Sexta-feira, Março 11 2011 16: 26

Radão

Classifique este artigo
(Voto 1)

A maior parte da radiação a que um ser humano será exposto durante a vida vem de fontes naturais no espaço sideral ou de materiais presentes na crosta terrestre. Materiais radioativos podem afetar o organismo de fora ou, se inalados ou ingeridos com alimentos, de dentro. A dose recebida pode ser muito variável porque depende, por um lado, da quantidade de minerais radioativos presentes na área do mundo onde a pessoa vive – que está relacionada com a quantidade de nuclídeos radioativos no ar e a quantidade encontrada tanto na alimentação como principalmente na água potável - e, por outro, no uso de certos materiais de construção e no uso de gás ou carvão como combustível, bem como no tipo de construção empregada e nos hábitos tradicionais das pessoas da localidade em questão .

Hoje, o radônio é considerado a fonte mais prevalente de radiação natural. Juntamente com seus “filhos” ou radionuclídeos formados por sua desintegração, o radônio constitui aproximadamente três quartos da dose equivalente efetiva a que os humanos são expostos devido a fontes naturais terrestres. A presença de radônio está associada ao aumento da ocorrência de câncer de pulmão devido à deposição de substâncias radioativas na região brônquica.

O radônio é um gás incolor, inodoro e insípido, sete vezes mais pesado que o ar. Dois isótopos ocorrem com mais frequência. Um é o radônio-222, radionuclídeo presente na série radioativa da desintegração do urânio-238; sua principal fonte no ambiente são as rochas e o solo em que ocorre seu predecessor, o rádio-226. O outro é o radônio-220 da série radioativa do tório, que tem incidência menor que o radônio-222.

O urânio ocorre extensivamente na crosta terrestre. A concentração média de rádio no solo é da ordem de 25 Bq/kg. Um Becquerel (Bq) é a unidade do sistema internacional e representa uma unidade de atividade radionuclídica equivalente a uma desintegração por segundo. A concentração média de gás radônio na atmosfera na superfície da terra é de 3 Bq/m3, com um intervalo de 0.1 (sobre os oceanos) a 10 Bq/m3. O nível depende da porosidade do solo, da concentração local de rádio-226 e da pressão atmosférica. Dado que a meia-vida do radônio-222 é de 3.823 dias, a maior parte da dosagem não é causada pelo gás, mas pelas filhas do radônio.

O radônio é encontrado em materiais existentes e flui da terra em todos os lugares. Pelas suas características dispersa-se facilmente no exterior, mas tende a concentrar-se em espaços fechados, nomeadamente em grutas e edifícios, e sobretudo em espaços mais baixos onde a sua eliminação é difícil sem ventilação adequada. Em regiões temperadas, estima-se que as concentrações de radônio em ambientes fechados sejam da ordem de oito vezes maiores do que as concentrações em ambientes externos.

A exposição ao radônio pela maioria da população, portanto, ocorre principalmente dentro de edifícios. As concentrações médias de radônio dependem, basicamente, das características geológicas do solo, dos materiais de construção utilizados na edificação e da quantidade de ventilação que ela recebe.

A principal fonte de radônio em espaços internos é o rádio presente no solo sobre o qual o edifício repousa ou nos materiais empregados em sua construção. Outras fontes significativas - embora sua influência relativa seja muito menor - são o ar externo, a água e o gás natural. A Figura 1 mostra a contribuição de cada fonte para o total.

Figura 1. Fontes de radônio no ambiente interno.

AIR035F1

Os materiais de construção mais comuns, como madeira, tijolos e blocos de concreto, emitem relativamente pouco radônio, ao contrário do granito e da pedra-pomes. No entanto, os principais problemas são causados ​​pelo uso de materiais naturais como a ardósia de alume na produção de materiais de construção. Outra fonte de problemas tem sido a utilização de subprodutos do tratamento de minerais de fosfato, a utilização de subprodutos da produção de alumínio, a utilização de escórias ou escórias do tratamento de minério de ferro em altos-fornos e a utilização de das cinzas da combustão do carvão. Além disso, em alguns casos, resíduos derivados da mineração de urânio também foram usados ​​na construção.

O radônio pode entrar em água e gás natural no subsolo. A água utilizada para abastecer uma edificação, principalmente se for de poços profundos, pode conter quantidades significativas de radônio. Se essa água for usada para cozinhar, a fervura pode liberar grande parte do radônio que ela contém. Se a água for consumida fria, o corpo elimina os gases prontamente, de modo que beber essa água geralmente não representa um risco significativo. A queima de gás natural em fogões sem chaminés, em aquecedores e em outros eletrodomésticos também pode levar ao aumento de radônio em ambientes internos, principalmente habitações. Às vezes, o problema é mais agudo nos banheiros, porque o radônio na água e no gás natural usado para o aquecedor de água se acumula se não houver ventilação suficiente.

Dado que os possíveis efeitos do radônio na população em geral eram desconhecidos apenas alguns anos atrás, os dados disponíveis sobre as concentrações encontradas em espaços fechados são limitados aos países que, por suas características ou circunstâncias especiais, são mais sensíveis a esse problema . O que se sabe de fato é que é possível encontrar concentrações em espaços fechados muito acima das concentrações encontradas ao ar livre na mesma região. Em Helsinque (Finlândia), por exemplo, foram encontradas concentrações de radônio no ar interno cinco mil vezes maiores do que as concentrações normalmente encontradas ao ar livre. Isso pode ser devido em grande parte a medidas de economia de energia que podem favorecer visivelmente a concentração de radônio em espaços internos, especialmente se forem fortemente isolados. Edifícios estudados até agora em diferentes países e regiões mostram que as concentrações de radônio encontradas dentro deles apresentam uma distribuição que se aproxima do logaritmo normal. Vale notar que uma pequena parcela dos prédios de cada região apresenta concentrações dez vezes acima da mediana. Os valores de referência para o radônio em espaços internos e as recomendações corretivas de várias organizações são fornecidas em “Regulamentos, recomendações, diretrizes e normas” neste capítulo.

Em conclusão, a principal forma de prevenir as exposições ao radônio é evitar a construção em áreas que, por sua natureza, emitem uma maior quantidade de radônio no ar. Onde isso não for possível, pisos e paredes devem ser devidamente vedados, e materiais de construção não devem ser usados ​​se contiverem matéria radioativa. Os espaços internos, especialmente os porões, devem ter ventilação adequada.

 

Voltar

Leia 6628 vezes Última modificação em sexta-feira, 12 de agosto de 2011 20:52

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de qualidade do ar interior

Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1989. Diretrizes para a avaliação de bioaerossóis no ambiente interno. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

Sociedade Americana de Materiais de Teste (ASTM). 1989. Guia Padrão para Determinações Ambientais em Pequena Escala de Emissões Orgânicas de Materiais/Produtos Internos. Atlanta: ASTM.

Sociedade Americana de Engenheiros de Aquecimento, Refrigeração e Ar Condicionado (ASHRAE). 1989. Ventilação para Qualidade Aceitável do Ar Interior. Atlanta: ASHRAE.

Brownson, RC, MCR Alavanja, ET Hock e TS Loy. 1992. Tabagismo passivo e câncer de pulmão em mulheres não fumantes. Am J Public Health 82:1525-1530.

Brownson, RC, MCR Alavanja e ET Hock. 1993. Confiabilidade das histórias de exposição passiva à fumaça em um estudo de caso-controle de câncer de pulmão. Int J Epidemiol 22:804-808.

Brunnemann, KD e D Hoffmann. 1974. O pH da fumaça do tabaco. Food Cosmet Toxicol 12:115-124.

—. 1991. Estudos analíticos sobre N-nitrosaminas no tabaco e na fumaça do tabaco. Rec Adv Tobacco Sci 17:71-112.

COST 613. 1989. Emissões de formaldeído de materiais à base de madeira: Diretriz para a determinação de concentrações de estado estacionário em câmaras de teste. Na qualidade do ar interno e seu impacto no homem. Luxemburgo: CE.

—. 1991. Diretriz para a caracterização de compostos orgânicos voláteis emitidos por materiais e produtos internos usando pequenas câmaras de teste. Na qualidade do ar interno e seu impacto no homem. Luxemburgo: CE.

Eudy, LW, FW Thome, DK Heavner, CR Green e BJ Ingebrethsen. 1986. Estudos sobre a distribuição da fase de partículas de vapor da nicotina ambiental por armadilha seletiva e métodos de detecção. Em Anais do Septuagésimo Nono Encontro Anual da Associação de Controle de Poluição do Ar, 20 a 27 de junho.

Feeley, JC. 1988. Legionelose: Risco associado ao projeto de construção. Em Architectural Design and Indoor Microbial Pollution, editado por RB Kundsin. Oxford: OUP.

Flannigan, B. 1992. Poluentes microbiológicos internos - fontes, espécies, caracterização: uma avaliação. Em Aspectos Químicos, Microbiológicos, de Saúde e Conforto da Qualidade do Ar Interior — Estado da Arte em SBS, editado por H Knöppel e P Wolkoff. Dordrecht: Kluwer.

—. 1993. Abordagens para a avaliação da flora microbiana de edifícios. Ambientes para Pessoas: IAQ '92. Atlanta: ASHRAE.

Freixa, A. 1993. Calidad Del Aire: Gases Apresenta a Bajas Concentraciones En Ambientes Cerrados. Madri: Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo.

Gomel, M, B Oldenburg, JM Simpson e N Owen. 1993. Redução do risco cardiovascular no local de trabalho: Um estudo randomizado de avaliação de risco à saúde, educação, aconselhamento e incentivos. Am J Public Health 83:1231-1238.

Guerin, MR, RA Jenkins e BA Tomkins. 1992. A Química da Fumaça Ambiental do Tabaco. Chelsea, Michigan: Lewis.

Hammond, SK, J Coghlin, PH Gann, M Paul, K Taghizadek, PL Skipper e SR Tannenbaum. 1993. Relação entre a fumaça ambiental do tabaco e os níveis de adutos de hemoglobina cancerígena em não fumantes. J Natl Cancer Inst 85:474-478.

Hecht, SS, SG Carmella, SE Murphy, S Akerkar, KD Brunnemann e D Hoffmann. 1993. Um carcinógeno pulmonar específico do tabaco em homens expostos à fumaça do cigarro. New Engl J Med 329:1543-1546.

Heller, WD, E Sennewald, JG Gostomzyk, G Scherer e F Adlkofer. 1993. Validação da exposição ao ETS em uma população representativa no sul da Alemanha. Indoor Air Publ Conf 3:361-366.

Hilt, B, S Langard, A Anderson e J Rosenberg. 1985. Exposição ao amianto, tabagismo e incidência de câncer entre trabalhadores de produção e manutenção em uma usina elétrica. Am J Ind Med 8:565-577.

Hoffmann, D e SS Hecht. 1990. Avanços na carcinogênese do tabaco. Em Handbook of Experimental Pharmacology, editado por CS Cooper e PL Grover. Nova York: Springer.

Hoffmann, D e EL Wynder. 1976. Tabagismo e câncer ocupacional. Prevent Med 5:245-261.
Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). 1986. Tabagismo. Vol. 38. Lyon: IARC.

—. 1987a. Bis(Clorometil)Éter e Clorometil Metil Éter. vol. 4 (1974), Supl. 7 (1987). Lyon: IARC.

—. 1987b. Produção de Coque. vol. 4 (1974), Supl. 7 (1987). Lyon: IARC.

—. 1987c. Carcinógenos Ambientais: Métodos de Análise e Exposição. vol. 9. Fumo passivo. Publicações Científicas da IARC, no. 81. Lyon: IARC.

—. 1987 d. Níquel e Compostos de Níquel. vol. 11 (1976), Supl. 7 (1987). Lyon: IARC.

—. 1988. Avaliação geral de carcinogenicidade: uma atualização das monografias 1 a 42 da IARC. Vol. 43. Lyon: IARC.

Johanning, E, PR Morey e BB Jarvis. 1993. Investigação clínico-epidemiológica dos efeitos na saúde causados ​​pela contaminação do edifício Stachybotrys atra. Nos Anais da Sexta Conferência Internacional sobre Clima e Qualidade do Ar Interior, Helsinque.

Kabat, GC e EL Wynder. 1984. Incidência de câncer de pulmão em não fumantes. Câncer 53:1214-1221.

Luceri, G, G Peiraccini, G Moneti e P Dolara. 1993. As aminas aromáticas primárias da fumaça secundária do cigarro são contaminantes comuns do ar interno. Toxicol Ind Health 9:405-413.

Mainville, C, PL Auger, W Smorgawiewicz, D Neculcea, J Neculcea e M Lévesque. 1988. Mycotoxines et syndrome d'extreme fadiga dans un hôpital. In Healthy Buildings, editado por B Petterson e T Lindvall. Estocolmo: Conselho Sueco para Pesquisa em Edifícios.

Masi, MA et al. 1988. Exposição ambiental à fumaça do tabaco e função pulmonar em adultos jovens. Am Rev Respir Dis 138:296-299.

McLaughlin, JK, MS Dietz, ES Mehl e WJ Blot. 1987. Confiabilidade da informação substituta sobre o tabagismo por tipo de informante. Am J Epidemiol 126:144-146.

McLaughlin, JK, JS Mandel, ES Mehl e WJ Blot. 1990. Comparação de parentes próximos com auto-respondentes em relação a questões sobre consumo de cigarro, café e álcool. Epidemiologia 1(5):408-412.

Medina, E, R Medina e AM Kaempffer. 1988. Efeitos do tabagismo doméstico na frequência de doenças respiratórias infantis. Rev Chilena Pediatrica 59:60-64.

Miller, JD. 1993. Fungos e o engenheiro de construção. Ambientes para Pessoas: IAQ '92. Atlanta: ASHRAE.

Morey, PR. 1993a. Eventos microbiológicos após um incêndio em um edifício alto. Em ar interior '93. Helsinki: Indoor Air '93.

—. 1993b. Uso do padrão de comunicação de perigo e cláusula de dever geral durante a remediação da contaminação fúngica. Em ar interior '93. Helsinki: Indoor Air '93.

Nathanson, T. 1993. Qualidade do Ar Interior em Edifícios de Escritórios: Um Guia Técnico. Ottawa: Health Canada.

Departamento de Saúde da cidade de Nova York. 1993. Diretrizes sobre avaliação e correção de Stachybotrys Atra em ambientes internos. Nova York: Departamento de Saúde da cidade de Nova York.

Pershagen, G, S Wall, A Taube e I Linnman. 1981. Sobre a interação entre exposição ocupacional ao arsênico e tabagismo e sua relação com o câncer de pulmão. Scand J Work Environ Health 7:302-309.

Riedel, F, C Bretthauer e CHL Rieger. 1989. Einfluss von paasivem Rauchen auf die bronchiale Reaktivitact bei Schulkindern. Prax Pneumol 43:164-168.

Saccomanno, G, GC Huth, e O Auerbach. 1988. Relação de filhas de radônio radioativo e tabagismo na gênese do câncer de pulmão em mineradores de urânio. Câncer 62:402-408.

SORENSON, WG. 1989. Impacto na saúde das micotoxinas em casa e no local de trabalho: uma visão geral. Em Biodeterioration Research 2, editado por CE O'Rear e GC Llewellyn. Nova York: Pleno.

Fundo Sueco para o Ambiente de Trabalho. 1988. Medir ou tomar ação corretiva direta? Estratégias de Investigação e Medição no Ambiente de Trabalho. Estocolmo: Arbetsmiljöfonden [Fundo Sueco para o Ambiente de Trabalho].

Agência de Proteção Ambiental dos EUA (US EPA). 1992. Efeitos do Fumo Passivo na Saúde Respiratória: Câncer de Pulmão e Outros Distúrbios. Washington, DC: US ​​EPA.

Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos. 1986. Fumo Ambiental do Tabaco: Medindo as Exposições e Avaliando os Efeitos na Saúde. Washington, DC: Academia Nacional de Ciências.

Cirurgião Geral dos EUA. 1985. As Consequências do Fumo para a Saúde: Câncer e Doença Pulmonar Crônica no Local de Trabalho. Washington, DC: DHHS (PHS).

—. 1986. As Consequências para a Saúde do Fumar Involuntário. Washington, DC: DHHS (CDC).

Wald, NJ, J Borcham, C Bailey, C Ritchie, JE Haddow e J Knight. 1984. Cotinina urinária como marcador de inalação da fumaça do tabaco de outras pessoas. Lancet 1:230-231.

Wanner, HU, AP Verhoeff, A Colombi, B Flannigan, S Gravesen, A Mouilleseux, A Nevalainen, J Papadakis e K Seidel. 1993. Partículas Biológicas em Ambientes Internos. Qualidade do Ar Interior e seu Impacto no Homem. Bruxelas: Comissão das Comunidades Europeias.

White, JR e HF Froeb. 1980. Disfunção das pequenas vias aéreas em não fumantes cronicamente expostos à fumaça do tabaco. New Engl J Med 302:720-723.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1987. Diretrizes de Qualidade do Ar para a Europa. Série Europeia, nº. 23. Copenhague: Publicações Regionais da OMS.