Quinta-feira, 27 Outubro 2011 19: 36

Estudo de caso: o que significa dose?

Classifique este artigo
(0 votos)

Existem várias maneiras de definir uma dose de radiação ionizante, cada uma apropriada para diferentes propósitos.

Dose absorvida

A dose absorvida é a que mais se assemelha à dose farmacológica. Enquanto a dose farmacológica é a quantidade de substância administrada a um indivíduo por unidade de peso ou superfície, a dose radiológica absorvida é a quantidade de energia transmitida por radiação ionizante por unidade de massa. A dose absorvida é medida em Grays (1 Gray = 1 joule/kg).

Quando os indivíduos são expostos de forma homogênea – por exemplo, por irradiação externa por raios cósmicos e terrestres ou por irradiação interna por potássio-40 presente no organismo – todos os órgãos e tecidos recebem a mesma dose. Nessas circunstâncias, é apropriado falar em todo o corpo dose. É, no entanto, possível que a exposição seja não homogênea, caso em que alguns órgãos e tecidos receberão doses significativamente mais altas do que outros. Neste caso, é mais relevante pensar em termos de dose de órgão. Por exemplo, a inalação de filhas de radônio resulta na exposição essencialmente apenas dos pulmões, e a incorporação de iodo radioativo resulta em irradiação da glândula tireóide. Nesses casos, podemos falar em dose pulmonar e dose tireoidiana.

No entanto, também foram desenvolvidas outras unidades de dose que levam em consideração as diferenças nos efeitos de diferentes tipos de radiação e as diferentes sensibilidades à radiação de tecidos e órgãos.

Dose equivalente

O desenvolvimento de efeitos biológicos (por exemplo, inibição do crescimento celular, morte celular, azoospermia) depende não apenas da dose absorvida, mas também do tipo específico de radiação. A radiação alfa tem um potencial ionizante maior do que a radiação beta ou gama. A dose equivalente leva em consideração essa diferença aplicando fatores de ponderação específicos da radiação. O fator de ponderação para radiação gama e beta (baixo potencial ionizante) é igual a 1, enquanto que para partículas alfa (alto potencial ionizante) é 20 (ICRP 60). A dose equivalente é medida em Sieverts (Sv).

Dose efetiva

Em casos de irradiação não homogênea (por exemplo, exposição de vários órgãos a diferentes radionuclídeos), pode ser útil calcular uma dose global que integre as doses recebidas por todos os órgãos e tecidos. Isso requer levar em consideração a sensibilidade à radiação de cada tecido e órgão, calculada a partir dos resultados de estudos epidemiológicos de cânceres induzidos por radiação. A dose efetiva é medida em Sieverts (Sv) (ICRP 1991). A dose efetiva foi desenvolvida para fins de proteção contra radiação (ou seja, gerenciamento de risco) e, portanto, é inadequada para uso em estudos epidemiológicos dos efeitos da radiação ionizante.

Dose coletiva

A dose coletiva reflete a exposição de um grupo ou população e não de um indivíduo, sendo útil para avaliar as consequências da exposição à radiação ionizante em nível populacional ou grupal. É calculado pela soma das doses individuais recebidas, ou pela multiplicação da dose média individual pelo número de indivíduos expostos nos grupos ou populações em questão. A dose coletiva é medida em man-Sieverts (man Sv).

 

Voltar

Leia 9839 vezes

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Desastres, Referências Naturais e Tecnológicas

Associação Americana de Psiquiatria (APA). 1994. DSM-IV Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Washington, DC: APA.

 

Andersson, N, M Kerr Muir, MK Ajwani, S Mahashabde, A Salmon e K Vaidyanathan. 1986. Olhos lacrimejantes persistentes entre os sobreviventes de Bhopal. Lancet 2:1152.

 

Baker, EL, M Zack, JW Miles, L Alderman, M Warren, RD Dobbin, S Miller e WR Teeters. 1978. Envenenamento epidêmico por malathion no Paquistão trabalhando com malária. Lancet 1:31-34.

 

Baum, A, L Cohen e M Hall. 1993. Controle e memórias intrusivas como possíveis determinantes do estresse crônico. Psychosom Med 55:274-286.

 

Bertazzi, PA. 1989. Desastres industriais e epidemiologia. Uma revisão de experiências recentes. Scand J Work Environ Health 15:85-100.

 

—. 1991. Efeitos de longo prazo de desastres químicos. Lições e resultados de Seveso. Sci Total Environ 106:5-20.

 

Bromet, EJ, DK Parkinson, HC Schulberg, LO Dunn e PC Condek. 1982. Saúde mental dos residentes próximos ao reator de Three Mile Island: Um estudo comparativo de grupos selecionados. J Prev Psychiat 1(3):225-276.

 

Bruk, GY, NG Kaduka e VI Parkhomenko. 1989. Contaminação do ar por radionuclídeos como resultado do acidente na usina de Chernobyl e sua contribuição para a irradiação interna da população (em russo). Materiais do Primeiro Congresso Radiológico All-Union, 21-27 de agosto, Moscou. Resumos (em russo). Puschkino, 1989, vol. II:414-416.

 

Bruzzi, P. 1983. Impacto na saúde da liberação acidental de TCDD em Seveso. Em Exposição Acidental a Dioxinas. Human Health Aspects, editado por F Coulston e F Pocchiari. Nova York: Academic Press.

 

Cardis, E, ES Gilbert e L Carpenter. 1995. Efeitos de baixas doses e baixas taxas de dose de radiação ionizante externa: Mortalidade por câncer entre trabalhadores da indústria nuclear em três países. Rad Res 142:117-132.

 

Centros de Controle de Doenças (CDC). 1989. As Consequências dos Desastres para a Saúde Pública. Atlanta: CDC.

 

Centro Peruano-Japonês de Investigaciones Sismicas y Mitigacióm de Desastres. Universidade Nacional de Engenharia (CISMID). 1989. Seminário Internacional De Planeamiento Diseño,

 

Reparación Y Adminstración De Hospitales En Zonas Sísmicas: Conclusão e Recomendações. Lima: CISMID/Univ Nacional de Ingeniería.

 

Chagnon, SAJR, RJ Schicht e RJ Semorin. 1983. Um Plano de Pesquisa sobre Enchentes e sua Mitigação nos Estados Unidos. Champaign, Illinois: Levantamento de água do estado de Illinois.

 

Chen, PS, ML Luo, CK Wong e CJ Chen. 1984. Bifenilos policlorados, dibenzofuranos e quaterfenilos em óleo de farelo de arroz tóxico e PCBs no sangue de pacientes com envenenamento por PCB em Taiwan. Am J Ind Med 5:133-145.

 

Coburn, A e R Spence. 1992. Proteção contra terremotos. Chichester: Wiley.

 

Conselho das Comunidades Europeias (CEC). 1982. Diretiva do Conselho de 24 de junho sobre os riscos de acidentes graves em certas atividades industriais (82/501/EEC). Off J Eur Comunidades L230:1-17.

 

—. 1987. Diretiva do Conselho de 19 de março que altera a Diretiva 82/501/EEC sobre os riscos de acidentes graves em certas atividades industriais (87/216/EEC). Off J Eur Comunidades L85:36-39.

 

Das, JJ. 1985a. Rescaldo da tragédia de Bhopal. J Indian Med Assoc 83:361-362.

 

—. 1985b. A tragédia de Bhopal. J Indian Med Assoc 83:72-75.

 

Orvalho, MA e EJ Bromet. 1993. Preditores de padrões temporais de sofrimento psiquiátrico durante dez anos após o acidente nuclear em Three Mile Island. Social Psychiatric Epidemiol 28:49-55.

 

Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (FEMA). 1990. Considerações sísmicas: Estabelecimentos de cuidados de saúde. Série de Redução de Riscos de Terremoto, No. 35. Washington, DC: FEMA.

 

Frazier, K. 1979. A Face Violenta da Natureza: Fenômenos Severos e Desastres Naturais. Inundações. Nova York: William Morrow & Co.

 

Fundação Freidrich Naumann. 1987. Riscos Industriais no Trabalho Transnacional: Risco, Equidade e Empoderamento. Nova York: Conselho de Relações Internacionais e Públicas.

 

French, J e K Holt. 1989. Inundações: Consequências de Desastres para a Saúde Pública. Monografia dos Centros de Controle de Doenças. Atlanta: CDC.

 

French, J, R Ing, S Von Allman e R Wood. 1983. Mortality from flash floods: A review of National Weather Service reports, 1969-1981. Public Health Rep 6(novembro/dezembro):584-588.

 

Fuller, M. 1991. Incêndios Florestais. Nova York: John Wiley.

 

Gilsanz, V, J Lopez Alverez, S Serrano e J Simon. 1984. Evolução da síndrome do óleo tóxico alimentar devido à ingestão de óleo de colza desnaturado. Arch Int Med 144:254-256.

 

Glass, RI, RB Craven e DJ Bregman. 1980. Lesões do tornado Wichita Falls: Implicações para a prevenção. Science 207:734-738.

 

Grant, C.C. 1993. O incêndio do triângulo provoca indignação e reforma. NFPA J 87(3):72-82.

 

Grant, CC e TJ Klem. 1994. Incêndio em uma fábrica de brinquedos na Tailândia mata 188 trabalhadores. NFPA J 88(1):42-49.

 

Greene, WAJ. 1954. Fatores psicológicos e doença reticuloendotelial: observações preliminares sobre um grupo de homens com linfoma e leucemia. Psychosom Med:16-20.

 

Grisham, JW. 1986. Health Aspects of the Disposal of Waste Chemicals. Nova York: Pergamon Press.

 

Herbert, P e G Taylor. 1979. Tudo o que você sempre quis saber sobre furacões: Parte 1. Weatherwise (abril).

 

Alto, D, JT Blodgett, EJ Croce, EO Horne, JW McKoan e CS Whelan. 1956. Aspectos médicos do desastre do tornado Worcester. New Engl J Med 254:267-271.

 

Holden, C. 1980. Love Canal residentes sob estresse. Science 208:1242-1244.

 

Homberger, E, G Reggiani, J Sambeth e HK Wipf. 1979. O acidente de Seveso: sua natureza, extensão e consequências. Ann Occup Hyg 22:327-370.

 

Hunter, D. 1978. As Doenças das Ocupações. Londres: Hodder & Stoughton.

 

Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). 1988. Princípios básicos de segurança para usinas nucleares INSAG-3. Safety Series, No. 75. Viena: IAEA.

 

—. 1989a. L'accident radiologique de Goiânia. Viena: AIEA.

 

—. 1989b. Um caso de contaminação por Co-60 em grande escala: México 1984. Em Planejamento de Emergência e Preparação para Acidentes Envolvendo Materiais Radioativos Usados ​​em Medicina, Indústria, Pesquisa e Ensino. Viena: AIEA.

 

—. 1990. Recomendações para o Uso Seguro e Regulamentação de Fontes de Radiação na Indústria, Medicina, Pesquisa e Ensino. Safety Series, No. 102. Viena: IAEA.

 

—. 1991. O Projeto Internacional de Chernobyl. Relatório técnico, avaliação das consequências radiológicas e avaliação das medidas de proteção, relatório de um Comitê Consultivo Internacional. Viena: AIEA.

 

—. 1994. Critérios de Intervenção em Emergência Nuclear ou de Radiação. Safety Series, No. 109. Viena: IAEA.

 

Comissão Internacional de Proteção Radiológica (ICRP). 1991. Anais do ICRP. Publicação ICRP No. 60. Oxford: Pergamon Press.

 

Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRCRCS). 1993. O Relatório Mundial de Desastres. Dordrecht: Martinus Nijhoff.

 

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1988. Controle de Riscos Graves. Um Manual Prático. Genebra: OIT.

 

—. 1991. Prevenção de Acidentes Industriais Graves. Genebra: OIT.

 

—. 1993. Convenção de Prevenção de Acidentes Industriais Graves, 1993 (No. 174). Genebra: OIT.

 

Janerich, DT, AD Stark, P Greenwald, WS Bryant, HI Jacobson e J McCusker. 1981. Aumento da leucemia, linfoma e aborto espontâneo no oeste de Nova York após um desastre. Publ Health Rep 96:350-356.

 

Jeyaratnam, J. 1985. 1984 e saúde ocupacional em países em desenvolvimento. Scand J Work Environ Health 11:229-234.

 

JOVEL, JR. 1991. Los efectos economics y sociales de los desastres naturais en América Latina y el Caribe. Santiago, Chile: Documento apresentado no Primeiro Programa Regional de Capacitação em Gestão de Desastres do PNUD/UNDRO em Bogotá, Colômbia.

 

Kilbourne, EM, JG Rigau-Perez, J Heath CW, MM Zack, H Falk, M Martin-Marcos e A De Carlos. 1983. Epidemiologia clínica da síndrome do óleo tóxico. New Engl J Med 83:1408-1414.

 

Clem, TJ. 1992. 25 morrem em incêndio em fábrica de alimentos. NFPA J 86(1):29-35.

 

Klem, TJ e CC Grant. 1993. Três trabalhadores morrem em incêndio em usina elétrica. NFPA J 87(2):44-47.

 

Krasnyuk, EP, VI Chernyuk e VA Stezhka. 1993. Condições de trabalho e estado de saúde de operadores de máquinas agrícolas em áreas controladas pelo acidente de Chernobyl (em russo). Em resumos Chernobyl and Human Health Conference, 20-22 de abril.

 

Krishna Murti, CR. 1987. Prevenção e controle de acidentes químicos: Problemas dos países em desenvolvimento. In Istituto Superiore Sanita', Organização Mundial da Saúde, Programa Internacional de Segurança Química. Edimburgo: CEP Consultants.

 

Lanceta. 1983. Síndrome do óleo tóxico. 1:1257-1258.

 

LECHAT, MF. 1990. A epidemiologia dos efeitos dos desastres na saúde. Epidemiologia Rev 12:192.

 

Logue, JN. 1972. Efeitos de longo prazo de um grande desastre natural: a inundação do furacão Agnes no Vale Wyoming da Pensilvânia, junho de 1972. Ph.D. Dissertação, Columbia Univ. Escola de Saúde Pública.

 

Logue, JN e HA Hansen. 1980. Um estudo de caso-controle de mulheres hipertensas em uma comunidade pós-desastre: Wyoming Valley, Pensilvânia. J Hum Stress 2:28-34.

 

Logue, JN, ME Melick e H Hansen. 1981. Questões de pesquisa e direções na epidemiologia dos efeitos dos desastres na saúde. Epidemiologia Rev 3:140.

 

Loshchilov, NA, VA Kashparov, YB Yudin, VP Proshchak e VI Yushchenko. 1993. Ingestão de radionuclídeos durante trabalhos agrícolas nas áreas contaminadas por radionuclídeos devido ao acidente de Chernobyl (em russo). Gigiena i sanitarija (Moscou) 7:115-117.

 

Mandlebaum, I, D Nahrwold e DW Boyer. 1966. Gerenciamento de vítimas de tornados. J Trauma 6:353-361.

 

Marrero, J. 1979. Perigo: inundações repentinas — a principal causa de morte nos anos 70. Meteorologia (fevereiro): 34-37.

 

Masuda, Y e H Yoshimura. 1984. Bifenilos policlorados e dibenzofuranos em pacientes com Yusho e seu significado toxicológico: Uma revisão. Am J Ind Med 5:31-44.

 

MELICK, MF. 1976. Aspectos sociais, psicológicos e médicos de doenças relacionadas ao estresse no período de recuperação de um desastre natural. Dissertação, Albany, State Univ. de Nova York.

 

Mogil, M, J Monro e H Groper. 1978. Programas de alerta de enchentes e preparação para desastres do NWS. B Am Meteorol Soc: 59-66.

 

Morrison, AS. 1985. Triagem em Doenças Crônicas. Oxford: OUP.

 

Associação Nacional de Proteção Contra Incêndios (NFPA). 1993. Código Nacional de Alarme de Incêndio. NFPA No. 72. Quincy, Mass: NFPA.

 

—. 1994. Norma para a instalação de sistemas de sprinklers. NFPA No. 13. Quincy, Mass: NFPA.

 

—. 1994. Código de Segurança da Vida. NFPA No. 101. Quincy, Mass: NFPA.

 

—. 1995. Norma para Inspeção, Teste e Manutenção de Sistemas de Proteção contra Incêndio à Base de Água. NFPA No. 25. Quincy, Mass: NFPA.

 

Nenot, JC. 1993. Les surexpositions acidentalelles. CEA, Institut de Protection et de Sûreté Nucléaire. Relatório DPHD/93-04.a, 1993, 3-11.

 

Agência de Energia Nuclear. 1987. O Impacto Radiológico do Acidente de Chernobyl nos Países da OCDE. Paris: Agência de Energia Nuclear.

 

Otake, M e WJ Schull. 1992. Tamanhos de cabeça pequenos relacionados à radiação entre sobreviventes de bombas atômicas expostos no período pré-natal. Série de relatórios técnicos, RERF 6-92.

 

Otake, M, WJ Schull e H Yoshimura. 1989. Uma Revisão dos Danos Relacionados à Radiação nos Sobreviventes da Bomba Atômica Expostos Pré-Natalmente. Série de Revisão de Comentários, RERF CR 4-89.

 

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). 1989. Análise do Programa de Preparação para Emergências e Assistência em Casos de Desastres da OPAS. Documento do Comitê Executivo SPP12/7. Washington, DC: OPAS.

 

—. 1987. Crónicas de desastre: terremoto no México. Washington, DC: OPAS.

 

Parrish, RG, H Falk e JM Melius. 1987. Desastres industriais: Classificação, investigação e prevenção. Em Recent Advances in Occupational Health, editado por JM Harrington. Edimburgo: Churchill Livingstone.

 

Peisert, M comp, RE Cross e LM Riggs. 1984. O Papel do Hospital nos Sistemas de Serviços Médicos de Emergência. Chicago: American Hospital Publishing.

 

Pesatori, AC. 1995. Contaminação por dioxina em Seveso: A tragédia social e o desafio científico. Med Lavoro 86:111-124.

 

Peter, RU, O Braun-Falco e A Birioukov. 1994. Danos cutâneos crônicos após exposição acidental à radiação ionizante: a experiência de Chernobyl. J Am Acad Dermatol 30:719-723.

 

Pocchiari, F, A DiDomenico, V Silano e G Zapponi. 1983. Impacto ambiental da liberação acidental de tetraclorodibenzo-p-dioxina (TCDD) em Seveso. Em Exposição Acidental a Dioxinas: Aspectos da Saúde Humana, editado por F Coulston e F Pocchiari. Nova York: Academic Press.

 

—. 1986. O acidente de Seveso e suas consequências. In Segurando e gerenciando riscos perigosos: de Seveso a Bhopal e além, editado por PR Kleindorfer e HC Kunreuther. Berlim: Springer-Verlag.

 

Rodrigues de Oliveira, A. 1987. Un répertoire descidents radiologiques 1945-1985. Radioproteção 22(2):89-135.

 

Sainani, GS, VR Joshi, PJ Mehta e P Abraham. 1985. Tragédia de Bhopal - Um ano depois. J Assoc Phys India 33:755-756.

 

Salzmann, JJ. 1987. “Schweizerhalle” e suas consequências. Edimburgo: CEP Consultants.

 

Costa, RE. 1992. Questões e evidências epidemiológicas relacionadas ao câncer de tireoide induzido por radiação. Rad Res 131:98-111.

 

Spurzem, JR e JE Lockey. 1984. Síndrome do óleo tóxico. Arch Int Med 144:249-250.

 

Stsjazhko, VA, AF Tsyb, ND Tronko, G Souchkevitch e KF Baverstock. 1995. Câncer de tireoide infantil desde os acidentes em Chernobyl. Brit Med J 310:801.

 

Tachacra, SS. 1987. O desastre de Bhopal. Edimburgo: CEP Consultants.

 

Thierry, D, P Gourmelon, C Parmentier e JC Nenot. 1995. Fatores de crescimento hematopoiéticos no tratamento de aplasia induzida por irradiação terapêutica e acidental. Int J Rad Biol (no prelo).

 

Compreendendo Ciência e Natureza: Tempo e Clima. 1992. Alexandria, Virgínia: Time-Life.

 

Escritório do Coordenador de Alívio em Desastres das Nações Unidas (UNDRO). 1990. Terremoto no Irã. UNDRO News 4 (setembro).

 

Comitê Científico das Nações Unidas sobre os Efeitos da Radiação Atômica (UNSCEAR). 1988. Fontes, Efeitos e Riscos da Radiação Ionizante. Nova York: UNSCEAR.

 

—. 1993. Fontes e Efeitos da Radiação Ionizante. Nova York: UNSCEAR.

 

—. 1994. Fontes e Efeitos da Radiação Ionizante. Nova York: UNSCEAR.

 

Ursano, RJ, BG McCaughey e CS Fullerton. 1994. Respostas Individuais e Comunitárias a Traumas e Desastres: A Estrutura do Caos Humano. Cambridge: Universidade de Cambridge. Imprensa.

 

Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). 1989. União Soviética: Terremoto. Relatório Anual OFDA/AID, FY1989. Arlington, Virgínia: USAID.

 

Walker, P. 1995. Relatório Mundial de Desastres. Genebra: Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

 

Wall Street J. 1993 Incêndio na Tailândia mostra que a região reduz a segurança para aumentar os lucros, 13 de maio.

 

Weiss, B e TW Clarkson. 1986. Desastre químico tóxico e a implicação de Bhopal para transferência de tecnologia. Milbank Q 64:216.

 

Whitlow, J. 1979. Desastres: A Anatomia dos Riscos Ambientais. Atenas, Geórgia: Univ. da Georgia Press.

 

Williams, D, A Pinchera, A Karaoglou e KH Chadwick. 1993. Câncer de tireóide em crianças que vivem perto de Chernobyl. Relatório do painel de especialistas sobre as consequências do acidente de Chernobyl, EUR 15248 EN. Bruxelas: Comissão das Comunidades Europeias (CEC).

 

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1984. Síndrome do óleo tóxico. Intoxicação Alimentar em Massa na Espanha. Copenhague: Escritório Regional da OMS para a Europa.

 

Wyllie, L e M Durkin. 1986. O terremoto do Chile em 3 de março de 1985: vítimas e efeitos no sistema de saúde. Especificação do terremoto 2(2):489-495.

 

Zeballos, JL. 1993a. Los desastres quimicos, capacidade de respuesta de los paises en vias de desarrollo. Washington, DC: Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

 

—. 1993b. Efeitos de desastres naturais na infraestrutura de saúde: lições de uma perspectiva médica. Bull Pan Am Health Organ 27: 389-396.

 

Zerbib, JC. 1993. Les acidentes radiológicos survenus lors d'usages industriels de sources radioactives ou de générateurs électirques de rayonnement. Em Sécurité des sources radioactives scellées et des générateurs électriques de rayonnement. Paris: Société française de radioprotection.