Terça-feira, 22 Março 2011 20: 34

Índices e Padrões de Frio

Classifique este artigo
(Voto 1)

Estresse por frio é definido como uma carga térmica no corpo sob a qual perdas de calor maiores do que o normal são antecipadas e ações termorreguladoras compensatórias são necessárias para manter o corpo termicamente neutro. As perdas normais de calor, portanto, referem-se ao que as pessoas normalmente experimentam em condições de vida em ambientes fechados (temperatura do ar de 20 a 25ºC).

Em contraste com as condições de calor, roupas e atividade são fatores positivos no sentido de que mais roupas reduzem a perda de calor e mais atividade significa maior produção interna de calor e maior potencial para equilibrar a perda de calor. Assim, os métodos de avaliação se concentram na determinação da proteção necessária (vestuário) em determinados níveis de atividade, níveis de atividade necessários para determinada proteção ou valores de “temperatura” para determinadas combinações dos dois (Burton e Edholm 1955; Holmér 1988; Parsons 1993).

É importante reconhecer, no entanto, que há limites quanto à quantidade de roupas que podem ser usadas e quanto alto nível de atividade pode ser mantido por longos períodos de tempo. Roupas de proteção contra o frio tendem a ser volumosas e atrapalhar. Mais espaço é necessário para movimento e movimentos. O nível de atividade pode ser determinado pelo ritmo de trabalho, mas deve, preferencialmente, ser controlado pelo indivíduo. Para cada indivíduo existe uma determinada taxa máxima de produção de energia, dependendo da capacidade de trabalho físico, que pode ser sustentada por períodos de tempo prolongados. Assim, a alta capacidade de trabalho físico pode ser vantajosa para exposições extremas e prolongadas.

Este artigo trata de métodos para avaliação e controle do estresse pelo frio. Problemas relacionados a aspectos organizacionais, psicológicos, médicos e ergonômicos são tratados em outra parte.

Trabalho a frio

O trabalho a frio abrange uma variedade de condições naturais e artificiais. A exposição mais extrema ao frio está associada a missões no espaço sideral. No entanto, as condições de trabalho a frio na superfície da terra cobrem uma faixa de temperatura superior a 100ºC (tabela 1). Naturalmente, espera-se que a magnitude e a gravidade do estresse por frio aumentem com a diminuição da temperatura ambiente.

Tabela 1. Temperaturas do ar de vários ambientes ocupacionais frios

–120ºC

Câmara climática para crioterapia humana

–90ºC

Temperatura mais baixa na base polar sul Vostock

–55ºC

Entreposto frigorífico para carne de peixe e produção de produtos congelados e secos

–40ºC

Temperatura “normal” na base polar

–28ºC

Entreposto frigorífico para produtos ultracongelados

+2 a +12ºC

Armazenamento, preparação e transporte de produtos alimentares frescos

–50 a –20ºC

Temperatura média de janeiro no norte do Canadá e na Sibéria

–20 a –10ºC

Temperatura média de janeiro no sul do Canadá, norte da Escandinávia e centro da Rússia

–10 a 0ºC

Temperatura média de janeiro no norte dos EUA, sul da Escandinávia, Europa central, partes do Oriente Médio e Extremo Oriente, centro e norte do Japão

Fonte: Modificado de Holmér 1993.

Está claro na tabela 1 que grandes populações de trabalhadores ao ar livre em muitos países sofrem estresse de frio mais ou menos severo. Além disso, o trabalho em câmara frigorífica ocorre em todas as partes do mundo. Pesquisas em países escandinavos revelam que aproximadamente 10% da população total de trabalhadores consideram o frio um fator de grande aborrecimento no local de trabalho.

Tipos de Estresse por Frio

Os seguintes tipos de estresse por frio podem ser definidos:

    • resfriamento de corpo inteiro
    • resfriamento local, incluindo resfriamento de extremidades, resfriamento convectivo da pele (resfriamento pelo vento), resfriamento condutivo da pele (resfriamento de contato) e resfriamento do trato respiratório.

       

      Muito provavelmente, vários, senão todos, podem estar presentes ao mesmo tempo.

      A avaliação do estresse pelo frio envolve a constatação do risco de um ou mais dos efeitos mencionados. Normalmente, a tabela 2 pode ser usada como uma primeira classificação aproximada. Em geral, o estresse pelo frio aumenta, quanto menor o nível de atividade física e menor a proteção disponível.

      Tabela 2. Classificação esquemática do trabalho a frio

      Temperatura

      Tipo de trabalho

      Tipo de estresse frio

      10 a 20ºC

      Sedentário, trabalho leve, trabalho manual fino

      Resfriamento de todo o corpo, resfriamento de extremidades

      0 a 10ºC

      Sedentário e parado, trabalho leve

      Resfriamento de todo o corpo, resfriamento de extremidades

      –10 a 0ºC

      Trabalho físico leve, manuseio de ferramentas e materiais

      Resfriamento de corpo inteiro, resfriamento de extremidade, resfriamento de contato

      –20 a –10ºC

      Atividade moderada, manuseio de metais e fluidos (gasolina, etc.), condições de vento

      Resfriamento de corpo inteiro, resfriamento de extremidade, resfriamento de contato, resfriamento convectivo

      Abaixo de –20 ºC

      Todos os tipos de trabalho

      Todos os tipos de estresse por frio

       

      As informações fornecidas na tabela devem ser interpretadas como um sinal para ação. Em outras palavras, o tipo específico de estresse por frio deve ser avaliado e controlado, se necessário. Em temperaturas moderadas, prevalecem problemas associados a desconforto e perdas de função devido ao resfriamento local. Em temperaturas mais baixas, o risco iminente de uma lesão pelo frio como sequela dos outros efeitos é o fator importante. Para muitos dos efeitos, ainda não existem relações discretas entre o nível de estresse e o efeito. Não se pode excluir que um determinado problema de resfriado possa persistir também fora da faixa de temperatura indicada na tabela.

      Métodos de avaliação

      Métodos para avaliação de estresse por frio são apresentados no Relatório Técnico ISO 11079 (ISO TR 11079, 1993). Outros padrões relativos à determinação da produção de calor metabólico (ISO 8996, 1988), estimativa das características térmicas da roupa (ISO 9920, 1993) e medições fisiológicas (ISO DIS 9886, 1989c) fornecem informações complementares úteis para a avaliação do estresse pelo frio.

      A Figura 1 descreve as relações entre fatores climáticos, efeito de resfriamento antecipado e método recomendado para avaliação. Mais detalhes sobre métodos e coleta de dados são fornecidos abaixo.

      Figura 1. Avaliação do estresse por frio em relação a fatores climáticos e efeitos de resfriamento.

      HEA110F1

      Resfriamento de todo o corpo

      O risco de resfriamento de todo o corpo é determinado pela análise das condições de equilíbrio do calor corporal. O nível de isolamento da roupa necessário para o equilíbrio térmico em níveis definidos de tensão fisiológica é calculado com uma equação matemática de equilíbrio térmico. O valor de isolamento necessário calculado, IREQ, pode ser considerado como um índice de tensão a frio. O valor indica um nível de proteção (expresso em clo). Quanto maior o valor, maior o risco de desequilíbrio do calor corporal. Os dois níveis de tensão correspondem a um nível baixo (sensação neutra ou de “conforto”) e a um nível alto (sensação de leve frio a frio).

      O uso do IREQ compreende três etapas de avaliação:

        • determinação do IREQ para determinadas condições de exposição
        • comparação do IREQ com o nível de proteção fornecido pela roupa
        • determinação do tempo de exposição se o nível de proteção for de valor menor que o IREQ

             

            A Figura 2 mostra os valores de IREQ para baixa tensão fisiológica (sensação térmica neutra). Os valores são fornecidos para diferentes níveis de atividade.

            Figura 2. Valores de IREQ necessários para manter a tensão fisiológica de baixo nível (sensação térmica neutra) em temperatura variável.

            HEA110F2

            Os métodos para estimar os níveis de atividade são descritos na ISO 7243 (tabela 3).

            Tabela 3. Classificação dos níveis de taxa metabólica

            Aula

            Faixa de taxa metabólica, M

            Valor a ser usado para cálculo da taxa metabólica média

            Exemplos

             

            Relacionado a
            uma unidade de área de superfície da pele (W/m2)

            Para uma área média de superfície da pele
            de 1.8m2
            (W)




            (W / m2)




            (W)

             

            0
            Em repouso

            M≤65

            M≥117

            65

            117

            Em repouso

            1
            Baixo
            taxa metabólica

            65M≤130

            117M≤234

            100

            180

            Sentado à vontade: trabalhos manuais leves (escrever, datilografar, desenhar, costurar, contabilidade); trabalho manual e braçal (pequenas ferramentas de bancada, inspeção, montagem ou triagem de material leve); trabalho de braço e perna (dirigir veículo em condições normais, operar interruptor de pé ou pedais).

            Em pé: broca (pequenas peças); fresadora (pequenas peças); enrolamento da bobina; pequeno enrolamento de armadura; usinagem com ferramentas de baixa potência; caminhada casual (velocidade de até 3.5 km/h).

            2
            Moderado
            taxa metabólica

            130M≤200

            234M≤360

            165

            297

            Trabalho sustentado de mãos e braços (martelar pregos, obturar); trabalho de braço e perna (operação fora de estrada de caminhões, tratores ou equipamentos de construção); trabalho de braço e tronco (trabalho com martelo pneumático, montagem de trator, reboco, manuseio intermitente de material moderadamente pesado, capina, capina, colheita de frutas ou legumes); empurrar ou puxar carrinhos leves ou carrinhos de mão; caminhando a uma velocidade de 3.5 km/h; forjamento.

            3
            Alta
            taxa metabólica

            200M≤260

            360M≤468

            230

            414

            Trabalho intenso de braços e tronco: carregar material pesado; pá; trabalho de marreta; serrar, aplainar ou cinzelar madeira dura; roçada manual; escavação; caminhando a uma velocidade de 5.5 km/h a 7 km/h.

            Empurrar ou puxar carrinhos de mão ou carrinhos de mão muito carregados; lascas fundidas; assentamento de blocos de concreto.

            4
            Muito alto
            taxa metabólica

            M> 260

            M> 468

            290

            522

            Atividade muito intensa em ritmo rápido a máximo; trabalhando com um machado; escavação intensa com pá ou escavação; subir escadas, rampa ou escadote; andar rapidamente com pequenos passos, correr, andar a uma velocidade superior a 7 km/h.

            Fonte: ISO 7243 1989a

            Uma vez determinado o IREQ para determinadas condições, o valor é comparado com o nível de proteção oferecido pela vestimenta. O nível de proteção de um conjunto de roupas é determinado pelo seu valor de isolamento resultante (“clo-value”). Esta propriedade é medida de acordo com o projecto de norma europeia prEN-342 (1992). Também pode ser derivado dos valores básicos de isolamento fornecidos nas tabelas (ISO 9920).

            A Tabela 4 fornece exemplos de valores básicos de isolamento para conjuntos típicos. Os valores devem ser corrigidos para redução presumida causada pelo movimento do corpo e ventilação. Normalmente, nenhuma correção é feita para o nível de repouso. Os valores são reduzidos em 10% para trabalhos leves e em 20% para níveis de atividade mais elevados.

            Tabela 4. Exemplos de valores básicos de isolamento (Icl) De roupas*

            conjunto de roupas

            Icl (m2 °C/W)

            Icl (clo)

            Cuecas, camisa de manga curta, calças justas, meias até a panturrilha, sapatos

            0.08

            0.5

            Cuecas, camisas, justas, calças, meias, sapatos

            0.10

            0.6

            Cuecas, macacão, meias, sapatos

            0.11

            0.7

            Cuecas, camisa, macacão, meias, sapatos

            0.13

            0.8

            Cuecas, camisa, calças, bata, meias, sapatos

            0.14

            0.9

            Cuecas, camiseta, cuecas, camisa, macacão, meias até a panturrilha, sapatos

            0.16

            1.0

            Cuecas, camisola interior, camisa, calças, casaco, colete, meias, sapatos

            0.17

            1.1

            Cuecas, camisa, calças, jaqueta, macacão, meias, sapatos

            0.19

            1.3

            Camisola interior, cuecas, calças isolantes, casaco isolante, meias, sapatos

            0.22

            1.4

            Cuecas, T-shirt, camisa, calças justas, macacões isolantes, meias até a panturrilha, sapatos

            0.23

            1.5

            Cuecas, camisola interior, camisa, calças, casaco, sobretudo, chapéu, luvas, meias, sapatos

            0.25

            1.6

            Cuecas, camisola interior, camisa, calças, casaco, sobretudo, sobrecalças, meias, sapatos

            0.29

            1.9

            Cuecas, camisola interior, camisa, calças, casaco, casaco, sobretudo, meias, sapatos, chapéu, luvas

            0.31

            2.0

            Camisola interior, cuecas, calças isolantes, casaco isolante, sobrecalças, sobretudo, meias, sapatos

            0.34

            2.2

            Camisola interior, cuecas, calças isolantes, casaco isolante, sobrecalças, meias, sapatos, gorro, luvas

            0.40

            2.6

            Camisola interior, cuecas, calças isotérmicas, casaco isotérmico, sobrecalças e parca com forro, meias, sapatos, gorro, luvas

            0.40-0.52

            2.6-3.4

            Sistemas de roupas árticas

            0.46-0.70

            3-4.5

            Sacos de dormir

            0.46-1.1

            3-8

            *O nível de proteção nominal aplica-se apenas a condições estáticas de paralisação do vento (repouso). Os valores devem ser reduzidos com o aumento do nível de atividade.

            Fonte: Modificado de ISO/TR-11079 1993.

            O nível de proteção oferecido pelos melhores sistemas de vestuário disponíveis corresponde a 3 a 4 clo. Quando o sistema de vestimenta disponível não fornece isolamento suficiente, um limite de tempo é calculado para as condições reais. Este limite de tempo depende da diferença entre o isolamento do vestuário necessário e o do vestuário disponível. Uma vez que a proteção total contra o resfriamento não é mais alcançada, o limite de tempo é calculado com base em uma redução antecipada do conteúdo de calor corporal. Da mesma forma, um tempo de recuperação pode ser calculado para restaurar a mesma quantidade de calor.

            A Figura 3 mostra exemplos de limites de tempo para trabalhos leves e moderados com dois níveis de isolamento de roupas. Os prazos para outras combinações podem ser estimados por interpolação. A Figura 4 pode ser usada como diretriz para avaliação do tempo de exposição, quando a melhor roupa de proteção contra o frio estiver disponível.

            Figura 3. Tempos limite para trabalhos leves e moderados com dois níveis de isolamento de roupas.

            HEA110F3

            Figura 4. Valores de IREQ ponderados no tempo para exposição intermitente e contínua ao frio.

            HEA110F4

            Exposições intermitentes normalmente compreendem períodos de trabalho interrompidos por intervalos de aquecimento ou por períodos de trabalho em um ambiente mais quente. Na maioria das condições, ocorre pouca ou nenhuma troca de roupas (principalmente por razões práticas). O IREQ pode então ser determinado para a exposição combinada como uma média ponderada no tempo. O período médio não deve ser superior a uma ou duas horas. Os valores de IREQ ponderados no tempo para alguns tipos de exposição intermitente são apresentados na figura 4.

            Os valores e limites de tempo do IREQ devem ser indicativos e não normativos. Eles se referem à pessoa média. A variação individual em termos de características, requisitos e preferências é grande. Grande parte dessa variação deve ser tratada selecionando conjuntos de roupas com grande flexibilidade em termos, por exemplo, de ajuste do nível de proteção.

             

            Resfriamento de Extremidades

            As extremidades – em particular, os dedos das mãos e dos pés – são suscetíveis ao resfriamento. A menos que a entrada de calor suficiente pelo sangue quente possa ser mantida, a temperatura do tecido cai progressivamente. O fluxo sanguíneo das extremidades é determinado pelas necessidades energéticas (necessárias para a atividade muscular), bem como pelas necessidades termorregulatórias. Quando o equilíbrio térmico de todo o corpo é desafiado, a vasoconstrição periférica ajuda a reduzir as perdas de calor central às custas dos tecidos periféricos. Com alta atividade, mais calor está disponível e o fluxo sanguíneo das extremidades pode ser mais facilmente mantido.

            A proteção oferecida por roupas de mão e calçados em termos de redução de perdas de calor é limitada. Quando a entrada de calor na extremidade é baixa (por exemplo, com repouso ou baixa atividade), o isolamento necessário para manter as mãos e os pés aquecidos é muito grande (van Dilla, Day e Siple 1949). A proteção oferecida pelas luvas e mitenes apenas proporciona retardo na taxa de resfriamento e, consequentemente, tempos mais longos para atingir uma temperatura crítica. Com níveis de atividade mais altos, a proteção aprimorada permite mãos e pés quentes em temperaturas ambientes mais baixas.

            Nenhum método padrão está disponível para avaliação do resfriamento das extremidades. No entanto, a ISO TR 11079 recomenda 24ºC e 15ºC como temperaturas críticas das mãos para níveis de tensão baixo e alto, respectivamente. A temperatura da ponta do dedo pode facilmente ser 5 a 10 °C mais baixa do que a temperatura média da pele da mão ou simplesmente a temperatura do dorso da mão.

            As informações fornecidas na figura 5 são úteis para determinar os tempos de exposição aceitáveis ​​e a proteção necessária. As duas curvas referem-se a condições com e sem vasoconstrição (alto e baixo nível de atividade). Além disso, supõe-se que o isolamento dos dedos seja alto (dois clo) e use roupas adequadas.

            Figura 5. Proteção dos dedos.

            HEA110F5

            Um conjunto semelhante de curvas deve ser aplicado aos dedos dos pés. No entanto, mais clo pode estar disponível para proteção dos pés, resultando em tempos de exposição mais longos. No entanto, segue-se das figuras 3 e 5 que o resfriamento das extremidades provavelmente é mais crítico para o tempo de exposição do que o resfriamento do corpo inteiro.

             

             

             

             

             

             

            A proteção fornecida pelo handwear é avaliada usando métodos descritos na norma europeia EN-511 (1993). O isolamento térmico de todo o handwear é medido com um modelo de mão aquecida eletricamente. Uma velocidade do vento de 4 m/s é usada para simular condições de desgaste realistas. O desempenho é dado em quatro aulas (tabela 5).

            Tabela 5. Classificação da resistência térmica (I) ao resfriamento convectivo de roupas de mão

            Aula

            I (m2 °C/W)

            1

            0.10 ≤ I 0.15

            2

            0.15 ≤ I 0.22

            3

            0.22 ≤ I 0.30

            4

            I ≤ 0.30

            Fonte: Baseado na EN 511 (1993).

            Contato Frio

            O contato entre a mão desprotegida e superfícies frias pode reduzir rapidamente a temperatura da pele e causar lesões por congelamento. Podem surgir problemas com temperaturas de superfície tão altas quanto 15ºC. Em particular, as superfícies metálicas fornecem excelentes propriedades condutoras e podem resfriar rapidamente as áreas de contato com a pele.

            No momento, não existe nenhum método padrão para avaliação geral do resfriamento de contato. As seguintes recomendações podem ser dadas (ACGIH 1990; Chen, Nilsson e Holmér 1994; Enander 1987):

              • O contato prolongado com superfícies metálicas abaixo de 15ºC pode prejudicar a destreza.
              • O contato prolongado com superfícies metálicas abaixo de 7ºC pode causar dormência.
              • O contato prolongado com superfícies metálicas abaixo de 0ºC pode induzir congelamento ou congelamento.
              • O contato breve com superfícies de metal abaixo de –7ºC pode induzir congelamento ou congelamento.
              • Qualquer contato com líquidos em temperatura abaixo de zero deve ser evitado.

                       

                      Outros materiais apresentam uma sequência semelhante de perigos, mas as temperaturas são mais baixas com menos material condutor (plásticos, madeira, espuma).

                      A proteção contra o resfriamento de contato fornecido pelo handwear pode ser determinada usando o padrão europeu EN 511. Quatro classes de desempenho são dadas (tabela 6).

                      Tabela 6. Classificação da resistência térmica de contato de roupas de mão (I)

                      Aula

                      I (m2 °C/W)

                      1

                      0.025 ≤ I 0.05

                      2

                      0.05 ≤ I 0.10

                      3

                      0.10 ≤ I 0.15

                      4

                      I ≤ 0.15

                      Fonte: Baseado na EN 511 (1993).

                      Resfriamento Convectivo da Pele

                      O Wind Chill Index (WCI) representa um método simples e empírico para avaliação do resfriamento da pele desprotegida (rosto) (ISO TR 11079). O método prevê a perda de calor do tecido com base na temperatura do ar e na velocidade do vento.

                      As respostas associadas a diferentes valores de WCI são indicadas na tabela 7.

                      Tabela 7. Índice de sensação térmica (WCI), temperatura de resfriamento equivalente (Teq ) e tempo de congelamento da carne exposta

                      WCI (W/m2)

                      Teq (ºC)

                      Efeito

                      1,200

                      -14

                      Muito frio

                      1,400

                      -22

                      muito frio

                      1,600

                      -30

                      A carne exposta congela

                      1,800

                      -38

                      dentro de 1 hora

                      2,000

                      -45

                      A carne exposta congela

                      2,200

                      -53

                      dentro de 1 minuto

                      2,400

                      -61

                      A carne exposta congela

                      2,600

                      -69

                      dentro de 30 segundos

                       

                      Uma interpretação frequentemente usada de WCI é a temperatura de resfriamento equivalente. Esta temperatura sob condições calmas (1.8 m/s) representa o mesmo valor de WCI que a combinação real de temperatura e vento. A Tabela 8 fornece temperaturas de resfriamento equivalentes para combinações de temperatura do ar e velocidade do vento. A tabela se aplica a pessoas ativas e bem vestidas. Existe um risco quando a temperatura equivalente cai abaixo de –30ºC e a pele pode congelar dentro de 1 a 2 minutos abaixo de –60ºC.

                      Tabela 8. Poder de resfriamento do vento na carne exposta expressa como uma temperatura de resfriamento equivalente em condições quase calmas (velocidade do vento 1.8 m/s)

                      Velocidade do vento (m / s)

                      Leitura real do termômetro (ºC)

                       

                      0

                      -5

                      -10

                      -15

                      -20

                      -25

                      -30

                      -35

                      -40

                      -45

                      -50

                       

                      Temperatura de resfriamento equivalente (ºC)

                      1.8

                      0

                      -5

                      -10

                      -15

                      -20

                      -25

                      -30

                      -35

                      -40

                      -45

                      -50

                      2

                      -1

                      -6

                      -11

                      -16

                      -21

                      -27

                      -32

                      -37

                      -42

                      -47

                      -52

                      3

                      -4

                      -10

                      -15

                      -21

                      -27

                      -32

                      -38

                      -44

                      -49

                      -55

                      -60

                      5

                      -9

                      -15

                      -21

                      -28

                      -34

                      -40

                      -47

                      -53

                      -59

                      -66

                      -72

                      8

                      -13

                      -20

                      -27

                      -34

                      -41

                      -48

                      -55

                      -62

                      -69

                      -76

                      -83

                      11

                      -16

                      -23

                      -31

                      -38

                      -46

                      -53

                      -60

                      -68

                      -75

                      -83

                      -90

                      15

                      -18

                      -26

                      -34

                      -42

                      -49

                      -57

                      -65

                      -73

                      -80

                      -88

                      -96

                      20

                      -20

                      -28

                      -36

                      -44

                      -52

                      -60

                      -68

                      -76

                      -84

                      -92

                      -100

                      Os valores sublinhados representam um risco de congelamento ou congelamento.

                      Resfriamento do Trato Respiratório

                      A inalação de ar frio e seco pode causar problemas para pessoas sensíveis a +10 a 15ºC. As pessoas saudáveis ​​que executam trabalhos leves a moderados não requerem nenhuma proteção particular do trato respiratório até –30ºC. Trabalhos muito pesados ​​durante exposições prolongadas (por exemplo, eventos de resistência atlética) não devem ocorrer em temperaturas abaixo de –20ºC.

                      Recomendações semelhantes se aplicam ao resfriamento do olho. Na prática, o grande desconforto e deficiência visual associados ao resfriamento ocular normalmente exigem o uso de óculos de proteção ou outra proteção muito antes de a exposição se tornar perigosa.

                      Medidas

                      Dependendo do tipo de risco esperado, são necessários diferentes conjuntos de medições (figura 6). Os procedimentos para coleta de dados e precisão das medições dependem do objetivo das medições. Informações pertinentes devem ser obtidas quanto à variação no tempo dos parâmetros climáticos, bem como do nível de atividade e/ou vestimenta. Procedimentos simples de ponderação de tempo devem ser adotados (ISO 7726).

                      Figura 6. A relação entre o risco esperado de estresse por frio e os procedimentos de medição necessários.

                      HEA110F6

                      Medidas preventivas para aliviar o estresse pelo frio

                      Ações e medidas para o controle e redução do estresse pelo frio implicam em uma série de considerações durante as fases de planejamento e preparação dos turnos de trabalho, bem como durante o trabalho, que são tratadas em outras partes deste capítulo e neste Enciclopédia.

                       

                      Voltar

                      Leia 11888 vezes Última modificação em terça-feira, 26 de julho de 2022 21:25

                      " ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

                      Conteúdo

                      Referências de calor e frio

                      ACGIH (Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais). 1990. Valores Limite e Índices de Exposição Biológica para 1989–1990. Nova York: ACGIH.

                      —. 1992. Estresse frio. In Limite de Valores Limite para Agentes Físicos no Ambiente de Trabalho. Nova York: ACGIH.

                      Bedford, T. 1940. Calor ambiental e sua medição. Memorando de Pesquisa Médica nº 17. Londres: Her Majesty's Stationery Office.

                      Belding, HS e TF Hatch. 1955. Índice para avaliar o estresse térmico em termos de tensão fisiológica resultante. Tubulação de aquecimento Ar condicionado 27:129–136.

                      Bittel, JHM. 1987. Débito de calor como um índice de adaptação ao frio em homens. J Appl Physiol 62(4):1627–1634.

                      Bittel, JHM, C Nonotte-Varly, GH Livecchi-Gonnot, GLM Savourey e AM Hanniquet. 1988. Aptidão física e reações termorreguladoras em um ambiente frio em homens. J Appl Physiol 65:1984-1989.

                      Bittel, JHM, GH Livecchi-Gonnot, AM Hanniquet e JL Etienne. 1989. Mudanças térmicas observadas antes e depois da viagem de JL Etienne ao Pólo Norte. Eur J Appl Physiol 58:646–651.

                      Bligh, J e KG Johnson. 1973. Glossário de termos para fisiologia térmica. J Appl Physiol 35(6):941–961.

                      Botford, JH. 1971. Um termômetro de globo úmido para medição de calor ambiental. Am Ind Hyg J 32:1–10.

                      Boutelier, C. 1979. Survie et protection des équipages en caso d'immersion acidentalelle en eau froide. Neuilly-sur-Seine: AGARD AG 211.

                      Brouha, L. 1960. Fisiologia na Indústria. Nova York: Pergamon Press.

                      Burton, AC e OG Edholm. 1955. Homem em um ambiente frio. Londres: Edward Arnold.

                      Chen, F, H Nilsson e RI Holmér. 1994. Respostas de resfriamento da almofada do dedo em contato com uma superfície de alumínio. Am Ind Hyg Assoc J 55(3):218-22.

                      Comité Europeu de Normalização (CEN). 1992. EN 344. Vestuário de protecção contra o frio. Bruxelas: CEN.

                      —. 1993. EN 511. Luvas de proteção contra o frio. Bruxelas: CEN.

                      Comissão das Comunidades Europeias (CEC). 1988. Anais de um seminário sobre índices de estresse térmico. Luxemburgo: CEC, Direcção de Saúde e Segurança.

                      Daanen, HAM. 1993. Deterioração do desempenho manual em condições de frio e vento. AGARD, OTAN, CP-540.

                      Dasler, AR. 1974. Ventilação e stress térmico, em terra e à tona. No Capítulo 3, Manual de Medicina Preventiva Naval. Washington, DC: Departamento da Marinha, Departamento de Medicina e Cirurgia.

                      —. 1977. Estresse térmico, funções de trabalho e limites fisiológicos de exposição ao calor no homem. Em Análise Térmica—Conforto Humano—Ambientes Internos. NBS Special Publication 491. Washington, DC: Departamento de Comércio dos Estados Unidos.

                      Deutsches Institut für Normierung (DIN) 7943-2. 1992. Schlafsacke, Thermophysiologische Prufung. Berlim: DIN.

                      Dubois, D e EF Dubois. 1916. Clinical calorimetry X: Uma fórmula para estimar a área de superfície apropriada se a altura e o peso forem conhecidos. Arch Int Med 17:863–871.

                      Eagan, CJ. 1963. Introdução e terminologia. Fed Proc 22:930–933.

                      Edwards, JSA, DE Roberts e SH Mutter. 1992. Relações para uso em ambiente frio. J Vida Selvagem Med 3:27–47.

                      Enander, A. 1987. Reações sensoriais e desempenho em frio moderado. Tese de doutorado. Solna: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.

                      Fuller, FH e L Brouha. 1966. Novos métodos de engenharia para avaliar o ambiente de trabalho. ASHRAE J 8(1):39–52.

                      Fuller, FH e PE Smith. 1980. A eficácia dos procedimentos de trabalho preventivos em uma oficina quente. Em FN Dukes-Dobos e A Henschel (eds.). Anais de um Workshop NIOSH sobre Padrões de Estresse por Calor Recomendado. Washington DC: publicação DHSS (NIOSH) No. 81-108.

                      —. 1981. Avaliação do estresse térmico em uma oficina quente por medições fisiológicas. Associação Am Ind Hyg J 42:32–37.

                      Gagge, AP, AP Fobelets e LG Berglund. 1986. Um índice preditivo padrão da resposta humana ao ambiente térmico. ASHRAE Trans 92:709–731.

                      Gisolfi, CV e CB Wenger. 1984. Regulação da temperatura durante o exercício: velhos conceitos, novas ideias. Exercise Sport Sci Rev 12:339–372.

                      Givoni, B. 1963. Um novo método para avaliar a exposição ao calor industrial e carga de trabalho máxima permitida. Trabalho submetido ao Congresso Internacional de Biometeorologia em Paris, França, setembro de 1963.

                      —. 1976. Homem, Clima e Arquitectura, 2ª ed. Londres: Ciência Aplicada.

                      Givoni, B e RF Goldman. 1972. Prevendo a resposta da temperatura retal ao trabalho, ambiente e roupas. J Appl Physiol 2(6):812–822.

                      —. 1973. Prevendo a resposta da frequência cardíaca ao trabalho, ambiente e roupas. J Appl Physiol 34(2):201–204.

                      Goldman, RF. 1988. Padrões para exposição humana ao calor. Em Environmental Ergonomics, editado por IB Mekjavic, EW Banister e JB Morrison. Londres: Taylor & Francis.

                      Hales, JRS e DAB Richards. 1987. Estresse térmico. Amsterdã, Nova York: Oxford Excerpta Medica.

                      Hammel, HT. 1963. Resumo de padrões térmicos comparativos no homem. Fed Proc 22:846–847.

                      Havenith, G, R Heus e WA Lotens. 1990. Ventilação do vestuário, resistência ao vapor e índice de permeabilidade: Alterações devido à postura, movimento e vento. Ergonomia 33:989–1005.

                      Hayes. 1988. Em Environmental Ergonomics, editado por IB Mekjavic, EW Banister e JB Morrison. Londres: Taylor & Francis.

                      Holmér, I. 1988. Avaliação do estresse pelo frio em termos de isolamento necessário para roupas - IREQ. Int J Ind Erg 3:159–166.

                      —. 1993. Trabalhe no frio. Revisão de métodos para avaliação do estresse pelo frio. Int Arch Occ Env Health 65:147–155.

                      —. 1994. Estresse frio: Parte 1—Diretrizes para o praticante. Int J Ind Erg 14:1–10.

                      —. 1994. Estresse frio: Parte 2—A base científica (base de conhecimento) para o guia. Int J Ind Erg 14:1–9.

                      Houghton, FC e CP Yagoglou. 1923. Determinando linhas iguais de conforto. J ASHVE 29:165–176.

                      Organização Internacional de Normalização (ISO). 1985. ISO 7726. Ambientes Térmicos—Instrumentos e Métodos para Medir Quantidades Físicas. Genebra: ISO.

                      —. 1989a. ISO 7243. Ambientes Quentes—Estimativa do Estresse Térmico no Trabalhador, Baseado no Índice WBGT (Temperatura Globo de Bulbo Úmido). Genebra: ISO.

                      —. 1989b. ISO 7933. Ambientes quentes — Determinação analítica e interpretação do estresse térmico usando o cálculo da taxa de suor necessária. Genebra: ISO.

                      —. 1989c. ISO DIS 9886. Ergonomia—Avaliação da Deformação Térmica por Medidas Fisiológicas. Genebra: ISO.

                      —. 1990. ISO 8996. Ergonomia—Determinação da Produção de Calor Metabólico. Genebra: ISO.

                      —. 1992. ISO 9886. Avaliação da Deformação Térmica por Medidas Fisiológicas. Genebra: ISO.

                      —. 1993. Avaliação da Influência do Ambiente Térmico usando Escalas de Julgamento Subjetivo. Genebra: ISO.

                      —. 1993. ISO CD 12894. Ergonomia do Ambiente Térmico—Supervisão Médica de Indivíduos Expostos a Ambientes Quentes ou Frios. Genebra: ISO.

                      —. 1993. ISO TR 11079 Avaliação de Ambientes Frios—Determinação do Isolamento de Vestuário Requerido, IREQ. Genebra: ISO. (Relatório técnico)

                      —. 1994. ISO 9920. Ergonomia—Estimativa das características térmicas de um conjunto de roupas. Genebra: ISO.

                      —. 1994. ISO 7730. Ambientes Térmicos Moderados – Determinação dos Índices PMV e PPD e Especificação das Condições de Conforto Térmico. Genebra: ISO.

                      —. 1995. ISO DIS 11933. Ergonomia do Ambiente Térmico. Princípios e Aplicação de Normas Internacionais. Genebra: ISO.

                      Kenneth, W, P Sathasivam, AL Vallerand e TB Graham. 1990. Influência da cafeína nas respostas metabólicas de homens em repouso a 28 e 5C. J Appl Physiol 68(5):1889–1895.

                      Kenney, WL e SR Fowler. 1988. Densidade e produção de glândulas sudoríparas écrinas ativadas por metilcolina em função da idade. J Appl Physiol 65:1082–1086.

                      Kerslake, DMcK. 1972. O Estresse de Ambientes Quentes. Cambridge: Cambridge University Press.

                      LeBlanc, J. 1975. Man in the Cold. Springfield, IL, EUA: Charles C Thomas Publ.

                      Leithead, CA e AR Lind. 1964. Estresse por Calor e Distúrbios da Cabeça. Londres: Cassill.

                      Lindo, AR. 1957. Um critério fisiológico para estabelecer limites ambientais térmicos para o trabalho de todos. J Appl Physiol 18:51–56.

                      Lotens, WA. 1989. O isolamento real de roupas multicamadas. Scand J Work Environ Health 15 Supl. 1:66–75.

                      —. 1993. Transferência de calor de humanos vestindo roupas. Tese, Universidade Técnica. Delft, Holanda. (ISBN 90-6743-231-8).

                      Lotens, WA e G Havenith. 1991. Cálculo de isolamento de roupas e resistência ao vapor. Ergonomia 34:233–254.

                      Maclean, D e D Emslie-Smith. 1977. Hipotermia acidental. Oxford, Londres, Edimburgo, Melbourne: Blackwell Scientific Publication.

                      Macpherson, RK. 1960. Respostas fisiológicas a ambientes quentes. Medical Research Council Special Report Series No. 298. Londres: HMSO.

                      Martineau, L e I Jacob. 1988. Utilização de glicogênio muscular durante a termogênese do tremor em humanos. J Appl Physiol 56:2046–2050.

                      Maughan, RJ. 1991. Perda e reposição de fluidos e eletrólitos no exercício. J Sport Sci 9:117–142.

                      McArdle, B, W Dunham, HE Halling, WSS Ladell, JW Scalt, ML Thomson e JS Weiner. 1947. A previsão dos efeitos fisiológicos de ambientes mornos e quentes. Conselho de Pesquisa Médica Rep 47/391. Londres: RNP.

                      McCullough, EA, BW Jones e PEJ Huck. 1985. Um banco de dados abrangente para estimar o isolamento de roupas. ASHRAE Trans 91:29–47.

                      McCullough, EA, BW Jones e T Tamura. 1989. Um banco de dados para determinar a resistência evaporativa de roupas. ASHRAE Trans 95:316–328.

                      McIntyre, DA. 1980. Climatização Interior. Londres: Applied Science Publishers Ltd.

                      Mekjavic, IB, EW Banister e JB Morrison (eds.). 1988. Ergonomia Ambiental. Filadélfia: Taylor & Francis.

                      Nielsen, B. 1984. Desidratação, reidratação e termorregulação. Em E Jokl e M Hebbelinck (eds.). Medicina e Ciências do Esporte. Basel: S. Karger.

                      —. 1994. Estresse térmico e aclimatação. Ergonomia 37(1):49–58.

                      Nielsen, R, BW Olesen e PO Fanger. 1985. Efeito da atividade física e da velocidade do ar no isolamento térmico do vestuário. Ergonomia 28:1617-1632.

                      Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1972. Exposição ocupacional a ambientes quentes. HSM 72-10269. Washington, DC: Departamento de Educação em Saúde e Bem-Estar dos EUA.

                      —. 1986. Exposição ocupacional a ambientes quentes. Publicação NIOSH No. 86-113. Washington, DC: NIOSH.

                      Nishi, Y e AP Gagge. 1977. Escala de temperatura efetiva usada para ambientes hipo e hiperbáricos. Aviation Space and Envir Med 48:97–107.

                      OLESEN, BW. 1985. Estresse térmico. Em Bruel and Kjaer Technical Review No. 2. Dinamarca: Bruel and Kjaer.

                      Olesen, BW, E Sliwinska, TL Madsen e PO Fanger. 1982. Efeito da postura corporal e da atividade no isolamento térmico da roupa: Medições por um manequim térmico móvel. ASHRAE Trans 88:791–805.

                      Pandolf, KB, BS Cadarette, MN Sawka, AJ Young, RP Francesconi e RR Gonzales. 1988. J Appl Physiol 65(1):65–71.

                      Parsons, KC. 1993. Ambientes Térmicos Humanos. Hampshire, Reino Unido: Taylor & Francis.

                      Reed, HL, D Brice, KMM Shakir, KD Burman, MM D'Alesandro e JT O'Brian. 1990. Diminuição da fração livre de hormônios tireoidianos após residência prolongada na Antártica. J Appl Physiol 69:1467–1472.

                      Rowell, LB. 1983. Aspectos cardiovasculares da termorregulação humana. Circ Res 52:367–379.

                      —. 1986. Regulação da Circulação Humana Durante Estresse Físico. Oxford: OUP.

                      Sato, K e F Sato. 1983. Variações individuais na estrutura e função da glândula sudorípara écrina humana. Am J Physiol 245:R203–R208.

                      Savourey, G, AL Vallerand e J Bittel. 1992. Adaptação geral e local após uma jornada de esqui em um ambiente ártico severo. Eur J Appl Physiol 64:99–105.

                      Savourey, G, JP Caravel, B Barnavol e J Bittel. 1994. Alterações do hormônio tireoidiano em um ambiente de ar frio após aclimatação local ao frio. J Appl Physiol 76(5):1963–1967.

                      Savourey, G, B Barnavol, JP Caravel, C Feuerstein e J Bittel. 1996. Adaptação geral hipotérmica ao frio induzida por aclimatação local ao frio. Eur J Appl Physiol 73:237–244.

                      Vallerand, AL, I Jacob e MF Kavanagh. 1989. Mecanismo de tolerância ao frio aumentada por uma mistura de efedrina/cafeína em humanos. J Appl Physiol 67:438–444.

                      van Dilla, MA, R Day e PA Siple. 1949. Problemas especiais das mãos. Em Physiology of Heat Regulation, editado por R Newburgh. Filadélfia: Saunders.

                      Velar, OD. 1969. Perdas de nutrientes através da transpiração. Oslo: Universitetsforlaget.

                      Vogt, JJ, V Candas, JP Libert e F Daull. 1981. Taxa de suor necessária como um índice de tensão térmica na indústria. Em Bioengineering, Thermal Physiology and Comfort, editado por K Cena e JA Clark. Amsterdã: Elsevier. 99–110.

                      Wang, LCH, SFP Man e AN Bel Castro. 1987. Respostas metabólicas e hormonais na resistência ao frio aumentada pela teofilina em homens. J Appl Physiol 63:589–596.

                      Organização Mundial da Saúde (OMS). 1969. Fatores de saúde envolvidos no trabalho sob condições de estresse térmico. Relatório Técnico 412. Genebra: OMS.

                      Wissler, EH. 1988. Uma revisão de modelos térmicos humanos. Em Environmental Ergonomics, editado por IB Mekjavic, EW Banister e JB Morrison. Londres: Taylor & Francis.

                      Woodcock, AH. 1962. Transferência de umidade em sistemas têxteis. Parte I. Textile Res J 32:628–633.

                      Yaglou, CP e D. Minard. 1957. Controle de baixas de calor em centros de treinamento militar. Am Med Assoc Arch Ind Health 16:302–316 e 405.