Quarta-feira, 16 fevereiro 2011 23: 32

Ombro

Classifique este artigo
(Voto 1)

Distúrbios da região do ombro são problemas comuns tanto na população em geral quanto na população trabalhadora. Até um terço de todas as mulheres e um quarto de todos os homens relatam sentir dor no pescoço e no ombro todos os dias ou em dias alternados. Estima-se que a prevalência de tendinite do ombro na população geral seja de cerca de 2%. Entre trabalhadores masculinos e femininos nos Estados Unidos, a prevalência de tendinite do ombro foi estimada em até 8% entre aqueles expostos a movimentos manuais altamente repetitivos ou de alta força, em comparação com cerca de 1% para aqueles sem esse tipo de lesão musculoesquelética. estresse.

Anatomia

Os ossos do ombro incluem a clavícula (clavícula), a escápula (escápula) e a articulação glenoumeral (ombro), conforme mostrado na figura 1. A clavícula é conectada ao corpo pela articulação esternoclavicular e às omoplatas pela articulação acromioclavicular. A articulação esternoclavicular é a única conexão entre a extremidade superior e o resto do corpo. A escápula não tem conexão direta própria e, portanto, o ombro depende de músculos para ser fixado ao tronco. O braço está conectado à escápula pela articulação glenoumeral.

Figura 1. Vista esquemática das partes esqueléticas da cintura escapular.

MUS090F1

A função do ombro é fornecer uma plataforma para a extremidade superior e para alguns de seus músculos. Embora a articulação glenoumeral tenha uma amplitude de movimento maior do que, por exemplo, a extremidade inferior do quadril, essa flexibilidade se desenvolveu à custa da estabilidade. Enquanto a articulação do quadril tem ligamentos muito fortes, os ligamentos da articulação glenoumeral são poucos e fracos. A fim de compensar essa fraqueza comparativa, a articulação glenoumeral é cercada por músculos do ombro na forma de um manguito e é chamada de manguito rotador.

 

 

 

 

Biomecânica

O braço representa cerca de 5% do peso total do corpo e seu centro de gravidade está a meio caminho entre a articulação glenoumeral e o punho. Quando o braço é levantado e dobrado para longe ou em direção ao corpo (abdução ou flexão), uma alavanca é criada na qual a distância do centro de gravidade aumenta e, portanto, a força de torção e o torque de carga na articulação glenoumeral aumenta. A taxa na qual o torque aumenta, no entanto, não é simplesmente diretamente proporcional ao ângulo em que o braço é dobrado, porque a função matemática que descreve as forças biomecânicas não é linear, mas sim uma função senoidal do ângulo de abdução. O torque diminuirá apenas cerca de 10% se o ângulo de flexão ou abdução diminuir de 90 para 60 graus. No entanto, se o ângulo diminuir de 60 para 30 graus, o torque será reduzido em até 50%.

A força de flexão na articulação glenoumeral é de cerca de 40 a 50 Nm para mulheres e cerca de 80 a 100 Nm para homens. Quando o braço é mantido reto (flexão de 90 graus para a frente) e nenhuma carga externa é colocada no braço - ou seja, a pessoa não está segurando nada ou usando o braço para exercer força - a carga estática ainda é de cerca de 15 a 20% da capacidade voluntária máxima (CVM) para mulheres e cerca de 10 a 15% CVM para homens. Se uma ferramenta de 1 kg for segurada na mão com o braço estendido, a carga correspondente no ombro seria de cerca de 80% da CVM para mulheres, conforme ilustrado na figura 2.

Figura 2. Força feminina e masculina mostrando os resultados de segurar uma ferramenta de 1 kg na mão com o braço mantido reto em diferentes ângulos de flexão do ombro.

MUS090F2

Os músculos mais importantes para a abdução - ou levantar o braço do corpo para o lado - são o músculo deltóide, os músculos do manguito rotador e a cabeça longa do bíceps. Os músculos mais importantes para a flexão anterior - levantar o braço do corpo para a frente - são a parte anterior do músculo deltóide, os músculos do manguito rotador, o músculo coracobraquial e a cabeça curta do músculo bíceps braquial. A rotação interna é realizada pelo músculo peitoral maior, o músculo subescapular, a parte anterior do músculo deltóide e pelo músculo grande dorsal. A rotação externa é realizada pela parte posterior do músculo deltóide, o músculo infraespinhal e os músculos redondo menor e maior.

Os músculos do manguito rotador estão envolvidos em qualquer movimento da articulação glenoumeral, ou seja, em qualquer movimento do braço. Os músculos do manguito rotador se originam da escápula e seus tendões estão dispostos ao redor do úmero na forma de um manguito, do qual deriva seu nome. Os quatro músculos do manguito rotador são o supraespinal, o infraespinhal, o redondo menor e o músculo subescapular. Esses músculos funcionam como ligamentos na articulação glenoumeral e também mantêm a cabeça do úmero contra a escápula. Uma ruptura do manguito rotador (por exemplo, do tendão supraespinhal) causará uma redução na força de abdução, particularmente envolvendo aquelas posições em que o braço é dobrado para longe do corpo. Quando a função dos músculos deltóides é perdida, a força de abdução pode ser reduzida em até 50%, independentemente do ângulo em que o braço está sendo dobrado.

Sempre que houver flexão anterior ou abdução do braço, uma carga será colocada no sistema. Muitos movimentos também causarão uma força de torção ou torque. Como o braço está conectado à escápula pela articulação glenoumeral, qualquer carga colocada nessa articulação será transferida para a escápula. A carga na articulação glenoumeral, medida em % CVM, é quase diretamente proporcional à carga colocada no músculo que fixa a omoplata no lugar, o trapézio superior.

Principais Doenças Específicas Relacionadas ao Trabalho

Distúrbios do manguito rotador e tendinite do bíceps

Tendinite e tenossinovite são inflamações de um tendão e da membrana sinovial de uma bainha de tendão. Os tendões dos músculos do manguito rotador (supraespinal, infraespinal, subescapular e redondo menor) e a cabeça longa do bíceps braquial são locais comuns de inflamação no ombro. Grandes movimentos dos tendões estão envolvidos nesses locais. Durante a elevação, à medida que os tendões passam para a articulação do ombro e sob a estrutura óssea existente (o arco coracoacromial), eles podem sofrer compressão e pode ocorrer inflamação. Esses distúrbios às vezes são chamados de síndromes do impacto. A inflamação de um tendão pode fazer parte de uma doença inflamatória geral, como na artrite reumatóide, mas também pode ser causada por inflamação local resultante de irritação mecânica e fricção.

Osteoartrite da articulação do ombro e da articulação acromioclavicular

A osteoartrite da articulação do ombro e da articulação acromioclavicular, OA, são alterações degenerativas da cartilagem e do osso nas articulações e nos discos intervertebrais.

Epidemiologia

Há alta prevalência de tendinite no ombro entre soldadores e metalúrgicos, com taxas de 18% e 16%, respectivamente. Em um estudo que comparou soldadores e metalúrgicos com trabalhadores de escritório do sexo masculino, os soldadores e metalúrgicos tinham 11 a 13 vezes mais chances de sofrer do distúrbio, conforme medido pela razão de chances. Uma razão de chance semelhante de 11 foi encontrada em um estudo de caso-controle de trabalhadores industriais do sexo masculino que trabalhavam com as mãos na altura dos ombros ou perto deles. Os montadores de automóveis que sofriam de dor aguda no ombro e tendinite eram obrigados a elevar os braços com mais frequência e por mais tempo do que os trabalhadores que não tinham essas exigências de trabalho.

Estudos de trabalhadores industriais nos Estados Unidos mostraram uma prevalência de 7.8% de tendinite do ombro e doença articular degenerativa (ombro) de transtornos traumáticos cumulativos (DTCs) entre trabalhadores cujas tarefas envolviam o exercício de força ou movimentos repetitivos, ou ambos, em o pulso e as mãos. Em um estudo, estudantes do sexo feminino realizando flexão repetitiva do ombro desenvolveram tendinite reversível no ombro. Eles desenvolveram a condição quando a taxa de flexão, ao longo de uma hora, era de 15 flexões para a frente por minuto e o ângulo de flexão estava entre 0 e 90 graus. Trabalhadores de pranchas, dobradeiras e costuras sofreram cerca de duas vezes mais tendinite no ombro do que os trabalhadores de tricô. Entre os arremessadores de beisebol profissionais, aproximadamente 10% tiveram tendinite no ombro. Uma pesquisa com nadadores em clubes de natação canadenses descobriu que 15% dos nadadores relataram ter deficiência significativa no ombro, principalmente devido ao impacto. O problema estava particularmente relacionado com os estilos borboleta e estilo livre. A tendinite do bíceps braquial foi encontrada em 11% dos 84 melhores tenistas do mundo.

Outro estudo mostrou que a osteoartrite da articulação do ombro era mais comum em dentistas do que entre agricultores, mas a exposição ergonômica relacionada à OA da articulação do ombro não foi identificada. Um risco aumentado de OA acromioclavicular foi relatado entre trabalhadores da construção civil. O levantamento de peso e o manuseio de ferramentas pesadas com vibração mão-braço foram sugeridos como a exposição relacionada à OA da articulação acromioclavicular.

Mecanismos e Fatores de Risco de Doença

Fisiopatologia da tendinite do ombro

A degeneração do tendão é frequentemente o fator predisponente para o desenvolvimento de tendinite no ombro. Essa degeneração do tendão pode ser causada pelo comprometimento da circulação no tendão, de modo que o metabolismo seja interrompido. O estresse mecânico também pode ser uma causa. A morte celular dentro do tendão, que forma detritos e nos quais o cálcio pode se depositar, pode ser a forma inicial da degeneração. Os tendões do supraespinhal, do bíceps braquial (cabeça longa) e das partes superiores dos músculos infraespinhais têm uma zona onde não há vasos sanguíneos (avascularidade), e é nessa área que os sinais de degeneração, incluindo morte celular, depósitos de cálcio e rupturas microscópicas, são predominantemente localizados. Quando a circulação sanguínea é prejudicada, como por compressão e carga estática nos tendões do ombro, a degeneração pode ser acelerada porque a manutenção normal do corpo não estará funcionando de maneira ideal.

A compressão dos tendões ocorre quando o braço é elevado. Um processo frequentemente chamado de impacto envolve forçar os tendões através das passagens ósseas do ombro, conforme ilustrado na figura 3. A compressão dos tendões do manguito rotador (especialmente o tendão do supraespinal) ocorre porque o espaço entre a cabeça do úmero e o estreito o arco coracoacromial é estreito. Pessoas que sofrem de incapacidade de longo prazo devido a bursite crônica ou rupturas completas ou parciais dos tendões do manguito rotador ou bíceps braquial geralmente também têm síndrome do impacto.

Figura 3. Impacto

MUS090F3

A circulação de sangue para o tendão também depende da tensão muscular. No tendão, a circulação será inversamente proporcional à tensão. Em níveis de tensão muito altos, a circulação pode cessar completamente. Estudos recentes mostraram que a pressão intramuscular no músculo supraespinhoso pode exceder 30 mm Hg em 30 graus de flexão anterior ou abdução na articulação do ombro, conforme mostrado na figura 4. O comprometimento da circulação sanguínea ocorre neste nível de pressão. Uma vez que o principal vaso sanguíneo que supre o tendão supraespinal passa pelo músculo supraespinhal, é provável que a circulação do tendão possa até ser perturbada em 30 graus de flexão anterior ou abdução na articulação do ombro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Figura 4. A elevação do braço em diferentes elevações e em diferentes ângulos exerce diferentes pressões intramusculares no músculo supraespinhoso.

MUS090F4

Devido a esses efeitos biomecânicos, não é surpreendente encontrar um alto risco de lesões do tendão do ombro entre aqueles que estão envolvidos em atividades que requerem contrações estáticas do músculo supraespinal ou flexões ou abduções repetitivas do ombro para a frente. Soldadores, metalúrgicos e costureiros estão entre os grupos ocupacionais cujo trabalho envolve tensão estática desses músculos. Trabalhadores de linhas de montagem na indústria automotiva, pintores, carpinteiros e atletas como nadadores são outros grupos ocupacionais nos quais são realizados movimentos repetitivos da articulação do ombro.

No tendão degenerado, o esforço pode desencadear uma resposta inflamatória aos restos de células mortas, resultando em uma tendinite ativa. Além disso, infecção (por exemplo, viral, urogenital) ou inflamação sistêmica podem predispor um indivíduo a tendinite reativa no ombro. Uma hipótese é que uma infecção, que ativa o sistema imunológico, aumenta a possibilidade de uma resposta de corpo estranho às estruturas degenerativas do tendão.

Patogênese da osteoartrose

A patogênese da osteoartrose, OA, não é conhecida. A OA primária (idiopática) é o diagnóstico mais comum na ausência de fatores predisponentes, como fraturas prévias. Se existirem fatores predisponentes, a OA é denominada secundária. Existem disputas entre aqueles que afirmam que a OA (primária) é um distúrbio metabólico ou genético e aqueles que afirmam que o trauma mecânico cumulativo também pode desempenhar um papel na patogênese da OA primária. Microfraturas devido a impacto súbito ou carga de impacto repetitivo podem ser um mecanismo patogênico para OA relacionada à carga.

Gestão e Prevenção

Nesta seção, o tratamento não médico de distúrbios do ombro é considerado. Uma mudança no design do local de trabalho ou mudança na tarefa de trabalho é necessária se a tendinite for considerada devido à alta carga local no ombro. Uma história de tendinite no ombro torna um trabalhador que faz trabalho repetitivo ou acima da cabeça suscetível a uma recidiva da tendinite. A carga da articulação osteoartrítica deve ser minimizada pela otimização ergonômica do trabalho.

Prevenção primária

A prevenção de distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho no ombro pode ser alcançada melhorando as posturas de trabalho, movimentos, manuseio de materiais e organização do trabalho e eliminando fatores perigosos externos, como vibração mão-braço ou vibração de corpo inteiro. Uma metodologia que pode ser vantajosa na melhoria das condições ergonômicas de trabalho é a ergonomia participativa, com abordagem macroergonômica.

  • Posturas de trabalho: Como a compressão dos tendões do ombro ocorre em 30 graus de elevação do braço (abdução), deve-se planejar um trabalho que permita que o braço seja mantido próximo ao tronco.
  • Movimentos: Elevações repetitivas do braço podem desencadear tendinite no ombro, e o trabalho deve ser projetado para evitar movimentos do braço altamente repetitivos.
  • Manuseio de materiais: O manuseio de ferramentas ou objetos pode causar sobrecarga nos tendões e músculos do ombro. Ferramentas e objetos portáteis devem ser mantidos com o menor peso possível e devem ser usados ​​com suportes para auxiliar no levantamento.
  • Organização do trabalho: A organização do trabalho deve ser pensada para permitir pausas e descansos. Férias, rotações e ampliação do trabalho são técnicas que podem evitar sobrecarga repetitiva de músculos ou estruturas isoladas.
  • Fatores externos: A vibração de impacto e outros impactos de ferramentas elétricas podem causar tensão nos tendões e nas estruturas articulares, aumentando o risco de osteoartrose. Os níveis de vibração das ferramentas elétricas devem ser minimizados e a vibração de impacto e outros tipos de exposição ao impacto devem ser evitados usando diferentes tipos de suporte ou alavancas. Vibrações de corpo inteiro podem causar contrações reflexas dos músculos do ombro e aumentar a carga no ombro.
  • Ergonomia participativa: Este método envolve os próprios trabalhadores na definição dos problemas e soluções e na avaliação das soluções. A ergonomia participativa parte de uma visão macroergonômica, envolvendo a análise de todo o sistema produtivo. Os resultados dessa análise podem levar a mudanças em larga escala nos métodos de produção que podem aumentar a saúde e a segurança, bem como o lucro e a produtividade. A análise também pode levar a mudanças de menor escala, como no design da estação de trabalho.
  • exames de pré-colocação: As informações disponíveis atualmente não suportam a ideia de que a triagem pré-colocação seja eficaz na redução da ocorrência de distúrbios do ombro relacionados ao trabalho.
  • Controle e Vigilância Médica: A vigilância dos sintomas do ombro é prontamente realizada por meio de questionários padronizados e visitas de inspeção dos locais de trabalho.

 

Voltar

Leia 10959 vezes Última modificação em segunda-feira, 26 de setembro de 2011 13:11
Mais nesta categoria: " Pescoço Cotovelo "

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências do sistema musculoesquelético

Agência para Política e Pesquisa de Cuidados de Saúde (AHCPR). 1994. Problemas agudos na região lombar em adultos. Diretrizes de Prática Clínica 14. Washington, DC: AHCPR.

Allander, E. 1974. Prevalência, incidência e taxas de remissão de algumas doenças ou síndromes reumáticas comuns. Scand J Rheumatol 3:145-153.

Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 1988. Moção Conjunta. Nova York: Churchill Livingstone.
Anderson, JAD. 1988. Artrose e sua relação com o trabalho. Scand J Work Environ Health 10:429-433.

Anderson, JJ e DT Felson. 1988. Fatores associados à osteoartrite do joelho na primeira Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (HANES 1): Evidência de associação com sobrepeso, raça e demandas físicas do trabalho. Am J Epidemiol 128:179-189.

Ângelides, AC. 1982. Gânglios da mão e punho. In Operative Hand Surgery, editado por DP Green. Nova York: Churchill Livingstone.

Armstrong, TJ, WA Castelli, G Evans e R Diaz-Perez. 1984. Algumas alterações histológicas no conteúdo do túnel do carpo e suas implicações biomecânicas. J Occup Med 26(3):197-201.

Armstrong, TJ, P Buckle, L Fine, M Hagberg, B Jonsson, A Kilbom, I Kuorinka, B Silverstein, B Sjøgaard e E Viikari-Juntura. 1993. Um modelo conceitual para distúrbios musculoesqueléticos do pescoço e membros superiores relacionados ao trabalho. Scand J Work Environ Health 19:73-84.

Arnett, FC, SM Edworthy, DA Bloch, DJ McShane, JF Fries, NS Cooper, LA Healey, SR Kaplan, MH Liang, HS Luthra, TAJ Medsger, DM Mitchell, DH Neustadt, RS Pinals, JG Schaller, JT Sharp, RL Wilder e GG Hunder. 1988. A American Rheumatism Association 1987 revisou os critérios para a classificação da artrite reumatóide. Arthritis Rheum 31:315-324.

Aronsson, G, U Bergkvist e S Almers. 1992. Work Oganization and Musculoskeletal Disorders in VDU-Work (Sueco com Resumo em Inglês). Solna: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.
Axmacher, B e H Lindberg. 1993. Coxartrose em agricultores. Clin Orthop 287:82-86.

Bergenudd, H, F Lindgärde e B Nilsson. 1989. Prevalência e coincidência de alterações degenerativas das mãos e pés na meia-idade e sua relação com a carga de trabalho ocupacional, inteligência e origem social. Clin Orthop 239:306-310.

Brinckmann, P e MH Pope. 1990. Efeitos de cargas repetidas e vibração. Em The Lumbar Spine, editado por J Weinstein e SW Weisel. Filadélfia: WB Saunders.

Calin, A, J Elswood, S Rigg e SM Skevington. 1988. Espondilite anquilosante - uma revisão analítica de 1500 pacientes: O padrão de mudança da doença. J Rheumatol 15:1234-1238.

Chaffin, D e GBJ Andersson. 1991. Biomecânica Ocupacional. Nova York: Wiley.

Daniel, RK e WC Breidenbach. 1982. Tendão: estrutura, organização e cicatrização. Indivíduo. 14 em The Musculoskeletal System: Embryology, Biochemistry and Physiology, editado por RL Cruess. Nova York: Churchill Livingstone.

Dougados, M, S van der Linden, R Juhlin, B Huitfeldt, B Amor, A Calin, A Cats, B Dijkmans, I Olivieri, G Pasero, E Veys e H Zeidler. 1991. Critérios preliminares do European Spondylarthropathy Study Group para a classificação da espondilartropatia. Arthritis Rheum 34:1218-1227.

Edwards, RH. 1988. Hipóteses de mecanismos periféricos e centrais subjacentes à dor e lesão muscular ocupacional. Eur J Appl Physiol 57(3):275-281.

Felson, DT. 1990. A epidemiologia da osteoartrite do joelho: Resultados do Framingham Osteoarthritis Study. Sem Arthrit Rheumat 20:42-50.

Felson, DT, JJ Anderson, A Naimark, AM Walker e RF Meenan. 1988. Obesidade e osteoartrite do joelho: O estudo de Framingham. Ann Intern Med 109:18-24.

Fung, YB. 1972. Relações históricas de estresse e tensão de tecidos moles em alongamento simples. Indivíduo. 7 em Biomechanics: Its Foundations and Objectives, editado por YC Fung, N Perrone e M Anliker. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Gelberman, R, V Goldberg, K An e A Banes. 1987. Tendão. Indivíduo. 1 em Injury and Repair of the Musculoskeletal Soft Tissue, editado por SL Woo e JA Buckwalter. Park Ridge, Illinois: Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos.

Gemne, G e H Saraste. 1987. Patologia óssea e articular em trabalhadores que utilizam ferramentas manuais vibratórias. Scand J Work Environ Health 13:290-300.

Goldberg, DL. 1987. Síndrome de fibromialgia. Uma condição emergente, mas controversa. JAMA 257:2782-2787.

Goldstein, SA, TJ Armstrong, DB Chaffin e LS Matthews. 1987. Análise da tensão cumulativa em tendões e bainhas tendíneas. J Biomech 20(1):1-6.

Vovó, JT e G Husby. 1993. A epidemiologia da espondilite anquilosante. Sem Arthrit Rheumat 22:319-334.

Diretrizes e medidas de auditoria para a supervisão especializada de pacientes com artrite reumatoide. Relatório de um Grupo de Trabalho Conjunto da Sociedade Britânica de Reumatologia e da Unidade de Pesquisa do Royal College of Physicians. 1992. J Royal Coll Phys 26:76-82.

Hagberg, M. 1982. Sintomas e distúrbios de tensão muscular local no ombro. J Hum Ergol 11:99-108.
Hagberg, M e DH Wegman. 1987. Taxas de prevalência e razões de chances de doenças do ombro e pescoço em diferentes grupos ocupacionais. Brit J Ind Med 44:602-610.

Hagberg, M, H Hendrick, B Silverstein, MJ Smith, R Well e P Carayon. 1995. Distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho (WMSDs): Um livro de referência para prevenção, editado por I Kuorinka e L Forcier. Londres: Taylor & Francis.

Hägg, GM, J Suurküla e Å Kilbom. 1990. Preditores para Distúrbios do Ombro e Pescoço Relacionados ao Trabalho (Sueco com Resumo em Inglês). Solna: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.

Halpern, M. 1992. Prevenção da dor lombar: ergonomia básica no local de trabalho e na clínica. Bailliere's Clin Rheum 6:705-730.

Hamerman, D e S Taylor. 1993. Fatores humorais na patogênese da osteoartrite. In Humoral Factors in the Regulation of Tissue Growth, editado por PP Foá. Nova York: Springer.

Hannan, MT, DT Felson, JJ Anderson, A Naimark e WB Kannel. 1990. Uso de estrogênio e osteoartrite radiográfica do joelho em mulheres. Arthritis Rheum 33:525-532.

Hansen, SM. 1993. Arbejdsmiljø Og Samfundsøkonomi -En Metode Til Konsekvensbeskrivning. Norte: Nordisk Ministerråd.

Hansen, SM e PL Jensen. 1993. Arbejdsmiljø Og Samfundsøkonomi -Regneark Og Dataunderlag. Nord: Nordisk Ministerråd. (Nordiske Seminar - og Arbejdsrapporter 1993:556.)

Hanson, J.E. 1987. Förararbetsplatser [Estações de trabalho para dirigir, em sueco]. Em Människan I Arbete, editado por N Lundgren, G Luthman e K Elgstrand. Estocolmo: Almqvist & Wiksell.

Heliövaara, M, M Mäkelä e K Sievers. 1993. Doenças musculoesqueléticas na Finlândia (em finlandês). Helsinki: Kansaneläkelaitoksen julkaisuja AL.

Järvholm U, G Palmerud, J Styf, P Herberts, R Kadefors. 1988. Pressão intramuscular no músculo supraespinhal. J Orthop Res 6:230-238.

Júpiter, JB e HE Kleinert. 1988. Lesões vasculares da extremidade superior. Na Mão, editado por R Tubiana. Filadélfia: WB Saunders.

Kärkkäinen, A. 1985. Osteoartrite da mão na população finlandesa com 30 anos ou mais (em finlandês com um resumo em inglês). Finlândia: Publicações da Instituição de Seguro Social.

Kivi, P. 1982. A etiologia e tratamento conservador da epicondilite umeral. Scand J Rehabil Med 15:37-41.

Kivimäki, J. 1992. Achados ultrassônicos ocupacionalmente relacionados em joelhos de camadas de carpete e piso. Scand J Work Environ Health 18:400-402.

Kivimäki, J, H Riihimäki e K Hänninen. 1992. Distúrbios do joelho em tapetes e camadas de piso e pintores. Scand J Work Environ Health 18:310-316.

Kohatsu, ND e D. Schurman. 1990. Fatores de risco para o desenvolvimento de osteoartrose do joelho. Clin Orthop 261:242-246.

Kuorinka, I, B Jonsson, Å Kilbom, H Vinterberg, F Biering-Sørensen, G Andersson e K Jørgensen. 1987. Questionários nórdicos padronizados para a análise de sintomas musculoesqueléticos. Appl Ergon 18:233-237.

Kurppa, K, E Viikari-Juntura, E Kuosma, M Huus-konen e P Kivi. 1991. Incidência de tenossinovite ou peritendinite e epicondilite em uma fábrica de processamento de carne. Scand J Work Environ Health 17:32-37.

Leadbetter, WB. 1989. Conceitos de estadiamento clínico no trauma esportivo. Indivíduo. 39 em Inflamação induzida por esportes: Conceitos clínicos e científicos básicos, editado por WB Leadbetter, JA Buckwalter e SL Gordon. Park Ridge, Illinois: Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos.

Lindberg, H e F Montgomery. 1987. Trabalho de parto pesado e ocorrência de gonartrose. Clin Orthop 214:235-236.

Liss, GM e S Stock. 1996. A contratura de Dupuytren pode estar relacionada ao trabalho?: Revisão das evidências. Am J Ind Med 29:521-532.

Luís, DS. 1992. A síndrome do túnel do carpo no trabalho. Indivíduo. 12 em Occupational Disorders of the Upper Extremity, editado por LH Millender, DS Louis e BP Simmons. Nova York: Churchill Livingstone.

Lundborg, G. 1988. Nerve Injury and Repair. Edimburgo: Churchill Livingstone.
Manz, A, e W Rausch. 1965. Zur Pathogenese und Begutachtung der Epicondylitis humeri. Münch Med Wochenshcr 29:1406-1413.

Marsden, CD e MP Sheehy. 1990. Cãibra do escritor. Trends Neurosci 13:148-153.

Mense, S. 1993. Mecanismos periféricos de nocicepção muscular e dor muscular local. J Dor muscular 1(1):133-170.

MOURA, JS. 1992. Função, estrutura e respostas da unidade músculo-tendão. Occup Med: State Art Rev 7(4):713-740.

Mubarak, SJ. 1981. Síndromes compartimentais de esforço. Em Compartiment Syndromes and Volkmann's Contracture, editado por SJ Mubarak e AR Hargens. Filadélfia: WB Saunders.

Nachemson, A. 1992. Mecânica lombar revelada por medições de pressão intradiscal lombar. Em The Lumbar Spine and Back Pain, editado por MIV Jayson. Edimburgo: Churchill Livingstone.

Obolenskaja, AJ, e Goljanitzki, JA. 1927. Die seröse Tendovaginitis in der Klinik und im Experiment. Dtsch Z Chir 201:388-399.

Partridge, REH e JJR Duthie. 1968. Reumatismo em estivadores e funcionários públicos: uma comparação entre trabalhadores manuais pesados ​​e sedentários. Ann Rheum Dis 27:559-568.

Rafusson V, OA Steingrímsdóttir, MH Olafsson e T Sveinsdóttir. 1989. Muskuloskeletala besvär bland islänningar. Nord Med 104: 1070.

Roberts, S. 1990. Amostragem do disco intervertebral. Em Methods in Cartilage Research, editado por A Maroudas e K Kuettner. Londres: Academic Press.

Rydevik, BL e S Holm. 1992. Fisiopatologia do disco intervertebral e estruturas adjacentes. In The Spine, editado por RH Rothman e FA Simeone. Filadélfia: WB Saunders.

Schüldt, K. 1988. Sobre a atividade muscular do pescoço e redução de carga em posturas sentadas. doutorado Tese, Instituto Karolinska. Estocolmo.

Schüldt, K, J Ekholm, J Toomingas, K Harms-Ringdahl, M Köster e Stockholm MUSIC Study Group 1. 1993. Associação entre resistência/esforço em extensores do pescoço e distúrbios do pescoço relatados (em sueco). Em Stockholm Investigation 1, editado por M Hagberg e C Hogstedt. Estocolmo: MUSIC Books.

Silverstein, BA, LJ Fine e J Armstrong. 1986. Distúrbios traumáticos cumulativos da mão e do punho na indústria. Brit J Ind Med 43:779-784.

Sjøgaard, G. 1990. Fadiga muscular induzida por exercício: a importância do potássio. Acta Physiol Scand 140 Supl. 593:1-64.

Sjøgaard, G, OM Sejersted, J Winkel, J Smolander, K Jørgensen e R Westgaard. 1995. Avaliação da exposição e mecanismos de patogênese em distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho: Aspectos significativos na documentação de fatores de risco. Em Trabalho e Saúde. Base Científica do Progresso no Ambiente de Trabalho, editado por O Svane e C Johansen. Luxemburgo: Comissão Europeia, Direção-Geral V.

Spitzer, WO, FE LeBlanc, M Dupuis, et al. 1987. Abordagem científica para a avaliação e gerenciamento de distúrbios da coluna vertebral relacionados à atividade. Espinha 12 (7S).

Tidswell, M. 1992. Cash's Textbook of Orthopaedics and Rheumatology for Physiotherapists. Europa: Mosby.

Thompson, AR, LW Plewes e EG Shaw. 1951. Peritendinitis crepitans e tenossinovite simples: Um estudo clínico de 544 casos na indústria. Brit J Ind Med 8:150-160.

Urban, JPG e S Roberts. 1994. Química do disco intervertebral em relação aos requisitos funcionais. In Grieve's Modern Manual Therapy, editado por JD Boyling e N Palastanga. Edimburgo: Churchill Livingstone.

Viikari-Juntura, E. 1984. Tenossinovite, peritendinite e síndrome do cotovelo de tenista. Scand J Work Environ Health 10:443-449.

Vingård, E, L Alfredsson, I Goldie e C Hogstedt. 1991. Ocupação e osteoartrose do quadril e joelho. Int J Epidemiol 20:1025-1031.

Vingård, E, L Alfredsson, I Goldie e C Hogstedt. 1993. Esportes e osteoartrose do quadril. Am J Sports Med 21:195-200.

Waters, TR, V Putz-Anderson, A Garg e LJ Fine. 1993. Equação NIOSH revisada para projeto e avaliação de tarefas de levantamento manual. Ergonomia 36:739-776.

Wickström, G, K Hänninen, T Mattsson, T Niskanen, H Riihimäki, P Waris e A Zitting. 1983. Degeneração do joelho em trabalhadores de reforço de concreto. Brit J Ind Med 40:216-219.

Wolfe, F. 1986. A síndrome clínica da fibrosite. Am J Med 81 Supl. 3A:7-14.

Wolfe, F, HA Smythe, MB Yunus, RM Bennett, C Bombardier, DL Goldenberg, P Tugwell, SM Campbell, M Abeles, P Clark, AG Fam, SJ Farber, JJ Fiechtner, CM Franklin, RA Gatter, D Hamaty, J Lessard, AS Lichtbroun, AT Masi, GA McCain, WJ Reynolds, TJ Romano, IJ Russell e RP Sheon. 1990. Critérios do American College of Rheumatology para a classificação da fibromialgia. Relatório do comitê multicêntrico de critérios. Arthritis Rheum 33:160-172.

Yunus, MB. 1993. Pesquisa em fibromialgia e síndromes de dor miofascial: estado atual, problemas e direções futuras. J Dor muscular 1(1):23-41.