Segunda-feira, 28 fevereiro 2011 19: 19

Eletricidade-Efeitos Fisiológicos

Classifique este artigo
(3 votos)

O estudo dos perigos, eletrofisiologia e prevenção de acidentes elétricos requer a compreensão de vários conceitos técnicos e médicos.

As seguintes definições de termos eletrobiológicos são retiradas do capítulo 891 do Vocabulário Eletrotécnico Internacional (Eletrobiologia) (Comissão Eletrotécnica Internacional) (IEC) (1979).

An choque elétrico é o efeito fisiopatológico decorrente da passagem direta ou indireta de uma corrente elétrica externa pelo corpo. Inclui contatos diretos e indiretos e correntes unipolares e bipolares.

Diz-se que indivíduos - vivos ou falecidos - que sofreram choques elétricos sofreram eletrificação; O termo eletrocussão deve ser reservada para os casos em que ocorre a morte. Queda de raios são choques elétricos fatais resultantes de raios (Gourbiere et al. 1994).

Estatísticas internacionais sobre acidentes elétricos foram compiladas pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), pela União Européia (UE), pela União Internacional de Produtores e Distribuidores de Energia Elétrica (UNIPEDE), a Associação Internacional de Seguridade Social (ISSA) e o Comitê TC64 da Comissão Eletrotécnica Internacional. A interpretação dessas estatísticas é prejudicada por variações nas técnicas de coleta de dados, apólices de seguro e definições de acidentes fatais de país para país. No entanto, as seguintes estimativas da taxa de eletrocussão são possíveis (tabela 1).

Tabela 1. Estimativas da taxa de eletrocussão - 1988

 

Eletrocuções
por milhão de habitantes

Total
mortes

Estados Unidos*

2.9

714

França

2.0

115

Alemanha

1.6

99

Áustria

0.9

11

Japão

0.9

112

Suécia

0.6

13

 

* De acordo com a National Fire Protection Association (Massachusetts, EUA), essas estatísticas dos EUA refletem mais a extensa coleta de dados e os requisitos de relatórios legais do que um ambiente mais perigoso. As estatísticas dos EUA incluem mortes por exposição a sistemas de transmissão de serviços públicos e eletrocussões causadas por produtos de consumo. Em 1988, 290 mortes foram causadas por produtos de consumo (1.2 mortes por milhão de habitantes). Em 1993, a taxa de morte por eletrocussão por todas as causas caiu para 550 (2.1 mortes por milhão de habitantes); 38% eram relacionados a produtos de consumo (0.8 óbitos por milhão de habitantes).

 

O número de eletrocussões está diminuindo lentamente, tanto em termos absolutos quanto, ainda mais impressionantemente, em função do consumo total de eletricidade. Aproximadamente metade dos acidentes elétricos são de origem ocupacional, com a outra metade ocorrendo em casa e durante atividades de lazer. Na França, o número médio de mortes entre 1968 e 1991 foi de 151 mortes por ano, segundo o Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica (INSERMA).

Bases Físicas e Fisiopatológicas da Eletrificação

Os especialistas em eletricidade dividem os contatos elétricos em dois grupos: contatos diretos, envolvendo contato com componentes energizados, e contatos indiretos, envolvendo contatos aterrados. Cada um deles requer medidas preventivas fundamentalmente diferentes.

Do ponto de vista médico, o caminho da corrente através do corpo é o principal determinante prognóstico e terapêutico. Por exemplo, o contato bipolar da boca de uma criança com um plugue de extensão causa queimaduras extremamente graves na boca, mas não a morte se a criança estiver bem isolada do solo.

Em ambientes ocupacionais, onde altas tensões são comuns, também é possível a formação de arco entre um componente ativo que carrega uma alta tensão e os trabalhadores que se aproximam muito. Situações de trabalho específicas também podem afetar as consequências de acidentes elétricos: por exemplo, os trabalhadores podem cair ou agir de forma inadequada quando surpreendidos por um choque elétrico relativamente inofensivo.

Os acidentes elétricos podem ser causados ​​por toda a gama de tensões presentes nos locais de trabalho. Cada setor industrial tem seu próprio conjunto de condições capazes de causar contato direto, indireto, unipolar, bipolar, arco ou induzido e, em última análise, acidentes. Embora esteja fora do escopo deste artigo descrever todas as atividades humanas que envolvem eletricidade, é útil lembrar o leitor dos seguintes tipos principais de trabalho elétrico, que foram objeto de diretrizes preventivas internacionais descritas no capítulo sobre prevenção:

  1. atividades envolvendo trabalhos em fios sob tensão (a aplicação de protocolos extremamente rigorosos conseguiu reduzir o número de eletrificações durante este tipo de trabalho)
  2. atividades envolvendo trabalho em fios não alimentados, e
  3. atividades realizadas nas proximidades de fios sob tensão (essas atividades requerem maior atenção, pois muitas vezes são realizadas por pessoas que não são eletricistas).

 

Fisiopatologia

Todas as variáveis ​​da lei de Joule de corrente contínua—

L = V x I x t = IR2t

(o calor produzido por uma corrente elétrica é proporcional à resistência e ao quadrado da corrente) – estão intimamente inter-relacionados. No caso de corrente alternada, o efeito da frequência também deve ser levado em consideração (Folliot 1982).

Os organismos vivos são condutores elétricos. A eletrificação ocorre quando há uma diferença de potencial entre dois pontos do organismo. É importante ressaltar que o perigo de acidentes elétricos não decorre do mero contato com um condutor energizado, mas sim do contato simultâneo com um condutor energizado e outro corpo com potencial diferente.

Os tecidos e órgãos ao longo do trajeto da corrente podem sofrer excitação motora funcional, em alguns casos irreversível, ou sofrer lesões temporárias ou permanentes, geralmente decorrentes de queimaduras. A extensão dessas lesões é função da energia liberada ou da quantidade de eletricidade que passa por elas. O tempo de trânsito da corrente elétrica é, portanto, crítico para determinar o grau de lesão. (Por exemplo, enguias e raias elétricas produzem descargas extremamente desagradáveis, capazes de induzir a perda de consciência. No entanto, apesar de uma tensão de 600V, uma corrente de aproximadamente 1A e uma resistência sujeita de aproximadamente 600 ohms, esses peixes são incapazes de induzir uma choque letal, pois a duração da descarga é muito breve, da ordem de dezenas de microssegundos.) Assim, em altas tensões (>1,000V), a morte é muitas vezes devida à extensão das queimaduras. Em tensões mais baixas, a morte é uma função da quantidade de eletricidade (Q=eu x t), atingindo o coração, determinado pelo tipo, localização e área dos pontos de contato.

As seções a seguir discutem o mecanismo de morte devido a acidentes elétricos, as terapias imediatas mais eficazes e os fatores que determinam a gravidade da lesão - ou seja, resistência, intensidade, voltagem, frequência e forma de onda.

Causas de Morte em Acidentes Elétricos na Indústria

Em casos raros, a asfixia pode ser a causa da morte. Isso pode resultar de tétano prolongado do diafragma, inibição dos centros respiratórios em casos de contato com a cabeça ou densidades de corrente muito altas, por exemplo, como resultado de raios (Gourbiere et al. 1994). Se o atendimento puder ser prestado em três minutos, a vítima pode ser reanimada com algumas baforadas de respiração boca-a-boca.

Por outro lado, o colapso circulatório periférico secundário à fibrilação ventricular continua sendo a principal causa de morte. Isso invariavelmente se desenvolve na ausência de massagem cardíaca aplicada simultaneamente com a respiração boca-a-boca. Essas intervenções, que deveriam ser ensinadas a todos os eletricistas, devem ser mantidas até a chegada do socorro médico de emergência, que quase sempre leva mais de três minutos. Muitos eletropatologistas e engenheiros em todo o mundo estudaram as causas da fibrilação ventricular, a fim de projetar melhores medidas de proteção passiva ou ativa (International Electrotechnical Commission 1987; 1994). A dessincronização aleatória do miocárdio requer uma corrente elétrica sustentada de frequência, intensidade e tempo de trânsito específicos. Mais importante ainda, o sinal elétrico deve chegar ao miocárdio durante o chamado Fase vulnerável do ciclo cardíaco, correspondendo ao início da onda T do eletrocardiograma.

A Comissão Eletrotécnica Internacional (1987; 1994) produziu curvas que descrevem o efeito da intensidade da corrente e do tempo de trânsito na probabilidade (expressa em porcentagens) de fibrilação e no caminho da corrente mão-pé em um homem de 70 kg com boa saúde. Essas ferramentas são apropriadas para correntes industriais na faixa de frequência de 15 a 100 Hz, com frequências mais altas atualmente em estudo. Para tempos de trânsito inferiores a 10 ms, a área sob a curva do sinal elétrico é uma aproximação razoável da energia elétrica.

Papel de vários parâmetros elétricos

Cada um dos parâmetros elétricos (corrente, voltagem, resistência, tempo, frequência) e forma de onda são determinantes importantes da lesão, tanto por si só quanto em virtude de sua interação.

Limites de corrente foram estabelecidos para corrente alternada, bem como para outras condições definidas acima. A intensidade da corrente durante a eletrificação é desconhecida, pois é função da resistência do tecido no momento do contato (I = V/R), mas geralmente é perceptível em níveis de aproximadamente 1 mA. Correntes relativamente baixas podem causar contrações musculares que podem impedir a vítima de soltar um objeto energizado. O limite desta corrente é uma função da condensação, área de contato, pressão de contato e variações individuais. Praticamente todos os homens e quase todas as mulheres e crianças podem liberar correntes de até 6 mA. A 10 mA foi observado que 98.5% dos homens e 60% das mulheres e 7.5% das crianças podem soltar. Apenas 7.5% dos homens e nenhuma mulher ou criança pode liberar a 20mA. Ninguém pode deixar ir em 30mA e superior.

Correntes de aproximadamente 25 mA podem causar tétano no diafragma, o músculo respiratório mais potente. Se o contato for mantido por três minutos, também pode ocorrer parada cardíaca.

A fibrilação ventricular torna-se um perigo em níveis de aproximadamente 45 mA, com uma probabilidade em adultos de 5% após um contato de 5 segundos. Durante a cirurgia cardíaca, reconhecidamente uma condição especial, uma corrente de 20 a 100 × 10-6A aplicada diretamente no miocárdio é suficiente para induzir a fibrilação. Essa sensibilidade miocárdica é a razão de padrões rígidos aplicados a dispositivos eletromédicos.

Todas as outras coisas (V, R, frequência) sendo iguais, os limiares de corrente também dependem da forma de onda, espécie animal, peso, direção da corrente no coração, proporção do tempo de trânsito atual para o ciclo cardíaco, ponto no ciclo cardíaco em que a corrente chega e fatores individuais.

A voltagem envolvida em acidentes é geralmente conhecida. Nos casos de contato direto, a fibrilação ventricular e a gravidade das queimaduras são diretamente proporcionais à voltagem, pois

V = IR e W = V x I x t

Queimaduras decorrentes de choque elétrico de alta voltagem estão associadas a muitas complicações, apenas algumas das quais são previsíveis. Assim, as vítimas de acidentes devem ser atendidas por especialistas experientes. A liberação de calor ocorre principalmente nos músculos e nos feixes neurovasculares. O vazamento de plasma após dano tecidual causa choque, em alguns casos rápido e intenso. Para uma determinada área de superfície, as queimaduras eletrotérmicas – causadas por uma corrente elétrica – são sempre mais graves do que outros tipos de queimaduras. As queimaduras eletrotérmicas são externas e internas e, embora isso possa não ser inicialmente aparente, podem induzir danos vasculares com sérios efeitos secundários. Estes incluem estenoses internas e trombos que, em virtude da necrose que induzem, muitas vezes necessitam de amputação.

A destruição tecidual também é responsável pela liberação de cromoproteínas como a mioglobina. Essa liberação também é observada em vítimas de lesões por esmagamento, embora a extensão da liberação seja notável em vítimas de queimaduras por alta voltagem. Acredita-se que a precipitação de mioglobina nos túbulos renais, secundária à acidose provocada por anóxia e hipercalemia, seja a causa da anúria. Esta teoria, confirmada experimentalmente, mas não universalmente aceita, é a base para recomendações para terapia de alcalinização imediata. A alcalinização intravenosa, que também corrige a hipovolemia e a acidose secundária à morte celular, é a prática recomendada.

No caso de contatos indiretos, a tensão de contato (V) e o limite de tensão convencional também deve ser levado em consideração.

A tensão de contato é a tensão à qual uma pessoa é submetida ao tocar simultaneamente dois condutores entre os quais existe um diferencial de tensão devido a um isolamento defeituoso. A intensidade do fluxo de corrente resultante depende das resistências do corpo humano e do circuito externo. Esta corrente não deve subir acima dos níveis seguros, o que significa que ela deve estar de acordo com as curvas tempo-corrente seguras. A tensão de contato mais alta que pode ser tolerada indefinidamente sem induzir efeitos eletropatológicos é chamada de limite de tensão convencional ou, mais intuitivamente, o tensão de segurança.

O valor real da resistência durante acidentes elétricos é desconhecido. Variações em resistências em série – por exemplo, roupas e sapatos – explicam muito da variação observada nos efeitos de acidentes elétricos ostensivamente semelhantes, mas exercem pouca influência no resultado de acidentes envolvendo contatos bipolares e eletrificações de alta tensão. Nos casos envolvendo corrente alternada, o efeito de fenômenos capacitivos e indutivos deve ser adicionado ao cálculo padrão baseado em tensão e corrente (R=V/I).

A resistência do corpo humano é a soma da resistência da pele (R) nos dois pontos de contato e a resistência interna do corpo (R). A resistência da pele varia com os fatores ambientais e, conforme observado por Biegelmeir (International Electrotechnical Commission 1987; 1994), é parcialmente uma função da tensão de contato. Outros fatores como pressão, área de contato, estado da pele no ponto de contato e fatores individuais também influenciam a resistência. Portanto, não é realista tentar basear medidas preventivas em estimativas de resistência da pele. A prevenção deve, ao contrário, basear-se na adaptação de equipamentos e procedimentos aos seres humanos, e não o contrário. Para simplificar, o IEC definiu quatro tipos de ambiente – seco, úmido, úmido e de imersão – e definiu parâmetros úteis para o planejamento das atividades de prevenção em cada caso.

A frequência do sinal elétrico responsável por acidentes elétricos é geralmente conhecida. Na Europa é quase sempre 50 Hz e nas Américas é geralmente 60 Hz. Em casos raros envolvendo ferrovias em países como Alemanha, Áustria e Suíça, pode ser 16 2/3 Hz, frequência que teoricamente representa maior risco de tetanização e de fibrilação ventricular. Deve-se lembrar que a fibrilação não é uma reação muscular, mas é causada por estimulação repetitiva, com sensibilidade máxima em aproximadamente 10 Hz. Isso explica porque, para uma determinada tensão, a corrente alternada de frequência extremamente baixa é considerada três a cinco vezes mais perigosa do que a corrente contínua no que diz respeito a outros efeitos além das queimaduras.

Os limites descritos anteriormente são diretamente proporcionais à frequência da corrente. Assim, em 10 kHz, o limiar de detecção é dez vezes maior. A IEC está estudando as curvas revisadas de risco de fibrilação para frequências acima de 1,000 Hz (International Electrotechnical Commission 1994).

Acima de uma certa frequência, as leis físicas que regem a penetração da corrente no corpo mudam completamente. Os efeitos térmicos relacionados à quantidade de energia liberada tornam-se o principal efeito, já que os fenômenos capacitivos e indutivos passam a predominar.

A forma de onda do sinal elétrico responsável por um acidente elétrico é geralmente conhecida. Pode ser um determinante importante de lesões em acidentes envolvendo contato com capacitores ou semicondutores.

Estudo Clínico de Choque Elétrico

Classicamente, as eletrificações são divididas em incidentes de baixa tensão (50 a 1,000 V) e alta (>1,000 V).

A baixa tensão é um perigo familiar, na verdade onipresente, e choques devido a ela são encontrados em ambientes domésticos, de lazer, agrícolas e hospitalares, bem como na indústria.

Ao revisar a gama de choques elétricos de baixa tensão, do mais trivial ao mais grave, devemos começar com o choque elétrico simples. Nesses casos, as vítimas são capazes de se livrar do perigo por conta própria, reter a consciência e manter a ventilação normal. Os efeitos cardíacos limitam-se a taquicardia sinusal simples com ou sem anormalidades eletrocardiográficas menores. Apesar das consequências relativamente menores de tais acidentes, a eletrocardiografia continua sendo uma precaução médica e médico-legal apropriada. A investigação técnica desses incidentes potencialmente graves é indicada como complemento ao exame clínico (Gilet e Choquet 1990).

Vítimas de choque envolvendo choques de contato elétrico um pouco mais fortes e duradouros podem sofrer perturbações ou perda de consciência, mas se recuperam completamente mais ou menos rapidamente; tratamento acelera a recuperação. O exame geralmente revela hipertonias neuromusculares, problemas de ventilação hiper-reflexiva e congestão, a última das quais é frequentemente secundária à obstrução orofaríngea. Os distúrbios cardiovasculares são secundários à hipóxia ou anóxia, ou podem assumir a forma de taquicardia, hipertensão e, em alguns casos, até infarto. Pacientes com essas condições requerem cuidados hospitalares.

As vítimas ocasionais que perdem a consciência em poucos segundos após o contato aparecem pálidas ou cianóticas, param de respirar, têm pulsos quase imperceptíveis e exibem midríase indicativa de lesão cerebral aguda. Embora geralmente devido à fibrilação ventricular, a patogênese precisa dessa aparente morte é, entretanto, irrelevante. O importante é o início rápido de uma terapia bem definida, pois já se sabe há algum tempo que esse quadro clínico nunca leva à morte real. O prognóstico nesses casos de choque elétrico – dos quais a recuperação total é possível – depende da rapidez e qualidade dos primeiros socorros. Estatisticamente, é mais provável que seja administrado por pessoal não médico e, portanto, é indicado o treinamento de todos os eletricistas nas intervenções básicas que provavelmente garantirão a sobrevivência.

Em casos de morte aparente, o tratamento de emergência deve ter prioridade. Em outros casos, porém, deve-se atentar para traumas múltiplos decorrentes de tétano violento, quedas ou projeção da vítima no ar. Uma vez que o perigo imediato de vida foi resolvido, traumas e queimaduras, incluindo aqueles causados ​​por contatos de baixa tensão, devem ser atendidos.

Acidentes envolvendo altas tensões resultam em queimaduras significativas, bem como os efeitos descritos para acidentes de baixa tensão. A conversão de energia elétrica em calor ocorre tanto interna quanto externamente. Em um estudo sobre acidentes elétricos na França feito pelo departamento médico da concessionária de energia EDF-GDF, quase 80% das vítimas sofreram queimaduras. Estes podem ser classificados em quatro grupos:

  1. queimaduras de arco, geralmente envolvendo pele exposta e complicadas em alguns casos por queimaduras de roupas queimadas
  2. queimaduras eletrotérmicas múltiplas, extensas e profundas, causadas por contatos de alta tensão
  3. queimaduras clássicas, causadas pela queima de roupas e projeção de matéria em chamas, e
  4. queimaduras mistas, causadas por arco, queima e fluxo de corrente.

 

O acompanhamento e exames complementares são realizados conforme a necessidade, de acordo com as particularidades do acidente. A estratégia utilizada para estabelecer um prognóstico ou para fins médico-legais é naturalmente determinada pela natureza das complicações observadas ou esperadas. Em eletrificações de alta voltagem (Folliot 1982) e relâmpagos (Gourbiere et al. 1994), a enzimologia e a análise de cromoproteínas e parâmetros de coagulação sanguínea são obrigatórias.

O curso da recuperação do trauma elétrico pode ser comprometido por complicações precoces ou tardias, principalmente aquelas que envolvem os sistemas cardiovascular, nervoso e renal. Essas complicações por si só são motivo suficiente para hospitalizar vítimas de eletrificação de alta tensão. Algumas complicações podem deixar sequelas funcionais ou estéticas.

Se o caminho da corrente for tal que uma corrente significativa atinja o coração, haverá complicações cardiovasculares. Os mais frequentemente observados e os mais benignos são os distúrbios funcionais, na presença ou ausência de correlatos clínicos. As arritmias - taquicardia sinusal, extra-sístole, flutter e fibrilação atrial (nessa ordem) - são as anormalidades eletrocardiográficas mais comuns e podem deixar sequelas permanentes. Distúrbios de condução são mais raros e difíceis de relacionar a acidentes elétricos na ausência de eletrocardiograma prévio.

Distúrbios mais graves como insuficiência cardíaca, lesão valvular e queimaduras miocárdicas também já foram relatados, mas são raros, mesmo em vítimas de acidentes com alta voltagem. Casos claros de angina e até mesmo infarto também foram relatados.

A lesão vascular periférica pode ser observada na semana seguinte à eletrificação de alta voltagem. Vários mecanismos patogênicos têm sido propostos: espasmo arterial, ação de corrente elétrica nas camadas média e muscular dos vasos e modificação dos parâmetros de coagulação sanguínea.

Uma grande variedade de complicações neurológicas é possível. O primeiro a aparecer é o derrame, independentemente de a vítima ter sofrido inicialmente perda de consciência. A fisiopatologia destas complicações envolve o traumatismo craniano (cuja presença deve ser verificada), o efeito direto da corrente na cabeça ou a modificação do fluxo sanguíneo cerebral e a indução de um edema cerebral tardio. Além disso, as complicações medulares e periféricas secundárias podem ser causadas por trauma ou pela ação direta da corrente elétrica.

Os distúrbios sensoriais envolvem o olho e os sistemas audiovestibular ou coclear. É importante examinar a córnea, o cristalino e o fundo do olho o mais rápido possível e acompanhar as vítimas de arco e contato direto com a cabeça quanto a efeitos tardios. A catarata pode se desenvolver após um período sem sintomas de intervenção de vários meses. Distúrbios vestibulares e perda auditiva são causados ​​principalmente por efeitos de explosão e, em vítimas de raios transmitidos por linhas telefônicas, a trauma elétrico (Gourbiere et al. 1994).

Melhorias nas práticas de emergência móvel reduziram muito a frequência de complicações renais, especialmente oligoanúria, em vítimas de eletrificação de alta voltagem. A reidratação precoce e cuidadosa e a alcalinização intravenosa são o tratamento de escolha em vítimas de queimaduras graves. Foram relatados alguns casos de albuminúria e hematúria microscópica persistente.

Retratos Clínicos e Problemas Diagnósticos

O quadro clínico do choque elétrico é complicado pela variedade de aplicações industriais da eletricidade e pela crescente frequência e variedade de aplicações médicas da eletricidade. Durante muito tempo, no entanto, os acidentes elétricos foram causados ​​apenas por raios (Gourbiere et al. 1994). Os raios podem envolver quantidades notáveis ​​de eletricidade: uma em cada três vítimas de raios morre. Os efeitos de um raio - queimaduras e morte aparente - são comparáveis ​​aos resultantes da eletricidade industrial e são atribuíveis a choque elétrico, transformação de energia elétrica em calor, efeitos de explosão e propriedades elétricas do raio.

Os relâmpagos são três vezes mais prevalentes em homens do que em mulheres. Isso reflete padrões de trabalho com diferentes riscos de exposição a raios.

Queimaduras decorrentes do contato com superfícies metálicas aterradas de bisturis elétricos são os efeitos mais comuns observados em vítimas de eletrificação iatrogênica. A magnitude das correntes de fuga aceitáveis ​​em dispositivos eletromédicos varia de um dispositivo para outro. No mínimo, as especificações do fabricante e as recomendações de uso devem ser seguidas.

Para concluir esta seção, gostaríamos de discutir o caso especial de choque elétrico envolvendo mulheres grávidas. Isso pode causar a morte da mulher, do feto ou de ambos. Em um caso notável, um feto vivo foi entregue com sucesso por cesariana 15 minutos depois que sua mãe morreu como resultado de eletrocussão por um choque de 220 V (Folliot 1982).

Os mecanismos fisiopatológicos do aborto causado por choque elétrico requerem mais estudos. É causada por distúrbios de condução no tubo cardíaco embrionário submetido a um gradiente de voltagem ou por ruptura da placenta secundária à vasoconstrição?

A ocorrência de acidentes elétricos como este felizmente raro é mais um motivo para exigir a notificação de todos os casos de lesões decorrentes da eletricidade.

Diagnóstico Positivo e Médico-Legal

As circunstâncias em que ocorre o choque elétrico são geralmente suficientemente claras para permitir um diagnóstico etiológico inequívoco. No entanto, este não é invariavelmente o caso, mesmo em ambientes industriais.

O diagnóstico de falha circulatória após choque elétrico é extremamente importante, uma vez que exige que os espectadores iniciem os primeiros socorros imediatos e básicos assim que a corrente for desligada. A parada respiratória na ausência de pulso é uma indicação absoluta para o início da massagem cardíaca e da respiração boca a boca. Anteriormente, só eram realizadas na presença de midríase (dilatação das pupilas), sinal diagnóstico de lesão cerebral aguda. A prática atual é, no entanto, iniciar essas intervenções assim que o pulso não for mais detectável.

Como a perda de consciência por fibrilação ventricular pode demorar alguns segundos para se desenvolver, as vítimas podem conseguir se distanciar do equipamento responsável pelo acidente. Isso pode ter alguma importância médico-legal - por exemplo, quando uma vítima de acidente é encontrada a vários metros de um gabinete elétrico ou outra fonte de tensão sem vestígios de lesão elétrica.

Nunca é demais enfatizar que a ausência de queimaduras elétricas não exclui a possibilidade de eletrocussão. Se a autópsia de indivíduos encontrados em ambientes elétricos ou perto de equipamentos capazes de desenvolver voltagens perigosas não revelar lesões Jelinek visíveis e nenhum sinal aparente de morte, a eletrocussão deve ser considerada.

Se o corpo for encontrado ao ar livre, chega-se ao diagnóstico de queda de raio pelo processo de eliminação. Sinais de queda de raio devem ser procurados em um raio de 50 metros do corpo. O Museu de Eletropatologia de Viena oferece uma exposição impressionante de tais sinais, incluindo vegetação carbonizada e areia vitrificada. Objetos de metal usados ​​pela vítima podem ser derretidos.

Embora o suicídio por meios elétricos permaneça felizmente raro na indústria, a morte por negligência contributiva continua sendo uma triste realidade. Isto é particularmente verdadeiro em locais fora do padrão, especialmente aqueles que envolvem a instalação e operação de instalações elétricas provisórias em condições exigentes.

Os acidentes elétricos não devem mais ocorrer, dada a disponibilidade de medidas preventivas eficazes descritas no artigo “Prevenção e Normas”.

 

Voltar

Leia 11416 vezes Última modificação em terça-feira, 26 de julho de 2022 21:14
Mais nesta categoria: Eletricidade estática "

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de Eletricidade

Instituto Nacional de Padrões Americano (ANSI). 1990. Código Nacional de Segurança Elétrica: ANSI C2. Nova York: ANSI.

Andreoni, D e R Castagna. 1983. L'Ingegnere e la Sicurezza. Vol. 2. Roma: Edizioni Scientifiche.

FED-GDF. 1991. Carnet de Prescriptions au Personnel — Prevenção de riscos elétricos.

ENEL Spa. 1994. Disposições para a prevenção dos riscos elétricos.

Norma Europeia (1994a). Operação de Instalações Elétricas. Projeto final EN 50110-1.

Padrão Europeu (1994b). Funcionamento de Instalações Eléctricas (Anexos Nacionais.) Projecto Final EN 50110-2.

Comunidade Econômica Européia (CEE). 1989. Diretiva do Conselho de 12 de junho de 1989 sobre a introdução de medidas para incentivar melhorias na segurança e saúde dos trabalhadores no trabalho. Documento nº 89/391/EEC. Luxemburgo: CEE.

Folliot, D. 1982. Les acidentes d'origine électrique, leur prevenção. Coleção monographie de médecine du travail. Paris: Edições Masson.

Gilet, JC e R Choquet. 1990. La Sécurité électrique: Técnicas de prevenção. Grenoble, França: Société Alpine de Publication.

Gourbiere, E, J Lambrozo, D Folliot e C Gary. 1994. Complications et sequelles descidents dus à la foudre. Rev Gén Electr 6 (4 de junho).

Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC). 1979. Eletrobiologia. Indivíduo. 891 no Índice Geral de Vocabulário Eletrotécnico Internacional. Genebra: CEI.

—. 1987. Effets du Courant Passant par le Corps humain: Deuxième partie. IEC 479-2. Genebra: CEI.

—. 1994. Effets du Courant Passant par le Corps humain: Première partie. Genebra: CEI.

Kane, JW e MM Sternheim. 1980. Física Biomédica. Roma: EMSI.

Lee, RC, M Capelli-Schellpfeffer e KM Kelly. 1994. Lesão elétrica: Uma abordagem multidisciplinar para terapia, prevenção e reabilitação. Ann NY Acad Sci 720.

Lee, RC, EG Cravalho, and JF Burke. 1992. Trauma elétrico. Cambridge: Universidade de Cambridge. Imprensa.

Winckler, R. 1994. Padronização Eletrotécnica na Europa: Uma Ferramenta para o Mercado Interno. Bruxelas: CENELEC.