Quarta-feira, 16 fevereiro 2011 23: 43

Cotovelo

Classifique este artigo
(2 votos)

Epicondilite

A epicondilite é uma condição dolorosa que ocorre no cotovelo, onde os músculos que permitem o movimento do punho e dos dedos encontram o osso. Quando esta condição dolorosa ocorre do lado de fora é chamada de cotovelo de tenista (epicondilite lateral). Quando ocorre na parte interna da dobra do cotovelo, é chamado de cotovelo de golfista (epicondilite medial). Cotovelo de tenista é uma doença bastante comum na população em geral, e em alguns estudos foi observada alta ocorrência em alguns grupos ocupacionais com tarefas manuais intensivas (tabela 1); é mais comum que a epicondilite medial.

Tabela 1. Incidência de epicondilite em várias populações.

População de estudo

Taxa por 100

anos-pessoa

Referência

5,000 trabalhadores de diversos ofícios

1.5

Manz e Rausch 1965

15,000 indivíduos de uma população normal

<1.0

Allander 1974

7,600 trabalhadores de diversos ofícios

0.6

Kivi 1982

102 açougueiros

6.4

Kurppa et ai. 1991

107 mulheres salsicharias

11.3

Kurppa et ai. 1991

118 empacotadoras

7.0

Kurppa et ai. 1991

141 homens em empregos não extenuantes

0.9

Kurppa et ai. 1991

197 mulheres em trabalhos não extenuantes

1.1

Kurppa et ai. 1991

 

Acredita-se que a epicondilite seja causada por esforços repetitivos e vigorosos do punho e dos dedos; estudos controlados, no entanto, deram resultados contraditórios sobre o papel das tarefas manuais intensivas no desenvolvimento da doença. O trauma também pode desempenhar um papel, e a proporção de casos ocorridos após o trauma variou de 0 a 26% em diferentes estudos. A epicondilite geralmente ocorre em pessoas com 40 anos ou mais. A doença é rara antes dos 30 anos. Pouco se sabe sobre outros fatores de risco individuais. Uma visão comum sobre a patologia é que há uma ruptura na inserção dos músculos. Os sintomas da epicondilite incluem dor, especialmente durante o esforço da mão e do punho, e segurar com o cotovelo estendido pode ser extremamente doloroso.

Existem vários conceitos sobre a patogênese da epicondilite. A duração da epicondilite é geralmente de algumas semanas a alguns meses, após o que geralmente há recuperação completa. Entre os trabalhadores com tarefas manuais intensivas, a duração da licença médica devido à epicondilite geralmente é de cerca ou pouco mais de duas semanas.

Bursite do olécrano

A bursite do olecrano é uma inflamação de um saco cheio de líquido no lado dorsal do cotovelo (bursa do olecrano). Pode ser causada por traumas mecânicos repetidos (bursite traumática ou de “estudante”). Também pode ser causada por infecção ou associada à gota. Há edema local e movimento ondulatório à palpação devido ao acúmulo de líquido na bursa. Quando há aumento da temperatura da pele, sugere-se um processo infeccioso (bursite séptica).

Osteoartrose

A osteoartrose ou doença degenerativa resultante da ruptura da cartilagem do cotovelo raramente é observada em pessoas com menos de 60 anos. trabalho manual, como mineiros de carvão e trabalhadores da construção de estradas. No entanto, também foram relatados estudos válidos sem risco excessivo em tais ocupações. A artrose do cotovelo também tem sido associada à vibração, mas acredita-se que a osteoartrose do cotovelo não seja específica da vibração.

Os sintomas incluem dor local, primeiro durante o movimento e depois também durante o repouso, e limitação da amplitude de movimento. Na presença de corpos soltos na junta, pode ocorrer travamento da junta. A perda da capacidade de estender completamente a articulação é especialmente incapacitante. As anormalidades observadas nos raios X incluem o crescimento de novo tecido ósseo nos locais onde os ligamentos e tendões encontram o osso. Às vezes, pedaços soltos de cartilagem ou osso podem ser vistos. Danos à cartilagem articular podem resultar na destruição do tecido ósseo subjacente e na deformação das superfícies articulares.

A prevenção e o tratamento da osteoartrose do cotovelo enfatizam a otimização da carga de trabalho, melhorando as ferramentas e os métodos de trabalho para diminuir as cargas mecânicas impostas ao membro superior e minimizando a exposição à vibração. A terapia de movimento ativo e passivo pode ser usada para minimizar as restrições na amplitude de movimento.

 

Voltar

Leia 6678 vezes Última modificação na segunda-feira, 11 julho 2011 09: 01
Mais nesta categoria: " Ombro Antebraço, Punho e Mão »

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências do sistema musculoesquelético

Agência para Política e Pesquisa de Cuidados de Saúde (AHCPR). 1994. Problemas agudos na região lombar em adultos. Diretrizes de Prática Clínica 14. Washington, DC: AHCPR.

Allander, E. 1974. Prevalência, incidência e taxas de remissão de algumas doenças ou síndromes reumáticas comuns. Scand J Rheumatol 3:145-153.

Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 1988. Moção Conjunta. Nova York: Churchill Livingstone.
Anderson, JAD. 1988. Artrose e sua relação com o trabalho. Scand J Work Environ Health 10:429-433.

Anderson, JJ e DT Felson. 1988. Fatores associados à osteoartrite do joelho na primeira Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (HANES 1): Evidência de associação com sobrepeso, raça e demandas físicas do trabalho. Am J Epidemiol 128:179-189.

Ângelides, AC. 1982. Gânglios da mão e punho. In Operative Hand Surgery, editado por DP Green. Nova York: Churchill Livingstone.

Armstrong, TJ, WA Castelli, G Evans e R Diaz-Perez. 1984. Algumas alterações histológicas no conteúdo do túnel do carpo e suas implicações biomecânicas. J Occup Med 26(3):197-201.

Armstrong, TJ, P Buckle, L Fine, M Hagberg, B Jonsson, A Kilbom, I Kuorinka, B Silverstein, B Sjøgaard e E Viikari-Juntura. 1993. Um modelo conceitual para distúrbios musculoesqueléticos do pescoço e membros superiores relacionados ao trabalho. Scand J Work Environ Health 19:73-84.

Arnett, FC, SM Edworthy, DA Bloch, DJ McShane, JF Fries, NS Cooper, LA Healey, SR Kaplan, MH Liang, HS Luthra, TAJ Medsger, DM Mitchell, DH Neustadt, RS Pinals, JG Schaller, JT Sharp, RL Wilder e GG Hunder. 1988. A American Rheumatism Association 1987 revisou os critérios para a classificação da artrite reumatóide. Arthritis Rheum 31:315-324.

Aronsson, G, U Bergkvist e S Almers. 1992. Work Oganization and Musculoskeletal Disorders in VDU-Work (Sueco com Resumo em Inglês). Solna: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.
Axmacher, B e H Lindberg. 1993. Coxartrose em agricultores. Clin Orthop 287:82-86.

Bergenudd, H, F Lindgärde e B Nilsson. 1989. Prevalência e coincidência de alterações degenerativas das mãos e pés na meia-idade e sua relação com a carga de trabalho ocupacional, inteligência e origem social. Clin Orthop 239:306-310.

Brinckmann, P e MH Pope. 1990. Efeitos de cargas repetidas e vibração. Em The Lumbar Spine, editado por J Weinstein e SW Weisel. Filadélfia: WB Saunders.

Calin, A, J Elswood, S Rigg e SM Skevington. 1988. Espondilite anquilosante - uma revisão analítica de 1500 pacientes: O padrão de mudança da doença. J Rheumatol 15:1234-1238.

Chaffin, D e GBJ Andersson. 1991. Biomecânica Ocupacional. Nova York: Wiley.

Daniel, RK e WC Breidenbach. 1982. Tendão: estrutura, organização e cicatrização. Indivíduo. 14 em The Musculoskeletal System: Embryology, Biochemistry and Physiology, editado por RL Cruess. Nova York: Churchill Livingstone.

Dougados, M, S van der Linden, R Juhlin, B Huitfeldt, B Amor, A Calin, A Cats, B Dijkmans, I Olivieri, G Pasero, E Veys e H Zeidler. 1991. Critérios preliminares do European Spondylarthropathy Study Group para a classificação da espondilartropatia. Arthritis Rheum 34:1218-1227.

Edwards, RH. 1988. Hipóteses de mecanismos periféricos e centrais subjacentes à dor e lesão muscular ocupacional. Eur J Appl Physiol 57(3):275-281.

Felson, DT. 1990. A epidemiologia da osteoartrite do joelho: Resultados do Framingham Osteoarthritis Study. Sem Arthrit Rheumat 20:42-50.

Felson, DT, JJ Anderson, A Naimark, AM Walker e RF Meenan. 1988. Obesidade e osteoartrite do joelho: O estudo de Framingham. Ann Intern Med 109:18-24.

Fung, YB. 1972. Relações históricas de estresse e tensão de tecidos moles em alongamento simples. Indivíduo. 7 em Biomechanics: Its Foundations and Objectives, editado por YC Fung, N Perrone e M Anliker. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Gelberman, R, V Goldberg, K An e A Banes. 1987. Tendão. Indivíduo. 1 em Injury and Repair of the Musculoskeletal Soft Tissue, editado por SL Woo e JA Buckwalter. Park Ridge, Illinois: Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos.

Gemne, G e H Saraste. 1987. Patologia óssea e articular em trabalhadores que utilizam ferramentas manuais vibratórias. Scand J Work Environ Health 13:290-300.

Goldberg, DL. 1987. Síndrome de fibromialgia. Uma condição emergente, mas controversa. JAMA 257:2782-2787.

Goldstein, SA, TJ Armstrong, DB Chaffin e LS Matthews. 1987. Análise da tensão cumulativa em tendões e bainhas tendíneas. J Biomech 20(1):1-6.

Vovó, JT e G Husby. 1993. A epidemiologia da espondilite anquilosante. Sem Arthrit Rheumat 22:319-334.

Diretrizes e medidas de auditoria para a supervisão especializada de pacientes com artrite reumatoide. Relatório de um Grupo de Trabalho Conjunto da Sociedade Britânica de Reumatologia e da Unidade de Pesquisa do Royal College of Physicians. 1992. J Royal Coll Phys 26:76-82.

Hagberg, M. 1982. Sintomas e distúrbios de tensão muscular local no ombro. J Hum Ergol 11:99-108.
Hagberg, M e DH Wegman. 1987. Taxas de prevalência e razões de chances de doenças do ombro e pescoço em diferentes grupos ocupacionais. Brit J Ind Med 44:602-610.

Hagberg, M, H Hendrick, B Silverstein, MJ Smith, R Well e P Carayon. 1995. Distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho (WMSDs): Um livro de referência para prevenção, editado por I Kuorinka e L Forcier. Londres: Taylor & Francis.

Hägg, GM, J Suurküla e Å Kilbom. 1990. Preditores para Distúrbios do Ombro e Pescoço Relacionados ao Trabalho (Sueco com Resumo em Inglês). Solna: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.

Halpern, M. 1992. Prevenção da dor lombar: ergonomia básica no local de trabalho e na clínica. Bailliere's Clin Rheum 6:705-730.

Hamerman, D e S Taylor. 1993. Fatores humorais na patogênese da osteoartrite. In Humoral Factors in the Regulation of Tissue Growth, editado por PP Foá. Nova York: Springer.

Hannan, MT, DT Felson, JJ Anderson, A Naimark e WB Kannel. 1990. Uso de estrogênio e osteoartrite radiográfica do joelho em mulheres. Arthritis Rheum 33:525-532.

Hansen, SM. 1993. Arbejdsmiljø Og Samfundsøkonomi -En Metode Til Konsekvensbeskrivning. Norte: Nordisk Ministerråd.

Hansen, SM e PL Jensen. 1993. Arbejdsmiljø Og Samfundsøkonomi -Regneark Og Dataunderlag. Nord: Nordisk Ministerråd. (Nordiske Seminar - og Arbejdsrapporter 1993:556.)

Hanson, J.E. 1987. Förararbetsplatser [Estações de trabalho para dirigir, em sueco]. Em Människan I Arbete, editado por N Lundgren, G Luthman e K Elgstrand. Estocolmo: Almqvist & Wiksell.

Heliövaara, M, M Mäkelä e K Sievers. 1993. Doenças musculoesqueléticas na Finlândia (em finlandês). Helsinki: Kansaneläkelaitoksen julkaisuja AL.

Järvholm U, G Palmerud, J Styf, P Herberts, R Kadefors. 1988. Pressão intramuscular no músculo supraespinhal. J Orthop Res 6:230-238.

Júpiter, JB e HE Kleinert. 1988. Lesões vasculares da extremidade superior. Na Mão, editado por R Tubiana. Filadélfia: WB Saunders.

Kärkkäinen, A. 1985. Osteoartrite da mão na população finlandesa com 30 anos ou mais (em finlandês com um resumo em inglês). Finlândia: Publicações da Instituição de Seguro Social.

Kivi, P. 1982. A etiologia e tratamento conservador da epicondilite umeral. Scand J Rehabil Med 15:37-41.

Kivimäki, J. 1992. Achados ultrassônicos ocupacionalmente relacionados em joelhos de camadas de carpete e piso. Scand J Work Environ Health 18:400-402.

Kivimäki, J, H Riihimäki e K Hänninen. 1992. Distúrbios do joelho em tapetes e camadas de piso e pintores. Scand J Work Environ Health 18:310-316.

Kohatsu, ND e D. Schurman. 1990. Fatores de risco para o desenvolvimento de osteoartrose do joelho. Clin Orthop 261:242-246.

Kuorinka, I, B Jonsson, Å Kilbom, H Vinterberg, F Biering-Sørensen, G Andersson e K Jørgensen. 1987. Questionários nórdicos padronizados para a análise de sintomas musculoesqueléticos. Appl Ergon 18:233-237.

Kurppa, K, E Viikari-Juntura, E Kuosma, M Huus-konen e P Kivi. 1991. Incidência de tenossinovite ou peritendinite e epicondilite em uma fábrica de processamento de carne. Scand J Work Environ Health 17:32-37.

Leadbetter, WB. 1989. Conceitos de estadiamento clínico no trauma esportivo. Indivíduo. 39 em Inflamação induzida por esportes: Conceitos clínicos e científicos básicos, editado por WB Leadbetter, JA Buckwalter e SL Gordon. Park Ridge, Illinois: Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos.

Lindberg, H e F Montgomery. 1987. Trabalho de parto pesado e ocorrência de gonartrose. Clin Orthop 214:235-236.

Liss, GM e S Stock. 1996. A contratura de Dupuytren pode estar relacionada ao trabalho?: Revisão das evidências. Am J Ind Med 29:521-532.

Luís, DS. 1992. A síndrome do túnel do carpo no trabalho. Indivíduo. 12 em Occupational Disorders of the Upper Extremity, editado por LH Millender, DS Louis e BP Simmons. Nova York: Churchill Livingstone.

Lundborg, G. 1988. Nerve Injury and Repair. Edimburgo: Churchill Livingstone.
Manz, A, e W Rausch. 1965. Zur Pathogenese und Begutachtung der Epicondylitis humeri. Münch Med Wochenshcr 29:1406-1413.

Marsden, CD e MP Sheehy. 1990. Cãibra do escritor. Trends Neurosci 13:148-153.

Mense, S. 1993. Mecanismos periféricos de nocicepção muscular e dor muscular local. J Dor muscular 1(1):133-170.

MOURA, JS. 1992. Função, estrutura e respostas da unidade músculo-tendão. Occup Med: State Art Rev 7(4):713-740.

Mubarak, SJ. 1981. Síndromes compartimentais de esforço. Em Compartiment Syndromes and Volkmann's Contracture, editado por SJ Mubarak e AR Hargens. Filadélfia: WB Saunders.

Nachemson, A. 1992. Mecânica lombar revelada por medições de pressão intradiscal lombar. Em The Lumbar Spine and Back Pain, editado por MIV Jayson. Edimburgo: Churchill Livingstone.

Obolenskaja, AJ, e Goljanitzki, JA. 1927. Die seröse Tendovaginitis in der Klinik und im Experiment. Dtsch Z Chir 201:388-399.

Partridge, REH e JJR Duthie. 1968. Reumatismo em estivadores e funcionários públicos: uma comparação entre trabalhadores manuais pesados ​​e sedentários. Ann Rheum Dis 27:559-568.

Rafusson V, OA Steingrímsdóttir, MH Olafsson e T Sveinsdóttir. 1989. Muskuloskeletala besvär bland islänningar. Nord Med 104: 1070.

Roberts, S. 1990. Amostragem do disco intervertebral. Em Methods in Cartilage Research, editado por A Maroudas e K Kuettner. Londres: Academic Press.

Rydevik, BL e S Holm. 1992. Fisiopatologia do disco intervertebral e estruturas adjacentes. In The Spine, editado por RH Rothman e FA Simeone. Filadélfia: WB Saunders.

Schüldt, K. 1988. Sobre a atividade muscular do pescoço e redução de carga em posturas sentadas. doutorado Tese, Instituto Karolinska. Estocolmo.

Schüldt, K, J Ekholm, J Toomingas, K Harms-Ringdahl, M Köster e Stockholm MUSIC Study Group 1. 1993. Associação entre resistência/esforço em extensores do pescoço e distúrbios do pescoço relatados (em sueco). Em Stockholm Investigation 1, editado por M Hagberg e C Hogstedt. Estocolmo: MUSIC Books.

Silverstein, BA, LJ Fine e J Armstrong. 1986. Distúrbios traumáticos cumulativos da mão e do punho na indústria. Brit J Ind Med 43:779-784.

Sjøgaard, G. 1990. Fadiga muscular induzida por exercício: a importância do potássio. Acta Physiol Scand 140 Supl. 593:1-64.

Sjøgaard, G, OM Sejersted, J Winkel, J Smolander, K Jørgensen e R Westgaard. 1995. Avaliação da exposição e mecanismos de patogênese em distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho: Aspectos significativos na documentação de fatores de risco. Em Trabalho e Saúde. Base Científica do Progresso no Ambiente de Trabalho, editado por O Svane e C Johansen. Luxemburgo: Comissão Europeia, Direção-Geral V.

Spitzer, WO, FE LeBlanc, M Dupuis, et al. 1987. Abordagem científica para a avaliação e gerenciamento de distúrbios da coluna vertebral relacionados à atividade. Espinha 12 (7S).

Tidswell, M. 1992. Cash's Textbook of Orthopaedics and Rheumatology for Physiotherapists. Europa: Mosby.

Thompson, AR, LW Plewes e EG Shaw. 1951. Peritendinitis crepitans e tenossinovite simples: Um estudo clínico de 544 casos na indústria. Brit J Ind Med 8:150-160.

Urban, JPG e S Roberts. 1994. Química do disco intervertebral em relação aos requisitos funcionais. In Grieve's Modern Manual Therapy, editado por JD Boyling e N Palastanga. Edimburgo: Churchill Livingstone.

Viikari-Juntura, E. 1984. Tenossinovite, peritendinite e síndrome do cotovelo de tenista. Scand J Work Environ Health 10:443-449.

Vingård, E, L Alfredsson, I Goldie e C Hogstedt. 1991. Ocupação e osteoartrose do quadril e joelho. Int J Epidemiol 20:1025-1031.

Vingård, E, L Alfredsson, I Goldie e C Hogstedt. 1993. Esportes e osteoartrose do quadril. Am J Sports Med 21:195-200.

Waters, TR, V Putz-Anderson, A Garg e LJ Fine. 1993. Equação NIOSH revisada para projeto e avaliação de tarefas de levantamento manual. Ergonomia 36:739-776.

Wickström, G, K Hänninen, T Mattsson, T Niskanen, H Riihimäki, P Waris e A Zitting. 1983. Degeneração do joelho em trabalhadores de reforço de concreto. Brit J Ind Med 40:216-219.

Wolfe, F. 1986. A síndrome clínica da fibrosite. Am J Med 81 Supl. 3A:7-14.

Wolfe, F, HA Smythe, MB Yunus, RM Bennett, C Bombardier, DL Goldenberg, P Tugwell, SM Campbell, M Abeles, P Clark, AG Fam, SJ Farber, JJ Fiechtner, CM Franklin, RA Gatter, D Hamaty, J Lessard, AS Lichtbroun, AT Masi, GA McCain, WJ Reynolds, TJ Romano, IJ Russell e RP Sheon. 1990. Critérios do American College of Rheumatology para a classificação da fibromialgia. Relatório do comitê multicêntrico de critérios. Arthritis Rheum 33:160-172.

Yunus, MB. 1993. Pesquisa em fibromialgia e síndromes de dor miofascial: estado atual, problemas e direções futuras. J Dor muscular 1(1):23-41.