enarzh-TWfrdeitjaptrusressw

5 bandeira

 

Desenvolvimento de Carreira

Sexta-feira, 14 janeiro 2011 17: 32

Socialização

O processo pelo qual pessoas de fora se tornam pessoas de dentro da organização é conhecido como socialização organizacional. Enquanto as primeiras pesquisas sobre socialização se concentravam em indicadores de adaptação, como satisfação e desempenho no trabalho, pesquisas recentes enfatizaram os vínculos entre a socialização organizacional e o estresse no trabalho.

A socialização como moderadora do estresse no trabalho

Entrar em uma nova organização é uma experiência inerentemente estressante. Os recém-chegados encontram uma miríade de estressores, incluindo ambigüidade de papéis, conflitos de papéis, conflitos domésticos e de trabalho, política, pressão de tempo e sobrecarga de trabalho. Esses estressores podem levar a sintomas de angústia. Estudos na década de 1980, no entanto, sugerem que um processo de socialização adequadamente administrado tem o potencial de moderar a conexão estressor-tensão.

Dois temas particulares surgiram na pesquisa contemporânea sobre socialização:

  1. a aquisição de informações durante a socialização,
  2. apoio de supervisão durante a socialização.

 

As informações adquiridas pelos recém-chegados durante a socialização ajudam a aliviar a incerteza considerável em seus esforços para dominar suas novas tarefas, papéis e relacionamentos interpessoais. Frequentemente, essas informações são fornecidas por meio de programas formais de orientação e socialização. Na ausência de programas formais, ou (onde existam) em adição a eles, a socialização ocorre informalmente. Estudos recentes indicaram que os recém-chegados que buscam informações proativamente se ajustam com mais eficácia (Morrison l993). Além disso, os recém-chegados que subestimam os estressores em seu novo emprego relatam maiores sintomas de sofrimento (Nelson e Sutton l99l).

O apoio da supervisão durante o processo de socialização é de especial valor. Recém-chegados que recebem apoio de seus supervisores relatam menos estresse devido a expectativas não atendidas (Fisher l985) e menos sintomas psicológicos de angústia (Nelson e Quick l99). O apoio da supervisão pode ajudar os recém-chegados a lidar com os estressores de pelo menos três maneiras. Primeiro, os supervisores podem fornecer apoio instrumental (como horário de trabalho flexível) que ajuda a aliviar um estressor específico. Em segundo lugar, eles podem fornecer suporte emocional que leva um recém-chegado a se sentir mais eficaz ao lidar com um estressor. Em terceiro lugar, os supervisores desempenham um papel importante em ajudar os recém-chegados a entender seu novo ambiente (Louis l980). Por exemplo, eles podem enquadrar situações para recém-chegados de uma forma que os ajude a avaliar as situações como ameaçadoras ou não ameaçadoras.

Em resumo, os esforços de socialização que fornecem as informações necessárias aos recém-chegados e o apoio dos supervisores podem evitar que a experiência estressante se torne angustiante.

Avaliação da Socialização Organizacional

O processo de socialização organizacional é dinâmico, interativo e comunicativo, e se desenvolve ao longo do tempo. Nessa complexidade reside o desafio de avaliar os esforços de socialização. Duas abordagens amplas para medir a socialização foram propostas. Uma abordagem consiste nos modelos de estágio de socialização (Feldman l976; Nelson l987). Esses modelos retratam a socialização como um processo de transição em vários estágios com variáveis-chave em cada um dos estágios. Outra abordagem destaca as várias táticas de socialização que as organizações usam para ajudar os recém-chegados a se tornarem insiders (Van Maanen e Schein l979).

Com ambas as abordagens, afirma-se que existem certos resultados que marcam a socialização bem-sucedida. Esses resultados incluem desempenho, satisfação no trabalho, comprometimento organizacional, envolvimento com o trabalho e intenção de permanecer na organização. Se a socialização for um moderador de estresse, então os sintomas de angústia (especificamente, baixos níveis de sintomas de angústia) devem ser incluídos como um indicador de socialização bem-sucedida.

Resultados de Saúde da Socialização

Como a relação entre socialização e estresse só recentemente recebeu atenção, poucos estudos incluíram resultados de saúde. As evidências indicam, no entanto, que o processo de socialização está ligado a sintomas de angústia. Os recém-chegados que consideraram úteis as interações com seus supervisores e outros recém-chegados relataram níveis mais baixos de sintomas de angústia psicológica, como depressão e incapacidade de concentração (Nelson e Quick l99). Além disso, os recém-chegados com expectativas mais precisas dos estressores em seus novos empregos relataram níveis mais baixos de sintomas psicológicos (por exemplo, irritabilidade) e sintomas fisiológicos (por exemplo, náuseas e dores de cabeça).

Como a socialização é uma experiência estressante, os resultados de saúde são variáveis ​​apropriadas para estudar. São necessários estudos que se concentrem em uma ampla gama de resultados de saúde e que combinem auto-relatos de sintomas de angústia com medidas objetivas de saúde.

Socialização Organizacional como Intervenção de Estresse

A pesquisa contemporânea sobre socialização organizacional sugere que é um processo estressante que, se não for bem administrado, pode levar a sintomas de angústia e outros problemas de saúde. As organizações podem tomar pelo menos três ações para facilitar a transição por meio de intervenção para garantir resultados positivos da socialização.

Primeiro, as organizações devem encorajar expectativas realistas entre os recém-chegados dos estressores inerentes ao novo trabalho. Uma maneira de conseguir isso é fornecer uma previsão realista do trabalho que detalha os estressores mais comumente experimentados e formas eficazes de enfrentamento (Wanous l992). Os recém-chegados que têm uma visão precisa do que vão encontrar podem planejar estratégias de enfrentamento e experimentarão menos choque de realidade daqueles estressores sobre os quais foram avisados.

Em segundo lugar, as organizações devem disponibilizar inúmeras fontes de informações precisas para os recém-chegados na forma de livretos, sistemas de informação interativos ou linhas diretas (ou todos eles). A incerteza da transição para uma nova organização pode ser esmagadora, e várias fontes de suporte informativo podem ajudar os recém-chegados a lidar com a incerteza de seus novos empregos. Além disso, os recém-chegados devem ser encorajados a buscar informações durante suas experiências de socialização.

Em terceiro lugar, o apoio emocional deve ser explicitamente planejado na concepção de programas de socialização. O supervisor é um elemento-chave no fornecimento desse apoio e pode ser muito útil por estar emocional e psicologicamente disponível para os recém-chegados (Hirshhorn l990). Outras formas de apoio emocional incluem orientação, atividades com colegas de trabalho mais antigos e experientes e contato com outros recém-chegados.

 

Voltar

Sexta-feira, 14 janeiro 2011 17: 34

Fases da Carreira

Introdução

A abordagem do estágio de carreira é uma maneira de olhar para o desenvolvimento da carreira. A maneira pela qual um pesquisador aborda a questão dos estágios de carreira é frequentemente baseada no modelo de desenvolvimento de estágios de vida de Levinson (Levinson 1986). De acordo com esse modelo, as pessoas crescem em estágios específicos separados por períodos de transição. Em cada estágio, uma nova e crucial atividade e ajuste psicológico podem ser concluídos (Ornstein, Cron e Slocum 1989). Desta forma, as fases definidas da carreira podem ser, e geralmente são, baseadas na idade cronológica. As faixas etárias atribuídas para cada estágio variaram consideravelmente entre os estudos empíricos, mas geralmente considera-se que o estágio inicial de carreira varia de 20 a 34 anos, o intermediário de 35 a 50 anos e o final de carreira de 50 a 65 anos. anos.

De acordo com o modelo de desenvolvimento de carreira de Super (Super 1957; Ornstein, Cron e Slocum 1989), os quatro estágios de carreira são baseados na tarefa psicológica qualitativamente diferente de cada estágio. Eles podem ser baseados na idade ou na posse organizacional, posicional ou profissional. As mesmas pessoas podem reciclar várias vezes ao longo dessas etapas em sua carreira profissional. Por exemplo, de acordo com o Formulário para Adultos do Inventário de Preocupações com a Carreira, o estágio real da carreira pode ser definido em nível individual ou de grupo. Este instrumento avalia a consciência e as preocupações de um indivíduo com várias tarefas de desenvolvimento de carreira (Super, Zelkowitz e Thompson 1981). Quando medidas de posse são usadas, os primeiros dois anos são vistos como um período experimental. O período de estabelecimento de dois a dez anos significa avanço e crescimento na carreira. Após dez anos, chega o período de manutenção, que significa manter as conquistas alcançadas. O estágio de declínio implica o desenvolvimento da autoimagem independente da carreira.

Como as bases teóricas da definição dos estágios da carreira e os tipos de medida usados ​​na prática diferem de um estudo para outro, é evidente que os resultados relativos à saúde e à relação com o trabalho no desenvolvimento da carreira também variam.

Estágio da Carreira como Moderador de Saúde e Bem-Estar Relacionados ao Trabalho

A maioria dos estudos sobre o estágio de carreira como moderador entre as características do trabalho e a saúde ou bem-estar dos funcionários lida com o comprometimento organizacional e sua relação com a satisfação no trabalho ou com resultados comportamentais, como desempenho, rotatividade e absenteísmo (Cohen, 1991). A relação entre as características do trabalho e a tensão também foi estudada. O efeito moderador do estágio da carreira significa estatisticamente que a correlação média entre as medidas das características do trabalho e o bem-estar varia de um estágio da carreira para outro.

O comprometimento com o trabalho geralmente aumenta dos estágios iniciais da carreira para os estágios posteriores, embora entre os profissionais assalariados do sexo masculino o envolvimento com o trabalho seja menor no estágio intermediário. No estágio inicial de carreira, os funcionários tinham uma necessidade maior de deixar a organização e de serem realocados (Morrow e McElroy, 1987). Entre os funcionários do hospital, as medidas de bem-estar dos enfermeiros foram mais fortemente associadas à carreira e ao comprometimento afetivo-organizacional (ou seja, apego emocional à organização). O comprometimento de continuidade (esta é uma função do número percebido de alternativas e do grau de sacrifício) e o comprometimento normativo (lealdade à organização) aumentaram com o estágio da carreira (Reilly e Orsak 1991).

Uma meta-análise foi realizada de 41 amostras tratando da relação entre comprometimento organizacional e resultados que indicam bem-estar. As amostras foram divididas em diferentes grupos de estágio de carreira de acordo com duas medidas de estágio de carreira: idade e estabilidade. A idade como indicador de estágio de carreira afetou significativamente a rotatividade e as intenções de rotatividade, enquanto o tempo de permanência na organização foi relacionado ao desempenho no trabalho e ao absenteísmo. O baixo comprometimento organizacional foi relacionado à alta rotatividade, especialmente no estágio inicial da carreira, enquanto o baixo comprometimento organizacional foi relacionado ao alto absenteísmo e baixo desempenho no trabalho no estágio final da carreira (Cohen, 1991).

Verificou-se que a relação entre as atitudes no trabalho, por exemplo, a satisfação no trabalho e o comportamento no trabalho, é moderada pelo estágio da carreira em um grau considerável (por exemplo, Stumpf e Rabinowitz 1981). Entre os funcionários de órgãos públicos, o estágio de carreira medido com referência ao cargo na organização moderou a relação entre a satisfação no trabalho e o desempenho no trabalho. A relação deles foi mais forte no primeiro estágio da carreira. Isso foi apoiado também em um estudo entre o pessoal de vendas. Entre os professores acadêmicos, a relação entre satisfação e desempenho foi negativa durante os dois primeiros anos de posse.

A maioria dos estudos sobre estágio de carreira tratou de homens. Mesmo muitos estudos iniciais na década de 1970, em que o sexo dos entrevistados não foi informado, é evidente que a maioria dos sujeitos eram homens. Ornstein e Lynn (1990) testaram como os modelos de estágio de carreira de Levinson e Super descreviam diferenças nas atitudes e intenções de carreira entre mulheres profissionais. Os resultados sugerem que os estágios de carreira baseados na idade estão relacionados ao comprometimento organizacional, intenção de deixar a organização e desejo de promoção. Esses achados foram, em geral, semelhantes aos encontrados entre os homens (Ornstein, Cron e Slocum 1989). No entanto, nenhum suporte foi derivado para o valor preditivo dos estágios da carreira, conforme definido em uma base psicológica.

Os estudos de estresse geralmente ignoram a idade e, consequentemente, o estágio da carreira, em seus projetos de estudo ou o tratam como um fator de confusão e controlam seus efeitos. Hurrell, McLaney e Murphy (1990) compararam os efeitos do estresse no meio da carreira com seus efeitos no início e no final da carreira, usando a idade como base para agrupar os carteiros americanos. A percepção de problemas de saúde não estava relacionada a estressores do trabalho no meio da carreira, mas a pressão do trabalho e a subutilização de habilidades previram isso no início e no final da carreira. A pressão de trabalho também esteve relacionada a queixas somáticas no grupo de início e fim de carreira. A subutilização de habilidades foi mais fortemente relacionada à satisfação no trabalho e queixas somáticas entre os trabalhadores em meio de carreira. O suporte social teve mais influência na saúde mental do que na saúde física, e esse efeito é mais pronunciado no meio da carreira do que nos estágios iniciais ou finais da carreira. Como os dados foram retirados de um estudo transversal, os autores mencionam que a explicação de coorte dos resultados também pode ser possível (Hurrell, McLaney e Murphy 1990).

Quando os trabalhadores adultos do sexo masculino e feminino foram agrupados de acordo com a idade, os trabalhadores mais velhos relataram com mais frequência sobrecarga e responsabilidade como estressores no trabalho, enquanto os trabalhadores mais jovens citaram insuficiência (por exemplo, trabalho não desafiador), papéis que ultrapassam os limites e estressores do ambiente físico (Osipow , Doty e Spokane 1985). Os trabalhadores mais velhos relataram menos de todos os tipos de sintomas de tensão: uma razão para isso pode ser que os idosos usaram mais habilidades racionais-cognitivas, de autocuidado e de enfrentamento recreativas, evidentemente aprendidas durante suas carreiras, mas a seleção baseada em sintomas durante a vida carreira também pode explicar essas diferenças. Alternativamente, pode refletir alguma auto-seleção, quando as pessoas deixam empregos que as estressam excessivamente ao longo do tempo.

Entre os gerentes masculinos finlandeses e norte-americanos, a relação entre demandas de trabalho e controle, por um lado, e sintomas psicossomáticos, por outro, variou nos estudos de acordo com o estágio da carreira (definido com base na idade) (Hurrell e Lindström 1992 , Lindström e Hurrell 1992). Entre os gerentes americanos, as demandas e o controle do trabalho tiveram um efeito significativo no relato de sintomas no estágio intermediário da carreira, mas não nos estágios inicial e final, enquanto entre os gerentes finlandeses, as longas horas semanais de trabalho e o baixo controle do trabalho aumentaram os sintomas de estresse no início da carreira. fase da carreira, mas não nas fases posteriores. As diferenças entre os dois grupos podem ser devidas às diferenças nas duas amostras estudadas. Os gerentes finlandeses, que trabalhavam no ramo da construção, tinham cargas de trabalho altas já no estágio inicial de carreira, enquanto os gerentes americanos – estes eram funcionários do setor público – tinham as cargas de trabalho mais altas no estágio intermediário da carreira.

Para resumir os resultados da pesquisa sobre os efeitos moderadores do estágio da carreira: o estágio inicial da carreira significa baixo comprometimento organizacional relacionado à rotatividade, bem como estressores do trabalho relacionados à percepção de problemas de saúde e queixas somáticas. No meio da carreira, os resultados são conflitantes: às vezes a satisfação no trabalho e o desempenho estão positivamente relacionados, às vezes negativamente. No meio da carreira, as demandas do trabalho e o baixo controle estão relacionados ao relato frequente de sintomas entre alguns grupos ocupacionais. No final da carreira, o comprometimento organizacional está correlacionado com baixo absenteísmo e bom desempenho. As descobertas sobre as relações entre estressores e tensão no trabalho são inconsistentes para o estágio final da carreira. Existem algumas indicações de que um enfrentamento mais eficaz diminui os sintomas de tensão relacionados ao trabalho no final da carreira.

intervenções

Intervenções práticas para ajudar as pessoas a lidar melhor com as demandas específicas de cada estágio da carreira seriam benéficas. O aconselhamento vocacional na fase inicial da vida profissional seria especialmente útil. Intervenções para minimizar o impacto negativo do platô na carreira são sugeridas porque isso pode ser um momento de frustração ou uma oportunidade de enfrentar novos desafios ou reavaliar os objetivos de vida (Weiner, Remer e Remer 1992). Os resultados dos exames de saúde com base na idade nos serviços de saúde ocupacional mostraram que os problemas relacionados ao trabalho que reduzem a capacidade de trabalho aumentam gradualmente e mudam qualitativamente com a idade. No início e meio da carreira estão relacionados com o enfrentamento da sobrecarga de trabalho, mas no meio e no final da carreira são gradualmente acompanhados pelo declínio da condição psicológica e da saúde física, fatos que indicam a importância da intervenção institucional precoce em nível individual (Lindström, Kaihilahti e Torstila 1988). Tanto na pesquisa quanto nas intervenções práticas, a mobilidade e o padrão de rotatividade devem ser levados em consideração, bem como o papel desempenhado pela ocupação (e a situação dentro dessa ocupação) no desenvolvimento da carreira.

 

Voltar

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Prefácio
Parte I. O Corpo
Sangue
Câncer
Sistema Cardiovascular
Perigos Físicos, Químicos e Biológicos
Sistema digestório
Saúde Mental
Humor e Afeto
Sistema musculo-esquelético
Sistema nervoso
Sistema Renal-Urinário
Sistema Reprodutor
Sistema respiratório
Sistemas sensoriais
Doenças de pele
Condições Sistemáticas
Parte II. Cuidados de saúde
Serviços médicos de primeiros socorros e emergências
Proteção e promoção da saúde
Serviços de Saúde Ocupacional
Parte III. Política de gerenciamento
Deficiência e Trabalho
Educação e Formação
Estudos de Caso
Problemas éticos
Desenvolvimento, Tecnologia e Comércio
Relações Trabalhistas e Gestão de Recursos Humanos
Recursos: Informação e SST
Recursos, Institucionais, Estruturais e Jurídicos
nível da comunidade
Exemplos Regionais e Nacionais
Saúde e Segurança Internacional, Governamental e Não Governamental
Trabalho e Trabalhadores
Sistemas de compensação do trabalhador
Tópicos em Sistemas de Compensação de Trabalhadores
Parte IV. Ferramentas e Abordagens
Monitoramento Biológico
Epidemiologia e Estatística
Ergonomia
Objetivos, Princípios e Métodos
Aspectos Físicos e Fisiológicos
Aspectos Organizacionais do Trabalho
Projeto de sistemas de trabalho
Projetando para todos
Diversidade e importância da ergonomia
Higiene Ocupacional
Proteção pessoal
Sistemas de Registro e Vigilância
Toxicologia
Princípios Gerais de Toxicologia
Mecanismos de Toxicidade
Métodos de Teste Toxicológico
Toxicologia Regulatória
Parte V. Fatores Psicossociais e Organizacionais
Fatores Psicossociais e Organizacionais
Teorias do Estresse no Trabalho
Prevenção
Efeitos Crônicos na Saúde
Reações de Estresse
Fatores Individuais
Desenvolvimento de Carreira
Fatores macroorganizacionais
Seguro desemprego
Fatores Interpessoais
Fatores Intrínsecos ao Trabalho
Organizações e Saúde e Segurança
Parte VI. Perigos Gerais
Pressão barométrica aumentada
Pressão barométrica reduzida
Riscos Biológicos
Desastres Naturais e Tecnológicos
Eletricidade
Fogo
Calor e Frio
Horas de trabalho
Qualidade do ar interno
Controle Ambiental Interno
Iluminação
Ruído
Radiação: Ionizante
Radiação: Não Ionizante
vibração
Violência
Unidades de exibição visual
Parte VII. O ambiente
Riscos de saúde ambiental
Politica ambiental
Controle de Poluição Ambiental
Parte VIII. Gestão de Acidentes e Segurança
Prevenção de Acidentes
Auditorias, Inspeções e Investigações
Aplicações de segurança
Política de Segurança e Liderança
Programas de Segurança
Parte IX. Produtos químicos
Uso, armazenamento e transporte de produtos químicos
Minerais e produtos químicos agrícolas
Metais: Propriedades Químicas e Toxicidade
Parte X. Indústrias Baseadas em Recursos Biológicos
Indústrias Baseadas em Agricultura e Recursos Naturais
Sistemas Agropecuários
Culturas de Alimentos e Fibras
Culturas de árvores, amoras e vinhas
Culturas Especiais
Culturas de bebidas
Questões de Saúde e Meio Ambiente
Indústria de bebidas
Pescaria
Indústria Alimentar
Visão geral e efeitos na saúde
Setores de processamento de alimentos
Silvicultura
Caça
Pecuária
Lumber
Indústria de Papel e Celulose
Principais Setores e Processos
Padrões de Doenças e Lesões
Parte XI. Indústrias Baseadas em Recursos Naturais
Ferro e aço
Mineração e Pedreira
Exploração e Distribuição de Petróleo
Geração e distribuição de energia
Parte XII. Indústrias Químicas
Processamento químico
Exemplos de operações de processamento químico
Petróleo e Gás Natural
Indústria farmacêutica
Indústria de Borracha
Parte XIII. Indústrias manufatureiras
Aparelhos e equipamentos elétricos
Indústria de processamento de metais e indústria metalúrgica
Operações de fundição e refino
Processamento de metais e trabalho de metais
Microeletrônica e Semicondutores
Vidro, cerâmica e materiais relacionados
Indústria de impressão, fotografia e reprodução
Carpintaria
Parte XIV. Indústrias Têxteis e de Confecção
Vestuário e Produtos Têxteis Acabados
Couro, Peles e Calçados
Indústria de Artigos Têxteis
Parte XV. Indústrias de transporte
Fabricação e manutenção aeroespacial
Veículos motorizados e equipamentos pesados
Construção e Reparação de Navios e Barcos
Parte XVI. Construção
Construção
Saúde, Prevenção e Gestão
Principais setores e seus perigos
Ferramentas, Equipamentos e Materiais
Parte XVII. Serviços e Comércio
Serviços de educação e treinamento
Serviços de Emergência e Segurança
Recursos de serviços de emergência e segurança
Entretenimento e artes
Artes
Artes Cênicas e Mídia
Entretenimento
Recursos de entretenimento e artes
Instalações e Serviços de Saúde
Ergonomia e Saúde
O Ambiente Físico e os Cuidados de Saúde
Profissionais de saúde e doenças infecciosas
Produtos Químicos no Ambiente de Cuidados de Saúde
O Ambiente Hospitalar
Recursos de instalações e serviços de saúde
Hotéis e restaurantes
Escritório e Comércio Varejista
Serviços pessoais e comunitários
Serviços Públicos e Governamentais
Indústria de Transporte e Armazenagem
Transporte aéreo
Transporte rodoviário
Transporte ferroviário
Transporte de água
Armazenamento
Parte XVIII. Guias
Guia de Ocupações
Guia de Produtos Químicos
Guia de Unidades e Abreviaturas

Referências de Fatores Psicossociais e Organizacionais

Adams, LL, RE LaPorte, KA Matthews, TJ Orchard e LH Kuller. 1986. Determinantes da pressão arterial em uma população negra de classe média: a experiência da Universidade de Pittsburgh. Prevent Med 15:232-242.

Adriaanse, H, J vanReek, L Zanbelt e G Evers. 1991. Enfermeiras fumando em todo o mundo. Uma revisão de 73 pesquisas sobre o consumo de tabaco por enfermeiras em 21 países no período de 1959-1988. Jornal de Estudos de Enfermagem 28:361-375.

Agren, G e A Romelsjo. 1992. Mortalidade e doenças relacionadas ao álcool na Suécia durante 1971-80 em relação à ocupação, estado civil e cidadania em 1970. Scand J Soc Med 20:134-142.

Aiello, JR e Y Shao. 1993. Monitoramento de desempenho eletrônico e estresse: O papel do feedback e estabelecimento de metas. Em Proceedings of the Fifth International Conference On Human-Computer Interaction, editado por MJ Smith e G Salvendy. Nova York: Elsevier.

Akselrod, S, D Gordon, JB Madwed, NC Snidman, BC Shannon e RJ Cohen. 1985. Regulação hemodinâmica: Investigação por análise espectral. Am J Physiol 241:H867-H875.

Alexander, F. 1950. Medicina Psicossomática: Seus Princípios e Aplicações. Nova York: WW Norton.

Allan, EA e DJ Steffensmeier. 1989. Juventude, subemprego e crimes contra a propriedade: Efeitos diferenciais da disponibilidade e qualidade do emprego nas taxas de detenção de jovens e jovens. Am Soc Rev 54:107-123.

Allen, T. 1977. Gerenciando o Fluxo de Tecnologia. Cambridge, Massachusetts: MIT Press.

Amick, BC, III e MJ Smith. 1992. Stress, monitoramento de trabalho baseado em computador e sistemas de medição: uma visão geral conceitual. Appl Ergon 23:6-16.

Anderson, EA e AL Mark. 1989. Medição microneurográfica da atividade do nervo simpático em humanos. No Handbook of Cardiovascular Behavioral Medicine, editado por N Schneiderman, SM Weiss e PG Kaufmann. Nova York: Pleno.

Aneshensel, CS, CM Rutter e PA Lachenbruch. 1991. Estrutura social, estresse e saúde mental: Modelos conceituais e analíticos concorrentes. Am Soc Rev 56:166-178.

Anfuso, D. 1994. Violência no local de trabalho. Pers J: 66-77.

Antonio, JC e cols. 1992. Dependência e abuso de drogas psicoativas: Mais comum em algumas ocupações do que em outras? J Empregar Assistência Res 1:148-186.

Antonovsky, A. 1979. Saúde, Estresse e Enfrentamento: Novas Perspectivas Sobre o Bem-Estar Mental e Físico. São Francisco: Jossey-Bass.

—. 1987. Desvendando o mistério da saúde: como as pessoas controlam o estresse e se mantêm bem. São Francisco: Jossey-Bass.

Appels, A. 1990. Precursores mentais do infarto do miocárdio. Brit J Psychiat 156:465-471.

Archea, J e BR Connell. 1986. Arquitetura como um instrumento de saúde pública: prática obrigatória antes da realização de investigação sistemática. Em Proceedings of the Seventeenth Annual Conference of the Environmental Design Research Association, editado por J Wineman, R Barnes e C Zimring. Washington, DC: Associação de Pesquisa de Design Ambiental.

Aschoff, J. 1981. Handbook of Behavioral Neurobiology. Vol. 4. Nova York: plenário.

Axelrod, J e JD Reisine. 1984. Hormônios do estresse: sua interação e regulação. Science 224:452-459.

Azrin, NH e VB Beasalel. 1982. Encontrar um emprego. Berkeley, Califórnia: Ten Speed ​​Press.

Baba, VV e MJ Harris. 1989. Estresse e ausência: uma perspectiva transcultural. Pesquisa em Gestão de Pessoas e Recursos Humanos Supl. 1:317-337.

Baker, D, P Schnall e PA Landsbergis. 1992. Pesquisa epidemiológica sobre a associação entre estresse ocupacional e doenças cardiovasculares. Em Behavioral Medicine: An Integrated Approach to Health and Illness, editado por S Araki. Nova York: Elsevier Science.

Bandura, A. 1977. Auto-eficácia: Rumo a uma teoria unificadora da mudança comportamental. Psychol Rev 84:191-215.

—. 1986. Fundamentos Sociais do Pensamento e Ação: Uma Teoria Social Cognitiva. Penhascos de Englewood: Prentice Hall.

Barnett, BC. 1992. . Em Handbook of Stress, editado por L Goldberger e S Breznitz. Nova York: Free Press.

Barnett, RC, L Biener e GK Baruch. 1987. Gênero e Estresse. Nova York: Free Press.

Barnett, RC, RT Brennan e NL Marshall. 1994. Em breve. Gênero e a relação entre a qualidade do papel dos pais e sofrimento psicológico: um estudo de homens e mulheres em casais com dupla renda. J Fam Issues.

Barnett, RC, NL Marshall, SW Raudenbush e R Brennan. 1993. Gênero e a relação entre experiências de trabalho e sofrimento psicológico: um estudo de casais com dupla renda. J Personal Soc Psychol 65(5):794-806.

Barnett, RC, RT Brennan, SW Raudenbush e NL Marshall. 1994. Gênero e a relação entre a qualidade do papel conjugal e o sofrimento psicológico: um estudo de casais com dupla renda. Psychol Women Q 18:105-127.

Barnett, RC, SW Raudenbush, RT Brennan, JH Pleck e NL Marshall. 1995. Mudança nas experiências de trabalho e conjugal e mudança no sofrimento psicológico: Um estudo longitudinal de casais com dupla fonte de renda. J Personal Soc Psychol 69:839-850.

Bartrop, RW, E Luckhurst, L Lazarus, LG Kiloh e R Penny. 1977. Função linfocitária deprimida após luto. Lancet 1:834-836.

Baixo, BM. 1992. Estresse e liderança. Em Tomada de decisão e liderança, editado por F Heller. Cambridge: Universidade de Cambridge. Imprensa.

Bass, C. 1986. Eventos de vida e sintomas gastrointestinais. Gut 27:123-126.

Baum, A, NE Grunberg e JE Singer. 1982. O uso de medidas psicológicas e neuroendocrinológicas no estudo do estresse. Psicologia da Saúde (Verão):217-236.

Beck, AT. 1967. Depressão: Aspectos clínicos, experimentais e teóricos. Nova York: Hoeber.

Becker, DF. 1990. The Total Workplace: Facilities Management and the Elastic Organization. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

Beehr, TA. 1995. Estresse psicológico no local de trabalho. Londres, Reino Unido: Routledge.

Beehr, TA e JE Newman. 1978. Estresse no trabalho, saúde do funcionário e eficácia organizacional: uma análise de faceta, modelo e revisão da literatura. Pers Psychol 31:665-669.

Bennis, WG. 1969. Desenvolvimentos organizacionais e o destino da burocracia. Em Readings in Organizational Behavior and Human Performance, editado por LL Cummings e WEJ Scott. Homewood, Illinois: Richard D. Irwin, Inc. e The Dorsey Press.

Benowitz, NL. 1990. Farmacologia clínica da cafeína. Ann Rev Med 41:277-288.

Bergman, BR. 1986. A emergência econômica das mulheres. Nova York: Básico.

Bernstein, A. 1994. Direito, cultura e assédio. Univ Penn Law Rev 142(4):1227-1311.

Berntson, GG, JT Cacioppo e KS Quigley. 1993. Arritmia sinusal respiratória: origens autonômicas, mecanismos fisiológicos e implicações psicofisiológicas. Psychophysiol 30:183-196.

Berridge, J, CL Cooper e C Highley. 1997. Programas de Assistência ao Empregado e Aconselhamento no Local de Trabalho. Chisester e Nova York: Wiley.

Billings, AG e RH Moos. 1981. O papel das respostas de enfrentamento e dos recursos sociais na atenuação do estresse dos eventos da vida. J Behav Med 4(2):139-157.

Blanchard, EB, SP Schwarz, J Suls, MA Gerardi, L Scharff, B Green, AE Taylor, C Berreman e HS Malamood. 1992. Duas avaliações controladas do tratamento psicológico multicomponente da síndrome do intestino irritável. Behav Res Ther 30:175-189.

Blinder, AS. 1987. Hard Heads and Soft Hearts: Hard Minded Economics for a Just Society. Reading, Mass: Addison-Wesley.

Bongers, PM, CR de Winter, MAJ Kompier e VH Hildebrandt. 1993. Fatores psicossociais no trabalho e doenças musculoesqueléticas. Scand J Work Environ Health 19:297-312.

Booth-Kewley, S e HS Friedman. 1987. Preditores psicológicos de doenças cardíacas: uma revisão quantitativa. Psychol Bull 101:343-362.

Brady, JV, RW Porter, DG Conrad e JW Mason. 1958. Comportamento de evitação e desenvolvimento de úlceras gastrointestinais. J Exp Anal Behav 1:69-73.

Brandt, LPA e CV Nielsen. 1992. Estresse no trabalho e resultado adverso da gravidez: uma ligação causal ou viés de memória? Am J Epidemiol 135(3).

Breaugh, JA e JP Colihan. 1994. Medindo as facetas da ambigüidade do trabalho: Construir evidências de validade. J Appl Psychol 79:191-202.

Brenner, M. 1976. Estimando os custos sociais da política econômica: implicações para a saúde física e mental e agressão criminal. Relatório para o Serviço de Pesquisa do Congresso da Biblioteca do Congresso e do Comitê Econômico Conjunto do Congresso. Washington, DC: US ​​GPO.

Brener, MH. Março de 1987. Relações da mudança econômica com a saúde sueca e o bem-estar social, 1950-1980. Soc Sci Med: 183-195.

Brief, AP, MJ Burke, JM George, BS Robinson e J Webster. 1988. A afetividade negativa deveria se tornar uma variável não medida no estudo do estresse no trabalho? J Appl Psychol 73:193-198.

Brill, M, S Margulis e E Konar. 1984. Usando o Office Design para aumentar a produtividade. Buffalo, NY: Projeto e Produtividade no Local de Trabalho.

Brisson, C, M Vezina e A Vinet. 1992. Problemas de saúde de mulheres empregadas em empregos envolvendo estressores psicológicos e ergonômicos: o caso das trabalhadoras de confecções em Quebec. Saúde da Mulher 18:49-65.

Brockner, J. 1983. Baixa auto-estima e plasticidade comportamental: algumas implicações. Em Review of Personality and Social Psychology, editado por L Wheeler e PR Shaver. Beverly Hills, Califórnia: Sage.

—. 1988. Autoestima no Trabalho. Lexington, Mass: Heath.

Bromet, EJ. 1988. Efeitos preditivos do estresse ocupacional e conjugal na saúde mental de uma força de trabalho masculina. J Organ Behav 9:1-13.

Bromet, EJ, DK Parkinson, EC Curtis, HC Schulberg, H Blane, LO Dunn, J Phelan, MA Dew e JE Schwartz. 1990. Epidemiologia da depressão e abuso/dependência de álcool em uma força de trabalho gerencial e profissional. J Occup Med 32(10):989-995.

Buck, V. 1972. Trabalhando sob pressão. Londres: Staples.

Bullard, RD e BH Wright. 1986/1987. Negros e o meio ambiente. Humboldt J Soc Rel 14:165-184.

Gabinete dos Assuntos Nacionais (BNA). 1991. Trabalho e família hoje: 100 estatísticas importantes. Washington, DC: BNA.

Burge, S, A Hedge, S Wilson, JH Bass e A Robertson. 1987. Síndrome do edifício doente: um estudo de 4373 trabalhadores de escritório. Ann Occup Hyg 31:493-504.

Burke, W e G Salvendy. 1981. Human Aspects of Working on Repetitive Machine-Paced e Self-Paced Work: A Review and Reappraisal. West Lafayette, Indiana: Escola de Engenharia Industrial, Purdue Univ.

Queimaduras, JM. 1978. Liderança. Nova York: Harper & Row.

Bustelo, C. 1992. A “doença internacional” do assédio sexual. Imprensa Mundial Ap 39:24.

Cacioppo, JT e LG Tassinary. 1990. Princípios de Psicofisiologia. Cambridge: Universidade de Cambridge. Imprensa.

Caim, PS e DJ Treiman. 1981. O dicionário de títulos ocupacionais como fonte de dados ocupacionais. Am Soc Rev 46:253-278.

Caldwell, DF e CA O'Reilly. 1990. Medindo o ajuste da pessoa ao trabalho com um processo de comparação de perfis. J Appl Psychol 75:648-657.

Caplan, RD, S Cobb, JRPJ French, RV Harrison e SRJ Pinneau. 1980. Demandas do Trabalho e Saúde do Trabalhador. Ann Arbor, Michigan: Instituto de Pesquisa Social.

Caplan, RD. 1983. Ajuste pessoa-ambiente: passado, presente e futuro. Em Stress Research: Issues for the Eighties, editado por CL Cooper. Nova York: Wiley.

Caplan, RD, S Cobb, JRPJ French, R Van Harrison e R Pinneau. 1975. Exigências do Trabalho e Saúde do Trabalhador: Principais Efeitos e Diferenças Ocupacionais. Washington, DC: Departamento de Saúde, Educação e Bem-Estar dos EUA.

Caplan, RD, AD Vinokur, RH Price e M van Ryn. 1989. Procura de emprego, reemprego e saúde mental: um experimento de campo aleatório para lidar com a perda do emprego. J Appl Psychol 74(5):759-769.

Caplin, G. 1969. Princípios de Psiquiatria Preventiva. Nova York: Basic Books.

Canhão, WB. 1914. A função de emergência da medula adrenal na dor e outras emoções. Am J Physiol 33:356-372.

—. 1935. Estresses e tensões de homeostase. Am J Med Sci 189:1-14.
Canter, D. 1983. O contexto físico do trabalho. Em The Physical Environment At Work, editado por DJ Osborne e MM Grunberg. Chichester: Wiley.

Carayon, P. 1993. Efeito do monitoramento eletrônico de desempenho no design do trabalho e no estresse do trabalhador: uma revisão da literatura e do modelo conceitual. Fatores Hum 35(3):385-396.

—. 1994. Efeitos do monitoramento eletrônico de desempenho no design do trabalho e no estresse do trabalhador: Resultados de dois estudos. Int J Hum Comput Interact 6:177-190.

Cassel, J.P. 1974. A contribuição do ambiente social para a resistência do acolhimento. American Journal of Epidemiology 104:161-166.

Cassel, J. 1976. A contribuição do ambiente social para a resistência do hospedeiro. Am J Epidemiol 104:107-123.

Catalano, R. 1991. Os efeitos da insegurança econômica na saúde. Am J Public Health 81:1148-1152.

Catalano, R, D Dooley, R Novaco, G Wilson e R Hough. 1993a-a. Usando os dados da pesquisa da ECA para examinar o efeito das demissões no comportamento violento. Hosp Community Psychiat 44:874-879.

Catalano, R, D Dooley, G Wilson e R Hough. 1993b. Perda de emprego e abuso de álcool: um teste usando dados do projeto Epidemiologic Catchment Area. J Health Soc Behav 34:215-225.

Chatman, J.A. 1991. Combinando pessoas e organizações: Seleção e socialização em empresas de contabilidade pública. Adm Sci Q 36:459-484.

Christensen, K. 1992. Gerenciando funcionários invisíveis: como enfrentar o desafio do teletrabalho. Empregue Relat Hoje: 133-143.

Cobb, S. 1976. Apoio social como mediador do estresse da vida. Psychosocial Medicine 38:300-314.

Cobb, S e RM Rose. 1973. Hipertensão, úlcera péptica e diabetes em controladores de tráfego aéreo. J Am Med Assoc 224(4):489-492.

Cohen, A. 1991. O estágio da carreira como moderador das relações entre o comprometimento organizacional e seus resultados: uma meta-análise. J Occup Psychol 64:253-268.

Cohen, RL e FL Ahearn. 1980. Manual para Cuidados de Saúde Mental de Vítimas de Desastres. Baltimore: The Johns Hopkins University Press.
Cohen, S e SL Syme. 1985. Apoio Social e Saúde. Nova York: Academic Books.

Cohen, N, R Ader, N Green e D Bovbjerg. 1979. Supressão condicionada da resposta de anticorpo independente do timo. Psychosom Med 41:487-491.

Cohen, S e S Spacapán. 1983. Os efeitos posteriores da antecipação da exposição ao ruído. In Noise As a Public Health Problem, editado por G Rossi. Milão: Centro Ricerche e Studi Amplifon.

Cole, RJ, RT Loving e DF Kripke. 1990. Aspectos psiquiátricos do trabalho em turnos. Ocupa Med 5:301-314.

Coligan, MJ. 1985. Um aparente caso de doença psicogênica em massa em uma fábrica de montagem de móveis de alumínio. In Job Stress and Blue Collar Work, editado por C Cooper e MJ Smith. Londres: John Wiley & Sons.

Colligan, MJ, JW Pennebaker e LR Murphy. 1982. Doença Psicogênica em Massa: Uma Análise Psicológica Social. Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Colligan, MJ e RR Rosa. 1990. Efeitos do trabalho em turnos na vida social e familiar. Ocupa Med 5:315-322.

Contrada, RJ e DS Krantz. 1988. Estresse, reatividade e comportamento do tipo A: status atual e direções futuras. Ann Behav Med 10:64-70.

Conway, TL, RR Vickers, HW Ward e RH Rahe. 1981. Estresse ocupacional e variação no consumo de cigarro, café e álcool. Journal of Health & Social Behavior 22:155-165.

Cooper, C. 1996. Handbook of Stress, Medicine and Health. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Cooper, CL e RS Bramwell. 1992. Validade preditiva do componente de tensão do indicador de estresse ocupacional. Medicina do Estresse 8:57-60.

Cooper, C e J. Marshall. 1976. Fontes ocupacionais de estresse: Uma revisão da literatura relacionada à doença cardíaca coronária e problemas de saúde mental. J Occup Psychol 49:11-28.

Cooper, CL e S Cartwright. 1994. Saúde Mental e Estresse no Local de Trabalho: Um Guia para Empregadores. Londres: HMSO.

Cooper, CL, P Liukkonen e S Cartwright. 1996. Prevenção do Estresse no Local de Trabalho: Avaliação dos Custos e Benefícios para as Organizações. Dublin: Fundação Europeia.

Cooper, CL e R Payne. 1988. Causas, enfrentamento e consequências do estresse no trabalho. Nova York: Wiley.

—. 1991. Personalidade e Estresse: Diferenças Individuais no Processo de Estresse. Chichester: Wiley.

Cooper, CL e MJ Smith. 1985. Estresse no trabalho e trabalho de colarinho azul. Nova York: Wiley.

Cox, S, T Cox, M Thirlaway e C MacKay. 1982. Efeitos do trabalho repetitivo simulado na excreção urinária de catecolaminas. Ergonomia 25:1129-1141.

Cox, T e P Couro. 1994. A prevenção da violência no trabalho: Aplicação de uma teoria cognitivo-comportamental. Em International Review of Industrial and Organizational Psychology, editado por CL Cooper e IT Robertson. Londres: Wiley.

Crum, RM, C Mutaner, WW Eaton e JC Anthony. 1995. Estresse ocupacional e risco de abuso e dependência de álcool. Álcool, Clin Exp Res 19(3):647-655.

Cummins, R. 1989. Locus de controle e suporte social: Esclarecedores da relação entre estresse no trabalho e satisfação no trabalho. J Appl Soc Psychol 19:772-788.

Cvetanovski, J e SM Jex. 1994. Locus de controle dos desempregados e sua relação com a saúde psicológica e física. Estresse no Trabalho 8:60-67.

Csikszentmihalyi, M. 1975. Além do Tédio e da Ansiedade. São Francisco: Jossey-Bass.

Dainoff, MJ e MH Dainoff. 1986. Pessoas e Produtividade. Toronto: Holt, Reinhart e Winston do Canadá.

Damásio, A. 1994. O Erro de Descartes: Emoção, Razão e o Cérebro Humano. Nova York: Grosset/Putnam.

Danko, S, P Eshelman e A Hedge. 1990. Uma taxonomia de saúde, segurança e bem-estar, implicações das decisões de design de interiores. J Interior Des Educ Res 16:19-30.

Dawis, RV e LH Lofquist. 1984. Uma Teoria Psicológica do Ajuste no Trabalho. Minneapolis, Minnesota: University of Minnesota Press.
A morte da lealdade corporativa. 1993. Economist 3 de abril, 63-64.

Dement, W. 1969. O papel biológico do sono REM. In Sleep Physiology and Pathology: A Symposium, editado por A Kales. Filadélfia: JB Lippincott.

DEMING, NÓS. 1993. A Nova Economia para Indústria, Governo, Educação. Cambridge, Massachusetts: Centro do MIT para Estudos Avançados de Engenharia.

DEWE, PJ. 1989. Examinando a natureza do estresse no trabalho: avaliações individuais de experiências estressantes e enfrentamento. Hum Relat 42:993-1013.

Ditecco, D, G Cwitco, A Arsenault e M André. 1992. Estresse do operador e práticas de monitoramento. Appl Ergon 23(1):29-34.

Dohrenwend, BS e BP Dohrenwend. 1974. Eventos estressantes da vida: sua natureza e efeitos. Nova York: Wiley.

Dohrenwend, BS, L Krasnoff, AR Askenasy e BP Dohrenwend. 1978. Exemplificação de um método para escalar eventos de vida: A escala de eventos de vida PERI. J Health Soc Behav 19:205-229.

Dooley, D. 1985. Inferência causal no estudo do apoio social. In Social Support and Health, editado por S Cohen e SL Syme. Nova York: Academic Books.

Dooley, D, R Catalano e R Hough. 1992. Desemprego e transtorno alcoólico em 1910 e 1990: Drift versus causalidade social. J Occup Organ Psychol 65:277-290.

Dooley, D, R Catalano e G Wilson. 1994. Depressão e desemprego: Resultados do painel do estudo Epidemiologic Catchment Area. Am J Community Psychol 22:745-765.

Douglas, RB, R Blanks, A Crowther e G Scott. 1988. Um estudo de estresse em bombeiros de West Midlands, usando eletrocardiogramas ambulatoriais. Estresse no trabalho: 247-250.

Eaton, WW, JC Anthony, W Mandel e R Garrison. 1990. Ocupações e prevalência de transtorno depressivo maior. J Occup Med 32(11):1079-1087.
Eduardo, JR. 1988. Os determinantes e consequências de lidar com o estresse. Em Causes, Coping and Consequences of Stress At Work, editado por CL Cooper e R Payne. Nova York: Wiley.

Edwards, JR e RV Harrison. 1993. Exigências do trabalho e saúde do trabalhador: um reexame tridimensional da relação entre ajuste e tensão pessoa-ambiente. J Appl Psychol 78:628-648.

Elander, J, R West e D French. 1993. Correlatos comportamentais das diferenças individuais no risco de colisão no trânsito: um exame de métodos e descobertas. Psychol Bull 113:279-294.

Emmett, E.A. 1991. Agentes físicos e químicos no local de trabalho. Em Work, Health and Productivity, editado por GM Green e F Baker. Nova York: Oxford University Press.

Endresen, IM, B Ellersten, C Endresen, AM Hjelmen, R Matre e H Ursin. 1991. Estresse no trabalho e parâmetros psicológicos e imunológicos em um grupo de funcionárias de um banco norueguês. Estresse no Trabalho 5:217-227.

Esler, M, G Jennings e G Lambert. 1989. Medição da liberação global e cardíaca de norepinefrina no plasma durante o desafio cognitivo. Psychoneuroendocrinol 14:477-481.

Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e de Trabalho. 1992. Primeiro Inquérito Europeu Sobre o Ambiente de Trabalho 1991-1992. Luxemburgo: Gabinete das Publicações Oficiais da Comunidade Europeia.

Everly, GS, Jr e RH Feldman. 1985. Promoção da Saúde Ocupacional: Comportamento de Saúde no Local de Trabalho. Nova York: John Wiley & Sons.

Faucett, J e D Rempel. 1994. Sintomas musculoesqueléticos relacionados ao VDT: Interações entre trabalho e postura e fatores psicossociais. Am J Ind Med 26:597-612.

Feigenbaum, AV. 1991. Qualidade Total: Um imperativo internacional. Em Manter a Vantagem da Qualidade Total, editado por BH Peters e JL Peters. Nova York: The Conference Board.

Feldman, DC. l976. Uma teoria contingencial da socialização. Adm Sci Q 21:433-452.

Fenster, L, C Schaefer, A Mathur, RA Hiatt, C Pieper, AE Hubbard, J Von Behren e S Swan. 1995. Estresse psicológico no local de trabalho e aborto espontâneo. Am J Epidemiol 142(11).

Ferber, MA, B O'Farrell e L Allen. 1991. Trabalho e Família: Políticas para uma Força de Trabalho em Mudança. Washington, DC: National Academy Press.

Fernandez, J.P. 1981. Racismo e Sexismo na Vida Corporativa. Lexington, Mass.: Lexington Books.

—. 1990. A Política e a Realidade do Cuidado Familiar na América Corporativa. Lexington, Mass: Lexington Books.

FIEDLER, FE. 1967. Uma Teoria da Eficácia da Liderança. Nova York: McGraw-Hill.

Fielding, JE e KJ Phenow. 1988. Efeitos do tabagismo involuntário na saúde. New Engl J Med 319:1452-1460.

Fisher, C. l985. Apoio social e adaptação ao trabalho: um estudo longitudinal. J Administre 11:39-53.

Fith-Cozens, J. 1987. Angústia emocional em funcionários subalternos. Brit Med J 295:533-536.

Fitzgerald, LF e AJ Ormerod. 1993. Quebrando o silêncio: O assédio sexual das mulheres na academia e no local de trabalho. Em Psychology of Women, editado por FL Denmark e MA Paludi. Londres: Greenwood Press.

Flechter, B. 1988. Ocupação, casamento e concordância de mortalidade específica por doença. Soc Sci Med 27:615-622.

FORD, DL. 1985. Facetas do suporte ao trabalho e resultados do trabalho do funcionário: uma análise exploratória. J Administre 11:5-20.

Fox, AJ e J Levin. 1994. Reagindo: A crescente ameaça de homicídio no local de trabalho. Ann Am Acad Polit SS 536:16-30.

Fox, BH. 1995. O papel dos fatores psicológicos na incidência e prognóstico do câncer. Oncologia 9(3):245-253.

—. 1989. Sintomas depressivos e risco de câncer. J Am Med Assoc 262(9): 1231.

—. 1981. Fatores psicossociais e o sistema imunológico no câncer humano. Em Psychoneuroimmunology, editado por R Ader. Nova York: Academic Press.

Frankenhaeuser, M. 1986. Uma estrutura psicobiológica para pesquisa sobre estresse humano e enfrentamento. Em Dynamics of Stress, editado por MH Appley e R Trumbull. Nova York: Pleno.

—. 1989. Uma abordagem biopsicossocial das questões da vida profissional. Int J Saúde Serv 19:747-758.

—. 1991. A psicofisiologia da carga de trabalho, estresse e saúde: comparação entre os sexos. Ann Behav Med 13:197-204.

—. 1993a. Questões atuais na pesquisa psicobiológica do estresse. Em European Views in Psychology - Keynote Lectures, editado por M Vartiainen. Helsinki: Acta Psychologica Fennica XIII.

—. 1993b. A medição da carga de trabalho total de homens e mulheres. Em A Healthier Work Environment - Basic Concepts and Methods of Measurements, editado por L Levi. Genebra: OMS.

—. 1996. Estresse e gênero. Eur Rev, Interdis J Acad Eur 4.

Frankenhaeuser, M e G Johansson. 1986. Estresse no trabalho: aspectos psicobiológicos e psicossociais. Int Rev Appl Psychol 35:287-299.

Frankenhaeuser, M, C Lundberg e L Forsman. 1980. Dissociação entre as respostas simpática-adrenal e pituitária-adrenal a uma situação de realização caracterizada por alta controlabilidade: Comparação entre homens e mulheres Tipo A e Tipo B. Biol Psychol 10:79-91.

Frankenhaeuser, M, U Lundberg e MA Chesney. 1991. Mulher, Trabalho e Saúde. Estresse e Oportunidades. Nova York: Pleno.

Frankenhaeuser, M, U Lundberg, M Fredrikson, B Melin, M Tuomisto, AL Myrsten, M Hedman, B Bergman-Losman e L Wallin. 1989. Estresse dentro e fora do trabalho relacionado ao sexo e status ocupacional em trabalhadores de colarinho branco. J Organ Behav 10:321-346.

Frankenhaeuser, M e B Gardell. 1976. Subcarga e sobrecarga na vida profissional: esboço de uma abordagem multidisciplinar. Journal of Human Stress 2:35-46.

French, JRP e RD Caplan. 1973. Estresse organizacional e tensão individual. Em The Failure of Success, editado por AJ Marrow. Nova York: Amacon.

French, JRP, W Rodgers e S Cobb. 1974. Ajuste como adaptação pessoa-ambiente. In Coping and Adaption, editado por GV Coelho, DA Hamburg e JE Adams. Nova York: Livros Básicos.

French, WL e CH Bell. 1990. Desenvolvimento Organizacional. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

French, JRP, RD Caplan e R van Harrison. 1982. The Mechanisms of Job Stress and Strain. Nova York: Wiley.

Frese, M e D Zapf. 1988. Questões metodológicas no estudo do estresse no trabalho: medição objetiva versus subjetiva do estresse no trabalho e a questão dos estudos longitudinais. Em Causes, Coping and Consequences of Stress At Work, editado por CL Cooper e R Payne. Nova York: Wiley.

Friedman, M, CE Thoresen, JJ Gill, D Ulmer, LII Powell, VA Prince, et al. 1986. Alteração do comportamento do tipo A e seu efeito nas recorrências cardíacas em pacientes pós-infarto do miocárdio; resultados resumidos do Projeto de Prevenção Coronariana Recorrente. Am Heart J 112:653-665.

FRYER, D e R Payne. 1986. Estar desempregado: Uma revisão da literatura sobre a experiência psicológica do desemprego. Em International Review of Industrial Organizational Psychology, editado por CL Cooper e I Robertson. Chichester: Wiley.

Funk, SC e BK Houston. 1987. Uma análise crítica da validade e utilidade das escalas de robustez. J Personal Soc Psychol 53:572-578.

Fusilier, MR, DC Ganster e BT Mays. 1987. Efeitos do apoio social, estresse do papel e locus de controle sobre a saúde. J Manage 13:517-528.

Galinsky, E, JT Bond e DE Friedman. 1993. Destaques: O Estudo Nacional da Mudança da Força de Trabalho. Nova York: Famílias e Instituto de Trabalho.

Gamble, GO e MT Matteson. 1992. Comportamento tipo A, satisfação no trabalho e estresse entre profissionais negros. Psychol Rep 70:43-50.

Ganster, DC e MR Fusilier. 1989. Controle no local de trabalho. Na Revista Internacional de Psicologia Industrial e Organizacional, editada por
C Cooper e eu Robertson. Chichester, Reino Unido: Wiley.

Ganster, DC. 1989. Controle e bem-estar do trabalhador: Uma revisão da pesquisa no local de trabalho. Em Job Control and Worker Health, editado por SL Sauter, JJ Hurrell e CL Cooper. Nova York: Wiley.

Ganster, DC e J Schaubroeck. 1991a. Estresse no papel e saúde do trabalhador: uma extensão da hipótese da plasticidade da autoestima. J Soc Behav Personal 6:349-360.

—. 1991b. Estresse no trabalho e saúde do trabalhador. J Manage 17:235-271.

Ganster, DC, BT Mayes, WE Sime e GD Tharp. 1982. Gerenciando o estresse ocupacional: um experimento de campo. J Appl Psychol 67:533-542.

Gardell, B. 1981. Aspectos psicossociais dos métodos de produção industrial. In Society, Stress and Disease, editado por L Levi. Oxford: OUP.

Garrison, R e WW Eaton. 1992. Secretárias, depressão e absenteísmo. Saúde da Mulher 18:53-76.

Gillin, JC e WF Byerley. 1990. O diagnóstico e tratamento da insônia. New England Journal of Medicine 322:239-248.

Glaser, R, JK Kiecolt-Glaser, RH Bonneau, W Malarkey, S Kennedy e J Hughes. 1992. Modulação induzida pelo estresse da resposta imune à vacina recombinante da hepatite B. Psychosom Med 54:22-29.

Goldberg, E. et al. 1985. Sintomas depressivos, redes sociais e suporte social de mulheres idosas. American Journal of Epidemiology: 448-456.

Goldberger, L e S Breznitz. 1982. Manual de Estresse. Nova York: Free Press.

Goldstein, I, LD Jamner e D Shapiro. 1992. Pressão arterial ambulatorial e frequência cardíaca em paramédicos saudáveis ​​do sexo masculino durante um dia de trabalho e um dia de folga. Health Psychol 11:48-54.

Golemblewski, RT. 1982. Intervenções de desenvolvimento organizacional (OD): Mudando a interação, estruturas e políticas. Em Job Stress and Burnout Research, Theory, and Intervention Perspectives, editado por WE Paine. Beverly Hills: Sage Publications.

Goleman, D. 1995. Inteligência Emocional. Nova York: Bantam Books.

Goodrich, R. 1986. O escritório percebido: O ambiente de escritório conforme experimentado por seus usuários. Em Behavioral Issues in Office Design, editado por JD Wineman. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

Gorman, DM. 1994. Abuso de álcool e ambiente predisponente. Boletim Médico Britânico: 36-49.

Gotlieb, BH. 1983. Estratégias de Apoio Social. Beverly Hills: Sábio.

Gough, H e A Heilbrun. 1965. O Manual de Lista de Verificação de Adjetivos. Palo Alto, Califórnia: Consulting Psychologists Press.

Gowler, D e K Legge. 1975. Estresse e relacionamentos externos: O contrato 'oculto'. Em Managerial Stress, editado por D Gowler e K Legge. Londres: Gower.

Grandjean, E. 1968. Fadiga: Seu significado fisiológico e psicológico. Ergonomia 11(5):427-436.

—. 1986. Ajustando a tarefa ao homem: uma abordagem ergonômica. : Taylor e Francisco.

—. 1987. Ergonomia em Escritórios Computadorizados. Londres: Taylor & Francis.

Greenglass, ER. 1993. A contribuição do apoio social para as estratégias de sobrevivência. Appl Psychol Intern Rev 42:323-340.

Greenhalgh, L e Z Rosenblatt. 1984. Insegurança no trabalho: Rumo à clareza conceitual. Acad Manage Rev (julho):438-448.

Guendelman, S e MJ Silberg. 1993. As consequências para a saúde do trabalho das maquiladoras: Mulheres na fronteira EUA-México. Am J Public Health 83:37-44.

Guidotti, TL. 1992. Fatores humanos no combate a incêndios: questões relacionadas ao estresse ergonômico, cardiopulmonar e psicogênico. Int Arch Occup Environ Health 64:1-12.

Gutek, B. 1985. Sex and the Workplace. São Francisco: Jossey-Bass.

Gutierres, SE, D Saenz, and BL Green. 1994. Estresse no trabalho e resultados de saúde entre funcionários anglo-hispânicos: um teste do modelo de ajuste pessoa-ambiente. In Job Stress in a Changing Workforce, editado por GP Keita e JJ Hurrell. Washington, DC: Associação Americana de Psicologia.

Hackman, JR. 1992. Grupo influencia indivíduos em organizações. Em Handbook of Industrial and Organizational Psychology, editado por MD Dunnette e LM Hough. Palo Alto, Califórnia: Consulting Psychologists' Press.

Hackman, JR e EE Lawler. 1971. Reações dos funcionários às características do trabalho. J Appl Psychol 55:259-286.

Hackman, JR e GR Oldham. 1975. A pesquisa de diagnóstico de trabalho. J Appl Psychol 60:159-170.

—. 1980. Redesenho da Obra. Reading, Mass: Addison-Wesley.

Hales, TR, SL Sauter, MR Peterson, LJ Fine, V Putz-Anderson, LR Schleifer, TT Ochs e BP Bernard. 1994. Distúrbios musculoesqueléticos entre usuários de terminais de exibição visual em uma empresa de telecomunicações. Ergonomics 37(10):1603-1621.

Hahn, EU. 1966. Programa de Avaliação de Metas de Vida da Califórnia. Palo Alto, CA: Western Psychological Services.

Hall, DT. 1990. Teletrabalho e a Gestão dos Limites Trabalho-Casa. Documento de trabalho nº 90-05. Boston: Universidade de Boston. Escola de Administração.

Hall, E. 1991. Gênero, controle do trabalho e estresse: uma discussão teórica e um teste empírico. Em Ambiente Psicossocial do Trabalho: Organização do Trabalho; Democratization and Health, editado por JV Johnson e G Johansson. Amityville, NY: Baywook.

—. 1992. Dupla exposição: O impacto combinado dos ambientes doméstico e de trabalho na tensão psicossomática em homens e mulheres suecos. Int J Health Serv 22:239-260.

Salão, RB. 1969. Variação estrutural intraorganizacional: Aplicação do modelo burocrático. Em Readings in Organizational Behavior and Human Performance, editado por LL Cummings e WEJ Scott. Homewood, Illinois: Richard D. Irwin, Inc. e Dorsey Press.

Hamilton, LV, CL Broman, WS Hoffman e D Brenner. 1990. Tempos difíceis e pessoas vulneráveis: efeitos iniciais do fechamento de fábricas na saúde mental dos trabalhadores automotivos. J Health Soc Behav 31:123-140.

Harford, TC, DA Parker, BF Grant e DA Dawson. 1992. Uso e dependência de álcool entre homens e mulheres empregados nos Estados Unidos em 1988. Alcohol, Clin Exp Res 16:146-148.

Harrison, RV. 1978. Ajuste pessoa-ambiente e estresse no trabalho. In Stress At Work, editado por CL Cooper e R Payne. Nova York: Wiley.
Hedge, A. 1986. Espaços de trabalho abertos versus fechados: O impacto do design nas reações dos funcionários aos seus escritórios. Em Behavioral Issues in Office Design, editado por JD Wineman. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

—. 1991. Inovações de design em ambientes de escritório. Em Design Intervention: Toward a More Humane Architecture, editado por WFE Presiser, JC Vischer e ET White. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

Heilpern, J. 1989. As empresas americanas são "hostis" à melhoria da qualidade? Executivo de Qualidade (novembro).

Henderson, S, P Duncan-Jones e G Byrne. 1980. Medindo as relações sociais. O cronograma de entrevista para interação social. Psychol Med 10:723-734.

Henry, JP e PM Stephens. 1977. Estresse, Saúde e Ambiente Social. Uma Abordagem Sociobiológica da Medicina. Nova York: Springer-Verlag.

Herzberg, F, B Mausner e BB Snyderman. 1959. A Motivação para o Trabalho. Nova York: Wiley.

Hill, S. 1991. Por que os círculos de qualidade falharam, mas a gestão da qualidade total pode ter sucesso. Br J Ind Relat (4 de dezembro): 551-568.

Hirs, BJ. 1980. Sistemas de suporte natural e enfrentamento de grandes mudanças na vida. Am J Comm Psych 8:159-171.

Hirsch, PM. 1987. Embale seu próprio pára-quedas. Reading, Mass: Addison-Wesley.

Hirschhorn, L. 1991. Tensões e padrões de ajuste na fábrica pós-industrial. Em Work, Health and Productivity, editado por GM Green e F Baker. Nova York: Oxford University Press.

Hirshhorn, L. 1990. Líderes e seguidores na era pós-industrial: uma visão psicodinâmica. J Appl Behav Sci 26:529-542.

—. 1984. Além da Mecanização. Cambridge, Massachusetts: MIT Press.

Holmes, TH e HR Richard. 1967. A escala de avaliação do reajuste social. J Psychosomat Res 11:213-218.

Holt, RR. 1992. Estresse ocupacional. Em Handbook of Stress, editado por L Goldberger e S Breznitz. Nova York: Free Press.

Holtmann, G, R Kreibel e MV Singer. 1990. Estresse mental e secreção de ácido gástrico: os traços de personalidade influenciam a resposta? Digest Dis Sci 35:998-1007.

House, J. 1981. Estresse no trabalho e suporte social. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley.

Houtman, I e M Kompler. 1995. Fatores de risco e grupos de risco ocupacional para estresse no trabalho na Holanda. Em Organizational Risk Factors for Job Stress, editado por S Sauter e L Murphy. Washington: Associação Americana de Psicologia.

Houston, B e W Hodges. 1970. Negação situacional e desempenho sob estresse. J Personal Soc Psychol 16:726-730.

Howard, R. 1990. Os valores fazem a empresa. Harvard Business Rev (setembro-outubro): 133-144.

Hudiberg, JJ. 1991. Vencendo com qualidade - A história da FPL. White Plains, NY: Recursos de qualidade.

Hull, JG, RR Van Treuren e S Virnelli. 1987. Resistência e saúde: Uma crítica e abordagem alternativa. J Personal Soc Psychol 53:518-530.

Hurrell, JJ Jr, MA McLaney e LR Murphy. 1990. Os anos intermediários: diferenças de estágio de carreira. Anterior Hum Serv 8:179-203.

Hurrell, JJ Jr e LR Murphy. 1992. Locus de controle, demandas de trabalho e saúde do trabalhador. Em Individual Differences, Personality, and Stress, editado por CL Cooper e R Payne. Chichester: John Wiley & Sons.

Hurrell JJ Jr e K Lindström. 1992. Comparação de demandas de trabalho, controle e queixas psicossomáticas em diferentes estágios de carreira de gerentes na Finlândia e nos Estados Unidos. Scand J Work Environ Health 18 Supl. 2:11-13.

Ihman, A e G Bohlin. 1989. O papel da controlabilidade na ativação cardiovascular e na doença cardiovascular: Ajuda ou obstáculo? Em Estresse, Controle Pessoal e Saúde, editado por A Steptoe e A Appels. Chichester: Wiley.

Ilgen, DR. 1990. Problemas de saúde no trabalho. American Psychologist 45:273-283.
Imai, M. 1986. Kaizen: The Key to Japan's Competitive Success. Nova York: McGraw-Hill.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1975. Tornando o Trabalho Mais Humano. Relatório do Diretor-Geral à Conferência Internacional do Trabalho. Genebra: OIT.

—. 1986. Introdução ao Estudo do Trabalho. Genebra: OIT.

Ishikawa, K. 1985. O que é controle de qualidade total? O Caminho Japonês. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Israel, BA e TC Antonucci. 1987. Características da rede social e bem-estar psicológico: uma replicação e extensão. Educação em Saúde Q 14(4):461-481.

Jackson, DN. 1974. Manual do Formulário de Pesquisa da Personalidade. Nova York: Research Psychologists Press.

Jackson, SE e RS Schuler. 1985. Uma meta-análise e crítica conceitual da pesquisa sobre ambigüidade e conflito de papéis em ambientes de trabalho. Órgão Comporta-se Hum Decisão Proc. 36:16-78.

James, CR e CM Ames. 1993. Desenvolvimentos recentes no alcoolismo: O local de trabalho. Recente Desenvolvimento Álcool 11:123-146.

James, K. 1994. Identidade social, estresse no trabalho e saúde do trabalhador minoritário. In Job Stress in a Changing Workforce, editado por GP Keita e JJ Hurrell. Washington, DC: APA.

Jenkins, CD. 1979. A personalidade propensa a coronárias. Em Psychological Aspects of Myocardial Infarction and Coronary Care, editado por WD Gentry e RB Williams. St.Louis: Mosby.

Jenkins, R e N Coney. 1992. Prevenção da Doença Mental no Trabalho. Uma conferência. Londres: HMSO.

Jennings, R, C Cox e CL Cooper. 1994. Elites Empresariais: A Psicologia dos Empreendedores e Intraempreendedores. Londres: Routledge.

Johansson, G e G Aronsson. 1984. Reações de estresse no trabalho administrativo computadorizado. J Occup Behav 15:159-181.

Johnson, JV. 1986. O impacto do suporte social no local de trabalho, demandas de trabalho e controle do trabalho sobre doenças cardiovasculares na Suécia. Dissertação de doutorado, Universidade Johns Hopkins.

Johnson, JV e EM Hall. 1988. Tensão no trabalho, suporte social no local de trabalho e doença cardiovascular: um estudo transversal de uma amostra aleatória da população trabalhadora sueca. Am J Public Health 78:1336-1342.

—. 1994. Apoio social no ambiente de trabalho e doença cardiovascular. In Social Support and Cardiovascular Disease, editado por S Shumaker e S Czajkowski. Nova York: Plenum Press.

Johnson, JV e G Johansson. 1991. O Ambiente Psicossocial do Trabalho: Organização do Trabalho, Democratização e Saúde. Amityville, NY: Baywood.

Johnson, JV, W Stewart, EM Hall, P Fredlund e T Theorell. 1996. Ambiente de trabalho psicossocial de longo prazo e mortalidade cardiovascular entre homens suecos. Am J Public Health 86(3):324-331.

JURAN, JM. 1988. Juran On Planning for Quality. Nova York: Free Press.

Justice, A. 1985. Revisão dos efeitos do estresse no câncer em animais de laboratório: A importância do tempo de aplicação do estresse e do tipo de tumor. Psychol Bull 98(1):108-138.

Kadushin, A. 1976. Homens na profissão de uma mulher. Serviço Social 21:440-447.

Kagan, A e L Levi. 1971. Adaptação do ambiente psicossocial às habilidades e necessidades do homem. In Society, Stress and Disease, editado por L Levi. Nova York: Oxford University Press.

Kahn, RL. 1991. As formas de trabalho das mulheres. Em Mulheres, Trabalho e Saúde. Stress and Opportunities, editado por M Frankenhaeuser, U Lundberg e MA Chesney. Nova York: Pleno.

Kahn, RL e P Byosiere. 1992. Estresse nas organizações. Em Handbook of Industrial and Organizational Psychology, editado por MD Dunnette e LM Hough. Palo Alto, CA: Consulting Psychology Press.

Kahn, RL, DM Wolfe, RP Quinn, JD Snoek e RA Rosenthal. 1964. Estresse Organizacional: Estudos em Conflito e Ambigüidade de Papéis. Chichester: Wiley.

Kaplan, GA et ai. 1991. Fatores psicossociais e a história natural da atividade física. Am J Prev Medicina 7:12-17.

Kaplan, R e S Kaplan. 1989. A Experiência da Natureza: Uma Perspectiva Psicológica. Nova York: Cambridge Univ. Imprensa.

Karasek, RA. 1976. O impacto do ambiente de trabalho na vida fora do trabalho. Dissertação de Doutorado, Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Cambridge, Massachusetts.

—. 1979. Demandas de trabalho, latitude de decisão de trabalho e tensão mental: Implicações para redesenho de trabalho. Adm Sci Q 24:285-308.

—. 1985. O Job Content Questionnaire (JCQ) e Guia do Usuário. Lowell, Mass: JCQ Center, Departamento de Ambiente de Trabalho, Univ. de Massachusetts Lowell.

—. 1990. Menor risco de saúde com maior controle do trabalho entre os trabalhadores de colarinho branco. J Organ Behav 11:171-185.

Karasek, R e T Theorell. 1990. Trabalho Saudável, Estresse, Produtividade e a Reconstrução da Vida Profissional. Nova York: Basic Books.

Kasl, SV. 1989. Uma perspectiva epidemiológica sobre o papel do controle em saúde. Em Job Control and Worker Health, editado por SL Sauter, JJ Hurrell Jr e CL Cooper. Chichester: Wiley.

Kauppinen-Toropainen, K e JE Gruber. 1993. Antecedentes e resultados de experiências hostis às mulheres: um estudo de mulheres escandinavas, ex-soviéticas e americanas. Psychol Women Q 17(4):431-456.

Kawakami, N, T Haratani, T Hemmi e S Araki. 1992. Prevalência e correlatos demográficos de problemas relacionados ao álcool em funcionários japoneses. Social Psychiatric Epidemiol 27:198-202.

—. 1993. Relações do estresse no trabalho com o uso de álcool e problemas com a bebida em funcionários masculinos e femininos de uma fábrica de computadores no Japão. Environ Res 62:314-324.

Keita, GP e SL Sauter. 1992. Trabalho e bem-estar: uma agenda para a década de 1990. Washington, DC: APA.

Kelly, M e CL Cooper. 1981. Estresse entre trabalhadores de colarinho azul: um estudo de caso da indústria siderúrgica. Relações com Empregados 3:6-9.

Kerckhoff, A e K Back. 1968. O bug de junho. Nova York: Appelton-Century Croft.

Kessler, RC, JS House e JB Turner. 1987. Desemprego e saúde em uma amostra da comunidade. J Health Soc Behav 28:51-59.

Kessler, RC, JB Turner e JS House. 1988. Os efeitos do desemprego na saúde em uma pesquisa comunitária: Efeitos principais, modificadores e mediadores. J Soc Issues 44(4):69-86.

—. 1989. Desemprego, reemprego e funcionamento emocional em uma amostra da comunidade. Am Soc Rev 54:648-657.

Kleiber, D e D Enzmann. 1990. Burnout: 15 anos de pesquisa: uma bibliografia internacional. Göttingen: Hogrefe.

Klitzman, S e JM Stellman. 1989. O impacto do ambiente físico no bem-estar psicológico dos trabalhadores de escritório. Soc Sci Med 29:733-742.

Knauth, P e J Rutenfranz. 1976. Estudos experimentais de trabalho por turnos de sistemas de turnos noturnos permanentes e de rotação rápida. I. Ritmo circadiano da temperatura corporal e reprogramação na passagem de turno. Int Arch Occup Environ Health 37:125-137.

—. 1982. Desenvolvimento de critérios para o projeto de sistemas de trabalho em turnos. J Hum Ergol 11 Turno de trabalho: sua prática e melhoria: 337-367.

Knauth, P, E Kiesswetter, W Ottmann, MJ Karvonen e J Rutenfranz. 1983. Estudos de orçamento de tempo de policiais em sistemas de turnos semanais ou de rotação rápida. Appl Ergon 14(4):247-252.

Kobasa, SC. 1979. Eventos de vida estressantes, personalidade e saúde: uma investigação sobre robustez. J Personal Soc Psychol 37:1-11.

—. 1982. A personalidade resistente: Rumo a uma psicologia social do estresse e da saúde. Em Social Psychology of Health and Illness, editado por G Sanders e J Suls. Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Kobasa, SC, SR Maddi e S Kahn. 1982. Hardines e saúde: Um estudo prospectivo. J Personal Soc Psychol 42:168-177.

Kofoed, L, MJ Friedman e P Peck. 1993. Alcoolismo e abuso de drogas em pacientes com TEPT. Psychiatry 64:151-171.

Kogi, K. 1991. Conteúdo do trabalho e tempo de trabalho: O escopo da mudança conjunta. Ergonomia 34(6):757-773.

Kohn, M e C Schooler. 1973. Experiência ocupacional e funcionamento psicológico: Uma avaliação dos efeitos recíprocos. Am Soc Rev 38:97-118.

Kohn, ML, A Naoi, V Schoenbach, C Schooler, et al. 1990. Posição na estrutura de classe e funcionamento psicológico nos Estados Unidos, Japão e Polônia. Am J Sociol 95(4):964-1008.

Kompier, M e L Levi. 1994. Estresse no Trabalho: Causas, Efeitos e Prevenção. Um Guia para Pequenas e Médias Empresas. Dublin: Fundação Europeia.

Kornhauser, A. 1965. A saúde mental do trabalhador industrial. Nova York: Wiley.

Komitzer, M, F Kittel, M Dramaix e G de Backer. 1982. Estresse no trabalho e doença cardíaca coronária. Adv Cardiol 19:56-61.

Koss, MP, LA Goodman, A Browne, LF Fitzgerald, GP Keita e NF Russo. 1994. Nenhum porto seguro. Washington, DC: APA Press.

Koulack, D e M Nesca. 1992. Parâmetros do sono de estudantes universitários com pontuação Tipo A e B. Habilidades Perceptivas e Motoras 74:723-726.

Kozlowski, SWJ, GT Chao, EM Smith e J Hedlund. 1993. Downsizing organizacional: Estratégias, intervenções e implicações de pesquisa. Em International Review of Industrial and Organizational Psychology, editado por CL Cooper e I Robertson. Chichester: Wiley.

Kristensen, TS. 1989. Doenças cardiovasculares e ambiente de trabalho. Uma revisão crítica da literatura epidemiológica sobre fatores não químicos. Scand J Work Environ Health 15:165-179.

—. 1991. Ausência por doença e tensão no trabalho entre trabalhadores de matadouros dinamarqueses. Uma análise da ausência do trabalho considerada como comportamento de enfrentamento. Ciências Sociais e Medicina 32:15-27.

—. 1995. O modelo Demand-Control-Support: desafios metodológicos para pesquisas futuras. Medicina do Estresse 11:17-26.

Kruger, GP. 1989. Trabalho sustentado, fadiga, perda de sono e desempenho: uma revisão das questões. Trabalho e Estresse 3:129-141.

Kuhnert, KW. 1991. Segurança no trabalho, saúde e características intrínsecas e extrínsecas do trabalho. Grupo Organ Stud: 178-192.

Kuhnert, KW, RR Sims e MA Lahey. 1989. A relação entre segurança no trabalho e saúde do empregado. Grupo Organ Stud (agosto): 399-410.

Kumar, D e DL Wingate. 1985. A síndrome do intestino irritável. Lancet ii:973-977.

Lamb, ME, KJ Sternberg, CP Hwang e AG Broberg. 1992. Child Care in Context: Cross-Cultural Perspectives. Hillsdale, NJ: Earlbaum.

Landsbergis, PA, PL Schnall, D Deitz, R Friedman e T Pickering. 1992. A padronização de atributos psicológicos e sofrimento por “tensão no trabalho” e apoio social em uma amostra de trabalhadores. J Behav Med 15(4):379-405.

Landsbergis, PA, SJ Schurman, BA Israel, PL Schnall, MK Hugentobler, J Cahill e D Baker. 1993. Estresse no trabalho e doenças cardíacas: evidências e estratégias de prevenção. Novas Soluções (Verão):42-58.

Larson, JRJ e Callahan C. 1990. Monitoramento de desempenho: como isso afeta a produtividade do trabalho. J Appl Psychol 75:530-538.

Por último, LR, RWE Peterson, J Rappaport e CA Webb. 1995. Criando oportunidades para trabalhadores deslocados: Centro de Competitividade Comercial. In Employees, Careers, and Job Creation: Developing Growth-Oriented Human Resource Strategies and Programs, editado por M London. São Francisco: Jossey-Bass.

Laviana, J.E. 1985. Avaliando o Impacto das Plantas no Ambiente de Escritório Simulado: Uma Abordagem de Fatores Humanos. Manhattan, Kansas: Departamento de Horticultura, Kansas State Univ.

Lázaro, RS. 1966. Estresse psicológico e processo de enfrentamento. Nova York: McGraw-Hill.

Lázaro, RS e S Folkman. 1984. Estresse, Avaliação e Enfrentamento. Nova York: Springer.

Lee, P. 1983. O Guia Completo para a Divisão de Trabalho. Nova York: Walker & Co.

Leibson, B. 1990. Cuidados infantis corporativos: “Junior Execs” no trabalho. Gerenciamento de design do corpo docente: 32-37.

Leigh, JP e HM Waldon. 1991. Desemprego e mortes em rodovias. J Health Policy 16:135-156.

Leino, PI e V Hänninen. 1995. Fatores psicossociais no trabalho em relação a distúrbios nas costas e nos membros. Scand J Work Environ Health 21:134-142.

Levi, L. 1972. Estresse e Angústia em Resposta a Estímulos Psicossociais. Nova York: Pergamon Press.

—. 1981. Sociedade, Estresse e Doença. Vol. 4: Vida Profissional. Oxford: Oxford Univ Press.

—. 1992. Conceitos psicossociais, ocupacionais, ambientais e de saúde: resultados de pesquisas e aplicações. In Work and Well-Being: An Agenda for the 1990s, editado por GP Keita e SL Sauter. Washington, DC: APA.
Levi, L, M Frankenhaeuser e B Gardell. 1986. As características do local de trabalho e a natureza de suas demandas sociais. Em Occupational Stress and Performance At Work, editado por S Wolf e AJ Finestone. Littleton, Massachusetts: PSG.

Levi, L e P Lunde-Jensen. 1996. Custos Socioeconômicos do Estresse no Trabalho em Dois Estados Membros da UE. Um modelo para avaliar os custos dos estressores em nível nacional. Dublin: Fundação Europeia.

Levine, EL. 1983. Tudo o que você sempre quis saber sobre análise de cargos. Tampa: Mariner.

Levinson, DJ. 1986. Uma concepção do desenvolvimento adulto. Psicólogo Americano 41:3-13.

Levinson, H. 1978. A personalidade abrasiva. Harvard Bus Rev 56:86-94.

Levy, BS e DH Wegman. 1988. Saúde Ocupacional: Reconhecendo e Prevenindo Doenças Relacionadas ao Trabalho. Boston: Little, Brown & Co.

Lewin, K, R Lippitt e RK White. 1939. Padrões de comportamento agressivo em climas sociais criados experimentalmente. J Soc Psychol 10:271-299.

Lewis, S, DN Izraeli e H Hootsmans. 1992. Famílias de dupla renda: Perspectivas Internacionais. Londres: Sage.

Liberatos, P, BG Link e J Kelsey. 1988. A medição da classe social em epidemiologia. Epidemiologia Rev 10:87-121.

Liem, R e JH Liem. 1988. Os efeitos psicológicos do desemprego nos trabalhadores e suas famílias. J Soc Issues 44:87-105.

Light, KC, JR Turner e AL Hinderliter. 1992. Tensão no trabalho e pressão arterial no trabalho ambulatorial em homens e mulheres jovens saudáveis. Hipertensão 20:214-218.

Lim, SY. 1994. Uma abordagem integrada ao desconforto musculoesquelético da extremidade superior no ambiente de trabalho de escritório: o papel dos fatores psicossociais do trabalho, estresse psicológico e fatores de risco ergonômicos. doutorado Dissertação, Universidade de Wisconsin-Madison.

Lim, SY e P Carayon. 1994. Relação entre fatores de trabalho físicos e psicossociais e sintomas de membros superiores em um grupo de trabalhadores de escritório. Anais do 12º Congresso Trienal da Associação Internacional de Ergonomia. 6:132-134.

Lindeman, E. 1944. Sintomatologia e manejo do luto agudo. American Journal of Psychiatry 101:141-148.

Lindenberg, CS, HK Reiskin e SC Gendrop. 1994. O modelo do sistema social de abuso de substâncias entre mulheres em idade reprodutiva: uma revisão da literatura. Journal of Drug Education 24:253-268.

Lindström, K e JJ Hurrell Jr. 1992. Lidando com o estresse no trabalho por gerentes em diferentes estágios de carreira na Finlândia e nos Estados Unidos. Scand J Work Environ Health 18 Supl. 2:14-17.

Lindström, K, J Kaihilahti e I Torstila. 1988. Ikäkausittaiset Terveystarkastukset Ja Työn Muutos Vakuutus- Ja Pankkialalla (em finlandês com resumo em inglês). Espoo: Fundo finlandês para o ambiente de trabalho.
Link, B et al. 1986. Status socioeconômico e esquizofrenia: características ocupacionais ruidosas como fator de risco. Am Soc Rev 51:242-258.

—. 1993. Status socioeconômico e depressão: O papel das ocupações envolvendo direção, controle e planejamento. Am J Sociol 6:1351-1387.
Locke, EA e DM Schweiger. 1979. Participação na tomada de decisão: Mais um olhar. Res Organ Behav 1:265-339.
London, M. 1995. Employees, Careers, and Job Creation: Developing Growth-Oriented Human Resource Strategies and Programs. São Francisco: Jossey-Bass.

Luís, SR. l980. Surpresa e criação de sentido: o que os recém-chegados experimentam ao entrar em configurações organizacionais desconhecidas. Adm Sci Q 25:226-251.
Lowe, GS e HC Northcott. 1988. O impacto das condições de trabalho, papéis sociais e características pessoais nas diferenças de gênero em sofrimento. Trabalho Occup 15:55-77.

Lundberg, O. 1991. Explicações causais para a desigualdade de classe na saúde - uma análise empírica. Soc Sci Med 32:385-393.

Lundberg, U, M Granqvist, T Hansson, M Magnusson e L Wallin. 1989. Respostas de estresse psicológico e fisiológico durante o trabalho repetitivo em uma linha de montagem. Estresse no Trabalho 3:143-153.

Maher, EL. 1982. Aspectos anômicos da recuperação do câncer. Ciências Sociais e Medicina 16:907-912.

MacKinnon, CA. 1978. Assédio Sexual de Mulheres Trabalhadoras: Um Caso de Discriminação Sexual. New Haven, Connecticut: Yale Univ. Imprensa.

Maddi, SR, SC Kobasa e MC Hoover. 1979. Um teste de alienação. Journal of Humanistic Psychology 19:73-76.

Maddi, SR e SC Kobasa. 1984. The Hardy Executive: Health Under Stress. Homewood, Illinois: Dow-Jones Irwin.

Maddi, SR. 1987. Treinamento de robustez na Illinois Bell Telephone. Em Health Promotion Evaluation, editado por JP Opatz. Stevens Point, Wisc: National Wellness Institute.

—. 1990. Questões e intervenções no controle do estresse. Em Personality and Disease, editado por HS Friedman. Nova York: Wiley.

Mandell, W et al. 1992. Alcoolismo e ocupações: Uma revisão e análise de 104 ocupações. Álcool, Clin Exp Res 16:734-746.

Mangione, TW e RP Quinn. 1975. Satisfação no trabalho, comportamento contraproducente e uso de drogas no trabalho. Journal of Applied Psychology 60:114-116.

Mann, N. 1989. As Chaves para a Excelência. A história da filosofia de Deming. Los Angeles: Prestwick.

Mantell, M e S Albrecht. 1994. Bombas-relógio: desarmando a violência no local de trabalho. Nova York: Irwin Professional.

Marans, RW e X Yan. 1989. Qualidade de iluminação e satisfação ambiental em escritórios abertos e fechados. J Arquiteto Plano Res 6:118-131.

Margolis, B, W Kroes e R Quinn. 1974. Estresse no trabalho e riscos ocupacionais não listados. J Occup Med 16:659-661.

Marinho, KE e SE White. 1985. Estrutura departamental, local de controle e estresse no trabalho: o efeito de um moderador. Journal of Applied Psychology 70:782-784.

Marmot, M. 1976. Aculturação e doença cardíaca coronária em nipo-americanos. Em The Contribution of the Social Environment to Host Resistance, editado por JP Cassel.

Marmot, M e T Theorell. 1988. Classe social e doença cardiovascular: A contribuição do trabalho. Int J Health Serv 18:659-674.

Marshall, NL e RC Barnett. 1991. Raça, classe e múltiplas tensões e ganhos entre as mulheres empregadas no setor de serviços. Saúde da Mulher 17:1-19.

Martin, DD e RL Shell. 1986. Gestão de Profissionais. Nova York: Marcel Dekker.

Martin, EV. 1987. Estresse do trabalhador: a perspectiva de um profissional. Em Stress Management in Work Setting, editado por LR Murphy e TF Schoenborn. Cincinnati, Ohio: NIOSH.

Maslach, C. 1993. Burnout: Uma perspectiva multidimensional. Em Professional Burnout, editado por WB Schaufeli, C Maslach e T Marek. Washington, DC: Taylor e Francis.

Maslach, C e SE Jackson. 1981/1986. O Maslach Burnout Inventory. Palo Alto, Califórnia: Consulting Psychologists.

Maslow, AH. 1954. Motivação e Personalidade. Nova York: Harper.

Matteson, MT e JM Ivancevich. 1987. Controlando o Estresse no Trabalho. São Francisco: Jossey-Bass.

Mattiason, I, F Lindgarden, JA Nilsson e T Theorell. 1990. Ameaça de desemprego e fatores de risco cardiovascular: Estudo longitudinal da qualidade do sono e das concentrações séricas de colesterol em homens ameaçados de redundância. British Medical Journal 301:461-466.

Matis, MC. 1990. Novas formas de trabalho flexível para gestores e profissionais: Mitos e realidades. Plano de Recursos Humanos 13(2):133-146.

McGrath, A, N Reid e J Boore. 1989. Estresse ocupacional em enfermagem. Int J Nursing Stud 26(4):343-358.

McGrath, JE. 1976. Estresse e comportamento nas organizações. Em Handbook of Industrial and Organizational Pyschology, editado por MD Dunnette. Chicago: Rand McNally.

McKee, GH, SE Markham e DK Scott. 1992. Estresse no trabalho e retirada do empregado do trabalho. In Stress & Well-Being At Work, editado por JC Quick, LR Murphy e JJ Hurrel. Washington, DC: APA.

McLaney, MA e JJ Hurrell Jr. 1988. Controle, estresse e satisfação no trabalho. Estresse no Trabalho 2:217-224.

McLean, LA. 1979. Estresse no Trabalho. Boston: Addison-Wesley.

Meisner, M. 1971. O longo braço do trabalho. Relações Industriais: 239-260.

Meyer, BD. 1995. Lições dos experimentos de seguro-desemprego nos Estados Unidos. J Econ Lit 33:91-131.

Meyerson, D. 1990. Descobrindo emoções socialmente indesejáveis: Experiência de ambigüidade nas organizações. Am Behav Sci 33:296-307.
Michaels, D e SR Zoloth. 1991. Mortalidade em motoristas de ônibus urbanos. Int J Epidemiol 20(2):399-404.

Michelson, W. 1985. De Sol a Sol: Obrigações Maternas e Estrutura Comunitária na Vida de Mulheres Empregadas e Suas Famílias. Totowa, NJ: Rowman & Allanheld.

Miller, KI e PR Monge. 1986. Participação, satisfação e produtividade: Uma revisão meta-analítica. Acad Manage J 29:727-753.

Miller, LS e S Kelman. 1992. Estimativas da perda de produtividade individual por abuso de álcool e drogas e por doença mental. Em Economics and Mental Health, editado por RG Frank e MG Manning. Baltimore: Johns Hopkins Univ. Imprensa.

Miller, S. 1979. Controlabilidade e estresse humano: Método, evidência e teoria. Behav Res Ther 17:287-304.

Ministério do Trabalho. 1987. A Lei Sueca de Meio Ambiente de Trabalho (com Emendas) e a Portaria Sueca de Meio Ambiente de Trabalho (Com Emendas). Estocolmo: Ministério do Trabalho.

Mino, Y, T Tsuda, A Babazona, H Aoyama, S Inoue, H Sato e H Ohara. 1993. Estados depressivos em trabalhadores que usam computadores. Pesquisa Ambiental 63(1):54-59.

Misumi, J. 1985. O Conceito de Ciência Comportamental da Liderança: Terceiro Simpósio de Liderança. Carbondale, Illinois: Souther Illinois Univ.

Moleski, WH e JT Lang. 1986. Metas organizacionais e necessidades humanas no planejamento de escritórios. Em Behavioral Issues in Office Design, editado por J Wineman. Nova York: Van Nostrand Rinehold.

Monk, TH e S. Folkard. 1992. Tornar o trabalho por turnos tolerável. Londres: Taylor & Francis.

Monk, T e D Tepas. 1985. Trabalho por turnos. In Job Stress and Blue Collar Work, editado por C Cooper e MJ Smith. Londres: John Wiley & Sons.

Moon, S e SL Sauter. 1996. Fatores psicossociais e distúrbios musculoesqueléticos no trabalho de escritório. : Taylor e Francis, Ltd.

Moos, RH. 1986. O trabalho como contexto humano. Em Psicologia e Trabalho: Produtividade, Mudança e Emprego, editado por MS Pallak e R Perloff. Washington, DC: APA.

Moos, R e A. Billings. 1982. Conceitualizando e medindo recursos e processos de enfrentamento. Em Handbook of Stress: Theoretical and Clinical Aspects, editado por L Goldberger e S Breznitz. Nova York: Free Press.

Morrison, EW. l993. Estudo longitudinal dos efeitos da busca de informações na socialização do recém-chegado. J Appl Psychol 78:173-183.

Morrow, PC e JC McElroy. 1987. Comprometimento com o trabalho e satisfação no trabalho em três estágios de carreira. J Vocationl Behav 30:330-346.

Mossholder, KW, AG Bedeian e AA Armenakis. 1981. Percepções de papel, satisfação e desempenho: Efeitos moderadores da auto-estima e do nível organizacional. Organ Behav Hum Perform 28:224-234.

—. 1982. Relacionamentos de resultado de processo de trabalho em grupo: uma nota sobre o impacto moderador da auto-estima. Acad Manage J 25:575-585.

Muntaner, C e P O'Campo. 1993. Uma avaliação crítica do modelo Demanda/Controle do ambiente de trabalho psicossocial: considerações epistemológicas, sociais, comportamentais e de classe. Soc Sci Med 36:1509-1517.

Muntaner, C, A Tien, WW Eaton e R Garrison. 1991. Características ocupacionais e ocorrência de transtornos psicóticos. Social Psychiatric Epidemiol 26:273-280.

Muntaner, C et ai. 1993. Dimensões do ambiente de trabalho psicossocial em cinco áreas metropolitanas dos EUA. Estresse no Trabalho 7:351-363.

Muntaner, C, P Wolyniec, J McGrath e A Palver. 1993. Ambiente de trabalho e esquizofrenia: Uma extensão da hipótese de excitação para auto-seleção ocupacional. Social Psychiatric Epidemiol 28:231-238.

—. 1994. Classe social de pacientes psicóticos internados e sua primeira internação em hospitais psiquiátricos estaduais ou privados em Baltimore. Am J Public Health 84:287-289.

Muntaner, C, JC Anthony, RM Crum e WW Eaton. 1995. Dimensões psicossociais do trabalho e risco de toxicodependência entre adultos. Am J Epidemiol 142(2):183-190.

Murphy, LR. 1988. Intervenções no local de trabalho para redução e prevenção do estresse. Em Causes, Coping and Consequences of Stress At Work, editado por CL Cooper e R Payne. Nova York: Wiley.

Murrel, KFH. 1965. Uma classificação de estimulação. Int J Prod Res 4:69-74.

Conselho Nacional de Seguro de Compensação. 1985. Estresse emocional no local de trabalho. Novos direitos jurídicos nos anos oitenta. Nova York: Conselho Nacional de Seguro de Compensação.

Nehling, A e G. Debry. 1994. Cafeína e atividade esportiva: Uma revisão. International Journal of Sports Medicine 15:215-223.

Nelson, DL. l987. Socialização organizacional: uma perspectiva do estresse. J Occup Behav 8:3ll-324.

Nelson, DL e JC Quick. 1991. Apoio social e ajuste do recém-chegado na organização: teoria do apego no trabalho? J Organ Behav 12:543-554.

Nelson, DL e CD Sutton. 1991. A relação entre as expectativas dos recém-chegados em relação aos estressores do trabalho e a adaptação ao novo emprego. Estresse no Trabalho 5:241-251.

Newman, JE e TA Beehr. 1979. Estratégias pessoais e organizacionais para lidar com o estresse no trabalho: uma revisão de pesquisa e opinião. Psicologia Pessoal 32:1-43.

Niaura, R, CM Stoney e PN Herbst. 1992. Biol Psychol 34:1-43.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1988. Prevenção de Distúrbios Psicológicos Relacionados ao Trabalho em Estratégias Nacionais Propostas para a Prevenção das Principais Doenças e Lesões Relacionadas ao Trabalho.: NIOSH.

North, FM, SL Syme, A Feeney, M Shipley e M Marmot. 1996. Ambiente de trabalho psicossocial e ausência por doença entre funcionários públicos britânicos: o estudo Whitehall II. Am J Public Health 86(3):332.

Vida Nacional do Noroeste. 1991. Esgotamento de funcionários: a mais nova epidemia da América. Mineápolis, Mn. Vida Nacional do Norte.

Nuckolls, KB et al. 1972. Ativos psicossociais, crise de vida e prognóstico da gravidez. American Journal of Epidemiology 95:431-441.

O'Donnell, MP e JS Harris. 1994. Promoção da Saúde no Trabalho. Nova York: Delmar.

Oetting, ER, RW Edwards e F Beauvais. 1988. Drogas e juventude nativa americana. Drogas e Sociedade 3:1-34.

Öhman, A e G Bohlin. 1989. O papel da controlabilidade na ativação cardiovascular e na doença cardiovascular: Ajuda ou obstáculo? Em Estresse, Controle Pessoal e Saúde, editado por A Steptoe e A Appels. Chichester: Wiley.

Ojesjo, L. 1980. A relação com o alcoolismo da ocupação, classe e emprego. J Occup Med 22:657-666.

Oldham, GR. 1988. Efeitos da mudança nas partições do espaço de trabalho e densidade espacial nas reações dos funcionários: um quase-experimento. J Appl Psychol 73:253-258.

Oldham, GR e Y Fried. 1987. Reações dos funcionários às características do espaço de trabalho. J Appl Psychol 72:75-80.

Oldham, GR e NL Rotchford. 1983. Relações entre as características do escritório e as reações dos funcionários: Um estudo do ambiente físico. Adm Sci Q 28:542-556.

Olff, M, JF Brosschot, RJ Benschop, RE Ballieux, GLR Godaert, CJ Heijnen e H Ursin. 1995. Efeitos modulatórios de defesa e enfrentamento em alterações induzidas pelo estresse nos parâmetros endócrinos e imunológicos. Int J Behav Med 2:85-103.

Olff, M, JF Brosschot, RJ Benchop, RE Ballieux, GLR Godaert, CJ Heijnen e H Eursin. 1993. Defesa e enfrentamento em relação à saúde subjetiva e imunologia.

Olmedo, EL e DL Parron. 1981. Saúde mental de mulheres minoritárias: Algumas questões especiais. J Prof Psychol 12:103-111.

O'Reilly, CA e JA Chatman. 1991. Pessoas e cultura organizacional: Uma abordagem de comparação de perfis para avaliar o ajuste pessoa-organização. Acad Manage J 34:487-516.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). 1995. OECD Economic Outlook 57. Paris: OECD.

Ornstein, S. 1990. Vinculando psicologia ambiental e industrial/organizacional. Em International Review of Industrial and Organizational Psychology, editado por CL Cooper e IT Robertson. Chichester: Wiley.

Ornstein, S,