Quarta-feira, 09 Março 2011 17: 05

Qualidade do Ar Interior: Introdução

Classifique este artigo
(3 votos)

A ligação entre a utilização de um edifício como local de trabalho ou habitação e o aparecimento, em certos casos, de desconforto e sintomas que podem ser a própria definição de uma doença é um facto incontestável. O principal culpado é a contaminação de vários tipos dentro do edifício, e esta contaminação é geralmente referida como “má qualidade do ar interior”. Os efeitos adversos da má qualidade do ar em espaços fechados atingem um número considerável de pessoas, pois foi demonstrado que os habitantes das cidades passam entre 58 e 78% do seu tempo em um ambiente interno com maior ou menor grau de contaminação. Esses problemas aumentaram com a construção de edifícios projetados para serem mais estanques e que reciclam o ar com uma menor proporção de ar novo do exterior para serem mais eficientes energeticamente. O fato de edifícios que não oferecem ventilação natural apresentarem riscos de exposição a contaminantes é hoje amplamente aceito.

O termo ar interno é geralmente aplicado a ambientes internos não industriais: edifícios de escritórios, edifícios públicos (escolas, hospitais, teatros, restaurantes, etc.) e residências particulares. As concentrações de contaminantes no ar interno dessas estruturas são geralmente da mesma ordem que as comumente encontradas no ar externo, e são muito menores do que as encontradas no ar em instalações industriais, onde padrões relativamente conhecidos são aplicados para avaliar o ar qualidade. Ainda assim, muitos ocupantes de edifícios reclamam da qualidade do ar que respiram, pelo que é necessário investigar a situação. A qualidade do ar interior começou a ser referida como um problema no final dos anos 1960, embora os primeiros estudos só tenham surgido cerca de dez anos mais tarde.

Embora pareça lógico pensar que a boa qualidade do ar se baseia na presença no ar dos componentes necessários em proporções adequadas, na realidade é o utilizador, através da respiração, quem melhor julga a sua qualidade. Isso porque o ar inalado é percebido perfeitamente pelos sentidos, pois o ser humano é sensível aos efeitos olfativos e irritantes de cerca de meio milhão de compostos químicos. Conseqüentemente, se os ocupantes de um edifício estiverem satisfeitos com o ar como um todo, diz-se que ele é de alta qualidade; se eles estão insatisfeitos, é de má qualidade. Isso significa que é possível prever com base em sua composição como o ar será percebido? Sim, mas apenas em parte. Este método funciona bem em ambientes industriais, onde os compostos químicos específicos relacionados à produção são conhecidos, e suas concentrações no ar são medidas e comparadas com valores limite. Mas em edifícios não industriais onde pode haver milhares de substâncias químicas no ar, mas em concentrações tão baixas que são, talvez, milhares de vezes menores do que os limites estabelecidos para ambientes industriais, a situação é diferente. Na maioria desses casos, as informações sobre a composição química do ar interno não permitem prever como o ar será percebido, pois o efeito combinado de milhares desses contaminantes, juntamente com a temperatura e a umidade, pode produzir um ar percebido como irritante , sujo ou obsoleto - isto é, de má qualidade. A situação é comparável ao que ocorre com a composição detalhada de um alimento e seu sabor: a análise química é inadequada para prever se o alimento terá um sabor bom ou ruim. Por esta razão, quando se planeja um sistema de ventilação e sua manutenção regular, raramente é necessária uma análise química exaustiva do ar interno.

Outro ponto de vista é que as pessoas são consideradas as únicas fontes de contaminação do ar interior. Isso certamente seria verdade se estivéssemos lidando com materiais de construção, móveis e sistemas de ventilação como eram usados ​​há 50 anos, quando predominavam o tijolo, a madeira e o aço. Mas com materiais modernos a situação mudou. Todos os materiais contaminam, uns pouco e outros muito, e juntos contribuem para a deterioração da qualidade do ar interior.

As alterações na saúde de uma pessoa devido à má qualidade do ar interior podem manifestar-se como uma vasta gama de sintomas agudos e crónicos e sob a forma de várias doenças específicas. Estes são ilustrados na figura 1. Embora a má qualidade do ar interior resulte em doença totalmente desenvolvida em apenas alguns casos, pode dar origem a mal-estar, stress, absentismo e perda de produtividade (com aumentos concomitantes nos custos de produção); e alegações sobre problemas relacionados ao prédio podem evoluir rapidamente para conflitos entre os ocupantes, seus empregadores e os proprietários dos prédios.

Figura 1. Sintomas e doenças relacionadas com a qualidade do ar interior.

AIR010T1

Normalmente é difícil estabelecer com precisão até que ponto a má qualidade do ar interior pode prejudicar a saúde, uma vez que não há informações suficientes sobre a relação entre exposição e efeito nas concentrações em que os contaminantes geralmente são encontrados. Portanto, há uma necessidade de obter informações obtidas em altas doses – como com exposições em ambientes industriais – e extrapolar para doses muito mais baixas com uma margem de erro correspondente. Além disso, para muitos contaminantes presentes no ar, os efeitos da exposição aguda são bem conhecidos, ao passo que existem lacunas consideráveis ​​nos dados relativos a exposições de longo prazo em baixas concentrações e misturas de diferentes contaminantes. Os conceitos de nível sem efeito (NOEL), efeito nocivo e efeito tolerável, já confusos até na esfera da toxicologia industrial, são aqui ainda mais difíceis de definir. Existem poucos estudos conclusivos sobre o assunto, seja em prédios e escritórios públicos ou em residências particulares.

Existe uma série de padrões para a qualidade do ar externo e são usados ​​para proteger a população em geral. Eles foram obtidos medindo os efeitos adversos à saúde resultantes da exposição a contaminantes no meio ambiente. Esses padrões são, portanto, úteis como diretrizes gerais para uma qualidade aceitável do ar interno, como é o caso dos propostos pela Organização Mundial da Saúde. Critérios técnicos, como o valor-limite da Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH) nos Estados Unidos e os valores-limite legalmente estabelecidos para ambientes industriais em diferentes países, foram estabelecidos para a população trabalhadora adulta e para períodos específicos de exposição , e não pode, portanto, ser aplicado diretamente à população em geral. A American Society of Heating, Refrigeration and Air Conditioning Engineers (ASHRAE) nos Estados Unidos desenvolveu uma série de normas e recomendações que são amplamente utilizadas na avaliação da qualidade do ar interior.

Outro aspecto que deve ser considerado como parte da qualidade do ar interno é o seu cheiro, pois muitas vezes o cheiro é o parâmetro que acaba sendo o fator determinante. A combinação de um determinado cheiro com o leve efeito irritante de um composto no ar interno pode nos levar a definir sua qualidade como “fresco” e “limpo” ou como “velho” e “poluído”. O cheiro é, portanto, muito importante ao definir a qualidade do ar interior. Embora os odores dependam objetivamente da presença de compostos em quantidades acima de seus limiares olfativos, eles são frequentemente avaliados de um ponto de vista estritamente subjetivo. Também deve-se ter em mente que a percepção de um odor pode resultar dos cheiros de muitos compostos diferentes e que a temperatura e a umidade também podem afetar suas características. Do ponto de vista da percepção, existem quatro características que permitem definir e medir os odores: intensidade, qualidade, tolerabilidade e limiar. Ao considerar o ar interno, no entanto, é muito difícil “medir” os odores do ponto de vista químico. Por isso a tendência é eliminar os odores “ruins” e utilizar, em seu lugar, os considerados bons para dar uma qualidade agradável ao ar. A tentativa de mascarar odores ruins com bons geralmente acaba em fracasso, pois odores de qualidades muito diferentes podem ser reconhecidos separadamente e levar a resultados imprevisíveis.

Um fenômeno conhecido como síndrome do edifício doente Ocorre quando mais de 20% dos ocupantes de um edifício reclamam da qualidade do ar ou apresentam sintomas definidos. É evidenciado por uma variedade de problemas físicos e ambientais associados a ambientes internos não industriais. As características mais comuns observadas nos casos de síndrome do edifício doente são as seguintes: os afetados queixam-se de sintomas inespecíficos semelhantes ao resfriado comum ou doenças respiratórias; os edifícios são eficientes em termos de conservação de energia e são de design e construção modernos ou recentemente remodelados com novos materiais; e os ocupantes não podem controlar a temperatura, umidade e iluminação do local de trabalho. A distribuição percentual estimada das causas mais comuns da síndrome do edifício doente são: ventilação inadequada por falta de manutenção; má distribuição e entrada insuficiente de ar fresco (50 a 52%); contaminação gerada em ambientes fechados, incluindo máquinas de escritório, fumaça de tabaco e produtos de limpeza (17 a 19%); contaminação do exterior do edifício devido à colocação inadequada de entradas e saídas de ar (11%); contaminação microbiológica por água estagnada nos dutos do sistema de ventilação, umidificadores e torres de refrigeração (5%); e formaldeído e outros compostos orgânicos emitidos por materiais de construção e decoração (3 a 4%). Assim, a ventilação é citada como importante fator contributivo na maioria dos casos.

Outra questão de natureza diferente é a das doenças relacionadas com edifícios, que são menos frequentes, mas muitas vezes mais graves, e são acompanhadas por sinais clínicos muito definidos e exames laboratoriais claros. Exemplos de doenças relacionadas a edifícios são pneumonite de hipersensibilidade, febre do umidificador, legionelose e febre de Pontiac. Uma opinião bastante geral entre os investigadores é que essas condições devem ser consideradas separadamente da síndrome do edifício doente.

Estudos têm sido feitos para determinar as causas dos problemas de qualidade do ar e suas possíveis soluções. Nos últimos anos, o conhecimento dos contaminantes presentes no ar interior e dos fatores que contribuem para a diminuição da qualidade do ar interior aumentou consideravelmente, embora haja um longo caminho a percorrer. Estudos realizados nos últimos 20 anos mostraram que a presença de contaminantes em muitos ambientes internos é maior do que o previsto e, além disso, foram identificados contaminantes diferentes daqueles existentes no ar externo. Isso contradiz a suposição de que ambientes internos sem atividade industrial são relativamente livres de contaminantes e que, no pior dos casos, podem refletir a composição do ar externo. Contaminantes como radônio e formaldeído são identificados quase exclusivamente no ambiente interno.

A qualidade do ar interior, incluindo o das habitações, tornou-se uma questão de saúde ambiental, à semelhança do que aconteceu com o controlo da qualidade do ar exterior e da exposição laboral. Embora, como já referido, uma pessoa urbana passe 58 a 78% do seu tempo dentro de casa, recorde-se que as pessoas mais susceptíveis, nomeadamente os idosos, as crianças pequenas e os doentes, são as que passam a maior parte do tempo dentro de casa. Este assunto começou a ser particularmente atual a partir de cerca de 1973, quando, devido à crise energética, os esforços direcionados à conservação de energia se concentraram em reduzir ao máximo a entrada de ar externo nos espaços internos, a fim de minimizar os custos de aquecimento e resfriamento. edifícios. Embora nem todos os problemas relativos à qualidade do ar interior sejam fruto de ações de poupança de energia, é um facto que à medida que esta política se alastrou, as reclamações sobre a qualidade do ar interior começaram a aumentar e todos os problemas apareceram.

Outro item que requer atenção é a presença de micro-organismos no ar interno que podem causar problemas tanto de natureza infecciosa quanto alérgica. Não se deve esquecer que os microrganismos são um componente normal e essencial dos ecossistemas. Por exemplo, bactérias e fungos saprófitos, que obtêm sua nutrição de matéria orgânica morta no ambiente, são encontrados normalmente no solo e na atmosfera, e sua presença também pode ser detectada em ambientes fechados. Nos últimos anos, os problemas de contaminação biológica em ambientes internos receberam atenção considerável.

O surto da doença do legionário em 1976 é o caso mais discutido de uma doença causada por um microrganismo no ambiente interno. Outros agentes infecciosos, como vírus que podem causar doenças respiratórias agudas, são detectáveis ​​em ambientes internos, principalmente se a densidade de ocupação for alta e houver muita recirculação de ar. Na verdade, não se sabe até que ponto os micro-organismos ou seus componentes estão implicados no surgimento de condições associadas a edifícios. Protocolos para demonstrar e analisar muitos tipos de agentes microbianos foram desenvolvidos apenas em um grau limitado e, nos casos em que estão disponíveis, a interpretação dos resultados às vezes é inconsistente.

Aspectos do Sistema de Ventilação

A qualidade do ar interior de um edifício é função de uma série de variáveis ​​que incluem a qualidade do ar exterior, a conceção do sistema de ventilação e ar condicionado, as condições de funcionamento e manutenção deste sistema, a compartimentalização do edifício e a presença de fontes internas de contaminantes e sua magnitude. (Ver figura 2) Em resumo, pode-se notar que os defeitos mais comuns são decorrentes de ventilação inadequada, contaminação gerada em ambientes internos e contaminação proveniente de fora.

Figura 2. Diagrama do edifício mostrando as fontes de poluentes internos e externos.

AIR010F1

Relativamente ao primeiro destes problemas, as causas de uma ventilação inadequada podem incluir: um fornecimento insuficiente de ar fresco devido a um elevado nível de recirculação do ar ou a um baixo volume de admissão; colocação e orientação incorretas na construção de pontos de entrada de ar externo; má distribuição e, consequentemente, mistura incompleta com o ar das instalações, o que pode produzir estratificação, zonas não ventiladas, diferenças de pressão imprevistas que dão origem a correntes de ar indesejadas e mudanças contínuas nas características termo-higrométricas perceptíveis à medida que se desloca no edifício - e filtragem incorreta do ar devido à falta de manutenção ou projeto inadequado do sistema de filtragem - uma deficiência que é particularmente grave quando o ar externo é de má qualidade ou onde há um alto nível de recirculação.

Origens de contaminantes

A contaminação interior tem diferentes origens: os próprios ocupantes; materiais inadequados ou com defeitos técnicos utilizados na construção do edifício; o trabalho realizado dentro; uso excessivo ou impróprio de produtos normais (pesticidas, desinfetantes, produtos usados ​​para limpeza e polimento); gases de combustão (de fumo, cozinhas, refeitórios e laboratórios); e a contaminação cruzada proveniente de outras zonas pouco ventiladas que depois se difunde para as zonas vizinhas e as afecta. Deve-se ter em mente que as substâncias emitidas no ar interno têm muito menos chance de serem diluídas do que as emitidas no ar externo, dada a diferença nos volumes de ar disponíveis. No que diz respeito à contaminação biológica, sua origem é mais frequente devido à presença de água estagnada, materiais impregnados de água, exaustores etc., e à manutenção deficiente de umidificadores e torres de refrigeração.

Finalmente, a contaminação vinda de fora também deve ser considerada. No que diz respeito à actividade humana, podem referir-se três fontes principais: a combustão em fontes estacionárias (centrais eléctricas); combustão em fontes móveis (veículos); e processos industriais. Os cinco principais contaminantes emitidos por essas fontes são monóxido de carbono, óxidos de enxofre, óxidos de nitrogênio, compostos orgânicos voláteis (incluindo hidrocarbonetos), hidrocarbonetos aromáticos policíclicos e partículas. A combustão interna em veículos é a principal fonte de monóxido de carbono e hidrocarbonetos e é uma importante fonte de óxidos de nitrogênio. A combustão em fontes estacionárias é a principal origem dos óxidos de enxofre. Os processos industriais e as fontes estacionárias de combustão geram mais da metade das partículas emitidas no ar pela atividade humana, e os processos industriais podem ser fonte de compostos orgânicos voláteis. Existem também contaminantes gerados naturalmente que são lançados pelo ar, como partículas de poeira vulcânica, solo e sal marinho, esporos e microrganismos. A composição do ar externo varia de local para local, dependendo tanto da presença quanto da natureza das fontes de contaminação nas proximidades e da direção do vento predominante. Se não houver fontes geradoras de contaminantes, a concentração de certos contaminantes que normalmente serão encontrados no ar externo “limpo” é a seguinte: dióxido de carbono, 320 ppm; ozônio, 0.02 ppm: monóxido de carbono, 0.12 ppm; óxido nítrico, 0.003 ppm; e dióxido de nitrogênio, 0.001 ppm. No entanto, o ar urbano sempre contém concentrações muito mais altas desses contaminantes.

Para além da presença de contaminantes provenientes do exterior, por vezes acontece que o ar contaminado do próprio edifício é expelido para o exterior e depois volta a entrar novamente através das entradas do sistema de ar condicionado. Outra forma possível pela qual os contaminantes podem entrar do exterior é por infiltração através das fundações do edifício (por exemplo, radônio, vapores de combustível, eflúvios de esgoto, fertilizantes, inseticidas e desinfetantes). Demonstrou-se que quando a concentração de um contaminante no ar exterior aumenta, a sua concentração no ar interior do edifício também aumenta, embora mais lentamente (obtém-se uma relação correspondente quando a concentração diminui); portanto, diz-se que os edifícios exercem um efeito de blindagem contra contaminantes externos. No entanto, o ambiente interno não é, obviamente, um reflexo exato das condições externas.

Os contaminantes presentes no ar interno são diluídos no ar externo que entra no edifício e o acompanham quando ele sai. Quando a concentração de um contaminante é menor no ar externo do que no ar interno, a troca de ar interno e externo resultará na redução da concentração do contaminante no ar interno do edifício. Se um contaminante for proveniente de fora e não de dentro, esse intercâmbio resultará no aumento de sua concentração interna, conforme mencionado acima.

Os modelos de balanço de quantidades de contaminantes no ar interior baseiam-se no cálculo da sua acumulação, em unidades de massa versus tempo, a partir da diferença entre a quantidade que entra mais a que é gerada no interior e a que sai com o ar mais o que é eliminada por outros meios. Se os valores apropriados estiverem disponíveis para cada um dos fatores na equação, a concentração interna pode ser estimada para uma ampla gama de condições. O uso desta técnica possibilita a comparação de diferentes alternativas para controlar um problema de contaminação interna.

Edifícios com baixas taxas de intercâmbio com ar externo são classificados como fechados ou energeticamente eficientes. Eles são energeticamente eficientes porque menos ar frio entra no inverno, reduzindo a energia necessária para aquecer o ar à temperatura ambiente, reduzindo assim o custo de aquecimento. Quando o tempo está quente, menos energia também é usada para resfriar o ar. Caso a edificação não possua esta propriedade, ela é ventilada através de portas e janelas abertas por um processo de ventilação natural. Embora possam estar fechadas, as diferenças de pressão, resultantes quer do vento, quer do gradiente térmico existente entre o interior e o exterior, obrigam o ar a entrar por frestas e frestas, juntas de janelas e portas, chaminés e outras aberturas, dando origem ao que se denomina ventilação por infiltração.

A ventilação de um edifício é medida em renovações por hora. Uma renovação por hora significa que um volume de ar igual ao volume do edifício entra do lado de fora a cada hora; da mesma forma, um volume igual de ar interno é expelido para o exterior a cada hora. Se não houver ventilação forçada (com ventilador) este valor é difícil de determinar, embora se considere que varie entre 0.2 e 2.0 renovações por hora. Se os demais parâmetros forem considerados inalterados, a concentração de contaminantes gerados no interior será menor em edifícios com altos valores de renovação, embora um alto valor de renovação não seja uma garantia total da qualidade do ar interior. Exceto em áreas com forte poluição atmosférica, os edifícios mais abertos terão menor concentração de contaminantes no ar interior do que os construídos de forma mais fechada. No entanto, os edifícios mais abertos são menos eficientes em termos energéticos. O conflito entre eficiência energética e qualidade do ar é de grande importância.

Muitas ações realizadas para reduzir os custos de energia afetam a qualidade do ar interno em maior ou menor grau. Além de reduzir a velocidade com que o ar circula dentro da edificação, os esforços para aumentar o isolamento e a impermeabilização da edificação envolvem a instalação de materiais que possam ser fontes de contaminação interna. Outras ações, como suplementar sistemas de aquecimento central antigos e frequentemente ineficientes com fontes secundárias que aquecem ou consomem o ar interno, também podem elevar os níveis de contaminantes no ar interno.

Os contaminantes cuja presença no ar interior é mais frequentemente mencionada, para além dos provenientes do exterior, incluem metais, amianto e outros materiais fibrosos, formaldeído, ozono, pesticidas e compostos orgânicos em geral, radão, pó doméstico e aerossóis biológicos. Junto a estes, pode ser encontrada uma grande variedade de tipos de microrganismos, como fungos, bactérias, vírus e protozoários. Destes, os fungos e bactérias saprófitas são relativamente bem conhecidos, provavelmente porque existe uma tecnologia para medi-los no ar. O mesmo não ocorre com agentes como vírus, rickettsias, clamídias, protozoários e muitos fungos e bactérias patogênicos, para cuja demonstração e contagem ainda não há metodologia disponível. Entre os agentes infecciosos, merecem destaque especial: Legionella pneumophila, Mycobacterium avium, vírus, Coxiella burnetii e Histoplasma capsulatum; e entre os alérgenos: Cladosporium, Penicillium e Citofago.

Investigando a Qualidade do Ar Interior

A experiência até agora sugere que as técnicas tradicionais usadas em higiene industrial e aquecimento, ventilação e ar condicionado nem sempre fornecem resultados satisfatórios na resolução dos problemas cada vez mais comuns de qualidade do ar interior, embora o conhecimento básico dessas técnicas permita boas aproximações para lidar ou reduzir problemas de forma rápida e barata. A solução dos problemas de qualidade do ar interior requer frequentemente, para além de um ou mais especialistas em aquecimento, ventilação e climatização e higiene industrial, especialistas em controlo da qualidade do ar interior, química analítica, toxicologia, medicina ambiental, microbiologia e também epidemiologia e psicologia.

Quando se realiza um estudo sobre a qualidade do ar interior, os objetivos que lhe são fixados afetarão profundamente a sua conceção e as atividades de amostragem e avaliação, uma vez que em alguns casos serão necessários procedimentos de resposta rápida, enquanto noutros os valores globais serão de interesse. A duração do programa será ditada pelo tempo necessário para obter amostras representativas, e também dependerá da estação e das condições meteorológicas. Se o objetivo for realizar um estudo de efeito de exposição, além de amostras de longo e curto prazo para avaliação de picos, serão necessárias amostras pessoais para verificar a exposição direta dos indivíduos.

Para alguns contaminantes, métodos bem validados e amplamente utilizados estão disponíveis, mas para a maioria este não é o caso. As técnicas para medir os níveis de muitos contaminantes encontrados em ambientes internos são normalmente derivadas de aplicações em higiene industrial, mas, como as concentrações de interesse no ar interno são geralmente muito menores do que as que ocorrem em ambientes industriais, esses métodos são frequentemente inadequados. Quanto aos métodos de medição utilizados na contaminação atmosférica, eles operam com margens de concentrações semelhantes, mas estão disponíveis para relativamente poucos contaminantes e apresentam dificuldades no uso interno, como ocorreria, por exemplo, com um amostrador de alto volume para determinação de material particulado , que por um lado seria muito ruidoso e por outro poderia modificar a qualidade do próprio ar interior.

A determinação de contaminantes no ar interno geralmente é realizada usando diferentes procedimentos: com monitores contínuos, amostradores ativos em tempo integral, amostradores passivos em tempo integral, amostragem direta e amostradores pessoais. Atualmente existem procedimentos adequados para medir os níveis de formaldeído, óxidos de carbono e nitrogênio, compostos orgânicos voláteis e radônio, entre outros. Os contaminantes biológicos são medidos por meio de técnicas de sedimentação em placas de cultura abertas ou, mais frequentemente hoje em dia, por meio de sistemas ativos que provocam o impacto do ar em placas contendo nutrientes, que são posteriormente cultivadas, sendo a quantidade de microrganismos presentes expressa em colônias. formando unidades por metro cúbico.

Quando um problema de qualidade do ar interno está sendo investigado, é comum projetar previamente uma estratégia prática que consiste em uma aproximação em fases. Esta aproximação começa com uma primeira fase, a investigação inicial, que pode ser realizada com técnicas de higiene industrial. Deve ser estruturado de forma que o investigador não precise ser um especialista na área de qualidade do ar interior para realizar seu trabalho. É efectuada uma vistoria geral ao edifício e verificadas as suas instalações, nomeadamente quanto à regulação e adequado funcionamento do sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado, de acordo com as normas definidas aquando da sua instalação. A esse respeito, é importante considerar se as pessoas afetadas são capazes de modificar as condições de seu entorno. Caso a edificação não possua sistemas de ventilação forçada, deve-se estudar o grau de eficácia da ventilação natural existente. Se após a revisão – e ajuste se necessário – as condições operacionais dos sistemas de ventilação forem adequadas aos padrões, e apesar disso as reclamações continuarem, uma investigação técnica de caráter geral deverá ser realizada para determinar o grau e a natureza do problema . Esta investigação inicial deverá também permitir avaliar se os problemas podem ser considerados apenas do ponto de vista funcional do edifício, ou se será necessária a intervenção de especialistas em higiene, psicologia ou outras disciplinas.

Se o problema não for identificado e resolvido nesta primeira fase, outras fases podem seguir envolvendo investigações mais especializadas concentrando-se em problemas potenciais identificados na primeira fase. As investigações subsequentes podem incluir uma análise mais detalhada do sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado do edifício, uma avaliação mais ampla da presença de materiais suspeitos de emitir gases e partículas, uma análise química detalhada do ar ambiente do edifício e avaliações médicas ou epidemiológicas para detectar sinais de doenças.

No que diz respeito ao sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado, os equipamentos de refrigeração devem ser verificados para garantir que não haja crescimento microbiano neles ou acúmulo de água em suas bandejas coletoras, as unidades de ventilação devem ser verificadas para verificar se estão funcionando corretamente, os sistemas de entrada e retorno de ar devem ser examinados em vários pontos para verificar sua estanqueidade, e o interior de um número representativo de dutos deve ser verificado para confirmar a ausência de microrganismos. Esta última consideração é particularmente importante quando são usados ​​umidificadores. Estas unidades requerem programas particularmente cuidadosos de manutenção, operação e inspeção, a fim de evitar o crescimento de microrganismos, que podem se propagar por todo o sistema de ar condicionado.

As opções geralmente consideradas para melhorar a qualidade do ar interior de um edifício são a eliminação da fonte; seu isolamento ou ventilação independente; separar a fonte daqueles que podem ser afetados; limpeza geral do prédio; e aumento da verificação e melhoria do sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado. Isso pode exigir qualquer coisa, desde modificações em pontos específicos até um novo design. O processo é freqüentemente de natureza repetitiva, de modo que o estudo deve ser reiniciado várias vezes, usando técnicas cada vez mais sofisticadas. Uma descrição mais detalhada das técnicas de controle será encontrada em outra parte deste enciclopédia.

Por último, importa salientar que, mesmo com as investigações mais completas da qualidade do ar interior, pode ser impossível estabelecer uma relação clara entre as características e composição do ar interior e a saúde e conforto dos ocupantes do edifício em estudo . Só a acumulação de experiência, por um lado, e o desenho racional da ventilação, ocupação e compartimentalização dos edifícios, por outro, são garantias possíveis à partida de se obter uma qualidade do ar interior adequada à maioria dos ocupantes de um edifício.

 

Voltar

Leia 10519 vezes Última modificação em quinta-feira, 13 de outubro de 2011 21:27

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de qualidade do ar interior

Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1989. Diretrizes para a avaliação de bioaerossóis no ambiente interno. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

Sociedade Americana de Materiais de Teste (ASTM). 1989. Guia Padrão para Determinações Ambientais em Pequena Escala de Emissões Orgânicas de Materiais/Produtos Internos. Atlanta: ASTM.

Sociedade Americana de Engenheiros de Aquecimento, Refrigeração e Ar Condicionado (ASHRAE). 1989. Ventilação para Qualidade Aceitável do Ar Interior. Atlanta: ASHRAE.

Brownson, RC, MCR Alavanja, ET Hock e TS Loy. 1992. Tabagismo passivo e câncer de pulmão em mulheres não fumantes. Am J Public Health 82:1525-1530.

Brownson, RC, MCR Alavanja e ET Hock. 1993. Confiabilidade das histórias de exposição passiva à fumaça em um estudo de caso-controle de câncer de pulmão. Int J Epidemiol 22:804-808.

Brunnemann, KD e D Hoffmann. 1974. O pH da fumaça do tabaco. Food Cosmet Toxicol 12:115-124.

—. 1991. Estudos analíticos sobre N-nitrosaminas no tabaco e na fumaça do tabaco. Rec Adv Tobacco Sci 17:71-112.

COST 613. 1989. Emissões de formaldeído de materiais à base de madeira: Diretriz para a determinação de concentrações de estado estacionário em câmaras de teste. Na qualidade do ar interno e seu impacto no homem. Luxemburgo: CE.

—. 1991. Diretriz para a caracterização de compostos orgânicos voláteis emitidos por materiais e produtos internos usando pequenas câmaras de teste. Na qualidade do ar interno e seu impacto no homem. Luxemburgo: CE.

Eudy, LW, FW Thome, DK Heavner, CR Green e BJ Ingebrethsen. 1986. Estudos sobre a distribuição da fase de partículas de vapor da nicotina ambiental por armadilha seletiva e métodos de detecção. Em Anais do Septuagésimo Nono Encontro Anual da Associação de Controle de Poluição do Ar, 20 a 27 de junho.

Feeley, JC. 1988. Legionelose: Risco associado ao projeto de construção. Em Architectural Design and Indoor Microbial Pollution, editado por RB Kundsin. Oxford: OUP.

Flannigan, B. 1992. Poluentes microbiológicos internos - fontes, espécies, caracterização: uma avaliação. Em Aspectos Químicos, Microbiológicos, de Saúde e Conforto da Qualidade do Ar Interior — Estado da Arte em SBS, editado por H Knöppel e P Wolkoff. Dordrecht: Kluwer.

—. 1993. Abordagens para a avaliação da flora microbiana de edifícios. Ambientes para Pessoas: IAQ '92. Atlanta: ASHRAE.

Freixa, A. 1993. Calidad Del Aire: Gases Apresenta a Bajas Concentraciones En Ambientes Cerrados. Madri: Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo.

Gomel, M, B Oldenburg, JM Simpson e N Owen. 1993. Redução do risco cardiovascular no local de trabalho: Um estudo randomizado de avaliação de risco à saúde, educação, aconselhamento e incentivos. Am J Public Health 83:1231-1238.

Guerin, MR, RA Jenkins e BA Tomkins. 1992. A Química da Fumaça Ambiental do Tabaco. Chelsea, Michigan: Lewis.

Hammond, SK, J Coghlin, PH Gann, M Paul, K Taghizadek, PL Skipper e SR Tannenbaum. 1993. Relação entre a fumaça ambiental do tabaco e os níveis de adutos de hemoglobina cancerígena em não fumantes. J Natl Cancer Inst 85:474-478.

Hecht, SS, SG Carmella, SE Murphy, S Akerkar, KD Brunnemann e D Hoffmann. 1993. Um carcinógeno pulmonar específico do tabaco em homens expostos à fumaça do cigarro. New Engl J Med 329:1543-1546.

Heller, WD, E Sennewald, JG Gostomzyk, G Scherer e F Adlkofer. 1993. Validação da exposição ao ETS em uma população representativa no sul da Alemanha. Indoor Air Publ Conf 3:361-366.

Hilt, B, S Langard, A Anderson e J Rosenberg. 1985. Exposição ao amianto, tabagismo e incidência de câncer entre trabalhadores de produção e manutenção em uma usina elétrica. Am J Ind Med 8:565-577.

Hoffmann, D e SS Hecht. 1990. Avanços na carcinogênese do tabaco. Em Handbook of Experimental Pharmacology, editado por CS Cooper e PL Grover. Nova York: Springer.

Hoffmann, D e EL Wynder. 1976. Tabagismo e câncer ocupacional. Prevent Med 5:245-261.
Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). 1986. Tabagismo. Vol. 38. Lyon: IARC.

—. 1987a. Bis(Clorometil)Éter e Clorometil Metil Éter. vol. 4 (1974), Supl. 7 (1987). Lyon: IARC.

—. 1987b. Produção de Coque. vol. 4 (1974), Supl. 7 (1987). Lyon: IARC.

—. 1987c. Carcinógenos Ambientais: Métodos de Análise e Exposição. vol. 9. Fumo passivo. Publicações Científicas da IARC, no. 81. Lyon: IARC.

—. 1987 d. Níquel e Compostos de Níquel. vol. 11 (1976), Supl. 7 (1987). Lyon: IARC.

—. 1988. Avaliação geral de carcinogenicidade: uma atualização das monografias 1 a 42 da IARC. Vol. 43. Lyon: IARC.

Johanning, E, PR Morey e BB Jarvis. 1993. Investigação clínico-epidemiológica dos efeitos na saúde causados ​​pela contaminação do edifício Stachybotrys atra. Nos Anais da Sexta Conferência Internacional sobre Clima e Qualidade do Ar Interior, Helsinque.

Kabat, GC e EL Wynder. 1984. Incidência de câncer de pulmão em não fumantes. Câncer 53:1214-1221.

Luceri, G, G Peiraccini, G Moneti e P Dolara. 1993. As aminas aromáticas primárias da fumaça secundária do cigarro são contaminantes comuns do ar interno. Toxicol Ind Health 9:405-413.

Mainville, C, PL Auger, W Smorgawiewicz, D Neculcea, J Neculcea e M Lévesque. 1988. Mycotoxines et syndrome d'extreme fadiga dans un hôpital. In Healthy Buildings, editado por B Petterson e T Lindvall. Estocolmo: Conselho Sueco para Pesquisa em Edifícios.

Masi, MA et al. 1988. Exposição ambiental à fumaça do tabaco e função pulmonar em adultos jovens. Am Rev Respir Dis 138:296-299.

McLaughlin, JK, MS Dietz, ES Mehl e WJ Blot. 1987. Confiabilidade da informação substituta sobre o tabagismo por tipo de informante. Am J Epidemiol 126:144-146.

McLaughlin, JK, JS Mandel, ES Mehl e WJ Blot. 1990. Comparação de parentes próximos com auto-respondentes em relação a questões sobre consumo de cigarro, café e álcool. Epidemiologia 1(5):408-412.

Medina, E, R Medina e AM Kaempffer. 1988. Efeitos do tabagismo doméstico na frequência de doenças respiratórias infantis. Rev Chilena Pediatrica 59:60-64.

Miller, JD. 1993. Fungos e o engenheiro de construção. Ambientes para Pessoas: IAQ '92. Atlanta: ASHRAE.

Morey, PR. 1993a. Eventos microbiológicos após um incêndio em um edifício alto. Em ar interior '93. Helsinki: Indoor Air '93.

—. 1993b. Uso do padrão de comunicação de perigo e cláusula de dever geral durante a remediação da contaminação fúngica. Em ar interior '93. Helsinki: Indoor Air '93.

Nathanson, T. 1993. Qualidade do Ar Interior em Edifícios de Escritórios: Um Guia Técnico. Ottawa: Health Canada.

Departamento de Saúde da cidade de Nova York. 1993. Diretrizes sobre avaliação e correção de Stachybotrys Atra em ambientes internos. Nova York: Departamento de Saúde da cidade de Nova York.

Pershagen, G, S Wall, A Taube e I Linnman. 1981. Sobre a interação entre exposição ocupacional ao arsênico e tabagismo e sua relação com o câncer de pulmão. Scand J Work Environ Health 7:302-309.

Riedel, F, C Bretthauer e CHL Rieger. 1989. Einfluss von paasivem Rauchen auf die bronchiale Reaktivitact bei Schulkindern. Prax Pneumol 43:164-168.

Saccomanno, G, GC Huth, e O Auerbach. 1988. Relação de filhas de radônio radioativo e tabagismo na gênese do câncer de pulmão em mineradores de urânio. Câncer 62:402-408.

SORENSON, WG. 1989. Impacto na saúde das micotoxinas em casa e no local de trabalho: uma visão geral. Em Biodeterioration Research 2, editado por CE O'Rear e GC Llewellyn. Nova York: Pleno.

Fundo Sueco para o Ambiente de Trabalho. 1988. Medir ou tomar ação corretiva direta? Estratégias de Investigação e Medição no Ambiente de Trabalho. Estocolmo: Arbetsmiljöfonden [Fundo Sueco para o Ambiente de Trabalho].

Agência de Proteção Ambiental dos EUA (US EPA). 1992. Efeitos do Fumo Passivo na Saúde Respiratória: Câncer de Pulmão e Outros Distúrbios. Washington, DC: US ​​EPA.

Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos. 1986. Fumo Ambiental do Tabaco: Medindo as Exposições e Avaliando os Efeitos na Saúde. Washington, DC: Academia Nacional de Ciências.

Cirurgião Geral dos EUA. 1985. As Consequências do Fumo para a Saúde: Câncer e Doença Pulmonar Crônica no Local de Trabalho. Washington, DC: DHHS (PHS).

—. 1986. As Consequências para a Saúde do Fumar Involuntário. Washington, DC: DHHS (CDC).

Wald, NJ, J Borcham, C Bailey, C Ritchie, JE Haddow e J Knight. 1984. Cotinina urinária como marcador de inalação da fumaça do tabaco de outras pessoas. Lancet 1:230-231.

Wanner, HU, AP Verhoeff, A Colombi, B Flannigan, S Gravesen, A Mouilleseux, A Nevalainen, J Papadakis e K Seidel. 1993. Partículas Biológicas em Ambientes Internos. Qualidade do Ar Interior e seu Impacto no Homem. Bruxelas: Comissão das Comunidades Europeias.

White, JR e HF Froeb. 1980. Disfunção das pequenas vias aéreas em não fumantes cronicamente expostos à fumaça do tabaco. New Engl J Med 302:720-723.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1987. Diretrizes de Qualidade do Ar para a Europa. Série Europeia, nº. 23. Copenhague: Publicações Regionais da OMS.