Terça-feira, 15 Março 2011 15: 39

Campos Estáticos Elétricos e Magnéticos

Classifique este artigo
(8 votos)

Nossos ambientes naturais e artificiais geram forças elétricas e magnéticas de várias magnitudes – ao ar livre, em escritórios, em residências e em locais de trabalho industriais. Isso levanta duas questões importantes: (1) essas exposições apresentam algum efeito adverso à saúde humana e (2) que limites podem ser estabelecidos na tentativa de definir limites “seguros” de tais exposições?

Esta discussão se concentra em campos elétricos e magnéticos estáticos. Estudos são descritos em trabalhadores de várias indústrias, e também em animais, que falham em demonstrar quaisquer efeitos biológicos adversos claros nos níveis de exposição a campos elétricos e magnéticos normalmente encontrados. No entanto, são feitas tentativas para discutir os esforços de várias organizações internacionais para estabelecer diretrizes para proteger os trabalhadores e outros de qualquer possível nível perigoso de exposição.

Definição de Termos

Quando uma tensão ou corrente elétrica é aplicada a um objeto, como um condutor elétrico, o condutor fica carregado e as forças começam a atuar sobre outras cargas nas proximidades. Dois tipos de forças podem ser distinguidos: as provenientes de cargas elétricas estacionárias, conhecidas como forca eletrostatica, e aqueles que aparecem apenas quando as cargas estão se movendo (como em uma corrente elétrica em um condutor), conhecidas como força magnética. Para descrever a existência e a distribuição espacial dessas forças, físicos e matemáticos criaram o conceito de campo. Fala-se assim de um campo de força, ou simplesmente de campos elétricos e magnéticos.

O termo estático descreve uma situação em que todas as cargas são fixas no espaço ou se movem em um fluxo constante. Como resultado, tanto as cargas quanto as densidades de corrente são constantes no tempo. No caso de cargas fixas, temos um campo elétrico cuja intensidade em qualquer ponto do espaço depende do valor e da geometria de todas as cargas. No caso de corrente constante em um circuito, temos um campo elétrico e um campo magnético constantes no tempo (campos estáticos), pois a densidade de carga em qualquer ponto do circuito não varia.

Eletricidade e magnetismo são fenômenos distintos desde que as cargas e a corrente sejam estáticas; qualquer interconexão entre campos elétricos e magnéticos desaparece nesta situação estática e, portanto, eles podem ser tratados separadamente (ao contrário da situação em campos variáveis ​​no tempo). Os campos elétricos e magnéticos estáticos são claramente caracterizados por intensidades constantes e independentes do tempo e correspondem ao limite de frequência zero da banda de frequência extremamente baixa (ELF).

Campos elétricos estáticos

Exposição natural e ocupacional

Campos elétricos estáticos são produzidos por corpos eletricamente carregados onde uma carga elétrica é induzida na superfície de um objeto dentro de um campo elétrico estático. Como consequência, o campo elétrico na superfície de um objeto, particularmente onde o raio é pequeno, como em um ponto, pode ser maior que o campo elétrico não perturbado (ou seja, o campo sem a presença do objeto). O campo dentro do objeto pode ser muito pequeno ou nulo. Os campos elétricos são experimentados como uma força por objetos eletricamente carregados; por exemplo, uma força será exercida nos pelos do corpo, que pode ser percebida pelo indivíduo.

Em média, a carga da superfície da Terra é negativa, enquanto a atmosfera superior carrega uma carga positiva. O campo elétrico estático resultante perto da superfície da Terra tem uma força de cerca de 130 V/m. Esse campo diminui com a altura e seu valor é de cerca de 100 V/m a 100 m de altitude, 45 V/m a 1 km e menos de 1 V/m a 20 km. Os valores reais variam amplamente, dependendo da temperatura local e do perfil de umidade e da presença de contaminantes ionizados. Abaixo das nuvens de trovoada, por exemplo, e mesmo quando as nuvens de trovoada se aproximam, grandes variações de campo ocorrem ao nível do solo, porque normalmente a parte inferior de uma nuvem é carregada negativamente enquanto a parte superior contém uma carga positiva. Além disso, existe uma carga espacial entre a nuvem e o solo. À medida que a nuvem se aproxima, o campo no nível do solo pode primeiro aumentar e depois se inverter, com o solo ficando carregado positivamente. Durante este processo, campos de 100 V/m a 3 kV/m podem ser observados mesmo na ausência de descargas atmosféricas locais; as inversões de campo podem ocorrer muito rapidamente, dentro de 1 min, e altas intensidades de campo podem persistir durante a tempestade. Nuvens comuns, assim como nuvens de tempestade, contêm cargas elétricas e, portanto, afetam profundamente o campo elétrico no nível do solo. Grandes desvios do campo de bom tempo, até 200%, também são esperados na presença de neblina, chuva e íons pequenos e grandes que ocorrem naturalmente. Mudanças de campo elétrico durante o ciclo diário podem ser esperadas mesmo em clima completamente bom: mudanças bastante regulares na ionização local, temperatura ou umidade e as mudanças resultantes na condutividade elétrica atmosférica perto do solo, bem como transferência de carga mecânica por movimentos de ar locais, são provavelmente responsáveis ​​por essas variações diurnas.

Níveis típicos de campos eletrostáticos artificiais estão na faixa de 1 a 20 kV/m em escritórios e residências; esses campos são frequentemente gerados em torno de equipamentos de alta tensão, como aparelhos de TV e unidades de exibição de vídeo (VDUs), ou por fricção. As linhas de transmissão de corrente contínua (CC) geram campos elétricos e magnéticos estáticos e são um meio econômico de distribuição de energia onde estão envolvidas longas distâncias.

Os campos elétricos estáticos são amplamente utilizados em indústrias como química, têxtil, aviação, papel e borracha e no transporte.

efeitos biológicos

Estudos experimentais fornecem pouca evidência biológica para sugerir qualquer efeito adverso dos campos elétricos estáticos na saúde humana. Os poucos estudos em animais que foram realizados também parecem não ter produzido dados que apoiem os efeitos adversos na genética, no crescimento do tumor ou nos sistemas endócrino ou cardiovascular. (A Tabela 1 resume esses estudos com animais.)

Tabela 1. Estudos em animais expostos a campos elétricos estáticos

Pontos finais biológicos

efeitos relatados

Condições de exposição

Hematologia e Imunologia

Alterações nas frações de albumina e globulina das proteínas séricas em ratos.
Respostas não consistentes

Sem diferenças significativas na contagem de células sanguíneas, proteínas sanguíneas ou
química em ratos

Exposição contínua a campos entre 2.8 e 19.7 kV/m
de 22 a 52 dias de idade

Exposição a 340 kV/m por 22 h/dia para um total de 5,000 h

Sistema nervoso

Indução de alterações significativas observadas nos EEGs de ratos. No entanto, nenhuma indicação clara de uma resposta consistente

Nenhuma mudança significativa nas concentrações e taxas de utilização de
vários neurotransmissores em cérebros de ratos machos

Exposição a forças de campo elétrico de até 10 kV/m

Exposição a um campo de 3 kV/m por até 66 h

Comportamento

Estudos recentes e bem conduzidos sugerindo nenhum efeito em roedores
comportamento

Produção de comportamento de evitação dose-dependente em ratos machos, sem influência de íons de ar

Exposição a forças de campo de até 12 kV/m

Exposição a campos elétricos HVD variando de 55 a 80 kV/m

Reprodução e desenvolvimento

Não há diferenças significativas no número total de descendentes nem na
porcentagem sobrevivente em camundongos

Exposição a 340 kV/m por 22 h/dia antes, durante e depois
gestação

 

Não in vitro estudos foram conduzidos para avaliar o efeito da exposição de células a campos elétricos estáticos.

Cálculos teóricos sugerem que um campo elétrico estático induzirá uma carga na superfície das pessoas expostas, que pode ser percebida se descarregada em um objeto aterrado. Com uma voltagem suficientemente alta, o ar se ionizará e se tornará capaz de conduzir uma corrente elétrica entre, por exemplo, um objeto carregado e uma pessoa aterrada. o queda de tensão depende de uma série de fatores, incluindo a forma do objeto carregado e as condições atmosféricas. Os valores típicos das intensidades de campo elétrico correspondentes variam entre 500 e 1,200 kV/m.

Relatórios de alguns países indicam que vários operadores de VDU sofreram desordens de pele, mas a relação exata desses problemas com o trabalho de VDU não é clara. Campos elétricos estáticos em locais de trabalho de VDU foram sugeridos como uma possível causa dessas doenças de pele, e é possível que a carga eletrostática do operador seja um fator relevante. No entanto, qualquer relação entre campos eletrostáticos e distúrbios da pele ainda deve ser considerada hipotética com base nas evidências de pesquisa disponíveis.

Medições, prevenção, padrões de exposição

Medições de intensidade de campo elétrico estático podem ser reduzidas a medições de tensões ou cargas elétricas. Vários voltímetros eletrostáticos estão disponíveis comercialmente e permitem medições precisas de fontes eletrostáticas ou outras fontes de alta impedância sem contato físico. Alguns utilizam um chopper eletrostático para baixo desvio e feedback negativo para precisão e insensibilidade do espaçamento sonda-superfície. Em alguns casos, o eletrodo eletrostático “olha” para a superfície sob medição através de um pequeno orifício na base do conjunto da sonda. O sinal CA cortado induzido neste eletrodo é proporcional à voltagem diferencial entre a superfície sob medição e o conjunto da sonda. Os adaptadores de gradiente também são usados ​​como acessórios para voltímetros eletrostáticos e permitem seu uso como medidores de intensidade de campo eletrostático; leitura direta em volts por metro de separação entre a superfície sob teste e a placa aterrada do adaptador é possível.

Não há bons dados que possam servir como diretrizes para estabelecer limites básicos de exposição humana a campos elétricos estáticos. Em princípio, um limite de exposição pode ser derivado da tensão de ruptura mínima para o ar; no entanto, a intensidade do campo experimentada por uma pessoa dentro de um campo elétrico estático varia de acordo com a orientação e a forma do corpo, e isso deve ser levado em consideração na tentativa de chegar a um limite apropriado.

Os valores-limite (TLVs) foram recomendados pela Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH 1995). Esses TLVs referem-se à força máxima do campo elétrico estático desprotegido no local de trabalho, representando condições sob as quais quase todos os trabalhadores podem ser expostos repetidamente sem efeitos adversos à saúde. De acordo com a ACGIH, as exposições ocupacionais não devem exceder um campo elétrico estático de 25 kV/m. Este valor deve ser usado como um guia no controle da exposição e, devido à suscetibilidade individual, não deve ser considerado como uma linha clara entre níveis seguros e perigosos. (Este limite refere-se à intensidade do campo presente no ar, longe das superfícies dos condutores, onde as descargas de faíscas e as correntes de contato podem representar perigos significativos e destina-se a exposições de corpo inteiro e parcial.) Deve-se tomar cuidado para elimine objetos não aterrados, aterre tais objetos ou use luvas isoladas quando objetos não aterrados devem ser manuseados. A prudência dita o uso de dispositivos de proteção (por exemplo, roupas, luvas e isolamento) em todos os campos superiores a 15 kV/m.

De acordo com a ACGIH, as informações atuais sobre as respostas humanas e os possíveis efeitos dos campos elétricos estáticos na saúde são insuficientes para estabelecer um TLV confiável para exposições médias ponderadas no tempo. Recomenda-se que, na falta de informações específicas do fabricante sobre interferência eletromagnética, a exposição de usuários de marcapassos e outros dispositivos eletrônicos médicos seja mantida em ou abaixo de 1 kV/m.

Na Alemanha, de acordo com o padrão DIN, as exposições ocupacionais não devem exceder a força do campo elétrico estático de 40 kV/m. Para exposições curtas (até duas horas por dia) é permitido um limite superior de 60 kV/m.

Em 1993, o Conselho Nacional de Proteção Radiológica (NRPB 1993) forneceu conselhos sobre restrições apropriadas à exposição de pessoas a campos eletromagnéticos e radiação. Isso inclui campos elétricos e magnéticos estáticos. No documento NRPB, os níveis de investigação são fornecidos com a finalidade de comparar valores de quantidades de campo medidas para determinar se o cumprimento das restrições básicas foi ou não alcançado. Se o campo ao qual uma pessoa está exposta exceder o nível de investigação relevante, o cumprimento das restrições básicas deve ser verificado. Fatores que podem ser considerados nessa avaliação incluem, por exemplo, a eficiência do acoplamento da pessoa ao campo, a distribuição espacial do campo ao longo do volume ocupado pela pessoa e a duração da exposição.

De acordo com o NRPB, não é possível recomendar restrições básicas para evitar efeitos diretos da exposição humana a campos elétricos estáticos; orientação é dada para evitar efeitos irritantes de percepção direta da carga elétrica da superfície e efeitos indiretos, como choque elétrico. Para a maioria das pessoas, a percepção incômoda da carga elétrica superficial, atuando diretamente no corpo, não ocorrerá durante a exposição a campos elétricos estáticos com intensidades inferiores a cerca de 25 kV/m, ou seja, a mesma intensidade de campo recomendada pela ACGIH. Para evitar descargas de faísca (efeitos indiretos) causando estresse, o NRPB recomenda que as correntes de contato CC sejam restritas a menos de 2 mA. O choque elétrico de fontes de baixa impedância pode ser evitado seguindo os procedimentos de segurança elétrica estabelecidos relevantes para tais equipamentos.

Campos magnéticos estáticos

Exposição natural e ocupacional

O corpo é relativamente transparente aos campos magnéticos estáticos; tais campos irão interagir diretamente com materiais magneticamente anisotrópicos (exibindo propriedades com valores diferentes quando medidos ao longo de eixos em diferentes direções) e cargas em movimento.

O campo magnético natural é a soma de um campo interno devido à atuação da Terra como um ímã permanente e um campo externo gerado no ambiente por fatores como atividade solar ou atmosférica. O campo magnético interno da Terra se origina da corrente elétrica que flui na camada superior do núcleo da Terra. Existem diferenças locais significativas na intensidade deste campo, cuja magnitude média varia de cerca de 28 A/m no equador (correspondente a uma densidade de fluxo magnético de cerca de 35 mT em um material não magnético como o ar) a cerca de 56 A /m sobre os pólos geomagnéticos (correspondente a cerca de 70 mT no ar).

Os campos artificiais são mais fortes do que os de origem natural em muitas ordens de grandeza. Fontes artificiais de campos magnéticos estáticos incluem todos os dispositivos contendo fios que transportam corrente contínua, incluindo muitos aparelhos e equipamentos na indústria.

Nas linhas de transmissão de energia de corrente contínua, os campos magnéticos estáticos são produzidos por cargas em movimento (uma corrente elétrica) em uma linha de dois fios. Para uma linha aérea, a densidade do fluxo magnético ao nível do solo é de cerca de 20 mT para uma linha de  500 kV. Para uma linha de transmissão subterrânea enterrada a 1.4 m e transportando uma corrente máxima de cerca de 1 kA, a densidade máxima de fluxo magnético é inferior a 10 mT ao nível do solo.

As principais tecnologias que envolvem o uso de grandes campos magnéticos estáticos estão listadas na tabela 2, juntamente com seus níveis de exposição correspondentes.

Tabela 2. Principais tecnologias envolvendo o uso de grandes campos magnéticos estáticos e níveis de exposição correspondentes

Procedimentos

Níveis de exposição

Tecnologias de energia

Reatores de fusão termonuclear

Campos marginais de até 50 mT em áreas acessíveis ao pessoal.
Abaixo de 0.1 mT fora do local do reator

Sistemas magnetohidrodinâmicos

Aproximadamente 10 mT a cerca de 50 m; 100 mT apenas em distâncias superiores a 250 m

Sistemas de armazenamento de energia magnética supercondutores

Campos marginais de até 50 mT em locais acessíveis ao operador

Geradores supercondutores e linhas de transmissão

Campos marginais projetados para menos de 100 mT

Instalações de pesquisa

Câmaras de bolhas

Durante as trocas de cassetes de filme, o campo é de cerca de 0.4–0.5 T ao nível do pé e cerca de 50 mT ao nível da cabeça

Espectrômetros supercondutores

Cerca de 1 T em locais acessíveis ao operador

Aceleradores de partículas

O pessoal raramente é exposto devido à exclusão da zona de alta radiação. As exceções surgem apenas durante a manutenção

Unidades de separação de isótopos

Breves exposições a campos de até 50 mT
Normalmente, os níveis de campo são inferiores a 1 mT

Indústria

produção de alumínio

Níveis de até 100 mT em locais acessíveis ao operador

Processos eletrolíticos

Níveis médios e máximos de campo de cerca de 10 e 50 mT, respectivamente

Produção de ímãs

2–5 mT nas mãos do trabalhador; na faixa de 300 a 500 mT no nível do tórax e cabeça

Remédio

Ressonância magnética nuclear e espectroscopia

Um ímã não blindado de 1 T produz cerca de 0.5 mT a 10 m, e um ímã não blindado de 2 T produz a mesma exposição a cerca de 13 m

 

efeitos biológicos

Evidências de experimentos com animais de laboratório indicam que não há efeitos significativos nos muitos fatores de desenvolvimento, comportamentais e fisiológicos avaliados em densidades de fluxo magnético estático de até 2 T. Nem estudos em camundongos demonstraram qualquer dano ao feto devido à exposição a campos magnéticos até 1 t.

Teoricamente, os efeitos magnéticos poderiam retardar o fluxo de sangue em um campo magnético forte e produzir um aumento na pressão sanguínea. Uma redução de fluxo de no máximo alguns por cento poderia ser esperada em 5 T, mas nenhuma foi observada em seres humanos em 1.5 T, quando investigado.

Alguns estudos sobre trabalhadores envolvidos na fabricação de ímãs permanentes relataram vários sintomas subjetivos e distúrbios funcionais: irritabilidade, fadiga, dor de cabeça, perda de apetite, bradicardia (batimento cardíaco lento), taquicardia (batimento cardíaco acelerado), diminuição da pressão arterial, EEG alterado , coceira, queimação e dormência. No entanto, a falta de qualquer análise estatística ou avaliação do impacto de riscos físicos ou químicos no ambiente de trabalho reduz significativamente a validade desses relatórios e os torna difíceis de avaliar. Embora os estudos sejam inconclusivos, eles sugerem que, se os efeitos de longo prazo realmente ocorrem, eles são muito sutis; nenhum efeito bruto cumulativo foi relatado.

Indivíduos expostos a uma densidade de fluxo magnético de 4T foram relatados como experimentando efeitos sensoriais associados ao movimento no campo, como vertigem (tontura), sensação de náusea, gosto metálico e sensações magnéticas ao mover os olhos ou a cabeça. No entanto, dois levantamentos epidemiológicos de dados gerais de saúde em trabalhadores cronicamente expostos a campos magnéticos estáticos não revelaram quaisquer efeitos significativos na saúde. Dados de saúde de 320 trabalhadores foram obtidos em plantas que utilizam grandes células eletrolíticas para processos de separação química onde o nível médio de campo estático no ambiente de trabalho foi de 7.6 mT e o campo máximo foi de 14.6 mT. Ligeiras alterações na contagem de glóbulos brancos, mas ainda dentro da faixa normal, foram detectadas no grupo exposto em comparação com os 186 controles. Nenhuma das alterações transitórias observadas na pressão arterial ou em outras medições de sangue foi considerada indicativa de um efeito adverso significativo associado à exposição a campos magnéticos. Em outro estudo, a prevalência da doença foi avaliada entre 792 trabalhadores expostos ocupacionalmente a campos magnéticos estáticos. O grupo de controle consistiu de 792 trabalhadores não expostos pareados por idade, raça e status socioeconômico. A gama de exposições a campos magnéticos variou de 0.5 mT para longas durações a 2 T por períodos de várias horas. Nenhuma mudança estatisticamente significativa na prevalência de 19 categorias de doenças foi observada no grupo exposto em comparação com os controles. Nenhuma diferença na prevalência da doença foi encontrada entre um subgrupo de 198 que experimentou exposições de 0.3 T ou mais por períodos de uma hora ou mais quando comparado com o restante da população exposta ou os controles pareados.

Um relatório sobre trabalhadores da indústria de alumínio indicou uma elevada taxa de mortalidade por leucemia. Embora este estudo epidemiológico tenha relatado um risco aumentado de câncer para pessoas diretamente envolvidas na produção de alumínio, onde os trabalhadores são expostos a grandes campos magnéticos estáticos, não há no momento nenhuma evidência clara para indicar exatamente quais fatores cancerígenos no ambiente de trabalho são responsáveis. O processo usado para a redução de alumínio cria alcatrão de hulha, voláteis de piche, vapores de flúor, óxidos de enxofre e dióxido de carbono, e alguns deles podem ser candidatos mais prováveis ​​a efeitos causadores de câncer do que a exposição a campos magnéticos.

Em um estudo sobre trabalhadores de alumínio franceses, a mortalidade por câncer e a mortalidade por todas as causas não diferiram significativamente daquela observada para a população masculina geral da França (Mur et al. 1987).

Outra descoberta negativa que liga as exposições a campos magnéticos a possíveis resultados de câncer vem de um estudo de um grupo de trabalhadores em uma fábrica de cloroalcalis, onde as correntes de 100 kA DC usadas para a produção eletrolítica de cloro deram origem a densidades de fluxo magnético estático, nos locais dos trabalhadores, variando de 4 a 29mT. A incidência observada versus esperada de câncer entre esses trabalhadores ao longo de um período de 25 anos não mostrou diferenças significativas.

Medições, padrões de prevenção e exposição

Durante os últimos trinta anos, a medição de campos magnéticos passou por um desenvolvimento considerável. O progresso nas técnicas tornou possível desenvolver novos métodos de medição, bem como melhorar os antigos.

Os dois tipos mais populares de sondas de campo magnético são uma bobina blindada e uma sonda Hall. A maioria dos medidores de campo magnético disponíveis comercialmente usa um deles. Recentemente, outros dispositivos semicondutores, nomeadamente transistores bipolares e transistores FET, foram propostos como sensores de campo magnético. Eles oferecem algumas vantagens sobre as sondas Hall, como maior sensibilidade, maior resolução espacial e resposta de frequência mais ampla.

O princípio da técnica de medição de ressonância magnética nuclear (NMR) é determinar a frequência ressonante da amostra de teste no campo magnético a ser medido. É uma medida absoluta que pode ser feita com grande precisão. A faixa de medição deste método é de cerca de 10 mT a 10 T, sem limites definidos. Nas medições de campo usando o método de ressonância magnética de prótons, uma precisão de 10-4 é facilmente obtido com aparato simples e uma precisão de 10-6 pode ser alcançado com extensas precauções e equipamentos refinados. A deficiência inerente do método NMR é sua limitação a um campo com baixo gradiente e a falta de informação sobre a direção do campo.

Recentemente, vários dosímetros pessoais adequados para monitorar exposições a campos magnéticos estáticos também foram desenvolvidos.

As medidas de proteção para o uso industrial e científico de campos magnéticos podem ser categorizadas como medidas de projeto de engenharia, uso de distância de separação e controles administrativos. Outra categoria geral de medidas de controle de riscos, que incluem equipamentos de proteção individual (por exemplo, roupas especiais e máscaras faciais), não existe para campos magnéticos. No entanto, medidas de proteção contra riscos potenciais de interferência magnética com equipamentos eletrônicos médicos ou de emergência e para implantes cirúrgicos e dentários são uma área de preocupação especial. As forças mecânicas transmitidas a implantes ferromagnéticos (de ferro) e objetos soltos em instalações de alto campo exigem que sejam tomadas precauções para proteção contra riscos à saúde e segurança.

As técnicas para minimizar a exposição indevida a campos magnéticos de alta intensidade em torno de grandes instalações industriais e de pesquisa geralmente se enquadram em quatro tipos:

    1. distância e tempo
    2. blindagem magnética
    3. interferência eletromagnética (EMI) e compatibilidade
    4. medidas administrativas.

           

          O uso de sinais de alerta e áreas de acesso especial para limitar a exposição do pessoal perto de grandes instalações magnéticas tem sido de grande utilidade para controlar a exposição. Controles administrativos como esses geralmente são preferíveis à blindagem magnética, que pode ser extremamente cara. Objetos ferromagnéticos e paramagnéticos soltos (quaisquer substâncias magnetizantes) podem ser convertidos em mísseis perigosos quando submetidos a intensos gradientes de campo magnético. A prevenção deste perigo pode ser alcançada apenas removendo objetos metálicos soltos da área e do pessoal. Itens como tesouras, lixas de unha, chaves de fenda e bisturis devem ser banidos das imediações.

          As primeiras diretrizes de campo magnético estático foram desenvolvidas como uma recomendação não oficial na antiga União Soviética. Investigações clínicas formaram a base para este padrão, que sugere que a intensidade do campo magnético estático no local de trabalho não deve exceder 8 kA/m (10 mT).

          A Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais emitiu TLVs de densidades de fluxo magnético estático aos quais a maioria dos trabalhadores poderia ser exposta repetidamente, dia após dia, sem efeitos adversos à saúde. Quanto aos campos elétricos, esses valores devem ser usados ​​como guias no controle da exposição a campos magnéticos estáticos, mas não devem ser considerados como uma linha nítida entre níveis seguros e perigosos. De acordo com a ACGIH, as exposições ocupacionais de rotina não devem exceder 60 mT em média em todo o corpo ou 600 mT nas extremidades diariamente, com base no tempo ponderado. Uma densidade de fluxo de 2 T é recomendada como valor máximo. Podem existir riscos de segurança devido às forças mecânicas exercidas pelo campo magnético sobre ferramentas ferromagnéticas e implantes médicos.

          Em 1994, a Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não Ionizante (ICNIRP 1994) finalizou e publicou diretrizes sobre limites de exposição a campos magnéticos estáticos. Nessas diretrizes, é feita uma distinção entre os limites de exposição para trabalhadores e para o público em geral. Os limites recomendados pelo ICNIRP para exposições ocupacionais e do público em geral a campos magnéticos estáticos estão resumidos na tabela 3. Quando as densidades de fluxo magnético excederem 3 mT, devem ser tomadas precauções para evitar riscos de objetos metálicos projetados. Relógios analógicos, cartões de crédito, fitas magnéticas e discos de computador podem ser afetados adversamente pela exposição a 1 mT, mas isso não é visto como uma preocupação de segurança para as pessoas.

          Tabela 3. Limites de exposição a campos magnéticos estáticos recomendados pela Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não Ionizante (ICNIRP)

          Características de exposição

          Densidade do fluxo magnético

          Profissional

          Jornada de trabalho inteira (média ponderada no tempo)

          200 mT

          valor teto

          2 T

          Membros

          5 T

          Público geral

          Exposição contínua

          40 mT

           

          O acesso ocasional do público a instalações especiais onde as densidades de fluxo magnético excedem 40 mT pode ser permitido sob condições apropriadamente controladas, desde que o limite de exposição ocupacional apropriado não seja excedido.

          Os limites de exposição do ICNIRP foram definidos para um campo homogêneo. Para campos não homogêneos (variações dentro do campo), a densidade média do fluxo magnético deve ser medida em uma área de 100 cm2.

          De acordo com um documento recente do NRPB, a restrição à exposição aguda a menos de 2 T evitará respostas agudas como vertigem ou náusea e efeitos adversos à saúde resultantes de arritmia cardíaca (batimento cardíaco irregular) ou função mental prejudicada. Apesar da relativa falta de evidências de estudos de populações expostas sobre possíveis efeitos a longo prazo de campos altos, o Conselho considera aconselhável restringir a exposição ponderada por tempo de longo prazo em 24 horas para menos de 200 mT (um décimo daquela destinada a prevenir respostas agudas). Esses níveis são bastante semelhantes aos recomendados pela ICNIRP; ACGIH TLVs são ligeiramente mais baixos.

          Pessoas com marca-passos cardíacos e outros dispositivos implantados eletricamente ativados, ou com implantes ferromagnéticos, podem não estar adequadamente protegidos pelos limites indicados aqui. É improvável que a maioria dos marcapassos cardíacos seja afetada pela exposição a campos abaixo de 0.5 mT. Pessoas com alguns implantes ferromagnéticos ou dispositivos ativados eletricamente (exceto marcapassos cardíacos) podem ser afetados por campos acima de alguns mT.

          Existem outros conjuntos de diretrizes que recomendam limites de exposição ocupacional: três deles são aplicados em laboratórios de física de alta energia (Stanford Linear Accelerator Center e Lawrence Livermore National Laboratory na Califórnia, laboratório de aceleração do CERN em Genebra) e uma diretriz provisória no Departamento dos EUA de Energia (DOE).

          Na Alemanha, de acordo com o padrão DIN, as exposições ocupacionais não devem exceder uma força de campo magnético estático de 60 kA/m (cerca de 75 mT). Quando apenas as extremidades são expostas, esse limite é fixado em 600 kA/m; limites de intensidade de campo de até 150 kA/m são permitidos para exposições curtas de corpo inteiro (até 5 minutos por hora).

           

          Voltar

          Leia 17923 vezes Última modificação em terça-feira, 26 de julho de 2022 21:39

          " ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

          Conteúdo

          Radiação: Referências não ionizantes

          Allen, SG. 1991. Medições de campo de radiofrequência e avaliação de riscos. J Radiol Protect 11:49-62.

          Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1992. Documentação para os Valores Limite Limiares. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

          —. 1993. Valores Limite para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices de Exposição Biológica. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

          —. 1994a. Relatório Anual do Comitê de Valores Limite de Agentes Físicos da ACGIH. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

          —. 1994b. TLV's, valores-limite e índices de exposição biológica para 1994-1995. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

          —. 1995. 1995-1996 Valores Limite para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices Biológicos de Exposição. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

          —. 1996. TLVs© e BEIs©. Valores Limite de Limite para Substâncias Químicas e Agentes Físicos; Índices de Exposição Biológica. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

          Instituto Nacional de Padrões Americano (ANSI). 1993. Uso Seguro de Lasers. Padrão nº Z-136.1. Nova York: ANSI.

          Aniolczyk, R. 1981. Medições de avaliação higiênica de campos eletromagnéticos no ambiente de diatermia, soldadores e aquecedores de indução. Medicina Pracy 32:119-128.

          Bassett, CAL, SN Mitchell e SR Gaston. 1982. Tratamento de campo eletromagnético pulsante em fraturas não unidas e artrodeses malsucedidas. J Am Med Assoc 247:623-628.

          Bassett, CAL, RJ Pawluk e AA Pilla. 1974. Aumento da reparação óssea por campos eletromagnéticos acoplados indutivamente. Science 184:575-577.

          Berger, D, F Urbach e RE Davies. 1968. O espectro de ação do eritema induzido pela radiação ultravioleta. No Relatório Preliminar XIII. Congressus Internationalis Dermatologiae, Munchen, editado por W Jadassohn e CG Schirren. Nova York: Springer-Verlag.

          Bernhardt, JH. 1988a. O estabelecimento de limites dependentes da frequência para campos elétricos e magnéticos e avaliação de efeitos indiretos. Rad Envir Biophys 27:1.

          Bernhardt, JH e R Matthes. 1992. Fontes eletromagnéticas ELF e RF. Em Non-Ionizing Radiation Protection, editado por MW Greene. Vancôver: UBC Press.

          Bini, M, A Checcucci, A Ignesti, L Millanta, R Olmi, N Rubino e R Vanni. 1986. Exposição de trabalhadores a intensos campos elétricos de RF que vazam de selantes plásticos. J Poder do Microondas 21:33-40.

          Buhr, E, E Sutter e Conselho de Saúde Holandês. 1989. Filtros dinâmicos para dispositivos de proteção. Em Dosimetry of Laser Radiation in Medicine and Biology, editado por GJ Mueller e DH Sliney. Bellingham, Washington: SPIE.

          Bureau de Saúde Radiológica. 1981. Uma Avaliação da Emissão de Radiação de Terminais de Exibição de Vídeo. Rockville, MD: Departamento de Saúde Radiológica.

          CLEUET, A e A. Mayer. 1980. Risques liés à l'utilisation industrielle des lasers. In Institut National de Recherche et de Sécurité, Cahiers de Notes Documentaires, No. 99 Paris: Institut National de Recherche et de Sécurité.

          Coblentz, WR, R Stair e JM Hogue. 1931. A relação eritêmica espectral da pele com a radiação ultravioleta. Em Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America Washington, DC: National Academy of Sciences.

          Cole, CA, DF Forbes e PD Davies. 1986. Um espectro de ação para fotocarcinogênese UV. Photochem Photobiol 43(3):275-284.

          Commission Internationale de L'Eclairage (CIE). 1987. Vocabulário Internacional de Iluminação. Viena: CIE.

          Cullen, AP, BR Chou, MG Hall e SE Jany. 1984. Ultravioleta-B danifica o endotélio da córnea. Am J Optom Phys Opt 61(7):473-478.

          Duchene, A, J Lakey e M Repacholi. 1991. Diretrizes da IRPA sobre proteção contra radiação não ionizante. Nova York: Pergamon.

          Elder, JA, PA Czerki, K Stuchly, K Hansson Mild e AR Sheppard. 1989. Radiação de radiofrequência. Em Nonionizing Radiation Protection, editado por MJ Suess e DA Benwell-Morison. Genebra: OMS.

          Eriksen, P. 1985. Espectros ópticos resolvidos no tempo da ignição de arco de soldagem MIG. Am Ind Hyg Assoc J 46:101-104.

          Everett, MA, RL Olsen e RM Sayer. 1965. Eritema ultravioleta. Arch Dermatol 92:713-719.

          Fitzpatrick, TB, MA Pathak, LC Harber, M Seiji e A Kukita. 1974. Sunlight and Man, Normal and Abnormal Photobiologic Responses. Tóquio: Univ. da Tokyo Press.

          Forbes, PD e PD Davies. 1982. Fatores que influenciam a fotocarcinogênese. Indivíduo. 7 em Photoimmunology, editado por JAM Parrish, L Kripke e WL Morison. Nova York: Pleno.

          Freeman, RS, DW Owens, JM Knox e HT Hudson. 1966. Requisitos relativos de energia para uma resposta eritemal da pele a comprimentos de onda monocromáticos de ultravioleta presentes no espectro solar. J Invest Dermatol 47:586-592.

          Grandolfo, M e K Hansson Mild. 1989. Radiofrequência ocupacional e pública mundial e proteção contra micro-ondas. Em Biointeração Eletromagnética. Mecanismos, Normas de Segurança, Guias de Proteção, editado por G Franceschetti, OP Gandhi e M Grandolfo. Nova York: Pleno.

          Verde, MW. 1992. Radiação não ionizante. 2º Workshop Internacional de Radiação Não Ionizante, 10-14 de maio, Vancouver.

          Ham, WTJ. 1989. A fotopatologia e a natureza da lesão retiniana de luz azul e quase ultravioleta produzida por lasers e outras fontes ópticas. Em Laser Applications in Medicine and Biology, editado por ML Wolbarsht. Nova York: Pleno.

          Ham, WT, HA Mueller, JJ Ruffolo, D Guerry III e RK Guerry. 1982. Espectro de ação para lesões na retina causadas por radiação quase ultravioleta no macaco afácico. Am J Ophthalmol 93(3):299-306.

          Hansson Mild, K. 1980. Exposição ocupacional a campos eletromagnéticos de radiofrequência. Proc IEEE 68:12-17.

          Hausser, KW. 1928. Influência do comprimento de onda na biologia da radiação. Strahlentherapie 28:25-44.

          Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos (IEEE). 1990a. IEEE COMAR Posição de RF e Microondas. Nova York: IEEE.

          —. 1990b. Declaração de posição do IEEE COMAR sobre os aspectos de saúde da exposição a campos elétricos e magnéticos de seladores de RF e aquecedores dielétricos. Nova York: IEEE.

          —. 1991. Padrão IEEE para níveis de segurança com relação à exposição humana a campos eletromagnéticos de radiofrequência de 3 KHz a 300 GHz. Nova York: IEEE.

          Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não Ionizante (ICNIRP). 1994. Diretrizes sobre limites de exposição a campos magnéticos estáticos. Saúde Física 66:100-106.

          —. 1995. Diretrizes para Limites de Exposição Humana à Radiação Laser.

          Declaração do ICNIRP. 1996. Problemas de saúde relacionados ao uso de radiotelefones portáteis e transmissores de base. Health Physics, 70:587-593.

          Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC). 1993. Padrão IEC No. 825-1. Genebra: CEI.

          Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1993a. Proteção contra campos elétricos e magnéticos de frequência de energia. Série de Segurança e Saúde Ocupacional, No. 69. Genebra: ILO.

          Associação Internacional de Proteção contra Radiação (IRPA). 1985. Diretrizes para limites de exposição humana à radiação laser. Saúde Física 48(2):341-359.

          —. 1988a. Alteração: Recomendações para pequenas atualizações das diretrizes IRPA 1985 sobre os limites de exposição à radiação laser. Health Phys 54(5):573-573.

          —. 1988b. Diretrizes sobre limites de exposição a campos eletromagnéticos de radiofrequência na faixa de frequência de 100 kHz a 300 GHz. Saúde Física 54:115-123.

          —. 1989. Proposta de mudança para os limites de exposição à radiação ultravioleta da IRPA 1985. Health Phys 56(6):971-972.

          Associação Internacional de Proteção contra Radiação (IRPA) e Comitê Internacional de Radiação Não Ionizante. 1990. Diretrizes provisórias sobre limites de exposição a campos elétricos e magnéticos de 50/60 Hz. Saúde Física 58(1):113-122.

          Kolmodin-Hedman, B, K Hansson Mild, E Jönsson, MC Anderson e A Eriksson. 1988. Problemas de saúde entre operações de máquinas de solda de plástico e exposição a campos eletromagnéticos de radiofrequência. Int Arch Occup Environ Health 60:243-247.

          Krause, N. 1986. Exposição de pessoas a campos magnéticos estáticos e variáveis ​​no tempo em tecnologia, medicina, pesquisa e vida pública: Aspectos dosimétricos. Em Biological Effects of Static and ELF-Magnetic Fields, editado por JH Bernhardt. Munique: MMV Medizin Verlag.

          Lövsund, P e KH Mild. 1978. Campo eletromagnético de baixa frequência perto de alguns aquecedores de indução. Estocolmo: Conselho de Saúde e Segurança Ocupacional de Estocolmo.

          Lövsund, P, PA Oberg e SEG Nilsson. 1982. Campos magnéticos ELF em eletroaço e indústrias de soldagem. Radio Sci 17(5S):355-385.

          Luckiesh, ML, L Holladay e AH Taylor. 1930. Reação da pele humana não curtida à radiação ultravioleta. J Optic Soc Am 20:423-432.

          McKinlay, AF e B Diffey. 1987. Um espectro de ação de referência para eritema induzido por ultravioleta na pele humana. Em Human Exposure to Ultraviolet Radiation: Risks and Regulations, editado por WF Passchier e BFM Bosnjakovic. Nova York: Excerpta medica Division, Elsevier Science Publishers.

          McKinlay, A, JB Andersen, JH Bernhardt, M Grandolfo, KA Hossmann, FE van Leeuwen, K Hansson Mild, AJ Swerdlow, L Verschaeve e B Veyret. Proposta de um programa de investigação por um Grupo de Peritos da Comissão Europeia. Possíveis efeitos na saúde relacionados ao uso de radiotelefones. Reportagem não publicada.

          Mitbriet, IM e VD Manyachin. 1984. Influência dos campos magnéticos na reparação do osso. Moscou, Nauka, 292-296.

          Conselho Nacional de Proteção e Medições de Radiação (NCRP). 1981. Campos eletromagnéticos de radiofrequência. Propriedades, Quantidades e Unidades, Interação Biofísica e Medidas. Bethesda, MD: NCRP.

          —. 1986. Efeitos Biológicos e Critérios de Exposição para Campos Eletromagnéticos de Radiofrequência. Relatório nº 86. Bethesda, MD: NCRP.

          Conselho Nacional de Proteção Radiológica (NRPB). 1992. Campos eletromagnéticos e o risco de câncer. vol. 3(1). Chilton, Reino Unido: NRPB.

          —. 1993. Restrições à exposição humana a campos e radiações eletromagnéticos estáticos e variáveis ​​no tempo. Didcot, Reino Unido: NRPB.

          Conselho Nacional de Pesquisa (NRC). 1996. Possíveis efeitos na saúde da exposição a campos elétricos e magnéticos residenciais. Washington: NAS Press. 314.

          Olsen, EG e A Ringvold. 1982. Endotélio da córnea humana e radiação ultravioleta. Acta Ophthalmol 60:54-56.

          Parrish, JA, KF Jaenicke e RR Anderson. 1982. Eritema e melanogênese: Espectros de ação da pele humana normal. Photochem Photobiol 36(2):187-191.

          Passchier, WF e BFM Bosnjakovic. 1987. Exposição Humana à Radiação Ultravioleta: Riscos e Regulamentações. Nova York: Excerpta Medica Division, Elsevier Science Publishers.

          Pitts, DG. 1974. O espectro humano de ação ultravioleta. Am J Optom Phys Opt 51(12):946-960.

          Pitts, DG e TJ Tredici. 1971. Os efeitos do ultravioleta no olho. Am Ind Hyg Assoc J 32(4):235-246.

          Pitts, DG, AP Cullen e PD Hacker. 1977a. Efeitos oculares da radiação ultravioleta de 295 a 365nm. Invest Ophthalmol Vis Sci 16(10):932-939.

          —. 1977b. Efeitos Ultravioleta de 295 a 400nm no Olho do Coelho. Cincinnati, Ohio: Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH).

          Polk, C e E Postow. 1986. CRC Handbook of Biological Effects of Electromagnetic Fields. Boca Ratón: CRC Press.

          Repacholi, MH. 1985. Terminais de exibição de vídeo - os operadores devem se preocupar? Austalas Phys Eng Sci Med 8(2):51-61.

          —. 1990. Câncer da exposição a campos elétricos e magnéticos de 50760 Hz: um grande debate científico. Austalas Phys Eng Sci Med 13(1):4-17.

          Repacholi, M, A Basten, V Gebski, D Noonan, J Finnic e AW Harris. 1997. Linfomas em camundongos transgênicos E-Pim1 expostos a campos eletromagnéticos pulsados ​​de 900 MHz. Pesquisa de radiação, 147:631-640.

          Riley, MV, S Susan, MI Peters e CA Schwartz. 1987. Os efeitos da irradiação UVB no endotélio da córnea. Curr Eye Res 6(8):1021-1033.

          Ringvold, A. 1980a. Córnea e radiação ultravioleta. Acta Oftalmol 58:63-68.

          —. 1980b. Humor aquoso e radiação ultravioleta. Acta Ophthalmol 58:69-82.

          —. 1983. Dano do epitélio da córnea causado pela radiação ultravioleta. Acta Ophthalmol 61:898-907.

          Ringvold, A e M. Davanger. 1985. Alterações no estroma da córnea de coelho causadas pela radiação UV. Acta Ophthalmol 63:601-606.

          Ringvold, A, M Davanger e EG Olsen. 1982. Alterações do endotélio da córnea após radiação ultravioleta. Acta Oftalmol 60:41-53.

          Roberts, NJ e SM Michaelson. 1985. Estudos epidemiológicos da exposição humana à radiação de radiofrequência: uma revisão crítica. Int Arch Occup Environ Health 56:169-178.

          Roy, CR, KH Joyner, HP Gies e MJ Bangay. 1984. Medição de radiação eletromagnética emitida por terminais de exibição visual (VDTs). Rad Prot Austral 2(1):26-30.

          Scotto, J, TR Fears e GB Gori. 1980. Medições de radiação ultravioleta nos Estados Unidos e comparações com dados de câncer de pele. Washington, DC: US ​​Government Printing Office.

          Sienkiewicz, ZJ, RD Saunder e CI Kowalczuk. 1991. Efeitos biológicos da exposição a campos eletromagnéticos não ionizantes e radiação. 11 Campos elétricos e magnéticos de frequência extremamente baixa. Didcot, Reino Unido: National Radiation Protection Board.

          Silverman, C. 1990. Estudos epidemiológicos de câncer e campos eletromagnéticos. No Cap. 17 em Efeitos Biológicos e Aplicações Médicas da Energia Eletromagnética, editado por OP Gandhi. Engelwood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

          Sliney, DH. 1972. Os méritos de um espectro de ação de envelope para critérios de exposição à radiação ultravioleta. Am Ind Hyg Assoc J 33:644-653.

          —. 1986. Fatores físicos na cataratogênese: radiação ultravioleta ambiente e temperatura. Invest Ophthalmol Vis Sci 27(5):781-790.

          —. 1987. Estimando a exposição solar à radiação ultravioleta para um implante de lente intra-ocular. J Cataract Refract Surg 13(5):296-301.

          —. 1992. Um guia do gerente de segurança para os novos filtros de soldagem. Soldagem J 71(9):45-47.
          Sliney, DH e ML Wolbarsht. 1980. Segurança com lasers e outras fontes ópticas. Nova York: Pleno.

          Stenson, S. 1982. Achados oculares em xeroderma pigmentoso: Relato de dois casos. Ann Ophthalmol 14(6):580-585.

          Sterenborg, HJCM e JC van der Leun. 1987. Espectros de ação para tumorigênese por radiação ultravioleta. Em Human Exposure to Ultraviolet Radiation: Risks and Regulations, editado por WF Passchier e BFM Bosnjakovic. Nova York: Excerpta Medica Division, Elsevier Science Publishers.

          Stutchly, MA. 1986. Exposição humana a campos magnéticos estáticos e variáveis ​​no tempo. Saúde Física 51(2):215-225.

          Stuchly, MA e DW Lecuyer. 1985. Aquecimento por indução e exposição do operador a campos eletromagnéticos. Saúde Phys 49:693-700.

          —. 1989. Exposição a campos eletromagnéticos em soldagem a arco. Saúde Física 56:297-302.

          Szmigielski, S, M Bielec, S Lipski e G Sokolska. 1988. Aspectos imunológicos e relacionados ao câncer da exposição a campos de microondas e radiofrequência de baixo nível. In Modern Bioelectricity, editado por AA Mario. Nova York: Marcel Dekker.

          Taylor, HR, SK West, FS Rosenthal, B Munoz, HS Newland, H Abbey e EA Emmett. 1988. Efeito da radiação ultravioleta na formação de catarata. New Engl J Med 319:1429-1433.

          Diga, RA. 1983. Instrumentação para medição de campos eletromagnéticos: Equipamentos, calibrações e aplicações selecionadas. In Biological Effects and Dosimetry of Nonionizing Radiation, Radiofrequency and Microwave Energies, editado por M Grandolfo, SM Michaelson e A Rindi. Nova York: Pleno.

          Urbach, F. 1969. Os efeitos biológicos da radiação ultravioleta. Nova York: Pergamon.

          Organização Mundial da Saúde (OMS). 1981. Radiofrequência e microondas. Critério de Saúde Ambiental, No.16. Genebra: OMS.

          —. 1982. Lasers e Radiação Óptica. Critérios de Saúde Ambiental, No. 23. Genebra: OMS.

          —. 1987. Campos Magnéticos. Critério de Saúde Ambiental, No.69. Genebra: OMS.

          —. 1989. Proteção contra radiação não ionizante. Copenhague: Escritório Regional da OMS para a Europa.

          —. 1993. Campos eletromagnéticos de 300 Hz a 300 GHz. Critérios de Saúde Ambiental, No. 137. Genebra: OMS.

          —. 1994. Radiação ultravioleta. Critérios de Saúde Ambiental, No. 160. Genebra: OMS.

          Organização Mundial da Saúde (OMS), Programa Ambiental das Nações Unidas (PNUMA) e Associação Internacional de Proteção contra Radiação (IRPA). 1984. Frequência Extremamente Baixa (ELF). Critérios de Saúde Ambiental, No. 35. Genebra: OMS.

          Zaffanella, LE e DW DeNo. 1978. Efeitos eletrostáticos e eletromagnéticos de linhas de transmissão de ultra-alta tensão. Palo Alto, Califórnia: Electric Power Research Institute.

          Zuclich, JA e JS Connolly. 1976. Danos oculares induzidos por radiação laser quase ultravioleta. Invest Ophthalmol Vis Sci 15(9):760-764.