4 bandeira

 

32. Sistemas de Registro e Vigilância

Editor de Capítulo:  Steven D. Stellman

 


 

Conteúdo 

Tabelas e Figuras

Sistemas de Vigilância e Notificação de Doenças Ocupacionais
Steven B. Markowitz

Vigilância de Riscos Ocupacionais
David H. Wegman e Steven D. Stellman

Vigilância em países em desenvolvimento
David Koh e Kee-Seng Chia

Desenvolvimento e Aplicação de um Sistema de Classificação de Lesões e Doenças Ocupacionais
Elyce Biddle

Análise de risco de lesões e doenças não fatais no local de trabalho
John W. Ruser

Estudo de Caso: Proteção ao Trabalhador e Estatísticas de Acidentes e Doenças Profissionais - HVBG, Alemanha
Martin Butz e Burkhard Hoffmann

Estudo de caso: Wismut - uma exposição de urânio revisitada
Heinz Otten e Horst Schulz

Estratégias e Técnicas de Medição para Avaliação da Exposição Ocupacional em Epidemiologia
Frank Bochmann e Helmut Blome

Estudo de caso: pesquisas de saúde ocupacional na China

Tabelas

Clique em um link abaixo para visualizar a tabela no contexto do artigo.

1. Angiossarcoma do fígado - registro mundial

2. Doença ocupacional, EUA, 1986 versus 1992

3. Mortes nos EUA por pneumoconiose e mesotelioma pleural

4. Exemplo de lista de doenças ocupacionais de notificação obrigatória

5. Estrutura do código de relatórios de doenças e lesões, EUA

6. Lesões e doenças ocupacionais não fatais, EUA 1993

7. Risco de lesões e doenças ocupacionais

8. Risco relativo para condições de movimento repetitivo

9. Acidentes de trabalho, Alemanha, 1981-93

10. Retificadores em acidentes de trabalho em metal, Alemanha, 1984-93

11. Doença ocupacional, Alemanha, 1980-93

12. Doenças infecciosas, Alemanha, 1980-93

13. Exposição à radiação nas minas de Wismut

14. Doenças ocupacionais nas minas de urânio de Wismut 1952-90

figuras

Aponte para uma miniatura para ver a legenda da figura, clique para ver a figura no contexto do artigo.

REC60F1AREC060F2REC100F1REC100T1REC100T2


Clique para voltar ao topo da página

A vigilância de doenças e lesões ocupacionais envolve o monitoramento sistemático de eventos de saúde em populações trabalhadoras, a fim de prevenir e controlar os riscos ocupacionais e suas doenças e lesões associadas. A vigilância de doenças e lesões ocupacionais tem quatro componentes essenciais (Baker, Melius e Millar 1988; Baker 1986).

  1. Reunir informações sobre casos de doenças e lesões ocupacionais.
  2. Destilar e analisar os dados.
  3. Divulgue dados organizados para as partes necessárias, incluindo trabalhadores, sindicatos, empregadores, agências governamentais e o público.
  4. Intervir com base em dados para alterar os fatores que produziram esses eventos de saúde.

A vigilância em saúde ocupacional tem sido descrita de forma mais concisa como contagem, avaliação e ação (Landrigan 1989).

Vigilância geralmente se refere a dois grandes conjuntos de atividades em saúde ocupacional. Vigilância em saúde pública refere-se às atividades realizadas pelos governos federal, estadual ou municipal dentro de suas respectivas jurisdições para monitorar e acompanhar doenças e lesões ocupacionais. Esse tipo de vigilância tem como base uma população, ou seja, o público trabalhador. Os eventos registrados são diagnósticos suspeitos ou estabelecidos de doenças e lesões ocupacionais. Este artigo examinará essas atividades.

Vigilância médica refere-se à aplicação de exames e procedimentos médicos a trabalhadores individuais que possam estar em risco de morbidade ocupacional, para determinar se um distúrbio ocupacional pode estar presente. A vigilância médica geralmente é ampla e representa o primeiro passo para verificar a presença de um problema relacionado ao trabalho. Se um indivíduo ou uma população for exposto a uma toxina com efeitos conhecidos e se os testes e procedimentos forem altamente direcionados para detectar a provável presença de um ou mais efeitos nessas pessoas, essa atividade de vigilância é mais apropriadamente descrita como triagem médica (Halperin e Frazier 1985). Um programa de vigilância médica aplica testes e procedimentos em um grupo de trabalhadores com exposições comuns com a finalidade de identificar indivíduos que possam ter doenças ocupacionais e com a finalidade de detectar padrões de doenças que podem ser produzidos por exposições ocupacionais entre os participantes do programa. Esse programa geralmente é realizado sob os auspícios do empregador ou sindicato do indivíduo.

Funções da Vigilância em Saúde Ocupacional

O principal objetivo da vigilância em saúde ocupacional é identificar a incidência e a prevalência de doenças e lesões ocupacionais conhecidas. A coleta de dados epidemiológicos descritivos sobre a incidência e prevalência dessas doenças de forma precisa e abrangente é um pré-requisito essencial para estabelecer uma abordagem racional para o controle de doenças e lesões ocupacionais. A avaliação da natureza, magnitude e distribuição das doenças e lesões ocupacionais em qualquer área geográfica requer um banco de dados epidemiológico sólido. Somente por meio de uma avaliação epidemiológica das dimensões da doença ocupacional é que se pode razoavelmente avaliar sua importância em relação a outros problemas de saúde pública, sua demanda por recursos e a urgência de normatização legal. Em segundo lugar, a coleta de dados de incidência e prevalência permite a análise das tendências de doenças e lesões ocupacionais entre diferentes grupos, em diferentes locais e durante diferentes períodos de tempo. A detecção de tais tendências é útil para determinar as prioridades e estratégias de controle e pesquisa e para avaliar a eficácia de quaisquer intervenções realizadas (Baker, Melius e Millar 1988).

Uma segunda função ampla da vigilância da saúde ocupacional é identificar casos individuais de doenças e lesões ocupacionais, a fim de encontrar e avaliar outros indivíduos dos mesmos locais de trabalho que possam estar em risco de doenças e lesões semelhantes. Além disso, esse processo permite o início de atividades de controle para melhorar as condições perigosas associadas à causa do caso índice (Baker, Melius e Millar 1988; Baker, Honchar e Fine 1989). Um caso índice de doença ou lesão ocupacional é definido como o primeiro indivíduo doente ou ferido de um determinado local de trabalho a receber cuidados médicos e, assim, chamar a atenção para a existência de um perigo no local de trabalho e uma população adicional no local de trabalho em risco. Um outro objetivo da identificação do caso pode ser assegurar que o indivíduo afetado receba acompanhamento clínico adequado, uma consideração importante em vista da escassez de especialistas em medicina ocupacional clínica (Markowitz et al. 1989; Castorino e Rosenstock 1992).

Finalmente, a vigilância da saúde ocupacional é um meio importante para descobrir novas associações entre agentes ocupacionais e doenças associadas, uma vez que não se conhece o potencial de toxicidade da maioria dos produtos químicos utilizados no local de trabalho. A descoberta de doenças raras, padrões de doenças comuns ou associações suspeitas de doença-exposição por meio de atividades de vigilância no local de trabalho pode fornecer pistas vitais para uma avaliação científica mais conclusiva do problema e possível verificação de novas doenças ocupacionais.

Obstáculos ao Reconhecimento de Doenças Profissionais

Vários fatores importantes prejudicam a capacidade dos sistemas de vigilância e notificação de doenças ocupacionais de cumprir as funções citadas acima. Em primeiro lugar, o reconhecimento da causa ou causas subjacentes de qualquer doença é condição sine qua non para registrar e relatar doenças ocupacionais. No entanto, em um modelo médico tradicional que enfatiza o cuidado sintomático e curativo, identificar e eliminar a causa subjacente da doença pode não ser uma prioridade. Além disso, os prestadores de cuidados de saúde muitas vezes não são adequadamente treinados para suspeitar que o trabalho é a causa da doença (Rosenstock 1981) e não obtêm rotineiramente histórias de exposição ocupacional de seus pacientes (Instituto de Medicina 1988). Isso não deveria ser surpreendente, dado que nos Estados Unidos, o estudante médio de medicina recebe apenas seis horas de treinamento em medicina ocupacional durante os quatro anos da faculdade de medicina (Burstein e Levy, 1994).

Certos aspectos característicos da doença ocupacional exacerbam a dificuldade de reconhecer doenças ocupacionais. Com poucas exceções – principalmente o angiossarcoma do fígado, o mesotelioma maligno e as pneumoconioses – a maioria das doenças que podem ser causadas por exposições ocupacionais também tem causas não ocupacionais. Essa inespecificidade dificulta a determinação da contribuição ocupacional para a ocorrência da doença. De fato, a interação de exposições ocupacionais com outros fatores de risco pode aumentar muito o risco de doenças, como ocorre com a exposição ao amianto e ao tabagismo. Para doenças ocupacionais crônicas, como câncer e doenças respiratórias crônicas, geralmente existe um longo período de latência entre o início da exposição ocupacional e a apresentação da doença clínica. Por exemplo, o mesotelioma maligno normalmente tem uma latência de 35 anos ou mais. Um trabalhador assim afetado pode muito bem ter se aposentado, diminuindo ainda mais a suspeita do médico sobre possíveis etiologias ocupacionais.

Outra causa do sub-reconhecimento generalizado de doenças ocupacionais é que a maioria dos produtos químicos no comércio nunca foi avaliada em relação à sua toxicidade potencial. Um estudo do Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos na década de 1980 não encontrou informações disponíveis sobre a toxicidade de aproximadamente 80% das 60,000 substâncias químicas em uso comercial. Mesmo para os grupos de substâncias que são regulados com mais rigor e sobre os quais há mais informações disponíveis - drogas e aditivos alimentares - informações razoavelmente completas sobre possíveis efeitos adversos estão disponíveis para apenas uma minoria de agentes (NRC 1984).

Os trabalhadores podem ter uma capacidade limitada de fornecer um relatório preciso de suas exposições tóxicas. Apesar de alguma melhora em países como os Estados Unidos na década de 1980, muitos trabalhadores não são informados sobre a natureza perigosa dos materiais com os quais trabalham. Mesmo quando essas informações são fornecidas, pode ser difícil recordar a extensão da exposição a vários agentes em uma variedade de empregos ao longo de uma carreira profissional. Como resultado, mesmo os profissionais de saúde motivados a obter informações ocupacionais de seus pacientes podem não conseguir fazê-lo.

Os empregadores podem ser uma excelente fonte de informações sobre exposições ocupacionais e ocorrência de doenças relacionadas ao trabalho. No entanto, muitos empregadores não têm experiência para avaliar a extensão da exposição no local de trabalho ou para determinar se uma doença está relacionada ao trabalho. Além disso, os desincentivos financeiros à descoberta de que uma doença é de origem profissional podem desencorajar os empregadores de usar essas informações adequadamente. O potencial conflito de interesses entre a saúde financeira do empregador e a saúde física e mental do trabalhador representa um grande obstáculo à melhoria da vigilância das doenças profissionais.

Registros e outras fontes de dados específicas para doenças ocupacionais

registros internacionais

Os registros internacionais de doenças ocupacionais são um desenvolvimento empolgante na saúde ocupacional. O benefício óbvio desses registros é a capacidade de realizar grandes estudos, o que permitiria determinar o risco de doenças raras. Dois desses registros para doenças ocupacionais foram iniciados durante a década de 1980.

A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) estabeleceu o Registro Internacional de Pessoas Expostas a Herbicidas Fenoxi e Contaminantes em 1984 (IARC 1990). Em 1990, havia inscrito 18,972 trabalhadores de 19 coortes em dez países. Por definição, todos os inscritos trabalhavam em indústrias envolvendo herbicidas fenoxi e/ou clorofenóis, principalmente em indústrias de fabricação/formulação ou como aplicadores. Estimativas de exposição foram feitas para coortes participantes (Kauppinen et al. 1993), mas análises de incidência e mortalidade por câncer ainda não foram publicadas.

Um registro internacional de casos de angiossarcoma do fígado (ASL) está sendo coordenado por Bennett da ICI Chemicals and Polymers Limited na Inglaterra. A exposição ocupacional ao cloreto de vinila é a única causa conhecida de angiossarcoma do fígado. Os casos são relatados por um grupo voluntário de cientistas de empresas produtoras de cloreto de vinila, agências governamentais e universidades. A partir de 1990, 157 casos de ASL com datas de diagnóstico entre 1951 e 1990 foram notificados ao registro de 11 países ou regiões. A Tabela 1 também mostra que a maioria dos casos registrados foram relatados em países onde as instalações iniciaram a fabricação de cloreto de polivinila antes de 1950. O registro registrou seis agrupamentos de dez ou mais casos de ASL em instalações na América do Norte e Europa (Bennett 1990).

Tabela 1. Número de casos de angiossarcoma hepático no mundo registrados por país e ano da primeira produção de cloreto de vinila

País / Região

Número de PVC
produtor
instalações

Ano de início da produção de PVC

Número de casos
de angiossarcoma
do fígado

Estados Unidos

50

(vinte?)

39

Localização: Canadá

5

(1943)

13

Alemanha Ocidental

10

(1931)

37

França

8

(1939)

28

Reino Unido

7

(1940)

16

Outra Europa Ocidental

28

(1938)

15

Europa Oriental

23

(pré-1939)

6

Japão

36

(1950)

3

Central e
América do Sul

22

(1953)

0

Australia

3

(1950)

0

Médio Oriente

1

(1987)

0

Total

193

 

157

Fonte: Bennett, B. Registro Mundial de Casos de Angiossarcoma do Fígado (ASL)
devido ao monômero de cloreto de vinila
, Janeiro 1, 1990.

Pesquisas governamentais

Às vezes, os empregadores são legalmente obrigados a registrar lesões e doenças ocupacionais que ocorrem em suas instalações. Como outras informações baseadas no local de trabalho, como número de funcionários, salários e horas extras, os dados de lesões e doenças podem ser coletados sistematicamente por agências governamentais para fins de vigilância dos resultados de saúde relacionados ao trabalho.

Nos Estados Unidos, o Bureau of Labor Statistics (BLS) do Departamento de Trabalho dos EUA conduziu o Levantamento Anual de Lesões e Doenças Profissionais (Pesquisa Anual da BLS) desde 1972, conforme exigido pela Lei de Saúde e Segurança Ocupacional (BLS 1993b). O objetivo da pesquisa é obter os números e as taxas de doenças e lesões registradas por empregadores privados como sendo de origem ocupacional (BLS 1986). A Pesquisa Anual do BLS exclui funcionários de fazendas com menos de 11 funcionários, autônomos e funcionários dos governos federal, estadual e local. Para o ano mais recente disponível, 1992, a pesquisa reflete os dados do questionário obtidos de uma amostra aleatória estratificada de aproximadamente 250,000 estabelecimentos do setor privado nos Estados Unidos (BLS 1994).

O questionário de pesquisa de BLS preenchido pelo empregador é derivado de um registro escrito de lesões e doenças ocupacionais que os empregadores são obrigados a manter pela Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA 200 Log). Embora a OSHA exija que o empregador mantenha o Registro 200 para exame por um inspetor da OSHA mediante solicitação, ela não exige que os empregadores relatem rotineiramente o conteúdo do registro à OSHA, exceto para a amostra de empregadores incluída na Pesquisa Anual do BLS (BLS 1986).

Algumas deficiências bem reconhecidas limitam severamente a capacidade da pesquisa BLS de fornecer uma contagem completa e precisa de doenças ocupacionais nos Estados Unidos (Pollack e Keimig 1987). Os dados são derivados do empregador. Qualquer doença que o funcionário não relatar ao empregador como relacionada ao trabalho não será relatada pelo empregador na pesquisa anual. Entre os trabalhadores ativos, tal omissão de denúncia pode ser devido ao medo das consequências para o empregado. Outro grande obstáculo à notificação é a falha do médico do empregado em diagnosticar a doença relacionada ao trabalho, especialmente para doenças crônicas. As doenças ocupacionais que ocorrem entre os trabalhadores aposentados não estão sujeitas ao requisito de relatório do BLS. De fato, é improvável que o empregador tenha conhecimento do surgimento de uma doença relacionada ao trabalho em um aposentado. Uma vez que muitos casos de doenças ocupacionais crônicas com longa latência, incluindo câncer e doenças pulmonares, provavelmente terão início após a aposentadoria, uma grande proporção desses casos não seria incluída nos dados coletados pelo BLS. Essas limitações foram reconhecidas pelo BLS em um relatório recente sobre sua pesquisa anual (BLS 1993a). Em resposta às recomendações da Academia Nacional de Ciências, o BLS redesenhou e implementou uma nova pesquisa anual em 1992.

De acordo com a Pesquisa Anual do BLS de 1992, havia 457,400 doenças ocupacionais na indústria privada nos Estados Unidos (BLS 1994). Isso representou um aumento de 24%, ou 89,100 casos, sobre as 368,300 doenças registradas na Pesquisa Anual do BLS de 1991. A incidência de novas doenças ocupacionais foi de 60.0 por 10,000 trabalhadores em 1992.

Distúrbios associados a traumas repetidos, como síndrome do túnel do carpo, tendinite do punho e cotovelo e perda auditiva, dominam as doenças ocupacionais registradas na pesquisa anual do BLS e o fazem desde 1987 (tabela 2). Em 1992, representavam 62% de todos os casos de doenças registrados na pesquisa anual. Outras categorias importantes de doenças foram doenças de pele, doenças pulmonares e doenças associadas a traumas físicos.

Tabela 2. Número de novos casos de doença ocupacional por categoria de doença - Pesquisa Anual do Bureau of Labor Statistics dos EUA, 1986 versus 1992.

Categoria de doença

1986

1992

% Mudança 1986-1992

Doenças de pele

41,900

62,900

+ 50.1%

Doenças de poeira dos pulmões

3,200

2,800

- 12.5%

Condições respiratórias devido a agentes tóxicos

12,300

23,500

+ 91.1%

Envenenamentos

4,300

7,000

+ 62.8%

Distúrbios devidos a agentes físicos

9,200

22,200

+ 141.3%

Distúrbios associados a traumas repetidos

45,500

281,800

+ 519.3%

Todas as outras doenças ocupacionais

20,400

57,300

+ 180.9%

Total

136,900

457,400

+ 234.4%

Total excluindo trauma repetido

91,300

175,600

+ 92.3%

Emprego médio anual no setor privado, Estados Unidos

83,291,200

90,459,600

+ 8.7%

Fontes: Lesões e doenças ocupacionais nos Estados Unidos por setor, 1991.
US Departamento do Trabalho, Bureau of Labor Statistics, maio de 1993. Dados não publicados,
Departamento do Trabalho dos EUA, Bureau of Labor Statistics, dezembro de 1994.

Embora os distúrbios associados a traumas repetidos representem claramente a maior proporção do aumento de casos de doenças ocupacionais, também houve um aumento de 50% na incidência registrada de doenças ocupacionais que não sejam causadas por traumas repetidos nos seis anos entre 1986 e 1992 , durante o qual o emprego nos Estados Unidos aumentou apenas 8.7%.

Esses aumentos nos números e taxas de doenças ocupacionais registrados pelos empregadores e relatados ao BLS nos últimos anos nos Estados Unidos são notáveis. A rápida mudança no registro de doenças ocupacionais nos Estados Unidos se deve a uma mudança na ocorrência subjacente da doença e a uma mudança no reconhecimento e relato dessas condições. Em comparação, durante o mesmo período de 1986 a 1991, a taxa de acidentes de trabalho por 100 trabalhadores em tempo integral registrados pelo BLS passou de 7.7 em 1986 para 7.9 em 1991, um aumento de apenas 2.6%. O número de mortes registradas no local de trabalho também não aumentou drasticamente na primeira metade da década de 1990.

Vigilância baseada no empregador

Além da pesquisa do BLS, muitos empregadores norte-americanos realizam vigilância médica de suas forças de trabalho e, assim, geram uma grande quantidade de informações médicas relevantes para a vigilância de doenças ocupacionais. Esses programas de vigilância são realizados para vários propósitos: cumprir os regulamentos da OSHA; manter uma força de trabalho saudável por meio da detecção e tratamento de distúrbios não ocupacionais; garantir que o funcionário esteja apto para a execução das tarefas do cargo, incluindo a necessidade de uso de respirador; e realizar vigilância epidemiológica para descobrir padrões de exposição e doença. Essas atividades utilizam recursos consideráveis ​​e podem potencialmente dar uma contribuição importante para a vigilância em saúde pública de doenças ocupacionais. No entanto, uma vez que esses dados não são uniformes, de qualidade incerta e amplamente inacessíveis fora das empresas nas quais são coletados, sua exploração na vigilância da saúde ocupacional tem sido realizada apenas de forma limitada (Baker, Melius e Millar 1988).

A OSHA também exige que os empregadores realizem testes de vigilância médica selecionados para trabalhadores expostos a um número limitado de agentes tóxicos. Além disso, para quatorze carcinógenos de bexiga e pulmão bem reconhecidos, a OSHA exige um exame físico e históricos ocupacionais e médicos. Os dados coletados sob essas disposições da OSHA não são relatados rotineiramente a agências governamentais ou outros bancos de dados centralizados e não são acessíveis para fins de sistemas de relatórios de doenças ocupacionais.

Vigilância de funcionários públicos

Os sistemas de notificação de doenças ocupacionais podem diferir entre funcionários públicos e privados. Por exemplo, nos Estados Unidos, a pesquisa anual de doenças e lesões ocupacionais conduzida pelo Departamento Federal do Trabalho (BLS Annual Survey) exclui funcionários públicos. Esses trabalhadores são, no entanto, uma parte importante da força de trabalho, representando aproximadamente 17% (18.4 milhões de trabalhadores) da força de trabalho total em 1991. Mais de três quartos desses trabalhadores são empregados pelos governos estaduais e locais.

Nos Estados Unidos, os dados sobre doenças ocupacionais entre funcionários federais são coletados pelo Federal Occupational Workers' Compensation Program. Em 1993, houve 15,500 concessões de doenças ocupacionais para trabalhadores federais, produzindo uma taxa de 51.7 casos de doenças ocupacionais por 10,000 trabalhadores em tempo integral (Slighter 1994). Nos níveis estadual e local, as taxas e números de doenças devido à ocupação estão disponíveis para estados selecionados. Um estudo recente de funcionários estaduais e locais em Nova Jersey, um estado industrial considerável, documentou 1,700 doenças ocupacionais entre funcionários estaduais e locais em 1990, produzindo uma incidência de 50 por 10,000 trabalhadores do setor público (Roche 1993). Notavelmente, as taxas de doenças ocupacionais entre os funcionários públicos federais e não federais são notavelmente congruentes com as taxas de tal doença entre os trabalhadores do setor privado, conforme registrado na Pesquisa Anual do BLS. A distribuição do adoecimento por tipo difere entre trabalhadores públicos e privados, consequência do tipo diferente de trabalho que cada setor realiza.

Relatórios de compensação dos trabalhadores

Os sistemas de compensação dos trabalhadores fornecem uma ferramenta de vigilância intuitivamente atraente na saúde ocupacional, porque a determinação da relação da doença com o trabalho em tais casos foi presumivelmente submetida à revisão especializada. As condições de saúde que são agudas e facilmente reconhecidas na origem são freqüentemente registradas pelos sistemas de compensação dos trabalhadores. Exemplos incluem intoxicações, inalação aguda de toxinas respiratórias e dermatite.

Infelizmente, o uso de registros de compensação de trabalhadores como uma fonte confiável para dados de vigilância está sujeito a severas limitações, incluindo falta de padronização dos requisitos de elegibilidade, deficiência de definições de caso padrão, desincentivos para trabalhadores e empregadores de registrar reivindicações, falta de reconhecimento médico de doenças profissionais crónicas com longos períodos de latência e o habitual intervalo de vários anos entre o pedido inicial e a resolução de um sinistro. O efeito líquido dessas limitações é que há sub-registro significativo de doenças ocupacionais pelos sistemas de compensação dos trabalhadores.

Assim, em um estudo de Selikoff no início dos anos 1980, menos de um terço dos isoladores americanos que foram incapacitados por doenças relacionadas ao amianto, incluindo asbestose e câncer, solicitaram benefícios de compensação trabalhista, e muito menos foram bem-sucedidos em seus reivindicações (Selikoff 1982). Da mesma forma, um estudo do Departamento do Trabalho dos Estados Unidos sobre trabalhadores que relataram incapacidade por doença ocupacional constatou que menos de 5% desses trabalhadores recebiam benefícios trabalhistas (USDOL 1980). Um estudo mais recente no estado de Nova York constatou que o número de pessoas internadas em hospitais por causa de pneumoconioses superava em muito o número de pessoas que receberam benefícios trabalhistas recentes durante um período semelhante (Markowitz et al. 1989). Como os sistemas de compensação dos trabalhadores registram eventos de saúde simples, como dermatites e lesões musculoesqueléticas, muito mais prontamente do que doenças complexas de longa latência, o uso de tais dados leva a uma imagem distorcida da verdadeira incidência e distribuição de doenças ocupacionais.

Relatórios de laboratório

Os laboratórios clínicos podem ser uma excelente fonte de informação sobre os níveis excessivos de toxinas selecionadas nos fluidos corporais. As vantagens dessa fonte são relatórios oportunos, programas de controle de qualidade já implantados e a alavancagem para conformidade fornecida pelo licenciamento de tais laboratórios por agências governamentais. Nos Estados Unidos, vários estados exigem que os laboratórios clínicos relatem os resultados de categorias selecionadas de amostras aos departamentos de saúde estaduais. Os agentes ocupacionais sujeitos a esta exigência de relatório são chumbo, arsênico, cádmio e mercúrio, bem como substâncias que refletem a exposição a pesticidas (Markowitz 1992).

Nos Estados Unidos, o National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) começou a reunir os resultados dos testes de chumbo no sangue de adultos no programa de Epidemiologia e Vigilância de Chumbo no Sangue em Adultos em 1992 (Chowdhury, Fowler e Mycroft 1994). No final de 1993, 20 estados, representando 60% da população dos EUA, estavam relatando níveis elevados de chumbo no sangue ao NIOSH, e outros 10 estados estavam desenvolvendo a capacidade de coletar e relatar dados de chumbo no sangue. Em 1993, havia 11,240 adultos com níveis de chumbo no sangue que igualavam ou excediam 25 microgramas por decilitro de sangue nos 20 estados informados. A grande maioria desses indivíduos com níveis elevados de chumbo no sangue (mais de 90%) foi exposta ao chumbo no local de trabalho. Mais de um quarto (3,199) desses indivíduos tinham chumbo no sangue maior ou igual a 40 ug/dl, o limite no qual a Administração de Saúde e Segurança Ocupacional dos EUA exige ações para proteger os trabalhadores da exposição ocupacional ao chumbo.

A notificação de níveis elevados de toxinas ao departamento de saúde do estado pode ser seguida por uma investigação de saúde pública. Entrevistas confidenciais de acompanhamento com indivíduos afetados permitem a identificação oportuna dos locais de trabalho onde ocorreu a exposição, categorização do caso por ocupação e setor, estimativa do número de outros trabalhadores no local de trabalho potencialmente expostos ao chumbo e garantia de acompanhamento médico (Base e Marion 1990). As visitas ao local de trabalho são seguidas por recomendações de ações voluntárias para reduzir a exposição ou podem levar à denúncia às autoridades com poderes legais.

Relatórios dos médicos

Na tentativa de replicar a estratégia utilizada com sucesso para o monitoramento e controle de doenças infecciosas, um número crescente de estados nos Estados Unidos exige que os médicos notifiquem uma ou mais doenças ocupacionais (Freund, Seligman e Chorba 1989). A partir de 1988, 32 estados exigiam a notificação de doenças ocupacionais, embora estes incluíssem dez estados onde apenas uma doença ocupacional é reportável, geralmente intoxicação por chumbo ou pesticida. Em outros estados, como Alasca e Maryland, todas as doenças ocupacionais são notificáveis. Na maioria dos estados, os casos notificados são usados ​​apenas para contar o número de pessoas no estado afetadas pela doença. Em apenas um terço dos estados com requisitos de doenças notificáveis, o relato de um caso de doença ocupacional leva a atividades de acompanhamento, como a inspeção do local de trabalho (Muldoon, Wintermeyer e Eure 1987).

Apesar da evidência do aumento do interesse recente, o relato médico de doenças ocupacionais às autoridades governamentais estaduais apropriadas é amplamente reconhecido como inadequado (Pollack e Keimig 1987; Wegman e Froines 1985). Mesmo na Califórnia, onde um sistema de relatórios médicos está em vigor há vários anos (Primeiro Relatório de Doenças e Lesões Ocupacionais do Médico) e registrou quase 50,000 doenças ocupacionais em 1988, a conformidade do médico com os relatórios é considerada incompleta (BLS 1989) .

Uma inovação promissora na vigilância da saúde ocupacional nos Estados Unidos é o surgimento do conceito de provedor sentinela, parte de uma iniciativa realizada pelo NIOSH chamada Sentinel Event Notification System for Occupational Risks (SENSOR). Um prestador sentinela é um médico ou outro prestador de cuidados de saúde ou estabelecimento que provavelmente prestará cuidados a trabalhadores com distúrbios ocupacionais devido à especialidade ou localização geográfica do prestador.

Uma vez que os provedores sentinela representam um pequeno subconjunto de todos os provedores de cuidados de saúde, os departamentos de saúde podem organizar de forma viável um sistema ativo de notificação de doenças ocupacionais realizando ações de extensão, oferecendo educação e fornecendo feedback oportuno aos provedores sentinela. Em um relatório recente de três estados participantes do programa SENSOR, os relatos de médicos sobre asma ocupacional aumentaram acentuadamente depois que os departamentos estaduais de saúde desenvolveram programas educacionais e de extensão coordenados para identificar e recrutar provedores sentinelas (Matte, Hoffman e Rosenman 1990).

Instalações clínicas especializadas em saúde ocupacional

Um recurso recém-emergido para a vigilância da saúde ocupacional tem sido o desenvolvimento de centros clínicos de saúde ocupacional independentes do local de trabalho e especializados no diagnóstico e tratamento de doenças ocupacionais. Várias dezenas dessas instalações existem atualmente nos Estados Unidos. Esses centros clínicos podem desempenhar vários papéis na melhoria da vigilância da saúde ocupacional (Welch 1989). Em primeiro lugar, as clínicas podem desempenhar um papel primordial na detecção de casos – isto é, na identificação de eventos ocupacionais sentinelas de saúde – uma vez que representam uma fonte organizacional única de especialização em medicina ocupacional clínica. Em segundo lugar, os centros clínicos de saúde ocupacional podem servir como um laboratório para o desenvolvimento e refinamento das definições de casos de vigilância para doenças ocupacionais. Em terceiro lugar, as clínicas de saúde ocupacional podem servir como um recurso de encaminhamento clínico primário para o diagnóstico e avaliação de trabalhadores empregados em um local de trabalho onde um caso índice de doença ocupacional foi identificado.

As clínicas de saúde ocupacional organizaram-se em uma associação nacional nos Estados Unidos (a Associação de Clínicas Ocupacionais e Ambientais) para aumentar sua visibilidade e colaborar em pesquisas e investigações clínicas (Welch 1989). Em alguns estados, como Nova York, uma rede estadual de centros clínicos foi organizada pelo departamento de saúde do estado e recebe financiamento estável de uma sobretaxa sobre os prêmios de compensação dos trabalhadores (Markowitz et al. 1989). Os centros clínicos do estado de Nova York têm colaborado no desenvolvimento de sistemas de informação, protocolos clínicos e educação profissional e começam a gerar dados substanciais sobre os números de casos de doenças ocupacionais no estado.

Uso de estatísticas vitais e outros dados gerais de saúde

Certidões de óbito

A declaração de óbito é um instrumento potencialmente muito útil para vigilância de doenças ocupacionais em muitos países do mundo. A maioria dos países tem registros de óbitos. A uniformidade e a comparabilidade são promovidas pelo uso comum da Classificação Internacional de Doenças para identificar a causa da morte. Além disso, muitas jurisdições incluem informações em certidões de óbito relativas à ocupação e indústria do falecido. Uma limitação importante no uso de certidões de óbito para vigilância de doenças ocupacionais é a falta de relações únicas entre exposições ocupacionais e causas específicas de morte.

O uso de dados de mortalidade para vigilância de doenças ocupacionais é mais importante para doenças causadas exclusivamente por exposições ocupacionais. Estes incluem as pneumoconioses e um tipo de câncer, o mesotelioma maligno da pleura. A Tabela 3 mostra o número de mortes atribuídas a esses diagnósticos como causa básica de morte e como uma das causas múltiplas de morte listadas no atestado de óbito nos Estados Unidos. A causa básica de morte é considerada a principal causa de morte, enquanto a listagem de causas múltiplas inclui todas as condições consideradas importantes para contribuir para a morte.

Tabela 3. Óbitos por pneumoconiose e mesotelioma maligno da pleura. Causa básica e causas múltiplas, Estados Unidos, 1990 e 1991

Código ICD-9

Causa da morte

Números de mortes

 

Causa subjacente 1991

Múltiplas causas 1990

500

Pneumoconiose dos carvoeiros

693

1,990

501

Asbestose

269

948

502

Silicose

153

308

503-505

Outras pneumoconioses

122

450

 

Subtotal

1,237

3,696

163.0, 163.1 e 163.9

Mesotelioma maligno da pleura

452

553

 

Total

1,689

4,249

Fonte: Centro Nacional de Estatísticas de Saúde dos Estados Unidos.

Em 1991, houve 1,237 mortes devido a doenças pulmonares causadas pela poeira como causa básica, incluindo 693 mortes devido a pneumoconioses de trabalhadores do carvão e 269 mortes devido a asbestose. Para o mesotelioma maligno, houve um total de 452 mortes devido ao mesotelioma pleural. Não é possível identificar o número de mortes por mesotelioma maligno do peritônio, também causado pela exposição ocupacional ao amianto, uma vez que os códigos da Classificação Internacional de Doenças não são específicos para o mesotelioma maligno desse local.

A Tabela 3 também mostra o número de mortes nos Estados Unidos em 1990 devido a pneumoconioses e mesotelioma maligno da pleura quando aparecem como uma das causas múltiplas de morte no atestado de óbito. Para as pneumoconioses, o total em que aparecem como uma das causas múltiplas é importante, uma vez que as pneumoconioses frequentemente coexistem com outras doenças pulmonares crônicas.

Uma questão importante é até que ponto as pneumoconioses podem ser subdiagnosticadas e, portanto, não constar dos atestados de óbito. A análise mais extensa do subdiagnóstico de uma pneumoconiose foi realizada entre isoladores nos Estados Unidos e Canadá por Selikoff e colegas (Selikoff, Hammond e Seidman 1979; Selikoff e Seidman 1991). Entre 1977 e 1986, houve 123 mortes de isoladores atribuídas à asbestose nos atestados de óbito. Quando os investigadores revisaram registros médicos, radiografias de tórax e patologia de tecidos, quando disponíveis, eles atribuíram 259 mortes de isoladores ocorridas nesses anos à asbestose. Mais da metade das mortes por pneumoconiose foram, portanto, perdidas neste grupo conhecido por ter uma forte exposição ao amianto. Infelizmente, não há um número suficiente de outros estudos sobre o subdiagnóstico de pneumoconioses em atestados de óbito para permitir uma correção confiável das estatísticas de mortalidade.

Óbitos por causas não específicas de exposições ocupacionais também têm sido utilizados como parte da vigilância de doenças ocupacionais quando a ocupação ou atividade do falecido é registrada nos atestados de óbito. A análise desses dados em uma área geográfica específica durante um período de tempo selecionado pode gerar taxas e proporções de doenças por causa para diferentes ocupações e setores. O papel dos fatores não ocupacionais nas mortes examinadas não pode ser definido por esta abordagem. No entanto, as diferenças nas taxas de doenças em diferentes ocupações e indústrias sugerem que os fatores ocupacionais podem ser importantes e fornecem pistas para estudos mais detalhados. Outras vantagens dessa abordagem incluem a capacidade de estudar ocupações que geralmente são distribuídas entre muitos locais de trabalho (por exemplo, cozinheiros ou trabalhadores de limpeza a seco), o uso de dados coletados rotineiramente, um grande tamanho de amostra, despesas relativamente baixas e um importante resultado de saúde (Baker , Melius e Millar 1988; Dubrow, Sestito e Lalich 1987; Melius, Sestito e Seligman 1989).

Tais estudos de mortalidade ocupacional foram publicados nas últimas décadas no Canadá (Gallagher et al. 1989), Grã-Bretanha (Registrar General 1986) e Estados Unidos (Guralnick 1962, 1963a e 1963b). Nos últimos anos, Milham utilizou essa abordagem para examinar a distribuição ocupacional de todos os homens que morreram entre 1950 e 1979 no estado de Washington, nos Estados Unidos. Ele comparou a proporção de todas as mortes por qualquer causa específica para um grupo ocupacional com a proporção relevante para todas as ocupações. Razões proporcionais de mortalidade são assim obtidas (Milham 1983). Como exemplo do rendimento dessa abordagem, Milham observou que 10 das 11 ocupações com provável exposição a campos elétricos e magnéticos mostraram uma elevação na taxa de mortalidade proporcional por leucemia (Milham 1982). Este foi um dos primeiros estudos sobre a relação entre exposição ocupacional à radiação eletromagnética e câncer e foi seguido por numerosos estudos que corroboraram a descoberta original (Pearce et al. 1985; McDowell 1983; Linet, Malker e McLaughlin 1988). .

Como resultado de um esforço cooperativo entre o NIOSH, o National Cancer Institute e o National Center for Health Statistics durante a década de 1980, foram publicadas recentemente análises dos padrões de mortalidade por ocupação e indústria entre 1984 e 1988 em 24 estados dos Estados Unidos. (Robinson et al. 1995). Esses estudos avaliaram 1.7 milhão de mortes. Eles confirmaram várias relações bem conhecidas de exposição a doenças e relataram novas associações entre ocupações selecionadas e causas específicas de morte. Os autores enfatizam que os estudos de mortalidade ocupacional podem ser úteis para desenvolver novas pistas para estudos posteriores, avaliar resultados de outros estudos e identificar oportunidades de promoção da saúde.

Mais recentemente, Figgs e colegas do US National Cancer Institute usaram esse banco de dados de mortalidade ocupacional de 24 estados para examinar associações ocupacionais com linfoma não-Hodgkin (NHL) (Figgs, Dosemeci e Blair 1995). Uma análise de caso-controle envolvendo aproximadamente 24,000 mortes por NHL ocorridas entre 1984 e 1989 confirmou o excesso de riscos de NHL demonstrado anteriormente entre fazendeiros, mecânicos, soldadores, reparadores, operadores de máquinas e várias ocupações de colarinho branco.

Dados de alta hospitalar

Os diagnósticos de pacientes internados representam uma excelente fonte de dados para a vigilância de doenças ocupacionais. Estudos recentes em vários estados dos Estados Unidos mostram que dados de alta hospitalar podem ser mais sensíveis do que registros de acidentes de trabalho e dados de estatísticas vitais na detecção de casos de doenças específicas de contextos ocupacionais, como as pneumoconioses (Markowitz et al. 1989; Roseman 1988). No estado de Nova York, por exemplo, uma média anual de 1,049 pessoas foram hospitalizadas por pneumoconioses em meados da década de 1980, em comparação com 193 novos casos de indenização trabalhista e 95 mortes registradas por essas doenças a cada ano durante um intervalo de tempo semelhante (Markowitz et al. 1989).

Além de fornecer uma contagem mais precisa do número de pessoas doentes com doenças ocupacionais graves selecionadas, os dados de alta hospitalar podem ser úteis para detectar e alterar as condições do local de trabalho que causaram a doença. Assim, Rosenman avaliou locais de trabalho em Nova Jersey onde indivíduos hospitalizados por silicose já haviam trabalhado e descobriu que a maioria desses locais de trabalho nunca havia realizado amostragem de ar para sílica, nunca havia sido inspecionado pela autoridade reguladora federal (OSHA) e não realizava vigilância médica para detecção de silicose (Rosenman 1988).

As vantagens de usar dados de alta hospitalar para a vigilância de doenças ocupacionais são sua disponibilidade, baixo custo, sensibilidade relativa a doenças graves e precisão razoável. Desvantagens importantes incluem a falta de informações sobre ocupação e indústria e controle de qualidade incerto (Melius, Sestito e Seligman 1989; Rosenman 1988). Além disso, apenas os indivíduos com doença suficientemente grave para requerer hospitalização serão incluídos no banco de dados e, portanto, não podem refletir todo o espectro de morbidade associada às doenças ocupacionais. No entanto, é provável que os dados de alta hospitalar sejam cada vez mais utilizados na vigilância da saúde ocupacional nos próximos anos.

Pesquisas nacionais

Levantamentos especiais de vigilância realizados em nível nacional ou regional podem ser a fonte de informações mais detalhadas do que aquelas que podem ser obtidas através do uso de registros vitais de rotina. Nos Estados Unidos, o Centro Nacional de Estatísticas de Saúde (NCHS) realiza duas pesquisas nacionais de saúde periódicas relevantes para a vigilância da saúde ocupacional: a Pesquisa Nacional de Entrevistas de Saúde (NHIS) e a Pesquisa Nacional de Exames de Saúde e Nutrição (NHANES). O National Health Interview Survey é uma pesquisa nacional de domicílios projetada para obter estimativas da prevalência de condições de saúde de uma amostra representativa de domicílios que refletem a população civil não institucionalizada dos Estados Unidos (USDHHS 1980). A principal limitação desta pesquisa é sua confiança no auto-relato das condições de saúde. Dados ocupacionais e industriais sobre indivíduos participantes foram usados ​​na última década para avaliar as taxas de incapacidade por ocupação e setor (USDHHS 1980), avaliando a prevalência do tabagismo por ocupação (Brackbill, Frazier e Shilling 1988) e registrando as opiniões dos trabalhadores sobre os riscos ocupacionais que enfrentam (Shilling e Brackbill 1987).

Com a ajuda do NIOSH, um Suplemento de Saúde Ocupacional (NHIS-OHS) foi incluído em 1988 para obter estimativas baseadas na população da prevalência de condições selecionadas que podem estar associadas ao trabalho (USDHHS 1993). Aproximadamente 50,000 domicílios foram amostrados em 1988, e 27,408 indivíduos atualmente empregados foram entrevistados. Entre as condições de saúde abordadas pelo NHIS-OHS estão lesões relacionadas ao trabalho, condições dermatológicas, transtornos traumáticos cumulativos, irritação nos olhos, nariz e garganta, perda auditiva e dor lombar.

Na primeira análise concluída do NHIS-OHS, Tanaka e colegas do NIOSH estimaram que a prevalência nacional da síndrome do túnel do carpo relacionada ao trabalho em 1988 foi de 356,000 casos (Tanaka et al. 1995). Das 675,000 pessoas estimadas com dor prolongada na mão e síndrome do túnel do carpo com diagnóstico médico, mais de 50% relataram que seu médico havia declarado que a condição do pulso era causada por atividades no local de trabalho. Essa estimativa não inclui trabalhadores que não trabalharam nos 12 meses anteriores à pesquisa e que podem ter ficado incapacitados devido à síndrome do túnel do carpo relacionada ao trabalho.

Em contraste com o NHIS, o NHANES avalia diretamente a saúde de uma amostra probabilística de 30,000 a 40,000 indivíduos nos Estados Unidos, realizando exames físicos e testes laboratoriais, além de coletar informações do questionário. O NHANES foi realizado duas vezes na década de 1970 e mais recentemente em 1988. O NHANES II, realizado no final da década de 1970, coletou informações limitadas sobre indicadores de exposição ao chumbo e a pesticidas selecionados. Iniciado em 1988, o NHANES III coletou dados adicionais sobre exposições ocupacionais e doenças, especialmente em relação a doenças respiratórias e neurológicas de origem ocupacional (USDHHS 1994).

Sumário

Os sistemas de vigilância e notificação de doenças ocupacionais melhoraram significativamente desde meados da década de 1980. O registro de doenças é melhor para doenças exclusivas ou praticamente exclusivas de causas ocupacionais, como pneumoconioses e mesotelioma maligno. A identificação e notificação de outras doenças ocupacionais depende da capacidade de combinar exposições ocupacionais com resultados de saúde. Muitas fontes de dados permitem a vigilância de doenças ocupacionais, embora todas tenham deficiências importantes em relação à qualidade, abrangência e precisão. Obstáculos importantes para melhorar a notificação de doenças ocupacionais incluem a falta de interesse na prevenção nos cuidados de saúde, o treinamento inadequado dos profissionais de saúde em saúde ocupacional e os conflitos inerentes entre empregadores e trabalhadores no reconhecimento de doenças relacionadas ao trabalho. Apesar desses fatores, é provável que os ganhos na notificação e vigilância de doenças ocupacionais continuem no futuro.

 

Voltar

Quinta-feira, Março 17 2011 18: 09

Vigilância de Riscos Ocupacionais

A vigilância de perigos é o processo de avaliar a distribuição e as tendências seculares no uso e níveis de exposição de perigos responsáveis ​​por doenças e lesões (Wegman 1992). Em um contexto de saúde pública, a vigilância de riscos identifica processos de trabalho ou trabalhadores individuais expostos a altos níveis de riscos específicos em determinadas indústrias e categorias de trabalho. Como a vigilância de riscos não é direcionada a eventos de doenças, seu uso na orientação de intervenções de saúde pública geralmente requer que uma relação clara de exposição-resultado tenha sido previamente estabelecida. A vigilância pode então ser justificada com base na suposição de que a redução na exposição resultará em redução da doença. O uso adequado dos dados de vigilância de riscos permite uma intervenção oportuna, permitindo a prevenção de doenças ocupacionais. Seu benefício mais significativo é, portanto, a eliminação da necessidade de esperar que uma doença óbvia ou mesmo a morte ocorra antes de tomar medidas para proteger os trabalhadores.

Existem pelo menos cinco outras vantagens da vigilância de riscos que complementam as fornecidas pela vigilância de doenças. Primeiro, identificar eventos de perigo é geralmente muito mais fácil do que identificar eventos de doenças ocupacionais, particularmente para doenças como o câncer, que têm longos períodos de latência. Em segundo lugar, o foco nos perigos (em vez das doenças) tem a vantagem de direcionar a atenção para as exposições que devem ser controladas. Por exemplo, a vigilância do câncer de pulmão pode se concentrar nas taxas de trabalhadores do amianto. No entanto, uma proporção considerável de câncer de pulmão nessa população pode ser devida ao tabagismo, independentemente ou em interação com a exposição ao amianto, de modo que um grande número de trabalhadores pode precisar ser estudado para detectar um pequeno número de cânceres relacionados ao amianto. Por outro lado, a vigilância da exposição ao amianto pode fornecer informações sobre os níveis e padrões de exposição (empregos, processos ou indústrias) onde existe o pior controle de exposição. Então, mesmo sem uma contagem real de casos de câncer de pulmão, os esforços para reduzir ou eliminar a exposição seriam implementados adequadamente.

Em terceiro lugar, uma vez que nem toda exposição resulta em doença, os eventos de risco ocorrem com frequência muito maior do que os eventos de doença, resultando na oportunidade de observar um padrão emergente ou mudança ao longo do tempo com mais facilidade do que com a vigilância de doenças. Relacionada a essa vantagem está a oportunidade de fazer maior uso de eventos sentinela. Um perigo sentinela pode ser simplesmente a presença de uma exposição (por exemplo, berílio), conforme indicado por medição direta no local de trabalho; a presença de exposição excessiva, conforme indicado pelo monitoramento de biomarcadores (por exemplo, níveis elevados de chumbo no sangue); ou um relatório de um acidente (por exemplo, um derramamento de produto químico).

Uma quarta vantagem da vigilância de riscos é que os dados coletados para esse fim não infringem a privacidade do indivíduo. A confidencialidade dos registros médicos não está em risco e a possibilidade de estigmatizar um indivíduo com um rótulo de doença é evitada. Isso é particularmente importante em ambientes industriais onde o emprego de uma pessoa pode estar em risco ou uma reivindicação de indenização em potencial pode afetar a escolha de opções de diagnóstico por parte do médico.

Finalmente, a vigilância de perigos pode tirar proveito de sistemas projetados para outros propósitos. Exemplos de coleta contínua de informações de perigo que já existem incluem registros de uso de substâncias tóxicas ou descargas de materiais perigosos, registros de substâncias perigosas específicas e informações coletadas por agências reguladoras para uso em conformidade. Em muitos aspectos, o higienista industrial praticante já está bastante familiarizado com os usos de vigilância dos dados de exposição.

Os dados de vigilância de perigos podem complementar a vigilância de doenças tanto para pesquisas que estabeleçam ou confirmem uma associação perigo-doença, quanto para aplicações de saúde pública, e os dados coletados em qualquer instância podem ser usados ​​para determinar a necessidade de remediação. Diferentes funções são atendidas por dados de vigilância nacional (como pode ser desenvolvido usando os dados do Sistema de Informações de Gerenciamento Integrado da OSHA dos EUA sobre resultados de amostra de conformidade de higiene industrial - veja abaixo) em contraste com aqueles atendidos por dados de vigilância de perigo em nível de fábrica, onde muito mais detalhes foco e análise são possíveis.

Os dados nacionais podem ser extremamente importantes para direcionar as inspeções para a atividade de compliance ou para determinar qual é a distribuição provável dos riscos que resultarão em demandas específicas de serviços médicos para uma região. A vigilância de perigos no nível da planta, no entanto, fornece os detalhes necessários para um exame minucioso das tendências ao longo do tempo. Às vezes, uma tendência ocorre independentemente das mudanças nos controles, mas sim em resposta a mudanças no produto que não seriam evidentes em dados agrupados regionalmente. Tanto a abordagem nacional quanto a nível da fábrica podem ser úteis para determinar se há necessidade de estudos científicos planejados ou de programas educacionais para trabalhadores e gerentes.

Ao combinar dados de vigilância de perigos de inspeções de rotina em uma ampla gama de setores aparentemente não relacionados, às vezes é possível identificar grupos de trabalhadores para os quais a exposição pesada poderia ser negligenciada. Por exemplo, a análise das concentrações de chumbo no ar conforme determinado nas inspeções de conformidade da OSHA de 1979 a 1985 identificou 52 indústrias nas quais o limite de exposição permissível (PEL) foi excedido em mais de um terço das inspeções (Froines et al. 1990). Essas indústrias incluíam fundição primária e secundária, fabricação de baterias, fabricação de pigmentos e fundições de latão/bronze. Como todas essas são indústrias com exposição ao chumbo historicamente alta, as exposições excessivas indicam um controle deficiente dos perigos conhecidos. No entanto, alguns desses locais de trabalho são bastante pequenos, como operações secundárias de fundição de chumbo, e é improvável que os gerentes ou operadores de plantas individuais realizem amostragem sistemática de exposição e, portanto, não tenham conhecimento de sérios problemas de exposição ao chumbo em seus próprios locais de trabalho. Em contraste com os altos níveis de exposição ambiental ao chumbo que poderiam ser esperados nessas indústrias básicas de chumbo, também foi observado que mais de um terço das fábricas na pesquisa em que os PELs foram excedidos resultaram de operações de pintura em uma ampla variedade de configurações gerais da indústria. Pintores de aço estrutural são conhecidos por estarem em risco de exposição ao chumbo, mas pouca atenção tem sido direcionada às indústrias que empregam pintores em pequenas operações de pintura de máquinas ou peças de máquinas. Esses trabalhadores correm o risco de exposições perigosas, mas muitas vezes não são considerados trabalhadores de chumbo porque estão em uma indústria que não é baseada em chumbo. De certa forma, esta pesquisa revelou evidências de um risco que era conhecido, mas havia sido esquecido até ser identificado pela análise desses dados de vigilância.

Objetivos da vigilância de perigos

Os programas de vigilância de perigos podem ter uma variedade de objetivos e estruturas. Em primeiro lugar, permitem focar as ações de intervenção e ajudam a avaliar os programas existentes e a planejar novos. O uso cuidadoso das informações de vigilância de perigos pode levar à detecção precoce de falhas do sistema e chamar a atenção para a necessidade de controles ou reparos aprimorados antes que exposições excessivas ou doenças sejam realmente experimentadas. Os dados de tais esforços também podem fornecer evidências da necessidade de regulamentação nova ou revisada para um perigo específico. Em segundo lugar, os dados de vigilância podem ser incorporados em projeções de doenças futuras para permitir o planejamento tanto da adesão quanto do uso de recursos médicos. Em terceiro lugar, usando metodologias de exposição padronizadas, os trabalhadores em vários níveis organizacionais e governamentais podem produzir dados que permitem o foco em uma nação, uma cidade, uma indústria, uma fábrica ou até mesmo um emprego. Com essa flexibilidade, a vigilância pode ser direcionada, ajustada conforme necessário e refinada à medida que novas informações se tornam disponíveis ou problemas antigos são resolvidos ou novos surgem. Finalmente, os dados de vigilância de riscos devem ser valiosos no planejamento de estudos epidemiológicos, identificando áreas onde tais estudos seriam mais frutíferos.

Exemplos de vigilância de perigos

Registro de carcinógenos — Finlândia. Em 1979, a Finlândia começou a exigir relatórios nacionais sobre o uso de 50 carcinógenos diferentes na indústria. As tendências durante os primeiros sete anos de vigilância foram relatadas em 1988 (Alho, Kauppinen e Sundquist 1988). Mais de dois terços dos trabalhadores expostos a carcinógenos trabalhavam com apenas três tipos de carcinógenos: cromatos, níquel e compostos inorgânicos ou amianto. A vigilância de riscos revelou que um número surpreendentemente pequeno de compostos representava a maioria das exposições a carcinógenos, melhorando muito o foco dos esforços na redução do uso de tóxicos, bem como nos esforços de controle da exposição.

Outro uso importante do registro foi a avaliação das razões pelas quais as listagens “saíram” do sistema – ou seja, por que o uso de um carcinógeno foi relatado uma vez, mas não em pesquisas subsequentes. Vinte por cento das saídas foram devido à exposição contínua, mas não declarada. Isso levou à educação e feedback para as indústrias de relatórios sobre o valor de relatórios precisos. Trinta e oito por cento saíram porque a exposição havia parado, e entre estes mais da metade saiu devido à substituição por um não cancerígeno. É possível que os resultados dos relatórios do sistema de vigilância tenham estimulado a substituição. A maior parte das saídas restantes resultou da eliminação de exposições por controles de engenharia, mudanças de processo ou diminuição considerável no uso ou tempo de exposição. Apenas 5% das saídas resultaram do uso de equipamentos de proteção individual. Este exemplo mostra como um registro de exposição pode fornecer um recurso rico para entender o uso de carcinógenos e rastrear a mudança no uso ao longo do tempo.

Pesquisa Nacional de Exposição Ocupacional (NOES). O NIOSH dos EUA realizou duas Pesquisas Nacionais de Exposição Ocupacional (NOES) com dez anos de intervalo para estimar o número de trabalhadores e locais de trabalho potencialmente expostos a cada um de uma ampla variedade de perigos. Foram preparados mapas nacionais e estaduais que mostram os itens pesquisados, como o padrão de local de trabalho e a exposição dos trabalhadores ao formaldeído (Frazier, Lalich e Pedersen 1983). A sobreposição desses mapas aos mapas de mortalidade por causas específicas (p. ex., câncer do seio nasal) oferece a oportunidade para exames ecológicos simples elaborados para gerar hipóteses que podem então ser investigadas por estudos epidemiológicos apropriados.

As mudanças entre as duas pesquisas também foram examinadas - por exemplo, as proporções de instalações nas quais havia exposição potencial a ruído contínuo sem controles funcionais (Seta e Sundin 1984). Quando analisado pela indústria, pouca mudança foi observada para empreiteiros gerais (92.5% para 88.4%), enquanto uma queda marcante foi observada para produtos químicos e afins (88.8% para 38.0%) e para serviços de reparos diversos (81.1% para 21.2%). ). As possíveis explicações incluíam a aprovação da Lei de Segurança e Saúde Ocupacional, acordos coletivos de trabalho, preocupações com responsabilidade legal e maior conscientização dos funcionários.

Medidas de Inspeção (Exposição) (OSHA). A US OSHA tem inspecionado locais de trabalho para avaliar a adequação dos controles de exposição há mais de vinte anos. Durante a maior parte desse tempo, os dados foram colocados em um banco de dados, o Sistema Integrado de Informações Gerenciais (OSHA/IMIS). As tendências seculares gerais em casos selecionados foram examinadas de 1979 a 1987. Para o amianto, há boas evidências de controles amplamente bem-sucedidos. Em contraste, enquanto o número de amostras coletadas para exposições à sílica e chumbo diminuiu ao longo desses anos, ambas as substâncias continuaram a mostrar um número substancial de superexposições. Os dados também mostraram que, apesar do número reduzido de inspeções, a proporção de inspeções em que os limites de exposição foram excedidos permaneceu essencialmente constante. Esses dados podem ser altamente instrutivos para a OSHA ao planejar estratégias de conformidade para sílica e chumbo.

Outro uso do banco de dados de inspeção do local de trabalho foi um exame quantitativo dos níveis de exposição à sílica para nove indústrias e empregos dentro dessas indústrias (Froines, Wegman e Dellenbaugh 1986). Os limites de exposição foram excedidos em vários graus, de 14% (fundições de alumínio) a 73% (cerâmicas). Dentro das olarias, trabalhos específicos foram examinados e a proporção em que os limites de exposição foram excedidos variou de 0% (operários) a 69% (trabalhadores de sucata). O grau em que as amostras excederam o limite de exposição variou de acordo com o trabalho. Para os trabalhadores de sliphouse, as exposições excessivas foram, em média, o dobro do limite de exposição, enquanto os pulverizadores de deslizamento/esmalte tiveram exposições excessivas médias de mais de oito vezes o limite. Este nível de detalhe deve ser valioso para a administração e trabalhadores empregados em olarias, bem como para agências governamentais responsáveis ​​pela regulamentação de exposições ocupacionais.

Sumário

Este artigo identificou o objetivo da vigilância de riscos, descreveu seus benefícios e algumas de suas limitações e ofereceu vários exemplos nos quais forneceu informações úteis sobre saúde pública. No entanto, a vigilância de perigos não deve substituir a vigilância de doenças não infecciosas. Em 1977, uma força-tarefa do NIOSH enfatizou a relativa interdependência dos dois principais tipos de vigilância, afirmando:

A vigilância de perigos e doenças não pode proceder isoladamente umas das outras. A caracterização bem-sucedida dos perigos associados a diferentes indústrias ou ocupações, em conjunto com informações toxicológicas e médicas relacionadas aos perigos, pode sugerir indústrias ou grupos ocupacionais apropriados para vigilância epidemiológica (Craft et al. 1977).

 

Voltar

Quinta-feira, Março 17 2011 18: 11

Vigilância em países em desenvolvimento

Estima-se que mais de 80% da população mundial vive nos países em desenvolvimento na África, Oriente Médio, Ásia e América do Sul e Central. Os países em desenvolvimento geralmente são financeiramente desfavorecidos e muitos têm economias predominantemente rurais e agrícolas. No entanto, eles são muito diferentes em muitos aspectos, com diversas aspirações, sistemas políticos e estágios variados de crescimento industrial. O estado de saúde entre as pessoas nos países em desenvolvimento é geralmente mais baixo do que nos países desenvolvidos, como refletido nas taxas de mortalidade infantil mais altas e na expectativa de vida mais baixa.

Vários fatores contribuem para a necessidade de segurança ocupacional e vigilância da saúde nos países em desenvolvimento. Primeiro, muitos desses países estão se industrializando rapidamente. Em termos de tamanho dos estabelecimentos industriais, muitas das novas indústrias são indústrias de pequena escala. Em tais situações, as instalações de segurança e saúde são muitas vezes muito limitadas ou inexistentes. Além disso, os países em desenvolvimento são frequentemente os destinatários da transferência de tecnologia dos países desenvolvidos. Algumas das indústrias mais perigosas, que têm dificuldade em operar em países com legislação de saúde ocupacional mais rigorosa e mais bem aplicada, podem ser “exportadas” para países em desenvolvimento.

Em segundo lugar, no que diz respeito à força de trabalho, o nível educacional dos trabalhadores nos países em desenvolvimento costuma ser mais baixo e os trabalhadores podem não ter treinamento em práticas seguras de trabalho. O trabalho infantil costuma ser mais prevalente nos países em desenvolvimento. Esses grupos são relativamente mais vulneráveis ​​aos riscos à saúde no trabalho. Além dessas considerações, geralmente há um nível pré-existente de saúde mais baixo entre os trabalhadores dos países em desenvolvimento.

Esses fatores garantiriam que, em todo o mundo, os trabalhadores dos países em desenvolvimento estejam entre os mais vulneráveis ​​e os que enfrentam o maior risco de riscos à saúde ocupacional.

Os efeitos na saúde ocupacional são diferentes daqueles observados em países desenvolvidos

É importante obter dados sobre efeitos na saúde para prevenção e priorização de abordagens para resolver problemas de saúde ocupacional. No entanto, a maioria dos dados de morbidade disponíveis pode não ser aplicável aos países em desenvolvimento, pois são originários dos países desenvolvidos.

Nos países em desenvolvimento, a natureza dos efeitos na saúde ocupacional dos riscos no local de trabalho pode ser diferente dos países desenvolvidos. Doenças ocupacionais evidentes, como intoxicações químicas e pneumoconioses, causadas por exposições a altos níveis de toxinas no local de trabalho, ainda são encontradas em números significativos nos países em desenvolvimento, enquanto esses problemas podem ter sido substancialmente reduzidos nos países desenvolvidos.

Por exemplo, no caso de envenenamento por pesticidas, os efeitos agudos para a saúde e até mesmo as mortes por altas exposições são uma preocupação imediata maior nos países agrícolas em desenvolvimento, em comparação com os efeitos de longo prazo para a saúde decorrentes da exposição a baixas doses de pesticidas, que podem ser um problema mais grave. questão importante nos países desenvolvidos. De fato, a carga de morbidade do envenenamento agudo por pesticidas em alguns países em desenvolvimento, como o Sri Lanka, pode até superar a dos problemas tradicionais de saúde pública, como difteria, coqueluche e tétano.

Assim, alguma vigilância da morbidade da saúde ocupacional é necessária nos países em desenvolvimento. As informações seriam úteis para a avaliação da magnitude do problema, priorização de planos para enfrentamento dos problemas, alocação de recursos e para posterior avaliação do impacto das intervenções.

Infelizmente, essas informações de vigilância muitas vezes faltam nos países em desenvolvimento. Deve-se reconhecer que os programas de vigilância em países desenvolvidos podem ser inadequados para países em desenvolvimento, e tais sistemas provavelmente não podem ser adotados em sua totalidade para países em desenvolvimento devido a vários problemas que podem impedir as atividades de vigilância.

Problemas de Vigilância em Países em Desenvolvimento

Embora exista a necessidade de vigilância de problemas de segurança e saúde ocupacional nos países em desenvolvimento, a implementação real da vigilância é muitas vezes repleta de dificuldades.

As dificuldades podem surgir devido ao controle deficiente do desenvolvimento industrial, à ausência ou a uma infraestrutura inadequadamente desenvolvida para legislação e serviços de saúde ocupacional, profissionais de saúde ocupacional insuficientemente treinados, serviços de saúde limitados e sistemas de notificação de saúde deficientes. Muitas vezes, as informações sobre a força de trabalho e a população em geral podem ser insuficientes ou inadequadas.

Outro grande problema é que, em muitos países em desenvolvimento, a saúde ocupacional não recebe alta prioridade nos programas nacionais de desenvolvimento.

Atividades de Vigilância em Saúde e Segurança do Trabalho

A vigilância da segurança e saúde ocupacional pode envolver atividades como o monitoramento de ocorrências perigosas no trabalho, acidentes de trabalho e fatalidades no trabalho. Inclui também a vigilância das doenças profissionais e a vigilância do ambiente de trabalho. Provavelmente é mais fácil coletar informações sobre acidentes de trabalho e mortes acidentais no trabalho, uma vez que tais eventos são facilmente definidos e reconhecidos. Em contraste, a vigilância do estado de saúde da população trabalhadora, incluindo as doenças profissionais e o estado do ambiente de trabalho, é mais difícil.

O restante deste artigo tratará, portanto, principalmente da questão da vigilância das doenças ocupacionais. Os princípios e abordagens discutidos podem ser aplicados à vigilância de acidentes de trabalho e fatalidades, que também são causas muito importantes de morbidade e mortalidade entre trabalhadores em países em desenvolvimento.

A vigilância da saúde do trabalhador nos países em desenvolvimento não deve se limitar apenas às doenças ocupacionais, mas também às doenças gerais da população trabalhadora. Isso ocorre porque os principais problemas de saúde entre os trabalhadores em alguns países em desenvolvimento na África e na Ásia podem não ser ocupacionais, mas podem incluir outras doenças gerais, como doenças infecciosas – por exemplo, tuberculose ou doenças sexualmente transmissíveis. As informações coletadas seriam então úteis para o planejamento e alocação de recursos de saúde para a promoção da saúde da população trabalhadora.

Algumas abordagens para superar os problemas de vigilância

Que tipos de vigilância da saúde ocupacional são apropriados nos países em desenvolvimento? Em geral, um sistema com mecanismos simples, empregando tecnologia disponível e apropriada, seria mais adequado para países em desenvolvimento. Tal sistema também deve levar em conta os tipos de indústrias e riscos de trabalho que são importantes no país.

Utilização dos recursos existentes

Tal sistema pode utilizar os recursos existentes, como os cuidados primários de saúde e os serviços de saúde ambiental. Por exemplo, as atividades de vigilância da saúde ocupacional podem ser integradas às funções atuais do pessoal de cuidados primários de saúde, inspetores de saúde pública e engenheiros ambientais.

Para que isso aconteça, o pessoal da atenção primária à saúde e da saúde pública deve primeiro ser treinado para reconhecer doenças que possam estar relacionadas ao trabalho e até mesmo para fazer avaliações simples de locais de trabalho insatisfatórios em termos de segurança e saúde ocupacional. Esse pessoal deve, é claro, receber treinamento adequado e adequado para desempenhar essas tarefas.

Os dados sobre as condições de trabalho e doenças decorrentes das atividades laborais podem ser coligidos enquanto tais pessoas realizam seu trabalho rotineiro na comunidade. A informação recolhida pode ser canalizada para os centros regionais e, em última análise, para um órgão central responsável pela monitorização das condições de trabalho e morbilidade laboral que também tem a responsabilidade de actuar nestas problemáticas.

Cadastro de fábricas e processos de trabalho

Um registro de fábricas e processos de trabalho, em oposição a um registro de doenças, poderia ser iniciado. Esse cadastro obteria informações da etapa de cadastramento de todas as fábricas, incluindo processos de trabalho e materiais utilizados. As informações devem ser atualizadas periodicamente quando novos processos de trabalho ou materiais são introduzidos. Quando, de fato, tal registro for exigido pela legislação nacional, ele precisa ser aplicado de maneira abrangente.

No entanto, para indústrias de pequena escala, esse registro é frequentemente ignorado. Simples levantamentos de campo e avaliações dos tipos de indústria e do estado das condições de trabalho podem fornecer informações básicas. As pessoas que poderiam realizar tais avaliações simples poderiam ser novamente os cuidados primários de saúde e o pessoal de saúde pública.

Onde tal registro estiver em operação efetiva, também há necessidade de atualização periódica dos dados. Isso poderia ser obrigatório para todas as fábricas registradas. Como alternativa, pode ser desejável solicitar uma atualização das fábricas em vários setores de alto risco.

Notificação de doenças ocupacionais

Poderia ser introduzida legislação para a notificação de doenças ocupacionais selecionadas. Seria importante divulgar e educar as pessoas sobre este assunto antes da implementação da lei. Questões como quais doenças devem ser notificadas e quem devem ser os responsáveis ​​pela notificação devem ser resolvidas primeiro. Por exemplo, em um país em desenvolvimento como Cingapura, os médicos que suspeitarem das doenças ocupacionais listadas na tabela 1 devem notificar o Ministério do Trabalho. Essa lista deve ser adaptada aos tipos de indústria de um país e ser revisada e atualizada periodicamente. Além disso, os responsáveis ​​pela notificação devem ser treinados para reconhecer, ou pelo menos suspeitar, da ocorrência das doenças.

Tabela 1. Lista amostral de doenças ocupacionais de notificação obrigatória

envenenamento por anilina

dermatite industrial

Antraz

Envenenamento por chumbo

envenenamento por arsênico

Angiossarcoma hepático

Asbestose

Intoxicação por manganês

Barotrauma

envenenamento mercurial

envenenamento por berílio

Mesotelioma

Bissinose

Surdez induzida por ruído

Envenenamento por cádmio

Asma ocupacional

Envenenamento por dissulfeto de carbono

envenenamento por fósforo

Ulceração de cromo

Silicose

Envenenamento crônico por benzeno

anemia tóxica

doença do ar comprimido

Hepatite tóxica

 

São necessárias ações contínuas de acompanhamento e fiscalização para garantir o sucesso de tais sistemas de notificação. Caso contrário, a subnotificação bruta limitaria sua utilidade. Por exemplo, a asma ocupacional tornou-se notificável e compensável pela primeira vez em Cingapura em 1985. Uma clínica de doenças pulmonares ocupacionais também foi criada. Apesar desses esforços, um total de apenas 17 casos de asma ocupacional foram confirmados. Isso pode ser contrastado com os dados da Finlândia, onde houve 179 casos relatados de asma ocupacional somente em 1984. A população da Finlândia de 5 milhões é apenas cerca do dobro da de Cingapura. Essa grande subnotificação de asma ocupacional provavelmente se deve à dificuldade de diagnosticar a doença. Muitos médicos não estão familiarizados com as causas e características da asma ocupacional. Assim, mesmo com a implantação da notificação compulsória, é importante continuar a educar os profissionais de saúde, empregadores e empregados.

Quando o sistema de notificação é implantado inicialmente, pode-se fazer uma avaliação mais precisa da prevalência da doença ocupacional. Por exemplo, o número de notificações de perda auditiva induzida por ruído em Cingapura aumentou seis vezes após a introdução de exames médicos obrigatórios para todos os trabalhadores expostos ao ruído. Posteriormente, se a notificação for bastante completa e precisa, e se uma população de denominadores satisfatória puder ser obtida, pode até ser possível estimar a incidência da condição e seu risco relativo.

Como em muitos sistemas de notificação e vigilância, o importante papel da notificação é alertar as autoridades para indexar os casos no local de trabalho. Outras investigações e intervenções no local de trabalho, se necessário, são atividades de acompanhamento necessárias. Caso contrário, os esforços de notificação seriam desperdiçados.

Outras fontes de informação

As informações de saúde hospitalares e ambulatoriais são frequentemente subutilizadas na vigilância de problemas de saúde ocupacional em um país em desenvolvimento. Hospitais e ambulatórios podem e devem ser incorporados ao sistema de notificação de doenças específicas, como intoxicações agudas e lesões relacionadas ao trabalho. Os dados dessas fontes também dariam uma idéia dos problemas de saúde comuns entre os trabalhadores e poderiam ser usados ​​para o planejamento de atividades de promoção da saúde no trabalho.

Todas essas informações geralmente são coletadas rotineiramente e poucos recursos extras são necessários para direcionar os dados às autoridades de saúde e segurança ocupacional em um país em desenvolvimento.

Outra possível fonte de informação seriam as clínicas ou tribunais de compensação. Finalmente, se os recursos estiverem disponíveis, algumas clínicas regionais de referência em medicina do trabalho também podem ser iniciadas. Essas clínicas poderiam contar com profissionais de saúde ocupacional mais qualificados e investigar qualquer suspeita de doença relacionada ao trabalho.

As informações dos registros de doenças existentes também devem ser utilizadas. Em muitas cidades maiores de países em desenvolvimento, existem registros de câncer. Embora a história ocupacional obtida desses registros possa não ser completa e precisa, ela é útil para o monitoramento preliminar de amplos grupos ocupacionais. Os dados desses registros serão ainda mais valiosos se os registros de trabalhadores expostos a riscos específicos estiverem disponíveis para correspondência cruzada.

O papel da ligação de dados

Embora isso possa parecer atraente e tenha sido empregado com algum sucesso em alguns países desenvolvidos, essa abordagem pode não ser apropriada ou mesmo possível em países em desenvolvimento no momento. Isso ocorre porque a infraestrutura necessária para tal sistema muitas vezes não está disponível nos países em desenvolvimento. Por exemplo, registros de doenças e registros de locais de trabalho podem não estar disponíveis ou, se existirem, podem não ser informatizados e facilmente conectados.

Ajuda de agências internacionais

Agências internacionais como a Organização Internacional do Trabalho, a Organização Mundial da Saúde e órgãos como a Comissão Internacional de Saúde Ocupacional podem contribuir com sua experiência e expertise na superação de problemas comuns de saúde ocupacional e vigilância de segurança em um país. Além disso, cursos de treinamento e oportunidades de treinamento para profissionais da atenção primária podem ser desenvolvidos ou oferecidos.

O compartilhamento de informações de países regionais com indústrias semelhantes e problemas de saúde ocupacional também costuma ser útil.

Sumário

Os serviços de segurança e saúde ocupacional são importantes nos países em desenvolvimento. Isto é especialmente verdade tendo em vista a rápida industrialização da economia, a população trabalhadora vulnerável e os riscos de saúde mal controlados enfrentados no trabalho.

No desenvolvimento e prestação de serviços de saúde ocupacional nesses países, é importante ter algum tipo de vigilância de problemas de saúde ocupacional. Isso é necessário para justificar, planejar e priorizar a legislação e os serviços de saúde ocupacional e avaliar o resultado dessas medidas.

Embora existam sistemas de vigilância nos países desenvolvidos, esses sistemas podem nem sempre ser apropriados para os países em desenvolvimento. Os sistemas de vigilância nos países em desenvolvimento devem levar em consideração o tipo de indústria e os perigos que são importantes no país. Mecanismos de vigilância simples, que empregam tecnologia disponível e apropriada, costumam ser as melhores opções para os países em desenvolvimento.

 

Voltar

Os sistemas de vigilância de lesões e doenças ocupacionais constituem um recurso crítico para a gestão e redução de lesões e doenças ocupacionais. Eles fornecem dados essenciais que podem ser usados ​​para identificar problemas no local de trabalho, desenvolver estratégias corretivas e, assim, prevenir futuras lesões e doenças. Para atingir esses objetivos de forma eficaz, devem ser construídos sistemas de vigilância que capturem as características dos acidentes de trabalho em detalhes consideráveis. Para ser de valor máximo, tal sistema deve ser capaz de fornecer respostas a questões como quais locais de trabalho são os mais perigosos, quais lesões produzem mais tempo perdido no trabalho e até mesmo qual parte do corpo é ferida com mais frequência.

Este artigo descreve o desenvolvimento de um sistema de classificação exaustiva pelo Bureau of Labor Statistics do Departamento de Trabalho dos Estados Unidos (BLS). O sistema foi desenvolvido para atender às necessidades de uma variedade de constituintes: analistas de políticas estaduais e federais, pesquisadores de segurança e saúde, empregadores, organizações de funcionários, profissionais de segurança, indústria de seguros e outros envolvidos na promoção de segurança e saúde no local de trabalho.

Contexto

Por vários anos, o BLS coletou três tipos básicos de informações sobre uma lesão ou doença ocupacional:

  • indústria, localização geográfica do incidente e quaisquer dias de trabalho perdidos associados
  • características do funcionário afetado, como idade, sexo e ocupação
  • como ocorreu o incidente ou exposição, os objetos ou substâncias envolvidos, a natureza da lesão ou doença e parte do corpo afetada.

 

O sistema de classificação anterior, embora útil, era um tanto limitado e não atendia totalmente às necessidades descritas acima. Em 1989, foi decidido que uma revisão do sistema existente seria feita para melhor atender às necessidades dos diversos usuários.

O sistema de classificação

Uma força-tarefa de BLS foi organizada em setembro de 1989 para estabelecer requisitos para um sistema que “descreveria com precisão a natureza do problema de segurança e saúde ocupacional” (OSHA 1970). Essa equipe trabalhou em consulta com especialistas em segurança e saúde dos setores público e privado, com o objetivo de desenvolver um sistema de classificação reformulado e ampliado.

Vários critérios foram estabelecidos governando as estruturas de código individuais. O sistema deve ter um arranjo hierárquico para permitir flexibilidade máxima para vários usuários de dados de lesões e doenças ocupacionais. O sistema deve ser, na medida do possível, compatível com a Classificação Internacional de Doenças, 9ª Revisão, Modificação Clínica (CID-9-CM) da OMS (1977). O sistema deve atender às necessidades de outras agências governamentais envolvidas na área de segurança e saúde. Finalmente, o sistema deve responder às diferentes características dos casos não fatais e fatais.

Rascunhos das estruturas de classificação de características de caso foram produzidos e liberados para comentários em 1989 e novamente em 1990. O sistema incluía a natureza da lesão ou doença, parte do corpo afetada, fonte da lesão ou doença, eventos ou estruturas de exposição e fonte secundária. Comentários foram recebidos e incorporados da equipe do escritório, agências estaduais, Administração de Saúde e Segurança Ocupacional, Administração de Padrões de Emprego e NIOSH, após o que o sistema estava pronto para um teste no local.

O teste-piloto das estruturas de compilação de dados de lesões e doenças não fatais, bem como a aplicação operacional no Censo de Acidentes de Trabalho Fatais, foi realizado em quatro estados. Os resultados dos testes foram analisados ​​e as revisões concluídas no outono de 1991.

A versão final de 1992 do sistema de classificação consiste em cinco estruturas de código de características de caso, uma estrutura de código ocupacional e uma estrutura de código de indústria. O Manual de Classificação Industrial Padrão é usado para classificar a indústria (OMB 1987), e o Bureau do Índice Alfabético de Ocupações do Censo para codificar a ocupação (Bureau of the Census 1992). O Sistema de Classificação de Lesões e Doenças Ocupacionais do BLS (1992) é usado para codificar as cinco características a seguir:

  • natureza da lesão ou doença
  • parte do corpo afetada
  • evento ou exposição
  • fonte de lesão ou doença
  • fonte secundária de lesão ou doença.

Além dos códigos numéricos que representam condições ou circunstâncias específicas, cada estrutura de código inclui auxílios para auxiliar na identificação e seleção do código adequado. Essas ajudas incluem: definições, regras de seleção, parágrafos descritivos, listagens alfabéticas e critérios de edição para cada uma das estruturas. As regras de seleção oferecem orientação para escolher o código apropriado uniformemente quando duas ou mais seleções de código são possíveis. Os parágrafos descritivos fornecem informações adicionais sobre os códigos, como o que está incluído ou excluído em um determinado código. Por exemplo, o código para olho inclui o globo ocular, a lente, a retina e os cílios. As listagens alfabéticas podem ser usadas para encontrar rapidamente o código numérico para uma característica específica, como terminologia médica ou maquinário especializado. Por fim, os critérios de edição são ferramentas de garantia de qualidade que podem ser usadas para determinar quais combinações de código estão incorretas antes da seleção final.

Natureza dos códigos de lesão ou doença

O natureza da lesão ou doença a estrutura do código descreve a principal característica física da lesão ou doença do trabalhador. Este código serve como base para todas as outras classificações de casos. Uma vez identificada a natureza da lesão ou doença, as quatro classificações restantes representam as circunstâncias associadas a esse resultado específico. A estrutura de classificação para a natureza da lesão da doença contém sete divisões:

  • lesões traumáticas e distúrbios
  • doenças ou distúrbios sistêmicos
  • doenças infecciosas e parasitárias
  • neoplasias, tumores e câncer
  • sintomas, sinais e condições mal definidas
  • outras condições ou distúrbios
  • múltiplas doenças, condições ou distúrbios.

 

Antes de finalizar esta estrutura, dois sistemas de classificação semelhantes foram avaliados para possível adoção ou emulação. Como o padrão Z16.2 do American National Standards Institute (ANSI) (ANSI 1963) foi desenvolvido para uso na prevenção de acidentes, ele não contém um número suficiente de categorias de doenças para que muitas agências cumpram suas missões.

A CID-9-CM, projetada para classificar as informações de morbidade e mortalidade e utilizada por grande parte da comunidade médica, fornece os códigos detalhados necessários para doenças. No entanto, os requisitos de conhecimento técnico e treinamento para usuários e compiladores dessas estatísticas tornaram esse sistema proibitivo.

A estrutura final alcançada é um híbrido que combina o método de aplicação e as regras de seleção do ANSI Z16.2 com a organização divisional básica do ICD-9-CM. Com poucas exceções, as divisões na estrutura do BLS podem ser mapeadas diretamente para o ICD-9-CM. Por exemplo, a divisão BLS que identifica doenças infecciosas e parasitárias mapeia diretamente para o Capítulo 1, Doenças Infecciosas e Parasitárias, da CID-9-CM.

A primeira divisão na natureza da lesão ou estrutura da doença do SBV classifica lesões e distúrbios traumáticos, efeitos de agentes externos e envenenamento e corresponde ao Capítulo 17 da CID-9-CM. Os resultados nesta divisão são geralmente o resultado de um único incidente, evento ou exposição, e incluem condições como fraturas, contusões, cortes e queimaduras. No ambiente ocupacional, essa divisão responde pela grande maioria dos casos notificados.

Várias situações exigiram consideração cuidadosa ao estabelecer regras para selecionar códigos nessa divisão. A revisão dos casos de fatalidade revelou dificuldades na codificação de certos tipos de lesões fatais. Por exemplo, fraturas fatais geralmente envolvem dano mortal direto ou indireto a um órgão vital, como o cérebro ou a coluna vertebral. Categorias de codificação e instruções específicas eram necessárias para observar os danos mortais associados a esses tipos de lesões.

Ferimentos por arma de fogo constituem uma categoria separada com instruções especiais para aqueles casos em que tais ferimentos também resultaram em amputações ou paralisia. De acordo com uma filosofia geral de classificação da lesão mais grave, paralisia e amputações têm precedência sobre danos menos graves de um ferimento à bala.

As respostas às perguntas nos formulários de relatórios do empregador sobre o que aconteceu com o trabalhador ferido ou doente nem sempre descrevem adequadamente a lesão ou doença. Se o documento de origem indicar apenas que o funcionário “machucou as costas”, não é apropriado supor que se trate de uma entorse, distensão, dorsopatia ou qualquer outra condição específica. Para resolver o problema, foram estabelecidos códigos individuais para descrições não específicas de lesões ou doenças como “ferida”, “ferida” e “dor”.

Finalmente, esta divisão possui uma seção de códigos para classificar as combinações de condições que ocorrem com mais frequência e que resultam de um mesmo incidente. Por exemplo, um trabalhador pode sofrer arranhões e contusões em um único incidente.

Cinco das divisões restantes dessa estrutura de classificação foram dedicadas à identificação de doenças e distúrbios ocupacionais. Essas seções apresentam códigos para condições específicas que são de grande interesse para a comunidade de segurança e saúde. Nos últimos anos, um número crescente de doenças e distúrbios têm sido associados ao ambiente de trabalho, mas raramente foram representados nas estruturas de classificação existentes. A estrutura possui uma lista amplamente ampliada de doenças e distúrbios específicos, como síndrome do túnel do carpo, doença do legionário, tendinite e tuberculose.

Parte do corpo afetada

O parte do corpo afetada A estrutura de classificação especifica a parte do corpo que foi diretamente afetada pela lesão ou doença. Quando vinculado ao natureza da lesão ou doença código, ele fornece uma imagem mais completa dos danos sofridos: dedo amputado, câncer de pulmão, mandíbula fraturada. Esta estrutura é composta por oito divisões:

  • cabeça
  • pescoço, incluindo garganta
  • tronco
  • extremidades superiores
  • extremidades inferiores
  • sistemas do corpo
  • várias partes do corpo
  • outras partes do corpo.

 

Três questões surgiram durante a avaliação das opções de redesenho para esta parte teoricamente simples e direta do sistema de classificação. O primeiro foi o mérito de codificar a localização externa (braço, tronco, perna) da lesão ou doença versus o local interno afetado (coração, pulmões, cérebro).

Os resultados dos testes indicaram que codificar a parte interna do corpo afetada era apropriado para doenças e distúrbios, mas extremamente confuso quando aplicado a muitas lesões traumáticas, como cortes ou contusões. O BLS desenvolveu uma política de codificação da localização externa para a maioria das lesões traumáticas e codificação das localizações internas, quando apropriado, para doenças.

A segunda questão era como lidar com doenças que afetam mais de um sistema do corpo simultaneamente. Por exemplo, a hipotermia, condição de baixa temperatura corporal devido à exposição ao frio, pode afetar os sistemas nervoso e endócrino. Como é difícil para o pessoal não médico determinar qual é a escolha apropriada, isso pode levar a uma quantidade enorme de tempo de pesquisa sem uma resolução clara. Portanto, o sistema BLS foi projetado com uma única entrada, sistemas corporais, que categoriza um ou mais sistemas corporais.

Adicionar detalhes para identificar combinações típicas de partes nas extremidades superiores e nas extremidades inferiores foi o terceiro maior aprimoramento dessa estrutura de código. Essas combinações, como mão e punho, provaram ser suportadas pelos documentos de origem.

Evento ou exposição

A estrutura do código de evento ou exposição descreve a maneira pela qual a lesão ou doença foi infligida ou produzida. As oito divisões a seguir foram criadas para identificar o principal método de lesão ou exposição a uma substância ou situação nociva:

  • contato com objetos e equipamentos
  • quedas
  • reação corporal e esforço
  • exposição a substâncias ou ambientes nocivos
  • acidentes de transporte
  • incêndios e explosões
  • agressões e atos violentos
  • outros eventos ou exposições.

Os incidentes que produzem lesões são frequentemente compostos por uma série de eventos. Para ilustrar, considere o que ocorre em um acidente de trânsito: um carro bate em um guard-rail, atravessa o canteiro central e colide com um caminhão. O motorista sofreu vários ferimentos devido ao choque de partes do carro e ao ser atingido por vidros quebrados. Se os microeventos – como bater no para-brisa ou ser atingido por vidro estilhaçado – fossem codificados, o fato geral de que a pessoa estava envolvida em um acidente de trânsito poderia ser perdido.

Nessas instâncias de eventos múltiplos, o BLS designou várias ocorrências para serem consideradas eventos primários e terem precedência sobre outros microeventos associados a eles. Esses eventos primários incluíram:

  • agressões e atos violentos
  • acidentes de transporte
  • incêndios
  • explosões.

Uma ordem de precedência também foi estabelecida dentro desses grupos porque eles frequentemente se sobrepõem – por exemplo, um acidente de trânsito pode envolver um incêndio. Esta ordem de precedência é a ordem em que aparecem na lista acima. Agressões e atos violentos receberam prioridade. Os códigos dentro dessa divisão geralmente descrevem o tipo de violência, enquanto a arma é abordada no código-fonte. Os acidentes de transporte são os próximos em precedência, seguidos por incêndios e explosões.

Esses dois últimos eventos, incêndios e explosões, são combinados em uma única divisão. Como os dois freqüentemente ocorrem simultaneamente, uma ordem de precedência entre os dois teve que ser estabelecida. De acordo com a Classificação Suplementar de Causas Externas ICD-9, os incêndios tiveram precedência sobre as explosões (USPHS 1989).

A seleção de códigos para inclusão nessa estrutura foi influenciada pelo surgimento de distúrbios de não contato que estão associados às atividades e à ergonomia do trabalho. Esses casos geralmente envolvem danos nos nervos, músculos ou ligamentos causados ​​por esforço, movimento repetitivo e até mesmo movimentos corporais simples, como quando as costas do trabalhador “sai” ao estender a mão para pegar um item. A síndrome do túnel do carpo é agora amplamente reconhecida por estar ligada a ações repetitivas, como digitar, digitar, cortar ações e até mesmo operar uma caixa registradora. A divisão reação corporal e esforço identifica esses incidentes sem contato ou sem impacto.

A divisão de eventos “exposição a substâncias ou ambientes nocivos” distingue o método específico de exposição a substâncias tóxicas ou nocivas: inalação, contato com a pele, ingestão ou injeção. Foi desenvolvida uma categoria separada para identificar a transmissão de um agente infeccioso por picada de agulha. Também estão incluídas nesta divisão outras ocorrências sem impacto em que o trabalhador foi prejudicado por energia elétrica ou por condições ambientais, como frio extremo.

O contato com objetos e equipamentos e as quedas são as divisões que mais captarão os eventos de impacto que lesionam os trabalhadores.

Fonte de lesão ou doença

O código de classificação da fonte de lesão ou doença identifica o objeto, substância, movimento corporal ou exposição que produziu ou infligiu diretamente a lesão ou doença. Se um trabalhador é cortado na cabeça por um tijolo que cai, o tijolo é a fonte do ferimento. Existe uma relação direta entre a origem e a natureza da lesão ou doença. Se um trabalhador escorregar no óleo e cair no chão, quebrando o cotovelo, a fratura é produzida ao bater no chão, então o chão é a fonte de lesão. Este sistema de código contém dez divisões:

  • produtos químicos e produtos químicos
  • containers
  • móveis e utensílios
  • maquinaria
  • peças e materiais
  • pessoas, plantas, animais e minerais
  • estruturas e superfícies
  • ferramentas, instrumentos e equipamentos
  • veículos
  • Outras fontes.

As definições gerais e os conceitos de codificação para a nova estrutura de classificação de origem BLS foram herdados do sistema de classificação ANSI Z16.2. No entanto, a tarefa de desenvolver uma listagem de código mais completa e hierárquica foi inicialmente assustadora, já que praticamente qualquer item ou substância no mundo pode se qualificar como fonte de lesão ou doença. Não apenas tudo no mundo pode se qualificar como fonte, mas também pedaços ou partes de tudo no mundo. Para aumentar a dificuldade, todos os candidatos para inclusão nos códigos-fonte tiveram que ser agrupados em apenas dez categorias divisionais.

O exame dos dados históricos sobre acidentes de trabalho e doenças identificou áreas onde a estrutura do código anterior era inadequada ou desatualizada. As seções de máquinas e ferramentas precisavam de ampliação e atualização. Não havia código para computadores. A tecnologia mais recente tornou obsoleta a lista de ferramentas elétricas, e muitos itens listados como ferramentas não motorizadas agora eram quase sempre motorizados: chaves de fenda, martelos e assim por diante. Houve uma demanda dos usuários para ampliar e atualizar a lista de produtos químicos na nova estrutura. A Administração de Saúde e Segurança Ocupacional dos EUA solicitou detalhes expandidos para uma variedade de itens, incluindo vários tipos de andaimes, empilhadeiras e máquinas de construção e extração de madeira.

O aspecto mais difícil de desenvolver a estrutura de origem foi organizar os itens necessários para inclusão em divisões e grupos distintos dentro da divisão. Para aumentar a dificuldade, as categorias de código fonte tinham que ser mutuamente exclusivas. Mas não importa quais categorias fossem desenvolvidas, havia muitos itens que se encaixavam logicamente em duas ou mais divisões. Por exemplo, houve um consenso geral de que deveria haver categorias separadas para veículos e para máquinas. No entanto, os revisores discordaram sobre se certos equipamentos, como pavimentadoras de estradas ou empilhadeiras, pertenciam a máquinas ou veículos.

Outra área de debate se desenvolveu sobre como agrupar as máquinas dentro da divisão de máquinas. As opções incluíam associar máquinas a um processo ou indústria (por exemplo, máquinas agrícolas ou de jardinagem), agrupando-as por função (máquinas de impressão, máquinas de aquecimento e refrigeração) ou por tipo de objeto processado (metalurgia, máquinas para trabalhar madeira). Incapaz de encontrar uma solução única que fosse viável para todos os tipos de máquinas, o BLS comprometeu-se com uma listagem que usa uma função industrial para alguns grupos (máquinas agrícolas, máquinas de construção e madeireiras), função geral para outros grupos (máquinas de manuseio de materiais, máquinas de escritório máquinas) e alguns agrupamentos funcionais específicos de materiais (metalurgia, carpintaria). Onde havia a possibilidade de sobreposição, como uma máquina de trabalhar madeira usada para obras, a estrutura definia a categoria a que pertencia, para manter os códigos mutuamente exclusivos.

Códigos especiais foram adicionados para capturar informações sobre lesões e doenças que ocorrem no setor de assistência médica, que emergiu como um dos maiores setores de emprego nos Estados Unidos e com sérios problemas de segurança e saúde. Como exemplo, muitas das agências estaduais participantes recomendaram a inclusão de um código para pacientes e residentes de unidades de saúde, uma vez que enfermeiros e auxiliares de saúde podem se machucar ao tentar levantar, mover ou cuidar de seus pacientes.

Fonte secundária de lesão ou doença

O BLS e outros usuários de dados reconheceram que a estrutura de classificação da fonte de lesão e doença ocupacional captura o objeto que produziu a lesão ou doença, mas às vezes falha em identificar outros contribuintes importantes para o evento. No sistema anterior, por exemplo, se um trabalhador fosse atingido por um pedaço de madeira que se soltasse de uma serra emperrada, a madeira era a fonte do ferimento; o fato de que uma serra elétrica estava envolvida foi perdido. Se um trabalhador fosse queimado pelo fogo, a chama era selecionada como a fonte do ferimento; também não foi possível identificar a origem do incêndio.

Para compensar essa perda potencial de informações, o BLS desenvolveu uma fonte secundária de lesão ou doença que “identifica o objeto, substância ou pessoa que gerou a fonte ou lesão ou doença ou que contribuiu para o evento ou exposição”. Dentro das regras específicas de seleção para este código, a ênfase está na identificação de máquinas, ferramentas, equipamentos ou outras substâncias geradoras de energia (como líquidos inflamáveis) que não são identificadas por meio de classificação de fonte. No primeiro exemplo citado acima, a serra elétrica seria a fonte secundária, pois jogou fora o pedaço de madeira. No último exemplo, a substância que pegou fogo (graxa, gasolina e assim por diante) seria nomeada como fonte secundária.

Requisitos de Implementação: Revisão, Verificação e Validação

Estabelecer um sistema de classificação abrangente é apenas uma etapa para garantir que informações precisas sobre lesões e doenças no local de trabalho sejam capturadas e disponibilizadas para uso. É importante que os trabalhadores de campo entendam como aplicar o sistema de codificação de forma precisa, uniforme e de acordo com o projeto do sistema.

O primeiro passo na garantia de qualidade foi treinar minuciosamente aqueles que atribuirão os códigos do sistema de classificação. Cursos iniciantes, intermediários e avançados foram desenvolvidos para auxiliar nas técnicas de codificação uniforme. Um pequeno grupo de instrutores foi encarregado de ministrar esses cursos para o pessoal envolvido nos Estados Unidos.

Verificações eletrônicas de edição foram criadas para auxiliar no processo de revisão, verificação e validação das características do caso e estimativas demográficas. Critérios do que pode e não pode ser combinado foram identificados e um sistema automatizado para identificar essas combinações como erros foi implementado. Este sistema possui mais de 550 grupos de verificação cruzada que verificam se os dados recebidos atendem às verificações de qualidade. Por exemplo, um caso que identificasse a síndrome do túnel do carpo como afetando o joelho seria considerado um erro. Este sistema automatizado também identifica códigos inválidos, ou seja, códigos que não existem na estrutura de classificação.

Claramente, essas verificações de edição não podem ser suficientemente rigorosas para capturar todos os dados suspeitos. Os dados devem ser examinados quanto à razoabilidade geral. Por exemplo, ao longo dos anos de coleta de dados semelhantes para a parte do corpo, quase 25% dos casos apontaram as costas como a área afetada. Isso deu à equipe de revisão uma referência para validar os dados. Uma revisão das tabulações cruzadas para sensibilidade geral também fornece uma visão sobre o quão bem o sistema de classificação foi aplicado. Finalmente, eventos raros especiais, como tuberculose relacionada ao trabalho, devem ser validados. Um elemento importante de um sistema de validação abrangente pode envolver um novo contato com o empregador para garantir a precisão do documento de origem, embora isso exija recursos adicionais.

Exemplos

Exemplos selecionados de cada um dos quatro sistemas de codificação de classificação de doenças e lesões são mostrados na tabela 1 para ilustrar o nível de detalhe e a riqueza resultante do sistema final. O poder do sistema como um todo é demonstrado na tabela 2, que mostra uma variedade de características que foram tabuladas para um conjunto de tipos de lesões relacionados – quedas. Além das quedas totais, os dados são ainda subdivididos em quedas no mesmo nível, quedas para um nível inferior e saltos para um nível inferior. Pode-se observar, por exemplo, que as quedas foram mais prováveis ​​de ocorrer em trabalhadores de 25 a 34 anos, em operadores, fabricantes e operários, em trabalhadores das indústrias manufatureiras e em trabalhadores com menos de cinco anos de serviço em suas funções atuais empregador (dados não apresentados). O acidente foi mais frequentemente associado ao trabalho no chão ou na superfície do solo, e a lesão subsequente provavelmente foi uma entorse ou distensão afetando as costas, resultando no afastamento do trabalhador por mais de um mês.

 


Tabela 1. Natureza do código da lesão ou doença - Exemplos

 

Natureza do código de lesão ou doença-Exemplos

0* Lesões e Distúrbios Traumáticos

08* Lesões e distúrbios traumáticos múltiplos

080 Lesões e distúrbios traumáticos múltiplos, não especificados

081 Cortes, escoriações, contusões

082 Entorses e contusões

083 Fraturas e queimaduras

084 Fraturas e outras lesões

085 Queimaduras e outras lesões

086 Lesões intracranianas e lesões de órgãos internos

089 Outras combinações de lesões e distúrbios traumáticos, ne

Evento ou código de exposição-Exemplos

1 * Cataratas

11* Queda para nível inferior

113 Queda da escada

114 Queda de material empilhado ou empilhado

115* Queda do telhado

1150 Queda do telhado, não especificada

1151 Queda através de abertura existente no telhado

1152 Queda pela superfície do telhado

1153 Queda pela clarabóia

1154 Queda da borda do telhado

1159 Queda do telhado, ne

116 Queda de andaime, encenação

117 Queda de vigas de construção ou outro aço estrutural

118 Queda de veículo imóvel

119 Queda para nível inferior, ne

Fonte de código de lesão ou doença-Exemplos

7*Ferramentas, instrumentos e equipamentos

72* Alimentado por ferramentas manuais

722* Ferramentas manuais de corte, motorizadas

7220 Ferramentas manuais de corte, motorizadas, não especificadas

7221 Motosserras motorizadas

7222 Cinzeis, motorizados

7223 Facas motorizadas

7224 Serras motorizadas, exceto motosserras

7229 Ferramentas manuais de corte, motorizadas, ne

723* Ferramentas manuais para golpear e pregar, motorizadas

7230 Ferramentas manuais de percussão, motorizadas, não especificadas

7231 Martelos, motorizados

7232 Britadeiras, motorizadas

7233 Punções, motorizadas

Parte do código afetado pelo corpo-Exemplos

2* tronco

23* Costas, incluindo coluna, medula espinhal

230 Costas, incluindo coluna, medula espinhal, não especificado

231 Região lombar

232 Região torácica

233 Região sacral

234 Região coccígea

238 Múltiplas regiões traseiras

239 Costas, incluindo coluna vertebral, medula espinhal, pescoço

* = divisão, grupo principal ou títulos de grupo; nec = não classificado em outro lugar.


 

Tabela 2. Número e porcentagem de lesões e doenças ocupacionais não fatais com afastamento do trabalho envolvendo quedas, por trabalhador selecionado e características do caso, EUA 19931

Característica

Todos os eventos

todas as quedas

Cair para o nível mais baixo

Ir para o nível inferior

Cair no mesmo nível

 

Sessão

%

Sessão

%

Sessão

%

Sessão

%

Sessão

%

Total

2,252,591

100.0

370,112

100.0

111,266

100.0

9,433

100.0

244,115

100.0

Sexo:

Homem

1,490,418

66.2

219,199

59.2

84,868

76.3

8,697

92.2

121,903

49.9

Mulher

735,570

32.7

148,041

40.0

25,700

23.1

645

6.8

120,156

49.2

Idade:

de 14 a 15 anos

889

0.0

246

0.1

118

0.1

-

-

84

0.0

de 16 a 19 anos

95,791

4.3

15,908

4.3

3,170

2.8

260

2.8

12,253

5.0

de 20 a 24 anos

319,708

14.2

43,543

11.8

12,840

11.5

1,380

14.6

28,763

11.8

de 25 a 34 anos

724,355

32.2

104,244

28.2

34,191

30.7

3,641

38.6

64,374

26.4

de 35 a 44 anos

566,429

25.1

87,516

23.6

27,880

25.1

2,361

25.0

56,042

23.0

de 45 a 54 anos

323,503

14.4

64,214

17.3

18,665

16.8

1,191

12.6

43,729

17.9

de 55 a 64 anos

148,249

6.6

37,792

10.2

9,886

8.9

470

5.0

27,034

11.1

65 anos e mais

21,604

1.0

8,062

2.2

1,511

1.4

24

0.3

6,457

2.6

Ocupação:

Gerencial e profissional

123,596

5.5

26,391

7.1

6,364

5.7

269

2.9

19,338

7.9

Suporte técnico, comercial e administrativo

344,402

15.3

67,253

18.2

16,485

14.8

853

9.0

49,227

20.2

Serviço

414,135

18.4

85,004

23.0

13,512

12.1

574

6.1

70,121

28.7

Agricultura, silvicultura e pesca

59,050

2.6

9,979

2.7

4,197

3.8

356

3.8

5,245

2.1

Produção, artesanato e reparo de precisão

366,112

16.3

57,254

15.5

27,805

25.0

1,887

20.0

26,577

10.9

Operadores, fabricantes e trabalhadores

925,515

41.1

122,005

33.0

42,074

37.8

5,431

57.6

72,286

29.6

Natureza das lesões, doença:

Entorses, distensões

959,163

42.6

133,538

36.1

38,636

34.7

5,558

58.9

87,152

35.7

Fracturas

136,478

6.1

55,335

15.0

21,052

18.9

1,247

13.2

32,425

13.3

Cortes, lacerações perfurações

202,464

9.0

10,431

2.8

2,350

2.1

111

1.2

7,774

3.2

Hematomas, contusões

211,179

9.4

66,627

18.0

17,173

15.4

705

7.5

48,062

19.7

Lesões múltiplas

73,181

3.2

32,281

8.7

11,313

10.2

372

3.9

20,295

8.3

com fraturas

13,379

0.6

4,893

1.3

2,554

2.3

26

0.3

2,250

0.9

Com entorses

26,969

1.2

15,991

4.3

4,463

4.0

116

1.2

11,309

4.6

Dor, Dor

127,555

5.7

20,855

5.6

5,614

5.0

529

5.6

14,442

5.9

Dor nas costas

58,385

2.6

8,421

2.3

2,587

2.3

214

2.3

5,520

2.3

Todos os outros

411,799

18.3

50,604

13.7

15,012

13.5

897

9.5

33,655

13.8

Parte do corpo afetada:

Head

155,504

6.9

13,880

3.8

2,994

2.7

61

0.6

10,705

4.4

Olho

88,329

3.9

314

0.1

50

0.0

11

0.1

237

0.1

Pescoço

40,704

1.8

3,205

0.9

1,097

1.0

81

0.9

1,996

0.8

Porta malas

869,447

38.6

118,369

32.0

33,984

30.5

1,921

20.4

80,796

33.1

Voltar

615,010

27.3

72,290

19.5

20,325

18.3

1,523

16.1

49,461

20.3

Ombro

105,881

4.7

16,186

4.4

4,700

4.2

89

0.9

11,154

4.6

Origem da doença da lesão:

Produtos químicos, produtos químicos

43,411

1.9

22

0.0

-

-

-

-

16

0.0

Containers

330,285

14.7

7,133

1.9

994

0.9

224

2.4

5,763

2.4

Móveis, acessórios

88,813

3.9

7,338

2.0

881

0.8

104

1.1

6,229

2.6

Maquinaria

154,083

6.8

4,981

1.3

729

0.7

128

14

4,035

1.7

Partes e materiais

249,077

11.1

6,185

1.7

1,016

0.9

255

2.7

4,793

2.0

Movimento ou posição do trabalhador

331,994

14.7

-

-

-

-

-

-

-

-

Piso, superfícies do solo

340,159

15.1

318,176

86.0

98,207

88.3

7,705

81.7

208,765

85.5

Ferramentas de mão

105,478

4.7

727

0.2

77

0.1

41

0.4

600

0.2

Veículos

157,360

7.0

9,789

2.6

3,049

2.7

553

5.9

6,084

2.5

paciente de cuidados de saúde

99,390

4.4

177

0.0

43

0.0

8

0.1

90

0.0

Todos os outros

83,813

3.7

15,584

4.2

6,263

5.6

414

4.4

7,741

3.2

Divisão da indústria:

Agricultura, silvicultura e pesca2

44,826

2.0

8,096

2.2

3,636

3.3

301

3.2

3,985

1.6

Mineração3

21,090

0.9

3,763

1.0

1,757

1.6

102

1.1

1,874

0.8

Construção

204,769

9.1

41,787

11.3

23,748

21.3

1,821

19.3

15,464

6.3

Indústria​

583,841

25.9

63,566

17.2

17,693

15.9

2,161

22.9

42,790

17.5

Transporte e serviços públicos3

232,999

10.3

38,452

10.4

14,095

12.7

1,797

19.0

21,757

8.9

Comércio grossista

160,934

7.1

22,677

6.1

8,119

7.3

1,180

12.5

12,859

5.3

Comercio de varejo

408,590

18.1

78,800

21.3

15,945

14.3

1,052

11.1

60,906

24.9

Finanças, seguros e imobiliário

60,159

2.7

14,769

4.0

5,353

4.8

112

1.2

9,167

3.8

Serviços

535,386

23.8

98,201

26.5

20,920

18.8

907

9.6

75,313

30.9

Número de dias afastados do trabalho:

Casos envolvendo 1 dia

366,054

16.3

48,550

13.1

12,450

11.2

1,136

12.0

34,319

14.1

Casos envolvendo 2 dias

291,760

13.0

42,912

11.6

11,934

10.7

1,153

12.2

29,197

12.0

Casos envolvendo 3-5 dias

467,001

20.7

72,156

19.5

20,167

18.1

1,770

18.8

49,329

20.2

Casos envolvendo 6-10 dias

301,941

13.4

45,375

12.3

13,240

11.9

1,267

13.4

30,171

12.4

Casos envolvendo 11-20 dias

256,319

11.4

44,228

11.9

13,182

11.8

1,072

11.4

29,411

12.0

Casos envolvendo 21-30 dias

142,301

6.3

25,884

7.0

8,557

7.7

654

6.9

16,359

6.7

Casos com duração igual ou superior a 31 dias

427,215

19.0

91,008

24.6

31,737

28.5

2,381

25.2

55,329

22.7

Dias médios afastados do trabalho

6 dias

 

7 dias

 

10 dias

 

8 dias

 

7 dias

 

 1 Os casos de dias afastados do trabalho incluem aqueles que resultam em dias afastados do trabalho com ou sem atividade laboral restrita.

2 Exclui fazendas com menos de 11 funcionários.

3 Os dados em conformidade com as definições da OSHA para operadores de mineração em mineração de carvão, metal e não-metal e para empregadores em transporte ferroviário são fornecidos ao BLS pela Mine Safety and Health Administration, US Department of Labor; a Federal Railroad Administration e o Departamento de Transportes dos EUA. Empreiteiros de mineração independentes estão excluídos das indústrias de mineração de carvão, metal e não-metal.

NOTA: Devido ao arredondamento e à exclusão de dados de respostas não classificáveis, os dados podem não somar os totais. Traços indicam dados que não atendem às diretrizes de publicação. As estimativas da pesquisa de lesões e doenças ocupacionais são baseadas em uma amostra cientificamente selecionada de empregadores. A amostra usada foi uma das muitas amostras possíveis, cada uma das quais poderia ter produzido diferentes estimativas. O erro padrão relativo é uma medida da variação nas estimativas da amostra em todas as amostras possíveis que poderiam ter sido selecionadas. Os erros padrão relativos percentuais para as estimativas incluídas aqui variam de menos de 1 por cento a 58 por cento.
Pesquisa de Lesões e Doenças Ocupacionais, Bureau of Labor Statistics, Departamento do Trabalho dos EUA, abril de 1995.


 

É claro que dados como esses podem ter um impacto importante no desenvolvimento de programas de prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. Mesmo assim, não indicam quais ocupações ou indústrias são as mais perigosas, pois algumas ocupações muito perigosas podem ter um pequeno número de trabalhadores. A determinação dos níveis de risco associados a ocupações e setores específicos é explicada no artigo anexo “Análise de risco de lesões e doenças não fatais no local de trabalho”.

 

Voltar

O Bureau of Labor Statistics dos Estados Unidos classifica rotineiramente lesões e doenças não fatais no local de trabalho por características do trabalhador e do caso, usando dados da Pesquisa de Lesões e Doenças Ocupacionais dos EUA. Embora essas contagens identifiquem grupos de trabalhadores que sofrem um grande número de lesões no local de trabalho, elas não medem o risco. Assim, um determinado grupo pode sofrer muitos acidentes de trabalho simplesmente por causa do grande número de trabalhadores nesse grupo, e não porque os trabalhos executados são especialmente perigosos.

Para quantificar o risco real, os dados sobre acidentes de trabalho devem ser relacionados a uma medida de exposição ao risco, como o número de horas trabalhadas, uma medida de oferta de trabalho que pode estar disponível em outras pesquisas. A taxa de lesões não fatais no local de trabalho para um grupo de trabalhadores pode ser calculada dividindo-se o número de lesões registradas para esse grupo pelo número de horas trabalhadas durante o mesmo período. A taxa assim obtida representa o risco de lesões por hora de trabalho:

Uma maneira conveniente de comparar o risco de lesão entre vários grupos de trabalhadores é calcular o risco relativo:

O grupo de referência pode ser um grupo especial de trabalhadores, como todos os trabalhadores especializados gerenciais e profissionais. Como alternativa, pode consistir em todos os trabalhadores. Em qualquer caso, o risco relativo (RR) corresponde à taxa de razão comumente usada em estudos epidemiológicos (Rothman 1986). É algebricamente equivalente à porcentagem de todas as lesões que ocorrem no grupo especial dividida pela porcentagem de horas contabilizadas pelo grupo especial. Quando o RR é maior que 1.0, indica que os membros do grupo selecionado têm maior probabilidade de sofrer lesões do que os membros do grupo de referência; quando o RR é menor que 1.0, indica que, em média, os membros desse grupo sofrem menos lesões por hora.

As tabelas a seguir mostram como os índices de risco relativo para diferentes grupos de trabalhadores podem identificar aqueles com maior risco de lesões no local de trabalho. Os dados de lesões são de 1993 Pesquisa de lesões e doenças ocupacionais (BLS 1993b) e medir o número de lesões e doenças com dias de afastamento do trabalho. O cálculo baseia-se em estimativas de horas anuais trabalhadas extraídas dos arquivos de microdados do Bureau of the Census Current Population Surveys dos Estados Unidos para 1993, obtidos de pesquisas domiciliares (Bureau of the Census 1993).

A Tabela 1 apresenta dados por ocupação sobre a proporção de acidentes de trabalho, a proporção de horas trabalhadas e sua razão, que é o RR para lesões e doenças com afastamento. O grupo de referência é considerado “Todas as ocupações da indústria privada não agrícola” com trabalhadores de 15 anos ou mais, que compreende 100%. A título de exemplo, o grupo “Operadores, fabricantes e operários” apresentou 41.64% de todas as lesões e doenças, mas contribuiu com apenas 18.37% do total de horas trabalhadas pela população de referência. Portanto, o RR para “Operadores, fabricantes e trabalhadores” é 41.64/18.37 = 2.3. Em outras palavras, os trabalhadores neste grupo de ocupações têm, em média, 2.3 vezes a taxa de lesões/doenças de todos os trabalhadores da indústria privada não agrícola combinados. Além disso, eles têm cerca de 11 vezes mais chances de sofrer uma lesão grave do que os funcionários de uma especialidade gerencial ou profissional.

Tabela 1. Risco de lesões e doenças ocupacionais

Ocupação

Percentagem1

Índice
de risco relativo

 

Casos de lesões e doenças

Horas trabalhadas

 

Todas as ocupações da indústria privada não agrícola

100.00

100.00

1.0

Especialidade profissional e gerencial

5.59

24.27

0.2

Executivo, administrativo e gerencial

2.48

13.64

0.2

especialidade profissional

3.12

10.62

0.3

Suporte técnico, comercial e administrativo

15.58

32.19

0.5

Técnicos e suporte relacionado

2.72

3.84

0.7

ocupações de vendas

5.98

13.10

0.5

Apoio administrativo, incluindo escritório

6.87

15.24

0.5

ocupações de serviço2  

18.73

11.22

1.7

Serviço de proteção3

0.76

0.76

1.0

Ocupações de serviço, exceto serviço de proteção

17.97

10.46

1.7

Ocupações agrícolas, florestais e pesqueiras4

1.90

0.92

2.1

Produção, artesanato e reparo de precisão

16.55

13.03

1.3

Mecânicos e reparadores

6.30

4.54

1.4

Construção / Comércio

6.00

4.05

1.5

ocupações extrativistas

0.32

0.20

1.6

Ocupações de produção de precisão

3.93

4.24

0.9

Operadores, fabricantes e trabalhadores

41.64

18.37

2.3

Operadores de máquinas, montadores e inspetores

15.32

8.62

1.8

Ocupações de transporte e movimentação de materiais

9.90

5.16

1.9

Manipuladores, limpadores de equipamentos, ajudantes e trabalhadores

16.42

4.59

3.6

1 Porcentagem de lesões e doenças, horas trabalhadas e índice de risco relativo para lesões e doenças ocupacionais com dias de afastamento, por ocupação, funcionários da indústria privada não agrícola dos EUA com 15 anos ou mais, 1993.
2 Exclui trabalhadores domésticos privados e trabalhadores de serviços de proteção no setor público
3 Exclui trabalhadores de serviços de proteção no setor público
4 Exclui trabalhadores em indústrias de produção agrícola
Fontes: Pesquisa BLS de Lesões e Doenças Ocupacionais, 1993; Pesquisa de População Atual, 1993.

 

Os vários grupos ocupacionais podem ser classificados de acordo com o grau de risco simplesmente comparando seus índices de RR. O maior RR da tabela (3.6) está associado a “manipuladores, limpadores de equipamentos, ajudantes e operários”, enquanto o grupo de menor risco é o dos trabalhadores de especialidades profissionais e gerenciais (RR = 0.2). Interpretações mais refinadas podem ser feitas. Embora a tabela sugira que os trabalhadores com níveis mais baixos de qualificação estão em empregos com maiores riscos de lesões e doenças, mesmo entre as ocupações de colarinho azul, a taxa de lesões e doenças é maior para operadores, fabricantes e trabalhadores menos qualificados em comparação com a produção de precisão, artesanato e reparadores.

Na discussão acima, os RRs foram baseados em todas as lesões e doenças com dias de afastamento do trabalho, uma vez que esses dados estão prontamente disponíveis e compreendidos. Usando a extensa e recém-desenvolvida estrutura de codificação da Pesquisa de Lesões e Doenças Ocupacionais, os pesquisadores agora podem examinar lesões e doenças específicas em detalhes.

Como exemplo, a tabela 2 mostra o RR para o mesmo conjunto de agrupamentos de ocupações, mas restrito ao único resultado “Condições de Movimentação Repetitiva” (código de evento 23) com dias de afastamento do trabalho, por ocupação e sexo. Condições de movimento repetitivo incluem síndrome do túnel do carpo, tendinite e certas distensões e entorses. O grupo mais gravemente acometido por este tipo de lesão é claramente o das mulheres operadoras de máquinas, montadoras e inspetoras (RR = 7.3), seguido pelas mulheres manipuladoras, faxineiras, ajudantes e operárias (RR = 7.1).

Tabela 2. Índice de risco relativo para condições de movimentos repetitivos com dias de afastamento, por ocupação e gênero, funcionários do setor privado não agrícola nos EUA com 15 anos ou mais, 1993

Ocupação

Todos os Produtos

Homem

Mulher

Todas as ocupações da indústria privada não agrícola

1.0

0.6

1.5

Especialidade profissional e gerencial

0.2

0.1

0.3

Executivo, administrativo e gerencial

0.2

0.0

0.3

especialidade profissional

0.2

0.1

0.3

Suporte técnico, comercial e administrativo

0.8

0.3

1.1

Técnicos e suporte relacionado

0.6

0.3

0.8

ocupações de vendas

0.3

0.1

0.6

Apoio administrativo, incluindo escritório

1.2

0.7

1.4

ocupações de serviço1

0.7

0.3

0.9

Serviço de proteção2

0.1

0.1

0.4

Ocupações de serviço, exceto serviço de proteção

0.7

0.4

0.9

Ocupações agrícolas, florestais e pesqueiras3

0.8

0.6

1.8

Produção, artesanato e reparo de precisão

1.0

0.7

4.2

Mecânicos e reparadores

0.7

0.6

2.4

Construção / Comércio

0.6

0.6

-

ocupações extrativistas

0.1

0.1

-

Ocupações de produção de precisão

1.8

1.0

4.6

Operadores, fabricantes e trabalhadores

2.7

1.4

6.9

Operadores de máquinas, montadores e inspetores

4.1

2.3

7.3

Ocupações de transporte e movimentação de materiais

0.5

0.5

1.6

Manipuladores, limpadores de equipamentos, ajudantes e trabalhadores

2.4

1.4

7.1

1 Exclui trabalhadores domésticos privados e trabalhadores de serviços de proteção no setor público
2 Exclui trabalhadores de serviços de proteção no setor público
3 Exclui trabalhadores em indústrias de produção agrícola
Observação: Traços longos — indicam que os dados não atendem às diretrizes de publicação.
Fonte: Calculado a partir da Pesquisa BLS de Lesões e Doenças Ocupacionais, 1993, e Pesquisa da População Atual, 1993.

 

A tabela mostra diferenças marcantes no risco de condições de movimentos repetitivos que dependem do gênero do trabalhador. No geral, uma mulher tem 2.5 vezes mais chances do que um homem de perder o trabalho devido a doenças de movimento repetitivo (2.5 = 1.5/0.6). No entanto, essa diferença não reflete simplesmente uma diferença nas ocupações de homens e mulheres. As mulheres correm maior risco em todos os principais grupos ocupacionais, bem como nos grupos ocupacionais menos agregados relatados na tabela. Seu risco em relação aos homens é especialmente alto em vendas e ocupações de colarinho azul. As mulheres têm seis vezes mais probabilidade do que os homens de perder tempo de trabalho devido a lesões por movimentos repetitivos em vendas e em ocupações de produção de precisão, artesanato e reparo.

 

Voltar

O alemão Berufsgenossenschaften (BG)

De acordo com o sistema de seguro social na Alemanha, o seguro legal de acidentes cobre os resultados de acidentes de trabalho e acidentes de trajeto de e para o trabalho, bem como doenças profissionais. Este seguro legal de acidentes está organizado em três áreas:

  • seguro de acidentes de trabalho (representado pelas BGs)
  • seguro de acidentes agrícolas
  • esquema de seguro de acidentes próprio do setor público.

 

As 35 Berufsgenossenschaften (BG) cobrem os vários ramos da economia industrial na Alemanha. Eles são responsáveis ​​por 39 milhões de trabalhadores segurados em 2.6 milhões de empreendimentos. Todas as pessoas que exercem uma função de trabalho, serviço ou treinamento estão seguradas, independentemente de idade, sexo ou nível de renda. Sua organização guarda-chuva é a Federação Central do Berufsgenossenschaften (HVBG).

Por lei, o BG é responsável por usar todos os meios apropriados para prevenir acidentes de trabalho e doenças ocupacionais, fornecer primeiros socorros eficazes e ótima reabilitação médica, ocupacional e social, e pagar benefícios aos feridos e doentes e aos sobreviventes. Assim, prevenção, reabilitação e compensação estão sob o mesmo teto.

Os prémios para financiar estas prestações são pagos exclusivamente pelos empregadores. Em 1993, todos os empregadores industriais pagavam em média 1.44 marcos alemães à BG por cada salário de 100 marcos alemães, ou 1.44%. Ao todo, os prêmios chegaram a 16 bilhões de marcos alemães (US$ bilhões usados ​​— mil milhões), dos quais cerca de 80% foram gastos em reabilitação e pensões. O restante foi usado principalmente para programas de prevenção.

Segurança Ocupacional e Proteção à Saúde

O empregador é responsável pela saúde e segurança do empregado no trabalho. O escopo legal dessa responsabilidade é definido pelo governo em leis e decretos e nos regulamentos trabalhistas de proteção dos BGs industriais, que completam e concretizam a lei trabalhista protetora do governo para cada ramo da indústria. O sistema de prevenção das BGs destaca-se pela sua orientação para a prática real, pela sua constante adaptação às necessidades da indústria e ao estado da tecnologia, bem como pelo seu apoio eficaz ao empregador e ao trabalhador.

As tarefas de prevenção dos BGs, que são essencialmente realizadas pelo Serviço Técnico de Inspeção (TAD) do BG e pelo Serviço de Medicina do Trabalho (AMD), incluem:

  • aconselhar e motivar o empregador
  • supervisão de medidas de proteção ocupacional industrial
  • assistência médica ocupacional
  • informar e treinar o pessoal da empresa
  • verificação de segurança em aparelhos e equipamentos
  • iniciar, realizar e financiar pesquisas.

 

A responsabilidade pela implementação da proteção ocupacional industrial cabe ao empregador, que é legalmente obrigado a contratar pessoal devidamente qualificado para auxiliar na proteção ocupacional. São especialistas em segurança do trabalho (responsáveis ​​pela segurança, técnicos de segurança e engenheiros de segurança) e médicos da empresa. Em empresas com mais de 20 funcionários, deve ser contratado um ou mais representantes de segurança. O escopo da responsabilidade da empresa para especialistas em segurança do trabalho e médicos da empresa é definido por regulamentos de associações comerciais que são específicos do ramo da indústria e do grau de risco. Nas empresas que contratem um especialista em segurança do trabalho ou um médico da empresa, o empregador deve organizar uma comissão de segurança do trabalho, composta por um representante da empresa, dois representantes dos trabalhadores, o médico da empresa e especialistas em segurança do trabalho e representantes de segurança. O pessoal de primeiros socorros, cujo treinamento é dirigido pelo BG, também pertence à organização de segurança no trabalho da empresa.

A assistência médica ocupacional tem um significado especial. Todo funcionário que está em risco de um tipo específico de ameaça à saúde no local de trabalho é examinado de maneira uniforme e os resultados do exame são avaliados de acordo com as diretrizes estabelecidas. Em 1993, cerca de quatro milhões de exames médicos preventivos ocupacionais foram realizados por médicos especialmente autorizados. Preocupações duradouras com a saúde foram verificadas em menos de 1% dos exames.

Os funcionários que trabalham com materiais perigosos/cancerígenos também têm direito a exames médicos mesmo após a conclusão da atividade perigosa. Os BGs criaram serviços para poder examinar esses funcionários. Existem agora três desses serviços:

  • Serviço Organizacional de Exames Contínuos (ODIN)
  • Serviço Central de Registro de Empregados Ameaçados por Pó de Amianto (ZAs)
  • Escritório Central de Atendimento de Wismut (ZeBWis).

 

Os três serviços atenderam cerca de 600,000 mil pessoas em 1993. A coleta de dados de exames auxilia no atendimento individual e também contribui para o aprimoramento da pesquisa científica para detecção precoce de casos de câncer.

Estatísticas de Acidentes de Trabalho

Objetivo. O principal objetivo da coleta de estatísticas sobre acidentes de trabalho é melhorar a segurança no local de trabalho, avaliando e interpretando dados sobre ocorrências de acidentes. Esses dados são compilados a partir de relatórios sobre acidentes de trabalho; 5% a 10% dos acidentes (aproximadamente 100,000 acidentes) são investigados anualmente pelos Serviços Técnicos de Inspeção das BGs.

Responsabilidade de relatórios dos empregadores. Cada empregador é obrigado a comunicar um acidente de trabalho ao seu BG responsável no prazo de três dias, se o acidente resultar em incapacidade para o trabalho por três dias corridos ou causar a morte do segurado (“acidente de trabalho legalmente reportável”). Isso inclui acidentes indo ou voltando do trabalho. Os acidentes que provoquem apenas danos materiais ou que impeçam o lesado de trabalhar menos de três dias não têm de ser comunicados. Para os acidentes de trabalho de notificação obrigatória, o empregador submete um formulário de “Notificação de Acidente” (figura 1). O tempo de afastamento do trabalho é o fator significativo para fins de notificação, independentemente da gravidade da lesão. Acidentes que pareçam inofensivos devem ser relatados se a pessoa ferida não puder trabalhar por mais de três dias. Este requisito de três dias facilita a prossecução de reivindicações posteriores. Deixar de registrar um relatório de acidente, ou arquivá-lo fora do prazo, constitui uma violação dos regulamentos que podem ser punidos pelo BG com multa pecuniária de até DM 5,000.

Figura 1. Exemplo de ficha de notificação de acidente

REC60F1A

Notificação pelo médico assistente. Para otimizar a reabilitação médica e determinar quanto tempo o funcionário fica incapacitado para o trabalho, o acidentado recebe tratamento de um médico especialista selecionado para esse trabalho. O médico é pago pela BG industrial responsável. Assim, o BG também recebe notificação de acidentes de trabalho reportáveis ​​do médico se o empregador não tiver apresentado (prontamente) um relatório de acidente. O BG pode então solicitar ao empregador que registre uma notificação de acidente de trabalho. Este sistema de notificação dupla (empregador e médico) garante ao BG o conhecimento de praticamente todos os acidentes de trabalho de notificação obrigatória.

A partir das informações do relatório de notificação do acidente e do laudo médico, o BG verifica se o acidente é, no sentido jurídico, um acidente de trabalho de sua competência jurisdicional. Com base no diagnóstico médico, o BG pode, se necessário, proceder imediatamente para garantir o tratamento ideal.

Uma descrição correta e completa das circunstâncias do acidente é especialmente importante para a prevenção. Isso permite que o Serviço de Inspeção Técnica da BG tire conclusões sobre máquinas e equipamentos defeituosos que requerem ação imediata para evitar novos acidentes semelhantes. No caso de acidentes de trabalho graves ou fatais, os regulamentos exigem que o empregador notifique imediatamente o BG. Essas ocorrências são imediatamente investigadas pelos especialistas em segurança do trabalho da BG.

Ao calcular o prêmio de uma empresa, o BG leva em consideração o número e o custo dos acidentes de trabalho ocorridos nessa empresa. Um procedimento de bônus/malus definido por lei é usado no cálculo, e uma parte do prêmio da empresa é determinada pela tendência de acidentes da empresa. Isso pode levar a um prêmio maior ou menor, criando assim incentivos financeiros para os empregadores manterem locais de trabalho seguros.

Colaboração dos representantes dos trabalhadores e dos representantes de segurança. Qualquer relatório de acidente também deve ser assinado pelo conselho de trabalhadores (Betriebsrat) e pelos representantes de segurança (se houver). O objetivo desta norma é informar o conselho de trabalhadores e os representantes de segurança sobre a situação sindical geral da empresa, para que possam exercer efetivamente seus direitos de colaboração em questões de segurança do trabalho.

Compilar estatísticas de acidentes de trabalho. Com base nas informações que o BG recebe sobre um acidente de trabalho do relatório do acidente e do relatório do médico, as contas são traduzidas em números de códigos estatísticos. A codificação abrange três áreas, entre outras:

  • descrição dos feridos (idade, sexo, trabalho)
  • descrição da lesão (localização da lesão, tipo de lesão)
  • descrição do acidente (local, objeto causador do acidente e circunstâncias do acidente).

 

A codificação é realizada por especialistas em dados altamente treinados que estão familiarizados com a organização das indústrias BG, utilizando uma lista de códigos de acidentes e lesões que contém mais de 10,000 entradas. Para obter estatísticas da mais alta qualidade, as classificações são retrabalhadas regularmente, a fim de, por exemplo, adaptá-las aos novos desenvolvimentos tecnológicos. Além disso, o pessoal de codificação é periodicamente retreinado e os dados são submetidos a testes lógicos formais e sensíveis ao conteúdo.

Usos de estatísticas de acidentes de trabalho

Uma tarefa importante dessas estatísticas é descrever as circunstâncias do acidente no local de trabalho. tabela 1 retrata tendências em acidentes de trabalho reportáveis, novos casos de pensão por acidente e acidentes de trabalho fatais entre 1981 e 1993. A coluna 3 (“Novos casos de pensão”) mostra casos para os quais, devido à gravidade do acidente, um pagamento de pensão foi feito pela primeira vez pelo BGs industriais no ano determinado.

Tabela 1. Ocorrências de acidentes de trabalho, Alemanha, 1981-93

Ano

acidentes de trabalho

 

Acidentes reportáveis

Novos casos de pensão

Mortes

1981

1,397,976

40,056

1,689

1982

1,228,317

39,478

1,492

1983

1,144,814

35,119

1,406

1984

1,153,321

34,749

1,319

1985

1,166,468

34,431

1,204

1986

1,212,064

33,737

1,069

1987

1,211,517

32,537

1,057

1988

1,234,634

32,256

1,130

1989

1,262,374

30,840

1,098

1990

1,331,395

30,142

1,086

1991

1,587,177

30,612

1,062

1992

1,622,732

32,932

1,310

1993

1,510,745

35,553

1,414

Fonte: Central Federation of Berufsgenossenschaften (HVBG), Alemanha.

Para avaliar o risco médio de acidentes de um segurado, o número de acidentes de trabalho é dividido pelo tempo real trabalhado, para produzir uma taxa de acidentes. A taxa por um milhão de horas trabalhadas é usada para comparação internacional e ao longo dos anos. A Figura 2 mostra como essa taxa variou entre 1981 e 1993.

Figura 2. Frequência de acidentes de trabalho

REC060F2

Estatísticas de acidentes específicas do setor. Além de descrever as tendências gerais, as estatísticas do local de trabalho podem ser divididas por setor. Por exemplo, pode-se perguntar: “Quantos acidentes de trabalho com esmerilhadeiras portáteis no comércio de metalurgia ocorreram nos últimos anos; como e onde aconteceram; e que ferimentos resultaram?” Essas análises podem ser úteis para muitas pessoas e instituições, como ministérios governamentais, autoridades de supervisão, institutos de pesquisa, universidades, empresas e especialistas em segurança do trabalho (tabela 2).

Tabela 2. Acidentes de trabalho com esmerilhadeiras portáteis na metalurgia, Alemanha, 1984-93

Ano

Acidentes reportáveis

Novas pensões de acidentes

1984

9,709

79

1985

10,560

62

1986

11,505

76

1987

11,852

75

1988

12,436

79

1989

12,895

76

1990

12,971

78

1991

19,511

70

1992

17,180

54

1993

17,890

70

Fonte: Central Federation of Berufsgenossenschaften (HVBG), Alemanha.

Por exemplo, a tabela 2 mostra que os acidentes de trabalho notificáveis ​​com esmerilhadeiras portáteis na metalurgia aumentaram continuamente de meados da década de 1980 a 1990. De 1990 a 1991, observa-se um aumento considerável nos números de acidentes. Trata-se de um artefato resultante da inclusão, a partir de 1991, de figuras que englobam as novas fronteiras da Alemanha reunificada. (Os números anteriores cobrem apenas a República Federal da Alemanha.)

Outros dados compilados a partir de relatórios de acidentes revelam que nem todos os acidentes com esmerilhadeiras portáteis para metalurgia ocorrem principalmente em empresas do setor metal-mecânico. As esmerilhadeiras portáteis, que obviamente são frequentemente usadas como rebarbadoras para cortar tubos, barras de ferro e outros objetos, são frequentemente empregadas em canteiros de obras. Assim, quase um terço dos acidentes concentra-se em empresas do setor de construção. Trabalhar com esmerilhadeiras portáteis na usinagem resulta principalmente em lesões na cabeça e nas mãos. Os ferimentos na cabeça mais comuns afetam os olhos e a área ao redor dos olhos, que são feridos por estilhaços, estilhaços e faíscas. A ferramenta tem um rebolo de rotação rápida e lesões nas mãos ocorrem quando a pessoa que usa a máquina portátil perde o controle dela. O alto número de lesões oculares comprova que a importância e a obrigatoriedade do uso de óculos de segurança durante a retificação de metais com esta máquina portátil devem ser enfatizadas nas empresas.

Comparação das taxas de acidentes dentro e entre as indústrias. Embora em 1993 tenham ocorrido cerca de 18,000 acidentes de trabalho com esmerilhadeiras portáteis na serralharia, em comparação com apenas 2,800 acidentes de trabalho com serras manuais na marcenaria, não se pode concluir automaticamente que esse maquinário representa um risco maior para os metalúrgicos. Para avaliar o risco de acidentes para setores específicos, o número de acidentes deve primeiro ser relacionado a uma medida de exposição ao perigo, como horas trabalhadas (consulte “Análise de risco de lesões e doenças não fatais no local de trabalho” [REC05AE]). No entanto, esta informação nem sempre está disponível. Portanto, uma taxa substituta é derivada como a proporção que os acidentes graves fazem de todos os acidentes reportáveis. A comparação das proporções de lesões graves para esmerilhadeiras portáteis em metalurgia e serras circulares portáteis em carpintaria demonstra que as serras circulares portáteis têm uma taxa de gravidade de acidentes dez vezes maior do que as esmerilhadeiras portáteis. Para priorizar as medidas de segurança do trabalho, esta é uma descoberta importante. Este tipo de análise comparativa de riscos é um componente importante de uma estratégia geral de prevenção de acidentes industriais.

Estatísticas de Doenças Ocupacionais

Definição e relatórios

Na Alemanha, uma doença profissional é legalmente definida como uma doença cuja causa pode ser atribuída à atividade profissional da pessoa afetada. Existe uma lista oficial de doenças profissionais. Portanto, avaliar se uma doença constitui uma doença profissional é uma questão médica e jurídica e é remetida pelo direito público ao BG. Se houver suspeita de doença profissional, não basta provar que o empregado sofre, por exemplo, de um eczema. É necessário conhecimento adicional sobre as substâncias utilizadas no trabalho e seu potencial de agredir a pele.

Compilação de estatísticas de doenças ocupacionais. Como os BGs são responsáveis ​​por compensar trabalhadores com doenças ocupacionais, bem como por fornecer reabilitação e prevenção, eles têm um interesse considerável na aplicação de estatísticas derivadas de relatórios de doenças ocupacionais. Essas aplicações incluem o direcionamento de medidas preventivas com base em indústrias e ocupações de alto risco identificadas e também o fornecimento de suas descobertas ao público, à comunidade científica e às autoridades políticas.

Para apoiar essas atividades, os BGs introduziram em 1975 um conjunto de estatísticas de doenças ocupacionais, que contém dados sobre todos os relatórios de doenças ocupacionais e sua determinação final – reconhecida ou negada – incluindo os motivos da decisão no nível do caso individual. Esta base de dados contém dados anônimos sobre:

  • a pessoa, como sexo, ano de nascimento, nacionalidade
  • diagnóstico
  • exposições perigosas
  • a decisão legal, incluindo o resultado da reclamação, determinação de invalidez e quaisquer outras ações tomadas pelos BGs.

 

Resultados das estatísticas de doenças ocupacionais. Uma função importante das estatísticas de doenças ocupacionais é rastrear a ocorrência de doenças ocupacionais ao longo do tempo. A Tabela 3 mostra as notificações de suspeita de doença profissional, o número total de casos de doença profissional reconhecida e o pagamento de pensões, bem como o número de casos fatais entre 1980 e 1993. Deve-se advertir que esses dados não são fáceis de interpretar, uma vez que as definições e os critérios diferem amplamente. Além disso, durante esse período, o número de doenças ocupacionais oficialmente designadas aumentou de 55 para 64. Além disso, os números de 1991 abrangem as novas fronteiras da Alemanha reunificada, enquanto os anteriores cobrem apenas a República Federal da Alemanha.

Tabela 3. Ocorrências de doenças ocupacionais, Alemanha, 1980-93

Ano

Notificações
de suspeita de doença ocupacional

Casos de doenças profissionais reconhecidas

daqueles com
pensão

Mortes por doenças ocupacionais

1980

40,866

12,046

5,613

1,932

1981

38,303

12,187

5,460

1,788

1982

33,137

11,522

4,951

1,783

1983

30,716

9,934

4,229

1,557

1984

31,235

8,195

3,805

1,558

1985

32,844

6,869

3,439

1,299

1986

39,706

7,317

3,317

1,548

1987

42,625

7,275

3,321

1,455

1988

46,280

7,367

3,660

1,363

1989

48,975

9,051

3,941

1,281

1990

51,105

9,363

4,008

1,391

1991

61,156

10,479

4,570

1,317

1992

73,568

12,227

5,201

1,570

1993

92,058

17,833

5,668

2,040

Fonte: Central Federation of Berufsgenossenschaften (HVBG), Alemanha.

Exemplo: doenças infecciosas. A Tabela 4 mostra o declínio no número de casos reconhecidos de doenças infecciosas durante o período de 1980 a 1993. Ela destaca especificamente a hepatite viral, para a qual se pode ver claramente que uma forte tendência de declínio se desenvolveu aproximadamente a partir de meados da década de 1980 na Alemanha, quando funcionários em situação de risco no serviço de saúde receberam vacinas preventivas. Assim, as estatísticas de doenças ocupacionais podem servir não apenas para encontrar altas taxas de doenças, mas também documentar o sucesso das medidas de proteção. É claro que a queda nas taxas de doenças pode ter outras explicações. Na Alemanha, por exemplo, a redução do número de casos de silicose nas duas últimas décadas deve-se principalmente à diminuição do número de empregos na mineração.

Tabela 4. Doenças infecciosas reconhecidas como doenças ocupacionais, Alemanha, 1980-93

Ano

Total de casos reconhecidos

Dentre elas: hepatite viral

1980

1173

857

1981

883

736

1982

786

663

1983

891

717

1984

678

519

1985

417

320

1986

376

281

1987

224

152

1988

319

173

1989

303

185

1990

269

126

1991

224

121

1992

282

128

1993

319

149

Fonte: Central Federation of Berufsgenossenschaften (HVBG), Alemanha.

Fontes de informação

O HVBG, como organização guarda-chuva para os BGs, centraliza as estatísticas comuns e produz análises e brochuras. Além disso, o HVBG vê as informações estatísticas como um aspecto da informação geral que deve estar disponível para realizar a ampla gama de responsabilidades obrigatórias do sistema de seguro contra acidentes. Por esse motivo, em 1978 foi criado o Sistema Central de Informações dos GBs (ZIGUV). Ele prepara a literatura relevante e a disponibiliza aos GBs.

A segurança no local de trabalho como uma abordagem abrangente e interdisciplinar requer acesso ideal à informação. Os BGs na Alemanha seguiram resolutamente esse caminho e, assim, deram uma contribuição considerável para o eficiente sistema de segurança no local de trabalho na Alemanha.

 

Voltar

Desenvolvimento histórico

As montanhas Erz foram minadas desde o século XII e, a partir de 1470, a mineração de prata trouxe destaque à área. Por volta do ano de 1500, surgiram nos escritos de Agrícola os primeiros relatos de uma doença específica entre os garimpeiros. Em 1879 esta doença foi reconhecida por Haerting e Hesse como câncer de pulmão, mas na época não estava claro o que a causava. Em 1925, o “câncer de pulmão de Schneeberg” foi adicionado à lista de doenças ocupacionais.

O material do qual Marie Curie isolou os elementos rádio e polônio veio da pilha de escória do Joachimstal (Jachymov) na Boêmia. Em 1936, as medições de radônio de Rajewsky perto de Schneeberg confirmaram a conexão já assumida entre o radônio nos poços de mineração e o câncer de pulmão.

Em 1945, a União Soviética intensificou seu programa de pesquisa de armas atômicas. A busca por urânio estendeu-se às montanhas Erz, pois as condições de mineração eram melhores do que nas jazidas soviéticas. Após investigações iniciais, toda a área foi colocada sob administração militar soviética e declarada zona restrita.

De 1946 a 1990, a Wismut Company soviética (SAG), mais tarde a Wismut Company soviética-alemã (SDAG), realizou mineração de urânio na Turíngia e na Saxônia (figura 1). Na época, a União Soviética estava sob pressão para obter quantidades suficientes de urânio para construir a primeira bomba atômica soviética. Equipamentos apropriados não estavam disponíveis, portanto, alcançar o nível necessário de produção de urânio só foi possível desconsiderando as medidas de segurança. As condições de trabalho foram especialmente ruins nos anos de 1946 a 1954. De acordo com um relatório de saúde do SAG Wismut, 1,281 mineiros sofreram acidentes fatais e 20,000 sofreram ferimentos ou outros efeitos prejudiciais à saúde apenas na segunda metade de 1949.

Figura 1. Áreas de mineração do SDAG Wismut na Alemanha Oriental

REC100F1

Na Alemanha do pós-guerra, a União Soviética considerava a mineração de urânio uma forma de reparação. Prisioneiros, conscritos e “voluntários” foram mobilizados, mas a princípio quase não havia pessoal qualificado. Ao todo, Wismut empregou entre 400,000 e 500,000 pessoas (figura 2).

Figura 2. Funcionários da Wismut 1946-90

REC100T1

As más condições de trabalho, a falta de tecnologia adequada e a intensa pressão de trabalho levaram a números altíssimos de acidentes e doenças. As condições de trabalho melhoraram gradualmente a partir de 1953, quando começou a participação alemã na empresa soviética.

A perfuração a seco, que produzia altos níveis de poeira, foi empregada de 1946 a 1955. Nenhuma ventilação artificial estava disponível, resultando em altas concentrações de radônio. Além disso, a saúde dos trabalhadores era prejudicada pelo trabalho extremamente pesado devido à falta de equipamentos, falta de equipamentos de segurança e longas jornadas de trabalho (200 horas mensais).

Figura 3. Registros de exposição do antigo SDAG Wismut

REC100T2

O nível de exposição variou ao longo do tempo e de eixo para eixo. A medição sistemática da exposição também ocorreu em diferentes fases, conforme mostrado na figura 3. As exposições à radiação ionizante (mostradas em Meses de Nível de Trabalho (WLM)) podem ser dadas apenas de forma aproximada (tabela 1). Hoje, comparações com situações de exposição à radiação em outros países, medições feitas em condições experimentais e avaliações de registros escritos permitem uma declaração mais precisa do nível de exposição.

Tabela 1. Estimativas de exposição à radiação (nível de trabalho meses/ano) nas minas de Wismut

Ano

WLM/Ano

1946-1955

30-300

1956-1960

10-100

1961-1965

5-50

1966-1970

3-25

1971-1975

2-10

1976-1989

1-4

 

Além da exposição intensa ao pó de rocha, outros fatores relevantes para doenças estiveram presentes, como pó de urânio, arsênico, amianto e emissões de explosivos. Houve efeitos físicos de ruído, vibrações mão-braço e vibrações de corpo inteiro. Nessas condições, as silicoses e os carcinomas brônquicos relacionados à radiação dominaram o registro de doenças ocupacionais de 1952 a 1990 (tabela 2).

Tabela 2. Visão geral abrangente das doenças ocupacionais conhecidas nas minas de urânio de Wismut 1952-90

 

Lista Nº BKVO 1

número absoluto

%

Doenças por quartzo

40

14,733

47.8

Tumores malignos ou pré-tumores por radiação ionizante

92

5,276

17.1

Doenças devido à vibração parcial do corpo

54

-

-

Doenças dos tendões e articulações das extremidades

71-72

4,950

16.0

Audição prejudicada devido ao ruído

50

4,664

15.1

Doenças de pele

80

601

1.9

Outros

-

628

2.1

Total

 

30,852

100

1 Classificação das doenças profissionais da antiga RDA.
Fonte: Relatórios Anuais do Sistema de Saúde de Wismut.

 

Embora, ao longo do tempo, os serviços de saúde do SAG/SDAG Wismut tenham fornecido níveis crescentes de cuidados abrangentes para os mineiros, incluindo exames médicos anuais, os efeitos da extração do minério na saúde não foram analisados ​​sistematicamente. A produção e as condições de trabalho foram mantidas estritamente secretas; as empresas de Wismut eram autônomas e organizacionalmente um “estado dentro de um estado”.

A magnitude total dos eventos tornou-se conhecida apenas em 1989-90, com o fim da República Democrática Alemã (RDA). Em dezembro de 1990, a mineração de urânio foi descontinuada na Alemanha. Desde 1991, o Berufsgenossenschaften (prevenção, registro e compensação de associações industriais e comerciais), como a seguradora legal de acidentes, é responsável por registrar e compensar todos os acidentes e doenças ocupacionais relacionados à antiga operação de Wismut. Isso significa que as associações são responsáveis ​​por fornecer aos indivíduos afetados o melhor atendimento médico possível e por coletar todas as informações relevantes sobre saúde e segurança ocupacional.

Em 1990, cerca de 600 reivindicações de carcinoma brônquico ainda estavam pendentes no sistema de seguro social de Wismut; cerca de 1,700 casos de câncer de pulmão foram recusados ​​nos anos anteriores. Desde 1991, essas reivindicações foram perseguidas ou reabertas pela Berufsgenossenschaften responsável. Com base em projeções científicas (Jacobi, Henrichs e Barclay 1992; Wichmann, Brüske-Hohlfeld e Mohner 1995), estima-se que nos próximos dez anos entre 200 e 300 casos de carcinomas brônquicos por ano serão reconhecidos como resultantes do trabalho em Wismut.

O Presente: Depois da Mudança

A produção e as condições de trabalho na SDAG Wismut deixaram sua marca nos funcionários e no meio ambiente na Turíngia e na Saxônia. De acordo com a lei da República Federal da Alemanha, o governo federal assumiu a responsabilidade pela limpeza do meio ambiente na região afetada. Os custos dessas atividades para o período 1991-2005 foram estimados em 13 bilhões de marcos alemães.

Após a adesão da RDA à República Federal da Alemanha em 1990, a Berufsgenossenschaften, como seguradora legal de acidentes, tornou-se responsável pela gestão de doenças profissionais na antiga RDA. À luz das condições particulares em Wismut, o Berufsgenossenschaften decidiu formar uma unidade especial para lidar com segurança e saúde ocupacional para o complexo de Wismut. Na medida do possível, respeitando os regulamentos legais que protegem a privacidade dos dados pessoais, o Berufsgenossenschaften garantiu registros sobre as condições de trabalho anteriores. Assim, quando a empresa fosse dissolvida por razões económicas, não se perderiam todos os elementos de prova que pudessem servir para fundamentar as pretensões dos trabalhadores em caso de doença. O “Wismut Central Care Office” (ZeBWis) foi estabelecido pela Federação em 1º de janeiro de 1992 e é responsável pelo tratamento médico ocupacional, detecção precoce e reabilitação.

Do objetivo da ZeBWis de fornecer assistência médica ocupacional adequada a ex-funcionários de mineração de urânio, surgiram quatro tarefas essenciais de vigilância em saúde:

  • organização de exames de triagem em massa para diagnóstico precoce e tratamento de doenças
  • documentar os resultados da triagem e vinculá-los aos dados dos procedimentos de detecção de doenças ocupacionais
  • analisando cientificamente os dados
  • apoio à pesquisa sobre detecção precoce e tratamento de doenças.

 

A triagem é fornecida aos trabalhadores expostos para garantir o diagnóstico precoce sempre que possível. Aspectos éticos, científicos e econômicos de tais procedimentos de triagem requerem uma discussão aprofundada que está além do escopo deste artigo.

Foi desenvolvido um programa de medicina ocupacional, baseado nos princípios bem fundamentados da associação comercial para exames médicos ocupacionais especiais. Integrados a isso estavam métodos de exame conhecidos da mineração e proteção contra radiação. As partes componentes do programa decorrem dos principais agentes de exposição: poeira, radiação e outros materiais perigosos.

A vigilância médica contínua de ex-funcionários de Wismut visa principalmente a detecção precoce e tratamento de carcinomas brônquicos resultantes da exposição à radiação ou outros materiais cancerígenos. Enquanto as conexões entre radiação ionizante e câncer de pulmão são comprovadas com certeza adequada, os efeitos na saúde da exposição à radiação de baixa dosagem e de longo prazo têm sido menos pesquisados. O conhecimento atual é baseado em extrapolações de dados de sobreviventes dos bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki, bem como dados obtidos de outros estudos internacionais de mineradores de urânio.

A situação na Turíngia e na Saxônia é excepcional, pois significativamente mais pessoas foram submetidas a uma gama muito mais ampla de exposições. Portanto, uma riqueza de conhecimento científico pode ser adquirida a partir desta experiência. Até que ponto a radiação funciona sinergicamente com a exposição a substâncias cancerígenas, como arsênico, amianto ou emissões de motores a diesel, causando câncer de pulmão, deve ser examinado cientificamente usando dados recém-obtidos. A detecção precoce de carcinomas brônquicos através da introdução de técnicas de exame de ponta deve ser uma parte importante da pesquisa científica prospectiva.

Dados Disponíveis do Sistema de Saúde de Wismut

Em resposta ao acidente extremo e aos problemas de saúde que enfrentou, Wismut estabeleceu seu próprio serviço de saúde, que fornecia, entre outras coisas, exames médicos anuais de triagem, incluindo radiografias de tórax. Nos anos posteriores, foram criadas unidades adicionais de exame de doenças ocupacionais. Uma vez que o serviço de saúde de Wismut assumiu não apenas a medicina ocupacional, mas também o atendimento médico completo para funcionários e seus dependentes, em 1990 o SDAG Wismut havia coletado informações abrangentes de saúde de muitos funcionários antigos e atuais de Wismut. Além de informações completas sobre os exames médicos ocupacionais e um arquivo completo de doenças ocupacionais, existe um abrangente arquivo de raios-x com mais de 792,000 raios-x.

Em Stollberg, o sistema de saúde de Wismut tinha um departamento central de patologia, no qual era coletado material histológico e patológico abrangente dos mineiros, bem como dos habitantes da área. Em 1994, este material foi doado ao Centro Alemão de Pesquisa do Câncer (DKFZ) em Heidelberg para fins de custódia e pesquisa. Uma parte dos registros do antigo sistema de saúde foi inicialmente assumida pelo sistema legal de seguro contra acidentes. Para este propósito, ZeBWis estabeleceu um arquivo temporário no Shaft 371 em Hartenstein (Saxônia).

Esses registros são usados ​​para processar reclamações de seguros, para preparar e administrar cuidados médicos ocupacionais e para estudos científicos. Além de serem usados ​​pelo Berufsgenossenschaften, os registros estão disponíveis para especialistas e médicos autorizados no contexto de seu trabalho clínico e gerenciamento de cada ex-funcionário.

O núcleo desses arquivos consiste nos arquivos completos de doenças ocupacionais (45,000) que foram assumidos, juntamente com os arquivos correspondentes de rastreamento de doenças ocupacionais (28,000), os arquivos de rastreamento para monitorar pessoas em perigo de poeira (200,000), bem como os arquivos direcionados registros documentais com os resultados dos exames médicos ocupacionais e de acompanhamento. Além disso, os registros de autópsia de Patologia Stollberg são mantidos neste arquivo ZeBWis.

Estes últimos registos, bem como os ficheiros de rastreio de doenças profissionais, foram entretanto preparados para tratamento de dados. Ambas as formas de documentação serão usadas para extrair dados para um estudo epidemiológico abrangente de 60,000 pessoas pelo ministério federal do meio ambiente.

Além dos dados sobre a exposição ao radônio e subprodutos do radônio, os registros sobre a exposição de ex-funcionários a outros agentes são de especial interesse para o Berufsgenossenschaften. Assim, a atual Wismut GmbH tem resultados de medição disponíveis para visualização, em forma de lista, desde o início dos anos 1970 até o presente para pós silicogênicos, pós de amianto, pós de metais pesados, pós de madeira, pós de explosivos, vapores tóxicos, fumos de soldagem, motores a diesel emissões, ruído, vibrações de corpo inteiro e parcial e trabalho físico pesado. Para os anos de 1987 a 1990, as medições individuais são arquivadas em mídia eletrônica.

Esta é uma informação importante para a análise retrospectiva das exposições nas operações de mineração de urânio de Wismut. Também constitui a base para a construção de uma matriz de exposição de trabalho que atribui exposições a tarefas para fins de pesquisa.

Para completar o quadro, outros registros são armazenados no departamento que protege os dados de saúde da Wismut GmbH, incluindo: arquivos de pacientes de ex-pacientes ambulatoriais, relatórios de acidentes da antiga empresa e de inspeções de segurança ocupacional, registros médicos ocupacionais clínicos, exposição biológica exames, reabilitação médica ocupacional e laudos de doenças neoplásicas.

No entanto, nem todos os arquivos de Wismut - principalmente arquivos em papel - foram projetados para avaliação centralizada. Assim, com a dissolução do SDAG Wismut em 31 de dezembro de 1990 e a dissolução do sistema de saúde da empresa Wismut, surgiu a questão do que fazer com esses registros exclusivos.

Digressão: Incorporando as Holdings

A primeira tarefa do ZeBWis foi definir as pessoas que trabalhavam no subsolo ou nas plantas de preparação e determinar sua localização atual. As propriedades compreendem cerca de 300,000 pessoas. Poucos registros da empresa estavam em um formato que pudesse ser usado no processamento de dados. Assim, foi necessário trilhar o cansativo caminho de ver uma carta de cada vez. Os arquivos de cartão de quase 20 locais tiveram que ser coletados.

O próximo passo foi coletar as estatísticas vitais e os endereços dessas pessoas. Informações de antigos registros de pessoal e salários não eram úteis para isso. Endereços antigos muitas vezes não eram mais válidos, em parte porque uma renomeação geral de ruas, praças e estradas ocorreu após a assinatura do tratado de unificação. O Registo Central de Habitantes da ex-RDA também não foi útil, pois nessa altura a informação já não estava completa.

Encontrar essas pessoas acabou sendo possível com a ajuda da Associação Alemã de Seguradoras de Pensões, por meio da qual foram coletados os endereços de quase 150,000 pessoas para comunicar a oferta de assistência médica ocupacional gratuita.

Para dar ao médico examinador uma impressão dos perigos e da exposição a que o paciente estava sujeito, a partir do chamado histórico ocupacional ou de trabalho, foi construída uma matriz de exposição ocupacional.

Assistência médica ocupacional

Aproximadamente 125 médicos do trabalho especialmente treinados e com experiência no diagnóstico de doenças causadas por poeira e radiação foram recrutados para os exames. Eles trabalham sob a direção de ZeBWis e estão espalhados por toda a República Federal para garantir que os indivíduos afetados possam obter o exame indicado perto de seu local de residência atual. Devido ao treinamento intensivo dos médicos participantes, exames padrão de alta qualidade são realizados em todos os locais de exame. Ao distribuir formulários uniformes de documentação com antecedência, é garantido que todas as informações relevantes sejam coletadas de acordo com os padrões estabelecidos e inseridas nos centros de dados da ZeBWis. Ao otimizar o número de arquivos, cada médico examinador realiza um número adequado de exames todos os anos e, assim, mantém a prática e a experiência no programa de exames. Através da troca regular de informações e educação continuada, os médicos sempre têm acesso às informações atuais. Todos os médicos examinadores são experientes na avaliação de radiografias de tórax de acordo com as diretrizes da OIT de 1980 (International Labour Organization 1980).

O banco de dados, que está crescendo como resultado dos exames em andamento, é voltado para informar médicos e especialistas em avaliação de risco no programa de detecção de doenças ocupacionais com achados preliminares relevantes. Além disso, fornece uma base para abordar sintomas ou doenças específicas que aparecem em situações de risco definidas.

O Futuro

Comparando o número de pessoas que trabalhavam no subsolo de Wismut e/ou em usinas de preparação com o número de pessoas empregadas na mineração de urânio no mundo ocidental, fica evidente que, mesmo com grandes lacunas, os dados disponíveis apresentam uma base extraordinária para se obter nova compreensão científica. Considerando que a visão geral de 1994 por Lubin et al. (1994) sobre o risco de câncer de pulmão cobriu aproximadamente 60,000 indivíduos afetados e cerca de 2,700 casos de câncer de pulmão em 11 estudos, os dados de cerca de 300,000 ex-funcionários de Wismut estão agora disponíveis. Pelo menos 6,500 morreram até o momento de câncer de pulmão causado por radiação. Além disso, Wismut nunca coletou as informações de exposição de um grande número de pessoas expostas à radiação ionizante ou a outros agentes.

Informações tão precisas quanto possível sobre a exposição são necessárias para o diagnóstico ideal de doenças ocupacionais, bem como para pesquisas científicas. Isso é levado em consideração em dois projetos de pesquisa que estão sendo patrocinados ou realizados pela Berufsgenossenschaften. Uma matriz de exposição de empregos foi preparada consolidando as medições disponíveis no local, analisando dados geológicos, usando informações sobre números de produção e, em alguns casos, reconstruindo as condições de trabalho nos primeiros anos de Wismut. Dados desse tipo são um pré-requisito para desenvolver uma melhor compreensão, por meio de estudos de coorte ou estudos de caso-controle, da natureza e extensão das doenças resultantes da mineração de urânio. Compreender o efeito de doses de radiação de baixo nível a longo prazo e os efeitos cumulativos de radiação, poeira e outros materiais cancerígenos também pode ser melhorado dessa maneira. Estudos sobre isso estão começando agora ou estão sendo planejados. Com a ajuda de espécimes biológicos recolhidos nos antigos laboratórios de patologia de Wismut, pode-se também obter conhecimento científico sobre o tipo de câncer de pulmão e também sobre os efeitos interativos entre poeiras silicogênicas e radiação, bem como outros materiais carcinogênicos perigosos que são inalados ou ingerido. Tais planos estão sendo perseguidos neste momento pelo DKFZ. A colaboração nesta questão está em andamento entre as instalações de pesquisa alemãs e outros grupos de pesquisa, como o US NIOSH e o National Cancer Institute (NCI). Grupos de trabalho correspondentes em países como República Tcheca, França e Canadá também estão cooperando no estudo dos dados de exposição.

Até que ponto outras malignidades além do câncer de pulmão podem se desenvolver a partir da exposição à radiação durante a mineração de minério de urânio é pouco compreendida. A pedido das associações comerciais, um modelo disso foi desenvolvido (Jacobi e Roth 1995) para estabelecer em que condições os cânceres de boca e garganta, fígado, rins, pele ou ossos podem ser causados ​​por condições de trabalho como as de Wismut. .

 

Voltar

Outros artigos deste capítulo apresentam princípios gerais de vigilância médica de doenças ocupacionais e vigilância de exposição. Este artigo descreve alguns princípios de métodos epidemiológicos que podem ser usados ​​para atender às necessidades de vigilância. A aplicação desses métodos deve levar em consideração os princípios básicos da medição física, bem como a prática padrão de coleta de dados epidemiológicos.

A epidemiologia pode quantificar a associação entre exposição ocupacional e não ocupacional a estressores químico-físicos ou comportamento e resultados de doenças e, assim, fornecer informações para desenvolver intervenções e programas de prevenção (Coenen 1981; Coenen e Engels 1993). A disponibilidade de dados e o acesso ao local de trabalho e aos registros pessoais geralmente ditam o desenho de tais estudos. Nas circunstâncias mais favoráveis, as exposições podem ser determinadas por meio de medições de higiene industrial realizadas em uma loja ou fábrica em operação, e exames médicos diretos dos trabalhadores são usados ​​para verificar possíveis efeitos à saúde. Tais avaliações podem ser feitas prospectivamente por um período de meses ou anos para estimar riscos de doenças como o câncer. No entanto, é mais frequente que as exposições passadas devam ser reconstruídas historicamente, projetando-se para trás a partir dos níveis atuais ou usando medições registradas no passado, que podem não atender completamente às necessidades de informação. Este artigo apresenta algumas diretrizes e limitações para estratégias de medição e documentação que afetam a avaliação epidemiológica dos riscos à saúde no trabalho.

Medidas

As medições devem ser quantitativas sempre que possível, em vez de qualitativas, porque os dados quantitativos estão sujeitos a técnicas estatísticas mais poderosas. Dados observáveis ​​são comumente classificados como nominais, ordinais, intervalares e racionais. Dados de nível nominal são descritores qualitativos que diferenciam apenas tipos, como diferentes departamentos dentro de uma fábrica ou diferentes indústrias. As variáveis ​​ordinais podem ser organizadas de “baixo” para “alto” sem transmitir outras relações quantitativas. Um exemplo é “exposto” vs. “não exposto”, ou classificando o histórico de tabagismo como não fumante (= 0), fumante leve (= 1), fumante médio (= 2) e fumante pesado (= 3). Quanto maior o valor numérico, mais forte a intensidade do fumo. A maioria dos valores de medição são expressos como proporções ou escalas de intervalo, nas quais uma concentração de 30 mg/m3 é o dobro da concentração de 15 mg/m3. As variáveis ​​de razão possuem um zero absoluto (como a idade), enquanto as variáveis ​​de intervalo (como o QI) não.

Estratégia de medição

A estratégia de medição leva em consideração informações sobre o local de medição, as condições do ambiente (por exemplo, umidade, pressão do ar) durante a medição, a duração da medição e a técnica de medição (Hansen e Whitehead 1988; Ott 1993).

Os requisitos legais geralmente determinam a medição de médias ponderadas no tempo (TWAs) de oito horas dos níveis de substâncias perigosas. No entanto, nem todos os indivíduos trabalham em turnos de oito horas o tempo todo, e os níveis de exposição podem flutuar durante o turno. Um valor medido para o trabalho de uma pessoa pode ser considerado representativo de um valor de turno de oito horas se a duração da exposição for superior a seis horas durante o turno. Como critério prático, deve-se buscar uma duração de amostragem de pelo menos duas horas. Com intervalos de tempo muito curtos, a amostragem em um período de tempo pode mostrar concentrações maiores ou menores, superestimando ou subestimando a concentração durante o turno (Rappaport 1991). Portanto, pode ser útil combinar várias medições ou medições em vários turnos em uma única média ponderada no tempo ou usar medições repetidas com durações de amostragem mais curtas.

Validade da medição

Os dados de vigilância devem satisfazer critérios bem estabelecidos. A técnica de medição não deve influenciar os resultados durante o processo de medição (reatividade). Além disso, a medição deve ser objetiva, confiável e válida. Os resultados não devem ser influenciados nem pela técnica de medição utilizada (objetividade de execução) nem pela leitura ou documentação do técnico de medição (objetividade de avaliação). Os mesmos valores de medição devem ser obtidos nas mesmas condições (confiabilidade); a coisa pretendida deve ser medida (validade) e as interações com outras substâncias ou exposições não devem influenciar indevidamente os resultados.

Dados de Qualidade de Exposição

As fontes de dados. Um princípio básico da epidemiologia é que as medições feitas no nível individual são preferíveis àquelas feitas no nível do grupo. Assim, a qualidade dos dados de vigilância epidemiológica diminui na seguinte ordem:

    1. medições diretas feitas em pessoas; informações sobre os níveis de exposição e progressão do tempo
    2. medidas diretas tomadas de grupos; informações sobre os níveis de exposição atuais para grupos específicos de trabalhadores (às vezes expressos como matrizes de exposição de trabalho) e sua variação ao longo do tempo
    3. medições abstraídas ou reconstruídas para indivíduos; estimativa de exposição de registros da empresa, listas de compras, descrições de linhas de produtos, entrevistas com funcionários
    4. medições abstraídas ou reconstruídas para grupos; estimativa histórica de índices de exposição baseados em grupo.

           

          Em princípio, deve-se sempre buscar a determinação mais precisa da exposição, usando valores de medição documentados ao longo do tempo. Infelizmente, as exposições indiretamente medidas ou reconstruídas historicamente são muitas vezes os únicos dados disponíveis para estimar as relações exposição-resultado, embora existam desvios consideráveis ​​entre as exposições medidas e os valores de exposição reconstruídos a partir de registros e entrevistas da empresa (Ahrens et al. 1994; Burdorf 1995). A qualidade dos dados diminui na medição da exposição do pedido, índice de exposição relacionado à atividade, informações da empresa, entrevistas com funcionários.

          Escalas de exposição. A necessidade de dados quantitativos de monitoramento em vigilância e epidemiologia vai consideravelmente além dos estreitos requisitos legais de valores limiares. O objetivo de uma investigação epidemiológica é verificar as relações dose-efeito, levando em consideração variáveis ​​potencialmente confundidoras. A informação mais precisa possível, que em geral pode ser expressa apenas com um alto nível de escala (por exemplo, nível de escala de proporção), deve ser usada. A separação em valores limiares maiores ou menores, ou codificação em frações de valores limiares (por exemplo, 1/10, 1/4, 1/2 valor limiar) como às vezes é feito, baseia-se essencialmente em dados medidos em uma escala ordinal estatisticamente mais fraca.

          Documentos necessários. Além das informações sobre as concentrações e o material e tempo de medição, as condições externas de medição devem ser documentadas. Isso deve incluir uma descrição do equipamento usado, técnica de medição, motivo da medição e outros detalhes técnicos relevantes. O objetivo dessa documentação é garantir a uniformidade das medições ao longo do tempo e de um estudo para outro e permitir comparações entre os estudos.

          Os dados de exposição e resultados de saúde coletados para indivíduos geralmente estão sujeitos a leis de privacidade que variam de um país para outro. A documentação de exposição e condições de saúde deve aderir a essas leis.

          Requisitos epidemiológicos

          Estudos epidemiológicos se esforçam para estabelecer um nexo causal entre a exposição e a doença. Alguns aspectos das medidas de vigilância que afetam essa avaliação epidemiológica do risco são considerados nesta seção.

          Tipo de doença. Um ponto de partida comum para estudos epidemiológicos é a observação clínica de um surto de uma determinada doença em uma empresa ou área de atividade. Seguem-se hipóteses sobre potenciais fatores causais biológicos, químicos ou físicos. Dependendo da disponibilidade de dados, esses fatores (exposições) são estudados usando um desenho retrospectivo ou prospectivo. O tempo entre o início da exposição e o início da doença (latência) também afeta o desenho do estudo. A faixa de latência pode ser considerável. Infecções por certos enterovírus têm tempos de latência/incubação de 2 a 3 horas, enquanto que para cânceres são típicas latências de 20 a 30 anos. Portanto, os dados de exposição para um estudo de câncer devem cobrir um período de tempo consideravelmente mais longo do que para um surto de doença infecciosa. Exposições que começaram no passado distante podem continuar até o início da doença. Outras doenças associadas à idade, como doenças cardiovasculares e derrames, podem aparecer no grupo exposto após o início do estudo e devem ser tratadas como causas concorrentes. Também é possível que as pessoas classificadas como “não doentes” sejam apenas pessoas que ainda não manifestaram doença clínica. Assim, a vigilância médica contínua das populações expostas deve ser mantida.

          Poder estatístico. Conforme mencionado anteriormente, as medições devem ser expressas em um nível de dados tão alto quanto possível (nível de escala de razão), a fim de otimizar o poder estatístico para produzir resultados estatisticamente significativos. O poder, por sua vez, é afetado pelo tamanho da população total do estudo, a prevalência da exposição nessa população, a taxa de fundo da doença e a magnitude do risco da doença causada pela exposição em estudo.

          Classificação obrigatória da doença. Vários sistemas estão disponíveis para codificar diagnósticos médicos. Os mais comuns são CID-9 (Classificação Internacional de Doenças) e SNOMED (Nomenclatura Sistemática de Medicina). A CID-O (oncologia) é uma particularização da CID para a codificação de cânceres. A documentação de codificação da CID é exigida legalmente em muitos sistemas de saúde em todo o mundo, especialmente nos países ocidentais. No entanto, a codificação SNOMED também pode codificar possíveis fatores causais e condições externas. Muitos países desenvolveram sistemas de codificação especializados para classificar lesões e doenças que também incluem as circunstâncias do acidente ou exposição. (Consulte os artigos “Estudo de caso: proteção do trabalhador e estatísticas sobre acidentes e doenças ocupacionais — HVBG, Alemanha” e “Desenvolvimento e aplicação de um sistema de classificação de lesões e doenças ocupacionais”, em outras partes deste capítulo.)

          As medições feitas para fins científicos não estão vinculadas aos requisitos legais que se aplicam às atividades de vigilância obrigatórias, como a determinação de se os limites foram excedidos em um determinado local de trabalho. É útil examinar as medições e registros de exposição de forma a verificar possíveis excursões. (Ver, por exemplo, o artigo “Vigilância de riscos ocupacionais” neste capítulo.)

          Tratamento de exposições mistas. Muitas vezes, as doenças têm várias causas. Portanto, é necessário registrar o mais completamente possível os fatores causais suspeitos (exposições/fatores de confusão) para poder distinguir os efeitos de agentes perigosos suspeitos uns dos outros e dos efeitos de outros fatores contributivos ou de confusão, como cigarro fumar. As exposições ocupacionais são muitas vezes mistas (por exemplo, misturas de solventes; fumos de soldagem como níquel e cádmio; e na mineração, pó fino, quartzo e radônio). Fatores de risco adicionais para câncer incluem tabagismo, consumo excessivo de álcool, má nutrição e idade. Além das exposições químicas, as exposições a estressores físicos (vibração, ruído, campos eletromagnéticos) são possíveis desencadeantes de doenças e devem ser consideradas como potenciais fatores causais em estudos epidemiológicos.

          Exposições a múltiplos agentes ou estressores podem produzir efeitos de interação, nos quais o efeito de uma exposição é ampliado ou reduzido por outra que ocorre simultaneamente. Um exemplo típico é a ligação entre o amianto e o câncer de pulmão, que é muitas vezes mais pronunciado entre os fumantes. Um exemplo da mistura de exposições químicas e físicas é a esclerodermia sistêmica progressiva (PSS), que provavelmente é causada por uma exposição combinada à vibração, misturas de solventes e pó de quartzo.

          Consideração de viés. Viés é um erro sistemático na classificação de pessoas nos grupos “expostos/não expostos” ou “doentes/não doentes”. Dois tipos de viés devem ser distinguidos: viés de observação (informação) e viés de seleção. Com viés de observação (informação), diferentes critérios podem ser usados ​​para classificar os indivíduos nos grupos doentes/não doentes. Às vezes, é criado quando o alvo de um estudo inclui pessoas empregadas em ocupações conhecidas como perigosas e que já podem estar sob maior vigilância médica em relação a uma população de comparação.

          No viés de seleção, duas possibilidades devem ser distinguidas. Os estudos de caso-controle começam separando as pessoas com a doença de interesse daquelas sem aquela doença e, em seguida, examinam as diferenças na exposição entre esses dois grupos; estudos de coorte determinam taxas de doenças em grupos com diferentes exposições. Em qualquer tipo de estudo, existe viés de seleção quando as informações sobre a exposição afetam a classificação dos indivíduos como doentes ou não doentes, ou quando as informações sobre o estado da doença afetam a classificação dos indivíduos como expostos ou não expostos. Um exemplo comum de viés de seleção em estudos de coorte é o “efeito do trabalhador saudável”, encontrado quando as taxas de doenças em trabalhadores expostos são comparadas com as da população em geral. Isso pode resultar na subestimação do risco de doenças, porque as populações trabalhadoras são frequentemente selecionadas da população geral com base na boa saúde contínua, frequentemente com base em exames médicos, enquanto a população geral contém os doentes e enfermos.

          Confundidores. Confundimento é o fenômeno pelo qual uma terceira variável (o fator de confusão) altera a estimativa de uma associação entre um fator antecedente presumido e uma doença. Pode ocorrer quando a seleção de sujeitos (casos e controles em um estudo de caso-controle ou expostos e não expostos em um estudo de coorte) depende de alguma forma da terceira variável, possivelmente de maneira desconhecida do investigador. Variáveis ​​associadas apenas à exposição ou doença não são fatores de confusão. Para ser um fator de confusão, uma variável deve atender a três condições:

          • Deve ser um fator de risco para a doença.
          • Deve estar associado à exposição na população do estudo.
          • Não deve estar na via causal da exposição à doença.

           

          Antes de qualquer dado ser coletado para um estudo, às vezes é impossível prever se uma variável é ou não um provável fator de confusão. Uma variável que foi tratada como um fator de confusão em um estudo anterior pode não estar associada à exposição em um novo estudo em uma população diferente e, portanto, não seria um fator de confusão no novo estudo. Por exemplo, se todos os sujeitos são semelhantes em relação a uma variável (por exemplo, sexo), essa variável não pode ser um fator de confusão naquele estudo específico. A confusão por uma variável específica pode ser contabilizada (“controlada”) apenas se a variável for medida junto com a exposição e os resultados da doença. O controle estatístico da confusão pode ser feito grosseiramente usando estratificação pela variável de confusão, ou mais precisamente usando regressão ou outras técnicas multivariadas.

          Sumário

          Os requisitos de estratégia de medição, tecnologia de medição e documentação para locais de trabalho industriais são às vezes definidos por lei em termos de vigilância do valor-limite. Os regulamentos de proteção de dados também se aplicam à proteção de segredos da empresa e dados pessoais. Esses requisitos exigem resultados de medição e condições de medição comparáveis ​​e uma tecnologia de medição objetiva, válida e confiável. Requisitos adicionais apresentados pela epidemiologia referem-se à representatividade das medições e à possibilidade de estabelecer vínculos entre as exposições dos indivíduos e os desfechos de saúde subsequentes. As medições podem ser representativas para determinadas tarefas, ou seja, podem refletir a exposição típica durante certas atividades ou em ramos específicos ou a exposição típica de grupos definidos de pessoas. Seria desejável ter dados de medição diretamente atribuídos aos sujeitos do estudo. Isso tornaria necessário incluir na documentação de medição informações sobre pessoas trabalhando no local de trabalho em questão durante a medição ou estabelecer um registro que permitisse essa atribuição direta. Os dados epidemiológicos coletados no nível individual são geralmente preferíveis aos obtidos no nível do grupo.

           

          Voltar

          Para entender a magnitude dos problemas de saúde ocupacional na China, o Ministério da Saúde Pública (MOPH) organizou uma série de pesquisas nacionais, incluindo as seguintes:

          • uma pesquisa sobre exposições ocupacionais a benzeno, chumbo, mercúrio, TNT e organofosforados (1979-81)
          • uma investigação epidemiológica retrospectiva sobre câncer ocupacional em trabalhadores expostos a oito produtos químicos (1983-85)
          • um levantamento epidemiológico sobre pneumoconioses (1952-86)
          • uma pesquisa sobre problemas de saúde ocupacional de pequenas indústrias e as estratégias de intervenção relevantes (1984-85, 1990-92).

           

          Os resultados dessas pesquisas serviram como uma base muito importante para a formulação de políticas e regulamentações nacionais. Ao mesmo tempo, um sistema nacional de notificação de saúde ocupacional foi estabelecido pelo MOPH. O Relatório Anual da Situação Nacional de Saúde Ocupacional é publicado desde 1983. Os dados são compilados e analisados ​​pelo Centro Nacional de Relatórios de Saúde Ocupacional (NCOHR) e depois reportados ao MOPH. Existem escritórios de relatórios locais em Institutos de Saúde Ocupacional (OHIs) ou Estações de Prevenção de Epidemias de Saúde (HEPS) em todos os níveis, do condado à província. A notificação segue um procedimento “bottom-up” anual, mas, se ocorrer um acidente de intoxicação aguda que envolva três ou mais casos de intoxicação ou uma morte, deve ser relatado ao IHO local e também diretamente ao MOPH dentro de 24 horas por as instituições médicas de contato primário. A informação a reportar anualmente inclui o seguinte: registo de novos casos de doenças profissionais compensáveis, resultados dos exames de saúde dos trabalhadores e monitorização dos ambientes de trabalho (MOPH 1991). A China está atualmente promovendo a informatização do sistema de relatórios e sua rede de computadores. Actualmente estende-se desde o centro nacional até às sedes provinciais.

           

          Voltar

          " ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

          Conteúdo

          Sistemas de Registro e Referências de Vigilância

          Agrícola, G. 1556. De Re Metallica. Traduzido por HC Hoover e LH Hoover. 1950. Nova York: Dover.

          Ahrens, W, KH Jöckel, P Brochard, U Bolm-Audorf, K Grossgarten, Y Iwatsubo, E Orlowski, H Pohlabeln e F Berrino. 1993. Avaliação retrospectiva da exposição ao amianto. eu. Análise de caso-controle em um estudo de câncer de pulmão: Eficiência de questionários específicos de trabalho e matrizes de exposição de trabalho. Int J Epidemiol 1993 Supl. 2:S83-S95.

          Alho, J, T Kauppinen e E Sundquist. 1988. Uso do registro de exposição na prevenção do câncer ocupacional na Finlândia. Am J Ind Med 13:581-592.

          Instituto Nacional de Padrões Americano (ANSI). 1963. Método Padrão Nacional Americano de Registro de Fatos Básicos Relativos à Natureza e Ocorrência de Lesões no Trabalho. Nova York: ANSI.

          Baker, E.L. 1986. Plano Abrangente para Vigilância de Doenças e Lesões Ocupacionais nos Estados Unidos. Washington, DC: NIOSH.

          Baker, EL, PA Honchar e LJ Fine. 1989. Vigilância em doenças e lesões ocupacionais: Conceitos e conteúdo. Am J Public Health 79:9-11.

          Baker, EL, JM Melius e JD Millar. 1988. Vigilância de doenças e lesões ocupacionais nos Estados Unidos: Perspectivas atuais e direções futuras. J Public Health Policy 9:198-221.

          Baser, ME e D. Marion. 1990. Um registro de caso em todo o estado para vigilância da absorção ocupacional de metais pesados. Am J Public Health 80:162-164.

          Bennett, B. 1990. Registro Mundial de Casos de Angiossarcoma do Fígado (ASL) devido ao Monômero de Cloreto de Vinila: Registro ICI.

          Brackbill, RM, TM Frazier e S Shilling. 1988. Características tabagistas dos trabalhadores, 1978-1980. Am J Ind Med 13:4-41.

          Burdoff, A. 1995. Redução do erro de medição aleatória na avaliação da carga postural nas costas em pesquisas epidemiológicas. Scand J Work Environ Health 21:15-23.

          Bureau de Estatísticas do Trabalho (BLS). 1986. Diretrizes de Manutenção de Registros para Lesões e Doenças Ocupacionais. Washington, DC: Departamento do Trabalho dos EUA.

          —. 1989. Lesões e doenças de trabalho na Califórnia. Washington, DC: Departamento do Trabalho dos EUA.

          —. 1992. Manual de Classificação de Lesões e Doenças Ocupacionais. Washington, DC: Departamento do Trabalho dos EUA.

          —. 1993a. Lesões e doenças ocupacionais nos Estados Unidos por setor, 1991. Washington, DC: Departamento do Trabalho dos EUA.

          —. 1993b. Levantamento de Lesões e Doenças Ocupacionais. Washington, DC: Departamento do Trabalho dos EUA.

          —. 1994. Pesquisa de Lesões e Doenças Ocupacionais, 1992. Washington, DC: Departamento do Trabalho dos Estados Unidos.

          Bureau do Censo. 1992. Lista Alfabética de Indústrias e Ocupações. Washington, DC: US ​​Government Printing Office.

          —. 1993. Current Population Survey, janeiro a dezembro de 1993 (arquivos de dados legíveis por máquina). Washington, DC: Agência do Censo.

          Burstein, JM e BS Levy. 1994. O ensino da saúde ocupacional nas escolas médicas dos Estados Unidos. Pouca melhora em nove anos. Am J Public Health 84:846-849.

          Castorino, J e L Rosenstock. 1992. Escassez de médicos em medicina ocupacional e ambiental. Ann Intern Med 113:983-986.

          Checkoway, H, NE Pearce e DJ Crawford-Brown. 1989. Métodos de Pesquisa em Epidemiologia Ocupacional. Nova York: Oxford Univ. Imprensa.

          Chowdhury, NH, C Fowler e FJ Mycroft. 1994. Epidemiologia e vigilância de chumbo no sangue de adultos - Estados Unidos, 1992-1994. Morb Mortal Weekly Rep 43:483-485.

          Coenen, W. 1981. Estratégias de medição e conceitos de documentação para coleta de materiais de trabalho perigosos. Prevenção moderna de acidentes (em alemão). Mod Unfallverhütung:52-57.

          Coenen, W e LH Engels. 1993. Dominando os riscos do trabalho. Pesquisa para o desenvolvimento de novas estratégias preventivas (em alemão). BG 2:88-91.

          Craft, B, D Spundin, R Spirtas e V Behrens. 1977. Projeto de relatório de uma força-tarefa sobre vigilância em saúde ocupacional. Em Hazard Surveillance in Occupational Disease, editado por J Froines, DH Wegman e E Eisen. Am J Pub Health 79 (Suplemento) 1989.

          Dubrow, R, JP Sestito, NR Lalich, CA Burnett e JA Salg. 1987. Vigilância da mortalidade ocupacional baseada em atestado de óbito nos Estados Unidos. Am J Ind Med 11:329-342.

          Figgs, LW, M Dosemeci e A Blair. 1995. Vigilância de linfoma não-Hodgkin dos Estados Unidos por ocupação 1984-1989: Um estudo de certidão de óbito em vinte e quatro estados. Am J Ind Med 27:817-835.

          Frazier, TM, NR Lalich e DH Pederson. 1983. Usos de mapas gerados por computador em riscos ocupacionais e vigilância de mortalidade. Scand J Work Environ Health 9:148-154.

          Freund, E, PJ Seligman, TL Chorba, SK Safford, JG Drachmann e HF Hull. 1989. Relato obrigatório de doenças ocupacionais por médicos. JAMA 262:3041-3044.

          Froines, JR, DH Wegman e CA Dellenbaugh. 1986. Uma abordagem para a caracterização da exposição à sílica na indústria dos EUA. Am J Ind Med 10:345-361.

          Froines, JR, S Baron, DH Wegman e S O'Rourke. 1990. Caracterização das concentrações de chumbo no ar na indústria dos EUA. Am J Ind Med 18:1-17.

          Gallagher, RF, WJ Threlfall, PR Band e JJ Spinelli. 1989. Mortalidade Ocupacional na Colúmbia Britânica 1950-1984. Vancouver: Agência de Controle do Câncer da Colúmbia Britânica.

          Guralnick, L. 1962. Mortalidade por ocupação e indústria entre homens de 20 a 46 anos de idade: Estados Unidos, 1950. Vital Statistics-Special Reports 53 (2). Washington, DC: Centro Nacional de Estatísticas de Saúde.

          —. 1963a. Mortalidade por indústria e causa de morte entre homens de 20 a 40 anos de idade: Estados Unidos, 1950. Vital Statistics-Special Reports, 53(4). Washington, DC: Centro Nacional de Estatísticas de Saúde.

          —. 1963b. Mortalidade por ocupação e causa de morte entre homens de 20 a 64 anos de idade: Estados Unidos, 1950. Vital Statistics-Special Reports 53(3). Washington, DC: Centro Nacional de Estatísticas de Saúde.

          Halperin, WE e TM Frazier. 1985. Vigilância dos efeitos da exposição no local de trabalho. Ann Rev Public Health 6:419-432.

          Hansen, DJ e LW Whitehead. 1988. A influência da tarefa e localização nas exposições a solventes em uma gráfica. Am Ind Hyg Assoc J 49:259-265.

          Haerting, FH e W Hesse. 1879. Der Lungenkrebs, die Bergkrankheit in den Schneeberger Gruben Vierteljahrsschr gerichtl. Medizin und Öffentl. Gesundheitswesen 31:296-307.

          Instituto de Medicina. 1988. Papel do Médico de Cuidados Primários em Medicina Ocupacional e Ambiental. Washington, DC: National Academy Press.

          Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). 1990. Herbicidas e contaminantes fenoxiácidos: Descrição do registro internacional de trabalhadores da IARC. Am J Ind Med 18:39-45.

          Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1980. Diretrizes para o Uso da Classificação Internacional de Radiografias de Pneumoconioses da OIT. Série de Segurança e Saúde Ocupacional, No. 22. Genebra: ILO.

          Jacobi, W, K Henrichs e D Barclay. 1992. Verursachungswahrscheinlichkeit von Lungenkrebs durch die berufliche Strahlenexposition von Uran-Bergarbeitem der Wismut AG. Neuherberg: GSF—Bericht S-14/92.

          Jacobi, W e P Roth. 1995. Risiko und Verursachungs-Wahrscheinlichkeit von extrapulmonalen Krebserkrankungen durch die berufliche Strahleexposition von Beschäftigten der ehemaligen. Neuherberg: GSF—Bericht S-4/95.

          Kauppinen, T, M Kogevinas, E Johnson, H Becher, PA Bertazzi, HB de Mesquita, D Coggon, L Green, M Littorin e E Lynge. 1993. Exposição química na fabricação de herbicidas fenoxi e clorofenóis e na pulverização de herbicidas fenoxi. Am J Ind Med 23:903-920.

          Landrigan, PJ. 1989. Melhorando a vigilância de doenças ocupacionais. Am J Public Health 79:1601-1602.

          Lee, HS e WH Phoon. 1989. Asma ocupacional em Cingapura. J Occup Med, Singapura 1:22-27.

          Linet, MS, H Malker e JK McLaughlin. 1988. Leucemias e ocupação na Suécia. Uma análise baseada em registro. Am J Ind Med 14:319-330.

          Lubin, JH, JD Boise, RW Hornung, C Edling, GR Howe, E Kunz, RA Kusiak, HI Morrison, EP Radford, JM Samet, M Tirmarche, A Woodward, TS Xiang e DA Pierce. 1994. Risco de Radônio e Câncer de Pulmão: Uma Análise Conjunta de 11 Estudos de Mineiros Subterrâneos. Bethesda, MD: Instituto Nacional de Saúde (NIH).

          Markowitz, S. 1992. O papel da vigilância na saúde ocupacional. Em Medicina Ambiental e Ocupacional, editado por W Rom.

          Markowitz, SB, E Fischer, MD Fahs, J Shapiro e P Landrigan. 1989. Doença ocupacional no estado de Nova York. Am J Ind Med 16:417-435.

          Matte, TD, RE Hoffman, KD Rosenman e M Stanbury. 1990. Vigilância da asma ocupacional sob o modelo SENSOR. Peito 98:173S-178S.

          McDowell, ME. 1983. Mortalidade por leucemia em trabalhadores elétricos na Inglaterra e País de Gales. Lancet 1:246.

          Melius, JM, JP Sestito e PJ Seligman. 1989. Vigilância de doenças ocupacionais com fontes de dados existentes. Am J Public Health 79:46-52.

          Milham, S. 1982. Mortalidade por leucemia em trabalhadores expostos a campos elétricos e magnéticos. New Engl J Med 307:249.

          —. 1983. Mortalidade Ocupacional no Estado de Washington 1950-1979. Publicação NIOSH No. 83-116. Springfield, Virgínia: Serviço Nacional de Informações Técnicas.

          Muldoon, JT, LA Wintermeyer, JA Eure, L Fuortes, JA Merchant, LSF Van e TB Richards. 1987. Fontes de dados de vigilância de doenças ocupacionais 1985. Am J Public Health 77:1006-1008.

          Conselho Nacional de Pesquisa (NRC). 1984. Toxicity Testing Strategies to Determine Needs and Priorities. Washington, DC: National Academic Press.

          Secretaria de Gestão e Orçamento (OMB). 1987. Manual de Classificação Industrial Padrão. Washington, DC: US ​​Government Printing Office.

          OSHA. 1970. A Lei de Saúde e Segurança Ocupacional de 1970 Public Law 91-596 91º Congresso dos EUA.

          Ott, G. 1993. Propostas estratégicas para técnica de medição em ocorrências de danos (em alemão). Dräger Heft 355:2-5.

          Pearce, NE, RA Sheppard, JK Howard, J Fraser e BM Lilley. 1985. Leucemia em eletricistas na Nova Zelândia. Lancet ii:811-812.

          Phoon, WH. 1989. Doenças ocupacionais em Cingapura. J Occup Med, Singapura 1:17-21.

          Pollack, ES e DG Keimig (eds.). 1987. Contagem de Lesões e Doenças no Local de Trabalho: Propostas para um Sistema Melhor. Washington, DC: National Academy Press.

          Rajewsky, B. 1939. Bericht über die Schneeberger Untersuchungen. Zeitschrift para Krebsforschung 49:315-340.

          Rappaport, SM. 1991. Avaliação de exposições de longo prazo a substâncias tóxicas no ar. Ann Occup Hyg 35:61-121.

          Registrador Geral. 1986. Mortalidade Ocupacional, Suplemento Decenal para Inglaterra e País de Gales, 1979-1980, 1982-1983 Parte I Comentário. Série DS, nº 6. Londres: Her Majesty's Stationery Office.

          Robinson, C, F Stern, W Halperin, H Venable, M Petersen, T Frazier, C Burnett, N Lalich, J Salg e J Sestito. 1995. Avaliação da mortalidade na indústria da construção nos Estados Unidos, 1984-1986. Am J Ind Med 28:49-70.

          Roche, LM. 1993. Uso de relatórios de doenças do empregador para vigilância de doenças ocupacionais entre funcionários públicos em Nova Jersey. J Occup Med 35:581-586.

          Rosenman, KD. 1988. Uso de dados de alta hospitalar na vigilância de doenças ocupacionais. Am J Ind Med 13:281-289.

          Rosenstock, L. 1981. Medicina ocupacional: negligenciada por muito tempo. Ann Intern Med 95:994.

          Rothman, KJ. 1986. Epidemiologia Moderna. Boston: Little, Brown & Co.

          Seifert, B. 1987. Estratégia de medição e procedimento de medição para investigações de ar interno. Técnica de medição e proteção ambiental (em alemão). 2:M61-M65.

          Selikoff, IJ. 1982. Compensação por invalidez para doenças associadas ao amianto nos Estados Unidos. Nova York: Mt. Sinai School of Medicine.

          Selikoff, IJ, EC Hammond e H Seidman. 1979. Experiência de mortalidade de trabalhadores de isolamento nos Estados Unidos e Canadá, 1943-1976. Ann NY Acad Sci 330:91-116.

          Selikoff, IJ e H Seidman. 1991. Mortes associadas ao amianto entre trabalhadores de isolamento nos Estados Unidos e Canadá, 1967-1987. Ann NY Acad Sci 643:1-14.

          Seta, JA e DS Sundin. 1984. Tendências de uma década - Uma perspectiva sobre vigilância de riscos ocupacionais 1970-1983. Morb Mortal Semanal Rep 34(2):15SS-24SS.

          Xelim, S e RM Brackbill. 1987. Saúde ocupacional e riscos de segurança e potenciais consequências para a saúde percebidos pelos trabalhadores dos EUA. Public Health Rep 102:36-46.

          Slighter, R. 1994. Comunicação pessoal, Programa de Compensação do Escritório dos Estados Unidos, 13 de setembro de 1994.

          Tanaka, S, DK Wild, PJ Seligman, WE Halperin, VJ Behrens e V Putz-Anderson. 1995. Prevalência e relação com o trabalho da síndrome do túnel do carpo autorreferida entre trabalhadores dos EUA — Análise dos dados do suplemento de saúde ocupacional da pesquisa nacional de saúde de 1988. Am J Ind Med 27:451-470.

          Teschke, K, SA Marion, A Jin, RA Fenske e C van Netten. 1994. Estratégias para determinar a exposição ocupacional na avaliação de risco. Uma revisão e uma proposta para avaliar a exposição a fungicidas na indústria madeireira. Am Ind Hyg Assoc J 55:443-449.

          Ullrich, D. 1995. Métodos para determinar a poluição do ar interior. Qualidade do ar interior (em alemão). BIA-Relatório 2/95,91-96.

          Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (USDHHS). 1980. Características Industriais de Pessoas Relatando Morbidade Durante as Pesquisas de Entrevistas de Saúde Conduzidas em 1969-1974. Washington, DC: USDHHS.

          —. Julho de 1993. Estatísticas vitais e de saúde Condições de saúde entre os empregados atualmente: Estados Unidos 1988. Washington, DC: USDHHS.

          —. Julho de 1994. Plano de Estatísticas Vitais e de Saúde e Funcionamento do Terceiro Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição, 1988-94. Vol. Nº 32. Washington, DC: USDHHS.

          Departamento do Trabalho dos EUA (USDOL). 1980. Um Relatório Provisório ao Congresso sobre Doenças Ocupacionais. Washington, DC: US ​​Government Printing Office.

          Serviços de Saúde Pública dos EUA (USPHS). 1989. A Classificação Internacional de Doenças, 9ª Revisão, Modificação Clínica. Washington, DC: US ​​Government Printing Office.

          WEGMAN, DH. 1992. Vigilância de perigos. Indivíduo. 6 em Public Health Surveillance, editado por W Halperin, EL Baker e RR Ronson. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

          Wegman, DH e JR Froines. 1985. Necessidades de vigilância para saúde ocupacional. Am J Public Health 75:1259-1261.

          Welch, L. 1989. O papel das clínicas de saúde ocupacional na vigilância de doenças ocupacionais. Am J Public Health 79:58-60.

          Wichmann, HE, I Brüske-Hohlfeld e M Mohner. 1995. Stichprobenerhebung und Auswertung von Personaldaten der Wismut Hauptverband der gewerblichen Berufsgenossenschaften. Forschungsbericht 617.0-WI-02, Sankt Augustin.

          Organização Mundial da Saúde (OMS). 1977. Manual da Classificação Estatística Internacional de Doenças, Lesões e Causas de Morte, Baseado nas Recomendações da Nona Conferência de Revisão, 1975. Genebra: OMS.