo tempo, todas as funções de trabalho dos vários níveis de comando devem ser exercidas no terreno.

O chefe e os líderes dos bombeiros selecionados devem ser aqueles com o melhor conhecimento das condições locais e das organizações governamentais e privadas. É obviamente perigoso designar alguém muito alto na hierarquia (sem conhecimento local) ou muito baixo na hierarquia (muitas vezes sem autoridade).

 

Voltar

Sábado, março 12 2011 17: 34

Riscos de segurança física

Clima, ruído e vibração são riscos físicos comuns no trabalho florestal. A exposição a riscos físicos varia muito dependendo do tipo de trabalho e do equipamento utilizado. A discussão a seguir concentra-se na colheita florestal e considera o trabalho manual e motor-manual (principalmente motosserras) e operações mecanizadas.

Trabalho Florestal Manual

Clima

O trabalho ao ar livre, sujeito às condições climáticas, é positivo e negativo para o trabalhador florestal. O ar fresco e o bom tempo são bons, mas as condições desfavoráveis ​​podem criar problemas.

Trabalhar em clima quente pressiona o trabalhador florestal que realiza trabalhos pesados. Entre outras coisas, a frequência cardíaca aumenta para manter a temperatura do corpo baixa. Suar significa perda de fluidos corporais. O trabalho pesado em altas temperaturas significa que um trabalhador pode precisar beber 1 litro de água por hora para manter o equilíbrio dos fluidos corporais.

Em um clima frio, os músculos funcionam mal. O risco de lesões musculoesqueléticas (MSI) e acidentes aumenta. Além disso, o gasto de energia aumenta substancialmente, já que é preciso muita energia apenas para se aquecer.

Condições de chuva, principalmente em combinação com frio, significam maior risco de acidentes, pois as ferramentas são mais difíceis de segurar. Eles também significam que o corpo fica ainda mais gelado.

Roupas adequadas para diferentes condições climáticas são essenciais para manter o trabalhador florestal aquecido e seco. Em climas quentes, apenas roupas leves são necessárias. Então, é um problema usar roupas e calçados de proteção suficientes para protegê-lo contra espinhos, galhos chicoteados e plantas irritantes. Os alojamentos devem ter instalações suficientes para lavar e secar roupas. A melhoria das condições nos campos reduziu substancialmente os problemas dos trabalhadores em muitos países.

Definir limites para condições climáticas aceitáveis ​​para o trabalho com base apenas na temperatura é muito difícil. Por um lado, a temperatura varia bastante entre os diferentes lugares da floresta. O efeito sobre a pessoa também depende de muitas outras coisas, como umidade, vento e roupas.

Perigos relacionados à ferramenta

Ruído, vibrações, gases de escape e assim por diante raramente são um problema no trabalho florestal manual. Choques causados ​​por bater em nós duros durante o desgalhamento com um machado ou bater em pedras durante o plantio podem criar problemas nos cotovelos ou nas mãos.

Trabalho Florestal Motor-Manual

O trabalhador florestal motor-manual é aquele que trabalha com máquinas manuais, como motosserras ou roçadeiras mecânicas, e está exposto às mesmas condições climáticas do trabalhador braçal. Ele ou ela, portanto, tem a mesma necessidade de roupas adequadas e instalações de alojamento. Um problema específico é o uso de equipamentos de proteção individual em climas quentes. Mas o trabalhador também está sujeito a outros riscos específicos devido às máquinas com as quais trabalha.

O ruído é um problema quando se trabalha com uma motosserra, motosserra ou similares. O nível de ruído da maioria das motosserras usadas no trabalho florestal regular excede 100 dBA. O operador fica exposto a esse nível de ruído por 2 a 5 horas diariamente. É difícil reduzir os níveis de ruído dessas máquinas sem torná-las muito pesadas e difíceis de trabalhar. O uso de protetores auriculares é, portanto, essencial. Ainda assim, muitos operadores de motosserra sofrem perda de audição. Na Suécia, cerca de 30% dos operadores de motosserras tinham deficiência auditiva grave. Outros países relatam números altos, mas variados, dependendo da definição de perda auditiva, duração da exposição, uso de protetores auriculares e assim por diante.

A vibração induzida manualmente é outro problema com as motosserras. A doença do “dedo branco” tem sido um grande problema para alguns trabalhadores florestais que operam motosserras. O problema foi minimizado com motosserras modernas. A utilização de amortecedores antivibráticos eficientes (em climas frios combinados com punhos aquecidos) permitiu, por exemplo, que na Suécia o número de motosserras com dedos brancos caísse para 7 ou 8%, o que corresponde ao figura para dedos brancos naturais para todos os suecos. Outros países relatam um grande número de trabalhadores com dedo branco, mas provavelmente não usam motosserras modernas com vibração reduzida.

O problema é semelhante ao usar serras de escova e serras de poda. Esses tipos de máquinas não foram estudados de perto, pois na maioria dos casos o tempo de exposição é curto.

Pesquisas recentes apontam para um risco de perda de força muscular devido às vibrações, às vezes até sem sintomas de dedo branco.

Trabalho de máquina

A exposição a condições climáticas desfavoráveis ​​é mais fácil de resolver quando as máquinas possuem cabines. A cabine pode ser isolada do frio, equipada com ar-condicionado, filtros de poeira e assim por diante. Essas melhorias custam dinheiro, portanto, na maioria das máquinas mais antigas e em muitas das novas, o operador ainda está exposto ao frio, calor, chuva e poeira em uma cabine mais ou menos aberta.

Problemas de ruído são resolvidos de maneira semelhante. Máquinas usadas em climas frios, como os países nórdicos, precisam de isolamento eficiente contra o frio. Eles também costumam ter boa proteção contra ruídos, com níveis de ruído abaixo de 70 a 75 dBA. Mas as máquinas com cabines abertas geralmente apresentam níveis de ruído muito altos (acima de 100 dBA).

A poeira é um problema especialmente em climas quentes e secos. Uma cabine bem isolada contra frio, calor ou ruído também ajuda a evitar a entrada de poeira. Usando uma leve sobrepressão na cabine, a situação pode ser melhorada ainda mais.

A vibração de corpo inteiro em máquinas florestais pode ser induzida pelo terreno sobre o qual a máquina se desloca, pelo movimento do guindaste e de outras partes móveis da máquina e pelas vibrações da transmissão de força. Um problema específico é o choque no operador quando a máquina desce de um obstáculo como uma pedra. Os operadores de veículos cross-country, como skidders e forwarders, geralmente têm problemas com dores lombares. As vibrações também aumentam o risco de lesões por esforço repetitivo (LER) no pescoço, ombro, braço ou mão. As vibrações aumentam fortemente com a velocidade com que o operador dirige a máquina.

Para reduzir as vibrações, as máquinas nos países nórdicos usam assentos antivibratórios. Outras formas são reduzir os choques provenientes do guindaste, tornando-o tecnicamente mais suave e usando melhores técnicas de trabalho. Isso também faz com que a máquina e o guindaste durem mais. Um novo conceito interessante é a “cabine Pendo”. Essa cabine fica pendurada em suas “orelhas” conectadas ao resto da máquina por apenas um suporte. A cabine é isolada das fontes de ruído e é mais fácil de proteger das vibrações. Os resultados são bons.

Outras abordagens tentam reduzir os choques que surgem ao dirigir sobre o terreno. Isso é feito usando rodas “inteligentes” e transmissão de força. O objetivo é reduzir o impacto ambiental, mas também tem um efeito positivo na situação do operador. Máquinas menos caras geralmente têm pouca redução de ruído, poeira e vibração. A vibração também pode ser um problema nas alças e controles.

Quando nenhuma abordagem de engenharia para controlar os perigos é usada, a única solução disponível é reduzir os perigos diminuindo o tempo de exposição, por exemplo, por rotação de trabalho.

Listas de verificação ergonômicas foram projetadas e usadas com sucesso para avaliar máquinas florestais, para orientar o comprador e para melhorar o projeto da máquina (ver Apud e Valdés 1995).

Combinações de trabalho manual, motor-manual e da máquina

Em muitos países, os trabalhadores manuais trabalham em conjunto ou perto de motosserras ou máquinas. O operador da máquina senta-se em uma cabine ou usa protetores auriculares e bons equipamentos de proteção. Mas, na maioria dos casos, os trabalhadores manuais não são protegidos. As distâncias de segurança para as máquinas não são respeitadas, resultando em risco muito elevado de acidentes e risco de danos auditivos para trabalhadores desprotegidos.

Rotação de trabalho

Todos os perigos descritos acima aumentam com a duração da exposição. Para reduzir os problemas, a rotação de trabalho é a chave, mas deve-se tomar cuidado para não apenas mudar as tarefas de trabalho enquanto, na verdade, mantém o mesmo tipo de riscos.

 

Voltar

Sábado, março 12 2011 17: 38

Carga Física

Trabalho Florestal Manual

Carga de trabalho. O trabalho florestal manual geralmente acarreta uma alta carga de trabalho físico. Isso, por sua vez, significa um alto gasto de energia para o trabalhador. A produção de energia depende da tarefa e do ritmo em que ela é executada. O trabalhador florestal precisa de uma ingestão alimentar muito maior do que o trabalhador de escritório “comum” para lidar com as demandas do trabalho.

A Tabela 1 apresenta uma seleção de trabalhos tipicamente executados na silvicultura, classificados em categorias de carga de trabalho pelo gasto energético requerido. Os números podem dar apenas uma aproximação, pois dependem do tamanho do corpo, sexo, idade, condição física e ritmo de trabalho, bem como das ferramentas e técnicas de trabalho. No entanto, dá uma indicação ampla de que o trabalho infantil é geralmente leve a moderado; trabalho de plantio e colheita com motosserra moderado a pesado; e colheita manual pesada a muito pesada. (Para estudos de caso e uma discussão detalhada do conceito de carga de trabalho aplicado à silvicultura, consulte Apud et al. 1989; Apud e Valdés 1995; e FAO 1992.)

Tabela 1. Gasto energético no trabalho florestal.

 

Kj/min/65 kg homem    

capacidade de carga de trabalho

 

Variação

Média 

 

Trabalho em viveiro florestal

Cultivando plantas arbóreas

 

 

18.4

 L

Capina

 

 

24.7

 M

Remoção de ervas daninhas

 

 

19.7

 L

Plantio

 

 

 

 

Limpeza de valas de drenagem com pá

 

 

32.7

 H

Trator dirigindo/rastejando enquanto está sentado

 

14.2-22.6

19.3

 L

Plantando à mão

 

23.0-46.9

27.2

 M

Plantio por máquina

 

 

11.7

 L

Trabalho com machado-golpes horizontais e perpendiculares

Peso da cabeça do machado

Taxa (golpes/min)

 

 

 

1.25 kg

20

 

23.0

 M

0.65-1.25 kg

35

38.0-44.4

41.0

 VH

Derrubar, aparar, etc. com ferramentas manuais

Me sentindo

 

28.5-53.2

36.0

 H

Carregando troncos

 

41.4-60.3

50.7

 EH

Arrastando logs

 

34.7-66.6

50.7

 EH

Trabalho com serra na floresta

Transportando serra elétrica

 

 

27.2

 M

Corte transversal à mão

 

26.8-44.0

36.0

 H

Serra elétrica de corte horizontal

 

15.1 - 26.8

22.6

 M

Exploração madeireira mecanizada

 

 

 

 

Operando colheitadeira/forwarder

 

12-20

 

 L

Preparação de lenha

Serrar pequenos troncos à mão

 

 

15.1

 L

Cortando madeira

 

36.0-38.1

36.8

 H

Arrastando lenha

 

32.7-41.0

36.8

 H

empilhar lenha

 

21.3-26.0

23.9

 M

L = Luz; M = Moderado; H = Pesado; VH = Muito pesado; EH = Extremamente pesado

Fonte: Adaptado de Durnin e Passmore 1967.

Distensão musculoesquelética. O empilhamento manual envolve levantamento pesado repetido. Se a técnica de trabalho não for perfeita e o ritmo muito alto, o risco de lesões musculoesqueléticas (MSIs) é muito alto. Carregar cargas pesadas por longos períodos de tempo, como na colheita de madeira para trituração ou na colheita e transporte de lenha, tem um impacto semelhante.

Um problema específico é o uso da força corporal máxima, que pode levar a lesões musculoesqueléticas súbitas em determinadas situações. Um exemplo é derrubar uma árvore mal pendurada usando uma alavanca de derrubada. Outra é “salvar” uma tora que cai de uma pilha.

O trabalho é feito usando apenas força muscular e, na maioria das vezes, envolve o uso dinâmico e não apenas repetitivo dos mesmos grupos musculares. Não é estático. O risco de lesões por esforço repetitivo (LER) geralmente é pequeno. No entanto, trabalhar em posições corporais inadequadas pode criar problemas como dor lombar. Um exemplo é o uso do machado para desgalhar árvores que estão caídas no chão, o que requer trabalho curvado por longos períodos de tempo. Isso coloca grande pressão na parte inferior das costas e também significa que os músculos das costas fazem um trabalho estático. O problema pode ser reduzido derrubando árvores sobre um tronco que já está no chão, usando-o como uma bancada natural.

Trabalho Florestal Motor-Manual

A operação de máquinas portáteis como motosserras pode exigir um gasto de energia ainda maior do que o trabalho manual, devido ao seu peso considerável. Na verdade, as motosserras usadas geralmente são grandes demais para a tarefa em questão. Em vez disso, deve-se usar o modelo mais leve e a menor barra guia possível.

Sempre que um trabalhador florestal que utiliza máquinas também realiza o empilhamento manual, ele está exposto aos problemas descritos acima. Os trabalhadores devem ser instruídos a manter as costas retas e a usar os grandes músculos das pernas para levantar cargas.

O trabalho é feito usando a força da máquina e é mais estático do que o trabalho manual. O trabalho do operador consiste em escolher, movimentar e manter a máquina na posição correta.

Muitos dos problemas criados se originam do trabalho em altura baixa. Desgalhar uma árvore que está caída no chão significa trabalhar curvado. Este é um problema semelhante ao descrito no trabalho florestal manual. O problema é agravado ao carregar uma motosserra pesada. O trabalho deve ser planejado e organizado de forma que a altura de trabalho fique próxima ao quadril do trabalhador florestal (por exemplo, usando outras árvores como “bancadas” para desgalhamento, conforme descrito acima). A serra deve ser apoiada pelo tronco tanto quanto possível.

Tarefas de trabalho motor-manual altamente especializadas criam risco muito alto de lesões musculoesqueléticas, pois os ciclos de trabalho são curtos e os movimentos específicos são repetidos muitas vezes. Um exemplo são os fellers que trabalham com motosserras à frente de um processador (desgalhamento e corte). A maioria desses trabalhadores florestais estudados na Suécia tinha problemas no pescoço e nos ombros. Fazer toda a operação de extração (derrubada, desgalhamento, corte transversal e algumas estacas não muito pesadas) significa que o trabalho é mais variado e a exposição a trabalhos estáticos e repetitivos desfavoráveis ​​específicos é reduzida. Mesmo com a serra adequada e com uma boa técnica de trabalho, os motosserras não devem trabalhar mais de 5 horas por dia com a serra em funcionamento.

Trabalho de máquina

As cargas de trabalho físicas na maioria das máquinas florestais são muito baixas em comparação com o trabalho manual ou motor-manual. O operador da máquina ou o mecânico às vezes ainda está exposto a cargas pesadas durante a manutenção e os reparos. O trabalho do operador consiste em orientar os movimentos da máquina. Ele ou ela controla a força a ser exercida por maçanetas, alavancas, botões e assim por diante. Os ciclos de trabalho são muito curtos. O trabalho na maioria das vezes é repetitivo e estático, o que pode levar a um alto risco de LER nas regiões do pescoço, ombros, braços, mãos ou dedos.

Nas máquinas dos países nórdicos, o operador trabalha apenas com tensões muito pequenas nos músculos, usando mini-joysticks, sentado em um assento ergonômico com apoio de braços. Mas ainda RSIs são um grande problema. Estudos mostram que entre 50 e 80% dos operadores de máquinas têm queixas no pescoço ou nos ombros. Esses números são muitas vezes difíceis de comparar, uma vez que as lesões se desenvolvem gradualmente durante um longo período de tempo. Os resultados dependem da definição de lesão ou reclamação.

Lesões por esforço repetitivo dependem de muitas coisas na situação de trabalho:

Grau de tensão no músculo. Uma alta tensão muscular estática ou repetitiva e monótona pode ser causada, por exemplo, pelo uso de controles pesados, por posições de trabalho inadequadas ou vibrações e choques de todo o corpo, mas também por alto estresse mental. O estresse pode ser gerado pela alta concentração, decisões complicadas ou pela situação psicossocial, como falta de controle sobre a situação de trabalho e relacionamento com supervisores e colegas de trabalho.

Tempo de exposição ao trabalho estático. Tensões musculares estáticas contínuas podem ser quebradas apenas fazendo pausas e micropausas frequentes, mudando as tarefas de trabalho, alternando tarefas e assim por diante. Uma longa exposição total a movimentos de trabalho monótonos e repetitivos ao longo dos anos aumenta o risco de LERs. As lesões aparecem gradualmente e podem ser irreversíveis quando se manifestam.

Status individual (“resistência”). A “resistência” do indivíduo muda com o tempo e depende de sua predisposição herdada e de seu status físico, psicológico e social.

A pesquisa na Suécia mostrou que a única maneira de reduzir esses problemas é trabalhando com todos esses fatores, especialmente por meio de rotação de cargos e aumento de postos de trabalho. Estas medidas diminuem o tempo de exposição e melhoram o bem-estar e a situação psicossocial do trabalhador.

Os mesmos princípios podem ser aplicados a todos os trabalhos florestais — manual, motor-manual ou mecânico.

Combinações de trabalho manual, motor-manual e da máquina

Combinações de trabalho manual e mecânico sem rotação de tarefas sempre significam que as tarefas de trabalho se tornam mais especializadas. Um exemplo são os fellers manuais com motor trabalhando à frente de um processador que está desgalhando e cortando. Os ciclos de trabalho dos fellers são curtos e monótonos. O risco de MSIs e RSIs é muito alto.

Uma comparação entre motosserras e operadores de máquinas foi feita na Suécia. Mostrou que os operadores de motosserra tinham maiores riscos de LME na região lombar, joelhos e quadril, bem como alto risco de deficiência auditiva. Os operadores de máquinas, por outro lado, apresentaram maiores riscos de LER no pescoço e nos ombros. Os dois tipos de trabalho estavam sujeitos a riscos muito diferentes. Uma comparação com o trabalho manual provavelmente mostraria ainda outro padrão de risco. Combinações de diferentes tipos de tarefas de trabalho usando rotação de trabalho e ampliação do trabalho oferecem possibilidades de reduzir o tempo de exposição a muitos perigos específicos.

 

Voltar

Segunda-feira, 14 Março 2011 17: 10

Fatores Psicossociais

Como fica evidente nos artigos deste capítulo, os riscos físicos no trabalho florestal estão bastante bem documentados. Por outro lado, comparativamente, poucas pesquisas se concentraram em fatores psicológicos e sociais (Slappendel et al. 1993). No contexto florestal, tais fatores incluem: satisfação e segurança no trabalho; a carga de trabalho mental; suscetibilidade e resposta ao estresse; enfrentamento dos riscos percebidos; pressão de trabalho, horas extras e fadiga; necessidade de suportar condições ambientais adversas; isolamento social em campos de trabalho com separação das famílias; organização do trabalho; e trabalho em equipe.

A situação de saúde e segurança no trabalho florestal depende da ampla gama de fatores descritos neste capítulo: condições do povoamento e do terreno; a infraestrutura; clima; tecnologia; métodos de trabalho; organização do trabalho; situação econômica; modalidades de contratação; acomodação do trabalhador; e educação e treinamento. Sabe-se que esses fatores interagem e podem, na verdade, contribuir para criar ambientes de trabalho de maior risco ou mais seguros (consulte “Condições de trabalho e segurança no trabalho florestal” neste capítulo).

Esses fatores também interagem com os sociais e psicológicos, na medida em que influenciam o status do trabalho florestal, a base de recrutamento e o conjunto de competências e habilidades disponíveis para o setor. Em uma situação desfavorável, o círculo de problemas representado na figura 1 pode ser o resultado. Infelizmente, esta situação é bastante comum nos países em desenvolvimento e em segmentos da força de trabalho florestal nos países industrializados, em particular entre os trabalhadores migrantes.

Figura 1. O círculo de problemas que podem ser encontrados no trabalho florestal.

FOR130F1

É provável que o perfil social e psicológico da força de trabalho florestal e o processo de seleção que a ela conduz desempenhem um papel importante na determinação do impacto do estresse e das situações de risco. Eles provavelmente não receberam atenção suficiente na silvicultura. Tradicionalmente, os trabalhadores florestais vêm de áreas rurais e consideram o trabalho na floresta tanto um modo de vida quanto uma ocupação. Muitas vezes, foi a natureza independente e ao ar livre do trabalho que os atraiu. As operações florestais modernas geralmente não atendem mais a essas expectativas. Mesmo para aqueles cujos perfis pessoais correspondiam muito bem às demandas do trabalho quando começaram, a rápida mudança tecnológica e estrutural no trabalho florestal desde o início dos anos 1980 criou grandes dificuldades. Trabalhadores incapazes de se adaptar à mecanização e à existência como contratante independente são frequentemente marginalizados. Para reduzir a incidência desses descompassos, o Laboratório de Ergonomia da Universidade de Concepción, no Chile, desenvolveu uma estratégia de seleção de trabalhadores florestais, levando em consideração as necessidades da indústria, aspectos sociais e critérios psicológicos.

Além disso, muitos novos entrantes ainda chegam mal preparados para o trabalho. O treinamento no local de trabalho, que muitas vezes não passa de tentativa e erro, ainda é comum. Mesmo onde os sistemas de treinamento são bem desenvolvidos, a maioria dos trabalhadores pode não ter nenhum treinamento formal. Na Finlândia, por exemplo, os operadores de máquinas florestais foram treinados por quase 30 anos e um total de mais de 2,500 se formaram. No entanto, no final da década de 1980, 90% dos contratados e 75% dos operadores não haviam recebido treinamento formal.

É provável que fatores sociais e psicológicos desempenhem um papel importante na determinação do impacto do risco e do estresse. Fatores psicológicos figuram com destaque entre as causas apontadas por trabalhadores florestais na Alemanha para os acidentes sofridos. Cerca de 11% dos acidentes foram atribuídos ao estresse e outro terço ao cansaço, rotina, correr riscos e falta de experiência. Modelos cognitivos internos podem desempenhar um papel significativo na criação de situações de risco que levam a acidentes madeireiros, e seu estudo pode trazer uma contribuição importante para a prevenção.

Risco

Um trabalho promissor sobre percepção, avaliação e assunção de riscos na silvicultura foi feito na Finlândia. Os resultados sugerem que os trabalhadores desenvolvem modelos internos sobre seus trabalhos que levam ao desenvolvimento de rotinas automáticas ou semiautomáticas. A teoria dos modelos internos descreve a atividade normal de um trabalhador florestal, como motosserra ou operação de máquina florestal, as mudanças introduzidas pela experiência, as razões para isso e a criação de situações de risco (Kanninen 1986). Ajudou a fornecer uma explicação coerente para muitos acidentes e a fazer propostas para a sua prevenção.

De acordo com a teoria, os modelos internos evoluem em níveis sucessivos através da experiência. Kanninen (1986) sugeriu que nas operações com motosserras o modelo de controle de movimento é o mais baixo na hierarquia de tais modelos, seguido por um modelo de manejo de árvores e um modelo de ambiente de trabalho. De acordo com a teoria, os riscos se desenvolvem quando o modelo interno do trabalhador florestal se desvia dos requisitos objetivos da situação. O modelo pode não estar suficientemente desenvolvido, pode conter fatores de risco inerentes, pode não ser usado em um determinado momento (por exemplo, devido à fadiga) ou pode não haver nenhum modelo que se encaixe em uma situação desconhecida – digamos, uma sorte inesperada. Quando uma dessas situações ocorre, é provável que resulte em um acidente.

O desenvolvimento e uso de modelos é influenciado pela experiência e treinamento, o que pode explicar os achados contraditórios dos estudos sobre percepção e avaliação de risco na revisão de Slappendel et al. (1993). Os trabalhadores florestais geralmente consideram correr riscos como parte de seu trabalho. Onde esta é uma tendência pronunciada, a compensação de risco pode minar os esforços para melhorar a segurança no trabalho. Nessas situações, os trabalhadores ajustarão seu comportamento e retornarão ao que aceitam como um nível de risco. Isso pode, por exemplo, ser parte da explicação para a eficácia limitada dos equipamentos de proteção individual (EPI). Sabendo que estão protegidos por calças e botas anti-corte, os trabalhadores vão mais rápido, trabalham com a máquina mais próxima do corpo e fazem atalhos, violando as normas de segurança que julgam “demorar a cumprir”. Normalmente, a compensação do risco parece ser parcial. Provavelmente existem diferenças entre indivíduos e grupos na força de trabalho. Fatores de recompensa são provavelmente importantes para desencadear a compensação de risco. As recompensas podem ser a redução do desconforto (como quando não usar roupas de proteção em um clima quente) ou benefícios financeiros (como em sistemas de pagamento por peça), mas o reconhecimento social em uma cultura “machista” também é um motivo concebível. A seleção, treinamento e organização do trabalho de trabalhadores devem tentar minimizar os incentivos para compensação de risco.

Carga de Trabalho Mental e Estresse

O estresse pode ser definido como a pressão psicológica sobre um indivíduo criada por uma incompatibilidade percebida entre a capacidade desse indivíduo e as demandas percebidas do trabalho. Estressores comuns na silvicultura incluem alta velocidade de trabalho; trabalho repetitivo e chato; aquecer; sobrecargas ou subcargas de trabalho em equipes de trabalho desequilibradas; trabalhadores jovens ou velhos tentando obter ganhos suficientes com baixos salários por peça; isolamento de colegas de trabalho, familiares e amigos; e falta de privacidade nos acampamentos. Eles também podem incluir um baixo status social geral dos trabalhadores florestais e conflitos entre madeireiros e a população local ou grupos ambientalistas. Em suma, a transformação do trabalho florestal que aumentou acentuadamente a produtividade também elevou os níveis de estresse e reduziu o bem-estar geral no trabalho florestal (veja a figura 2).

Figura 2. Esquema simplificado das relações de causa e efeito nas operações de contratação.

FOR130F2

Dois tipos de trabalhadores são particularmente propensos ao estresse: operadores de colheitadeiras e contratados. O operador de uma colheitadeira sofisticada está em situação de estresse múltiplo, devido aos curtos ciclos de trabalho, à quantidade de informações que precisam ser absorvidas e ao grande número de decisões rápidas que precisam ser tomadas. As colheitadeiras são significativamente mais exigentes do que as máquinas mais tradicionais, como skidders, carregadores e forwarders. Além do manuseio da máquina, o operador geralmente também é responsável pela manutenção da máquina, planejamento e projeto da pista de derrapagem, bem como torção, escamação e outros aspectos de qualidade que são monitorados de perto pela empresa e têm impacto direto no pagamento. Isso é particularmente verdadeiro em desbastes, pois o operador geralmente trabalha sozinho e toma decisões irreversíveis. Em um estudo de desbaste com colheitadeiras, Gellerstedt (1993) analisou a carga mental e concluiu que a capacidade mental do operador é o fator limitante para a produtividade. Os operadores que não conseguiam lidar com a carga não conseguiam fazer micropausas suficientes durante os ciclos de trabalho e, como resultado, desenvolviam problemas no pescoço e nos ombros. Qual dessas decisões e tarefas complexas é percebida como mais exigente varia consideravelmente entre os indivíduos, dependendo de fatores como antecedentes, experiência de trabalho anterior e treinamento (Juntunen 1993, 1995).

A tensão adicional pode resultar da situação bastante comum em que o operador também é o proprietário da máquina, trabalhando como um pequeno empreiteiro. Isso implica em alto risco financeiro, muitas vezes na forma de empréstimo de até US$ 1 milhão, em um mercado frequentemente muito volátil e competitivo. As semanas de trabalho geralmente excedem 60 horas para esse grupo. Estudos de tais empreiteiros mostram que a capacidade de resistir ao estresse é um fator significativo (Lidén 1995). Em um dos estudos de Lidén na Suécia, até 54% dos empreiteiros de máquinas estavam pensando em deixar o emprego – primeiro, porque interferia demais em sua vida familiar; segundo, por motivos de saúde; terceiro, porque envolvia muito trabalho; e, quarto, porque não era lucrativo. Os próprios pesquisadores e empreiteiros consideram a resiliência ao estresse como pré-condição para que um empreiteiro possa permanecer no negócio sem desenvolver problemas graves de saúde.

Onde o processo de seleção funciona, o grupo pode apresentar poucas queixas de saúde mental (Kanninen 1986). Em muitas situações, porém, e não apenas na Escandinávia, a falta de alternativas prende os empreiteiros neste setor, onde estão expostos a maiores riscos de saúde e segurança do que indivíduos cujo perfil pessoal está mais alinhado com o do trabalho. Boas cabines e melhorias adicionais em seu design, particularmente de controles, e medidas tomadas pelo indivíduo, como pausas curtas regulares e exercícios físicos, podem ajudar a reduzir esses problemas. A teoria dos modelos internos poderia ser usada para melhorar o treinamento para aumentar a prontidão e a capacidade dos operadores contratados para lidar com operações de máquinas cada vez mais exigentes. Isso ajudaria a diminuir o nível de “estresse de fundo”. Novas formas de organização do trabalho em equipes envolvendo variedade de tarefas e rotação de tarefas são provavelmente as mais difíceis de serem colocadas em prática, mas também são a estratégia potencialmente mais eficaz.

 

Voltar

Segunda-feira, 14 Março 2011 17: 21

Riscos Químicos

Combustíveis e óleos para máquinas portáteis

Máquinas florestais portáteis, como motosserras, motosserras e máquinas móveis, são fontes de emissões de exaustão de gasolina nas operações madeireiras. A gasolina contém principalmente hidrocarbonetos aromáticos (incluindo até 5% de benzeno em alguns países) e hidrocarbonetos alifáticos, aditivos e algumas impurezas. Durante a estação fria, a gasolina contém hidrocarbonetos mais leves e de fácil evaporação do que durante a estação quente. Os aditivos são compostos orgânicos de chumbo, álcoois e éteres que são usados ​​para aumentar a octanagem da gasolina. Em muitos casos, o chumbo foi totalmente substituído por éteres e álcoois.

As máquinas portáteis utilizadas na área florestal são movidas por motores de dois tempos, onde o óleo lubrificante é misturado à gasolina. Os óleos lubrificantes, assim como os óleos para correntes, são óleos minerais, óleos sintéticos ou óleos vegetais. A exposição à gasolina e lubrificantes e óleo de corrente pode ocorrer durante a mistura de combustível e abastecimento, bem como durante o corte. Combustíveis também são um risco de incêndio, é claro, e requerem armazenamento e manuseio cuidadosos.

Os aerossóis de óleo podem criar riscos à saúde, como irritação do trato respiratório superior e dos olhos, bem como problemas de pele. A exposição de lenhadores a aerossóis de óleo foi estudada durante a extração manual. Ambos os óleos minerais e vegetais foram investigados. A exposição dos trabalhadores florestais aos aerossóis de óleo foi em média 0.3 mg/m3 para óleo mineral e menos ainda para óleo vegetal.

A mecanização do trabalho florestal está aumentando rapidamente. As máquinas nas operações madeireiras utilizam grandes quantidades de óleo combustível, lubrificantes e óleos hidráulicos em seus motores e sistemas hidráulicos. Durante as operações de manutenção e reparo, as mãos dos operadores das máquinas são expostas a lubrificantes, óleos hidráulicos e óleos combustíveis, que podem causar dermatite irritante. Óleos minerais com hidrocarbonetos de cadeia curta (C14–C21) são os mais irritantes. Para evitar irritação, a pele deve ser protegida do contato com o óleo por luvas de proteção e boa higiene pessoal.

 

gases de escape

O principal componente dos gases de escape da motosserra é a gasolina não queimada. Normalmente, cerca de 30% da gasolina consumida por um motor de motosserra é emitida sem ser queimada. Os principais componentes das emissões de escape são os hidrocarbonetos que são constituintes típicos da gasolina. Hidrocarbonetos aromáticos, particularmente o tolueno, são geralmente identificados entre eles, mas até mesmo o benzeno é encontrado. Alguns dos gases de escape são formados durante a combustão, e o principal produto tóxico entre eles é o monóxido de carbono. Como resultado da combustão também há aldeídos, principalmente formaldeído e óxidos de nitrogênio.

A exposição dos trabalhadores aos gases de escape das motosserras foi estudada na Suécia. A exposição do operador à exaustão da motosserra foi avaliada em várias situações de extração de madeira. As medições não revelaram diferenças nos níveis médios de exposição durante a extração na presença ou ausência de neve. A operação de derrubada, no entanto, resulta em altos níveis de exposição a curto prazo, especialmente quando a operação é realizada enquanto há neve profunda no solo. Esta é considerada a principal causa do desconforto experimentado pelos madeireiros. Os níveis médios de exposição para madeireiros envolvidos apenas no corte foram duas vezes maiores do que para os cortadores que também realizam desgalhamento, torção e arraste manual da madeira. Estas últimas operações envolveram uma exposição consideravelmente menor. Os níveis médios típicos de exposição são os seguintes: hidrocarbonetos, 20 mg/m3; benzeno, 0.6 mg/m3; formaldeído, 0.1 mg/m3; monóxido de carbono, 20 mg/m3.

Esses valores estão claramente abaixo dos valores-limite de exposição ocupacional de 8 horas nos países industrializados. No entanto, os madeireiros costumam reclamar de irritação do trato respiratório superior e dos olhos, dor de cabeça, náusea e fadiga, que podem ser explicados, pelo menos em parte, por esses níveis de exposição.

Pesticidas e Herbicidas

Os agrotóxicos são utilizados em florestas e viveiros florestais para o controle de fungos, insetos e roedores. As quantidades totais usadas são tipicamente pequenas quando comparadas com o uso agrícola. Nas florestas, os herbicidas são usados ​​para controlar arbustos de madeira dura, ervas daninhas e grama em mudas jovens de madeira macia. Herbicidas fenoxi, glifosato ou triazinas são usados ​​para esse fim. Para necessidades pontuais, também podem ser usados ​​inseticidas, principalmente compostos organofosforados, compostos organoclorados ou piredróides sintéticos. Em viveiros florestais, ditiocarbamatos são usados ​​regularmente para proteger mudas de madeira macia contra fungos de pinheiros. Uma visão geral dos produtos químicos usados ​​na Europa e na América do Norte na década de 1980 é fornecida na tabela 1. Muitos países adotaram medidas para encontrar alternativas aos pesticidas ou para restringir seu uso. Para obter mais detalhes sobre a química, sintomas químicos de intoxicação e tratamento, consulte a seção de produtos químicos deste enciclopédia.

Tabela 1. Exemplos de produtos químicos usados ​​na silvicultura na Europa e América do Norte na década de 1980.

Funções

produtos quimicos

Fungicidas

Benomyl, Bórax, Carbendazim, Clorotalonil, Dicropropeno, Endosulfaani, Gamma-HCH, Mancozeb, Maneb, Metil brometo, Metiram, Tiuram, Zineb

Controle de jogo

Acetato de polivinil

Controle de dano do jogo

Tiram

repelentes de jogos

Óleo de peixe, óleo alto

Herbicidas

Álcool alílico, Cianazina, Dachtal, Dalapon, Dicamba, Diclobenil, Diuron, Fosamina, Glifosato, Hexazinona, MCPA, MCPB, Mecoprop (MCPP), MSMA, Oxifluorten, Paraquat, Herbicidas fenoxi (por exemplo, 2,4,5-T*, 2,4-D), Picloram, Pronoamida, Simazina, Enxofre, TCA, Terbutiuron, Terbutilazina, Triclopir, Trifluralina

Inseticidas

Azinfos, Bacillus thuringiens, Bendiocarpanato, Carbaril, Cipermetrina, Deltametrina, Diflubenzuron, Dibrometo de etileno, Fenitrotiona, Fenvalerato, Lindano, Lindano+promecarbe, Malatião, Parationa, Parationmetila, Piretrina, Permetrina, Propoxur, Propizamida, Tetraclorfinas, Triclorfom

Pesticidas

Captan, Chlorpyrifos, Diazinon, Metalyxyl, Napropamide, Sethoxydim, Traiadimefon, Sodium cyanide (coelhos)

Rodenticidas

Fosfeto de alumínio, Estricnina, Varfarina, Fosfeto de zinco, Ziram

esterilizante de solo

Dasomet

Proteção contra tocos

Uréia

Combustíveis e óleos

Óleos minerais, óleos sintéticos, óleos vegetais, gasolina, óleo diesel

Outros produtos químicos

Fertilizantes (por exemplo, ureia), solventes (por exemplo, éteres de glicol, álcoois de cadeia longa), Desmetrina

* Restringido em alguns países.

Fonte: Adaptado de Patosaari 1987.

Uma grande variedade de técnicas é utilizada para a aplicação de pesticidas ao seu alvo pretendido em florestas e viveiros florestais. Os métodos mais comuns são a pulverização aérea, a aplicação a partir de equipamento acionado por trator, a pulverização costal, a pulverização ULV e o uso de pulverizadores conectados a roçadeiras.

O risco de exposição é semelhante ao de outras aplicações de pesticidas. Para evitar a exposição a agrotóxicos, os trabalhadores florestais devem usar equipamentos de proteção individual (EPI) (por exemplo, boné, macacão, botas e luvas). Se pesticidas tóxicos forem aplicados, um dispositivo respiratório também deve ser usado durante as aplicações. EPI eficaz geralmente leva ao acúmulo de calor e transpiração excessiva. As aplicações devem ser planejadas para as horas mais frescas do dia e quando não estiver muito vento. Também é importante lavar todos os derramamentos imediatamente com água e evitar fumar e comer durante as operações de pulverização.

Os sintomas causados ​​pela exposição excessiva a pesticidas variam muito dependendo do composto usado para aplicação, mas na maioria das vezes a exposição ocupacional a pesticidas causará distúrbios de pele. (Para uma discussão mais detalhada dos pesticidas usados ​​na silvicultura na Europa e na América do Norte, consulte FAO/ECE/ILO 1991.)

Produtos Digitais

Outros produtos químicos comumente usados ​​no trabalho florestal são fertilizantes e corantes usados ​​para marcação de madeira. A marcação da madeira é feita com um martelo de marcação ou um borrifador. Os corantes contêm éteres de glicol, álcoois e outros solventes orgânicos, mas o nível de exposição durante o trabalho é provavelmente baixo. Os fertilizantes utilizados na silvicultura têm baixa toxicidade, e seu uso raramente é um problema no que diz respeito à higiene ocupacional.

 

Voltar

Página 1 de 2

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo