Terça-feira, 08 Março 2011 15: 49

Stigmata

Classifique este artigo
(0 votos)

O estigma ocupacional ou as marcas ocupacionais são lesões anatômicas induzidas pelo trabalho que não prejudicam a capacidade de trabalho. Os estigmas são geralmente causados ​​por irritação mecânica, química ou térmica da pele durante um longo período e são frequentemente característicos de uma determinada ocupação. Qualquer tipo de pressão ou fricção na pele pode produzir efeito irritante, e uma única pressão violenta pode romper a epiderme, levando à formação de escoriações, bolhas seropurulentas e infecção da pele e tecidos subjacentes. Por outro lado, porém, a repetição frequente de ação irritante moderada não rompe a pele, mas estimula reações defensivas (espessamento e queratinização da epiderme). O processo pode assumir três formas:

  1. um espessamento difuso da epiderme que se funde com a pele normal, com preservação e acentuação ocasional de sulcos cutâneos e sensibilidade intacta
  2. calosidade circunscrita, constituída por lamelas lisas, elevadas, amareladas e córneas, com perda parcial ou total das cristas cutâneas e diminuição da sensibilidade. As lamelas não são circunscritas; eles são mais grossos no centro e mais finos na periferia e se misturam à pele normal
  3. uma calosidade circunscrita, maioritariamente elevada acima da pele normal, com 15 mm de diâmetro, de cor castanho-amarelada a preta, indolor e ocasionalmente associada a hipersecreção das glândulas sudoríparas.

 

As calosidades são geralmente produzidas por agentes mecânicos, às vezes com o auxílio de um irritante térmico (como no caso de sopradores de vidro, padeiros, bombeiros, curandeiros, etc.), quando apresentam coloração marrom-escura a preta com fissuras dolorosas . Se, no entanto, o agente mecânico ou térmico for combinado com um irritante químico, as calosidades sofrem descoloração, amolecimento e ulceração.

Calosidades que representam uma reação ocupacional característica (particularmente na pele da mão, conforme mostrado nas figuras 1 e 2) são observadas em muitas ocupações. A sua forma e localização são determinadas pelo local, força, modo e frequência da pressão exercida, bem como pelas ferramentas ou materiais utilizados. O tamanho das calosidades também pode revelar uma tendência congênita à queratinização da pele (ictiose, queratose palmar hereditária). Esses fatores também podem muitas vezes ser decisivos no que diz respeito a desvios na localização e tamanho das calosidades em trabalhadores braçais.

Figura 1. Estigmas ocupacionais nas mãos.

ESQUI050F1

(a) Úlceras de Tanner; (b) Ferreiro; (c) Trabalhador de serraria; (d) Pedreiro; (e) Maçom; (f) Mármore Pedreiro; (g) Operário de fábrica de produtos químicos; (h) Trabalhador de refinaria de parafina; (I) Impressora; (j) Violinista 

 (Fotos: Janina Mierzecka.)

Figura 2. Calos em pontos de pressão na palma da mão.

ESQUI050F2

As calosidades normalmente atuam como mecanismos de proteção, mas podem, sob certas condições, adquirir características patológicas; por isso não devem ser negligenciados quando se pensa na patogênese e, principalmente, na profilaxia das dermatoses ocupacionais.

Quando um trabalhador desiste de um trabalho indutor de calosidade, as camadas córneas supérfluas são esfoliadas, a pele torna-se fina e macia, a descoloração desaparece e a aparência normal é restaurada. O tempo necessário para a regeneração da pele varia: calosidades ocupacionais nas mãos podem ocasionalmente ser vistas vários meses ou anos após o abandono do trabalho (especialmente em ferreiros, sopradores de vidro e trabalhadores de serraria). Persistem por mais tempo na pele senil e quando associadas à degeneração do tecido conjuntivo e bursite.

As fissuras e erosões da pele são características de certas ocupações (ferroviários, armeiros, pedreiros, ourives, cesteiros, etc.). A dolorosa “úlcera de curtimento” associada a exposições de compostos de cromo (figura 1) de forma redonda ou oval e de 2-10 mm de diâmetro. A localização das lesões ocupacionais (por exemplo, nos dedos dos confeiteiros, dedos e palmas dos alfaiates, etc.) também é característica.

As manchas de pigmentação são causadas pela absorção de corantes pela pele, penetração de partículas de compostos químicos sólidos ou metais industriais, ou pelo acúmulo excessivo do pigmento da pele, a melanina, em trabalhadores de coquerias ou usinas geradoras, após três a cinco anos de trabalho. trabalhar. Em alguns estabelecimentos, cerca de 32% dos trabalhadores apresentavam melanoma. Manchas de pigmento são encontradas principalmente em trabalhadores químicos.

Via de regra, os corantes absorvidos pela pele não podem ser removidos pela lavagem de rotina, daí sua permanência e importância como estigmas ocupacionais. As manchas de pigmento resultam ocasionalmente da impregnação de compostos químicos, plantas, terra ou outras substâncias às quais a pele é exposta durante o processo de trabalho.

Vários estigmas ocupacionais podem ser vistos na região da boca (por exemplo, linha de Burton nas gengivas de trabalhadores expostos ao chumbo, erosão dentária em trabalhadores expostos a vapores ácidos, etc. coloração azulada dos lábios em trabalhadores envolvidos na fabricação de anilina e na forma de acne. Odores característicos relacionados com certas ocupações também podem ser considerados como estigmas ocupacionais.

 

Voltar

Leia 10247 vezes Última modificação em terça, 11 outubro 2011 21:06
Mais nesta categoria: « Distrofia Ocupacional das Unhas

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de doenças de pele

Adams, RM. 1988. Aspectos médico-legais das doenças de pele ocupacionais. Dermatol Clin 6:121.

—. 1990. Doença de pele ocupacional. 2ª ed. Filadélfia: Saunders.

Agner, T. 1991. Suscetibilidade de pacientes com dermatite atópica à dermatite irritante causada por lauril sulfato de sódio. A Derm-Ven 71:296-300.

Balch, CM, AN Houghton e L Peters. 1993. Melanoma cutâneo. In Cancer: Principles and Practice of Oncology, editado por VTJ DeVita, S Hellman e SA Rosenberg. Filadélfia: JB Lippincott.

Beral, V, H Evans, H Shaw e G Milton. 1982. Melanoma maligno e exposição à iluminação fluorescente no trabalho. Lancet II:290-293.

Berardinelli, SP. 1988. Prevenção de doenças de pele ocupacionais através do uso de luvas de proteção química. Dermatol Clin 6:115-119.

Bijan, S. 1993. Cânceres da pele. In Cancer: Principles & Practice of Oncology, editado por VTJ DeVita, S Hellman e SA Rosenberg. Filadélfia: JB Lippincott.

Blair, A, S Hoar Zahm, NE Pearce, EF Heinerman e J Fraumeni. 1992. Pistas para a etiologia do câncer a partir de estudos de agricultores. Scand J Work Environ Health 18:209-215.

Commission de la santé et de la securité du travail. 1993. Statistiques sur les lesões professionnelles de 1989. Québec: CSST.

Cronin, E. 1987. Dermatite das mãos em fornecedores. Contact Dermatitis 17: 265-269.

De Groot, AC. 1994. Teste de contato: concentrações de teste e veículos para 3,700 alérgenos. 2ª ed. Amsterdã: Elsevier.

Durocher, L.P. 1984. A proteção da pele no meio de trabalho. Le Médecin du Québec 19:103-105.

—. 1995. Les gants de latex são sans risque? Le Médecin du Travail 30:25-27.

Durocher, LP e N Paquette. 1985. Les verrues multiples chez les travailleurs de l'alimentation. L'Union Médicale du Canada 115:642-646.

Ellwood, JM e HK Koh. 1994. Etiologia, epidemiologia, fatores de risco e questões de saúde pública do melanoma. Curr Opin Oncol 6:179-187.

Gellin, GA. 1972. Dermatoses ocupacionais. Chicago: American Medical Association.

Gui, JD. 1995. Dermatite de contato prática. Nova York: McGraw-Hill.

Hagmar, L, K Linden, A Nilsson, B Norrving, B Akesson, A Schutz e T Moller. 1992. Incidência e mortalidade por câncer entre pescadores suecos do Mar Báltico. Scand J Work Environ Health 18:217-224.

Hannaford, PC, L Villard Mackintosh, MP Vessey e CR Kay. 1991. Contraceptivos orais e melanoma maligno. Br J Câncer 63:430-433.

Higginson, J, CS Muir e M Munoz. 1992. Câncer Humano: Epidemiologia e Meio Ambiente
Causas. Monografias de Cambridge sobre Pesquisa do Câncer. Cambridge, Reino Unido: CUP.

Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). 1983. Compostos aromáticos polinucleares, Parte I, Dados químicos, ambientais e experimentais. Monografias sobre a Avaliação do Risco Carcinogênico de Produtos Químicos para Humanos, No. 32. Lyon: IARC.

—. 1984a. Compostos aromáticos polinucleares, Parte 2, negros de fumo, óleos minerais e alguns nitroarenos. Monografias sobre a Avaliação do Risco Carcinogênico de Produtos Químicos para Humanos, No. 33. Lyon: IARC.

—. 1984b. Compostos aromáticos polinucleares, Parte 3, Exposições industriais na produção de alumínio, gaseificação de carvão, produção de coque e fundição de ferro e aço. Monografias sobre a Avaliação do Risco Carcinogênico de Produtos Químicos para Humanos, No. 34. Lyon: IARC.

—. 1985a. Compostos aromáticos polinucleares, Parte 4, Betumes, alcatrões de hulha e produtos derivados, óleos de xisto e fuligens. Monografias sobre a Avaliação do Risco Carcinogênico de Produtos Químicos para Humanos, No. 35. Lyon: IARC.

—. 1985b. Radiação solar e ultravioleta. Monografias sobre a Avaliação do Risco Carcinogênico de Produtos Químicos para Humanos, No. 55. Lyon: IARC.

—. 1987. Avaliações gerais de carcinogenicidade: uma atualização dos volumes 1 a 42 das monografias da IARC. Monografias sobre os riscos carcinogênicos para humanos. Supl. 7. Lyon: IARC

—. 1990. Câncer: Causas, ocorrência e controle. IARC Scientific Publications, No. 100. Lyon: IARC.

—. 1992a. Incidência de câncer em cinco continentes. Vol. VI. IARC Scientific Publications, No. 120. Lyon: IARC.

—. 1992b. Radiação solar e ultravioleta. Monografias Sobre a Avaliação de Riscos Carcinogênicos para Humanos, No. 55. Lyon: IARC.

—. 1993. Tendências na incidência e mortalidade por câncer. IARC Scientific Publications, No. 121. Lyon: IARC.

Koh, HK, TH Sinks, AC Geller, DR Miller e RA Lew. 1993. Etiologia do melanoma. Tratamento do Câncer Res 65:1-28.

Kricker, A, BK Armstrong, ME Jones e RC Burton. 1993. Saúde, radiação ultravioleta solar e mudança ambiental. Relatório Técnico da IARC, No. 13. Lyon: IARC.

Lachapelle, JM, P Frimat, D Tennstedt e G Ducombs. 1992. Dermatologie professionnelle et de l'environnement. Paris: Mason.

Mathias, T. 1987. Prevenção da dermatite de contato ocupacional. J Am Acad Dermatol 23:742-748.

Miller, D e MA Weinstock. 1994. Câncer de pele não melanoma nos Estados Unidos: Incidência. J Am Acad Dermatol 30:774-778.

Nelemans, PJ, R Scholte, H Groenendal, LA Kiemeney, FH Rampen, DJ Ruiter e AL Verbeek. 1993. Melanoma e ocupação: resultados de um estudo de caso-controle na Holanda. Brit J Ind Med 50:642-646.

Rietschel, RI, e JF Fowler Jr. 1995. Fisher's Contact Dermatitis. 4ª ed. Baltimore: Williams & Wilkins.

Sahel, JA, JD Earl e DM Albert. 1993. Melanomas intraoculares. In Cancer: Principles & Practice of Oncology, editado por VTJ DeVita, S Hellman e SA Rosenberg. Filadélfia: JB Lippincott.

Sasseville, D. 1995. Dermatoses ocupacionais: Empregando boas habilidades diagnósticas. Alergia 8:16-24.

Schubert, H, N Berova, A Czernielewski, E Hegyi e L Jirasek. 1987. Epidemiologia da alergia ao níquel. Entre em contato com Dermatite 16:122-128.

Siemiatycki J, M Gerin, R Dewar, L Nadon, R Lakhani, D Begin e L Richardson. 1991. Associações entre circunstâncias ocupacionais e câncer. In Risk Factors for Cancer in the Workplace, editado por J Siematycki. Londres, Boca Raton: CRC Press.

Stidham, KR, JL Johnson e HF Seigler. 1994. Superioridade de sobrevida de mulheres com melanoma. Uma análise multivariada de 6383 pacientes explorando a importância do gênero no resultado prognóstico. Archives of Surgery 129:316-324.

Turjanmaa, K. 1987. Incidência de alergia imediata a luvas de látex em funcionários de hospitais. Entre em contato com Dermatite 17:270-275.