Sexta-feira, Março 11 2011 16: 56

Regulamentos para fumar

Classifique este artigo
(0 votos)

Com relação à adoção de medidas para reduzir o uso do tabaco, os governos devem ter em mente que, embora as pessoas decidam por conta própria se devem parar de fumar, é responsabilidade do governo tomar todas as medidas necessárias para incentivá-las a parar. As medidas tomadas por legisladores e governos de muitos países têm sido indecisas, porque embora a redução do uso do tabaco seja uma melhoria indiscutível na saúde pública – com consequente economia nos gastos com saúde pública – haveria uma série de perdas econômicas e deslocamentos na muitos setores, pelo menos de natureza temporária. A pressão que as organizações e agências internacionais de saúde e meio ambiente podem exercer a esse respeito é muito importante, porque muitos países podem enfraquecer as medidas contra o uso do tabaco devido a problemas econômicos – especialmente se o tabaco for uma importante fonte de renda.

Este artigo descreve brevemente as medidas regulatórias que podem ser adotadas para reduzir o tabagismo em um país.

Advertências nas embalagens de cigarros

Uma das primeiras medidas adotadas em muitos países é exigir que os maços de cigarros exibam em destaque a advertência de que fumar prejudica gravemente a saúde do fumante. Esse alerta, cujo objetivo não é tanto exercer um efeito imediato sobre o fumante, mas sim mostrar que o governo está preocupado com o problema, está criando um clima psicológico que favorecerá a adoção de medidas posteriores que de outra forma seriam consideradas agressivas pela população fumante.

Alguns especialistas defendem a inclusão dessas advertências em charutos e tabaco para cachimbo. Mas a opinião mais geral é que essas advertências são desnecessárias, porque as pessoas que usam esse tipo de tabaco normalmente não inalam a fumaça, e estender essas advertências levaria mais provavelmente ao desrespeito das mensagens como um todo. É por isso que prevalece a opinião de que as advertências devem ser aplicadas apenas aos maços de cigarros. A referência ao fumo passivo não foi, por enquanto, considerada, mas não é uma opção que deva ser descartada.

Restrições ao Fumo em Espaços Públicos

A proibição de fumar em espaços públicos é um dos instrumentos normativos mais eficazes. Essas proibições podem reduzir significativamente o número de pessoas expostas ao fumo passivo e, além disso, podem reduzir o consumo diário de cigarros pelos fumantes. As queixas comuns dos proprietários de espaços públicos, como hotéis, restaurantes, espaços recreativos, salões de baile, teatros, etc., baseiam-se no argumento de que estas medidas irão resultar na perda de clientes. No entanto, se os governos implementarem essas medidas de forma generalizada, o impacto negativo da perda de clientela ocorrerá apenas na primeira fase, porque as pessoas acabarão se adaptando à nova situação.

Outra possibilidade é o desenho de espaços específicos para fumantes. A separação dos fumadores dos não fumadores deve ser eficaz de forma a obter os benefícios pretendidos, criando barreiras que impeçam os não fumadores de inalar o fumo do tabaco. A separação deve, portanto, ser física e, caso o sistema de ar condicionado utilize ar reciclado, não se deve misturar o ar das zonas de fumadores com o das zonas de não fumadores. Criar espaços para fumadores implica, portanto, despesas de construção e compartimentação, mas pode ser uma solução para quem pretende servir o público fumador.

Além dos locais onde é obviamente proibido fumar por razões de segurança devido a uma possível explosão ou incêndio, também devem existir áreas - como instalações de saúde e esportes, escolas e creches - onde não seja permitido fumar, mesmo que não haja segurança riscos desse tipo.

Restrições ao fumo no trabalho

As restrições ao fumo no local de trabalho também podem ser consideradas à luz do exposto acima. Governos e empresários, juntamente com sindicatos, podem estabelecer programas para reduzir o uso de tabaco no trabalho. As campanhas para reduzir o fumo no trabalho geralmente são bem-sucedidas.

Sempre que possível, recomenda-se a criação de zonas de não fumadores para estabelecer uma política contra o tabagismo e apoiar as pessoas que defendem o direito a não ser fumadores passivos. Em caso de conflito entre fumante e não fumante, a regulamentação deve sempre permitir que o não fumante prevaleça e, sempre que não for possível a separação, o fumante deve ser pressionado a se abster de fumar no posto de trabalho.

Além dos locais onde, por razões de saúde ou segurança, deveria ser proibido fumar, também não se deve ignorar a possibilidade de sinergia entre os efeitos da poluição química no local de trabalho e a fumaça do tabaco em outras áreas. O peso de tais considerações resultará, sem dúvida, em uma ampla extensão das restrições ao fumo, especialmente em locais de trabalho industriais.

Maior pressão econômica contra o tabaco

Outra ferramenta regulatória com a qual os governos contam para conter o uso do tabaco é a cobrança de impostos mais altos, principalmente sobre os cigarros. Esta política visa conduzir a um menor consumo de tabaco, o que justificaria a relação inversa entre o preço do tabaco e o seu consumo e que se pode medir comparando a situação nos diferentes países. É considerado eficaz quando a população é alertada sobre os perigos do uso do tabaco e aconselhada sobre a necessidade de parar de consumi-lo. Um aumento no preço do tabaco pode ser uma motivação para parar de fumar. Essa política, no entanto, tem muitos opositores, que baseiam suas críticas nos argumentos brevemente mencionados a seguir.

Em primeiro lugar, segundo muitos especialistas, o aumento do preço do tabaco por razões fiscais é seguido por uma redução temporária do uso do tabaco, seguida de um retorno gradual aos níveis de consumo anteriores à medida que os fumantes se acostumam com o novo preço. Em outras palavras, os fumantes assimilam o aumento do preço do tabaco da mesma forma que as pessoas se acostumam com outros impostos ou com o aumento do custo de vida.

Em segundo lugar, observa-se também uma mudança nos hábitos dos fumantes. Quando os preços sobem, eles tendem a procurar marcas mais baratas e de menor qualidade que provavelmente também representam um risco maior para a saúde (por falta de filtros ou maior quantidade de alcatrão e nicotina). Essa mudança pode levar os fumantes a adotarem a prática de fazer cigarros caseiros, o que eliminaria completamente qualquer possibilidade de controle do problema.

Em terceiro lugar, muitos especialistas entendem que medidas desse tipo tendem a reforçar a crença de que o governo aceita o tabaco e seu consumo como mais uma forma de arrecadar impostos, levando à crença contraditória de que o que o governo realmente quer é que as pessoas fumam para que possa arrecadar mais dinheiro com o imposto especial sobre o tabaco.

Publicidade limitada

Outra arma usada pelos governos para reduzir o consumo de tabaco é restringir ou simplesmente proibir qualquer publicidade do produto. Os governos e muitas organizações internacionais têm a política de proibir a publicidade do tabaco em certas esferas, como esportes (pelo menos alguns esportes), saúde, meio ambiente e educação. Esta política tem benefícios inquestionáveis, que são especialmente eficazes quando elimina a publicidade nos ambientes que atingem os jovens em um momento em que é provável que eles adquiram o hábito de fumar.

Programas públicos que incentivam as pessoas a parar de fumar

A utilização de campanhas antitabagistas como prática normal, adequadamente financiada e organizada como regra de conduta em determinadas esferas, como o mundo do trabalho, tem se mostrado altamente exitosa.

Campanhas para educar fumantes

Complementando o que foi dito acima, educar os fumantes para que fumem “melhor” e reduzam o consumo de cigarros é outro caminho disponível para os governos reduzirem os efeitos adversos do uso do tabaco à saúde da população. Esses esforços devem ser direcionados para reduzir o consumo diário de cigarros, para inibir ao máximo a inalação de fumaça, para não fumar as bitucas de cigarro (a toxicidade da fumaça aumenta no final do cigarro), para não manter o cigarro na boca e na preferência por marcas com baixo teor de alcatrão e nicotina.

Medidas desse tipo evidentemente não reduzem o número de fumantes, mas reduzem o quanto os fumantes são prejudicados por seu hábito. Existem argumentos contra esse tipo de remédio porque pode dar a impressão de que fumar não é intrinsecamente um mau hábito, já que os fumantes são informados sobre a melhor forma de fumar.

Observações finais

A ação regulatória e legislativa dos diversos governos é lenta e pouco efetiva, principalmente diante do que seria necessário em função dos problemas causados ​​pelo tabagismo. Muitas vezes, isso ocorre devido a obstáculos legais à implementação de tais medidas, argumentos contra a concorrência desleal ou até mesmo a proteção do direito do indivíduo de fumar. O progresso no uso de regulamentos tem sido lento, mas não deixa de ser estável. Por outro lado, deve-se ter em mente a diferença entre fumantes ativos e fumantes passivos ou passivos. Todas as medidas que ajudem alguém a parar de fumar, ou pelo menos reduzir efetivamente o consumo diário, devem ser direcionadas ao fumante; todo o peso dos regulamentos deve ser aplicado contra esse hábito. O fumante passivo deve receber todos os argumentos possíveis para apoiar seu direito de não inalar a fumaça do tabaco e defender o direito de desfrutar do uso de ambientes livres de fumo em casa, no trabalho e no lazer.

 

Voltar

Leia 5325 vezes Última modificação em quinta-feira, 13 de outubro de 2011 21:27

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de qualidade do ar interior

Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1989. Diretrizes para a avaliação de bioaerossóis no ambiente interno. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

Sociedade Americana de Materiais de Teste (ASTM). 1989. Guia Padrão para Determinações Ambientais em Pequena Escala de Emissões Orgânicas de Materiais/Produtos Internos. Atlanta: ASTM.

Sociedade Americana de Engenheiros de Aquecimento, Refrigeração e Ar Condicionado (ASHRAE). 1989. Ventilação para Qualidade Aceitável do Ar Interior. Atlanta: ASHRAE.

Brownson, RC, MCR Alavanja, ET Hock e TS Loy. 1992. Tabagismo passivo e câncer de pulmão em mulheres não fumantes. Am J Public Health 82:1525-1530.

Brownson, RC, MCR Alavanja e ET Hock. 1993. Confiabilidade das histórias de exposição passiva à fumaça em um estudo de caso-controle de câncer de pulmão. Int J Epidemiol 22:804-808.

Brunnemann, KD e D Hoffmann. 1974. O pH da fumaça do tabaco. Food Cosmet Toxicol 12:115-124.

—. 1991. Estudos analíticos sobre N-nitrosaminas no tabaco e na fumaça do tabaco. Rec Adv Tobacco Sci 17:71-112.

COST 613. 1989. Emissões de formaldeído de materiais à base de madeira: Diretriz para a determinação de concentrações de estado estacionário em câmaras de teste. Na qualidade do ar interno e seu impacto no homem. Luxemburgo: CE.

—. 1991. Diretriz para a caracterização de compostos orgânicos voláteis emitidos por materiais e produtos internos usando pequenas câmaras de teste. Na qualidade do ar interno e seu impacto no homem. Luxemburgo: CE.

Eudy, LW, FW Thome, DK Heavner, CR Green e BJ Ingebrethsen. 1986. Estudos sobre a distribuição da fase de partículas de vapor da nicotina ambiental por armadilha seletiva e métodos de detecção. Em Anais do Septuagésimo Nono Encontro Anual da Associação de Controle de Poluição do Ar, 20 a 27 de junho.

Feeley, JC. 1988. Legionelose: Risco associado ao projeto de construção. Em Architectural Design and Indoor Microbial Pollution, editado por RB Kundsin. Oxford: OUP.

Flannigan, B. 1992. Poluentes microbiológicos internos - fontes, espécies, caracterização: uma avaliação. Em Aspectos Químicos, Microbiológicos, de Saúde e Conforto da Qualidade do Ar Interior — Estado da Arte em SBS, editado por H Knöppel e P Wolkoff. Dordrecht: Kluwer.

—. 1993. Abordagens para a avaliação da flora microbiana de edifícios. Ambientes para Pessoas: IAQ '92. Atlanta: ASHRAE.

Freixa, A. 1993. Calidad Del Aire: Gases Apresenta a Bajas Concentraciones En Ambientes Cerrados. Madri: Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo.

Gomel, M, B Oldenburg, JM Simpson e N Owen. 1993. Redução do risco cardiovascular no local de trabalho: Um estudo randomizado de avaliação de risco à saúde, educação, aconselhamento e incentivos. Am J Public Health 83:1231-1238.

Guerin, MR, RA Jenkins e BA Tomkins. 1992. A Química da Fumaça Ambiental do Tabaco. Chelsea, Michigan: Lewis.

Hammond, SK, J Coghlin, PH Gann, M Paul, K Taghizadek, PL Skipper e SR Tannenbaum. 1993. Relação entre a fumaça ambiental do tabaco e os níveis de adutos de hemoglobina cancerígena em não fumantes. J Natl Cancer Inst 85:474-478.

Hecht, SS, SG Carmella, SE Murphy, S Akerkar, KD Brunnemann e D Hoffmann. 1993. Um carcinógeno pulmonar específico do tabaco em homens expostos à fumaça do cigarro. New Engl J Med 329:1543-1546.

Heller, WD, E Sennewald, JG Gostomzyk, G Scherer e F Adlkofer. 1993. Validação da exposição ao ETS em uma população representativa no sul da Alemanha. Indoor Air Publ Conf 3:361-366.

Hilt, B, S Langard, A Anderson e J Rosenberg. 1985. Exposição ao amianto, tabagismo e incidência de câncer entre trabalhadores de produção e manutenção em uma usina elétrica. Am J Ind Med 8:565-577.

Hoffmann, D e SS Hecht. 1990. Avanços na carcinogênese do tabaco. Em Handbook of Experimental Pharmacology, editado por CS Cooper e PL Grover. Nova York: Springer.

Hoffmann, D e EL Wynder. 1976. Tabagismo e câncer ocupacional. Prevent Med 5:245-261.
Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). 1986. Tabagismo. Vol. 38. Lyon: IARC.

—. 1987a. Bis(Clorometil)Éter e Clorometil Metil Éter. vol. 4 (1974), Supl. 7 (1987). Lyon: IARC.

—. 1987b. Produção de Coque. vol. 4 (1974), Supl. 7 (1987). Lyon: IARC.

—. 1987c. Carcinógenos Ambientais: Métodos de Análise e Exposição. vol. 9. Fumo passivo. Publicações Científicas da IARC, no. 81. Lyon: IARC.

—. 1987 d. Níquel e Compostos de Níquel. vol. 11 (1976), Supl. 7 (1987). Lyon: IARC.

—. 1988. Avaliação geral de carcinogenicidade: uma atualização das monografias 1 a 42 da IARC. Vol. 43. Lyon: IARC.

Johanning, E, PR Morey e BB Jarvis. 1993. Investigação clínico-epidemiológica dos efeitos na saúde causados ​​pela contaminação do edifício Stachybotrys atra. Nos Anais da Sexta Conferência Internacional sobre Clima e Qualidade do Ar Interior, Helsinque.

Kabat, GC e EL Wynder. 1984. Incidência de câncer de pulmão em não fumantes. Câncer 53:1214-1221.

Luceri, G, G Peiraccini, G Moneti e P Dolara. 1993. As aminas aromáticas primárias da fumaça secundária do cigarro são contaminantes comuns do ar interno. Toxicol Ind Health 9:405-413.

Mainville, C, PL Auger, W Smorgawiewicz, D Neculcea, J Neculcea e M Lévesque. 1988. Mycotoxines et syndrome d'extreme fadiga dans un hôpital. In Healthy Buildings, editado por B Petterson e T Lindvall. Estocolmo: Conselho Sueco para Pesquisa em Edifícios.

Masi, MA et al. 1988. Exposição ambiental à fumaça do tabaco e função pulmonar em adultos jovens. Am Rev Respir Dis 138:296-299.

McLaughlin, JK, MS Dietz, ES Mehl e WJ Blot. 1987. Confiabilidade da informação substituta sobre o tabagismo por tipo de informante. Am J Epidemiol 126:144-146.

McLaughlin, JK, JS Mandel, ES Mehl e WJ Blot. 1990. Comparação de parentes próximos com auto-respondentes em relação a questões sobre consumo de cigarro, café e álcool. Epidemiologia 1(5):408-412.

Medina, E, R Medina e AM Kaempffer. 1988. Efeitos do tabagismo doméstico na frequência de doenças respiratórias infantis. Rev Chilena Pediatrica 59:60-64.

Miller, JD. 1993. Fungos e o engenheiro de construção. Ambientes para Pessoas: IAQ '92. Atlanta: ASHRAE.

Morey, PR. 1993a. Eventos microbiológicos após um incêndio em um edifício alto. Em ar interior '93. Helsinki: Indoor Air '93.

—. 1993b. Uso do padrão de comunicação de perigo e cláusula de dever geral durante a remediação da contaminação fúngica. Em ar interior '93. Helsinki: Indoor Air '93.

Nathanson, T. 1993. Qualidade do Ar Interior em Edifícios de Escritórios: Um Guia Técnico. Ottawa: Health Canada.

Departamento de Saúde da cidade de Nova York. 1993. Diretrizes sobre avaliação e correção de Stachybotrys Atra em ambientes internos. Nova York: Departamento de Saúde da cidade de Nova York.

Pershagen, G, S Wall, A Taube e I Linnman. 1981. Sobre a interação entre exposição ocupacional ao arsênico e tabagismo e sua relação com o câncer de pulmão. Scand J Work Environ Health 7:302-309.

Riedel, F, C Bretthauer e CHL Rieger. 1989. Einfluss von paasivem Rauchen auf die bronchiale Reaktivitact bei Schulkindern. Prax Pneumol 43:164-168.

Saccomanno, G, GC Huth, e O Auerbach. 1988. Relação de filhas de radônio radioativo e tabagismo na gênese do câncer de pulmão em mineradores de urânio. Câncer 62:402-408.

SORENSON, WG. 1989. Impacto na saúde das micotoxinas em casa e no local de trabalho: uma visão geral. Em Biodeterioration Research 2, editado por CE O'Rear e GC Llewellyn. Nova York: Pleno.

Fundo Sueco para o Ambiente de Trabalho. 1988. Medir ou tomar ação corretiva direta? Estratégias de Investigação e Medição no Ambiente de Trabalho. Estocolmo: Arbetsmiljöfonden [Fundo Sueco para o Ambiente de Trabalho].

Agência de Proteção Ambiental dos EUA (US EPA). 1992. Efeitos do Fumo Passivo na Saúde Respiratória: Câncer de Pulmão e Outros Distúrbios. Washington, DC: US ​​EPA.

Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos. 1986. Fumo Ambiental do Tabaco: Medindo as Exposições e Avaliando os Efeitos na Saúde. Washington, DC: Academia Nacional de Ciências.

Cirurgião Geral dos EUA. 1985. As Consequências do Fumo para a Saúde: Câncer e Doença Pulmonar Crônica no Local de Trabalho. Washington, DC: DHHS (PHS).

—. 1986. As Consequências para a Saúde do Fumar Involuntário. Washington, DC: DHHS (CDC).

Wald, NJ, J Borcham, C Bailey, C Ritchie, JE Haddow e J Knight. 1984. Cotinina urinária como marcador de inalação da fumaça do tabaco de outras pessoas. Lancet 1:230-231.

Wanner, HU, AP Verhoeff, A Colombi, B Flannigan, S Gravesen, A Mouilleseux, A Nevalainen, J Papadakis e K Seidel. 1993. Partículas Biológicas em Ambientes Internos. Qualidade do Ar Interior e seu Impacto no Homem. Bruxelas: Comissão das Comunidades Europeias.

White, JR e HF Froeb. 1980. Disfunção das pequenas vias aéreas em não fumantes cronicamente expostos à fumaça do tabaco. New Engl J Med 302:720-723.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1987. Diretrizes de Qualidade do Ar para a Europa. Série Europeia, nº. 23. Copenhague: Publicações Regionais da OMS.