Quarta-feira, 16 fevereiro 2011 23: 23

Pescoço

Classifique este artigo
(Voto 1)

Dor e desconforto no pescoço são alguns dos sintomas mais comuns associados ao trabalho. Eles ocorrem em trabalho manual pesado, bem como em trabalho sentado e sedentário, e os sintomas geralmente duram períodos prolongados de tempo - na verdade, em alguns casos, durante toda a vida. Segue-se que os distúrbios do pescoço são difíceis de curar uma vez que tenham surgido e, portanto, muita ênfase deve ser colocada na prevenção primária. Existem três razões principais pelas quais os distúrbios do pescoço são comuns na vida profissional:

  1. A carga nas estruturas do pescoço é mantida por tempo prolongado, devido às altas exigências visuais do trabalho e à necessidade de estabilização da região pescoço-ombro no trabalho com os braços.
  2. Trabalhos psicologicamente exigentes com altas demandas de concentração e qualidade e quantidade de produção de trabalho são comuns e induzem um aumento da atividade nos músculos do pescoço. Essa tensão aumenta ainda mais se o trabalho em geral for psicologicamente estressante devido, por exemplo, a más relações laborais, pouca influência na organização do trabalho e assim por diante.
  3. Os discos e articulações do pescoço são frequentemente o local de alterações degenerativas, cuja prevalência aumenta com a idade. Isso reduz a capacidade de suportar cargas de trabalho ocupacionais. Também é provável que a taxa de degeneração aumente como resultado das exigências físicas do trabalho.

 

Anatomia e Biomecânica do Pescoço

A parte músculo-esquelética do pescoço consiste em sete corpos vertebrais, seis discos intervertebrais (consistindo de cartilagem), ligamentos para mantê-los juntos e ligá-los ao crânio e à coluna torácica e músculos ao redor da coluna. Embora cada articulação da coluna cervical tenha uma amplitude de movimento muito limitada, o pescoço pode ser dobrado, estendido, torcido e inclinado com uma amplitude de movimento relativamente grande (ver tabela 1). Em uma postura ereta normal e olhando diretamente para a frente, o centro de gravidade da cabeça e do pescoço está, na verdade, situado à frente do centro de sustentação e, portanto, precisa ser equilibrado pelos músculos dorsais, ou seja, aqueles situados atrás dos corpos vertebrais . Quando a cabeça é inclinada para a frente, mais força muscular é necessária para equilibrar a cabeça, e quando a inclinação da cabeça para frente é mantida por períodos prolongados, pode ocorrer fadiga muscular substancial. Além da fadiga muscular, inclinar e dobrar a cabeça leva ao aumento da compressão dos discos intervertebrais, o que pode acelerar processos degenerativos.

Tabela 1. Normal e admissível para amplitude de movimento (ADM) prolongada em graus, para a cabeça.

 

Normal1

Permitida2 para condução prolongada

Curva lateral

45

-

Torção

60

0 – 15

inflexão

45

0 – 25

Extensão

-45

0 - –5

1 Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos 1988.
2 Hanson 1987

Os músculos ao redor do pescoço também são ativos no trabalho do braço, a fim de estabilizar o complexo ombro/braço. O trapézio e vários outros músculos se originam na coluna cervical e se estendem para baixo/para fora para se inserir no ombro. Esses músculos são comumente o local de disfunções e distúrbios, especialmente em tarefas de trabalho estáticas ou repetitivas em que os braços são elevados e a visão é fixa.

As estruturas que estabilizam o pescoço são muito robustas, o que serve para proteger o tecido nervoso dentro do canal espinhal e os nervos que emergem das aberturas intervertebrais e suprem o pescoço, extremidade superior e parte superior do tórax. Os discos intervertebrais, as partes adjacentes dos corpos vertebrais e as articulações facetárias dos forames intervertebrais são frequentemente o local de alterações degenerativas, que podem exercer pressão sobre os nervos e estreitar seu espaço. (Ver figura 1).

Figura 1. Desenho esquemático de um corte transversal de três dos corpos vertebrais cervicais inferiores (1) com discos intervertebrais; (2) forames intervertebrais; (3) e raízes nervosas; (4) visto de lado.

MUS080F1

Como mencionado na introdução, sintomas como dor, dor e desconforto no pescoço são muito comuns. Dependendo dos critérios utilizados e do método de investigação, as taxas de prevalência de distúrbios do pescoço variam. Se for usado um inquérito postal ou uma entrevista com foco em distúrbios músculo-esqueléticos, a prevalência de distúrbios é geralmente maior do que em uma investigação completa, incluindo também um exame físico. Assim, as comparações entre os grupos devem ser feitas apenas quando a mesma técnica de investigação tiver sido empregada. A Figura 2 apresenta valores de prevalência de um ano para uma amostra representativa da população islandesa que respondeu a um inquérito postal, o chamado questionário “nórdico” sobre distúrbios músculo-esqueléticos (Kuorinka et al. 1987). Problemas no pescoço (dor, dor ou desconforto) foi o terceiro mais comum (média de 38% para toda a amostra), depois dos problemas no ombro (43%) e na região lombar (56%). O problema no pescoço entre as mulheres era mais comum do que entre os homens, e houve um aumento na prevalência até a idade de 25 a 30 anos, quando as taxas se estabilizaram; eles novamente caíram um pouco na idade de 50 a 55 anos. Em uma amostra representativa de 200 homens e mulheres de Estocolmo, com idades entre 16 e 65 anos, a prevalência de 12 meses foi de cerca de 30% entre os homens e 60% entre as mulheres. A experiência de dor recente no pescoço com duração de pelo menos um mês foi encontrada entre 22% de uma amostra da população em Gotemburgo, Suécia - novamente classificada como a terceira mais comum depois da dor no ombro e na região lombar.

Figura 2. Prevalência de doze meses de sintomas de problemas no pescoço de uma amostra aleatória da população islandesa (n=1000)

MUS080F3

Fatores de Risco no Trabalho

Os distúrbios do pescoço são consideravelmente mais prevalentes em certos grupos ocupacionais. Usando o questionário nórdico (Kuorinka et al. 1987), os serviços de saúde ocupacional suecos compilaram dados de várias ocupações. Os resultados indicam que o risco de problemas no pescoço (dor, dor ou desconforto) é muito alto entre operadores de unidade de exibição visual (VDU), operadores de máquina de costura, costureiras e trabalhadores de montagem eletrônica, com uma prevalência de período de 12 meses superior a 60%. Além disso, até um terço dos que relatam transtornos também afirmam que os problemas têm impacto em suas vidas profissionais, seja levando-os a licenças médicas ou exigindo uma mudança de emprego ou tarefas de trabalho.

Estudos epidemiológicos de distúrbios do pescoço e ombro foram revisados, e os diferentes estudos foram agrupados por tipo de exposição (trabalho repetitivo e trabalho acima do nível do ombro, respectivamente). Distúrbios dos tecidos moles do pescoço, como tensão no pescoço e outras mialgias, foram consideravelmente aumentados em várias tarefas ocupacionais, como entrada de dados, digitação, fabricação de tesouras, montagem de lâmpadas e rolagem de filmes.

Distúrbios degenerativos dos discos intervertebrais do pescoço são mais comuns entre mineiros de carvão, dentistas e trabalhadores da indústria de carne (Hagberg e Wegman 1987).

Postura

Flexão, extensão, flexão lateral e torção prolongadas do pescoço induzem à fadiga muscular e podem levar a lesões musculares crônicas e alterações degenerativas da coluna cervical. A atividade muscular necessária para neutralizar o peso da cabeça em flexão para frente do pescoço aumenta com o ângulo de flexão, conforme mostrado na figura 3. Fadiga e dor são comuns na flexão do pescoço se o trabalho prolongado for realizado. Quando a cabeça é inclinada para frente ao extremo de sua amplitude de movimento, a carga principal é transferida dos músculos para os ligamentos e cápsulas articulares ao redor da coluna cervical. Foi calculado que, se toda a coluna cervical for flexionada ao máximo, o torque exercido pela cabeça e pescoço no disco entre o sétimo corpo vertebral cervical e o primeiro corpo vertebral torácico é aumentado por um fator de 3.6. Tais posturas levam à dor em apenas 15 minutos e, geralmente, a postura deve ser normalizada em 15 a 60 minutos devido à dor intensa. Posturas em que o pescoço é inclinado para a frente por períodos prolongados de tempo – várias horas – são comuns em trabalhos de montagem na indústria, em trabalhos de VDT e em tarefas de embalagem e inspeção onde as estações de trabalho são mal projetadas. Tais posturas são frequentemente causadas por um compromisso entre a necessidade de realizar trabalhos com as mãos, sem elevar os braços, e a necessidade simultânea de controle visual. Para uma revisão dos mecanismos que levam da fadiga muscular à lesão, consulte o artigo anexo “Músculos”.

Figura 3. Porcentagem de força máxima de extensão do pescoço necessária para aumentar a inclinação do pescoço (flexão).

MUS080F5

Extensão do pescoço por períodos prolongados, como no trabalho acima da cabeça na indústria da construção, pode ser muito cansativo para os músculos na frente da coluna cervical. Especialmente ao transportar equipamentos de proteção pesados, como capacetes de segurança, o torque que inclina a cabeça para trás pode ser alto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Movimentos repetitivos

Os movimentos repetitivos realizados pelas mãos aumentam as demandas de estabilização da região do pescoço e ombros e, assim, aumentam o risco de queixas cervicais. Fatores como altas exigências de velocidade e precisão dos movimentos, bem como altas demandas de força exercida pelas mãos, implicam em demandas ainda maiores de estabilização das regiões proximais do corpo. Movimentos repetitivos da cabeça são menos comuns. Mudanças rápidas e repetidas entre alvos visuais geralmente são realizadas por meio de movimentos oculares, a menos que a distância entre os objetos observados seja razoavelmente grande. Isso pode ocorrer, por exemplo, em grandes estações de trabalho computadorizadas.

vibração

A vibração local das mãos, como trabalhar com furadeiras e outras máquinas manuais vibratórias, é transferida ao longo do braço, mas a fração transferida até a região do ombro e pescoço é desprezível. No entanto, segurar uma ferramenta vibratória pode induzir contrações musculares nos músculos proximais do ombro-pescoço para estabilizar a mão e a ferramenta e, assim, exercer um efeito cansativo no pescoço. Os mecanismos e a prevalência de tais queixas induzidas por vibração não são bem conhecidos.

Organização do trabalho

A organização do trabalho neste contexto é definida como a distribuição das tarefas de trabalho ao longo do tempo e entre os trabalhadores, a duração das tarefas de trabalho e a duração e distribuição dos períodos de descanso e pausas. A duração dos períodos de trabalho e descanso tem um efeito profundo na fadiga e recuperação dos tecidos. Poucos estudos específicos sobre o efeito da organização do trabalho nas desordens cervicais foram realizados. Em um grande estudo epidemiológico na Suécia, descobriu-se que o trabalho VDU ​​superior a quatro horas por dia estava associado a taxas elevadas de sintomas no pescoço (Aronsson, Bergkvist e Almers 1992). Esses achados foram posteriormente confirmados em outros estudos.

Fatores psicológicos e sociais

Associações entre fatores psicológicos e sociais do trabalho e distúrbios da região do pescoço têm sido demonstradas em diversos estudos. Especialmente fatores como estresse psicológico percebido, baixo controle da organização do trabalho, más relações com a gerência e colegas de trabalho e altas exigências de precisão e velocidade do trabalho foram destacados. Esses fatores foram associados a um risco aumentado (até duas vezes) de distúrbios em estudos transversais. É provável que o mecanismo seja um aumento de tensão no trapézio e outros músculos ao redor do pescoço, como parte de uma reação geral de “estresse”. Como estudos longitudinais bem controlados são escassos, ainda é incerto se esses fatores são causais ou agravantes. Além disso, más condições psicológicas e sociais ocorrem frequentemente em trabalhos também caracterizados por posturas desajeitadas prolongadas.

Fatores individuais

Características individuais como idade, sexo, força e resistência muscular, aptidão física, tamanho corporal, personalidade, inteligência, hábitos de lazer (atividade física, tabagismo, álcool, dieta) e distúrbios musculoesqueléticos anteriores têm sido discutidos como fatores que podem modificar a resposta a exposições físicas e psicossociais. A idade como fator de risco foi discutida acima e ilustrada na figura 2.

As mulheres geralmente relatam uma prevalência maior de sintomas no pescoço do que os homens. A explicação mais provável é que a exposição a fatores de risco físicos e psicossociais é maior em mulheres do que em homens, como no trabalho com VDUs, montagem de pequenos componentes e costura à máquina.

Estudos de outros grupos musculares além dos do pescoço não indicam consistentemente que uma baixa força estática implica um risco elevado de desenvolvimento de distúrbios. Não há dados disponíveis sobre os músculos do pescoço. Em um estudo recente de uma população aleatória de Estocolmo, baixo resistência na extensão do pescoço foi fracamente associado ao desenvolvimento posterior de distúrbios do pescoço (Schüldt et al. 1993). Resultados semelhantes foram relatados para distúrbios lombares.

Em um estudo longitudinal na Suécia, o tipo de personalidade foi um fator de risco para o desenvolvimento de distúrbios ombro-pescoço (Hägg, Suurküla e Kilbom 1990). Aqueles funcionários que tinham uma personalidade do tipo A (por exemplo, eram ambiciosos e impacientes) desenvolveram problemas mais sérios do que outros, e essas associações não estavam relacionadas à produtividade individual.

Pouco se sabe sobre a associação entre outras características individuais e distúrbios do pescoço.

Prevenção

Projeto da estação de trabalho

A estação de trabalho deve ser organizada de forma que a cabeça não seja estaticamente dobrada, estendida ou torcida além dos limites dados para a amplitude de movimento permitida dada para direção prolongada na tabela 1. De vez em quando, movimentos que estão dentro dos limites da amplitude normal de movimento são aceitáveis, bem como o movimento ocasional para os extremos individuais. Estudos experimentais mostraram que a carga dos músculos do pescoço é menor com um tronco levemente inclinado para trás do que com uma postura ereta ereta, que por sua vez é melhor do que um tronco inclinado para frente (Schüldt 1988).

A configuração da estação de trabalho e o posicionamento do objeto de trabalho requerem uma consideração cuidadosa e uma compensação entre as demandas por uma postura ideal de cabeça e ombro-braço. Normalmente, o objeto de trabalho é posicionado um pouco abaixo da altura do cotovelo, o que pode, no entanto, induzir uma grande tensão nos músculos do pescoço (por exemplo, no trabalho de montagem). Isso requer estações de trabalho ajustáveis ​​individualmente.

O esforço visual aumentará a tensão dos músculos do pescoço e, portanto, deve-se dar atenção à iluminação e aos contrastes da estação de trabalho e à legibilidade das informações fornecidas nos VDUs e no material impresso. Para trabalho com VDU, a distância de visualização deve ser otimizada para cerca de 45 a 50 cm e o ângulo de visualização para 10 a 20 graus. A visão do trabalhador deve ser otimizada com auxílio de óculos.

Organização do trabalho

No trabalho com cargas estáticas no pescoço, como no trabalho de VDU de montagem e entrada de dados, pausas frequentes devem ser introduzidas para proporcionar recuperação da fadiga. Recomendações para introduzir uma pausa de cerca de 10 minutos por hora e limitar o trabalho VDU ​​a um máximo de quatro horas por dia foram emitidas em algumas localidades. Conforme apontado acima, a base científica para essas recomendações em relação ao pescoço é relativamente fraca.

Características clínicas e tratamento de distúrbios do pescoço

Distúrbios dolorosos dos tecidos moles

Pescoço tensional e outras mialgias

A localização mais comum para tensão no pescoço e outras mialgias é na parte superior do músculo trapézio, mas outros músculos originários do pescoço são freqüentemente afetados simultaneamente. Os sintomas são rigidez do pescoço e dor no trabalho e em repouso. Frequentemente, percebe-se fadiga muscular excessiva, mesmo durante períodos de trabalho de curta duração e baixo nível. Os músculos estão sensíveis e, frequentemente, “pontos sensíveis” podem ser encontrados à palpação. O pescoço tensionado é comum em trabalhos com cargas estáticas prolongadas no pescoço e ombros. O exame microscópico do tecido mostrou alterações na morfologia muscular, mas os mecanismos não são completamente compreendidos e provavelmente envolvem tanto a circulação sanguínea quanto a regulação nervosa.

Torcicolo agudo

Esse estado de dor aguda e rigidez do pescoço pode ser provocado por torção súbita da cabeça e extensão do braço oposto. Às vezes, nenhum evento provocador pode ser identificado. Acredita-se que o torcicolo agudo seja causado por tensão e rupturas parciais dos ligamentos do pescoço. Normalmente, a dor e a rigidez desaparecem em uma semana após repouso, apoio externo do pescoço (colar) e medicação relaxante muscular.

Distúrbios degenerativos

Distúrbio agudo (hérnia de disco)

A degeneração da coluna cervical envolve os discos, que perdem parte de sua resistência mesmo a tensões leves. A herniação do disco com extrusão de seu conteúdo, ou abaulamento do mesmo, pode comprometer o tecido nervoso e os vasos sanguíneos lateral e posteriormente ao disco. Um distúrbio degenerativo agudo do disco é a compressão das raízes nervosas que se estendem da medula espinhal e suprem o pescoço, os braços e a parte superior do tórax. Dependendo do nível de compressão (disco entre a segunda e terceira vértebras cervicais, terceira e quarta, e assim por diante), sintomas sensitivos e motores agudos surgem das regiões inervadas pelos nervos. A investigação de sintomas agudos do pescoço e braços inclui um exame neurológico completo para identificar o nível de um possível prolapso de disco e exame de radiografia simples, geralmente complementado com tomografia computadorizada e ressonância magnética.

Distúrbios crônicos (espondilose cervical e síndrome cervical)

A degeneração da coluna cervical envolve o estreitamento do disco, a formação de osso novo (os chamados osteófitos) que se estende desde as bordas da vértebra cervical e o espessamento dos ligamentos como no distúrbio agudo. Quando os osteófitos se estendem para os forames, eles podem comprimir as raízes nervosas. Espondilose é o termo usado para as alterações radiológicas no pescoço. Às vezes, essas alterações estão associadas a sintomas locais crônicos. Alterações radiológicas podem ser avançadas sem sintomas graves e vice-versa. Os sintomas geralmente são dor e dor no pescoço, às vezes se estendendo para a cabeça e região dos ombros, e mobilidade reduzida. Sempre que as raízes nervosas são comprimidas, o diagnóstico síndrome cervical é usado. Os sintomas da síndrome cervical são dor e dor no pescoço, mobilidade reduzida do pescoço e sintomas sensoriais e motores do lado da raiz nervosa comprimida. Sintomas como sensibilidade reduzida ao toque, dormência, formigamento e força reduzida são comuns na mão e no braço. Assim, os sintomas são semelhantes aos decorrentes do prolapso discal agudo, mas geralmente o início é mais gradual e a gravidade pode variar dependendo da carga de trabalho externa. Tanto a espondilose cervical quanto a síndrome cervical são comuns na população em geral, particularmente entre os idosos. O risco de espondilose cervical é elevado em grupos ocupacionais com carga biomecânica sustentada e alta nas estruturas do pescoço, como mineiros, dentistas e trabalhadores da indústria de carne.

Distúrbios traumáticos (lesões em chicote)

Em acidentes de carro traseiros, a cabeça (se não for restringida pelo apoio traseiro) é inclinada para trás em alta velocidade e com grande força. Em acidentes menos graves, podem ocorrer apenas rupturas musculares parciais, enquanto acidentes graves podem danificar seriamente os músculos e ligamentos na frente da coluna cervical e também danificar as raízes nervosas. Os casos mais graves ocorrem quando as vértebras cervicais são deslocadas. As lesões cervicais precisam de exame e tratamento cuidadosos, pois sintomas duradouros, como dores de cabeça, podem persistir se a lesão não for tratada adequadamente.

 

Voltar

Leia 8321 vezes Última modificação à quinta-feira, 21 julho 2011 12: 27
Mais nesta categoria: « Região da Coluna Torácica Ombro "

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências do sistema musculoesquelético

Agência para Política e Pesquisa de Cuidados de Saúde (AHCPR). 1994. Problemas agudos na região lombar em adultos. Diretrizes de Prática Clínica 14. Washington, DC: AHCPR.

Allander, E. 1974. Prevalência, incidência e taxas de remissão de algumas doenças ou síndromes reumáticas comuns. Scand J Rheumatol 3:145-153.

Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 1988. Moção Conjunta. Nova York: Churchill Livingstone.
Anderson, JAD. 1988. Artrose e sua relação com o trabalho. Scand J Work Environ Health 10:429-433.

Anderson, JJ e DT Felson. 1988. Fatores associados à osteoartrite do joelho na primeira Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (HANES 1): Evidência de associação com sobrepeso, raça e demandas físicas do trabalho. Am J Epidemiol 128:179-189.

Ângelides, AC. 1982. Gânglios da mão e punho. In Operative Hand Surgery, editado por DP Green. Nova York: Churchill Livingstone.

Armstrong, TJ, WA Castelli, G Evans e R Diaz-Perez. 1984. Algumas alterações histológicas no conteúdo do túnel do carpo e suas implicações biomecânicas. J Occup Med 26(3):197-201.

Armstrong, TJ, P Buckle, L Fine, M Hagberg, B Jonsson, A Kilbom, I Kuorinka, B Silverstein, B Sjøgaard e E Viikari-Juntura. 1993. Um modelo conceitual para distúrbios musculoesqueléticos do pescoço e membros superiores relacionados ao trabalho. Scand J Work Environ Health 19:73-84.

Arnett, FC, SM Edworthy, DA Bloch, DJ McShane, JF Fries, NS Cooper, LA Healey, SR Kaplan, MH Liang, HS Luthra, TAJ Medsger, DM Mitchell, DH Neustadt, RS Pinals, JG Schaller, JT Sharp, RL Wilder e GG Hunder. 1988. A American Rheumatism Association 1987 revisou os critérios para a classificação da artrite reumatóide. Arthritis Rheum 31:315-324.

Aronsson, G, U Bergkvist e S Almers. 1992. Work Oganization and Musculoskeletal Disorders in VDU-Work (Sueco com Resumo em Inglês). Solna: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.
Axmacher, B e H Lindberg. 1993. Coxartrose em agricultores. Clin Orthop 287:82-86.

Bergenudd, H, F Lindgärde e B Nilsson. 1989. Prevalência e coincidência de alterações degenerativas das mãos e pés na meia-idade e sua relação com a carga de trabalho ocupacional, inteligência e origem social. Clin Orthop 239:306-310.

Brinckmann, P e MH Pope. 1990. Efeitos de cargas repetidas e vibração. Em The Lumbar Spine, editado por J Weinstein e SW Weisel. Filadélfia: WB Saunders.

Calin, A, J Elswood, S Rigg e SM Skevington. 1988. Espondilite anquilosante - uma revisão analítica de 1500 pacientes: O padrão de mudança da doença. J Rheumatol 15:1234-1238.

Chaffin, D e GBJ Andersson. 1991. Biomecânica Ocupacional. Nova York: Wiley.

Daniel, RK e WC Breidenbach. 1982. Tendão: estrutura, organização e cicatrização. Indivíduo. 14 em The Musculoskeletal System: Embryology, Biochemistry and Physiology, editado por RL Cruess. Nova York: Churchill Livingstone.

Dougados, M, S van der Linden, R Juhlin, B Huitfeldt, B Amor, A Calin, A Cats, B Dijkmans, I Olivieri, G Pasero, E Veys e H Zeidler. 1991. Critérios preliminares do European Spondylarthropathy Study Group para a classificação da espondilartropatia. Arthritis Rheum 34:1218-1227.

Edwards, RH. 1988. Hipóteses de mecanismos periféricos e centrais subjacentes à dor e lesão muscular ocupacional. Eur J Appl Physiol 57(3):275-281.

Felson, DT. 1990. A epidemiologia da osteoartrite do joelho: Resultados do Framingham Osteoarthritis Study. Sem Arthrit Rheumat 20:42-50.

Felson, DT, JJ Anderson, A Naimark, AM Walker e RF Meenan. 1988. Obesidade e osteoartrite do joelho: O estudo de Framingham. Ann Intern Med 109:18-24.

Fung, YB. 1972. Relações históricas de estresse e tensão de tecidos moles em alongamento simples. Indivíduo. 7 em Biomechanics: Its Foundations and Objectives, editado por YC Fung, N Perrone e M Anliker. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Gelberman, R, V Goldberg, K An e A Banes. 1987. Tendão. Indivíduo. 1 em Injury and Repair of the Musculoskeletal Soft Tissue, editado por SL Woo e JA Buckwalter. Park Ridge, Illinois: Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos.

Gemne, G e H Saraste. 1987. Patologia óssea e articular em trabalhadores que utilizam ferramentas manuais vibratórias. Scand J Work Environ Health 13:290-300.

Goldberg, DL. 1987. Síndrome de fibromialgia. Uma condição emergente, mas controversa. JAMA 257:2782-2787.

Goldstein, SA, TJ Armstrong, DB Chaffin e LS Matthews. 1987. Análise da tensão cumulativa em tendões e bainhas tendíneas. J Biomech 20(1):1-6.

Vovó, JT e G Husby. 1993. A epidemiologia da espondilite anquilosante. Sem Arthrit Rheumat 22:319-334.

Diretrizes e medidas de auditoria para a supervisão especializada de pacientes com artrite reumatoide. Relatório de um Grupo de Trabalho Conjunto da Sociedade Britânica de Reumatologia e da Unidade de Pesquisa do Royal College of Physicians. 1992. J Royal Coll Phys 26:76-82.

Hagberg, M. 1982. Sintomas e distúrbios de tensão muscular local no ombro. J Hum Ergol 11:99-108.
Hagberg, M e DH Wegman. 1987. Taxas de prevalência e razões de chances de doenças do ombro e pescoço em diferentes grupos ocupacionais. Brit J Ind Med 44:602-610.

Hagberg, M, H Hendrick, B Silverstein, MJ Smith, R Well e P Carayon. 1995. Distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho (WMSDs): Um livro de referência para prevenção, editado por I Kuorinka e L Forcier. Londres: Taylor & Francis.

Hägg, GM, J Suurküla e Å Kilbom. 1990. Preditores para Distúrbios do Ombro e Pescoço Relacionados ao Trabalho (Sueco com Resumo em Inglês). Solna: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.

Halpern, M. 1992. Prevenção da dor lombar: ergonomia básica no local de trabalho e na clínica. Bailliere's Clin Rheum 6:705-730.

Hamerman, D e S Taylor. 1993. Fatores humorais na patogênese da osteoartrite. In Humoral Factors in the Regulation of Tissue Growth, editado por PP Foá. Nova York: Springer.

Hannan, MT, DT Felson, JJ Anderson, A Naimark e WB Kannel. 1990. Uso de estrogênio e osteoartrite radiográfica do joelho em mulheres. Arthritis Rheum 33:525-532.

Hansen, SM. 1993. Arbejdsmiljø Og Samfundsøkonomi -En Metode Til Konsekvensbeskrivning. Norte: Nordisk Ministerråd.

Hansen, SM e PL Jensen. 1993. Arbejdsmiljø Og Samfundsøkonomi -Regneark Og Dataunderlag. Nord: Nordisk Ministerråd. (Nordiske Seminar - og Arbejdsrapporter 1993:556.)

Hanson, J.E. 1987. Förararbetsplatser [Estações de trabalho para dirigir, em sueco]. Em Människan I Arbete, editado por N Lundgren, G Luthman e K Elgstrand. Estocolmo: Almqvist & Wiksell.

Heliövaara, M, M Mäkelä e K Sievers. 1993. Doenças musculoesqueléticas na Finlândia (em finlandês). Helsinki: Kansaneläkelaitoksen julkaisuja AL.

Järvholm U, G Palmerud, J Styf, P Herberts, R Kadefors. 1988. Pressão intramuscular no músculo supraespinhal. J Orthop Res 6:230-238.

Júpiter, JB e HE Kleinert. 1988. Lesões vasculares da extremidade superior. Na Mão, editado por R Tubiana. Filadélfia: WB Saunders.

Kärkkäinen, A. 1985. Osteoartrite da mão na população finlandesa com 30 anos ou mais (em finlandês com um resumo em inglês). Finlândia: Publicações da Instituição de Seguro Social.

Kivi, P. 1982. A etiologia e tratamento conservador da epicondilite umeral. Scand J Rehabil Med 15:37-41.

Kivimäki, J. 1992. Achados ultrassônicos ocupacionalmente relacionados em joelhos de camadas de carpete e piso. Scand J Work Environ Health 18:400-402.

Kivimäki, J, H Riihimäki e K Hänninen. 1992. Distúrbios do joelho em tapetes e camadas de piso e pintores. Scand J Work Environ Health 18:310-316.

Kohatsu, ND e D. Schurman. 1990. Fatores de risco para o desenvolvimento de osteoartrose do joelho. Clin Orthop 261:242-246.

Kuorinka, I, B Jonsson, Å Kilbom, H Vinterberg, F Biering-Sørensen, G Andersson e K Jørgensen. 1987. Questionários nórdicos padronizados para a análise de sintomas musculoesqueléticos. Appl Ergon 18:233-237.

Kurppa, K, E Viikari-Juntura, E Kuosma, M Huus-konen e P Kivi. 1991. Incidência de tenossinovite ou peritendinite e epicondilite em uma fábrica de processamento de carne. Scand J Work Environ Health 17:32-37.

Leadbetter, WB. 1989. Conceitos de estadiamento clínico no trauma esportivo. Indivíduo. 39 em Inflamação induzida por esportes: Conceitos clínicos e científicos básicos, editado por WB Leadbetter, JA Buckwalter e SL Gordon. Park Ridge, Illinois: Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos.

Lindberg, H e F Montgomery. 1987. Trabalho de parto pesado e ocorrência de gonartrose. Clin Orthop 214:235-236.

Liss, GM e S Stock. 1996. A contratura de Dupuytren pode estar relacionada ao trabalho?: Revisão das evidências. Am J Ind Med 29:521-532.

Luís, DS. 1992. A síndrome do túnel do carpo no trabalho. Indivíduo. 12 em Occupational Disorders of the Upper Extremity, editado por LH Millender, DS Louis e BP Simmons. Nova York: Churchill Livingstone.

Lundborg, G. 1988. Nerve Injury and Repair. Edimburgo: Churchill Livingstone.
Manz, A, e W Rausch. 1965. Zur Pathogenese und Begutachtung der Epicondylitis humeri. Münch Med Wochenshcr 29:1406-1413.

Marsden, CD e MP Sheehy. 1990. Cãibra do escritor. Trends Neurosci 13:148-153.

Mense, S. 1993. Mecanismos periféricos de nocicepção muscular e dor muscular local. J Dor muscular 1(1):133-170.

MOURA, JS. 1992. Função, estrutura e respostas da unidade músculo-tendão. Occup Med: State Art Rev 7(4):713-740.

Mubarak, SJ. 1981. Síndromes compartimentais de esforço. Em Compartiment Syndromes and Volkmann's Contracture, editado por SJ Mubarak e AR Hargens. Filadélfia: WB Saunders.

Nachemson, A. 1992. Mecânica lombar revelada por medições de pressão intradiscal lombar. Em The Lumbar Spine and Back Pain, editado por MIV Jayson. Edimburgo: Churchill Livingstone.

Obolenskaja, AJ, e Goljanitzki, JA. 1927. Die seröse Tendovaginitis in der Klinik und im Experiment. Dtsch Z Chir 201:388-399.

Partridge, REH e JJR Duthie. 1968. Reumatismo em estivadores e funcionários públicos: uma comparação entre trabalhadores manuais pesados ​​e sedentários. Ann Rheum Dis 27:559-568.

Rafusson V, OA Steingrímsdóttir, MH Olafsson e T Sveinsdóttir. 1989. Muskuloskeletala besvär bland islänningar. Nord Med 104: 1070.

Roberts, S. 1990. Amostragem do disco intervertebral. Em Methods in Cartilage Research, editado por A Maroudas e K Kuettner. Londres: Academic Press.

Rydevik, BL e S Holm. 1992. Fisiopatologia do disco intervertebral e estruturas adjacentes. In The Spine, editado por RH Rothman e FA Simeone. Filadélfia: WB Saunders.

Schüldt, K. 1988. Sobre a atividade muscular do pescoço e redução de carga em posturas sentadas. doutorado Tese, Instituto Karolinska. Estocolmo.

Schüldt, K, J Ekholm, J Toomingas, K Harms-Ringdahl, M Köster e Stockholm MUSIC Study Group 1. 1993. Associação entre resistência/esforço em extensores do pescoço e distúrbios do pescoço relatados (em sueco). Em Stockholm Investigation 1, editado por M Hagberg e C Hogstedt. Estocolmo: MUSIC Books.

Silverstein, BA, LJ Fine e J Armstrong. 1986. Distúrbios traumáticos cumulativos da mão e do punho na indústria. Brit J Ind Med 43:779-784.

Sjøgaard, G. 1990. Fadiga muscular induzida por exercício: a importância do potássio. Acta Physiol Scand 140 Supl. 593:1-64.

Sjøgaard, G, OM Sejersted, J Winkel, J Smolander, K Jørgensen e R Westgaard. 1995. Avaliação da exposição e mecanismos de patogênese em distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho: Aspectos significativos na documentação de fatores de risco. Em Trabalho e Saúde. Base Científica do Progresso no Ambiente de Trabalho, editado por O Svane e C Johansen. Luxemburgo: Comissão Europeia, Direção-Geral V.

Spitzer, WO, FE LeBlanc, M Dupuis, et al. 1987. Abordagem científica para a avaliação e gerenciamento de distúrbios da coluna vertebral relacionados à atividade. Espinha 12 (7S).

Tidswell, M. 1992. Cash's Textbook of Orthopaedics and Rheumatology for Physiotherapists. Europa: Mosby.

Thompson, AR, LW Plewes e EG Shaw. 1951. Peritendinitis crepitans e tenossinovite simples: Um estudo clínico de 544 casos na indústria. Brit J Ind Med 8:150-160.

Urban, JPG e S Roberts. 1994. Química do disco intervertebral em relação aos requisitos funcionais. In Grieve's Modern Manual Therapy, editado por JD Boyling e N Palastanga. Edimburgo: Churchill Livingstone.

Viikari-Juntura, E. 1984. Tenossinovite, peritendinite e síndrome do cotovelo de tenista. Scand J Work Environ Health 10:443-449.

Vingård, E, L Alfredsson, I Goldie e C Hogstedt. 1991. Ocupação e osteoartrose do quadril e joelho. Int J Epidemiol 20:1025-1031.

Vingård, E, L Alfredsson, I Goldie e C Hogstedt. 1993. Esportes e osteoartrose do quadril. Am J Sports Med 21:195-200.

Waters, TR, V Putz-Anderson, A Garg e LJ Fine. 1993. Equação NIOSH revisada para projeto e avaliação de tarefas de levantamento manual. Ergonomia 36:739-776.

Wickström, G, K Hänninen, T Mattsson, T Niskanen, H Riihimäki, P Waris e A Zitting. 1983. Degeneração do joelho em trabalhadores de reforço de concreto. Brit J Ind Med 40:216-219.

Wolfe, F. 1986. A síndrome clínica da fibrosite. Am J Med 81 Supl. 3A:7-14.

Wolfe, F, HA Smythe, MB Yunus, RM Bennett, C Bombardier, DL Goldenberg, P Tugwell, SM Campbell, M Abeles, P Clark, AG Fam, SJ Farber, JJ Fiechtner, CM Franklin, RA Gatter, D Hamaty, J Lessard, AS Lichtbroun, AT Masi, GA McCain, WJ Reynolds, TJ Romano, IJ Russell e RP Sheon. 1990. Critérios do American College of Rheumatology para a classificação da fibromialgia. Relatório do comitê multicêntrico de critérios. Arthritis Rheum 33:160-172.

Yunus, MB. 1993. Pesquisa em fibromialgia e síndromes de dor miofascial: estado atual, problemas e direções futuras. J Dor muscular 1(1):23-41.