Segunda-feira, 07 Março 2011 17: 52

Prevenção de Dermatoses Ocupacionais

Classifique este artigo
(Voto 1)

O objetivo dos programas de saúde ocupacional é permitir que os trabalhadores mantenham seu emprego e sua saúde por vários anos. O desenvolvimento de programas eficazes requer a identificação de fatores de risco setoriais, populacionais e específicos do local de trabalho. Esta informação pode então ser usada para desenvolver políticas de prevenção tanto para grupos quanto para indivíduos.

A Comissão Québec de Saúde e Segurança Ocupacional (Commission de la santé et de la sécurité au travail du Québec) caracterizou as atividades de trabalho em 30 setores industriais, comerciais e de serviços (Commission de la santé et de la sécurité au travail 1993). Suas pesquisas revelam que as dermatoses ocupacionais são mais prevalentes nas indústrias de alimentos e bebidas, serviços médicos e sociais, diversos serviços comerciais e pessoais e construção (incluindo obras públicas). Os trabalhadores afetados geralmente estão envolvidos em serviços, fabricação, montagem, reparo, manuseio de materiais, processamento de alimentos ou atividades de saúde.

As dermatoses profissionais são particularmente prevalentes em dois grupos etários: os trabalhadores jovens e inexperientes, que podem desconhecer os riscos por vezes insidiosos associados ao seu trabalho, e os trabalhadores que se aproximam da idade da reforma, que podem não ter notado o ressecamento progressivo da pele ao longo dos anos, o que aumenta ao longo de vários dias de trabalho consecutivos. Devido a essa desidratação, a exposição repetida a substâncias irritantes ou adstringentes previamente bem toleradas pode causar dermatite irritativa nesses trabalhadores.

Como indica a tabela 1, embora a maioria dos casos de dermatoses ocupacionais não envolva compensação superior a duas semanas, um número significativo de casos pode persistir por mais de dois meses (Durocher e Paquette 1985). Esta tabela ilustra bem a importância da prevenção de dermatoses crônicas que requerem afastamentos prolongados do trabalho.

Tabela 1. Dermatoses ocupacionais em Quebec em 1989: Distribuição por tempo de compensação

Duração da compensação (dias)

0

1-14

15-56

57-182

> 183

Número de casos (total: 735)

10

370

195

80

80

Fonte: Commission de la santé et de la sécurité au travail, 1993.

Fatores de Risco

Muitas substâncias utilizadas na indústria são capazes de causar dermatoses, cujo risco depende da concentração da substância e da frequência e duração do contato com a pele. O esquema geral de classificação apresentado na tabela 2 (no verso), baseado na classificação dos fatores de risco como mecânicos, físicos, químicos ou biológicos, é uma ferramenta útil para a identificação dos fatores de risco durante as visitas in loco. Durante a avaliação do local de trabalho, a presença de fatores de risco pode ser observada diretamente ou suspeitada com base nas lesões cutâneas observadas. Atenção especial é dada a isso no esquema de classificação apresentado na tabela 2. Em alguns casos, efeitos específicos de um determinado fator de risco podem estar presentes, enquanto em outros, as doenças de pele podem estar associadas a vários fatores em uma determinada categoria. Distúrbios deste último tipo são conhecidos como efeitos de grupo. Os efeitos cutâneos específicos dos fatores físicos estão listados na tabela 2 e descritos em outras seções deste capítulo.

 


Tabela 2. Fatores de risco e seus efeitos na pele

 

Fatores mecânicos

Trauma
Fricção
Pressão
Poeiras

Fatores físicos

Radiação
Humidade
HEAT
Frio

Fatores químicos

Ácidos, bases
Detergentes, solventes
Metais, resinas
óleos de corte
Corantes, alcatrão
Borracha, etc.

Fatores biológicos

Bactérias
Vírus
Dermatófitos
parasitas
Plants
Insetos

Cofatores de risco

Eczema (atópico, disidrótico, seborreico, numular)
Psoriasis
Xerodermia
Acne

Efeitos do grupo

Cortes, perfurações, bolhas
Abrasões, isomorfismo
Liquenificação
Calos

efeitos específicos

Fotodermatite, radiodermatite, câncer
Maceração, irritação
Erupção cutânea, queimaduras, eritema
Geladura, xeroderma, urticária, paniculite, fenômeno de Raynaud

Efeitos do grupo

Desidratação
Inflamação
Necrose
Alergia
Fotodermatite
Discromia

efeitos específicos

Piodermatite
várias verrugas
Dermatomicose
Parasitose
Fitodermatite
Urticária

 


 

Os fatores mecânicos incluem fricção repetida, pressão excessiva e prolongada e a ação física de algumas poeiras industriais, cujos efeitos são uma função da forma e tamanho das partículas de poeira e da extensão de sua fricção com a pele. As próprias lesões podem ser mecânicas (especialmente em trabalhadores expostos a vibrações repetidas), químicas ou térmicas, e incluem lesões físicas (úlceras, bolhas), infecção secundária e isomorfismo (fenômeno de Koebner). Alterações crônicas, como cicatrizes, queloides, discromias e o fenômeno de Raynaud, que é uma alteração neurovascular periférica causada pelo uso prolongado de ferramentas vibratórias, também podem se desenvolver.

Os fatores químicos são de longe a causa mais comum de dermatoses ocupacionais. Estabelecer uma lista exaustiva de muitos produtos químicos não é prático. Podem causar reações alérgicas, irritantes ou fotodermatóticas, podendo deixar sequelas discrômicas. Os efeitos da irritação química variam desde simples ressecamento até inflamação e necrose celular completa. Mais informações sobre este assunto são fornecidas no artigo sobre dermatite de contato. As Fichas de Dados de Segurança de Materiais, que fornecem informações toxicológicas e outras, são ferramentas indispensáveis ​​para o desenvolvimento de medidas preventivas eficazes contra produtos químicos. Vários países, de fato, exigem que os fabricantes de produtos químicos forneçam a todos os locais de trabalho que usam seus produtos informações sobre os riscos à saúde ocupacional representados por seus produtos.

As infecções bacterianas, virais e fúngicas contraídas no ambiente de trabalho decorrem do contato com materiais, animais ou pessoas contaminadas. As infecções incluem piodermatite, foliculite, panaris, dermatomicose, antraz e brucelose. Os trabalhadores do setor de processamento de alimentos podem desenvolver múltiplas verrugas nas mãos, mas somente se já tiverem sofrido microtraumas e forem expostos a níveis excessivos de umidade por períodos prolongados (Durocher e Paquette 1985). Tanto animais quanto humanos, como creches e profissionais de saúde, podem atuar como vetores de contaminação parasitária como ácaros, sarna e piolhos. A fitodermatite pode ser causada por plantas (rhu sp.) ou flores (alstromeria, crisântemos, tulipas). Finalmente, alguns extratos de madeira podem causar dermatite de contato.

Cofatores de risco

Algumas patologias cutâneas não ocupacionais podem exacerbar os efeitos de fatores ambientais na pele do trabalhador. Por exemplo, há muito se reconhece que o risco de dermatite de contato irritante é muito maior em indivíduos com histórico médico de atopia, mesmo na ausência de dermatite atópica. Em um estudo de 47 casos de dermatite de contato irritante das mãos de trabalhadores de processamento de alimentos, 64% tinham histórico de atopia (Cronin 1987). Indivíduos com dermatite atópica demonstraram desenvolver irritação mais severa quando expostos ao lauril sulfato de sódio, comumente encontrado em sabonetes (Agner 1991). A predisposição a alergias (Tipo I) (diátese atópica) não aumenta, entretanto, o risco de dermatite de contato alérgica tardia (Tipo IV), mesmo ao níquel (Schubert et al. 1987), o alérgeno mais comumente rastreado. Por outro lado, a atopia demonstrou recentemente favorecer o desenvolvimento de urticária de contato (alergia tipo I) ao látex de borracha entre os profissionais de saúde (Turjanmaa 1987; Durocher 1995) e ao peixe entre os fornecedores (Cronin 1987).

Na psoríase, a camada mais externa da pele (estrato córneo) é espessa, mas não calejada (paraqueratótica) e menos resistente a irritantes da pele e tração mecânica. Lesões cutâneas frequentes podem piorar a psoríase pré-existente e novas lesões psoriáticas isomórficas podem se desenvolver no tecido cicatricial.

O contato repetido com detergentes, solventes ou poeiras adstringentes pode levar a dermatite de contato irritante secundária em indivíduos que sofrem de xeroderma. Da mesma forma, a exposição a óleos de fritura pode exacerbar a acne.

Prevenção

Uma compreensão completa dos fatores de risco relevantes é um pré-requisito para estabelecer programas de prevenção, que podem ser institucionais ou pessoais, como o uso de equipamentos de proteção individual. A eficácia dos programas de prevenção depende da estreita colaboração de trabalhadores e empregadores durante o seu desenvolvimento. A Tabela 3 fornece algumas informações sobre prevenção.

 


Tabela 3. Medidas coletivas (abordagem grupal) para prevenção

 

Medidas coletivas

  • Substituição
  • Controle ambiental:

Uso de ferramentas para manuseio de materiais
Ventilação
Sistemas fechados
Automação

  • Informação e treinamento
  • Hábitos de trabalho cuidadosos
  • Follow-up

 

Proteção pessoal

  • Higiene da pele
  • Agentes de proteção
  • Luvas

 


 

Prevenção no local de trabalho

O principal objetivo das medidas preventivas no local de trabalho é a eliminação dos perigos na sua origem. Quando viável, a substituição de uma substância tóxica por uma não tóxica é a solução ideal. Por exemplo, os efeitos tóxicos de um solvente usado incorretamente para limpar a pele podem ser eliminados substituindo-o por um detergente sintético que não apresente riscos sistêmicos e seja menos irritante. Vários pós de cimento não alergênicos que substituem o sulfato ferroso por cromo hexavalente, um alérgeno bem conhecido, estão agora disponíveis. Em sistemas de resfriamento à base de água, os agentes anticorrosivos à base de cromato podem ser substituídos por borato de zinco, um alérgeno mais fraco (Mathias 1990). Biocidas alergênicos em óleos de corte podem ser substituídos por outros conservantes. O uso de luvas de borracha sintética ou PVC pode eliminar o desenvolvimento de alergias ao látex entre os profissionais de saúde. A substituição de aminoetanolamina por trietanolamina em fluxos de soldagem usados ​​para soldar cabos de alumínio levou a uma redução nas alergias (Lachapelle et al. 1992).

A modificação dos processos de produção para evitar o contato da pele com substâncias perigosas pode ser uma alternativa aceitável quando a substituição é impossível ou o risco é baixo. Modificações simples incluem o uso de telas ou tubos flexíveis para eliminar respingos durante a transferência de líquidos, ou filtros que retêm resíduos e reduzem a necessidade de limpeza manual. Também podem funcionar pontos de preensão mais naturais em ferramentas e equipamentos que evitem exercer pressão e fricção excessivas nas mãos e que evitem o contato da pele com irritantes. Ventilação de captura local com entradas de captura que limitam a nebulização ou reduzem a concentração de poeira no ar são úteis. Onde os processos foram totalmente automatizados para evitar riscos ambientais, atenção especial deve ser dada ao treinamento dos trabalhadores responsáveis ​​pelo reparo e limpeza do equipamento e medidas preventivas específicas podem ser necessárias para limitar sua exposição (Lachapelle et al. 1992).

Todo o pessoal deve estar ciente dos perigos presentes em seu local de trabalho, e as medidas coletivas só podem ser eficazes quando implementadas em conjunto com um programa de informação abrangente. As Fichas de Dados de Segurança de Materiais podem ser usadas para identificar substâncias perigosas e potencialmente perigosas. Sinais de alerta de perigo podem ser usados ​​para identificar rapidamente essas substâncias. Um código de cores simples permite a codificação visual do nível de risco. Por exemplo, um adesivo vermelho pode sinalizar a presença de um perigo e a necessidade de evitar o contato direto com a pele. Este código seria apropriado para uma substância corrosiva que ataca rapidamente a pele. Da mesma forma, um adesivo amarelo pode indicar a necessidade de prudência, por exemplo, ao lidar com uma substância capaz de danificar a pele após contato repetido ou prolongado (Durocher 1984). A afixação periódica de cartazes e a utilização ocasional de meios audiovisuais reforçam a informação transmitida e estimulam o interesse pelos programas de prevenção das dermatoses profissionais.

Informações completas sobre os riscos associados às atividades de trabalho devem ser fornecidas aos trabalhadores antes de iniciar o trabalho. Em vários países, os trabalhadores recebem treinamento ocupacional especial por instrutores profissionais.

O treinamento no local de trabalho deve ser repetido cada vez que um processo ou tarefa for alterado com consequente alteração nos fatores de risco. Nem uma atitude alarmista nem paternalista favorece boas relações de trabalho. Empregadores e trabalhadores são parceiros que desejam que o trabalho seja executado com segurança, e as informações fornecidas só serão confiáveis ​​se forem realistas.

Dada a ausência de normas de segurança para substâncias dermatotóxicas (Mathias 1990), as medidas preventivas devem ser apoiadas pela observação vigilante do estado da pele dos trabalhadores. Felizmente, isso é facilmente implementado, pois a pele, principalmente nas mãos e no rosto, pode ser observada diretamente por todos. O objetivo desse tipo de observação é a identificação de sinais precoces de modificações cutâneas que indiquem um esgotamento do equilíbrio natural do corpo. Trabalhadores e especialistas em saúde e segurança devem, portanto, estar atentos aos seguintes sinais de alerta precoce:

  • secagem progressiva
  • maceração
  • espessamento localizado
  • trauma frequente
  • vermelhidão, especialmente ao redor dos cabelos.

 

A pronta identificação e tratamento das patologias cutâneas é essencial, devendo-se identificar os seus fatores causais subjacentes, para evitar que se tornem crónicas.

Quando os controles do local de trabalho são incapazes de proteger a pele do contato com substâncias perigosas, a duração do contato com a pele deve ser minimizada. Para este efeito, os trabalhadores devem ter acesso imediato a equipamento de higiene adequado. A contaminação de agentes de limpeza pode ser evitada usando recipientes fechados equipados com uma bomba que dispensa uma quantidade adequada do limpador com uma única pressão. A seleção de produtos de limpeza requer um compromisso entre o poder de limpeza e o potencial de irritação. Por exemplo, os chamados limpadores de alto desempenho geralmente contêm solventes ou abrasivos que aumentam a irritação. O limpador selecionado deve levar em consideração as características específicas do local de trabalho, uma vez que os trabalhadores geralmente usam apenas um solvente se os limpadores disponíveis forem ineficazes. Os limpadores podem assumir a forma de sabões, detergentes sintéticos, pastas ou cremes sem água, preparações abrasivas e agentes antimicrobianos (Durocher 1984).

Em diversas ocupações, a aplicação de um creme protetor antes do trabalho facilita a limpeza da pele, independentemente do produto de limpeza utilizado. Em todos os casos, a pele deve ser bem enxaguada e seca após cada lavagem. O não cumprimento pode aumentar a irritação, por exemplo, pela reemulsificação dos resíduos de sabão causada pela umidade dentro das luvas impermeáveis.

Sabões industriais são geralmente fornecidos como líquidos dispensados ​​por pressão manual. São compostos por ácidos graxos de origem animal (banha) ou vegetal (óleo), tamponados com uma base (por exemplo, hidróxido de sódio). O tamponamento pode ser incompleto e deixar radicais livres residuais capazes de irritar a pele. Para evitar isso, um pH quase neutro (4 a 10) é desejável. Esses sabonetes líquidos são adequados para muitas tarefas.

Os detergentes sintéticos, disponíveis na forma líquida e em pó, emulsionam as gorduras. Assim, costumam retirar o sebo da pele humana, substância que protege a pele contra o ressecamento. A emulsificação da pele é geralmente menos marcada com sabões do que com detergentes sintéticos e é proporcional à concentração do detergente. Emolientes como glicerina, lanolina e lecitina são frequentemente adicionados aos detergentes para neutralizar esse efeito.

Pastas e cremes, também conhecidos como “sabões sem água” são emulsões de substâncias à base de óleo em água. Seu principal agente de limpeza é um solvente, geralmente um derivado de petróleo. Eles são chamados de “sem água” porque são eficazes na ausência de água da torneira e são normalmente usados ​​para remover sujeiras difíceis ou para lavar as mãos quando a água não está disponível. Por causa de sua dureza, eles não são considerados limpadores de escolha. Recentemente, tornaram-se disponíveis “sabões sem água” contendo detergentes sintéticos que são menos irritantes para a pele do que os solventes. A Associação Americana de Fabricantes de Sabão e Detergente recomenda a lavagem com sabão neutro após o uso de “sabões sem água” à base de solvente. Os trabalhadores que utilizam “sabões sem água” três ou quatro vezes ao dia devem aplicar loção ou creme hidratante ao final da jornada de trabalho, a fim de evitar o ressecamento.

Partículas abrasivas, que muitas vezes são adicionadas a um dos limpadores descritos acima para aumentar seu poder de limpeza, são irritantes. Eles podem ser solúveis (por exemplo, bórax) ou insolúveis. Os abrasivos insolúveis podem ser minerais (por exemplo, pedra-pomes), vegetais (por exemplo, cascas de nozes) ou sintéticos (por exemplo, poliestireno).

Os produtos de limpeza antimicrobianos só devem ser utilizados em locais de trabalho onde exista um risco real de infecção, uma vez que vários deles são potenciais alergénios e os trabalhadores não devem ser expostos desnecessariamente.

Sob a influência de certas substâncias ou lavagens repetidas, as mãos dos trabalhadores podem secar. A manutenção a longo prazo de uma boa higiene da pele nestas condições requer hidratação diária, cuja frequência dependerá do indivíduo e do tipo de trabalho. Em muitos casos, loções ou cremes hidratantes, também conhecidos como cremes para as mãos, são adequados. Em casos de ressecamento intenso ou quando as mãos ficam imersas por períodos prolongados, as vaselinas hidrofílicas são mais indicadas. Os chamados cremes protetores ou de barreira são geralmente cremes hidratantes; podem conter silicones ou óxidos de zinco ou titânio. Cremes protetores específicos para exposição são raros, com exceção daqueles que protegem contra a radiação ultravioleta. Estes foram muito melhorados ao longo dos últimos anos e agora fornecem proteção eficaz contra UV-A e UV-B. Recomenda-se um fator de proteção mínimo de 15 (escala norte-americana). O creme StokogarÔ parece ser eficaz contra a dermatite de contato causada pela hera venenosa. Cremes protetores ou de barreira nunca devem ser vistos como equivalentes a alguma forma de luva impermeável invisível (Sasseville 1995). Além disso, os cremes protetores só são eficazes em peles saudáveis.

Embora poucas pessoas gostem de usar equipamentos de proteção, pode não haver escolha quando as medidas descritas acima são inadequadas. O equipamento de proteção inclui: botas, aventais, viseiras, mangas, macacão, sapatos e luvas. Estes são discutidos em outro lugar no enciclopédia.

Muitos trabalhadores reclamam que as luvas de proteção reduzem sua destreza, mas seu uso é inevitável em algumas situações. São necessários esforços especiais para minimizar seus inconvenientes. Muitos tipos estão disponíveis, tanto permeáveis ​​(algodão, couro, malha metálica, Kevla-asbestos) quanto impermeáveis ​​(látex de borracha, neoprene, nitrila, cloreto de polivinila, VitoÔ, álcool polivinílico, polietileno) à água. O tipo selecionado deve levar em consideração as necessidades específicas de cada situação. O algodão oferece proteção mínima, mas boa ventilação. O couro é eficaz contra fricção, pressão, tração e alguns tipos de lesões. A malha metálica protege contra cortes. Kevla é resistente ao fogo. O amianto é resistente ao fogo e ao calor. A resistência a solventes das luvas impermeáveis ​​à água é altamente variável e depende de sua composição e espessura. Para aumentar a resistência a solventes, alguns pesquisadores desenvolveram luvas incorporando múltiplas camadas de polímero.

Várias características devem ser levadas em consideração ao selecionar luvas. Estes incluem espessura, flexibilidade, comprimento, rugosidade, ajuste de pulso e dedo e resistência química, mecânica e térmica. Vários laboratórios desenvolveram técnicas, baseadas na medição dos tempos de ruptura e constantes de permeabilidade, para estimar a resistência das luvas a produtos químicos específicos. Listas para ajudar a orientar a seleção de luvas também estão disponíveis (Lachapelle et al. 1992; Berardinelli 1988).

Em alguns casos, o uso prolongado de luvas de proteção pode causar dermatite alérgica de contato devido aos componentes das luvas ou aos alérgenos que penetram nas luvas. O uso de luvas de proteção também está associado a um risco aumentado de irritação da pele, devido à exposição prolongada a altos níveis de umidade dentro da luva ou penetração de irritantes através de perfurações. Para evitar o agravamento de sua condição, todos os trabalhadores que sofrem de dermatite nas mãos, independentemente de sua origem, devem evitar o uso de luvas que aumentem o calor e a umidade ao redor de suas lesões.

O estabelecimento de um programa abrangente de prevenção de dermatoses ocupacionais depende da adaptação cuidadosa de normas e princípios às características únicas de cada local de trabalho. Para garantir sua eficácia, os programas de prevenção devem ser revisados ​​periodicamente para levar em consideração as mudanças no local de trabalho, a experiência com o programa e os avanços tecnológicos.

 

Voltar

Leia 8441 vezes Última modificação em terça, 11 outubro 2011 21:19

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de doenças de pele

Adams, RM. 1988. Aspectos médico-legais das doenças de pele ocupacionais. Dermatol Clin 6:121.

—. 1990. Doença de pele ocupacional. 2ª ed. Filadélfia: Saunders.

Agner, T. 1991. Suscetibilidade de pacientes com dermatite atópica à dermatite irritante causada por lauril sulfato de sódio. A Derm-Ven 71:296-300.

Balch, CM, AN Houghton e L Peters. 1993. Melanoma cutâneo. In Cancer: Principles and Practice of Oncology, editado por VTJ DeVita, S Hellman e SA Rosenberg. Filadélfia: JB Lippincott.

Beral, V, H Evans, H Shaw e G Milton. 1982. Melanoma maligno e exposição à iluminação fluorescente no trabalho. Lancet II:290-293.

Berardinelli, SP. 1988. Prevenção de doenças de pele ocupacionais através do uso de luvas de proteção química. Dermatol Clin 6:115-119.

Bijan, S. 1993. Cânceres da pele. In Cancer: Principles & Practice of Oncology, editado por VTJ DeVita, S Hellman e SA Rosenberg. Filadélfia: JB Lippincott.

Blair, A, S Hoar Zahm, NE Pearce, EF Heinerman e J Fraumeni. 1992. Pistas para a etiologia do câncer a partir de estudos de agricultores. Scand J Work Environ Health 18:209-215.

Commission de la santé et de la securité du travail. 1993. Statistiques sur les lesões professionnelles de 1989. Québec: CSST.

Cronin, E. 1987. Dermatite das mãos em fornecedores. Contact Dermatitis 17: 265-269.

De Groot, AC. 1994. Teste de contato: concentrações de teste e veículos para 3,700 alérgenos. 2ª ed. Amsterdã: Elsevier.

Durocher, L.P. 1984. A proteção da pele no meio de trabalho. Le Médecin du Québec 19:103-105.

—. 1995. Les gants de latex são sans risque? Le Médecin du Travail 30:25-27.

Durocher, LP e N Paquette. 1985. Les verrues multiples chez les travailleurs de l'alimentation. L'Union Médicale du Canada 115:642-646.

Ellwood, JM e HK Koh. 1994. Etiologia, epidemiologia, fatores de risco e questões de saúde pública do melanoma. Curr Opin Oncol 6:179-187.

Gellin, GA. 1972. Dermatoses ocupacionais. Chicago: American Medical Association.

Gui, JD. 1995. Dermatite de contato prática. Nova York: McGraw-Hill.

Hagmar, L, K Linden, A Nilsson, B Norrving, B Akesson, A Schutz e T Moller. 1992. Incidência e mortalidade por câncer entre pescadores suecos do Mar Báltico. Scand J Work Environ Health 18:217-224.

Hannaford, PC, L Villard Mackintosh, MP Vessey e CR Kay. 1991. Contraceptivos orais e melanoma maligno. Br J Câncer 63:430-433.

Higginson, J, CS Muir e M Munoz. 1992. Câncer Humano: Epidemiologia e Meio Ambiente
Causas. Monografias de Cambridge sobre Pesquisa do Câncer. Cambridge, Reino Unido: CUP.

Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). 1983. Compostos aromáticos polinucleares, Parte I, Dados químicos, ambientais e experimentais. Monografias sobre a Avaliação do Risco Carcinogênico de Produtos Químicos para Humanos, No. 32. Lyon: IARC.

—. 1984a. Compostos aromáticos polinucleares, Parte 2, negros de fumo, óleos minerais e alguns nitroarenos. Monografias sobre a Avaliação do Risco Carcinogênico de Produtos Químicos para Humanos, No. 33. Lyon: IARC.

—. 1984b. Compostos aromáticos polinucleares, Parte 3, Exposições industriais na produção de alumínio, gaseificação de carvão, produção de coque e fundição de ferro e aço. Monografias sobre a Avaliação do Risco Carcinogênico de Produtos Químicos para Humanos, No. 34. Lyon: IARC.

—. 1985a. Compostos aromáticos polinucleares, Parte 4, Betumes, alcatrões de hulha e produtos derivados, óleos de xisto e fuligens. Monografias sobre a Avaliação do Risco Carcinogênico de Produtos Químicos para Humanos, No. 35. Lyon: IARC.

—. 1985b. Radiação solar e ultravioleta. Monografias sobre a Avaliação do Risco Carcinogênico de Produtos Químicos para Humanos, No. 55. Lyon: IARC.

—. 1987. Avaliações gerais de carcinogenicidade: uma atualização dos volumes 1 a 42 das monografias da IARC. Monografias sobre os riscos carcinogênicos para humanos. Supl. 7. Lyon: IARC

—. 1990. Câncer: Causas, ocorrência e controle. IARC Scientific Publications, No. 100. Lyon: IARC.

—. 1992a. Incidência de câncer em cinco continentes. Vol. VI. IARC Scientific Publications, No. 120. Lyon: IARC.

—. 1992b. Radiação solar e ultravioleta. Monografias Sobre a Avaliação de Riscos Carcinogênicos para Humanos, No. 55. Lyon: IARC.

—. 1993. Tendências na incidência e mortalidade por câncer. IARC Scientific Publications, No. 121. Lyon: IARC.

Koh, HK, TH Sinks, AC Geller, DR Miller e RA Lew. 1993. Etiologia do melanoma. Tratamento do Câncer Res 65:1-28.

Kricker, A, BK Armstrong, ME Jones e RC Burton. 1993. Saúde, radiação ultravioleta solar e mudança ambiental. Relatório Técnico da IARC, No. 13. Lyon: IARC.

Lachapelle, JM, P Frimat, D Tennstedt e G Ducombs. 1992. Dermatologie professionnelle et de l'environnement. Paris: Mason.

Mathias, T. 1987. Prevenção da dermatite de contato ocupacional. J Am Acad Dermatol 23:742-748.

Miller, D e MA Weinstock. 1994. Câncer de pele não melanoma nos Estados Unidos: Incidência. J Am Acad Dermatol 30:774-778.

Nelemans, PJ, R Scholte, H Groenendal, LA Kiemeney, FH Rampen, DJ Ruiter e AL Verbeek. 1993. Melanoma e ocupação: resultados de um estudo de caso-controle na Holanda. Brit J Ind Med 50:642-646.

Rietschel, RI, e JF Fowler Jr. 1995. Fisher's Contact Dermatitis. 4ª ed. Baltimore: Williams & Wilkins.

Sahel, JA, JD Earl e DM Albert. 1993. Melanomas intraoculares. In Cancer: Principles & Practice of Oncology, editado por VTJ DeVita, S Hellman e SA Rosenberg. Filadélfia: JB Lippincott.

Sasseville, D. 1995. Dermatoses ocupacionais: Empregando boas habilidades diagnósticas. Alergia 8:16-24.

Schubert, H, N Berova, A Czernielewski, E Hegyi e L Jirasek. 1987. Epidemiologia da alergia ao níquel. Entre em contato com Dermatite 16:122-128.

Siemiatycki J, M Gerin, R Dewar, L Nadon, R Lakhani, D Begin e L Richardson. 1991. Associações entre circunstâncias ocupacionais e câncer. In Risk Factors for Cancer in the Workplace, editado por J Siematycki. Londres, Boca Raton: CRC Press.

Stidham, KR, JL Johnson e HF Seigler. 1994. Superioridade de sobrevida de mulheres com melanoma. Uma análise multivariada de 6383 pacientes explorando a importância do gênero no resultado prognóstico. Archives of Surgery 129:316-324.

Turjanmaa, K. 1987. Incidência de alergia imediata a luvas de látex em funcionários de hospitais. Entre em contato com Dermatite 17:270-275.