Sexta-feira, fevereiro 25 2011 01: 11

Estudo de caso de país: Suécia

Classifique este artigo
(2 votos)

Objetivos

O sistema oficial sueco de compensação de trabalhadores com lesões ocupacionais é regulamentado por lei – a lei oficial sobre seguro de lesões ocupacionais (Lei oficial sobre seguro de lesões ocupacionais, 1993). O sistema é organizado para funcionar como parte integrante da estrutura de segurança social nacional sueca, recebendo contribuições monetárias de impostos sobre os empregadores e um financiamento básico por meio de fontes de receita do governo.

O objetivo da indenização por acidente de trabalho, de acordo com a lei, é compensar a perda de renda e a perda avaliada da capacidade de ganho. Além disso, grande parte do mercado de trabalho dispõe de um sistema complementar, baseado em acordos coletivos entre os parceiros sociais do mercado de trabalho (organizações patronais dos setores público e privado e correspondentes sindicatos) para indenização à população segurada por danos morais e sofrimento, incapacidade e deficiência e outros tipos de incapacidade. Este programa de seguro coletivo é conhecido como Seguro de Responsabilidade Civil No-Fault (TFA) do Mercado de Trabalho. Funciona no regime no-fault, o que significa que, para o reconhecimento de uma reclamação, não há necessidade de o reclamante provar negligência por parte do empregador ou de qualquer outra pessoa envolvida na reclamação em questão. Este sistema de seguro complementar não é exigido nem regulado por lei, sendo gerido conjuntamente, em regime de parceria, pelas organizações patronais e pelos sindicatos.

A discussão a seguir se concentrará no sistema legislado oficial na Suécia.

Organização

O sistema oficial funciona com base nas notificações enviadas pelos segurados quando ocorre o sinistro. A população segurada é toda pessoa empregada no mercado de trabalho no momento em que a doença ou problema de saúde se manifesta. A notificação – que na prática significa o preenchimento de um formulário pelo sinistrado – é entregue ao empregador, que é obrigado a encaminhá-la para um serviço local ou regional de segurança social. Após o devido exame da documentação e provas anexas à notificação, é proferida decisão pelo Conselho Regional de Segurança Social, deferindo ou indeferindo a reclamação.

Se o requerente ou outra pessoa envolvida não estiver satisfeito com a decisão tomada pelo Conselho de Segurança Social, o caso pode ser remetido para um tribunal administrativo de recurso. Este tribunal faz parte do judiciário sueco.

O sistema sueco em vigor desde 1 de Janeiro de 1993 foi concebido para funcionar com base em três princípios fundamentais:

  • o conceito de acidente de trabalho
  • o conceito de agente perigoso no trabalho
  • o conceito de causalidade do agente perigoso em relação à doença em questão.

 

Lesões ocupacionais

O conceito de acidente de trabalho tem duas componentes principais, nomeadamente os acidentes de trabalho e as doenças profissionais. A parte operativa do conceito reside no termo prejuízo. Isso pode ser causado por um acidente de trabalho ou por um fator perigoso que cause uma doença e opere no local de trabalho atual ou em algum trabalho realizado anteriormente. O conceito de lesão abrange, assim, tanto as consequências dos danos corporais causados ​​por acidentes como as doenças ou incapacidades consideradas como causadas por outros agentes, como sejam os físicos, químicos, psicológicos ou outros tipos de fatores ambientais atuantes no trabalho. O conceito de doença, conforme implementado, tem um amplo escopo. Abrange tanto as doenças classificadas, por exemplo, pela classificação de doenças da OMS, quanto os distúrbios funcionais, doenças ou deficiências percebidas pelo indivíduo como aberrações de saúde. Isso significa que não existe uma lista oficialmente definida de doenças ocupacionais ou doenças relacionadas ao trabalho na Suécia. Qualquer doença ou incapacidade, nos termos acima referidos, pode ser considerada e reconhecida como de origem profissional, consoante a prova apresentada para fundamentar o pedido de indemnização económica. Isso significa que, além de uma doença ou problema de saúde causado diretamente por fatores do trabalho ou do local de trabalho, os seguintes fatores podem ser incluídos no conceito de acidente de trabalho:

  • manifestação precoce de doença relacionada ao trabalho, mas que ocorre também na população em geral, sem associação com as condições de trabalho
  • doença ou distúrbios funcionais sem relação causal com as condições de trabalho, mas onde fatores do local de trabalho podem contribuir para acelerar ou agravar a doença.

 

Este amplo conceito de acidente de trabalho é aplicado desde 1977 e não foi alterado na lei alterada em vigor desde 1 de Janeiro de 1993. Isto significa que não existe uma lista fechada de doenças profissionais. Também não é feita qualquer distinção entre as doenças de origem profissional e as relacionadas com o trabalho. O reconhecimento da doença ou perturbação funcional comunicada pelo sinistrado (que se encontra abrangido pela Segurança Social) como acidente de trabalho depende da prova apresentada pelo requerente.

A utilização desse conceito amplo visa tornar o sistema capaz de identificar qualquer agravo à saúde que possa ter contribuído ou causado pelas condições de trabalho.

O agente perigoso no local de trabalho

O reconhecimento de uma lesão ocupacional depende da identificação de um agente perigoso no local de trabalho. Se tal agente não puder ser identificado e avaliado como suficientemente relevante para o tipo de lesão em questão, a doença ou incapacidade funcional não pode ser aprovada como um caso de lesão ocupacional.

Agente perigoso implica qualquer agente físico, químico ou outro que possa afetar adversamente o estado de saúde dos empregados. Existem algumas limitações em relação ao escopo. A lei não considera como agentes perigosos fatores relacionados ao fechamento de empresas, disputas trabalhistas, falta de apoio social ou não adaptação à cultura vigente no local de trabalho e outras condições semelhantes.

Os requisitos da lei em vigor a partir de 1º de janeiro de 1993 foram definidos como: “Um agente perigoso é um fator que com alta probabilidade pode causar doença ou deficiência”.

Esta formulação representa – em comparação com a lei em vigor até 31 de dezembro de 1992 – um maior nível de exigência sobre a prova a ser considerada pelos conselhos de segurança social. Também está explícito nos textos explicativos anexados à legislação que as avaliações de propriedades perigosas do agente em questão devem obedecer a uma corrente de opinião – ou idealmente um consenso – entre especialistas médicos qualificados. Se houver opiniões de especialistas diversas e divergentes sobre a avaliação de propriedades perigosas, o critério de alta probabilidade não será satisfeito.

A avaliação do agente perigoso também implica uma avaliação da quantidade. A exposição ao agente em questão deve ser considerada em relação à duração, intensidade e outros critérios julgados para determinar propriedades perigosas.

Relacionamento casual

Uma vez estabelecida a existência ou ocorrência anterior de um agente perigoso como altamente provável - o que neste contexto também inclui uma avaliação de quantidade - o próximo passo é chegar a um julgamento conclusivo sobre a plausibilidade de uma relação causal no caso individual em questão. A regra geral a seguir é que o peso da evidência deve ser a favor da causalidade para o reconhecimento da doença ou problema de saúde como uma lesão ocupacional. De acordo com a legislação anterior, em vigor até 31 de Dezembro de 1992, o conceito de causalidade era significativamente mais flexível. A causalidade foi presumida uma vez que a presença de um agente perigoso foi aceita como uma probabilidade e nenhuma evidência em contrário pode ser apresentada. O ônus da prova já foi invertido. O requisito agora é um peso positivo de evidência em favor de uma relação causal. Na prática, isso significa que surge a necessidade de também considerar explicações causais alternativas. Isso pode incluir, por exemplo, aspectos do estilo de vida e atividades de lazer do requerente ou situação pessoal em geral.

Avaliação da Vulnerabilidade Individual

O princípio básico na implementação da legislação é que todos os segurados devem ser aceitos, com suas fragilidades e vulnerabilidades constitucionais. Este princípio pode dar origem a dificuldades consideráveis, por exemplo, na avaliação de problemas de saúde relacionados com reacções de hipersensibilidade e doenças alérgicas. Pode ser muito difícil fazer julgamentos informados das contribuições relativas da constituição da pessoa e dos fatores ambientais/ocupacionais, respectivamente. A dificuldade em tais casos surge na definição e avaliação das propriedades do agente perigoso. O agente (por exemplo, exposição a um produto químico no local de trabalho ou a um poluente do ar) pode ser inofensivo para a maioria das pessoas expostas, mas não para aquelas que são particularmente suscetíveis.

Indenização por Lesões Ocupacionais e Ação Preventiva

O sistema legal sueco para pagamento de indenização a pessoas feridas e os sistemas legais para aplicação de medidas preventivas de saúde ocupacional são separados e não estão diretamente relacionados. A taxa de acidentes de trabalho ou lesões ocupacionais não afeta o nível de contribuições financeiras dos empregadores ou das empresas. Isso às vezes é chamado de taxa fixa de pagamento.

O sistema de compensação funciona apenas para pagamentos a pessoas com lesões ocupacionais reconhecidas e não tem influência na execução de ações preventivas.

As mesmas regras se aplicam à reabilitação profissional, independentemente de a doença ou lesão ter sido reconhecida como lesão profissional ou não. O empregador tem a obrigação, em princípio, de tomar medidas para iniciar um processo de reabilitação quando os trabalhadores estiverem ausentes do trabalho por 4 semanas ou mais.

O Papel dos Parceiros Sociais

A legislação de seguro social não concede aos parceiros sociais (ou seja, organizações de empregadores e sindicatos) nenhum papel na rejeição ou aprovação de pedidos de indenização por lesões ocupacionais. No nível da empresa, o empregador é obrigado por lei a repassar ao sistema de seguro social qualquer reclamação por acidente de trabalho apresentada por um empregado. As organizações sindicais comumente fornecem aconselhamento e apoio aos reclamantes entre seus membros. Essa assistência inclui a elaboração de reivindicações, exame das condições do local de trabalho e aconselhamento.

A situação atual

Desde que a presente legislação entrou oficialmente em vigor, as autoridades supervisoras estiveram em grande parte ocupadas com o acúmulo considerável de lesões relatadas sob a legislação anterior. Isso significa que há apenas uma experiência limitada com a presente lei e as estatísticas públicas oficiais estão incompletas.

Atualmente, há necessidade de elaborar diretrizes práticas para a implementação da legislação. O Fundo Sueco de Seguros do Mercado de Trabalho (TFA) — em conjunto com o Instituto Nacional para a Vida Profissional — publicou recentemente um relatório descrevendo a extensão do conhecimento sobre doenças e fatores ocupacionais para categorias de doenças selecionadas. No momento, essas descrições estão disponíveis para doenças tumorais, doenças do sistema nervoso, doenças do pulmão e da pleura, doenças malignas, doenças cardiovasculares, doenças de pele e perda auditiva relacionada ao trabalho (Instituto Nacional para Vida Profissional e Mercado de Trabalho No -Fault Liability Insurance Trust 1995). Um outro volume sobre distúrbios psicológicos e transtornos mentais relacionados ao estresse está sendo preparado.

Antes da mudança da lei de indenização por acidentes de trabalho, o nível de doenças ocupacionais no início da década de 1990 era de cerca de 50,000 a 55,000 sinistros reconhecidos anualmente. O número de acidentes ocupacionais relatados e reconhecidos durante esse período foi de 20,000 a 22,000. As doenças musculoesqueléticas constituíram a maior parte (80%) das doenças ocupacionais relatadas.

Um fator importante que afeta os níveis de acidentes de trabalho relatados é a coordenação automática dos pagamentos recebidos do sistema de acidentes de trabalho e do sistema geral de benefícios por doença, respectivamente. Em 1993, o tempo de coordenação foi aumentado de 90 dias para 180 dias. Isto implica que uma lesão ou doença, embora causalmente relacionada com o trabalho, não é compensada, a menos que conduza a uma ausência prolongada do trabalho (mais de 180 dias) ou a uma incapacidade permanente. A compensação durante o primeiro período de 180 dias está coberta pelo regime geral de prestações de doença.

Espera-se que o número de acidentes de trabalho notificados e, consequentemente, de casos reconhecidos diminua significativamente a partir de um futuro próximo. As rotinas estatísticas oficiais ainda não foram adaptadas às mudanças na legislação. Isto significa que o número de notificações e acidentes de trabalho reconhecidos registados até à data são compostos por sinistros ao abrigo da legislação anterior e sinistros regularizados com base na legislação em vigor a partir de 1 de Janeiro de 1993. Em consequência, o as estatísticas oficiais não podem, neste momento, descrever o impacto das alterações na legislação acima referidas.

 

Voltar

Leia 5615 vezes Última modificação em terça-feira, 26 de julho de 2022 19:07

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Compensação dos Trabalhadores, Tópicos em Referências

Abenhaim, L e S Suissa. 1987. Importância e carga econômica da dor nas costas ocupacional. J Occup Med 29:670-674.

Aronoff, GM, PW McLary, A Witkower e MS Berdell. 1987. Programas de tratamento da dor: eles devolvem os trabalhadores ao local de trabalho? J Occup Med 29:123-136.

Berthelette, D. 1982. Efeitos do pagamento de incentivos na segurança do trabalhador. Nº 8062t. Montreal: IRSST.

Brody, B, Y Letourneau e A Poirier. 1990. Teoria do custo indireto da prevenção de acidentes de trabalho. J Occup Ac 13:255-270.

Hambúrguer, EJ. 1989. Reestruturação da compensação dos trabalhadores para prevenir doenças ocupacionais. Ann NY Acad Sci 572:282-283.

Choi, BCK. 1992. Definição, fontes, magnitude, modificadores de efeito e estratégias de redução do efeito do trabalhador saudável. J Occup Med 34:979-988.

Cousineau, JM, R Lacroix e AM Girard. 1989. Riscos Ocupacionais e Diferenciais de Compensação Salarial. Cahier 2789. Montreal: CRDE, Montreal Univ.

Dejours, C. 1993. Ergonomia, saúde ocupacional e estado de saúde de grupos de trabalhadores. Em Ergonomics and Health, editado por D Ramaciotti e A Bousquet. Genebra: Higiene Médica.

Durrafourg, J e B Pélegrin. 1993. Prevenção como benefício. Em Ergonomia e Saúde, editado por Ramaciotti e Bousquet. Genebra: Higiene Médica.

Euzéby, A. 1993. Financiamento da Seguridade Social: Eficácia Econômica e Direitos Sociais. Genebra: OIT.

Faverge, JM. 1977. Análise de fatores de risco de segurança no local de trabalho. Rev Epidemiol Santé Publ 25:229-241.

François, M e D Liévin. 1993. Existe um risco específico para empregos incertos? Em Ergonomia e Saúde, editado por Ramaciotti e Bousquet. Genebra: Higiene Médica.

Gressot, M e P Rey. 1982. Análise estatística de lesões ocupacionais usando dados CNA (Suíça). Sozial-und Präventivmedizin 27:167-172.

Helmkamp, ​​JC e CM Bone. 1987. O efeito do tempo em um novo emprego nas taxas de hospitalização por acidentes e ferimentos na Marinha dos EUA, de 1977 a 1983. J Occup Med 29:653-659.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1964. Convenção sobre Benefícios de Lesão no Trabalho, 1964 (No. 121) e Recomendação, 1964 (No. 121). Genebra: OIT.

—. 1993. Anais do Simpósio Internacional sobre Doenças Relacionadas ao Trabalho: Prevenção e Promoção da Saúde (outubro de 1992). Linz: OIT.

Johnson, MR e BA Schmieden. 1992. Desenvolvimento de um serviço de informação baseado em biblioteca para o tema da compensação do trabalhador: Uma proposta. J Occup Med 34:975-977.

Judd, FK e GD Burrows. 1986. Compensação e reabilitação em psiquiatria. Med J Austral 144:131-135.

Laflamme, L e A Arsenault. 1984. Modalidades salariais e acidentes de trabalho. Ind Relat J 39:509-525.

Léger, JP e I Macun. 1990. Segurança na indústria sul-africana: Análise de estatísticas de acidentes. J Occup Med 11:197-220.

Mallino, DL. 1989. A compensação dos trabalhadores e a prevenção de doenças profissionais. Ann NY Acad Sci 572:271-277.

Mikaelsson, B e C Lister. 1991. Seguro sueco de acidentes de trabalho: um programa louvável que precisa de reforma. Int Soc Sec Rev 44:39-50.

Morabia, A. 1984. O Sistema Preventivo Italiano para o Ambiente de Trabalho. Cahiers ECOTRA, No. 5. Geneva: Geneva Univ.

National Institute for Working Life and Labor Market No-Fault Insurance Trust. 1995. Doença ocupacional. Agente perigoso no trabalho: Lesão relacionada ao trabalho (em sueco). Arbete och hälsa 16:1-219.

Niemcryk, SJ, CD Jenkins, RM Rose e MW Hurst. 1987. O impacto prospectivo de variáveis ​​psicológicas nas taxas de doenças e lesões em funcionários profissionais. J Occup Med 29:645-652.

Lei oficial sobre seguro de acidentes de trabalho. 1993. Ref. SFS 1976:380 com emendas no SFS 1993:357 (em sueco).

Rey, P e A. Bousquet. 1995. Compensação por lesões e doenças ocupacionais: seu efeito sobre a prevenção no local de trabalho. Ergonomia 38:475-486.

Rey, P, V Gonik e D Ramaciotti. 1984. Medicina Ocupacional Dentro do Sistema de Saúde Suíço. Genebra: Cahiers ECOTRA, No. 4. Genebra: Geneva Univ.

Rey, P, JJ Meyer e A Bousquet. 1991. Trabalhadores em uso de VDT: Dificuldades no local de trabalho e atitude do médico do trabalho nesse caso. Em Ergonomics, Health and Safety, editado por Singleton e Dirkx. Leuven: Leuven Univ. Imprensa.

Stonecipher, LJ e GC Hyner. 1993. Práticas de saúde antes e depois de uma triagem de saúde no local de trabalho. J Occup Med 35:297-305.

Tchopp, P. 1995. Crises et mutations économiques: l'impact sur la securité sociale. Réalités Sociales. 29:75-83.

Von Allmen, M e D Ramaciotti.1993. LBP ocupação e vida cotidiana. FNRS nº 402-7068.

Walsh, N e D Dumitru. 1988. A influência da compensação na recuperação da LPB. In Back Pain in Workers, editado por Rayo. Filadélfia: Hanley & Belfus.

Walters, V e T Haines. 1988. Utilização e conhecimento dos trabalhadores do “sistema de responsabilidade interna”. Limites à participação em saúde e segurança ocupacional. Política de Saúde Canadense 14:411-423.

Warshaw, LJ. 1988. Estresse ocupacional. Occup Med: State Art Rev 3:587-593.

Yassi, A.1983. Desenvolvimentos recentes na compensação do trabalhador. Primeira Conferência Anual do Conselho Canadense de Medicina Ocupacional, novembro, Toronto.