Quinta-feira, Março 03 2011 19: 40

Equilíbrio

Classifique este artigo
(Voto 1)

Função do sistema de equilíbrio

Entrada

A percepção e o controle da orientação e do movimento do corpo no espaço são alcançados por um sistema que envolve entrada simultânea de três fontes: visão, órgão vestibular no ouvido interno e sensores nos músculos, articulações e pele que fornecem somatossensorial ou “proprioceptivo” informações sobre movimentação do corpo e contato físico com o ambiente (figura 1). A entrada combinada é integrada no sistema nervoso central que gera ações apropriadas para restaurar e manter o equilíbrio, a coordenação e o bem-estar. A falta de compensação em qualquer parte do sistema pode produzir mal-estar, tontura e instabilidade que podem produzir sintomas e/ou quedas.

Figura 1. Um esboço dos principais elementos do sistema de equilíbrio

SEN050F1

O sistema vestibular registra diretamente a orientação e o movimento da cabeça. O labirinto vestibular é uma pequena estrutura óssea localizada no ouvido interno e compreende o canais semicirculares preenchido com fluido (endolinfa) e o otólitos (Figura 6). Os três canais semicirculares são posicionados em ângulos retos para que a aceleração possa ser detectada em cada um dos três planos possíveis de movimento angular. Durante as viradas da cabeça, o movimento relativo da endolinfa dentro dos canais (causado pela inércia) resulta na deflexão da cílios projetando-se das células sensoriais, induzindo uma mudança no sinal neural dessas células (figura 2). Os otólitos contêm cristais pesados ​​(otocônia) que respondem a mudanças na posição da cabeça em relação à força da gravidade e à aceleração ou desaceleração linear, dobrando novamente os cílios e alterando assim o sinal das células sensoriais às quais estão ligados.

 

 

 

Figura 2. Diagrama esquemático do labirinto vestibular.

SEN050F2

 

Figura 3. Representação esquemática dos efeitos biomecânicos de uma inclinação de noventa graus (para frente) da cabeça.

SEN050F3

Moderna

As interconexões centrais dentro do sistema de equilíbrio são extremamente complexas; a informação dos órgãos vestibulares em ambos os ouvidos é combinada com a informação derivada da visão e do sistema somatossensorial em vários níveis dentro do tronco cerebral, cerebelo e córtex (Luxon 1984).

saída

Essa informação integrada fornece a base não apenas para a percepção consciente de orientação e automovimento, mas também para o controle pré-consciente dos movimentos oculares e da postura, por meio do que é conhecido como reflexo vestíbulo-ocular e vestíbulo-espinhal. O objetivo do reflexo vestíbulo-ocular é manter um ponto estável de fixação visual durante o movimento da cabeça, compensando automaticamente o movimento da cabeça com um movimento ocular equivalente na direção oposta (Howard 1982). Os reflexos vestibuloespinais contribuem para a estabilidade postural e equilíbrio (Pompeiano e Allum 1988).

Disfunção do sistema de equilíbrio

Em circunstâncias normais, a entrada dos sistemas vestibular, visual e somatossensorial é congruente, mas se ocorrer uma aparente incompatibilidade entre as diferentes entradas sensoriais do sistema de equilíbrio, o resultado é uma sensação subjetiva de tontura, desorientação ou sensação ilusória de movimento. Se a tontura for prolongada ou intensa, ela será acompanhada de sintomas secundários, como náuseas, suores frios, palidez, fadiga e até vômitos. A interrupção do controle reflexo dos movimentos oculares e da postura pode resultar em uma imagem visual borrada ou trêmula, uma tendência a desviar para um lado ao caminhar ou cambalear e cair. O termo médico para a desorientação causada pela disfunção do sistema de equilíbrio é “vertigem”, que pode ser causada por um distúrbio de qualquer um dos sistemas sensoriais que contribuem para o equilíbrio ou por uma integração central defeituosa. Apenas 1 ou 2% da população consulta seu médico a cada ano por causa da vertigem, mas a incidência de tontura e desequilíbrio aumenta acentuadamente com a idade. “Enjoo de movimento” é uma forma de desorientação induzida por condições ambientais artificiais com as quais nosso sistema de equilíbrio não foi equipado pela evolução para lidar, como transporte passivo de carro ou barco (Crampton 1990).

Causas vestibulares de vertigem

As causas mais comuns de disfunção vestibular são infecção (vestibular labirintite or neuronite), E vertigem posicional paroxística benigna (VPPB) que é desencadeada principalmente ao deitar de lado. Ataques recorrentes de vertigem severa acompanhados de perda de audição e ruídos (zumbidos) em um ouvido são típicos de uma síndrome conhecida como doença de Ménière. Danos vestibulares também podem resultar de distúrbios da orelha média (incluindo doença bacteriana, trauma e colesteatoma), medicamentos ototóxicos (que devem ser usados ​​apenas em emergências médicas) e traumatismo craniano.

Causas periféricas não vestibulares de vertigem

Distúrbios do pescoço, que podem alterar as informações somatossensoriais relacionadas ao movimento da cabeça ou interferir no suprimento de sangue para o sistema vestibular, são considerados por muitos médicos como a causa da vertigem. As etiologias comuns incluem lesões cervicais e artrite. Às vezes, a instabilidade está relacionada a uma perda de sensibilidade nos pés e nas pernas, que pode ser causada por diabetes, abuso de álcool, deficiência de vitaminas, danos à medula espinhal ou vários outros distúrbios. Ocasionalmente, a origem de sentimentos de vertigem ou movimento ilusório do ambiente pode ser atribuída a alguma distorção da entrada visual. Uma entrada visual anormal pode ser causada por fraqueza dos músculos oculares ou pode ser experimentada ao ajustar lentes potentes ou óculos bifocais.

Causas centrais de vertigem

Embora a maioria dos casos de vertigem seja atribuível a patologia periférica (principalmente vestibular), os sintomas de desorientação podem ser causados ​​por danos no tronco cerebral, cerebelo ou córtex. A vertigem decorrente de disfunção central é quase sempre acompanhada por algum outro sintoma de distúrbio neurológico central, como sensações de dor, formigamento ou dormência na face ou nos membros, dificuldade para falar ou engolir, dor de cabeça, distúrbios visuais e perda ou perda do controle motor de consciência. As causas centrais mais comuns de vertigem incluem distúrbios do suprimento sanguíneo para o cérebro (variando de enxaqueca a derrames), epilepsia, esclerose múltipla, alcoolismo e, ocasionalmente, tumores. A tontura e o desequilíbrio temporários são efeitos colaterais potenciais de uma vasta gama de medicamentos, incluindo analgésicos amplamente usados, contraceptivos e medicamentos usados ​​no controle de doenças cardiovasculares, diabetes e doença de Parkinson e, em particular, os medicamentos de ação central, como estimulantes, sedativos, anticonvulsivantes, antidepressivos e tranquilizantes (Ballantyne e Ajodhia 1984).

Diagnóstico e tratamento

Todos os casos de vertigem requerem atenção médica para garantir que as condições perigosas (relativamente incomuns) que podem causar vertigem sejam detectadas e o tratamento adequado seja administrado. A medicação pode ser administrada para aliviar os sintomas de vertigem aguda a curto prazo e, em casos raros, a cirurgia pode ser necessária. No entanto, se a vertigem for causada por um distúrbio vestibular, os sintomas geralmente desaparecem com o tempo, à medida que os integradores centrais se adaptam ao padrão alterado de entrada vestibular - da mesma forma que os marinheiros continuamente expostos ao movimento das ondas adquirem gradualmente suas "pernas do mar". ”. Para que isso ocorra, é fundamental continuar a fazer movimentos vigorosos que estimulem o sistema de equilíbrio, mesmo que a princípio causem tontura e desconforto. Como os sintomas da vertigem são assustadores e embaraçosos, os pacientes podem precisar de fisioterapia e apoio psicológico para combater a tendência natural de restringir suas atividades (Beyts 1987; Yardley 1994).

Vertigem no local de trabalho

Os fatores de risco

Tontura e desorientação, que podem se tornar crônicas, são sintomas comuns em trabalhadores expostos a solventes orgânicos; além disso, a exposição prolongada pode resultar em sinais objetivos de disfunção do sistema de equilíbrio (por exemplo, controle reflexo vestibular-ocular anormal) mesmo em pessoas que não apresentam tontura subjetiva (Gyntelberg et al. 1986; Möller et al. 1990). Mudanças na pressão encontradas ao voar ou mergulhar podem causar danos ao órgão vestibular, resultando em vertigem repentina e perda auditiva que requerem tratamento imediato (Head 1984). Há alguma evidência de que a perda auditiva induzida por ruído pode ser acompanhada por danos aos órgãos vestibulares (van Dijk 1986). Pessoas que trabalham por longos períodos em frente a telas de computador às vezes se queixam de tontura; a causa disso ainda não está clara, embora possa estar relacionada à combinação de torcicolo e entrada visual em movimento.

Dificuldades ocupacionais

Ataques inesperados de vertigem, como ocorre na doença de Menière, podem causar problemas para pessoas cujo trabalho envolve altura, direção, manuseio de máquinas perigosas ou responsabilidade pela segurança de outras pessoas. Uma maior suscetibilidade à cinetose é um efeito comum da disfunção do sistema de equilíbrio e pode interferir nas viagens.

Conclusão

O equilíbrio é mantido por um sistema multissensorial complexo e, portanto, a desorientação e o desequilíbrio podem resultar de uma ampla variedade de etiologias, em particular qualquer condição que afete o sistema vestibular ou a integração central da informação perceptiva para orientação. Na ausência de dano neurológico central, a plasticidade do sistema de equilíbrio normalmente permite que o indivíduo se adapte a causas periféricas de desorientação, sejam elas distúrbios do ouvido interno que alteram a função vestibular ou ambientes que provocam enjôo. No entanto, os ataques de tontura são frequentemente imprevisíveis, alarmantes e incapacitantes, e a reabilitação pode ser necessária para restaurar a confiança e auxiliar na função de equilíbrio.

 

Voltar

Leia 9314 vezes Última modificação em terça, 11 outubro 2011 21:05

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de sistemas sensoriais

ADLER, FH. 1992. Fisiologia do Olho: Aplicação Clínica. St. Louis: Mosby New York Books.

Adriano, WK. 1993. Visual Performance, Acuity and Age: Lux Europa Proceedings of the VIIth European Lighting Conference. Londres: CIBSE.

Ahlström, R, B Berglund e U Berblund. 1986. Percepção de odor prejudicada em limpadores de tanques. Scand J Work Environ Health 12:574-581.

AMORÉ, JE. 1986. Efeitos da exposição química no olfato em humanos. In Toxicology of the Nasal Passages, editado por CS Barrow. Washington, DC: Hemisphere Publishing.

Andersen, HC, I Andersen e J Solgard. 1977. Cânceres nasais, sintomas e função das vias aéreas superiores em marceneiros. Br J Ind Med 34:201-207.

—. 1993. Otolaryngol Clin N Am 5(26).

Axell, T, K Nilner e B Nilsson. 1983. Avaliação clínica de pacientes encaminhados com sintomas relacionados ao galvanismo oral. Scand Dent J 7:169-178.

Ballantyne, JC e JM Ajodhia. 1984. Tontura iatrogênica. In Vertigo, editado por MR Dix e JD Hood. Chichester: Wiley.

Bar-Sela, S, M Levy, JB Westin, R Laster e ED Richter. 1992. Achados médicos em trabalhadores de baterias de níquel-cádmio. Israel J Med Sci 28:578-583.

Bedwal, RS, N Nair e MP Sharma. 1993. Selênio-suas perspectivas biológicas. Med Hypoth 41:150-159.

Bell, IR. 1994. White paper: Aspectos neuropsiquiátricos da sensibilidade a produtos químicos de baixo nível: um modelo de sensibilização neural. Toxicol Ind Health 10:277-312.

Besser, R, G Krämer, R Thümler, J Bohl, L Gutmann e HC Hopf. 1987. Síndrome cerebelar límbica trimetilestanho aguda. Neurology 37:945-950.

Beytes, JP. 1987. Reabilitação vestibular. Em Adult Audiology, Scott-Brown's Otolaryngology, editado por D Stephens. Londres: Butterworths.

Blanc, PD, HA Boushey, H Wong, SF Wintermeyer e MS Bernstein. 1993. Citocinas na febre da fumaça do metal. Am Rev Respir Dis 147:134-138.

Blount, BW. 1990. Dois tipos de febre dos fumos metálicos: leve vs. grave. Mil Med (agosto) 155(8):372-7

Bokina, AI, ND Eksler e AD Semenenko. 1976. Investigação do mecanismo de ação de poluentes atmosféricos no sistema nervoso central e avaliação comparativa de métodos de estudo. Saúde Ambiental Persp 13:37-42.

Bolla, KI, BS Schwartz e W Stewart. 1995. Comparação da função neurocomportamental em trabalhadores expostos a uma mistura de chumbo orgânico e inorgânico e em trabalhadores expostos a solventes. Am J Ind Med 27:231-246.

Bonnefoi, M, TM Monticello e KT Morgan. 1991. Respostas tóxicas e neoplásicas nas passagens nasais: Necessidades de pesquisas futuras. Exp Lung Res 17:853-868.

Boysen, M e Solberg. 1982. Alterações na mucosa nasal de moveleiros. Scand J Work Environ Health: 273-282.

Brittebo, EB, PG Hogman e eu Brandt. 1987. Ligação epitelial de hexaclorociclohexanos nos tratos respiratório e alimentar superior: uma comparação entre os isômeros alfa, beta e gama em camundongos. Food Chem Toxicol 25:773-780.

Brooks, SM. 1994. Suscetibilidade do hospedeiro à poluição do ar interior. J Allergy Clin Immunol 94:344-351.

Callender, TJ, L Morrow, K Subramanian, D Duhon e M Ristovv. 1993. Imagens metabólicas cerebrais tridimensionais em pacientes com encefalopatia tóxica. Pesquisa Ambiental 60:295-319.

Chia, SE, CN Ong, SC Foo e HP Lee. 1992. Exposição de estudantes de medicina ao formaldeído em um laboratório de dissecação de anatomia macroscópica. J Am Coll Health 41:115-119.

Choudhuri, S, KK Kramer e NE Berman. 1995. Expressão constitutiva de genes de metalotioneína em cérebro de camundongo. Toxicol Appl Pharmacol 131:144-154.

Ciesielski, S, DP Loomis, SR Mims e A Auer. 1994. Exposições a pesticidas, depressão da colinesterase e sintomas entre trabalhadores rurais migrantes da Carolina do Norte. Am J Public Health 84:446-451.

Clerisi, WJ, B Ross e LD Fechter. 1991. Ototoxicidade aguda de trialquilestanhos na cobaia. Toxicol Appl Pharmacol: 547-566.

Coleman, JW, MR Holliday e RJ Dearman. 1994. Interações citocina-mastócitos: Relevância para alergia química mediada por IgE. Toxicologia 88:225-235.

Cometto-Muñiz, JE e WS Cain. 1991. Influência de contaminantes transportados pelo ar no olfato e no senso químico comum. In Olfato e paladar na saúde e na doença, editado pela TV Getchell. Nova York: Raven Press.

—. 1994. Reações sensoriais de pungência nasal e odor a compostos orgânicos voláteis: os alquilbenzenos. Am Ind Hyg Assoc J 55:811-817.

Corwin, J, M Loury e AN Gilbert. 1995. Local de trabalho, idade e sexo como mediadores da função olfativa: Dados do National Geographic Smell Survey. Journal of Gerontolgy: Psychiol Sci 50B:P179-P186.

Conselho de Materiais, Instrumentos e Equipamentos Odontológicos. 1987. Relatório de status da American Dental Association sobre a ocorrência de corrosão galvânica na boca e seus efeitos potenciais. J Am Dental Assoc 115:783-787.

Conselho de Assuntos Científicos. 1989. Relatório do conselho: formaldeído. JAMA 261:1183-1187.

Crampton, GH. 1990. Doença do Movimento e do Espaço. Boca Ratón: CRC Press.

Cullen, SR. 1987. Trabalhadores com múltiplas sensibilidades químicas. Occup Med: State Art Rev 2(4).

Deems, DA, RL Doty e RG Settle. 1991. Distúrbios do olfato e paladar, um estudo com 750 pacientes do Centro de Olfato e Sabor da Universidade da Pensilvânia. Arch Otolaryngol Head Neck Surg 117:519-528.

Della Fera, MA, AE Mott e ME Frank. 1995. Causas iatrogênicas de distúrbios do paladar: radioterapia, cirurgia e medicamentos. In Handbook of Olfaction and Gustation, editado por RL Doty. Nova York: Marcel Dekker.

Dellon, AL. 1981. Avaliação da Sensibilidade e Reeducação da Sensação na Mão. Baltimore: Williams & Wilkins.

Diques, RW. 1977. Receptores sensoriais. Em Reconstructive Microsurgery, editado por RK Daniel e JK Terzis. Boston: Little Brown & Co.

El-Etri, MM, WT Nickell, M Ennis, KA Skau e MT Shipley. 1992. Reduções cerebrais de norepinefrina em ratos intoxicados com soman: Associação com convulsões e inibição de AchE, curso do tempo e relação com outras monoaminas. Experimental Neurology 118:153-163.

Evans, J e L Hastings. 1992. Acúmulo de Cd(II) no SNC dependendo da via de administração: intraperitoneal, intratraqueal ou intranasal. Fund Appl Toxicol 19:275-278.

Evans, JE, ML Miller, A Andringa e L Hastings. 1995. Efeitos comportamentais, histológicos e neuroquímicos do níquel(II) no sistema olfativo de ratos. Toxicol Appl Pharmacol 130:209-220.

Fechter, LD, JS Young e L Carlisle. 1988. Potenciação de mudanças de limiar induzidas por ruído e perda de células ciliadas por monóxido de carbono. Audiência Res 34:39-48.
Fox, SL. 1973. Oftalmologia Industrial e Ocupacional. Springfield: Charles C. Thomas.

Frank, ME, TP Hettinger e AE Mott. 1992. O sentido do paladar: neurobiologia, envelhecimento e efeitos de medicamentos. Critical Reviews in Oral Biology Medicine 3:371-393.

Frank, ME e DV Smith. 1991. Eletrogustometria: Uma maneira simples de testar o paladar. Em Smell and Taste in Health and Disease, editado por TV Getchell, RL Doty e LM Bartoshuk. Nova York: Raven Press.

Gagnon, P, D Mergler e S Lapare. 1994. Adaptação olfativa, mudança de limiar e recuperação em baixos níveis de exposição à metil isobutil cetona (MIBK). Neurotoxicology 15:637-642.

Gilbertson, TA. 1993. A fisiologia da recepção do paladar em vertebrados. Curr Opin Neurobiol 3:532-539.

Gordon, T e JM Fine. 1993. Febre da fumaça do metal. Occup Med: State Art Rev 8:505-517.

Gosselin, RE, RP Smith e HC Hodge. 1984. Toxicologia Clínica de Produtos Comerciais. Baltimore: Williams & Wilkins.

Graham, CH, NR Barlett, JL Brown, Y Hsia, CG Mueller e LA Riggs. 1965. Visão e Percepção Visual. Nova York: John Wiley and Sons, Inc.

Grandjean, E. 1987. Ergonomia em Escritórios Computadorizados. Londres: Taylor & Francis.

Grant, A. 1979. Perigo óptico do endurecedor de fibra de vidro. Med J Austral 1:23.

Gresham, LS, CA Molgaard e RA Smith. 1993. Indução de enzimas do citocromo P-450 através da fumaça do tabaco: um mecanismo potencial para desenvolver resistência a toxinas ambientais relacionadas ao parkinsonismo e outras doenças neurológicas. Neuroepidemiol 12:114-116.

Guidotti, TL. 1994. Exposição ocupacional ao sulfeto de hidrogênio na indústria de gás ácido: Algumas questões não resolvidas. Int Arch Occup Environ Health 66:153-160.

Gyntelberg, F, S Vesterhauge, P Fog, H Isager e K Zillstorff. 1986. Intolerância adquirida a solventes orgânicos e resultados de testes vestibulares. Am J Ind Med 9:363-370.

Hastings, L. 1990. Neurotoxicologia sensorial: uso do sistema olfativo na avaliação da toxicidade. Neurotoxicology and Teratology 12:455-459.

Cabeça, PW. 1984. Vertigem e barotrauma. In Vertigo, editado por MR Dix e JD Hood. Chichester: Wiley.

Hohmann, B e F Schmuckli. 1989. Dangers du bruit pour l'ouië et l'emplacement de travail. Lucerna: CNA.

Holmström, M, G Rosén, e B Wilhelmsson. 1991. Sintomas, fisiologia das vias aéreas e histologia de trabalhadores expostos a placas de fibra de média densidade. Scand J Work Environ Health 17:409-413.

Hotz, P, A Tschopp, D Söderström e J Holtz. 1992. Distúrbios do olfato ou paladar, sintomas neurológicos e exposição a hidrocarbonetos. Int Arch Occup Environ Health 63:525-530.

Howard, IP. 1982. Orientação Visual Humana. Chichester: Wiley.

Iggo, A e AR Muir. 1969. A estrutura e função de um corpúsculo de toque de adaptação lenta na pele peluda. J Physiol Lond 200(3):763-796.

Illuminating Engineering Society of North America (IESNA). 1993. Visão e percepção. In Lighting Handbook: Reference and Application, editado por MS Rea e Fies. Nova York: IESNA.

Innocenti, A, M Valiani, G Vessio, M Tassini, M Gianelli e S Fusi. 1985. Pó de madeira e doenças nasais: Exposição ao pó de madeira de castanheiro e perda de olfato (estudo piloto). Med Lavoro 4:317-320.

Jacobsen, P, HO Hein, P Suadicani, A Parving e F Gyntelberg. 1993. Exposição a solventes mistos e deficiência auditiva: Um estudo epidemiológico de 3284 homens. O estudo masculino de Copenhague. Ocupa Med 43:180-184.

Johansson, B, E Stenman e M Bergman. 1984. Estudo clínico de pacientes encaminhados para investigação do chamado galvanismo oral. Scand J Dent Res 92:469-475.

Johnson, AC e PR Nylén. 1995. Efeitos de solventes industriais na audição. Occup Med: Revisões de última geração. 10:623-640.

Kachru, DM, SK Tandon, UK Misra e D Nag. 1989. Intoxicação ocupacional por chumbo entre trabalhadores de joias de prata. Indian Journal of Medical Sciences 43:89-91.

Keele, CA. 1964. Substâncias Produzindo Dor e Coceira. Londres: Edward Arnold.

Kinnamon, SC e TV Getchell. 1991. Transdução sensorial em neurônios receptores olfativos e células receptoras gustativas. Em Smell and Taste in Health and Disease, editado por TV Getchell, RL Doty e LM Bartoshuk. Nova York: Raven Press.

Krueger, H. 1992. Exigences visuelles au poste de travail: Diagnostic et traitement. Cadernos
médico-social 36:171-181.

Lakshmana, MK, T Desiraju e TR Raju. 1993. Alterações induzidas por cloreto de mercúrio dos níveis de atividade de noradrenalina, dopamina, serotonina e acetilcolina esterase em diferentes regiões do cérebro de ratos durante o desenvolvimento pós-natal. Arch Toxicol 67:422-427.

Lima, C e JP Vital. 1994. Resposta da mucosa olfatória em cobaias após instilação intranasal com Cryptococcus neoformans: um estudo histológico e imunocitoquímico. Mycopathologia 126:65-73.

Luxon, LM. 1984. A anatomia e fisiologia do sistema vestibular. In Vertigo, editado por MR Dix e JD Hood. Chichester: Wiley.

MacKinnon, SE e AL Dellon. 1988. Cirurgia do Nervo Periférico. Nova York: Thieme Medical Publishers.

Marek, JJ. 1993. A biologia molecular da transdução do paladar. Bioensaios 15:645-650.

Marek, M. 1992. Interações entre amálgamas dentárias e o ambiente oral. Adv Dental Res 6:100-109.

Margolskee, RF. 1993. A bioquímica e biologia molecular da transdução do paladar. Curr Opin Neurobiol 3:526-531.

Martins, JH. 1985. Fisiologia do receptor e codificação de submodalidade no sistema sensorial somático. Princípios de Neurociência, editado por ER Kandel e JH Schwartz.

MEYER, JJ. 1990. Physiologie de la vision et ambiance lumineuse. Documento de l'Aerospatiale, Paris.

Meyer, JJ, A Bousquet, L Zoganas e JC Schira. 1990. Desconforto e brilho incapacitante em operadores de VDT. In Work with Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Meyer, JJ, P Rey e A Bousquet. 1983. Um estimulador automático de luz intermitente para registrar limiares perceptivos de cintilação em pacientes com doença retiniana. Em Advances in Diagnostic Visual Optics, editado por GM Brenin e IM Siegel. Berlim: Springer-Verlag.

Meyer, JJ, P Rey, B Thorens e A Beaumanoire. 1971. Examen de sujets atteints d'un traummatisme cranio-cérebral par un test percepção visual: courbe de Lange. Swiss Arch of Neurol 108:213-221.

Meyer, JJ, A Bousquet, JC Schira, L Zoganas e P Rey. 1986. Sensibilidade à luz e tensão visual ao dirigir à noite. Em Vision in Vehicles, editado por AG Gale. Amsterdã: Elsevier Science Publisher.

Miller, CS. 1992. Modelos possíveis para sensibilidade química múltipla: questões conceituais e papel do sistema límbico. Toxicol Ind Health 8:181-202.

Miller, RR, JT Young, RJ Kociba, DG Keyes, KM Bodner, LL Calhoun e JA Ayres. 1985. Toxicidade crônica e bioensaio de oncogenicidade de acrilato de etila inalado em ratos fischer 344 e camundongos B6C3F1. Drug Chem Toxicol 8:1-42.

Möller, C, L Ödkvist, B Larsby, R Tham, T Ledin e L Bergholtz. 1990. Achado otoneurológico em trabalhadores expostos ao estireno. Scand J Work Environ Health 16:189-194.

Monteagudo, FSE, MJD Cassidy e PI Folb. 1989. Desenvolvimentos recentes em toxicologia de alumínio. Med Toxicol 4:1-16.

Morata, TC, DE Dunn, LW Kretschmer, GK Lemasters e RW Keith. 1993. Efeitos da exposição ocupacional a solventes orgânicos e ruído na audição. Scand J Work Environ Health 19:245-254.

Mott, AE, M Grushka e BJ Sessle. 1993. Diagnóstico e tratamento de distúrbios do paladar e síndrome da boca ardente. Clínicas Dentárias da América do Norte 37:33-71.

Mott, AE e DA Leopold. 1991. Distúrbios do paladar e do olfato. Med Clin N Am 75:1321-1353.

Mountcastle, VB. 1974. Fisiologia Médica. St. Louis: CV Mosby.

Mountcastle, VB, WH Talbot, I Darian-Smith e HH Kornhuber. 1967. Base neural do sentido de vibração vibratória. Ciência: 597-600.

Muijser, H, EMG Hoogendijk e J Hoosima. 1988. Os efeitos da exposição ocupacional ao estireno nos limiares auditivos de alta frequência. Toxicologia: 331-340.

Nemery, B. 1990. Toxicidade do metal e trato respiratório. Eur Respir J 3:202-219.

Naus, A. 1982. Alterações da acuidade olfativa causadas pelo mentol. J Laryngol Otol 82:1009-1011.

Örtendahl, TW. 1987. Alterações orais em mergulhadores que trabalham com soldagem elétrica/corte subaquático. Sueco Dent J Supl 43:1-53.

Örtendahl, TW, G Dahlén e HOE Röckert. 1985. A avaliação de problemas bucais em mergulhadores realizando soldagem elétrica e corte debaixo d'água. Undersea Biomed Res 12:55-62.

Ogawa, H. 1994. Córtex gustativo de primatas: Anatomia e fisiologia. Neurosci Res 20:1-13.

O'Reilly, JP, BL Respicio e FK Kurata. 1977. Hana Kai II: Um mergulho de saturação seca de 17 dias a 18.6 ATA. VII: Sensações auditivas, visuais e gustativas. Undersea Biomed Res 4:307-314.

Otto, D, G Robinson, S Bauman, S Schroeder, P Mushak, D Kleinbaum e L Boone. 1985. Estudo de acompanhamento de % de anos de crianças com absorção de chumbo baixa a moderada: avaliação eletrofisiológica. Environ Research 38:168-186.

Oyanagi, K, E Ohama e F Ikuta. 1989. O sistema auditivo na intoxicação por metilmercurial: uma investigação neuropatológica em 14 casos de autópsia em Niigata, Japão. Acta Neuropathol 77:561-568.

Participantes do SCP nº 147/242 e HF Morris. 1990. Projeto de estudos cooperativos de administração de veteranos n. 147: Associação de sabor metálico com ligas metalocerâmicas. J Prosthet Dent 63:124-129.

Petersen, PE e C Gormsen. 1991. Condições bucais entre trabalhadores de fábricas de baterias alemãs. Community Dentistry and Oral Epidemiology 19:104-106.

Pfeiffer, P e H. Schwickerath. 1991. Solubilidade de níquel e sabor metálico. Zwr 100:762-764,766,768-779.

Pompeiano, O, JHJ Allum. 1988. Controle Vestibulospinal de Postura e Locomoção. Progresso na Pesquisa do Cérebro, no.76. Amsterdã: Elsevier.

Rees, T e L Duckert. 1994. Perda auditiva e outros distúrbios óticos. In Textbook of Clinical, Occupational and Environmental Medicine, editado por C Rosenstock. Filadélfia: WB Saunders.

Ressler, KJ, SL Sullivan e LB Buck. 1994. Uma dissecação molecular da padronização espacial no sistema olfativo. Curr Opin Neurobiol 4:588-596.

Rey, P. 1991. Précis De Medecine Du Travail. Genebra: Medicine et Hygiène.

Rey, P e A. Bousquet. 1990. Estratégias de exame oftalmológico médico para operadores de VDT. In Work With Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Rose, CS, PG Heywood e RM Costanzo. 1934. Deficiência olfativa após exposição ocupacional crônica ao cádmio. J Occup Med 34:600-605.

Rubino, GF. 1990. Levantamento epidemiológico de distúrbios oculares: A pesquisa multicêntrica italiana. In Work with Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science Publishers BV

Rute, JH. 1986. Limites de odor e níveis de irritação de várias substâncias químicas: uma revisão. Am Ind Hyg Assoc J 47:142-151.

Rusznak, C, JL Devalia e RJ Davies. 1994. O impacto da poluição nas doenças alérgicas. Alergia 49:21-27.

Ryback, LP. 1992. Audiência: Os efeitos dos produtos químicos. Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço 106:677-686.

—. 1993. Ototoxicidade. Otolaryngol Clin N Am 5(26).

Savov, A. 1991. Danos aos ouvidos, nariz e garganta na produção de cobre. Problemi na Khigienata 16:149-153.

—. 1994. Mudanças no paladar e no olfato: interações medicamentosas e preferências alimentares. Nutr Rev 52(II):S11-S14.

Schiffman, SS. 1994. Mudanças no paladar e no olfato: interações medicamentosas e preferências alimentares. Nutr Rev 52(II): S11-S14.

Schiffman, SS e HT Nagle. 1992. Efeito de poluentes ambientais no paladar e no olfato. Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço 106:693-700.

Schwartz, BS, DP Ford, KI Bolla, J Agnew e ML Bleecker. 1991. Disfunção olfatória associada a solvente: Não é um preditor de déficits de aprendizado e memória. Am J Psychiatr 148:751-756.

Schweisfurth, H e C Schottes. 1993. Intoxicação aguda de um gás tipo hidrazina por 19 trabalhadores em um depósito de lixo. Zbl Hyg 195:46-54.

Shusterman, D. 1992. Revisão crítica: O significado para a saúde da poluição ambiental por odor. Arch Environ Health 47:76-87.

Shusterman, DJ e JE Sheedy. 1992. Distúrbios ocupacionais e ambientais dos sentidos especiais. Occup Med: State Art Rev 7:515-542.

Siblerud, RL. 1990. A relação entre o mercúrio do amálgama dentário e a saúde da cavidade oral. Ann Dent 49:6-10.

Sinclair. 1981. Mecanismos de sensação cutânea. Oxford: Universidade de Oxford. Imprensa.

Spielman, AI. 1990. Interação da saliva e do paladar. J Dental Res 69:838.

Stevens, JC e WS Caim. 1986. Envelhecimento e percepção da irritação nasal. Physiol Behav 37:323-328.

Van Dijk, FJH. 1986. Efeitos não auditivos do ruído na indústria. II Uma revisão da literatura. Int Arch Occup Environ Health 58.

Verriest, G e G Hermans. 1975. Les aptitudes visuelles professionnelles. Bruxelles: Imprimerie médicale et scientifique.

Welch, AR, JP Birchall e FW Stafford. 1995. Rinite ocupacional - Possíveis mecanismos de patogênese. J Laryngol Otol 109:104-107.

Weymouth, FW. 1966. O olho como instrumento óptico. Em Physiology and Biophysics, editado por TC Ruch e HD Patton. Londres: Saunders.

Wieslander, G, D Norbäck e C Edling. 1994. Exposição ocupacional a tintas à base de água e sintomas na pele e nos olhos. Occup Environ Med 51:181-186.

Winberg, S, R Bjerselius, E Baatrup e KB Doving. 1992. O efeito do Cu(II) no eletro-olfactograma (EOG) do salmão do Atlântico (Salmo salar L) em água doce artificial com várias concentrações de carbono inorgânico. Ecotoxicologia e Segurança Ambiental 24:167-178.

Witek, TJ. 1993. O nariz como alvo de efeitos adversos do meio ambiente: Aplicando avanços nas medidas e mecanismos fisiológicos nasais. Am J Ind Med 24:649-657.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1981. Arsênico. Critérios de Saúde Ambiental, no.18. Genebra: OMS.

Yardley, L. 1994. Vertigo and Tontura. Londres: Routledge.

Yontchev, E, GE Carlsson e B Hedegård. 1987. Achados clínicos em pacientes com queixas de desconforto orofacial. Int J Oral Maxillofac Surg 16:36-44.