Quinta-feira, Março 10 2011 14: 37

Floricultura

Classifique este artigo
(0 votos)

Desde o início da década de 1990, em muitos países e em vários continentes, a floricultura como atividade econômica vem se expandindo rapidamente. A sua crescente importância nos mercados de exportação resultou no desenvolvimento integrado de várias vertentes deste ramo de atividade, incluindo produção, tecnologia, investigação científica, transporte e conservação.

Produção

A produção de flores de corte tem dois componentes essenciais:

  1. o processo de produção, que envolve todas as atividades diretamente relacionadas à geração e ao desenvolvimento do produto até o momento da embalagem
  2. as diversas atividades que auxiliam na produção e promovem a comercialização e distribuição de flores de corte.

 

O próprio processo de produção pode ser dividido em três partes básicas: germinação, cultivo e pós-colheita.

Germinação é realizado por meio do plantio de plantas-mãe das quais são obtidas mudas para cultivo.

As estacas de diferentes flores são plantadas em canteiros de um meio de enraizamento. Os canteiros são feitos de escória tratada com vapor e tratados com produtos químicos para desinfetar o meio de cultivo e facilitar o desenvolvimento das raízes.

Cultivo é feito em estufas que abrigam os canteiros de meio de enraizamento onde as flores são plantadas e cultivadas conforme discutido no artigo “Operações de estufa e viveiro” neste capítulo e conforme mostrado na figura 1. O cultivo inclui preparo do solo, plantio das estacas (figura 2) e colheita das flores.

Figura 1. Cuidando de flores em uma estufa

AGR290F1

Figura 2. Plantando mudas em casa de vegetação

AGR290F4

O plantio inclui o ciclo que começa com a colocação das mudas no meio de enraizamento e termina com a floração da planta. Inclui as seguintes atividades: plantio, irrigação normal, irrigação por gotejamento com adubo, cultivo e capina do solo, beliscar a ponta das plantas para forçar a ramificação e obter mais flores, preparar os suportes que mantêm as plantas eretas e o crescimento, ramificação e floração da planta.

A produção termina com a colheita das flores e sua separação por classificação.

No fase pós-colheita—além da seleção e classificação—as flores são cobertas com capas plásticas, é aplicado um tratamento sanitário e são embaladas para embarque.

As atividades secundárias incluem o monitoramento da saúde das plantas para detecção de pragas e diagnóstico precoce de doenças das plantas, obtenção de matérias-primas do depósito e manutenção dos fornos.

Fatores de Risco à Saúde

Os fatores de risco mais importantes em cada uma das diferentes áreas de trabalho são:

  • substancias químicas
  • temperaturas extremas - calor
  • radiação não ionizante
  • doença infecciosa
  • fatores ergonômicos
  • fatores mecânicos
  • fatores psicossociais.

 

Substancias químicas

Intoxicações e doenças crônicas por pesticidas

Os níveis de morbidade/mortalidade encontrados em trabalhadores devido à exposição a agrotóxicos não são consequência de uma simples relação entre o agente químico e a pessoa que sofreu exposição a ele, mas também refletem a interação de muitos outros fatores. Entre eles estão o tempo de exposição, a suscetibilidade individual, o estado nutricional da pessoa exposta, as variáveis ​​educacionais e culturais e as condições socioeconômicas em que vivem os trabalhadores.

Além dos ingredientes ativos dos pesticidas, também devem ser levadas em consideração as substâncias que veiculam os ingredientes ativos e os aditivos, porque às vezes essas substâncias podem ter efeitos adversos mais prejudiciais do que os dos ingredientes ativos.

A toxicidade dos agrotóxicos elaborados com organofosforados se deve ao seu efeito no sistema nervoso central, pois inibem a atividade da enzima acetilcolinesterase. Os efeitos são cumulativos e também foram observados efeitos tardios nos sistemas nervoso central e periférico. Segundo estudos realizados em vários países, a prevalência da inibição dessa enzima entre os trabalhadores que manuseiam esses agrotóxicos oscila entre 3 e 18%.

Os efeitos a longo prazo são processos patológicos que se desenvolvem após um período de latência e são devidos a exposições repetidas. Entre os efeitos de longo prazo conhecidos devido à exposição a pesticidas estão lesões na pele, danos nos nervos e efeitos mutagênicos.

Problemas respiratórios

Plantas decorativas podem irritar o sistema respiratório e causar tosse e espirros. Além disso, aromas ou odores de plantas podem exacerbar os sintomas de asma ou rinite alérgica, embora não tenha sido demonstrado que causem alergias. O pólen do crisântemo e do girassol pode causar asma. A poeira de plantas secas às vezes causa alergias.

Dermatite

Os casos de dermatite ocupacional encontrados na floricultura são cerca de 90% devidos principalmente à dermatite de contato. Destes, cerca de 60% são causados ​​por irritantes primários e 40% devido a reações alérgicas. A forma aguda é caracterizada por vermelhidão (eritema), inchaço (edema), espinhas (pápulas), vesículas ou bolhas. É especialmente localizado nas mãos, pulsos e antebraços. A forma crônica pode apresentar fissuras profundas, liquenificação (espessamento e endurecimento) da pele e xerose grave (ressecamento). Pode ser incapacitante e até mesmo irreversível.

A floricultura é uma daquelas atividades onde o contato com substâncias irritantes primárias ou alergênicas é alto, por isso é importante promover e usar medidas preventivas, como luvas.

Temperaturas extremas - calor

Quando o trabalho deve ser realizado em ambiente quente, como no caso das estufas, a carga térmica do trabalhador é a soma do calor do ambiente de trabalho mais a energia gasta na própria tarefa.

Os efeitos físicos da exposição excessiva ao calor incluem brotoejas, cãibras e espasmos musculares, exaustão e desmaios. A brotoeja, além de desconfortável, diminui a tolerância do trabalhador ao calor. Se a transpiração for abundante e os líquidos e eletrólitos não forem repostos adequadamente, podem ocorrer cãibras e espasmos musculares. A exaustão pelo calor ocorre quando o controle vasomotor e o débito cardíaco são insuficientes para compensar as demandas adicionais impostas a esses sistemas pelo estresse térmico. Os desmaios representam uma situação clínica muito grave que pode levar a confusão, delírio e coma.

As precauções incluem pausas frequentes para descanso em áreas frescas, disponibilidade de bebidas para beber, rotação de tarefas que exigem esforço intenso e uso de roupas de cores claras.

Radiação não ionizante

Os tipos mais importantes de radiação não ionizante a que os trabalhadores da floricultura estão expostos são a radiação ultravioleta (UV), a luz visível e a radiação infravermelha. Os efeitos mais graves da radiação UV são eritema solar, dermatite actínica, conjuntivite irritativa e fotoqueratite.

A radiação do espectro visível da luz pode causar degeneração retiniana e macular. Um sintoma da exposição à radiação infravermelha é a queimadura superficial da córnea, e a exposição prolongada pode levar ao aparecimento prematuro de catarata.

As precauções incluem manter a pele coberta, usar óculos escuros e vigilância médica.

Fatores ergonômicos

Os trabalhadores que mantêm uma postura corporal estática por longos períodos de tempo (ver figura 3) podem sofrer as consequentes contrações musculares estáticas e alterações dos sistemas periférico, vascular e nervoso. Movimentos repetitivos são mais comuns em tarefas que exigem destreza manual. Por exemplo, tesouras de corte podem exigir muita força e envolver movimentos repetitivos. Os efeitos observados com mais frequência são deficiências músculo-esqueléticas, incluindo tendinite do cotovelo e punho, síndrome do túnel do carpo e deficiência de movimento no ombro.

Figura 3. Curvar-se por longos períodos é uma causa comum de problemas ergonômicos

AGR290F2

A rotação de trabalho e o design ergonômico adequado de equipamentos, como tesouras de poda, são precauções necessárias. Redesenhar o local de trabalho para exigir menos flexão é outra solução.

Doenças infecciosas

A floricultura pode expor os trabalhadores a diversos agentes biológicos. Os primeiros sinais de uma infecção raramente são específicos, embora geralmente sejam bem definidos o suficiente para levar à suspeita da doença. Os sinais, sintomatologia e precauções dependem do agente, que inclui tétano, raiva, hepatite e assim por diante. As medidas preventivas incluem uma fonte de água potável, boas instalações sanitárias, primeiros socorros e cuidados médicos para cortes e escoriações.

Outros fatores

Os riscos de saúde e segurança mais comuns associados a fatores mecânicos são cortes, abrasões e traumas únicos e múltiplos, que ferem com mais frequência as mãos e o rosto. Tais lesões devem ser atendidas imediatamente. Os trabalhadores devem ter vacinas contra o tétano atualizadas e instalações adequadas de primeiros socorros devem estar disponíveis.

O ambiente psicossocial também pode colocar em risco a saúde do trabalhador. Os resultados da exposição a esses fatores podem trazer as seguintes consequências: alterações fisiológicas (indigestão, constipação, palpitações, dificuldade respiratória, hiperventilação, insônia e ansiedade); distúrbios psicológicos (tensão e depressão); e distúrbios comportamentais (absenteísmo, instabilidade, insatisfação).

 

Voltar

Leia 6596 vezes Última modificação em quarta-feira, 24 de agosto de 2011 01:08

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo