Segunda-feira, 07 Março 2011 18: 51

Análise de Atividades, Tarefas e Sistemas de Trabalho

Classifique este artigo
(0 votos)

É difícil falar de análise do trabalho sem colocá-la na perspectiva das mudanças recentes no mundo industrial, pois a natureza das atividades e as condições em que são realizadas têm evoluído consideravelmente nos últimos anos. Os fatores que deram origem a essas mudanças foram numerosos, mas há dois cujo impacto se revelou crucial. Por um lado, o progresso tecnológico com seu ritmo cada vez mais acelerado e as convulsões trazidas pelas tecnologias da informação revolucionaram os empregos (De Keyser 1986). Por outro lado, a incerteza do mercado econômico tem exigido maior agilidade na gestão de pessoas e na organização do trabalho. Se os trabalhadores obtiveram uma visão mais ampla do processo produtivo, menos rotineiro e sem dúvida mais sistemático, ao mesmo tempo perderam vínculos exclusivos com um ambiente, uma equipe, uma ferramenta de produção. É difícil encarar com serenidade estas mudanças, mas temos de encarar o facto de se ter criado uma nova paisagem industrial, por vezes mais enriquecedora para os trabalhadores que nela se encontram, mas também repleta de armadilhas e preocupações para quem são marginalizados ou excluídos. No entanto, uma ideia está sendo acolhida nas empresas e confirmada por experimentos-piloto em muitos países: deve ser possível orientar as mudanças e amenizar seus efeitos adversos com o uso de análises relevantes e utilizando todos os recursos para negociação entre os diferentes setores de trabalho atores. É neste contexto que devemos situar hoje as análises do trabalho – como ferramentas que permitem descrever melhor tarefas e atividades para orientar intervenções de diversa índole, como a formação, a configuração de novos modos de organização ou o desenho de ferramentas e de trabalho. sistemas. Falamos de análises, e não apenas de uma análise, pois existe um grande número delas, dependendo dos contextos teóricos e culturais em que são desenvolvidas, dos objetivos particulares que perseguem, das evidências que coletam ou da preocupação do analista por especificidade ou generalidade. Neste artigo, nos limitaremos a apresentar algumas características da análise do trabalho e enfatizar a importância do trabalho coletivo. Nossas conclusões evidenciarão outros caminhos que os limites deste texto nos impedem de percorrer com maior profundidade.

Algumas Características da Análise do Trabalho

O contexto

Se o objetivo principal de qualquer análise do trabalho é descrever o que o operador pareceou deveria fazer, colocá-lo com mais precisão em seu contexto muitas vezes pareceu indispensável para os pesquisadores. Eles mencionam, de acordo com seus próprios pontos de vista, mas de maneira amplamente semelhante, os conceitos de contexto, situação, meio Ambiente, domínio de trabalho, mundo do trabalho or ambiente de trabalho. O problema reside menos nas nuances entre esses termos do que na seleção de variáveis ​​que precisam ser descritas para dar-lhes um significado útil. Com efeito, o mundo é vasto e a indústria é complexa, e as características a que se podem referir são inúmeras. Duas tendências podem ser observadas entre os autores da área. A primeira vê a descrição do contexto como um meio de captar o interesse do leitor e fornecer-lhe um quadro semântico adequado. A segunda tem uma perspectiva teórica diferente: tenta abarcar tanto o contexto quanto a atividade, descrevendo apenas os elementos do contexto que são capazes de influenciar o comportamento dos operadores.

A estrutura semântica

O contexto tem poder evocativo. Basta, para um leitor informado, ler sobre um operador em uma sala de controle engajado em um processo contínuo para evocar um quadro de trabalho através de comandos e vigilância à distância, onde predominam as tarefas de detecção, diagnóstico e regulação. Quais variáveis ​​precisam ser descritas para criar um contexto suficientemente significativo? Tudo depende do leitor. No entanto, há um consenso na literatura sobre algumas variáveis-chave. o natureza do setor econômico, o tipo de produção ou serviço, o tamanho e a localização geográfica do local são úteis.

Os processos de produção, o ferramentas ou máquinas e seus nível de automação permitem que certas restrições e certas qualificações necessárias sejam adivinhadas. o estrutura do pessoal, a par da idade e nível de qualificação e experiência são dados cruciais sempre que a análise incida sobre aspetos de formação ou de flexibilidade organizacional. o organização do trabalho estabelecido depende mais da filosofia da empresa do que da tecnologia. Sua descrição inclui, notadamente, os horários de trabalho, o grau de centralização das decisões e os tipos de controle exercido sobre os trabalhadores. Outros elementos podem ser adicionados em diferentes casos. Eles estão ligados à história e cultura da empresa, sua situação econômica, condições de trabalho e qualquer reestruturação, fusão e investimento. Existem pelo menos tantos sistemas de classificação quantos são os autores, e existem numerosas listas descritivas em circulação. Na França, um esforço especial foi feito para generalizar métodos descritivos simples, permitindo notadamente a classificação de certos fatores de acordo com sua satisfação ou não pelo operador (RNUR 1976; Guelaud et al. 1977).

A descrição dos fatores relevantes sobre a atividade

A taxonomia de sistemas complexos descrita por Rasmussen, Pejtersen e Schmidts (1990) representa uma das tentativas mais ambiciosas de cobrir ao mesmo tempo o contexto e sua influência sobre o operador. A sua ideia principal é integrar, de forma sistemática, os diferentes elementos de que é composto e evidenciar os graus de liberdade e os constrangimentos dentro dos quais as estratégias individuais podem ser desenvolvidas. Seu objetivo exaustivo dificulta a manipulação, mas o uso de múltiplos modos de representação, incluindo gráficos, para ilustrar as restrições tem um valor heurístico que certamente será atraente para muitos leitores. Outras abordagens são mais direcionadas. O que os autores buscam é a seleção de fatores que podem influenciar uma atividade específica. Assim, com interesse no controle de processos em um ambiente em mudança, Brehmer (1990) propõe uma série de características temporais do contexto que afetam o controle e a antecipação do operador (ver figura 1). A tipologia deste autor foi desenvolvida a partir de “micro-mundos”, simulações computadorizadas de situações dinâmicas, mas o próprio autor, junto com muitos outros desde então, usou-o para a indústria de processo contínuo (Van Daele 1992). Para certas atividades, a influência do ambiente é bem conhecida e a seleção de fatores não é muito difícil. Assim, se nos interessamos pela frequência cardíaca no ambiente de trabalho, muitas vezes nos limitamos a descrever as temperaturas do ar, as restrições físicas da tarefa ou a idade e o treinamento do sujeito - embora saibamos que, ao fazê-lo, talvez deixemos elementos relevantes. Para outros, a escolha é mais difícil. Estudos sobre erro humano, por exemplo, mostram que os fatores capazes de produzi-los são numerosos (Reason 1989). Por vezes, quando o conhecimento teórico é insuficiente, apenas o processamento estatístico, combinando a análise do contexto e da atividade, permite-nos trazer à tona os fatores contextuais relevantes (Fadier 1990).

Figura 1. Os critérios e subcritérios da taxonomia dos micromundos proposta por Brehmer (1990)

ERG040T1

A tarefa ou a atividade?

A tarefa

A tarefa é definida por seus objetivos, suas restrições e os meios que requer para sua realização. Uma função dentro da empresa é geralmente caracterizada por um conjunto de tarefas. A tarefa realizada difere da tarefa prescrita agendada pela empresa por um grande número de razões: as estratégias dos operadores variam dentro e entre os indivíduos, o ambiente flutua e eventos aleatórios requerem respostas que muitas vezes estão fora da estrutura prescrita. finalmente, o tarefa nem sempre é agendado com o correto conhecimento das suas condições de execução, daí a necessidade de adaptações em tempo real. Mas mesmo que a tarefa seja atualizada durante a atividade, às vezes a ponto de se transformar, ela continua sendo a referência central.

Questionários, inventários e taxonomias de tarefas são numerosos, especialmente na literatura de língua inglesa – o leitor encontrará excelentes revisões em Fleishman e Quaintance (1984) e em Greuter e Algera (1989). Alguns desses instrumentos são apenas listas de elementos – por exemplo, os verbos de ação para ilustrar tarefas – que são marcados de acordo com a função estudada. Outros adotaram um princípio hierárquico, caracterizando uma tarefa como elementos interligados, ordenados do global ao particular. Esses métodos são padronizados e podem ser aplicados a um grande número de funções; eles são simples de usar e o estágio analítico é muito reduzido. Mas quando se trata de definir um trabalho específico, eles são estáticos e gerais demais para serem úteis.

Em seguida, estão aqueles instrumentos que exigem maior habilidade do pesquisador; como os elementos de análise não são pré-definidos, cabe ao pesquisador caracterizá-los. Pertence a este grupo a já ultrapassada técnica do incidente crítico de Flanagan (1954), em que o observador descreve uma função por referência às suas dificuldades e identifica os incidentes que o indivíduo terá de enfrentar.

É também o caminho adotado pela análise cognitiva de tarefas (Roth e Woods, 1988). Esta técnica visa trazer à tona os requisitos cognitivos de um trabalho. Uma maneira de fazer isso é dividir o trabalho em objetivos, restrições e meios. A Figura 2 mostra como a tarefa do anestesista, caracterizada inicialmente por um objetivo muito global de sobrevivência do paciente, pode ser decomposta em uma série de subobjetivos, que podem ser classificados como ações e meios a serem empregados. Foram necessárias mais de 100 horas de observação no bloco operatório e subsequentes entrevistas com os anestesistas para obter esta “fotografia” sinóptica dos requisitos da função. Essa técnica, embora bastante trabalhosa, é útil em ergonomia para determinar se todos os objetivos de uma tarefa são fornecidos com os meios para alcançá-los. Também permite compreender a complexidade de uma tarefa (suas dificuldades particulares e objetivos conflitantes, por exemplo) e facilita a interpretação de certos erros humanos. Mas sofre, como outros métodos, da ausência de uma linguagem descritiva (Grant e Mayes 1991). Além disso, não permite formular hipóteses sobre a natureza dos processos cognitivos acionados para atingir os objetivos em questão.

Figura 2. Análise cognitiva da tarefa: anestesia geral

ERG040F1

Outras abordagens analisaram os processos cognitivos associados a determinadas tarefas, elaborando hipóteses quanto ao processamento de informações necessário para realizá-las. Um modelo cognitivo desse tipo frequentemente empregado é o de Rasmussen (1986), que fornece, de acordo com a natureza da tarefa e sua familiaridade com o sujeito, três níveis possíveis de atividade baseados em hábitos e reflexos baseados em habilidades, em regra adquirida procedimentos baseados em conhecimento ou em procedimentos baseados em conhecimento. Mas outros modelos ou teorias que atingiram o auge de sua popularidade durante a década de 1970 permanecem em uso. Assim, a teoria do controle ótimo, que considera o homem como um controlador de discrepâncias entre metas atribuídas e observadas, às vezes ainda é aplicada a processos cognitivos. E a modelagem por meio de redes de tarefas interconectadas e fluxogramas continua a inspirar os autores da análise de tarefas cognitivas; A figura 3 fornece uma descrição simplificada das sequências comportamentais em uma tarefa de controle de energia, construindo uma hipótese sobre certas operações mentais. Todas essas tentativas refletem a preocupação dos pesquisadores em reunir na mesma descrição não apenas elementos do contexto, mas também a própria tarefa e os processos cognitivos que a fundamentam – e também refletir o caráter dinâmico do trabalho.

Figura 3. Descrição simplificada dos determinantes de uma sequência de comportamento em tarefas de controle de energia: um caso de consumo inaceitável de energia

ERG040F2

Desde o advento da organização científica do trabalho, o conceito de tarefa prescrita tem sido criticado por ser visto como imposição aos trabalhadores de tarefas que não são apenas projetadas sem consultar suas necessidades, mas muitas vezes acompanhadas de tempo de execução específico , uma restrição não bem recebida por muitos trabalhadores. Mesmo que o aspecto da imposição tenha se tornado bastante mais flexível hoje e mesmo que os trabalhadores contribuam com mais frequência para o desenho das tarefas, um tempo designado para as tarefas continua sendo necessário para o planejamento do cronograma e continua sendo um componente essencial da organização do trabalho. A quantificação do tempo nem sempre deve ser percebida de forma negativa. Constitui um valioso indicador de carga de trabalho. Um método simples, mas comum, de medir a pressão de tempo exercida sobre um trabalhador consiste em determinar o quociente do tempo necessário para a execução de uma tarefa dividido pelo tempo disponível. Quanto mais próximo este quociente estiver da unidade, maior será a pressão (Wickens 1992). Além disso, a quantificação pode ser usada na gestão de pessoal flexível, mas adequada. Tomemos o caso das enfermeiras onde a técnica de análise preditiva de tarefas foi generalizada, por exemplo, na regulamentação canadense Planejamento de Enfermagem Necessário (PRN 80) (Kepenne 1984) ou uma de suas variantes européias. Graças a essas listas de tarefas, acompanhadas de seu tempo de execução, pode-se, todas as manhãs, levando em consideração o número de pacientes e suas condições médicas, estabelecer um cronograma de atendimento e uma distribuição de pessoal. Longe de ser um constrangimento, o PRN 80 tem demonstrado, em vários hospitais, que existe escassez de pessoal de enfermagem, uma vez que a técnica permite estabelecer uma diferença (ver figura 4) entre o desejado e o observado, ou seja, entre o número de pessoal necessário e o número disponível, e mesmo entre as tarefas planejadas e as tarefas executadas. Os tempos calculados são apenas médias e as flutuações da situação nem sempre os tornam aplicáveis, mas esse aspecto negativo é minimizado por uma organização flexível que aceita ajustes e permite que o pessoal participe da realização desses ajustes.

Figura 4. Discrepâncias entre os números de pessoal presente e necessário com base no PRN80

ERG040F3

A atividade, a evidência e o desempenho

Uma atividade é definida como o conjunto de comportamentos e recursos utilizados pelo operador para que ocorra o trabalho, ou seja, a transformação ou produção de um bem ou a prestação de um serviço. Essa atividade pode ser compreendida através da observação de diferentes maneiras. Faverge (1972) descreveu quatro formas de análise. A primeira é uma análise em termos de gestos e posturas, onde o observador localiza, dentro da atividade visível do operador, classes de comportamento reconhecíveis e repetidas durante o trabalho. Muitas vezes, essas atividades são associadas a uma resposta precisa: por exemplo, a frequência cardíaca, que permite avaliar a carga física associada a cada atividade. A segunda forma de análise é em termos de captação de informações. O que se descobre, por observação direta – ou com auxílio de câmeras ou gravadores de movimentos oculares – é o conjunto de sinais captados pelo operador no campo de informação que o cerca. Esta análise é particularmente útil na ergonomia cognitiva na tentativa de compreender melhor o processamento da informação realizado pelo operador. O terceiro tipo de análise é em termos de regulamento. A ideia é identificar os ajustes de atividade realizados pelo operador para lidar com flutuações no ambiente ou mudanças em sua própria condição. Aí encontramos a intervenção direta do contexto na análise. Um dos projetos de pesquisa mais citados nesta área é o de Sperandio (1972). Este autor estudou a atividade dos controladores de tráfego aéreo e identificou importantes mudanças de estratégia durante o aumento do tráfego aéreo. Ele os interpretou como uma tentativa de simplificar a atividade, visando manter um nível de carga aceitável, ao mesmo tempo em que continua atendendo aos requisitos da tarefa. A quarta é uma análise em termos de processos de pensamento. Esse tipo de análise tem sido muito utilizado na ergonomia de postos altamente automatizados. Com efeito, a concepção de ajudas informatizadas e nomeadamente ajudas inteligentes para o operador requer um conhecimento profundo da forma como o operador raciocina para resolver determinados problemas. O raciocínio envolvido no agendamento, na antecipação e no diagnóstico tem sido objeto de análises, cujo exemplo pode ser encontrado na figura 5. No entanto, evidências de atividade mental podem ser apenas inferidas. Além de certos aspectos observáveis ​​do comportamento, como movimentos oculares e tempo de resolução de problemas, a maioria dessas análises recorre à resposta verbal. Particular ênfase tem sido dada, nos últimos anos, aos conhecimentos necessários à realização de determinadas atividades, procurando os investigadores não postulá-los à partida, mas torná-los aparentes através da própria análise.

Figura 5. Análise da atividade mental. Estratégias no controle de processos com longos tempos de resposta: a necessidade de apoio informatizado no diagnóstico

ERG040T2

Tais esforços trouxeram à tona o fato de que desempenhos quase idênticos podem ser obtidos com níveis de conhecimento muito diferentes, desde que os operadores conheçam seus limites e apliquem estratégias adaptadas às suas capacidades. Assim, em nosso estudo sobre a partida de uma usina termelétrica (De Keyser e Housiaux 1989), as partidas foram realizadas tanto por engenheiros quanto por operadores. Os conhecimentos teóricos e procedimentais que esses dois grupos possuíam, obtidos por meio de entrevistas e questionários, eram muito diferentes. Os operadores, em particular, às vezes tinham um entendimento errôneo das variáveis ​​nos links funcionais do processo. Apesar disso, os desempenhos dos dois grupos foram muito próximos. Mas os operadores levaram em conta mais variáveis ​​para verificar o controle da partida e fizeram verificações mais frequentes. Tais resultados também foram obtidos por Amalberti (1991), que mencionou a existência de um metaconhecimento que permite aos especialistas gerenciar seus próprios recursos.

O Quê evidência de atividade é apropriado eliciar? Sua natureza, como vimos, depende estreitamente da forma de análise planejada. Sua forma varia de acordo com o grau de cuidado metodológico exercido pelo observador. Provocado evidência é diferenciada de espontâneo provas e concomitante da subseqüente evidência. De um modo geral, quando a natureza do trabalho o permite, dá-se preferência às provas concomitantes e espontâneas. Eles estão livres de vários inconvenientes, como a falta de confiabilidade da memória, a interferência do observador, o efeito da reconstrução racionalizante por parte do sujeito e assim por diante. Para ilustrar essas distinções, tomaremos o exemplo das verbalizações. As verbalizações espontâneas são trocas verbais, ou monólogos expressos espontaneamente sem serem solicitados pelo observador; as verbalizações provocadas são aquelas feitas a pedido específico do observador, como a solicitação feita ao sujeito para “pensar em voz alta”, bem conhecida na literatura cognitiva. Ambos os tipos podem ser realizados em tempo real, durante o trabalho, sendo, portanto, concomitantes.

Podem também ser subsequentes, como em entrevistas, ou verbalizações dos sujeitos quando assistem a videoteipes de seu trabalho. Quanto à validade das verbalizações, o leitor não deve ignorar a dúvida levantada a esse respeito pela controvérsia entre Nisbett e De Camp Wilson (1977) e White (1988) e os cuidados sugeridos por inúmeros autores cientes de sua importância no estudo da atividade mental em vista das dificuldades metodológicas encontradas (Ericson e Simon 1984; Savoyant e Leplat 1983; Caverni 1988; Bainbridge 1986).

A organização dessas evidências, seu processamento e sua formalização requerem linguagens descritivas e, por vezes, análises que vão além da observação de campo. Aquelas atividades mentais que são inferidas das evidências, por exemplo, permanecem hipotéticas. Hoje eles são frequentemente descritos usando linguagens derivadas da inteligência artificial, fazendo uso de representações em termos de esquemas, regras de produção e redes de conexão. Além disso, o uso de simulações computadorizadas – de micromundos – para identificar certas atividades mentais tornou-se generalizado, embora a validade dos resultados obtidos dessas simulações computadorizadas, em vista da complexidade do mundo industrial, esteja sujeita a debate. Finalmente, devemos mencionar as modelagens cognitivas de certas atividades mentais extraídas do campo. Entre os mais conhecidos está o diagnóstico do operador de uma usina nuclear, realizado em ISPRA (Decortis e Cacciabue 1990), e o planejamento do piloto de combate aperfeiçoado em Centro de Estudos e Pesquisas de Medicina Aeroespacial (CERMA) (Amalberti et al. 1989).

A medição das discrepâncias entre o desempenho desses modelos e o de operadores reais e vivos é um campo frutífero na análise de atividades. Performance é o resultado da atividade, a resposta final dada pelo sujeito aos requisitos da tarefa. Expressa-se ao nível da produção: produtividade, qualidade, erro, incidente, acidente – e até, a um nível mais global, absentismo ou rotatividade. Mas também deve ser identificado no nível individual: a expressão subjetiva de satisfação, estresse, fadiga ou carga de trabalho e muitas respostas fisiológicas também são indicadores de desempenho. Apenas todo o conjunto de dados permite a interpretação da atividade – ou seja, julgar se ela promove ou não os objetivos desejados, permanecendo dentro dos limites humanos. Existe um conjunto de normas que, até certo ponto, orientam o observador. Mas essas normas não são situado— não levam em conta o contexto, suas flutuações e a condição do trabalhador. É por isso que na ergonomia do design, mesmo quando existem regras, normas e modelos, os designers são aconselhados a testar o produto usando protótipos o mais cedo possível e avaliar a atividade e o desempenho dos usuários.

Trabalho Individual ou Coletivo?

Enquanto na grande maioria dos casos o trabalho é um ato coletivo, a maioria das análises do trabalho se concentra em tarefas ou atividades individuais. No entanto, o fato é que a evolução tecnológica, assim como a organização do trabalho, enfatiza hoje o trabalho distribuído, seja entre trabalhadores e máquinas ou simplesmente dentro de um grupo. Que caminhos têm sido explorados pelos autores para levar em conta essa distribuição (Rasmussen, Pejtersen e Schmidts 1990)? Eles se concentram em três aspectos: estrutura, natureza das trocas e labilidade estrutural.

Estrutura

Quer vejamos a estrutura como elementos de análise de pessoas, ou de serviços, ou mesmo de diferentes ramos de uma empresa trabalhando em rede, a descrição dos elos que os unem permanece um problema. Estamos muito familiarizados com os organogramas dentro das empresas que indicam a estrutura de autoridade e cujas várias formas refletem a filosofia organizacional da empresa - muito hierarquicamente organizada para uma estrutura tipo Taylor, ou achatada como um ancinho, até mesmo como uma matriz, para um estrutura mais flexível. Outras descrições de atividades distribuídas são possíveis: um exemplo é dado na figura 6. Mais recentemente, a necessidade de as empresas representarem suas trocas de informações em nível global levou a um repensar dos sistemas de informação. Graças a certas linguagens descritivas - por exemplo, esquemas de design ou matrizes entidade-relação-atributo - a estrutura das relações no nível coletivo pode hoje ser descrita de maneira muito abstrata e pode servir como trampolim para a criação de sistemas de gerenciamento computadorizados. .

Figura 6. Projeto de ciclo de vida integrado

ERG040F5

A natureza das trocas

A simples descrição dos links que unem as entidades diz pouco sobre o próprio conteúdo das trocas; é claro que a natureza da relação pode ser especificada — movimento de um lugar para outro, transferências de informações, dependência hierárquica e assim por diante —, mas isso geralmente é bastante inadequado. A análise das comunicações dentro das equipes tornou-se um meio privilegiado para captar a própria natureza do trabalho coletivo, abrangendo assuntos mencionados, criação de uma linguagem comum em equipe, modificação das comunicações quando as circunstâncias são críticas e assim por diante (Tardieu, Nanci e Pascot 1985; Rolland 1986; Navarro 1990; Van Daele 1992; Lacoste 1983; Moray, Sanderson e Vincente 1989). O conhecimento destas interacções é particularmente útil para a criação de ferramentas informáticas, nomeadamente auxiliares de decisão para a compreensão dos erros. As diferentes etapas e as dificuldades metodológicas ligadas ao uso dessa evidência foram bem descritas por Falzon (1991).

Labilidade estrutural

É o trabalho em atividades, e não em tarefas, que abriu o campo da labilidade estrutural, ou seja, das constantes reconfigurações do trabalho coletivo sob a influência de fatores contextuais. Estudos como os de Rogalski (1991), que por um longo período analisaram as atividades coletivas de enfrentamento aos incêndios florestais na França, e de Bourdon e Weill Fassina (1994), que estudaram a estrutura organizacional montada para lidar com os acidentes ferroviários, são ambos muito informativo. Eles mostram claramente como o contexto molda a estrutura das trocas, o número e o tipo de atores envolvidos, a natureza das comunicações e o número de parâmetros essenciais ao trabalho. Quanto mais esse contexto flutua, mais as descrições fixas da tarefa se afastam da realidade. O conhecimento dessa labilidade e uma melhor compreensão dos fenômenos que nela ocorrem são essenciais para planejar o imprevisível e para melhor capacitar os envolvidos no trabalho coletivo em situação de crise.

Conclusões

As várias fases da análise de trabalho que foram descritas são uma parte iterativa de qualquer ciclo de design de fatores humanos (consulte a figura 6). Neste projeto de qualquer objeto técnico, seja uma ferramenta, uma estação de trabalho ou uma fábrica, em que os fatores humanos são levados em consideração, certas informações são necessárias a tempo. Em geral, o início do ciclo de projeto é caracterizado pela necessidade de dados envolvendo as condicionantes ambientais, os tipos de trabalhos a serem executados e as diversas características dos usuários. Essas informações iniciais permitem que as especificações do objeto sejam elaboradas de forma a levar em consideração os requisitos de trabalho. Mas isso é, em certo sentido, apenas um modelo grosseiro comparado à situação real de trabalho. Isso explica por que são necessários modelos e protótipos que, desde o início, permitam avaliar não os trabalhos em si, mas as atividades dos futuros usuários. Conseqüentemente, enquanto o design das imagens em um monitor em uma sala de controle pode ser baseado em uma análise cognitiva completa do trabalho a ser feito, apenas uma análise baseada em dados da atividade permitirá determinar com precisão se o protótipo realmente funcionará. ser útil na situação real de trabalho (Van Daele 1988). Uma vez que o objeto técnico acabado é colocado em operação, maior ênfase é colocada no desempenho dos usuários e em situações disfuncionais, como acidentes ou erro humano. A recolha deste tipo de informação permite efetuar as correções finais que irão aumentar a fiabilidade e usabilidade do objeto concluído. Tanto a indústria nuclear quanto a indústria aeronáutica servem de exemplo: o feedback operacional envolve o relato de todos os incidentes ocorridos. Desta forma, o loop de design fecha o círculo.

 

Voltar

Leia 11292 vezes Última modificação na sexta-feira, 15 Novembro 2019 14: 18

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de Ergonomia

Abeysekera, JDA, H Shahnavaz e LJ Chapman. 1990. Ergonomia em países em desenvolvimento. Em Advances in Industrial Ergonomics and Safety, editado por B Das. Londres: Taylor & Francis.

Ahonen, M, M Launis e T Kuorinka. 1989. Análise Ergonômica do Local de Trabalho. Helsinque: Instituto Finlandês de Saúde Ocupacional.

Alvares, C. 1980. Homo Faber: Tecnologia e Cultura na Índia, China e no Ocidente de 1500 até os dias atuais. Haia: Martinus Nijhoff.

Amalberti, R. 1991. Savoir-faire de l'opérateur: aspect théoriques et pratiques en ergonomia. In Modèle en analysis du travail, editado por R Amalberti, M de Montmollin e J Thereau. Liège: Mardaga.

Amalberti, R, M Bataille, G Deblon, A Guengant, JM Paquay, C Valot e JP Menu. 1989. Desenvolvimento de ajudas inteligentes na pilotagem: formalização psicológica e informática de um modelo de comportamento do pologage de combate engajado em missão de penetração. Paris: Relatório CERMA.

Åstrand, I. 1960. Capacidade de trabalho aeróbico em homens e mulheres com referência especial à idade. Acta Physiol Scand 49 Supl. 169:1-92.

Bainbridge, L. 1981. Le contrôleur de processus. B Psicol XXXIV:813-832.

—. 1986. Fazendo perguntas e acessando o conhecimento. Future Comput Sys 1:143-149.

Baitsch, C. 1985. Kompetenzentwicklung und partizipative Arbeitsgestaltung. Berna: Huber.

Banks, MH e RL Miller. 1984. Confiabilidade e validade convergente do inventário de componentes de trabalho. J Occup Psychol 57:181-184.

Baranson, J. 1969. Tecnologia Industrial para Economias em Desenvolvimento. Nova York: Praeger.

Bartenwerfer, H. 1970. Psychische Beanspruchung und Erdmüdung. In Handbuch der Psychologie, editado por A Mayer e B Herwig. Göttingen: Hogrefe.

Bartlem, CS e Locke E. 1981. O estudo de Coch e French: Uma crítica e reinterpretação. Hum Relat 34:555-566.

Blumberg, M. 1988. Rumo a uma nova teoria de design de trabalho. Em Ergonomics of Hybrid Automated Systems, editado por W Karwowski, HR Parsaei e MR Wilhelm. Amsterdã: Elsevier.

Bourdon, F e A Weill Fassina. 1994. Réseau et processus de coopération dans la gestion du trafic ferroviaire. Trabalho Hum. Numéro spécial consacré au travail collectif.

Brehmer, B. 1990. Rumo a uma taxonomia para micromundos. Em Taxonomia para uma Análise de Domínios de Trabalho. Proceedings of the First MOHAWC Workshop, editado por B Brehmer, M de Montmollin e J Leplat. Roskilde: Riso National Laboratory.

Brown DA e R Mitchell. 1986. O ergonomista de bolso. Sydney: Centro de Saúde Ocupacional do Grupo.

Bruder. 1993. Entwicklung eines wissensbusierten Systems zur besttungsanalytisch unterscheidbaren Erholungszeit. Dusseldorf: VDI-Verlag.

Caverni, J.P. 1988. La verbalisation comme source d'observables pour l'étude du fonctionnnement cognitif. Em Psychologie cognitiva: Modèles et méthodes, editado por JP
Caverni, C Bastien, P Mendelson e G Tiberghien. Grenoble: Prensas Univ. de Grenoble.

Campion, MA. 1988. Abordagens interdisciplinares para design de trabalho: Uma replicação construtiva com extensões. J Appl Psychol 73:467-481.

Campion, MA e PW Thayer. 1985. Desenvolvimento e avaliação de campo de uma medida interdisciplinar de design de trabalho. J Appl Psychol 70:29-43.

Carter, RC e RJ Biersner. 1987. Requisitos de trabalho derivados do Questionário de Análise de Posição e validade usando resultados de testes de aptidão militar. J Occup Psychol 60:311-321.

Chaffin, DB. 1969. Desenvolvimento de modelo biomecânico computadorizado e uso no estudo de ações corporais gerais. J Biomech 2:429-441.

Chaffin, DB e G Andersson. 1984. Biomecânica Ocupacional. Nova York: Wiley.

Chapanis, A. 1975. Variáveis ​​étnicas em Engenharia de Fatores Humanos. Baltimore: Universidade Johns Hopkins.

Coch, L e JRP French. 1948. Superando a resistência à mudança. Hum Relat 1:512-532.

Corlett, EN e RP Bishop. 1976. Uma técnica para avaliar o desconforto postural. Ergonomia 19:175-182.

Corlett, N. 1988. A investigação e avaliação do trabalho e locais de trabalho. Ergonomia 31:727-734.

Costa, G, G Cesana, K Kogi e A Wedderburn. 1990. Turnos de trabalho: saúde, sono e desempenho. Francoforte: Peter Lang.

Cotton, JL, DA Vollrath, KL Froggatt, ML Lengnick-Hall e KR Jennings. 1988. Participação dos empregados: diversas formas e diferentes resultados. Acad Manage Rev 13:8-22.

Cushman, WH e DJ Rosenberg. 1991. Fatores humanos em design de produto. Amsterdã: Elsevier.

Dachler, HP e B Wilpert. 1978. Dimensões conceituais e limites da participação nas organizações: uma avaliação crítica. Adm Sci Q 23:1-39.

Daftuar, CN. 1975. O papel dos fatores humanos nos países subdesenvolvidos, com referência especial à Índia. Em Variável étnica em engenharia de fator humano, editado por Chapanis. Baltimore: Universidade Johns Hopkins.

Das, B e RM Grady. 1983a. Projeto de layout de local de trabalho industrial. Uma aplicação da antropometria de engenharia. Ergonomia 26:433-447.

—. 1983b. A área de trabalho normal no plano horizontal. Um estudo comparativo entre os conceitos de Farley e Squire. Ergonomia 26:449-459.

Deci, EL. 1975. Motivação Intrínseca. Nova York: Plenum Press.

Decortis, F e PC Cacciabue. 1990. Modèlisation cognitiva e análise de l'activité. Em Modèles et pratiques de l'analyse du travail, editado por R Amalberti, M Montmollin e J Theureau. Bruxelas: Mardaga.

DeGreve, TB e MM Ayoub. 1987. Um sistema especialista em design de local de trabalho. Int J Ind Erg 2:37-48.

De Keyser, V. 1986. De l'évolution des métiers. In Traité de psychologie du travail, editado por C Levy-Leboyer e JC Sperandio. Paris: Presses Universitaires de France.

—. 1992. Homem na Linha de Produção. Actas da Quarta Conferência Brite-EuRam, 25-27 de Maio, Sevilha, Espanha. Bruxelas: CEE.

De Keyser, V e A Housiaux. 1989. A Natureza da Perícia Humana. Rapport Intermédiaire Politique Scientifique. Liège: Université de Liège.

De Keyser, V e AS Nyssen. 1993. Les erreurs humaines en anesthésie. Trabalho de parto Hum 56:243-266.

De Lisi, PS. 1990. Lição do machado de aço: Cultura, tecnologia e mudança organizacional. Sloan Manage Rev 32:83-93.

Dillon, A. 1992. Lendo do papel versus tela: Uma revisão crítica da literatura empírica. Ergonomics 35:1297-1326.

Dines, DF. 1992. Sondando os limites da capacidade funcional: Os efeitos da perda de sono em tarefas de curta duração. In Sleep, Arousal, and Performance, editado por RJ Broughton e RD Ogilvie. Boston: Birkhäuser.

Dryy, CG. 1987. Uma avaliação biomecânica do potencial de lesão por movimento repetitivo de trabalhos industriais. Sem Occup Med 2:41-49.

Edholm, OG. 1966. A avaliação da atividade habitual. In Physical Activity in Health and Disease, editado por K Evang e K Lange-Andersen. Oslo: Universitettetterlaget.

Eilers, K, F Nachreiner e K Hänicke. 1986. Entwicklung und Überprüfung einer Skala zur Erfassung subjektiv erlebter Anstrengung. Zeitschrift für Arbeitswissenschaft 40:215-224.

Elias, R. 1978. Uma abordagem médicobiológica da carga de trabalho. Nota No. 1118-9178 em Cahiers De Notes Documentaires—Sécurité Et Hygiène Du Travail. Paris: INRS.

Elzinga, A e A Jamison. 1981. Componentes Culturais na Atitude Científica em relação à Natureza: Modo Oriental e Ocidental. Documento de discussão nº 146. Lund: Univ. de Lund, Research Policy Institute.

Emery, FE. 1959. Características dos Sistemas Sócio-Técnicos. Documento nº 527. Londres: Tavistock.

Empson, J. 1993. Sleep and Dreaming. Nova York: Harvester Wheatsheaf.

Ericson, KA e HA Simon. 1984. Análise de protocolo: relatórios verbais como dados. Cambridge, Mass.: MIT Press.

Comitê Europeu de Normalização (CEN). 1990. Princípios ergonômicos do projeto de sistemas de trabalho. Diretiva 90/269/EEC do Conselho da EEC, Requisitos Mínimos de Saúde e Segurança para Movimentação Manual de Cargas. Bruxelas: CEN.

—. 1991. Catálogo CEN 1991: Catálogo de Normas Europeias. Bruxelas: CEN.

—. 1994. Safety of Machinery: Ergonomic Design Principles. Parte 1: Terminologia e Princípios Gerais. Bruxelas: CEN.

Fadier, E. 1990. Fiabilité humaine: méthodes d'analyse et domaines d'application. In Les facteurs humains de la fiabilité dans les systèmes complexes, editado por J Leplat e G De Terssac. Marselha: Octares.

Falzon, P. 1991. Diálogos cooperativos. Em Tomada de Decisão Distribuída. Cognitive Models for Cooperative Works, editado por J Rasmussen, B Brehmer e J Leplat. Chichester: Wiley.

Faverge, JM. 1972. L'analyse du travail. In Traité de psychologie appliqueé, editado por M Reuchlin. Paris: Presses Universitaires de France.

Fisher, S. 1986. Estresse e Estratégia. Londres: Erlbaum.

Flanagan, JL. 1954. A técnica do incidente crítico. Psychol Bull 51:327-358.

Fleishman, EA e MK Quaintance. 1984. Toxonomias do Desempenho Humano: A Descrição das Tarefas Humanas. Nova York: Academic Press.

Flügel, B, H Greil e K Sommer. 1986. Anthropologischer Atlas. Grundlagen und Daten. República Democrática Alemã. Berlim: Verlag tribune.

Folkard, S e T Akerstedt. 1992. Um modelo de três processos de regulação da sonolência em estado de alerta. In Sleep, Arousal and Performance, editado por RJ Broughton e BD Ogilvie. Boston: Birkhäuser.

Folkard, S e TH Monk. 1985. Horas de trabalho: Fatores temporais na programação do trabalho. Chichester: Wiley.

Folkard, S, TH Monk e MC Lobban. 1978. Ajuste de curto e longo prazo dos ritmos circadianos em enfermeiras noturnas “permanentes”. Ergonomia 21:785-799.

Folkard, S, P Totterdell, D Menores e J Waterhouse. 1993. Dissecando os ritmos circadianos de desempenho: Implicações para o trabalho em turnos. Ergonomia 36(1-3):283-88.

Froberg, JE. 1985. Privação do sono e jornada de trabalho prolongada. Em Hours of Work: Temporal Factors in Work Scheduling, editado por S Folkard e TH Monk. Chichester: Wiley.

Fuglesang, A. 1982. Sobre a compreensão de ideias e observações sobre interculturalidade
Comunicação. Uppsala: Dag Hammarskjöld Foundation.

Geertz, C. 1973. A Interpretação das Culturas. Nova York: Basic Books.

Gilad, I. 1993. Metodologia para avaliação ergonômica funcional de operações repetitivas. Em Advances in Industrial Egonomics and Safety, editado por Nielsen e Jorgensen. Londres: Taylor & Francis.

Gilad, I e E. Messer. 1992. Considerações biomecânicas e design ergonômico no polimento de diamante. Em Advances in Industrial Ergonomics and Safety, editado por Kumar. Londres: Taylor & Francis.

Glenn, ES e CG Glenn. 1981. Homem e Humanidade: Conflito e Comunicação entre Culturas. Norwood, NJ: Ablex.

Gopher, D e E Donchin. 1986. Carga de trabalho — Um exame do conceito. Em Handbook of Perception and Human Performance, editado por K Boff, L Kaufman e JP Thomas. Nova York: Wiley.

GOULD, JD. 1988. Como projetar sistemas utilizáveis. Em Handbook of Human Computer Interaction, editado por M Helander. Amsterdã: Elsevier.

Gould, JD e C. Lewis. 1985. Projetando para usabilidade: princípios-chave e o que os designers pensam. Comum ACM 28:300-311.

Gould, JD, SJ Boies, S Levy, JT Richards e J Schoonard. 1987. O sistema de mensagem olímpica de 1984: um teste dos princípios comportamentais do design. Comum ACM 30:758-769.

Gowler, D e K Legge. 1978. Participação no contexto: Rumo a uma síntese da teoria e prática da mudança organizacional, parte I. J Manage Stud 16:150-175.

Grady, JK e J de Vries. 1994. RAM: O Modelo de Aceitação da Tecnologia de Reabilitação como Base para uma Avaliação Integral do Produto. Instituut voor Research, Ontwikkeling en Nascholing em de Gezondheidszorg (IRON) e University Twente, Departamento de Engenharia Biomédica.

Grandjean, E. 1988. Ajustando a tarefa ao homem. Londres: Taylor & Francis.

Grant, S e T Mayes. 1991. Análise de tarefas cognitivas? Em Human-Computer Interactionand Complex Systems, editado por GS Weir e J Alty. Londres: Academic Press.

Greenbaum, J e M Kyng. 1991. Design At Work: Design Cooperativo de Sistemas de Computador. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.

Greuter, MA e JA Algera. 1989. Critério de desenvolvimento e análise de trabalho. Em Assessment and Selection in Organizations, editado por P Herlot. Chichester: Wiley.

Grote, G. 1994. Uma abordagem participativa para o projeto complementar de sistemas de trabalho altamente automatizados. Em Human Factors in Organizational Design and Management, editado por G Bradley e HW Hendrick. Amsterdã: Elsevier.

Guelaud, F, MN Beauchesne, J Gautrat e G Roustang. 1977. Pour une analyse des conditions du travail ouvrier dans l'entreprise. Paris: A. Colin.

Guillerm, R, E Radziszewski e A Reinberg. 1975. Ritmos circadianos de seis homens jovens saudáveis ​​durante um período de 4 semanas com trabalho noturno a cada 48 horas e uma atmosfera de 2 por cento de Co2. Em Experimental Studies of Shiftwork, editado por P Colquhoun, S Folkard, P Knauth e J Rutenfranz. Opladen: Westdeutscher Werlag.

Hacker, W. 1986. Arbeitspsychologie. In Schriften zur Arbeitpsychologie, editado por E Ulich. Berna: Huber.

Hacker, W e P Richter. 1994. Psychische Fehlbeanspruchung. Ermüdung, Monotonie, Sättigung, Stress. Heidelberg: Springer.

Hackman, JR e GR Oldham. 1975. Desenvolvimento da pesquisa de diagnóstico do trabalho. J Appl Psychol 60:159-170.

Hancock, PA e MH Chignell. 1986. Em Direção a uma Teoria da Carga de Trabalho Mental: Estresse e Adaptabilidade em Sistemas Humano-Máquina. Proceedings of the IEEE International Conference On Systems, Man, and Cybernetics. Nova York: Sociedade IEEE.

Hancock, PA e N Meshkati. 1988. Carga de trabalho mental humano. Amsterdã: Holanda do Norte.

Hanna, A (ed.). 1990. Revisão Anual de Design ID. 37 (4).

Härmä, M. 1993. Diferenças individuais na tolerância ao trabalho em turnos: uma revisão. Ergonomia 36:101-109.

Hart, S e LE Staveland. 1988. Desenvolvimento do NASA-TLX (Task Load Index): Resultados de pesquisas empíricas e teóricas. Em Human Mental Work Load, editado por PA Hancock e N Meshkati. Amsterdã: Holanda do Norte.

Hirschheim, R e HK Klein. 1989. Quatro paradigmas de desenvolvimento de sistemas de informação. Comum ACM 32:1199-1216.

Hoc, JM. 1989. Abordagens cognitivas para controle de processo. Em Advances in Cognitive Science, editado por G Tiberghein. Chichester: Horwood.

Hofstede, G. 1980. Consequências da Cultura: Diferenças Internacionais em Valores Relacionados ao Trabalho. Beverly Hills, Califórnia: Sage Univ. Imprensa.

—. 1983. A relatividade cultural das práticas e teorias organizacionais. J Int Stud: 75-89.

Hornby, P e C Clegg. 1992. Participação do usuário no contexto: Um estudo de caso em um banco do Reino Unido. Behav Inf Technol 11:293-307.

Hosni, DE. 1988. A transferência da tecnologia microeletrônica para o terceiro mundo. Tech Manage Pub TM 1:391-3997.

Hsu, SH e Y Peng. 1993. Relação de controle/exibição do fogão de quatro bocas: um reexame. Fatores Hum 35:745-749.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1990.As horas que trabalhamos: novos horários de trabalho na política e na prática. Cond Wor Dig 9.

Organização Internacional de Normalização (ISO). 1980. Projeto de Proposta para a Lista Central de Medidas Antropométricas ISO/TC 159/SC 3 N 28 DP 7250. Geneva: ISO.

—. 1996. ISO/DIS 7250 Medidas Básicas do Corpo Humano para Design Tecnológico. Genebra: ISO.
Organização Japonesa de Promoção de Design Industrial (JIDPO). 1990. Good Design Products 1989. Tóquio: JIDPO.

Jastrzebowski, W. 1857. Rys ergonomia czyli Nauki o Pracy, opartej naprawdach poczerpnietych z Nauki Przyrody. Przyoda em Przemysl 29:227-231.

Jeanneret, PR. 1980. Avaliação e classificação de empregos equitativos com o Questionário de Análise de Posição. Compensa Ap 1:32-42.

Jürgens, HW, IA Aune e U Pieper. 1990. Dados internacionais sobre antropometria. Série Segurança e Saúde Ocupacional. Genebra: OIT.

Kadefors, R. 1993. Um modelo para avaliação e projeto de locais de trabalho para soldagem manual. Em The Ergonomics of Manual Work, editado por WS Marras, W Karwowski e L Pacholski. Londres: Taylor & Francis.

Kahneman, D. 1973. Atenção e Esforço. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Karhu, O, P Kansi e I Kuorinka. 1977. Corrigindo posturas de trabalho na indústria: Um método prático para análise. Appl Ergon 8:199-201.

Karhu, O, R Harkonen, P Sorvali e P Vepsalainen. 1981. Observando posturas de trabalho na indústria: Exemplos de aplicação OWAS. Appl Ergon 12:13-17.

Kedia, BL e RS Bhagat. 1988. Restrições culturais na transferência de tecnologia entre nações: Implicações para pesquisa em gestão internacional e comparativa. Acad Manage Rev 13:559-571.

Keesing, RM. 1974. Teorias da cultura. Annu Rev Anthropol 3:73-79.

Kepenne, P. 1984. La charge de travail dans une unité de soins de médecine. Mémoire. Liège: Universidade de Liège.

Kerguelen, A. 1986. L'observation systématique en ergonomia: Élaboration d'un logiciel d'aide au recueil et à l'analyse des données. Tese de Diploma em Ergonomia, Conservatoire National des Arts et Métiers, Paris.

Ketchum, L. 1984. Projeto sociotécnico em um país do terceiro mundo: O depósito de manutenção ferroviária em Sennar, no Sudão. Hum Relat 37:135-154.

Keyserling, WM. 1986. Um sistema auxiliado por computador para avaliar o estresse postural no local de trabalho. Am Ind Hyg Assoc J 47:641-649.

Kingsley, PR. 1983. Desenvolvimento tecnológico: Questões, papéis e orientação para a psicologia social. Em Psicologia Social e Países em Desenvolvimento, editado por Blacker. Nova York: Wiley.

Kinney, JS e BM Huey. 1990. Princípios de aplicação para monitores multicoloridos. Washington, DC: National Academy Press.

Kivi, P e M Mattila. 1991. Análise e melhoria das posturas de trabalho na construção civil: Aplicação do método computadorizado OWAS. Appl Ergon 22:43-48.

Knauth, P, W Rohmert e J Rutenfranz. 1979. Seleção sistêmica de planos de turnos para produção contínua com auxílio de critérios fisiológicos do trabalho. Appl Ergon 10(1):9-15.

Knauth, P. e J Rutenfranz. 1981. Duração do sono relacionada com o tipo de trabalho por turnos, in Noite e trabalho por turnos: aspectos biológicos e sociais , editado por A Reinberg, N Vieux e P Andlauer. Oxford Pergamon Press.

Kogi, K. 1982. Problemas de sono no trabalho noturno e em turnos. II. Trabalho por turnos: sua prática e aperfeiçoamento. J Hum Ergol: 217-231.

—. 1981. Comparação das condições de repouso entre vários sistemas de rotação de turnos para trabalhadores industriais, no trabalho noturno e por turnos. Aspectos biológicos e sociais, editado por A Reinberg, N Vieux e P Andlauer. Oxford: Pérgamo.

—. 1985. Introdução aos problemas do trabalho em turnos. Em Hours of Work: Temporal Factors in Work-Scheduling, editado por S Folkard e TH Monk. Chichester: Wiley.

—. 1991. Conteúdo do trabalho e tempo de trabalho: O escopo para mudança conjunta. Ergonomia 34:757-773.

Kogi, K e JE Thurman. 1993. Tendências nas abordagens do trabalho noturno e em turnos e novos padrões internacionais. Ergonomia 36:3-13.

Köhler, C, M von Behr, H Hirsch-Kreinsen, B Lutz, C Nuber e R Schultz-Wild. 1989. Alternativen der Gestaltung von Arbeits- und Personalstrukturen bei rechnerintegrierter Fertigung. Em Strategische Optionen der Organisations- und Personalentwicklung bei CIM Forschungsbericht KfK-PFT 148, editado pelo Institut für Sozialwissenschaftliche Forschung. Karlsruhe: Projektträgerschaft Fertigungstechnik.

Koller, M. 1983. Riscos de saúde relacionados ao trabalho em turnos. Um exemplo de efeitos contingentes de tempo de estresse de longo prazo. Int Arch Occ Env Health 53:59-75.

Konz, S. 1990. Organização e projeto de estação de trabalho. Ergonomics 32:795-811.

Kroeber, AL e C Kluckhohn. 1952. Cultura, uma revisão crítica de conceitos e definições. Em Papéis do Museu Peabody. Boston: Universidade de Harvard.

Kroemer, KHE. 1993. Operação de teclas de acordes ternários. Int J Hum Comput Interact 5:267-288.

—. 1994a. Localizando a tela do computador: a que altura, a que distância? Ergonomia em Design (janeiro):40.

—. 1994b. Teclados alternativos. Em Anais da Quarta Conferência Científica Internacional WWDU '94. Milão: Univ. de Milão.

—. 1995. Ergonomia. Em Fundamentos de Higiene Industrial, editado por BA Ploog. Chicago: Conselho Nacional de Segurança.

Kroemer, KHE, HB Kroemer e KE Kroemer-Elbert. 1994. Ergonomia: Como projetar para facilidade e eficiência. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Kwon, KS, SY Lee e BH Ahn. 1993. Uma abordagem para sistemas especialistas difusos para design de cores de produtos. Em The Ergonomics of Manual Work, editado por Maras, Karwowski, Smith e Pacholski. Londres: Taylor & Francis.

Lacoste, M. 1983. Desituations de parole aux activités interpretatives. Psychol França 28:231-238.

Landau, K e W Rohmert. 1981. AET-A New Job Analysis Method. Detroit, Michigan: AIIE Conferência Anual.

Laurig, W. 1970. Elektromyographie als arbeitswissenschaftliche Untersuchungsmethode zur Beurteilung von statischer Muskelarbeit. Berlim: Beuth.

—. 1974. Beurteilung einseitig dynamischer Muskelarbeit. Berlim: Beuth.

—. 1981. Belastung, Beanspruchung und Erholungszeit bei energetisch-muskulärer Arbeit—Literaturexpertise. Em Forschungsbericht Nr. 272 der Bundesanstalt für Arbeitsschutz und Unfallforschung Dortmund. Bremerhaven: Wirtschaftsverlag NW.

—. 1992. Grundzüge der Ergonomia. Erkenntnisse und Prinzipien. Berlin, Köln: Beuth Verlag.

Laurig, W e V Rombach. 1989. Sistemas especialistas em ergonomia: Requisitos e uma abordagem. Ergonomics 32:795-811.

Leach, ER. 1965. Cultura e coesão social: a visão de um antropólogo. Em Ciência e Cultura, editado por Holten. Boston: Houghton Mifflin.

Leana, CR, EA Locke e DM Schweiger. 1990. Fato e ficção na análise da pesquisa sobre tomada de decisão participativa: uma crítica de Cotton, Vollrath, Froggatt, Lengnick-Hall e Jennings. Acad Manage Rev 15:137-146.

Lewin, K. 1951. Teoria de Campo em Ciências Sociais. Nova York: Harper.

Liker, JK, M Nagamachi e YR Lifshitz. 1988. Uma Análise Comparativa de Programas Participativos em Fábricas nos Estados Unidos e no Japão. Ann Arbor, Michigan: Univ. de Michigan, Centro de Ergonomia, Engenharia Industrial e Operacional.

Lillrank, B e N Kano. 1989. Melhoria Contínua: Círculos de Controle de Qualidade nas Indústrias Japonesas. Ann Arbor, Michigan: Univ. de Michigan, Centro de Estudos Japoneses.

Locke, EA e DM Schweiger. 1979. Participação na tomada de decisões: Mais um olhar. Em Research in Organizational Behavior, editado por BM Staw. Greenwich, Connecticut: JAI Press.

Louhevaara, V, T Hakola e H Ollila. 1990. Trabalho físico e esforço envolvido na triagem manual de encomendas postais. Ergonomia 33:1115-1130.

Luczak, H. 1982. Belastung, Beanspruchung und Erholungszeit bei informatorischmentaler Arbeit — Literaturexpertise. Forschungsbericht der Bundesanstalt für Arbeitsschutz und Unfallforschung Dortmund . Bremerhaven: Wirtschaftsverlag NW.

—. 1983. Ermüdung. Em Praktische Arbeitsphysiologie, editado por W Rohmert e J Rutenfranz. Estugarda: Georg Thieme Verlag.

—. 1993. Arbeitswissenschaft. Berlim: Springer Verlag.

Majchrzak, A. 1988. O lado humano da automação de fábrica. São Francisco: Jossey-Bass.

Martin, T, J Kivinen, JE Rijnsdorp, MG Rodd e WB Rouse. 1991. Automação apropriada integrando fatores técnicos, humanos, organizacionais, econômicos e culturais. Automatica 27:901-917.

Matsumoto, K e M Harada. 1994. O efeito dos cochilos noturnos na recuperação da fadiga após o trabalho noturno. Ergonomia 37:899-907.

Matthews, R. 1982. Condições divergentes no desenvolvimento tecnológico da Índia e do Japão. Lund Letters on Technology and Culture, No. 4. Lund: Univ. de Lund, Research Policy Institute.

McCormick, EJ. 1979. Análise de Trabalho: Métodos e Aplicações. Nova York: American Management Association.

McIntosh, DJ. 1994. Integração de VDUs no ambiente de trabalho de escritório nos Estados Unidos. Em Anais da Quarta Conferência Científica Internacional WWDU '94. Milão: Univ. de Milão.

McWhinney. 1990. O Poder do Mito no Planejamento e Mudança Organizacional, 1989 IEEE Technics, Culture and Consequences. Torrence, Califórnia: IEEE Los Angeles Council.

Meshkati, N. 1989. Uma investigação etiológica de fatores micro e macroergonômicos no desastre de Bhopal: Lições para indústrias de países industrializados e em desenvolvimento. Int J Ind Erg 4:161-175.

Menores, DS e JM Waterhouse. 1981. Ancorar o sono como sincronizador de ritmos em rotinas anormais. Int J Cronobiologia: 165-188.

Mital, A e W Karwowski. 1991. Avanços em Fatores Humanos/Ergonomia. Amsterdã: Elsevier.

Monge, TH. 1991. Sono, Sonolência e Desempenho. Chichester: Wiley.

Moray, N, PM Sanderson e K Vincente. 1989. Análise cognitiva de tarefas para uma equipe em um domínio de trabalho complexo: um estudo de caso. Anais do Segundo Encontro Europeu Sobre Abordagens da Ciência Cognitiva para Controle de Processos, Siena, Itália.

Morgan, CT, A Chapanis, JS III Cork e MW Lund. 1963. Guia de Engenharia Humana para Projeto de Equipamento. Nova York: McGraw-Hill.

Mossholder, KW e RD Arvey. 1984. Validade sintética: Uma revisão conceitual e comparativa. J Appl Psychol 69:322-333.

Mumford, E e Henshall. 1979. Uma Abordagem Participativa para Projeto de Sistemas de Computador. Londres: Associated Business Press.

Nagamachi, M. 1992. Simpatia e engenharia Kansei. Em Padrões de Medição. Taejon, Coréia: Instituto Coreano de Pesquisa de Padrões e Publicação Científica.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1981. Guia de Práticas de Trabalho para Elevação Manual. Cincinnati, Ohio: Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

—. 1990. Instrução OSHA CPL 2.85: Diretoria de Programas de Conformidade: Apêndice C, Diretrizes Sugeridas pelo NIOSH para Avaliação de Vídeo da Estação de Trabalho para Distúrbios de Trauma Cumulativo das Extremidades Superiores. Washington, DC: Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

Navarro, C. 1990. Comunicação funcional e resolução de problemas em uma tarefa de regulação de tráfego de ônibus. Psychol Rep 67:403-409.

Negandhi, ART. 1975. Comportamento Organizacional Moderno. Kent: Universidade Kent..

Nisbett, RE e TD De Camp Wilson. 1977. Contando mais do que sabemos. Psychol Rev 84:231-259.

Norman, DA. 1993. Coisas que nos tornam inteligentes. Leitura: Addison-Wesley.

Noro, K e AS Imada. 1991. Ergonomia Participativa. Londres: Taylor & Francis.

O'Donnell, RD e FT Eggemeier. 1986. Metodologia de avaliação da carga de trabalho. Em Manual de Percepção e Desempenho Humano. Cognitive Processes and Performance, editado por K Boff, L Kaufman e JP Thomas. Nova York: Wiley.

Pagels, HR. 1984. Cultura do computador: O impacto científico, intelectual e social do computador. Ann NY Acad Sci:426.

Persson, J e Å Kilbom. 1983. VIRA—En Enkel Videofilmteknik För Registrering OchAnalys Av Arbetsställningar Och—Rörelser. Solna, Suécia: Undersökningsrapport, Arbetraskyddsstyrelsen.

Pham, DT e HH Onder. 1992. Um sistema baseado em conhecimento para otimizar layouts de local de trabalho usando um algoritmo genético. Ergonomics 35:1479-1487.

Pheasant, S. 1986. Bodyspace, Anthropometry, Ergonomics and Design. Londres: Taylor & Francis.

Poole, CJM. 1993. Dedo de costureira. Brit J Ind Med 50:668-669.

Putz-Anderson, V. 1988. Distúrbios Traumáticos Cumulativos. Manual de Doenças Musculoesqueléticas dos Membros Superiores. Londres: Taylor & Francis.

Rasmussen, J. 1983. Habilidades, regras e conhecimento: Sinds, sinais, símbolos e outras distinções em modelos de desempenho humano. IEEE T Syst Man Cyb 13:257-266.

—. 1986. Uma estrutura para análise de tarefas cognitivas em design de sistemas. Em Intelligent Decision Support in Process Environments, editado por E Hollnagel, G Mancini e DD Woods. Berlim: Springer.

Rasmussen, J, A Pejtersen e K Schmidts. 1990. Em Taxonomia para Análise de Domínios de Trabalho. Proceedings of the First MOHAWC Workshop, editado por B Brehmer, M de Montmollin e J Leplat. Roskilde: Riso National Laboratory.

Reason, J. 1989. Erro Humano. Cambridge: CUP.

Rebiffé, R, O Zayana, and C Tarrière. 1969. Determinação de zonas ótimas para colocação de comandos manuais em espaço de trabalho. Ergonomia 12:913-924.

Régie nationale des usines Renault (RNUR). 1976. Les profils de poste: Methode d'analyse des conditions de travail. Paris: Masson-Sirtes.

Rogalski, J. 1991. Tomada de decisão distribuída em gerenciamento de emergência: usando um método como estrutura para analisar o trabalho cooperativo e como auxílio à decisão. Em Tomada de Decisão Distribuída. Cognitive Models for Cooperative Work, editado por J Rasmussen, B Brehmer e J Leplat. Chichester: Wiley.

Rohmert, W. 1962. Untersuchungen über Muskelermüdung und Arbeitsgestaltung. Berna: Beuth-Vertrieb.

—. 1973. Problemas na determinação de subsídios de descanso. Parte I: Uso de métodos modernos para avaliar o estresse e a tensão no trabalho muscular estático. Appl Ergon 4(2):91-95.

—. 1984. Das Belastungs-Beanspruchungs-Konzept. Z Arb sábio 38:193-200.

Rohmert, W e K Landau. 1985. Uma Nova Técnica de Análise de Trabalho. Londres: Taylor & Francis.

Rolland, C. 1986. Introdução à concepção dos sistemas de informação e panorama dos métodos disponíveis. Genie Logiciel 4:6-11.

Roth, EM e DD Woods. 1988. Auxiliando o desempenho humano. I. Análise cognitiva. Trabalho de parto Hum 51:39-54.

Rudolph, E, E Schönfelder e W Hacker. 1987. Tätigkeitsbewertungssystem für geistige arbeit mit und ohne Rechnerunterstützung (TBS-GA). Berlin: Psychodiagnostiches Zentrum der Humboldt-Universität.

Rutenfranz, J. 1982. Medidas de saúde ocupacional para trabalhadores noturnos e em turnos. II. Trabalho por turnos: sua prática e aperfeiçoamento. J Hum Ergol: 67-86.

Rutenfranz, J, J Ilmarinen, F Klimmer e H Kylian. 1990. Carga de trabalho e capacidade de desempenho físico exigidas em diferentes condições de trabalho industrial. In Fitness for Aged, Disabled, and Industrial Workers, editado por M Kaneko. Champaign, Illinois: Livros de cinética humana.

Rutenfranz, J, P Knauth e D Angersbach. 1981. Questões de pesquisa do trabalho por turnos. Em Biological Rhythms, Sleep and Shift Work, editado por LC Johnson, DI Tepas, WP Colquhoun e MJ Colligan. Nova York: Spectrum Publications Medical and Scientific Books.

Saito, Y. e K Matsumoto. 1988. Variações de funções fisiológicas e medidas psicológicas e sua relação com o atraso no turno de sono. Jap J Ind Health 30:196-205.

Sakai, K, A Watanabe, N Onishi, H Shindo, K Kimotsuki, H Saito e K Kogl. 1984. Condições de cochilos noturnos eficazes para facilitar a recuperação da fadiga do trabalho noturno. J Sci Lab 60: 451-478.

Savage, CM e D. Appleton. 1988. CIM e Gerência de Quinta Geração. Dearborn: Conselho Técnico CASA/SME.

Savoyant, A e J Leplat. 1983. Statut et fonction des communications dans l'activité des équipes de travail. Psychol França 28:247-253.

Scarbrough, H e JM Corbett. 1992. Tecnologia e Organização. Londres: Routledge.

Schmidtke, H. 1965. Die Ermüdung. Berna: Huber.

—. 1971. Untersuchungen über den Erholunggszeitbedarf bei verschiedenen Arten gewerblicher Tätigkeit. Berlim: Beuth-Vertrieb.

Sen, RN. 1984. Aplicação da ergonomia aos países em desenvolvimento industrial. Ergonomia 27:1021-1032.

Sergean, R. 1971. Gerenciando o trabalho em turnos. Londres: Gower Press.

Sethi, AA, DHJ Caro e RS Schuler. 1987. Gestão Estratégica de Technostress em uma Sociedade da Informação. Lewiston: Hogrefe.

Shackel, B. 1986. Ergonomia em design para usabilidade. Em Pessoas e Computadores: Design para Usabilidade, editado por MD Harrison e AF Monk. Cambridge: Universidade de Cambridge. Imprensa.

Shahnavaz, H. 1991. Transferência de tecnologia para países em desenvolvimento industrial e consideração de fatores humanos TULEÅ 1991: 22, 23024. Luleå Univ., Luleå, Suécia: Centro de Ergonomia de Países em Desenvolvimento.

Shahnavaz, H, J Abeysekera e A Johansson. 1993. Resolvendo problemas multifatoriais do ambiente de trabalho por meio da ergonomia participativa: Estudo de caso: operadores de VDT. Em Ergonomics of Manual Work, editado por E Williams, S Marrs, W Karwowski, JL Smith e L Pacholski. Londres: Taylor & Francis.

Shaw, JB e JH Riskid. 1983. Prevendo o estresse no trabalho usando dados do Questionário de Análise de Posição (PAQ). J Appl Psychol 68:253-261.

Shugaar, A. 1990. Ecodesign: Novos produtos para uma cultura mais verde. Int Herald Trib, 17.

Sinaiko, WH. 1975. Fatores verbais na engenharia humana: Alguns dados culturais e psicológicos. Em Variáveis ​​Étnicas em Engenharia de Fatores Humanos, editado por A Chapanis. Baltimore: Universidade Johns Hopkins..

Singleton, WT. 1982. O Corpo no Trabalho. Cambridge: CUP.

Snyder, HL. 1985a. Qualidade de imagem: Medidas e desempenho visual. In Flat Panel Displays and CRTs, editado por LE Tannas. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

—. 1985b. O sistema visual: capacidades e limitações. In Flat Panel Displays and CRTs, editado por LE Tannas. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

Salomão, CM. 1989. A resposta corporativa à diversidade da força de trabalho. Pers J 68:42-53.

Sparke, P. 1987. Design Japonês Moderno. Nova York: EP Dutton.

ESPRANDIO, JC. 1972. Charge de travail et régulation des processus opératoires. Trabalho de parto Hum 35:85-98.

Sperling, L, S Dahlman, L Wikström, A Kilbom e R Kadefors. 1993. Um modelo de cubo para a classificação do trabalho com ferramentas manuais e a formulação de requisitos funcionais. Appl Ergon 34:203-211.

Spinas, P. 1989. Desenvolvimento de software orientado ao usuário e design de diálogo. Em Work With Computers: Organizational, Management, Stress and Health Aspects, editado por MJ Smith e G Salvendy. Amsterdã: Elsevier.

Staramler, JH. 1993. O Dicionário de Ergonomia de Fatores Humanos. Boca Ratón: CRC Press.

Strohm, O, JK Kuark e A Schilling. 1993. Integrierte Produktion: Arbeitspsychologische Konzepte und empirische Befunde, Schriftenreihe Mensch, Technik, Organisation. In CIM—Herausforderung an Mensch, Technik, Organisation, editado por G Cyranek e E Ulich. Stuttgart, Zurique: Verlag der Fachvereine.

Strohm, O, P Troxler e E Ulich. 1994. Vorschlag für die Restrukturierung eines
Produktionsbetriebes. Zurique: Institut für Arbietspsychologie der ETH.

Sullivan, LP. 1986. Desdobramento da função qualidade: Um sistema para garantir que as necessidades do cliente conduzam o projeto do produto e o processo de produção. Programa de qualidade: 39-50.

Sundin, A, J Laring, J Back, G Nengtsson e R Kadefors. 1994. Um local de trabalho ambulatorial para soldagem manual: produtividade através da ergonomia. Manuscrito. Gotemburgo: Lindholmen Development.

Tardieu, H, D Nanci e D Pascot. 1985. Conception d'un système d'information. Paris: Editions d'Organisation.

Teiger, C, A Laville e J Durafourg. 1974. Taches répétitives sous contrainte de temps et charge de travail. Relatório no 39. Laboratoire de physiologie du travail et d'ergonomie du CNAM.

Torsvall, L, T Akerstedt e M. Gillberg. 1981. Idade, sono e horários de trabalho irregulares: um estudo de campo com registro de EEG, excreção de catecolaminas e autoavaliação. Scand J Wor Env Health 7:196-203.

Ulich, E. 1994. Arbeitspsychologie 3. Auflage. Zurique: Verlag der Fachvereine e Schäffer-Poeschel.

Ulich, E, M Rauterberg, T Moll, T Greutmann e O Strohm. 1991. Orientação para tarefas e design de diálogo orientado para o usuário. Int J Interação Humano-Computador 3:117-144.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). 1992. Impacto Ergonômico da Ciência na Sociedade. Vol. 165. Londres: Taylor & Francis.

Van Daele, A. 1988. A tela de visualização ou a comunicação verbal? Analise comparativa de sua utilização por operadores de sala de controle em siderurgia. Travail Hum 51(1):65-80.

—. 1992. La réduction de la complexité par les opérateurs dans le contrôle de processus continus. contribuição à l'étude du contrôle par antecipation et des ses conditions de mise en œuvre. Liège: Université de Liège.

Van der Beek, AJ, LC Van Gaalen e MHW Frings-Dresen. 1992. Posturas de trabalho e atividades de motoristas de caminhão: Um estudo de confiabilidade de observação no local e gravação em um computador de bolso. Appl Ergon 23:331-336.

Vleeschdrager, E. 1986. Dureza 10: diamantes . Paris.

Volpert, W. 1987. Psychische Regulation von Arbeitstätigkeiten. Em Arbeits, psicologia. Enzklopüdie der Psychologie, editado por U Kleinbeck e J Rutenfranz. Göttingen: Hogrefe.

Wagner, R. 1985. Análise de trabalho na ARBED. Ergonomia 28:255-273.

Wagner, JA e RZ Gooding. 1987. Efeitos das tendências sociais na pesquisa de participação. Adm Sci Q 32:241-262.

Wall, TD e JA Lischeron. 1977. Participação dos Trabalhadores: Uma Crítica da Literatura e Algumas Novas Evidências. Londres: McGraw-Hill.

Wang, WM-Y. 1992. Avaliação de Usabilidade para Interação Humano-Computador (HCI). Luleå, Suécia: Luleå Univ. de Tecnologia.

Waters, TR, V Putz-Anderson, A Garg e LJ Fine. 1993. Equação NIOSH revisada para o projeto e avaliação de tarefas de manuseio manual. Ergonomia 36:749-776.

Wedderburn, A. 1991. Diretrizes para trabalhadores em turnos. Boletim de Tópicos Europeus de Trabalho em Turnos (BEST) No. 3. Dublin: Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e de Trabalho.

Wellford, AT. 1986. Carga de trabalho mental em função da demanda, capacidade, estratégia e habilidade. Ergonomia 21:151-176.

Branco, PA. 1988. Sabendo mais sobre o que dizemos: 'Acesso introspectivo' e precisão do relatório causal, 10 anos depois. Brit J Psychol 79:13-45.

Wickens, C. 1992. Psicologia da Engenharia e Desempenho Humano. Nova York: Harper Collins.

Wickens, CD e YY Sim. 1983. A dissociação entre carga subjetiva de trabalho e desempenho: uma abordagem de múltiplos recursos. In Proceedings of the Human Factors Society 27th Annual Meeting. Santa Monica, Califórnia: Human Factors Society.

Wieland-Eckelmann, R. 1992. Cognição, Emoção e Psychische Beanspruchung. Göttingen: Hogrefe.

Wikström.L, S Byström, S Dahlman, C Fransson, R Kadefors, Å Kilbom, E Landervik, L Lieberg, L Sperling e J Öster. 1991. Critério de Seleção e Desenvolvimento de Ferramentas Manuais. Estocolmo: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.

Wilkinson, RT. 1964. Efeitos de até 60 horas de privação de sono em diferentes tipos de trabalho. Ergonomia 7:63-72.

Williams, R. 1976. Palavras-chave: Um Vocabulário de Cultura e Sociedade. Glasgow: Fontana.

Wilpert, B. 1989. Mitbestimmung. In Arbeits- und Organisationspsychologie. Internationales Handbuch em Schlüsselbegriffen, editado por S Greif, H Holling e N Nicholson. Munique: Psychologie Verlags Union.

Wilson, JR. 1991. Participação: Uma estrutura e fundação para ergonomia. J Occup Psychol 64:67-80.

Wilson, JR e EN Corlett. 1990. Avaliação do Trabalho Humano: Uma Metodologia Ergonómica Prática. Londres: Taylor & Francis.

Wisner, A. 1983. Ergonomia ou antropologia: Uma abordagem limitada ou ampla das condições de trabalho na transferência de tecnologia. In Proceedings of the First International Conference On Ergonomics of Developing Countries, editado por Shahnavaz e Babri. Luleå, Suécia: Luleå Univ. de Tecnologia.

Womack, J, T Jones e D Roos. 1990. A máquina que mudou o mundo. Nova York: Macmillan.

Woodson, WE, B Tillman e P Tillman. 1991. Manual de Projeto de Fatores Humanos. Nova York: McGraw-Hill.

Zhang, YK e JS Tyler. 1990. O estabelecimento de uma instalação moderna de produção de cabos telefônicos em um país em desenvolvimento. Um estudo de caso. Em Anais do Simpósio Internacional de Fios e Cabos. Illinois.

Zinchenko, V e V Munipov. 1989. Fundamentos de Ergonomia. Moscou: Progresso.