Segunda-feira, 14 Março 2011 20: 37

Trabalhadores Idosos

Classifique este artigo
(Voto 1)

A condição dos trabalhadores idosos varia de acordo com sua condição funcional, que por sua vez é influenciada por sua história laboral pregressa. O seu estatuto depende também do posto de trabalho que ocupam e da situação social, cultural e económica do país onde vivem.

Assim, os trabalhadores que têm de realizar muito trabalho braçal são também, na maioria das vezes, os que tiveram menos escolaridade e menor formação ocupacional. Estão sujeitos a condições de trabalho exaustivas, que podem causar doenças, e estão expostos ao risco de acidentes. Nesse contexto, é muito provável que sua capacidade física diminua no final da vida ativa, fato que os torna mais vulneráveis ​​no trabalho.

Inversamente, os trabalhadores que tiveram a vantagem de uma longa escolaridade, seguida de uma formação profissional que os habilite para o seu trabalho, em ofícios de clínica geral onde podem pôr em prática os conhecimentos assim adquiridos e alargar progressivamente a sua experiência. Muitas vezes, eles não trabalham nos ambientes ocupacionais mais prejudiciais e suas habilidades são reconhecidas e valorizadas à medida que envelhecem.

Num período de expansão económica e escassez de mão-de-obra, os trabalhadores idosos são reconhecidos como tendo qualidades de “consciência ocupacional”, sendo regulares no seu trabalho e capazes de manter o seu know-how. Num período de recessão e desemprego, será maior o destaque para o facto de o seu desempenho laboral ser inferior ao dos mais jovens e para a sua menor capacidade de adaptação às mudanças nas técnicas e na organização do trabalho.

Consoante os países em causa, as suas tradições culturais e o seu modo e nível de desenvolvimento económico, a consideração pelos trabalhadores idosos e a solidariedade para com eles serão mais ou menos evidentes, e a sua protecção será mais ou menos assegurada.

As dimensões temporais da relação idade/trabalho

A relação entre envelhecimento e trabalho abrange uma grande diversidade de situações, que podem ser consideradas sob dois pontos de vista: por um lado, o trabalho surge como um fator de transformação para o trabalhador ao longo da sua vida ativa, sendo as transformações quer negativas (por exemplo, desgaste, declínio de habilidades, doenças e acidentes) ou positivos (por exemplo, aquisição de conhecimento e experiência); por outro lado, o trabalho revela as mudanças relacionadas com a idade, o que resulta na marginalização e mesmo na exclusão do sistema de produção dos trabalhadores mais velhos, expostos a exigências laborais demasiado grandes para a sua capacidade declinante ou, pelo contrário, que permitem progredir na sua carreira profissional se o conteúdo do trabalho for tal que um alto valor seja atribuído à experiência.

O avanço da idade, portanto, desempenha o papel de um “vetor” no qual os eventos da vida são registrados cronologicamente, tanto no trabalho quanto fora dele. Em torno desse eixo articulam-se processos de declínio e construção, que variam muito de um trabalhador para outro. Para ter em conta os problemas dos trabalhadores idosos na conceção das situações de trabalho, é necessário ter em conta tanto as características dinâmicas das mudanças relacionadas com a idade como a variabilidade dessas mudanças entre os indivíduos.

A relação idade/trabalho pode ser considerada à luz de uma tríplice evolução:

  1. O trabalho evolui. As técnicas mudam; mecanização, automação, informatização e métodos de transferência de informações, entre outros fatores, tendem ou tenderão a se generalizar. Novos produtos aparecem, outros desaparecem. Novos riscos são revelados ou ampliados (por exemplo, radiação e produtos químicos), outros se tornam menos proeminentes. A organização do trabalho, a gestão do trabalho, a distribuição das tarefas e os horários de trabalho transformam-se. Alguns setores produtivos se desenvolvem, enquanto outros declinam. De uma geração para outra, as situações de trabalho encontradas durante a vida ativa do trabalhador, as demandas que eles fazem e as habilidades que eles exigem não são as mesmas.
  2. Populações trabalhadoras mudam. As estruturas etárias são modificadas de acordo com as mudanças demográficas, as formas de entrada ou saída do trabalho e as atitudes face ao emprego. A participação das mulheres na população trabalhadora continua a evoluir. Ocorrem verdadeiras reviravoltas no campo da educação, da formação profissional e do acesso ao sistema de saúde. Todas essas transformações estão produzindo ao mesmo tempo efeitos de geração e de época que obviamente influenciam a relação idade/trabalho e que podem, em certa medida, ser antecipados.
  3. Finalmente - um ponto que merece ênfase -mudanças individuais estão em andamento ao longo da vida profissional, sendo por isso frequentemente posto em causa o ajustamento entre as características de uma determinada obra e as das pessoas que a executam.

 

Alguns processos de envelhecimento orgânico e sua relação com o trabalho

As principais funções orgânicas envolvidas no trabalho declinam de forma observável a partir dos 40 ou 50 anos, após algumas delas terem se desenvolvido até os 20 ou 25 anos.

Em particular, um declínio com a idade é observado na força muscular máxima e amplitude de movimento articular. A redução da força é da ordem de 15 a 20% entre os 20 e 60 anos. Mas esta é apenas uma tendência geral, e a variabilidade entre os indivíduos é considerável. Além disso, essas são capacidades máximas; o declínio é muito menor para demandas físicas mais moderadas.

Uma função muito sensível à idade é a regulação da postura. Esta dificuldade é pouco aparente em posições de trabalho comuns e estáveis ​​(em pé ou sentado), mas torna-se evidente em situações de desequilíbrio que requerem ajustes precisos, forte contração muscular ou movimentos articulares em ângulos extremos. Estes problemas tornam-se mais graves quando o trabalho tem de ser realizado em suportes instáveis ​​ou escorregadios, ou quando o trabalhador sofre um choque ou solavanco inesperado. O resultado é que os acidentes devido à perda de equilíbrio tornam-se mais frequentes com a idade.

A regulação do sono torna-se menos confiável a partir dos 40 a 45 anos de idade. É mais sensível a mudanças nos horários de trabalho (como trabalho noturno ou por turnos) e a ambientes perturbadores (por exemplo, ruído ou iluminação). Seguem-se alterações na duração e na qualidade do sono.

A termorregulação também se torna mais difícil com a idade, o que faz com que os trabalhadores mais velhos tenham problemas específicos no que diz respeito ao trabalho no calor, principalmente quando é necessário realizar trabalhos fisicamente intensos.

As funções sensoriais começam a ser afetadas muito cedo, mas as deficiências resultantes raramente são acentuadas antes dos 40 a 45 anos. A função visual como um todo é afetada: há uma redução na amplitude de acomodação (que pode ser corrigida com lentes apropriadas) , e também no campo visual periférico, percepção de profundidade, resistência ao ofuscamento e transmissão de luz pelo cristalino. O inconveniente resultante é perceptível apenas em condições particulares: com pouca iluminação, perto de fontes de brilho, com objetos ou textos de tamanho muito pequeno ou mal apresentados, e assim por diante.

O declínio da função auditiva afeta o limiar auditivo para altas frequências (sons agudos), mas se revela principalmente como dificuldade em discriminar sinais sonoros em ambiente ruidoso. Assim, a inteligibilidade da palavra falada torna-se mais difícil na presença de ruído ambiente ou forte reverberação.

As demais funções sensoriais são, em geral, pouco afetadas nessa fase da vida.

Vê-se que, de um modo geral, o declínio orgânico com a idade é perceptível sobretudo em situações extremas, que em todo o caso devem ser modificadas para evitar dificuldades também para os trabalhadores jovens. Além disso, os trabalhadores idosos podem compensar as suas deficiências através de estratégias particulares, muitas vezes adquiridas com a experiência, quando as condições e a organização do trabalho o permitem: utilização de suportes adicionais para posturas desequilibradas, levantamento e transporte de cargas de forma a reduzir esforços extremos , organizando a varredura visual para localizar informações úteis, entre outros meios.

Envelhecimento cognitivo: desacelerar e aprender

No que diz respeito às funções cognitivas, a primeira coisa a notar é que a atividade laboral põe em jogo, por um lado, os mecanismos básicos de recepção e processamento da informação e, por outro, os conhecimentos adquiridos ao longo da vida. Este conhecimento diz respeito principalmente ao significado de objetos, sinais, palavras e situações (conhecimento “declarativo”) e maneiras de fazer as coisas (conhecimento “procedimental”).

A memória de curto prazo nos permite reter, por algumas dezenas de segundos ou por alguns minutos, informações úteis que foram detectadas. O processamento desta informação é feito comparando-a com o conhecimento que foi memorizado de forma permanente. O envelhecimento atua sobre esses mecanismos de várias maneiras: (1) em virtude da experiência, enriquece o conhecimento, a capacidade de selecionar da melhor maneira tanto o conhecimento útil quanto o modo de processá-lo, especialmente em tarefas que são realizadas com bastante frequência, mas (2) o tempo necessário para processar essas informações é prolongado devido ao envelhecimento do sistema nervoso central e à memória de curto prazo mais frágil.

Essas funções cognitivas dependem muito do ambiente em que os trabalhadores viveram e, portanto, de sua história pregressa, de sua formação e das situações de trabalho que tiveram que enfrentar. As mudanças que ocorrem com a idade manifestam-se, portanto, em combinações extremamente variadas de fenômenos de declínio e reconstrução, em que cada um desses dois fatores pode ser mais ou menos acentuado.

Se, ao longo da sua vida profissional, os trabalhadores tiverem recebido apenas uma breve formação e se tiverem de realizar tarefas relativamente simples e repetitivas, os seus conhecimentos serão limitados e terão dificuldades quando confrontados com tarefas novas ou relativamente desconhecidas. Se, além disso, eles tiverem que realizar um trabalho sob restrições de tempo marcadas, as mudanças que ocorreram em suas funções sensoriais e a lentidão do processamento de informações os prejudicarão. Se, por outro lado, tiveram uma longa escolarização e formação, e se tiveram de realizar uma variedade de tarefas, terão assim podido aumentar as suas aptidões de modo a que as deficiências sensoriais ou cognitivas associadas à idade sejam amplamente compensado.

Assim, é fácil compreender o papel da formação contínua na situação laboral dos trabalhadores idosos. As mudanças no trabalho tornam cada vez mais necessário o recurso à formação periódica, mas os trabalhadores mais velhos raramente a recebem. Frequentemente, as empresas consideram que não vale a pena dar formação a um trabalhador que se aproxima do fim da sua vida activa, sobretudo porque se pensa que as dificuldades de aprendizagem aumentam com a idade. E os próprios trabalhadores hesitam em se formar, temendo não ter sucesso, e nem sempre vendo com muita clareza os benefícios que poderiam tirar da formação.

De fato, com a idade, a forma de aprender se modifica. Enquanto o jovem registra o conhecimento que lhe é transmitido, o idoso precisa entender como esse conhecimento se organiza em relação ao que já sabe, qual sua lógica e qual sua justificativa para o trabalho. Ele ou ela também precisa de tempo para aprender. Assim, uma resposta ao problema da formação dos trabalhadores mais velhos é, em primeiro lugar, a utilização de diferentes métodos de ensino, de acordo com a idade, conhecimentos e experiência de cada um, destacando-se um período de formação mais alargado para os mais velhos.

Envelhecimento de homens e mulheres no trabalho

As diferenças de idade entre homens e mulheres são encontradas em dois níveis diferentes. No nível orgânico, a expectativa de vida é geralmente maior para as mulheres do que para os homens, mas a chamada expectativa de vida sem incapacidade é muito próxima para os dois sexos – até 65 a 70 anos. Além dessa idade, as mulheres geralmente estão em desvantagem. Além disso, a capacidade física máxima das mulheres é em média 30% menor que a dos homens, e essa diferença tende a persistir com o avanço da idade, mas a variabilidade nos dois grupos é ampla, com alguma sobreposição entre as duas distribuições.

Ao nível da carreira laboral existem grandes diferenças. Em média, as mulheres recebem menos formação para o trabalho do que os homens quando iniciam a sua vida profissional, ocupam mais frequentemente postos para os quais são necessárias menos qualificações e as suas carreiras profissionais são menos gratificantes. Com a idade passam, portanto, a ocupar cargos com consideráveis ​​constrangimentos, como as limitações de tempo e a repetitividade do trabalho. Nenhuma diferença sexual no desenvolvimento da capacidade cognitiva com a idade pode ser estabelecida sem referência a esse contexto social de trabalho.

Para que a concepção das situações de trabalho tenha em conta estas diferenças de género, é necessário actuar sobretudo a favor da formação profissional inicial e contínua das mulheres e da construção de carreiras profissionais que aumentem as experiências das mulheres e valorizem-nas. Esta ação deve, portanto, ser tomada bem antes do final de suas vidas ativas.

Envelhecimento das populações trabalhadoras: a utilidade dos dados coletivos

Há pelo menos duas razões para a adoção de abordagens coletivas e quantitativas em relação ao envelhecimento da população trabalhadora. A primeira razão é que tais dados serão necessários para avaliar e prever os efeitos do envelhecimento em uma oficina, serviço, empresa, setor ou país. A segunda razão é que os principais componentes do envelhecimento são eles próprios fenômenos sujeitos a probabilidades: nem todos os trabalhadores envelhecem da mesma forma ou no mesmo ritmo. É, portanto, por meio de ferramentas estatísticas que, por vezes, vários aspectos do envelhecimento serão revelados, confirmados ou avaliados.

O instrumento mais simples nesse campo é a descrição das estruturas etárias e de sua evolução, expressa em formas pertinentes ao trabalho: setor econômico, comércio, grupo de empregos, etc.

Por exemplo, quando observamos que a estrutura etária de uma população em um local de trabalho permanece estável e jovem, podemos nos perguntar quais características do trabalho poderiam desempenhar um papel seletivo em termos de idade. Se, ao contrário, essa estrutura for estável e mais antiga, o local de trabalho tem a função de receber pessoas de outros setores da empresa; vale a pena estudar as razões destes movimentos, devendo igualmente verificar se o trabalho neste local de trabalho se adequa às características de uma força de trabalho envelhecida. Se, finalmente, a estrutura etária muda regularmente, simplesmente refletindo os níveis de recrutamento de um ano para outro, provavelmente teremos uma situação em que as pessoas “envelhecem no local”; isto, por vezes, requer um estudo especial, especialmente se o número anual de recrutamentos tende a diminuir, o que irá deslocar a estrutura geral para faixas etárias mais altas.

Nossa compreensão desses fenômenos pode ser ampliada se dispusermos de dados quantitativos sobre as condições de trabalho, sobre os cargos atualmente ocupados pelos trabalhadores e (se possível) sobre os cargos que deixaram de ocupar. Os horários de trabalho, a repetitividade do trabalho, a natureza das exigências físicas, o ambiente de trabalho e até mesmo certos componentes cognitivos podem ser objeto de questionamentos (a serem feitos aos trabalhadores) ou de avaliações (por especialistas). É então possível estabelecer uma ligação entre as características do trabalho presente e do trabalho passado e a idade dos trabalhadores em causa, e assim elucidar os mecanismos de selecção a que as condições de trabalho podem originar em determinadas idades.

Essas investigações podem ser melhoradas com a obtenção também de informações sobre o estado de saúde dos trabalhadores. Esta informação pode ser derivada de indicadores objetivos, como a taxa de acidentes de trabalho ou a taxa de ausências por doença. Mas esses indicadores muitas vezes requerem um cuidado metodológico, pois, embora reflitam de fato as condições de saúde que podem estar relacionadas ao trabalho, também refletem a estratégia de todos os envolvidos com acidentes de trabalho e afastamentos por doença: os próprios trabalhadores, a administração e os médicos podem ter várias estratégias nesse sentido, não há garantia de que essas estratégias sejam independentes da idade do trabalhador. As comparações desses indicadores entre as idades são, portanto, muitas vezes complexas.

Assim, recorrer-se-á, sempre que possível, a dados decorrentes da auto-avaliação da saúde pelos trabalhadores, ou obtidos em exames médicos. Esses dados podem estar relacionados a doenças cuja prevalência variável com a idade precisa ser melhor conhecida para fins de antecipação e prevenção. Mas o estudo do envelhecimento dependerá sobretudo da apreciação de condições que não atingiram o estágio de doença, como certos tipos de deterioração funcional: (por exemplo, das articulações - dor e limitação da visão e da audição, do sistema respiratório) ou então certos tipos de dificuldade ou mesmo incapacidade (por exemplo, em subir um degrau alto, fazer um movimento preciso, manter o equilíbrio em uma posição desajeitada).

Relacionar dados relativos à idade, ao trabalho e à saúde é, portanto, uma questão ao mesmo tempo útil e complexa. A sua utilização permite revelar (ou presumir) vários tipos de ligações. Pode tratar-se de simples relações causais, com alguma exigência do trabalho acelerando uma espécie de declínio do estado funcional com o avançar da idade. Mas este não é o caso mais frequente. Muitas vezes, seremos levados a apreciar simultaneamente o efeito de uma acumulação de constrangimentos a um conjunto de características de saúde e, ao mesmo tempo, o efeito de mecanismos de seleção segundo os quais os trabalhadores cuja saúde piorou podem ser excluídos de certos tipos de trabalho (o que os epidemiologistas chamam de “efeito do trabalhador são ”).

Desta forma podemos avaliar a solidez deste conjunto de relações, confirmar certos conhecimentos fundamentais no âmbito da psicofisiologia e, sobretudo, obter informações úteis para traçar estratégias preventivas do envelhecimento no trabalho.

Alguns tipos de ação

A ação a empreender para manter os trabalhadores idosos no emprego, sem consequências negativas para eles, deve seguir algumas linhas gerais:

  1. Não se deve considerar esta faixa etária como uma categoria à parte, mas sim considerar a idade como um fator de diversidade entre outros na população ativa; medidas de proteção muito direcionadas ou muito acentuadas tendem a marginalizar e enfraquecer a posição das populações envolvidas.
  2. Alguém deveria antecipar mudanças individuais e coletivas relacionadas à idade, bem como mudanças nas técnicas e na organização do trabalho. A gestão dos recursos humanos só pode ser efectivamente efectuada ao longo do tempo, de forma a preparar os devidos ajustamentos nas carreiras laborais e formativas. A concepção das situações de trabalho pode então ter em conta, ao mesmo tempo, as soluções técnicas e organizativas disponíveis e as características da (futura) população em questão.
  3. A diversidade do desenvolvimento individual ao longo da vida profissional deve ser tida em consideração, de forma a criar condições de diversidade equivalente nas carreiras e situações de trabalho.
  4. Deve-se atentar para favorecer o processo de formação de competências e atenuar o processo de declínio.

 

Com base nesses poucos princípios, vários tipos de ação imediata podem ser definidos primeiro. A maior prioridade de ação incidirá sobre as condições de trabalho que são susceptíveis de colocar problemas particularmente graves para os trabalhadores mais velhos. Conforme mencionado anteriormente, tensões posturais, esforço extremo, restrições de tempo estritas (por exemplo, como no trabalho na linha de montagem ou a imposição de metas de produção mais altas), ambientes nocivos (temperatura, ruído) ou ambientes inadequados (condições de iluminação), trabalho noturno e turnos trabalho são exemplos.

A identificação sistemática destes constrangimentos em postos que são (ou podem ser) ocupados por trabalhadores mais velhos permite inventariar e estabelecer prioridades de actuação. Essa identificação pode ser realizada por meio de checklists de inspeção empírica. De igual utilidade será a análise da atividade do trabalhador, que permitirá relacionar a observação de seu comportamento com as explicações que ele dá de suas dificuldades. Nestes dois casos, medidas de esforço ou de parâmetros ambientais podem completar as observações.

Além dessa identificação, não é possível descrever aqui a ação a ser tomada, pois obviamente será específica de cada situação de trabalho. A utilização de normas pode por vezes ser útil, mas poucas normas dão conta de aspetos específicos do envelhecimento, e cada uma diz respeito a um domínio particular, o que tende a dar origem a pensar de forma isolada sobre cada componente da atividade em estudo.

Além das medidas imediatas, levar em conta o envelhecimento implica um pensamento de longo alcance direcionado para trabalhar com a maior flexibilidade possível na concepção das situações de trabalho.

Essa flexibilidade deve ser buscada primeiro no projeto de situações de trabalho e equipamentos. Espaço restrito, ferramentas não ajustáveis, softwares rígidos, enfim, todas as características da situação que limitam a expressão da diversidade humana na realização da tarefa são muito passíveis de penalizar uma proporção considerável de trabalhadores mais velhos. O mesmo se aplica aos tipos de organização mais restritivos: uma distribuição de tarefas completamente predeterminada, prazos frequentes e urgentes, ou encomendas demasiado numerosas ou demasiado estritas (estas, evidentemente, devem ser toleradas quando existem requisitos essenciais relativos à qualidade de produção ou a segurança de uma instalação). A busca dessa flexibilidade é, portanto, a busca de variados ajustes individuais e coletivos que possam facilitar a integração bem-sucedida dos trabalhadores idosos no sistema produtivo. Uma das condições para o sucesso destes ajustamentos é obviamente o estabelecimento de programas de formação laboral, destinados a trabalhadores de todas as idades e adaptados às suas necessidades específicas.

A consideração do envelhecimento na conceção das situações de trabalho implica, assim, um conjunto de ações coordenadas (redução global das tensões extremas, utilização de todas as estratégias possíveis de organização do trabalho e esforço contínuo de reforço das competências), tanto mais eficazes como menos caros quando são assumidos a longo prazo e são cuidadosamente pensados ​​com antecedência. O envelhecimento da população é um fenômeno suficientemente lento e previsível para que uma ação preventiva adequada seja perfeitamente viável.

 

Voltar

Leia 4848 vezes Última modificação em quinta-feira, 13 de outubro de 2011 20:30

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de Ergonomia

Abeysekera, JDA, H Shahnavaz e LJ Chapman. 1990. Ergonomia em países em desenvolvimento. Em Advances in Industrial Ergonomics and Safety, editado por B Das. Londres: Taylor & Francis.

Ahonen, M, M Launis e T Kuorinka. 1989. Análise Ergonômica do Local de Trabalho. Helsinque: Instituto Finlandês de Saúde Ocupacional.

Alvares, C. 1980. Homo Faber: Tecnologia e Cultura na Índia, China e no Ocidente de 1500 até os dias atuais. Haia: Martinus Nijhoff.

Amalberti, R. 1991. Savoir-faire de l'opérateur: aspect théoriques et pratiques en ergonomia. In Modèle en analysis du travail, editado por R Amalberti, M de Montmollin e J Thereau. Liège: Mardaga.

Amalberti, R, M Bataille, G Deblon, A Guengant, JM Paquay, C Valot e JP Menu. 1989. Desenvolvimento de ajudas inteligentes na pilotagem: formalização psicológica e informática de um modelo de comportamento do pologage de combate engajado em missão de penetração. Paris: Relatório CERMA.

Åstrand, I. 1960. Capacidade de trabalho aeróbico em homens e mulheres com referência especial à idade. Acta Physiol Scand 49 Supl. 169:1-92.

Bainbridge, L. 1981. Le contrôleur de processus. B Psicol XXXIV:813-832.

—. 1986. Fazendo perguntas e acessando o conhecimento. Future Comput Sys 1:143-149.

Baitsch, C. 1985. Kompetenzentwicklung und partizipative Arbeitsgestaltung. Berna: Huber.

Banks, MH e RL Miller. 1984. Confiabilidade e validade convergente do inventário de componentes de trabalho. J Occup Psychol 57:181-184.

Baranson, J. 1969. Tecnologia Industrial para Economias em Desenvolvimento. Nova York: Praeger.

Bartenwerfer, H. 1970. Psychische Beanspruchung und Erdmüdung. In Handbuch der Psychologie, editado por A Mayer e B Herwig. Göttingen: Hogrefe.

Bartlem, CS e Locke E. 1981. O estudo de Coch e French: Uma crítica e reinterpretação. Hum Relat 34:555-566.

Blumberg, M. 1988. Rumo a uma nova teoria de design de trabalho. Em Ergonomics of Hybrid Automated Systems, editado por W Karwowski, HR Parsaei e MR Wilhelm. Amsterdã: Elsevier.

Bourdon, F e A Weill Fassina. 1994. Réseau et processus de coopération dans la gestion du trafic ferroviaire. Trabalho Hum. Numéro spécial consacré au travail collectif.

Brehmer, B. 1990. Rumo a uma taxonomia para micromundos. Em Taxonomia para uma Análise de Domínios de Trabalho. Proceedings of the First MOHAWC Workshop, editado por B Brehmer, M de Montmollin e J Leplat. Roskilde: Riso National Laboratory.

Brown DA e R Mitchell. 1986. O ergonomista de bolso. Sydney: Centro de Saúde Ocupacional do Grupo.

Bruder. 1993. Entwicklung eines wissensbusierten Systems zur besttungsanalytisch unterscheidbaren Erholungszeit. Dusseldorf: VDI-Verlag.

Caverni, J.P. 1988. La verbalisation comme source d'observables pour l'étude du fonctionnnement cognitif. Em Psychologie cognitiva: Modèles et méthodes, editado por JP
Caverni, C Bastien, P Mendelson e G Tiberghien. Grenoble: Prensas Univ. de Grenoble.

Campion, MA. 1988. Abordagens interdisciplinares para design de trabalho: Uma replicação construtiva com extensões. J Appl Psychol 73:467-481.

Campion, MA e PW Thayer. 1985. Desenvolvimento e avaliação de campo de uma medida interdisciplinar de design de trabalho. J Appl Psychol 70:29-43.

Carter, RC e RJ Biersner. 1987. Requisitos de trabalho derivados do Questionário de Análise de Posição e validade usando resultados de testes de aptidão militar. J Occup Psychol 60:311-321.

Chaffin, DB. 1969. Desenvolvimento de modelo biomecânico computadorizado e uso no estudo de ações corporais gerais. J Biomech 2:429-441.

Chaffin, DB e G Andersson. 1984. Biomecânica Ocupacional. Nova York: Wiley.

Chapanis, A. 1975. Variáveis ​​étnicas em Engenharia de Fatores Humanos. Baltimore: Universidade Johns Hopkins.

Coch, L e JRP French. 1948. Superando a resistência à mudança. Hum Relat 1:512-532.

Corlett, EN e RP Bishop. 1976. Uma técnica para avaliar o desconforto postural. Ergonomia 19:175-182.

Corlett, N. 1988. A investigação e avaliação do trabalho e locais de trabalho. Ergonomia 31:727-734.

Costa, G, G Cesana, K Kogi e A Wedderburn. 1990. Turnos de trabalho: saúde, sono e desempenho. Francoforte: Peter Lang.

Cotton, JL, DA Vollrath, KL Froggatt, ML Lengnick-Hall e KR Jennings. 1988. Participação dos empregados: diversas formas e diferentes resultados. Acad Manage Rev 13:8-22.

Cushman, WH e DJ Rosenberg. 1991. Fatores humanos em design de produto. Amsterdã: Elsevier.

Dachler, HP e B Wilpert. 1978. Dimensões conceituais e limites da participação nas organizações: uma avaliação crítica. Adm Sci Q 23:1-39.

Daftuar, CN. 1975. O papel dos fatores humanos nos países subdesenvolvidos, com referência especial à Índia. Em Variável étnica em engenharia de fator humano, editado por Chapanis. Baltimore: Universidade Johns Hopkins.

Das, B e RM Grady. 1983a. Projeto de layout de local de trabalho industrial. Uma aplicação da antropometria de engenharia. Ergonomia 26:433-447.

—. 1983b. A área de trabalho normal no plano horizontal. Um estudo comparativo entre os conceitos de Farley e Squire. Ergonomia 26:449-459.

Deci, EL. 1975. Motivação Intrínseca. Nova York: Plenum Press.

Decortis, F e PC Cacciabue. 1990. Modèlisation cognitiva e análise de l'activité. Em Modèles et pratiques de l'analyse du travail, editado por R Amalberti, M Montmollin e J Theureau. Bruxelas: Mardaga.

DeGreve, TB e MM Ayoub. 1987. Um sistema especialista em design de local de trabalho. Int J Ind Erg 2:37-48.

De Keyser, V. 1986. De l'évolution des métiers. In Traité de psychologie du travail, editado por C Levy-Leboyer e JC Sperandio. Paris: Presses Universitaires de France.

—. 1992. Homem na Linha de Produção. Actas da Quarta Conferência Brite-EuRam, 25-27 de Maio, Sevilha, Espanha. Bruxelas: CEE.

De Keyser, V e A Housiaux. 1989. A Natureza da Perícia Humana. Rapport Intermédiaire Politique Scientifique. Liège: Université de Liège.

De Keyser, V e AS Nyssen. 1993. Les erreurs humaines en anesthésie. Trabalho de parto Hum 56:243-266.

De Lisi, PS. 1990. Lição do machado de aço: Cultura, tecnologia e mudança organizacional. Sloan Manage Rev 32:83-93.

Dillon, A. 1992. Lendo do papel versus tela: Uma revisão crítica da literatura empírica. Ergonomics 35:1297-1326.

Dines, DF. 1992. Sondando os limites da capacidade funcional: Os efeitos da perda de sono em tarefas de curta duração. In Sleep, Arousal, and Performance, editado por RJ Broughton e RD Ogilvie. Boston: Birkhäuser.

Dryy, CG. 1987. Uma avaliação biomecânica do potencial de lesão por movimento repetitivo de trabalhos industriais. Sem Occup Med 2:41-49.

Edholm, OG. 1966. A avaliação da atividade habitual. In Physical Activity in Health and Disease, editado por K Evang e K Lange-Andersen. Oslo: Universitettetterlaget.

Eilers, K, F Nachreiner e K Hänicke. 1986. Entwicklung und Überprüfung einer Skala zur Erfassung subjektiv erlebter Anstrengung. Zeitschrift für Arbeitswissenschaft 40:215-224.

Elias, R. 1978. Uma abordagem médicobiológica da carga de trabalho. Nota No. 1118-9178 em Cahiers De Notes Documentaires—Sécurité Et Hygiène Du Travail. Paris: INRS.

Elzinga, A e A Jamison. 1981. Componentes Culturais na Atitude Científica em relação à Natureza: Modo Oriental e Ocidental. Documento de discussão nº 146. Lund: Univ. de Lund, Research Policy Institute.

Emery, FE. 1959. Características dos Sistemas Sócio-Técnicos. Documento nº 527. Londres: Tavistock.

Empson, J. 1993. Sleep and Dreaming. Nova York: Harvester Wheatsheaf.

Ericson, KA e HA Simon. 1984. Análise de protocolo: relatórios verbais como dados. Cambridge, Mass.: MIT Press.

Comitê Europeu de Normalização (CEN). 1990. Princípios ergonômicos do projeto de sistemas de trabalho. Diretiva 90/269/EEC do Conselho da EEC, Requisitos Mínimos de Saúde e Segurança para Movimentação Manual de Cargas. Bruxelas: CEN.

—. 1991. Catálogo CEN 1991: Catálogo de Normas Europeias. Bruxelas: CEN.

—. 1994. Safety of Machinery: Ergonomic Design Principles. Parte 1: Terminologia e Princípios Gerais. Bruxelas: CEN.

Fadier, E. 1990. Fiabilité humaine: méthodes d'analyse et domaines d'application. In Les facteurs humains de la fiabilité dans les systèmes complexes, editado por J Leplat e G De Terssac. Marselha: Octares.

Falzon, P. 1991. Diálogos cooperativos. Em Tomada de Decisão Distribuída. Cognitive Models for Cooperative Works, editado por J Rasmussen, B Brehmer e J Leplat. Chichester: Wiley.

Faverge, JM. 1972. L'analyse du travail. In Traité de psychologie appliqueé, editado por M Reuchlin. Paris: Presses Universitaires de France.

Fisher, S. 1986. Estresse e Estratégia. Londres: Erlbaum.

Flanagan, JL. 1954. A técnica do incidente crítico. Psychol Bull 51:327-358.

Fleishman, EA e MK Quaintance. 1984. Toxonomias do Desempenho Humano: A Descrição das Tarefas Humanas. Nova York: Academic Press.

Flügel, B, H Greil e K Sommer. 1986. Anthropologischer Atlas. Grundlagen und Daten. República Democrática Alemã. Berlim: Verlag tribune.

Folkard, S e T Akerstedt. 1992. Um modelo de três processos de regulação da sonolência em estado de alerta. In Sleep, Arousal and Performance, editado por RJ Broughton e BD Ogilvie. Boston: Birkhäuser.

Folkard, S e TH Monk. 1985. Horas de trabalho: Fatores temporais na programação do trabalho. Chichester: Wiley.

Folkard, S, TH Monk e MC Lobban. 1978. Ajuste de curto e longo prazo dos ritmos circadianos em enfermeiras noturnas “permanentes”. Ergonomia 21:785-799.

Folkard, S, P Totterdell, D Menores e J Waterhouse. 1993. Dissecando os ritmos circadianos de desempenho: Implicações para o trabalho em turnos. Ergonomia 36(1-3):283-88.

Froberg, JE. 1985. Privação do sono e jornada de trabalho prolongada. Em Hours of Work: Temporal Factors in Work Scheduling, editado por S Folkard e TH Monk. Chichester: Wiley.

Fuglesang, A. 1982. Sobre a compreensão de ideias e observações sobre interculturalidade
Comunicação. Uppsala: Dag Hammarskjöld Foundation.

Geertz, C. 1973. A Interpretação das Culturas. Nova York: Basic Books.

Gilad, I. 1993. Metodologia para avaliação ergonômica funcional de operações repetitivas. Em Advances in Industrial Egonomics and Safety, editado por Nielsen e Jorgensen. Londres: Taylor & Francis.

Gilad, I e E. Messer. 1992. Considerações biomecânicas e design ergonômico no polimento de diamante. Em Advances in Industrial Ergonomics and Safety, editado por Kumar. Londres: Taylor & Francis.

Glenn, ES e CG Glenn. 1981. Homem e Humanidade: Conflito e Comunicação entre Culturas. Norwood, NJ: Ablex.

Gopher, D e E Donchin. 1986. Carga de trabalho — Um exame do conceito. Em Handbook of Perception and Human Performance, editado por K Boff, L Kaufman e JP Thomas. Nova York: Wiley.

GOULD, JD. 1988. Como projetar sistemas utilizáveis. Em Handbook of Human Computer Interaction, editado por M Helander. Amsterdã: Elsevier.

Gould, JD e C. Lewis. 1985. Projetando para usabilidade: princípios-chave e o que os designers pensam. Comum ACM 28:300-311.

Gould, JD, SJ Boies, S Levy, JT Richards e J Schoonard. 1987. O sistema de mensagem olímpica de 1984: um teste dos princípios comportamentais do design. Comum ACM 30:758-769.

Gowler, D e K Legge. 1978. Participação no contexto: Rumo a uma síntese da teoria e prática da mudança organizacional, parte I. J Manage Stud 16:150-175.

Grady, JK e J de Vries. 1994. RAM: O Modelo de Aceitação da Tecnologia de Reabilitação como Base para uma Avaliação Integral do Produto. Instituut voor Research, Ontwikkeling en Nascholing em de Gezondheidszorg (IRON) e University Twente, Departamento de Engenharia Biomédica.

Grandjean, E. 1988. Ajustando a tarefa ao homem. Londres: Taylor & Francis.

Grant, S e T Mayes. 1991. Análise de tarefas cognitivas? Em Human-Computer Interactionand Complex Systems, editado por GS Weir e J Alty. Londres: Academic Press.

Greenbaum, J e M Kyng. 1991. Design At Work: Design Cooperativo de Sistemas de Computador. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.

Greuter, MA e JA Algera. 1989. Critério de desenvolvimento e análise de trabalho. Em Assessment and Selection in Organizations, editado por P Herlot. Chichester: Wiley.

Grote, G. 1994. Uma abordagem participativa para o projeto complementar de sistemas de trabalho altamente automatizados. Em Human Factors in Organizational Design and Management, editado por G Bradley e HW Hendrick. Amsterdã: Elsevier.

Guelaud, F, MN Beauchesne, J Gautrat e G Roustang. 1977. Pour une analyse des conditions du travail ouvrier dans l'entreprise. Paris: A. Colin.

Guillerm, R, E Radziszewski e A Reinberg. 1975. Ritmos circadianos de seis homens jovens saudáveis ​​durante um período de 4 semanas com trabalho noturno a cada 48 horas e uma atmosfera de 2 por cento de Co2. Em Experimental Studies of Shiftwork, editado por P Colquhoun, S Folkard, P Knauth e J Rutenfranz. Opladen: Westdeutscher Werlag.

Hacker, W. 1986. Arbeitspsychologie. In Schriften zur Arbeitpsychologie, editado por E Ulich. Berna: Huber.

Hacker, W e P Richter. 1994. Psychische Fehlbeanspruchung. Ermüdung, Monotonie, Sättigung, Stress. Heidelberg: Springer.

Hackman, JR e GR Oldham. 1975. Desenvolvimento da pesquisa de diagnóstico do trabalho. J Appl Psychol 60:159-170.

Hancock, PA e MH Chignell. 1986. Em Direção a uma Teoria da Carga de Trabalho Mental: Estresse e Adaptabilidade em Sistemas Humano-Máquina. Proceedings of the IEEE International Conference On Systems, Man, and Cybernetics. Nova York: Sociedade IEEE.

Hancock, PA e N Meshkati. 1988. Carga de trabalho mental humano. Amsterdã: Holanda do Norte.

Hanna, A (ed.). 1990. Revisão Anual de Design ID. 37 (4).

Härmä, M. 1993. Diferenças individuais na tolerância ao trabalho em turnos: uma revisão. Ergonomia 36:101-109.

Hart, S e LE Staveland. 1988. Desenvolvimento do NASA-TLX (Task Load Index): Resultados de pesquisas empíricas e teóricas. Em Human Mental Work Load, editado por PA Hancock e N Meshkati. Amsterdã: Holanda do Norte.

Hirschheim, R e HK Klein. 1989. Quatro paradigmas de desenvolvimento de sistemas de informação. Comum ACM 32:1199-1216.

Hoc, JM. 1989. Abordagens cognitivas para controle de processo. Em Advances in Cognitive Science, editado por G Tiberghein. Chichester: Horwood.

Hofstede, G. 1980. Consequências da Cultura: Diferenças Internacionais em Valores Relacionados ao Trabalho. Beverly Hills, Califórnia: Sage Univ. Imprensa.

—. 1983. A relatividade cultural das práticas e teorias organizacionais. J Int Stud: 75-89.

Hornby, P e C Clegg. 1992. Participação do usuário no contexto: Um estudo de caso em um banco do Reino Unido. Behav Inf Technol 11:293-307.

Hosni, DE. 1988. A transferência da tecnologia microeletrônica para o terceiro mundo. Tech Manage Pub TM 1:391-3997.

Hsu, SH e Y Peng. 1993. Relação de controle/exibição do fogão de quatro bocas: um reexame. Fatores Hum 35:745-749.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1990.As horas que trabalhamos: novos horários de trabalho na política e na prática. Cond Wor Dig 9.

Organização Internacional de Normalização (ISO). 1980. Projeto de Proposta para a Lista Central de Medidas Antropométricas ISO/TC 159/SC 3 N 28 DP 7250. Geneva: ISO.

—. 1996. ISO/DIS 7250 Medidas Básicas do Corpo Humano para Design Tecnológico. Genebra: ISO.
Organização Japonesa de Promoção de Design Industrial (JIDPO). 1990. Good Design Products 1989. Tóquio: JIDPO.

Jastrzebowski, W. 1857. Rys ergonomia czyli Nauki o Pracy, opartej naprawdach poczerpnietych z Nauki Przyrody. Przyoda em Przemysl 29:227-231.

Jeanneret, PR. 1980. Avaliação e classificação de empregos equitativos com o Questionário de Análise de Posição. Compensa Ap 1:32-42.

Jürgens, HW, IA Aune e U Pieper. 1990. Dados internacionais sobre antropometria. Série Segurança e Saúde Ocupacional. Genebra: OIT.

Kadefors, R. 1993. Um modelo para avaliação e projeto de locais de trabalho para soldagem manual. Em The Ergonomics of Manual Work, editado por WS Marras, W Karwowski e L Pacholski. Londres: Taylor & Francis.

Kahneman, D. 1973. Atenção e Esforço. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Karhu, O, P Kansi e I Kuorinka. 1977. Corrigindo posturas de trabalho na indústria: Um método prático para análise. Appl Ergon 8:199-201.

Karhu, O, R Harkonen, P Sorvali e P Vepsalainen. 1981. Observando posturas de trabalho na indústria: Exemplos de aplicação OWAS. Appl Ergon 12:13-17.

Kedia, BL e RS Bhagat. 1988. Restrições culturais na transferência de tecnologia entre nações: Implicações para pesquisa em gestão internacional e comparativa. Acad Manage Rev 13:559-571.

Keesing, RM. 1974. Teorias da cultura. Annu Rev Anthropol 3:73-79.

Kepenne, P. 1984. La charge de travail dans une unité de soins de médecine. Mémoire. Liège: Universidade de Liège.

Kerguelen, A. 1986. L'observation systématique en ergonomia: Élaboration d'un logiciel d'aide au recueil et à l'analyse des données. Tese de Diploma em Ergonomia, Conservatoire National des Arts et Métiers, Paris.

Ketchum, L. 1984. Projeto sociotécnico em um país do terceiro mundo: O depósito de manutenção ferroviária em Sennar, no Sudão. Hum Relat 37:135-154.

Keyserling, WM. 1986. Um sistema auxiliado por computador para avaliar o estresse postural no local de trabalho. Am Ind Hyg Assoc J 47:641-649.

Kingsley, PR. 1983. Desenvolvimento tecnológico: Questões, papéis e orientação para a psicologia social. Em Psicologia Social e Países em Desenvolvimento, editado por Blacker. Nova York: Wiley.

Kinney, JS e BM Huey. 1990. Princípios de aplicação para monitores multicoloridos. Washington, DC: National Academy Press.

Kivi, P e M Mattila. 1991. Análise e melhoria das posturas de trabalho na construção civil: Aplicação do método computadorizado OWAS. Appl Ergon 22:43-48.

Knauth, P, W Rohmert e J Rutenfranz. 1979. Seleção sistêmica de planos de turnos para produção contínua com auxílio de critérios fisiológicos do trabalho. Appl Ergon 10(1):9-15.

Knauth, P. e J Rutenfranz. 1981. Duração do sono relacionada com o tipo de trabalho por turnos, in Noite e trabalho por turnos: aspectos biológicos e sociais , editado por A Reinberg, N Vieux e P Andlauer. Oxford Pergamon Press.

Kogi, K. 1982. Problemas de sono no trabalho noturno e em turnos. II. Trabalho por turnos: sua prática e aperfeiçoamento. J Hum Ergol: 217-231.

—. 1981. Comparação das condições de repouso entre vários sistemas de rotação de turnos para trabalhadores industriais, no trabalho noturno e por turnos. Aspectos biológicos e sociais, editado por A Reinberg, N Vieux e P Andlauer. Oxford: Pérgamo.

—. 1985. Introdução aos problemas do trabalho em turnos. Em Hours of Work: Temporal Factors in Work-Scheduling, editado por S Folkard e TH Monk. Chichester: Wiley.

—. 1991. Conteúdo do trabalho e tempo de trabalho: O escopo para mudança conjunta. Ergonomia 34:757-773.

Kogi, K e JE Thurman. 1993. Tendências nas abordagens do trabalho noturno e em turnos e novos padrões internacionais. Ergonomia 36:3-13.

Köhler, C, M von Behr, H Hirsch-Kreinsen, B Lutz, C Nuber e R Schultz-Wild. 1989. Alternativen der Gestaltung von Arbeits- und Personalstrukturen bei rechnerintegrierter Fertigung. Em Strategische Optionen der Organisations- und Personalentwicklung bei CIM Forschungsbericht KfK-PFT 148, editado pelo Institut für Sozialwissenschaftliche Forschung. Karlsruhe: Projektträgerschaft Fertigungstechnik.

Koller, M. 1983. Riscos de saúde relacionados ao trabalho em turnos. Um exemplo de efeitos contingentes de tempo de estresse de longo prazo. Int Arch Occ Env Health 53:59-75.

Konz, S. 1990. Organização e projeto de estação de trabalho. Ergonomics 32:795-811.

Kroeber, AL e C Kluckhohn. 1952. Cultura, uma revisão crítica de conceitos e definições. Em Papéis do Museu Peabody. Boston: Universidade de Harvard.

Kroemer, KHE. 1993. Operação de teclas de acordes ternários. Int J Hum Comput Interact 5:267-288.

—. 1994a. Localizando a tela do computador: a que altura, a que distância? Ergonomia em Design (janeiro):40.

—. 1994b. Teclados alternativos. Em Anais da Quarta Conferência Científica Internacional WWDU '94. Milão: Univ. de Milão.

—. 1995. Ergonomia. Em Fundamentos de Higiene Industrial, editado por BA Ploog. Chicago: Conselho Nacional de Segurança.

Kroemer, KHE, HB Kroemer e KE Kroemer-Elbert. 1994. Ergonomia: Como projetar para facilidade e eficiência. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Kwon, KS, SY Lee e BH Ahn. 1993. Uma abordagem para sistemas especialistas difusos para design de cores de produtos. Em The Ergonomics of Manual Work, editado por Maras, Karwowski, Smith e Pacholski. Londres: Taylor & Francis.

Lacoste, M. 1983. Desituations de parole aux activités interpretatives. Psychol França 28:231-238.

Landau, K e W Rohmert. 1981. AET-A New Job Analysis Method. Detroit, Michigan: AIIE Conferência Anual.

Laurig, W. 1970. Elektromyographie als arbeitswissenschaftliche Untersuchungsmethode zur Beurteilung von statischer Muskelarbeit. Berlim: Beuth.

—. 1974. Beurteilung einseitig dynamischer Muskelarbeit. Berlim: Beuth.

—. 1981. Belastung, Beanspruchung und Erholungszeit bei energetisch-muskulärer Arbeit—Literaturexpertise. Em Forschungsbericht Nr. 272 der Bundesanstalt für Arbeitsschutz und Unfallforschung Dortmund. Bremerhaven: Wirtschaftsverlag NW.

—. 1992. Grundzüge der Ergonomia. Erkenntnisse und Prinzipien. Berlin, Köln: Beuth Verlag.

Laurig, W e V Rombach. 1989. Sistemas especialistas em ergonomia: Requisitos e uma abordagem. Ergonomics 32:795-811.

Leach, ER. 1965. Cultura e coesão social: a visão de um antropólogo. Em Ciência e Cultura, editado por Holten. Boston: Houghton Mifflin.

Leana, CR, EA Locke e DM Schweiger. 1990. Fato e ficção na análise da pesquisa sobre tomada de decisão participativa: uma crítica de Cotton, Vollrath, Froggatt, Lengnick-Hall e Jennings. Acad Manage Rev 15:137-146.

Lewin, K. 1951. Teoria de Campo em Ciências Sociais. Nova York: Harper.

Liker, JK, M Nagamachi e YR Lifshitz. 1988. Uma Análise Comparativa de Programas Participativos em Fábricas nos Estados Unidos e no Japão. Ann Arbor, Michigan: Univ. de Michigan, Centro de Ergonomia, Engenharia Industrial e Operacional.

Lillrank, B e N Kano. 1989. Melhoria Contínua: Círculos de Controle de Qualidade nas Indústrias Japonesas. Ann Arbor, Michigan: Univ. de Michigan, Centro de Estudos Japoneses.

Locke, EA e DM Schweiger. 1979. Participação na tomada de decisões: Mais um olhar. Em Research in Organizational Behavior, editado por BM Staw. Greenwich, Connecticut: JAI Press.

Louhevaara, V, T Hakola e H Ollila. 1990. Trabalho físico e esforço envolvido na triagem manual de encomendas postais. Ergonomia 33:1115-1130.

Luczak, H. 1982. Belastung, Beanspruchung und Erholungszeit bei informatorischmentaler Arbeit — Literaturexpertise. Forschungsbericht der Bundesanstalt für Arbeitsschutz und Unfallforschung Dortmund . Bremerhaven: Wirtschaftsverlag NW.

—. 1983. Ermüdung. Em Praktische Arbeitsphysiologie, editado por W Rohmert e J Rutenfranz. Estugarda: Georg Thieme Verlag.

—. 1993. Arbeitswissenschaft. Berlim: Springer Verlag.

Majchrzak, A. 1988. O lado humano da automação de fábrica. São Francisco: Jossey-Bass.

Martin, T, J Kivinen, JE Rijnsdorp, MG Rodd e WB Rouse. 1991. Automação apropriada integrando fatores técnicos, humanos, organizacionais, econômicos e culturais. Automatica 27:901-917.

Matsumoto, K e M Harada. 1994. O efeito dos cochilos noturnos na recuperação da fadiga após o trabalho noturno. Ergonomia 37:899-907.

Matthews, R. 1982. Condições divergentes no desenvolvimento tecnológico da Índia e do Japão. Lund Letters on Technology and Culture, No. 4. Lund: Univ. de Lund, Research Policy Institute.

McCormick, EJ. 1979. Análise de Trabalho: Métodos e Aplicações. Nova York: American Management Association.

McIntosh, DJ. 1994. Integração de VDUs no ambiente de trabalho de escritório nos Estados Unidos. Em Anais da Quarta Conferência Científica Internacional WWDU '94. Milão: Univ. de Milão.

McWhinney. 1990. O Poder do Mito no Planejamento e Mudança Organizacional, 1989 IEEE Technics, Culture and Consequences. Torrence, Califórnia: IEEE Los Angeles Council.

Meshkati, N. 1989. Uma investigação etiológica de fatores micro e macroergonômicos no desastre de Bhopal: Lições para indústrias de países industrializados e em desenvolvimento. Int J Ind Erg 4:161-175.

Menores, DS e JM Waterhouse. 1981. Ancorar o sono como sincronizador de ritmos em rotinas anormais. Int J Cronobiologia: 165-188.

Mital, A e W Karwowski. 1991. Avanços em Fatores Humanos/Ergonomia. Amsterdã: Elsevier.

Monge, TH. 1991. Sono, Sonolência e Desempenho. Chichester: Wiley.

Moray, N, PM Sanderson e K Vincente. 1989. Análise cognitiva de tarefas para uma equipe em um domínio de trabalho complexo: um estudo de caso. Anais do Segundo Encontro Europeu Sobre Abordagens da Ciência Cognitiva para Controle de Processos, Siena, Itália.

Morgan, CT, A Chapanis, JS III Cork e MW Lund. 1963. Guia de Engenharia Humana para Projeto de Equipamento. Nova York: McGraw-Hill.

Mossholder, KW e RD Arvey. 1984. Validade sintética: Uma revisão conceitual e comparativa. J Appl Psychol 69:322-333.

Mumford, E e Henshall. 1979. Uma Abordagem Participativa para Projeto de Sistemas de Computador. Londres: Associated Business Press.

Nagamachi, M. 1992. Simpatia e engenharia Kansei. Em Padrões de Medição. Taejon, Coréia: Instituto Coreano de Pesquisa de Padrões e Publicação Científica.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1981. Guia de Práticas de Trabalho para Elevação Manual. Cincinnati, Ohio: Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

—. 1990. Instrução OSHA CPL 2.85: Diretoria de Programas de Conformidade: Apêndice C, Diretrizes Sugeridas pelo NIOSH para Avaliação de Vídeo da Estação de Trabalho para Distúrbios de Trauma Cumulativo das Extremidades Superiores. Washington, DC: Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

Navarro, C. 1990. Comunicação funcional e resolução de problemas em uma tarefa de regulação de tráfego de ônibus. Psychol Rep 67:403-409.

Negandhi, ART. 1975. Comportamento Organizacional Moderno. Kent: Universidade Kent..

Nisbett, RE e TD De Camp Wilson. 1977. Contando mais do que sabemos. Psychol Rev 84:231-259.

Norman, DA. 1993. Coisas que nos tornam inteligentes. Leitura: Addison-Wesley.

Noro, K e AS Imada. 1991. Ergonomia Participativa. Londres: Taylor & Francis.

O'Donnell, RD e FT Eggemeier. 1986. Metodologia de avaliação da carga de trabalho. Em Manual de Percepção e Desempenho Humano. Cognitive Processes and Performance, editado por K Boff, L Kaufman e JP Thomas. Nova York: Wiley.

Pagels, HR. 1984. Cultura do computador: O impacto científico, intelectual e social do computador. Ann NY Acad Sci:426.

Persson, J e Å Kilbom. 1983. VIRA—En Enkel Videofilmteknik För Registrering OchAnalys Av Arbetsställningar Och—Rörelser. Solna, Suécia: Undersökningsrapport, Arbetraskyddsstyrelsen.

Pham, DT e HH Onder. 1992. Um sistema baseado em conhecimento para otimizar layouts de local de trabalho usando um algoritmo genético. Ergonomics 35:1479-1487.

Pheasant, S. 1986. Bodyspace, Anthropometry, Ergonomics and Design. Londres: Taylor & Francis.

Poole, CJM. 1993. Dedo de costureira. Brit J Ind Med 50:668-669.

Putz-Anderson, V. 1988. Distúrbios Traumáticos Cumulativos. Manual de Doenças Musculoesqueléticas dos Membros Superiores. Londres: Taylor & Francis.

Rasmussen, J. 1983. Habilidades, regras e conhecimento: Sinds, sinais, símbolos e outras distinções em modelos de desempenho humano. IEEE T Syst Man Cyb 13:257-266.

—. 1986. Uma estrutura para análise de tarefas cognitivas em design de sistemas. Em Intelligent Decision Support in Process Environments, editado por E Hollnagel, G Mancini e DD Woods. Berlim: Springer.

Rasmussen, J, A Pejtersen e K Schmidts. 1990. Em Taxonomia para Análise de Domínios de Trabalho. Proceedings of the First MOHAWC Workshop, editado por B Brehmer, M de Montmollin e J Leplat. Roskilde: Riso National Laboratory.

Reason, J. 1989. Erro Humano. Cambridge: CUP.

Rebiffé, R, O Zayana, and C Tarrière. 1969. Determinação de zonas ótimas para colocação de comandos manuais em espaço de trabalho. Ergonomia 12:913-924.

Régie nationale des usines Renault (RNUR). 1976. Les profils de poste: Methode d'analyse des conditions de travail. Paris: Masson-Sirtes.

Rogalski, J. 1991. Tomada de decisão distribuída em gerenciamento de emergência: usando um método como estrutura para analisar o trabalho cooperativo e como auxílio à decisão. Em Tomada de Decisão Distribuída. Cognitive Models for Cooperative Work, editado por J Rasmussen, B Brehmer e J Leplat. Chichester: Wiley.

Rohmert, W. 1962. Untersuchungen über Muskelermüdung und Arbeitsgestaltung. Berna: Beuth-Vertrieb.

—. 1973. Problemas na determinação de subsídios de descanso. Parte I: Uso de métodos modernos para avaliar o estresse e a tensão no trabalho muscular estático. Appl Ergon 4(2):91-95.

—. 1984. Das Belastungs-Beanspruchungs-Konzept. Z Arb sábio 38:193-200.

Rohmert, W e K Landau. 1985. Uma Nova Técnica de Análise de Trabalho. Londres: Taylor & Francis.

Rolland, C. 1986. Introdução à concepção dos sistemas de informação e panorama dos métodos disponíveis. Genie Logiciel 4:6-11.

Roth, EM e DD Woods. 1988. Auxiliando o desempenho humano. I. Análise cognitiva. Trabalho de parto Hum 51:39-54.

Rudolph, E, E Schönfelder e W Hacker. 1987. Tätigkeitsbewertungssystem für geistige arbeit mit und ohne Rechnerunterstützung (TBS-GA). Berlin: Psychodiagnostiches Zentrum der Humboldt-Universität.

Rutenfranz, J. 1982. Medidas de saúde ocupacional para trabalhadores noturnos e em turnos. II. Trabalho por turnos: sua prática e aperfeiçoamento. J Hum Ergol: 67-86.

Rutenfranz, J, J Ilmarinen, F Klimmer e H Kylian. 1990. Carga de trabalho e capacidade de desempenho físico exigidas em diferentes condições de trabalho industrial. In Fitness for Aged, Disabled, and Industrial Workers, editado por M Kaneko. Champaign, Illinois: Livros de cinética humana.

Rutenfranz, J, P Knauth e D Angersbach. 1981. Questões de pesquisa do trabalho por turnos. Em Biological Rhythms, Sleep and Shift Work, editado por LC Johnson, DI Tepas, WP Colquhoun e MJ Colligan. Nova York: Spectrum Publications Medical and Scientific Books.

Saito, Y. e K Matsumoto. 1988. Variações de funções fisiológicas e medidas psicológicas e sua relação com o atraso no turno de sono. Jap J Ind Health 30:196-205.

Sakai, K, A Watanabe, N Onishi, H Shindo, K Kimotsuki, H Saito e K Kogl. 1984. Condições de cochilos noturnos eficazes para facilitar a recuperação da fadiga do trabalho noturno. J Sci Lab 60: 451-478.

Savage, CM e D. Appleton. 1988. CIM e Gerência de Quinta Geração. Dearborn: Conselho Técnico CASA/SME.

Savoyant, A e J Leplat. 1983. Statut et fonction des communications dans l'activité des équipes de travail. Psychol França 28:247-253.

Scarbrough, H e JM Corbett. 1992. Tecnologia e Organização. Londres: Routledge.

Schmidtke, H. 1965. Die Ermüdung. Berna: Huber.

—. 1971. Untersuchungen über den Erholunggszeitbedarf bei verschiedenen Arten gewerblicher Tätigkeit. Berlim: Beuth-Vertrieb.

Sen, RN. 1984. Aplicação da ergonomia aos países em desenvolvimento industrial. Ergonomia 27:1021-1032.

Sergean, R. 1971. Gerenciando o trabalho em turnos. Londres: Gower Press.

Sethi, AA, DHJ Caro e RS Schuler. 1987. Gestão Estratégica de Technostress em uma Sociedade da Informação. Lewiston: Hogrefe.

Shackel, B. 1986. Ergonomia em design para usabilidade. Em Pessoas e Computadores: Design para Usabilidade, editado por MD Harrison e AF Monk. Cambridge: Universidade de Cambridge. Imprensa.

Shahnavaz, H. 1991. Transferência de tecnologia para países em desenvolvimento industrial e consideração de fatores humanos TULEÅ 1991: 22, 23024. Luleå Univ., Luleå, Suécia: Centro de Ergonomia de Países em Desenvolvimento.

Shahnavaz, H, J Abeysekera e A Johansson. 1993. Resolvendo problemas multifatoriais do ambiente de trabalho por meio da ergonomia participativa: Estudo de caso: operadores de VDT. Em Ergonomics of Manual Work, editado por E Williams, S Marrs, W Karwowski, JL Smith e L Pacholski. Londres: Taylor & Francis.

Shaw, JB e JH Riskid. 1983. Prevendo o estresse no trabalho usando dados do Questionário de Análise de Posição (PAQ). J Appl Psychol 68:253-261.

Shugaar, A. 1990. Ecodesign: Novos produtos para uma cultura mais verde. Int Herald Trib, 17.

Sinaiko, WH. 1975. Fatores verbais na engenharia humana: Alguns dados culturais e psicológicos. Em Variáveis ​​Étnicas em Engenharia de Fatores Humanos, editado por A Chapanis. Baltimore: Universidade Johns Hopkins..

Singleton, WT. 1982. O Corpo no Trabalho. Cambridge: CUP.

Snyder, HL. 1985a. Qualidade de imagem: Medidas e desempenho visual. In Flat Panel Displays and CRTs, editado por LE Tannas. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

—. 1985b. O sistema visual: capacidades e limitações. In Flat Panel Displays and CRTs, editado por LE Tannas. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

Salomão, CM. 1989. A resposta corporativa à diversidade da força de trabalho. Pers J 68:42-53.

Sparke, P. 1987. Design Japonês Moderno. Nova York: EP Dutton.

ESPRANDIO, JC. 1972. Charge de travail et régulation des processus opératoires. Trabalho de parto Hum 35:85-98.

Sperling, L, S Dahlman, L Wikström, A Kilbom e R Kadefors. 1993. Um modelo de cubo para a classificação do trabalho com ferramentas manuais e a formulação de requisitos funcionais. Appl Ergon 34:203-211.

Spinas, P. 1989. Desenvolvimento de software orientado ao usuário e design de diálogo. Em Work With Computers: Organizational, Management, Stress and Health Aspects, editado por MJ Smith e G Salvendy. Amsterdã: Elsevier.

Staramler, JH. 1993. O Dicionário de Ergonomia de Fatores Humanos. Boca Ratón: CRC Press.

Strohm, O, JK Kuark e A Schilling. 1993. Integrierte Produktion: Arbeitspsychologische Konzepte und empirische Befunde, Schriftenreihe Mensch, Technik, Organisation. In CIM—Herausforderung an Mensch, Technik, Organisation, editado por G Cyranek e E Ulich. Stuttgart, Zurique: Verlag der Fachvereine.

Strohm, O, P Troxler e E Ulich. 1994. Vorschlag für die Restrukturierung eines
Produktionsbetriebes. Zurique: Institut für Arbietspsychologie der ETH.

Sullivan, LP. 1986. Desdobramento da função qualidade: Um sistema para garantir que as necessidades do cliente conduzam o projeto do produto e o processo de produção. Programa de qualidade: 39-50.

Sundin, A, J Laring, J Back, G Nengtsson e R Kadefors. 1994. Um local de trabalho ambulatorial para soldagem manual: produtividade através da ergonomia. Manuscrito. Gotemburgo: Lindholmen Development.

Tardieu, H, D Nanci e D Pascot. 1985. Conception d'un système d'information. Paris: Editions d'Organisation.

Teiger, C, A Laville e J Durafourg. 1974. Taches répétitives sous contrainte de temps et charge de travail. Relatório no 39. Laboratoire de physiologie du travail et d'ergonomie du CNAM.

Torsvall, L, T Akerstedt e M. Gillberg. 1981. Idade, sono e horários de trabalho irregulares: um estudo de campo com registro de EEG, excreção de catecolaminas e autoavaliação. Scand J Wor Env Health 7:196-203.

Ulich, E. 1994. Arbeitspsychologie 3. Auflage. Zurique: Verlag der Fachvereine e Schäffer-Poeschel.

Ulich, E, M Rauterberg, T Moll, T Greutmann e O Strohm. 1991. Orientação para tarefas e design de diálogo orientado para o usuário. Int J Interação Humano-Computador 3:117-144.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). 1992. Impacto Ergonômico da Ciência na Sociedade. Vol. 165. Londres: Taylor & Francis.

Van Daele, A. 1988. A tela de visualização ou a comunicação verbal? Analise comparativa de sua utilização por operadores de sala de controle em siderurgia. Travail Hum 51(1):65-80.

—. 1992. La réduction de la complexité par les opérateurs dans le contrôle de processus continus. contribuição à l'étude du contrôle par antecipation et des ses conditions de mise en œuvre. Liège: Université de Liège.

Van der Beek, AJ, LC Van Gaalen e MHW Frings-Dresen. 1992. Posturas de trabalho e atividades de motoristas de caminhão: Um estudo de confiabilidade de observação no local e gravação em um computador de bolso. Appl Ergon 23:331-336.

Vleeschdrager, E. 1986. Dureza 10: diamantes . Paris.

Volpert, W. 1987. Psychische Regulation von Arbeitstätigkeiten. Em Arbeits, psicologia. Enzklopüdie der Psychologie, editado por U Kleinbeck e J Rutenfranz. Göttingen: Hogrefe.

Wagner, R. 1985. Análise de trabalho na ARBED. Ergonomia 28:255-273.

Wagner, JA e RZ Gooding. 1987. Efeitos das tendências sociais na pesquisa de participação. Adm Sci Q 32:241-262.

Wall, TD e JA Lischeron. 1977. Participação dos Trabalhadores: Uma Crítica da Literatura e Algumas Novas Evidências. Londres: McGraw-Hill.

Wang, WM-Y. 1992. Avaliação de Usabilidade para Interação Humano-Computador (HCI). Luleå, Suécia: Luleå Univ. de Tecnologia.

Waters, TR, V Putz-Anderson, A Garg e LJ Fine. 1993. Equação NIOSH revisada para o projeto e avaliação de tarefas de manuseio manual. Ergonomia 36:749-776.

Wedderburn, A. 1991. Diretrizes para trabalhadores em turnos. Boletim de Tópicos Europeus de Trabalho em Turnos (BEST) No. 3. Dublin: Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e de Trabalho.

Wellford, AT. 1986. Carga de trabalho mental em função da demanda, capacidade, estratégia e habilidade. Ergonomia 21:151-176.

Branco, PA. 1988. Sabendo mais sobre o que dizemos: 'Acesso introspectivo' e precisão do relatório causal, 10 anos depois. Brit J Psychol 79:13-45.

Wickens, C. 1992. Psicologia da Engenharia e Desempenho Humano. Nova York: Harper Collins.

Wickens, CD e YY Sim. 1983. A dissociação entre carga subjetiva de trabalho e desempenho: uma abordagem de múltiplos recursos. In Proceedings of the Human Factors Society 27th Annual Meeting. Santa Monica, Califórnia: Human Factors Society.

Wieland-Eckelmann, R. 1992. Cognição, Emoção e Psychische Beanspruchung. Göttingen: Hogrefe.

Wikström.L, S Byström, S Dahlman, C Fransson, R Kadefors, Å Kilbom, E Landervik, L Lieberg, L Sperling e J Öster. 1991. Critério de Seleção e Desenvolvimento de Ferramentas Manuais. Estocolmo: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.

Wilkinson, RT. 1964. Efeitos de até 60 horas de privação de sono em diferentes tipos de trabalho. Ergonomia 7:63-72.

Williams, R. 1976. Palavras-chave: Um Vocabulário de Cultura e Sociedade. Glasgow: Fontana.

Wilpert, B. 1989. Mitbestimmung. In Arbeits- und Organisationspsychologie. Internationales Handbuch em Schlüsselbegriffen, editado por S Greif, H Holling e N Nicholson. Munique: Psychologie Verlags Union.

Wilson, JR. 1991. Participação: Uma estrutura e fundação para ergonomia. J Occup Psychol 64:67-80.

Wilson, JR e EN Corlett. 1990. Avaliação do Trabalho Humano: Uma Metodologia Ergonómica Prática. Londres: Taylor & Francis.

Wisner, A. 1983. Ergonomia ou antropologia: Uma abordagem limitada ou ampla das condições de trabalho na transferência de tecnologia. In Proceedings of the First International Conference On Ergonomics of Developing Countries, editado por Shahnavaz e Babri. Luleå, Suécia: Luleå Univ. de Tecnologia.

Womack, J, T Jones e D Roos. 1990. A máquina que mudou o mundo. Nova York: Macmillan.

Woodson, WE, B Tillman e P Tillman. 1991. Manual de Projeto de Fatores Humanos. Nova York: McGraw-Hill.

Zhang, YK e JS Tyler. 1990. O estabelecimento de uma instalação moderna de produção de cabos telefônicos em um país em desenvolvimento. Um estudo de caso. Em Anais do Simpósio Internacional de Fios e Cabos. Illinois.

Zinchenko, V e V Munipov. 1989. Fundamentos de Ergonomia. Moscou: Progresso.