Quinta-feira, Março 03 2011 19: 34

Distúrbios auditivos induzidos fisicamente

Classifique este artigo
(0 votos)

Em virtude de sua posição dentro do crânio, o sistema auditivo geralmente está bem protegido contra lesões por forças físicas externas. Há, no entanto, uma série de riscos físicos no local de trabalho que podem afetá-lo. Eles incluem:

Barotrauma. A variação repentina na pressão barométrica (devido à rápida descida ou subida subaquática, ou descida repentina de aeronave) associada ao mau funcionamento da trompa de Eustáquio (falha em equalizar a pressão) pode levar à ruptura da membrana timpânica com dor e hemorragia nos ouvidos médio e externo . Em casos menos graves, o alongamento da membrana causará dor leve a intensa. Haverá um prejuízo temporário da audição (perda condutiva), mas geralmente o trauma tem um curso benigno com recuperação funcional completa.

Vibração. A exposição simultânea a vibração e ruído (contínuo ou de impacto) não aumenta o risco ou a gravidade da perda auditiva neurossensorial; no entanto, a taxa de início parece ser aumentada em trabalhadores com síndrome de vibração mão-braço (HAVS). Presume-se que a circulação coclear seja afetada por espasmo simpático reflexo, quando tais trabalhadores têm crises de vasoespasmo (fenômeno de Raynaud) nos dedos das mãos ou dos pés.

Infrassom e ultrassom. A energia acústica de ambas as fontes é normalmente inaudível para os humanos. As fontes comuns de ultrassom, por exemplo, motores a jato, brocas odontológicas de alta velocidade e limpadores e misturadores ultrassônicos emitem som audível, de modo que os efeitos do ultrassom em indivíduos expostos não são facilmente discerníveis. Presume-se que seja inofensivo abaixo de 120 dB e, portanto, é improvável que cause PAIR. Da mesma forma, o ruído de baixa frequência é relativamente seguro, mas com alta intensidade (119-144 dB) pode ocorrer perda auditiva.

“Ouvido de soldador”. Faíscas quentes podem penetrar no conduto auditivo externo até o nível da membrana timpânica, queimando-o. Isso causa dor de ouvido aguda e, às vezes, paralisia do nervo facial. Com queimaduras leves, a condição não requer tratamento, enquanto em casos mais graves, o reparo cirúrgico da membrana pode ser necessário. O risco pode ser evitado pelo posicionamento correto do capacete do soldador ou pelo uso de protetores auriculares.

 

Voltar

Leia 4822 vezes Última modificação sexta-feira, 24 junho 2022 10: 33

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de sistemas sensoriais

ADLER, FH. 1992. Fisiologia do Olho: Aplicação Clínica. St. Louis: Mosby New York Books.

Adriano, WK. 1993. Visual Performance, Acuity and Age: Lux Europa Proceedings of the VIIth European Lighting Conference. Londres: CIBSE.

Ahlström, R, B Berglund e U Berblund. 1986. Percepção de odor prejudicada em limpadores de tanques. Scand J Work Environ Health 12:574-581.

AMORÉ, JE. 1986. Efeitos da exposição química no olfato em humanos. In Toxicology of the Nasal Passages, editado por CS Barrow. Washington, DC: Hemisphere Publishing.

Andersen, HC, I Andersen e J Solgard. 1977. Cânceres nasais, sintomas e função das vias aéreas superiores em marceneiros. Br J Ind Med 34:201-207.

—. 1993. Otolaryngol Clin N Am 5(26).

Axell, T, K Nilner e B Nilsson. 1983. Avaliação clínica de pacientes encaminhados com sintomas relacionados ao galvanismo oral. Scand Dent J 7:169-178.

Ballantyne, JC e JM Ajodhia. 1984. Tontura iatrogênica. In Vertigo, editado por MR Dix e JD Hood. Chichester: Wiley.

Bar-Sela, S, M Levy, JB Westin, R Laster e ED Richter. 1992. Achados médicos em trabalhadores de baterias de níquel-cádmio. Israel J Med Sci 28:578-583.

Bedwal, RS, N Nair e MP Sharma. 1993. Selênio-suas perspectivas biológicas. Med Hypoth 41:150-159.

Bell, IR. 1994. White paper: Aspectos neuropsiquiátricos da sensibilidade a produtos químicos de baixo nível: um modelo de sensibilização neural. Toxicol Ind Health 10:277-312.

Besser, R, G Krämer, R Thümler, J Bohl, L Gutmann e HC Hopf. 1987. Síndrome cerebelar límbica trimetilestanho aguda. Neurology 37:945-950.

Beytes, JP. 1987. Reabilitação vestibular. Em Adult Audiology, Scott-Brown's Otolaryngology, editado por D Stephens. Londres: Butterworths.

Blanc, PD, HA Boushey, H Wong, SF Wintermeyer e MS Bernstein. 1993. Citocinas na febre da fumaça do metal. Am Rev Respir Dis 147:134-138.

Blount, BW. 1990. Dois tipos de febre dos fumos metálicos: leve vs. grave. Mil Med (agosto) 155(8):372-7

Bokina, AI, ND Eksler e AD Semenenko. 1976. Investigação do mecanismo de ação de poluentes atmosféricos no sistema nervoso central e avaliação comparativa de métodos de estudo. Saúde Ambiental Persp 13:37-42.

Bolla, KI, BS Schwartz e W Stewart. 1995. Comparação da função neurocomportamental em trabalhadores expostos a uma mistura de chumbo orgânico e inorgânico e em trabalhadores expostos a solventes. Am J Ind Med 27:231-246.

Bonnefoi, M, TM Monticello e KT Morgan. 1991. Respostas tóxicas e neoplásicas nas passagens nasais: Necessidades de pesquisas futuras. Exp Lung Res 17:853-868.

Boysen, M e Solberg. 1982. Alterações na mucosa nasal de moveleiros. Scand J Work Environ Health: 273-282.

Brittebo, EB, PG Hogman e eu Brandt. 1987. Ligação epitelial de hexaclorociclohexanos nos tratos respiratório e alimentar superior: uma comparação entre os isômeros alfa, beta e gama em camundongos. Food Chem Toxicol 25:773-780.

Brooks, SM. 1994. Suscetibilidade do hospedeiro à poluição do ar interior. J Allergy Clin Immunol 94:344-351.

Callender, TJ, L Morrow, K Subramanian, D Duhon e M Ristovv. 1993. Imagens metabólicas cerebrais tridimensionais em pacientes com encefalopatia tóxica. Pesquisa Ambiental 60:295-319.

Chia, SE, CN Ong, SC Foo e HP Lee. 1992. Exposição de estudantes de medicina ao formaldeído em um laboratório de dissecação de anatomia macroscópica. J Am Coll Health 41:115-119.

Choudhuri, S, KK Kramer e NE Berman. 1995. Expressão constitutiva de genes de metalotioneína em cérebro de camundongo. Toxicol Appl Pharmacol 131:144-154.

Ciesielski, S, DP Loomis, SR Mims e A Auer. 1994. Exposições a pesticidas, depressão da colinesterase e sintomas entre trabalhadores rurais migrantes da Carolina do Norte. Am J Public Health 84:446-451.

Clerisi, WJ, B Ross e LD Fechter. 1991. Ototoxicidade aguda de trialquilestanhos na cobaia. Toxicol Appl Pharmacol: 547-566.

Coleman, JW, MR Holliday e RJ Dearman. 1994. Interações citocina-mastócitos: Relevância para alergia química mediada por IgE. Toxicologia 88:225-235.

Cometto-Muñiz, JE e WS Cain. 1991. Influência de contaminantes transportados pelo ar no olfato e no senso químico comum. In Olfato e paladar na saúde e na doença, editado pela TV Getchell. Nova York: Raven Press.

—. 1994. Reações sensoriais de pungência nasal e odor a compostos orgânicos voláteis: os alquilbenzenos. Am Ind Hyg Assoc J 55:811-817.

Corwin, J, M Loury e AN Gilbert. 1995. Local de trabalho, idade e sexo como mediadores da função olfativa: Dados do National Geographic Smell Survey. Journal of Gerontolgy: Psychiol Sci 50B:P179-P186.

Conselho de Materiais, Instrumentos e Equipamentos Odontológicos. 1987. Relatório de status da American Dental Association sobre a ocorrência de corrosão galvânica na boca e seus efeitos potenciais. J Am Dental Assoc 115:783-787.

Conselho de Assuntos Científicos. 1989. Relatório do conselho: formaldeído. JAMA 261:1183-1187.

Crampton, GH. 1990. Doença do Movimento e do Espaço. Boca Ratón: CRC Press.

Cullen, SR. 1987. Trabalhadores com múltiplas sensibilidades químicas. Occup Med: State Art Rev 2(4).

Deems, DA, RL Doty e RG Settle. 1991. Distúrbios do olfato e paladar, um estudo com 750 pacientes do Centro de Olfato e Sabor da Universidade da Pensilvânia. Arch Otolaryngol Head Neck Surg 117:519-528.

Della Fera, MA, AE Mott e ME Frank. 1995. Causas iatrogênicas de distúrbios do paladar: radioterapia, cirurgia e medicamentos. In Handbook of Olfaction and Gustation, editado por RL Doty. Nova York: Marcel Dekker.

Dellon, AL. 1981. Avaliação da Sensibilidade e Reeducação da Sensação na Mão. Baltimore: Williams & Wilkins.

Diques, RW. 1977. Receptores sensoriais. Em Reconstructive Microsurgery, editado por RK Daniel e JK Terzis. Boston: Little Brown & Co.

El-Etri, MM, WT Nickell, M Ennis, KA Skau e MT Shipley. 1992. Reduções cerebrais de norepinefrina em ratos intoxicados com soman: Associação com convulsões e inibição de AchE, curso do tempo e relação com outras monoaminas. Experimental Neurology 118:153-163.

Evans, J e L Hastings. 1992. Acúmulo de Cd(II) no SNC dependendo da via de administração: intraperitoneal, intratraqueal ou intranasal. Fund Appl Toxicol 19:275-278.

Evans, JE, ML Miller, A Andringa e L Hastings. 1995. Efeitos comportamentais, histológicos e neuroquímicos do níquel(II) no sistema olfativo de ratos. Toxicol Appl Pharmacol 130:209-220.

Fechter, LD, JS Young e L Carlisle. 1988. Potenciação de mudanças de limiar induzidas por ruído e perda de células ciliadas por monóxido de carbono. Audiência Res 34:39-48.
Fox, SL. 1973. Oftalmologia Industrial e Ocupacional. Springfield: Charles C. Thomas.

Frank, ME, TP Hettinger e AE Mott. 1992. O sentido do paladar: neurobiologia, envelhecimento e efeitos de medicamentos. Critical Reviews in Oral Biology Medicine 3:371-393.

Frank, ME e DV Smith. 1991. Eletrogustometria: Uma maneira simples de testar o paladar. Em Smell and Taste in Health and Disease, editado por TV Getchell, RL Doty e LM Bartoshuk. Nova York: Raven Press.

Gagnon, P, D Mergler e S Lapare. 1994. Adaptação olfativa, mudança de limiar e recuperação em baixos níveis de exposição à metil isobutil cetona (MIBK). Neurotoxicology 15:637-642.

Gilbertson, TA. 1993. A fisiologia da recepção do paladar em vertebrados. Curr Opin Neurobiol 3:532-539.

Gordon, T e JM Fine. 1993. Febre da fumaça do metal. Occup Med: State Art Rev 8:505-517.

Gosselin, RE, RP Smith e HC Hodge. 1984. Toxicologia Clínica de Produtos Comerciais. Baltimore: Williams & Wilkins.

Graham, CH, NR Barlett, JL Brown, Y Hsia, CG Mueller e LA Riggs. 1965. Visão e Percepção Visual. Nova York: John Wiley and Sons, Inc.

Grandjean, E. 1987. Ergonomia em Escritórios Computadorizados. Londres: Taylor & Francis.

Grant, A. 1979. Perigo óptico do endurecedor de fibra de vidro. Med J Austral 1:23.

Gresham, LS, CA Molgaard e RA Smith. 1993. Indução de enzimas do citocromo P-450 através da fumaça do tabaco: um mecanismo potencial para desenvolver resistência a toxinas ambientais relacionadas ao parkinsonismo e outras doenças neurológicas. Neuroepidemiol 12:114-116.

Guidotti, TL. 1994. Exposição ocupacional ao sulfeto de hidrogênio na indústria de gás ácido: Algumas questões não resolvidas. Int Arch Occup Environ Health 66:153-160.

Gyntelberg, F, S Vesterhauge, P Fog, H Isager e K Zillstorff. 1986. Intolerância adquirida a solventes orgânicos e resultados de testes vestibulares. Am J Ind Med 9:363-370.

Hastings, L. 1990. Neurotoxicologia sensorial: uso do sistema olfativo na avaliação da toxicidade. Neurotoxicology and Teratology 12:455-459.

Cabeça, PW. 1984. Vertigem e barotrauma. In Vertigo, editado por MR Dix e JD Hood. Chichester: Wiley.

Hohmann, B e F Schmuckli. 1989. Dangers du bruit pour l'ouië et l'emplacement de travail. Lucerna: CNA.

Holmström, M, G Rosén, e B Wilhelmsson. 1991. Sintomas, fisiologia das vias aéreas e histologia de trabalhadores expostos a placas de fibra de média densidade. Scand J Work Environ Health 17:409-413.

Hotz, P, A Tschopp, D Söderström e J Holtz. 1992. Distúrbios do olfato ou paladar, sintomas neurológicos e exposição a hidrocarbonetos. Int Arch Occup Environ Health 63:525-530.

Howard, IP. 1982. Orientação Visual Humana. Chichester: Wiley.

Iggo, A e AR Muir. 1969. A estrutura e função de um corpúsculo de toque de adaptação lenta na pele peluda. J Physiol Lond 200(3):763-796.

Illuminating Engineering Society of North America (IESNA). 1993. Visão e percepção. In Lighting Handbook: Reference and Application, editado por MS Rea e Fies. Nova York: IESNA.

Innocenti, A, M Valiani, G Vessio, M Tassini, M Gianelli e S Fusi. 1985. Pó de madeira e doenças nasais: Exposição ao pó de madeira de castanheiro e perda de olfato (estudo piloto). Med Lavoro 4:317-320.

Jacobsen, P, HO Hein, P Suadicani, A Parving e F Gyntelberg. 1993. Exposição a solventes mistos e deficiência auditiva: Um estudo epidemiológico de 3284 homens. O estudo masculino de Copenhague. Ocupa Med 43:180-184.

Johansson, B, E Stenman e M Bergman. 1984. Estudo clínico de pacientes encaminhados para investigação do chamado galvanismo oral. Scand J Dent Res 92:469-475.

Johnson, AC e PR Nylén. 1995. Efeitos de solventes industriais na audição. Occup Med: Revisões de última geração. 10:623-640.

Kachru, DM, SK Tandon, UK Misra e D Nag. 1989. Intoxicação ocupacional por chumbo entre trabalhadores de joias de prata. Indian Journal of Medical Sciences 43:89-91.

Keele, CA. 1964. Substâncias Produzindo Dor e Coceira. Londres: Edward Arnold.

Kinnamon, SC e TV Getchell. 1991. Transdução sensorial em neurônios receptores olfativos e células receptoras gustativas. Em Smell and Taste in Health and Disease, editado por TV Getchell, RL Doty e LM Bartoshuk. Nova York: Raven Press.

Krueger, H. 1992. Exigences visuelles au poste de travail: Diagnostic et traitement. Cadernos
médico-social 36:171-181.

Lakshmana, MK, T Desiraju e TR Raju. 1993. Alterações induzidas por cloreto de mercúrio dos níveis de atividade de noradrenalina, dopamina, serotonina e acetilcolina esterase em diferentes regiões do cérebro de ratos durante o desenvolvimento pós-natal. Arch Toxicol 67:422-427.

Lima, C e JP Vital. 1994. Resposta da mucosa olfatória em cobaias após instilação intranasal com Cryptococcus neoformans: um estudo histológico e imunocitoquímico. Mycopathologia 126:65-73.

Luxon, LM. 1984. A anatomia e fisiologia do sistema vestibular. In Vertigo, editado por MR Dix e JD Hood. Chichester: Wiley.

MacKinnon, SE e AL Dellon. 1988. Cirurgia do Nervo Periférico. Nova York: Thieme Medical Publishers.

Marek, JJ. 1993. A biologia molecular da transdução do paladar. Bioensaios 15:645-650.

Marek, M. 1992. Interações entre amálgamas dentárias e o ambiente oral. Adv Dental Res 6:100-109.

Margolskee, RF. 1993. A bioquímica e biologia molecular da transdução do paladar. Curr Opin Neurobiol 3:526-531.

Martins, JH. 1985. Fisiologia do receptor e codificação de submodalidade no sistema sensorial somático. Princípios de Neurociência, editado por ER Kandel e JH Schwartz.

MEYER, JJ. 1990. Physiologie de la vision et ambiance lumineuse. Documento de l'Aerospatiale, Paris.

Meyer, JJ, A Bousquet, L Zoganas e JC Schira. 1990. Desconforto e brilho incapacitante em operadores de VDT. In Work with Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Meyer, JJ, P Rey e A Bousquet. 1983. Um estimulador automático de luz intermitente para registrar limiares perceptivos de cintilação em pacientes com doença retiniana. Em Advances in Diagnostic Visual Optics, editado por GM Brenin e IM Siegel. Berlim: Springer-Verlag.

Meyer, JJ, P Rey, B Thorens e A Beaumanoire. 1971. Examen de sujets atteints d'un traummatisme cranio-cérebral par un test percepção visual: courbe de Lange. Swiss Arch of Neurol 108:213-221.

Meyer, JJ, A Bousquet, JC Schira, L Zoganas e P Rey. 1986. Sensibilidade à luz e tensão visual ao dirigir à noite. Em Vision in Vehicles, editado por AG Gale. Amsterdã: Elsevier Science Publisher.

Miller, CS. 1992. Modelos possíveis para sensibilidade química múltipla: questões conceituais e papel do sistema límbico. Toxicol Ind Health 8:181-202.

Miller, RR, JT Young, RJ Kociba, DG Keyes, KM Bodner, LL Calhoun e JA Ayres. 1985. Toxicidade crônica e bioensaio de oncogenicidade de acrilato de etila inalado em ratos fischer 344 e camundongos B6C3F1. Drug Chem Toxicol 8:1-42.

Möller, C, L Ödkvist, B Larsby, R Tham, T Ledin e L Bergholtz. 1990. Achado otoneurológico em trabalhadores expostos ao estireno. Scand J Work Environ Health 16:189-194.

Monteagudo, FSE, MJD Cassidy e PI Folb. 1989. Desenvolvimentos recentes em toxicologia de alumínio. Med Toxicol 4:1-16.

Morata, TC, DE Dunn, LW Kretschmer, GK Lemasters e RW Keith. 1993. Efeitos da exposição ocupacional a solventes orgânicos e ruído na audição. Scand J Work Environ Health 19:245-254.

Mott, AE, M Grushka e BJ Sessle. 1993. Diagnóstico e tratamento de distúrbios do paladar e síndrome da boca ardente. Clínicas Dentárias da América do Norte 37:33-71.

Mott, AE e DA Leopold. 1991. Distúrbios do paladar e do olfato. Med Clin N Am 75:1321-1353.

Mountcastle, VB. 1974. Fisiologia Médica. St. Louis: CV Mosby.

Mountcastle, VB, WH Talbot, I Darian-Smith e HH Kornhuber. 1967. Base neural do sentido de vibração vibratória. Ciência: 597-600.

Muijser, H, EMG Hoogendijk e J Hoosima. 1988. Os efeitos da exposição ocupacional ao estireno nos limiares auditivos de alta frequência. Toxicologia: 331-340.

Nemery, B. 1990. Toxicidade do metal e trato respiratório. Eur Respir J 3:202-219.

Naus, A. 1982. Alterações da acuidade olfativa causadas pelo mentol. J Laryngol Otol 82:1009-1011.

Örtendahl, TW. 1987. Alterações orais em mergulhadores que trabalham com soldagem elétrica/corte subaquático. Sueco Dent J Supl 43:1-53.

Örtendahl, TW, G Dahlén e HOE Röckert. 1985. A avaliação de problemas bucais em mergulhadores realizando soldagem elétrica e corte debaixo d'água. Undersea Biomed Res 12:55-62.

Ogawa, H. 1994. Córtex gustativo de primatas: Anatomia e fisiologia. Neurosci Res 20:1-13.

O'Reilly, JP, BL Respicio e FK Kurata. 1977. Hana Kai II: Um mergulho de saturação seca de 17 dias a 18.6 ATA. VII: Sensações auditivas, visuais e gustativas. Undersea Biomed Res 4:307-314.

Otto, D, G Robinson, S Bauman, S Schroeder, P Mushak, D Kleinbaum e L Boone. 1985. Estudo de acompanhamento de % de anos de crianças com absorção de chumbo baixa a moderada: avaliação eletrofisiológica. Environ Research 38:168-186.

Oyanagi, K, E Ohama e F Ikuta. 1989. O sistema auditivo na intoxicação por metilmercurial: uma investigação neuropatológica em 14 casos de autópsia em Niigata, Japão. Acta Neuropathol 77:561-568.

Participantes do SCP nº 147/242 e HF Morris. 1990. Projeto de estudos cooperativos de administração de veteranos n. 147: Associação de sabor metálico com ligas metalocerâmicas. J Prosthet Dent 63:124-129.

Petersen, PE e C Gormsen. 1991. Condições bucais entre trabalhadores de fábricas de baterias alemãs. Community Dentistry and Oral Epidemiology 19:104-106.

Pfeiffer, P e H. Schwickerath. 1991. Solubilidade de níquel e sabor metálico. Zwr 100:762-764,766,768-779.

Pompeiano, O, JHJ Allum. 1988. Controle Vestibulospinal de Postura e Locomoção. Progresso na Pesquisa do Cérebro, no.76. Amsterdã: Elsevier.

Rees, T e L Duckert. 1994. Perda auditiva e outros distúrbios óticos. In Textbook of Clinical, Occupational and Environmental Medicine, editado por C Rosenstock. Filadélfia: WB Saunders.

Ressler, KJ, SL Sullivan e LB Buck. 1994. Uma dissecação molecular da padronização espacial no sistema olfativo. Curr Opin Neurobiol 4:588-596.

Rey, P. 1991. Précis De Medecine Du Travail. Genebra: Medicine et Hygiène.

Rey, P e A. Bousquet. 1990. Estratégias de exame oftalmológico médico para operadores de VDT. In Work With Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Rose, CS, PG Heywood e RM Costanzo. 1934. Deficiência olfativa após exposição ocupacional crônica ao cádmio. J Occup Med 34:600-605.

Rubino, GF. 1990. Levantamento epidemiológico de distúrbios oculares: A pesquisa multicêntrica italiana. In Work with Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science Publishers BV

Rute, JH. 1986. Limites de odor e níveis de irritação de várias substâncias químicas: uma revisão. Am Ind Hyg Assoc J 47:142-151.

Rusznak, C, JL Devalia e RJ Davies. 1994. O impacto da poluição nas doenças alérgicas. Alergia 49:21-27.

Ryback, LP. 1992. Audiência: Os efeitos dos produtos químicos. Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço 106:677-686.

—. 1993. Ototoxicidade. Otolaryngol Clin N Am 5(26).

Savov, A. 1991. Danos aos ouvidos, nariz e garganta na produção de cobre. Problemi na Khigienata 16:149-153.

—. 1994. Mudanças no paladar e no olfato: interações medicamentosas e preferências alimentares. Nutr Rev 52(II):S11-S14.

Schiffman, SS. 1994. Mudanças no paladar e no olfato: interações medicamentosas e preferências alimentares. Nutr Rev 52(II): S11-S14.

Schiffman, SS e HT Nagle. 1992. Efeito de poluentes ambientais no paladar e no olfato. Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço 106:693-700.

Schwartz, BS, DP Ford, KI Bolla, J Agnew e ML Bleecker. 1991. Disfunção olfatória associada a solvente: Não é um preditor de déficits de aprendizado e memória. Am J Psychiatr 148:751-756.

Schweisfurth, H e C Schottes. 1993. Intoxicação aguda de um gás tipo hidrazina por 19 trabalhadores em um depósito de lixo. Zbl Hyg 195:46-54.

Shusterman, D. 1992. Revisão crítica: O significado para a saúde da poluição ambiental por odor. Arch Environ Health 47:76-87.

Shusterman, DJ e JE Sheedy. 1992. Distúrbios ocupacionais e ambientais dos sentidos especiais. Occup Med: State Art Rev 7:515-542.

Siblerud, RL. 1990. A relação entre o mercúrio do amálgama dentário e a saúde da cavidade oral. Ann Dent 49:6-10.

Sinclair. 1981. Mecanismos de sensação cutânea. Oxford: Universidade de Oxford. Imprensa.

Spielman, AI. 1990. Interação da saliva e do paladar. J Dental Res 69:838.

Stevens, JC e WS Caim. 1986. Envelhecimento e percepção da irritação nasal. Physiol Behav 37:323-328.

Van Dijk, FJH. 1986. Efeitos não auditivos do ruído na indústria. II Uma revisão da literatura. Int Arch Occup Environ Health 58.

Verriest, G e G Hermans. 1975. Les aptitudes visuelles professionnelles. Bruxelles: Imprimerie médicale et scientifique.

Welch, AR, JP Birchall e FW Stafford. 1995. Rinite ocupacional - Possíveis mecanismos de patogênese. J Laryngol Otol 109:104-107.

Weymouth, FW. 1966. O olho como instrumento óptico. Em Physiology and Biophysics, editado por TC Ruch e HD Patton. Londres: Saunders.

Wieslander, G, D Norbäck e C Edling. 1994. Exposição ocupacional a tintas à base de água e sintomas na pele e nos olhos. Occup Environ Med 51:181-186.

Winberg, S, R Bjerselius, E Baatrup e KB Doving. 1992. O efeito do Cu(II) no eletro-olfactograma (EOG) do salmão do Atlântico (Salmo salar L) em água doce artificial com várias concentrações de carbono inorgânico. Ecotoxicologia e Segurança Ambiental 24:167-178.

Witek, TJ. 1993. O nariz como alvo de efeitos adversos do meio ambiente: Aplicando avanços nas medidas e mecanismos fisiológicos nasais. Am J Ind Med 24:649-657.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1981. Arsênico. Critérios de Saúde Ambiental, no.18. Genebra: OMS.

Yardley, L. 1994. Vertigo and Tontura. Londres: Routledge.

Yontchev, E, GE Carlsson e B Hedegård. 1987. Achados clínicos em pacientes com queixas de desconforto orofacial. Int J Oral Maxillofac Surg 16:36-44.