Quinta-feira, Março 10 2011 15: 52

Cultivo de café

Classifique este artigo
(4 votos)

Pensa-se que a palavra café deriva de Kaffa, uma aldeia na Etiópia, onde se acredita que a planta tenha sua origem. Alguns, no entanto, consideram que a palavra deriva de qahwa, significa vinho em árabe. O cultivo do café se espalhou pelo mundo, começando na Arábia (uma espécie é chamada Café arábica, e uma variedade é Moka, nome de uma aldeia árabe), passando por diversos países, como Ceilão, Java, Índia, Filipinas, Havaí e Vietnã, entre outros, alguns dos quais importantes produtores até hoje. Na América, o café foi introduzido a partir de plantas previamente adaptadas ao clima de Amsterdã e Paris, plantadas na Martinica, Suriname e Guiana Francesa, de onde foi trazida para o Brasil, o maior país produtor do mundo.

A produção mundial pode ser estimada a partir da figura 1. A safra 1995-96 gerou uma riqueza estimada em aproximadamente US$ 27 milhões, indicando a importância econômica deste produto em todo o mundo.

Figura 1. Produção mundial de café em 1995-96

AGR370T1

A tendência à globalização da economia, a crescente competição e a busca por tecnologias com maior produtividade também têm efeitos sobre a cafeicultura. A mecanização está sendo disseminada e atualizada. Além disso, novos métodos de cultivo são introduzidos, entre eles o cultivo adensado, no qual a distância entre as plantas está sendo reduzida. Esse método moderno aumenta o número de pés de café de 3,000 ou 4,000 para 100,000 pés por hectare, com um aumento de produtividade em torno de 50% em relação ao método tradicional. Esse procedimento é importante para a saúde do trabalhador, pois há menores riscos e menor aplicação de herbicida, principalmente após o terceiro ano. Por outro lado, há aumento na frequência de corte de árvores e maior exigência de controle de doenças fúngicas nas plantas.

O café é altamente sensível às flutuações do comércio internacional; muitos países tendem a substituir o café por outras culturas em que o retorno financeiro é mais previsível. No Brasil, por exemplo, o café representava 68% do volume total das exportações em 1920; na década de 1990 é de apenas 4%. O café está sendo substituído por soja, frutas cítricas, milho, látex e principalmente cana-de-açúcar.

É extremamente difícil obter uma estimativa confiável da força de trabalho total envolvida no cultivo do café porque o número de trabalhadores empregados é bastante variável. Durante a safra, contrata-se um grande número de trabalhadores sazonais, que são demitidos logo após o término da safra. Além disso, em pequenas propriedades, muitas vezes os trabalhadores não são registrados legalmente e, portanto, não aparecem nos relatórios oficiais. No Brasil, em 1993, para uma produção de 28.5 milhões de sacas de café, o número de trabalhadores foi estimado em 1.1 milhão em empregos diretos e 4 a 5 milhões em empregos indiretos. Se os mesmos parâmetros forem aplicados à produção mundial para o mesmo ano, os trabalhadores do café em todo o mundo poderiam ser estimados em aproximadamente 3.6 milhões.

É igualmente difícil saber o número médio de trabalhadores por propriedade rural. Em geral, predominam as propriedades de pequeno ou médio porte. A distribuição por sexo e idade da população trabalhadora é igualmente desconhecida, embora a população feminina entre os trabalhadores esteja aumentando e as crianças sejam empregadas nas plantações de café. Os números dos trabalhadores sindicalizados variam de acordo com as políticas trabalhistas de cada país, mas geralmente são escassos.

Operações

O cultivo e o tratamento do café envolvem as seguintes etapas: abatimento das árvores; preparo do solo; plantio (plantas pequenas geralmente são cultivadas em viveiros na mesma ou em propriedades externas); tratamento (correção do solo, adubação, controle de pragas e limpeza do terreno manualmente ou com herbicidas); colheita de frutas (frutas maduras são geralmente vermelhas e, portanto, chamadas de baga - veja a figura 2; peneiração para remover impurezas; transporte; lavagem para remover polpa e membranas; secagem ao sol, revolvimento de grãos com um ancinho ou secagem mecânica por meio de jato de ar quente ; separação manual de grãos; armazenamento em silos; e ensacamento.

Figura 2. Cultivo de café adensado mostrando bagas

[Ausente]

Riscos potenciais

Os fatores de risco que podem afetar a saúde do trabalhador na cafeicultura são os mesmos dos trabalhadores agrícolas em geral.

Desde a derrubada de árvores e preparo do terreno até o armazenamento final das sacas de café, cada etapa pode envolver diversos fatores de risco para a saúde e segurança dos trabalhadores. Os riscos de lesões estão presentes principalmente nos processos mecanizados, abatimento de árvores, preparo do terreno, colheita mecânica, transporte de café e também de trabalhadores, tratamento de frutas (incluindo o risco de explosão de caldeiras) e uso de ferramentas manuais (muitas vezes improvisadas ou sem manutenção).

Os riscos potenciais de doenças ocupacionais devido às condições físicas estão relacionados à exposição ao calor nas operações de secagem, à radiação solar, ao ruído das máquinas, aos problemas ergonômicos das ferramentas manuais, à vibração das máquinas e tratores, ao frio e à umidade decorrentes da exposição ao ar livre.

Os principais agentes químicos que se apresentam como potenciais riscos à saúde do trabalhador são os pesticidas e herbicidas. Os mais usados ​​são o glifosato como herbicida, sais de cobre como fungicidas e compostos organofosforados para outras pragas comumente encontradas em cafeeiros. O número de aplicações de pesticidas varia de acordo com a idade da árvore, composição do solo, condições climáticas, espécie ou variedade da vegetação, sistema de cultivo (por exemplo, alta ou baixa densidade) e outros fatores. A pulverização geralmente é feita individualmente com equipamento de mochila, ou de tratores. Geralmente são necessárias grandes quantidades, e diz-se que “sem pulverização nenhuma colheita está disponível”.

Fertilizantes químicos também podem apresentar um risco à saúde. Frequentemente usados ​​são compostos derivados de boro, zinco, nitrogênio, sódio, potássio, cálcio, magnésio e enxofre. A liberação de partículas do manuseio de fertilizantes deve ser mantida sob controle.

Os agentes biológicos podem representar riscos importantes para a saúde dos trabalhadores. Podem incluir, por exemplo, picadas ou picadas de cobras, aranhas, abelhas, mosquitos e ácaros, alguns deles importantes como vetores de doenças. Em certas áreas, as doenças endêmicas podem representar sérios riscos para os trabalhadores do café.

Fatores ergonômicos, psicossociais e organizacionais são discutidos a seguir.

Efeitos na saúde

Exemplos de lesões relacionadas ao trabalho são cortes por ferramentas manuais, entorses e fraturas por máquinas e lesões por tratores. Lesões fatais, mesmo que incomuns, ocorreram em decorrência de capotamento de tratores ou veículos inadequados utilizados no transporte de trabalhadores. Quando a secagem artificial é empregada, fontes de calor podem causar queimaduras e explosões.

As doenças ocupacionais podem resultar da exposição à radiação solar ultravioleta; as condições cutâneas podem variar de um simples eritema a câncer de pele. Perda auditiva em operadores de máquinas, alergias pulmonares, envenenamento por herbicidas e pesticidas, calosidades, doenças pulmonares, problemas ósseos e circulatórios devido à vibração e problemas musculares e esqueléticos devido a posições ergonômicas inadequadas ou peso excessivo (um saco de café pode pesar 60 kg ) são outras condições ocupacionais que podem ocorrer entre os trabalhadores da cafeicultura. Embora seja um problema principalmente entre os trabalhadores que processam grãos de café, os manipuladores de grãos verdes se queixam de problemas respiratórios e oculares. A poeira do grão de café tem sido associada a doenças ocupacionais causadas pela poeira.

Doenças tropicais como malária, febre amarela, filariose, tripanossomíase, leishmaniose e oncocercose são prevalentes em certas áreas de cultivo. O tétano ainda é prevalente em muitas áreas rurais.

Problemas de saúde mais complexos relacionados a fatores psicossociais e organizacionais também podem afetar os trabalhadores do café. Uma vez que é necessário um grande número de trabalhadores durante a colheita e muito poucos durante o resto do ano, os contratos sazonais são geralmente praticados, resultando muitas vezes em graves problemas de saúde.

Em muitos casos, os trabalhadores deixam suas famílias e permanecem durante a safra em moradias precárias e com condições sanitárias inadequadas. Se a área de plantio for próxima à cidade, o agricultor contratará apenas um homem da família. Porém, para aumentar o lucro, o próprio trabalhador pode trazer toda a família para ajudar, inclusive mulheres e crianças. Em algumas áreas, o número de crianças trabalhando é tão alto que as escolas fecham durante toda a época de colheita.

Nesse tipo de atividade sazonal, os trabalhadores passarão de um tipo de cultivo para outro, de acordo com cada época de safra. Como os homens deixam suas famílias, as mulheres são chamadas de “viúvas com maridos vivos”. Muitas vezes, um homem cria outra família, longe de sua cidade natal.

O cumprimento adequado da legislação trabalhista e previdenciária é geralmente restrito a grandes plantações, e a fiscalização do trabalho nas áreas rurais é geralmente ineficaz. Os cuidados de saúde são geralmente muito limitados. A duração do trabalho é estendida para muitas horas diárias; fins de semana e férias normais raramente são respeitados.

Esses fatores psicossociais e organizacionais resultam em acentuada deterioração da saúde dos trabalhadores, manifestada pelo envelhecimento precoce, baixa expectativa de vida, aumento da prevalência e maior duração de doenças, desnutrição (comer os alimentos levados para o campo em latas sem aquecê-los tem levado os trabalhadores a recebendo um apelido—boias frias em português), anemia e hipovitaminoses levando à perda da disposição para o trabalho, transtornos mentais e outras manifestações.

Prevenção

As medidas preventivas relativas ao café são as mesmas que se aplicam ao trabalho rural em geral. A proteção coletiva inclui guarda de máquinas, cuidados na aplicação de defensivos e herbicidas, mecanização de operações que exijam esforço e consumo de energia indevidos e transporte adequado dos trabalhadores. Em plantações de alta densidade, o corte regular não permitirá o crescimento das árvores, o que eliminará o uso de escadas perigosas e incômodas para a colheita manual. Quando a secagem requer o uso de caldeiras, a cuidadosa manutenção preventiva periódica é de extrema importância. O controle biológico de pragas e a seleção adequada de espécies resistentes a pragas são importantes medidas preventivas em relação aos agrotóxicos, evitando doenças do trabalhador e também protegendo o meio ambiente.

A implantação do uso dos EPIs recomendados é difícil, pois esses equipamentos geralmente não são adaptados às condições climáticas ou ao biótipo dos trabalhadores. Além disso, geralmente não há orientação educacional para facilitar o uso, e a escolha dos equipamentos nem sempre é correta. Os equipamentos de uso geral restringem-se a botas, chapéus e roupas de proteção contra as intempéries, embora possam ser necessárias proteções para as mãos, pulmões, olhos e ouvidos.

A prevenção para controlar os fatores psicossociais e organizacionais pode trazer muitas dificuldades. A conscientização dos trabalhadores deve ser realizada por meio de ações educativas, principalmente nos sindicatos e outras organizações de trabalhadores, aumentando a percepção sobre os direitos dos trabalhadores a melhores condições de vida e trabalho; além disso, os empregadores devem desenvolver suas percepções sobre suas responsabilidades sociais para com a força de trabalho. O Estado deve exercer uma orientação e fiscalização efetiva e constante sempre que uma ação legal for necessária. Alguns países desenvolveram regras e regulamentos especificamente aplicáveis ​​aos trabalhadores rurais. No Brasil, por exemplo, as Normas Regulamentadoras Rurais estabelecem diretrizes gerais sobre segurança nas atividades rurais, organização de serviços de saúde ocupacional e comitês de segurança em lavouras, uso de equipamentos de proteção individual e manuseio de produtos químicos (pesticidas, fertilizantes e corretivos do solo).

O controle da saúde através da medicina ocupacional deve abranger a avaliação dos efeitos à saúde devido à exposição a pesticidas, radiação ultravioleta, ruído excessivo e muitos outros perigos. Pode, em muitas circunstâncias, ser mais necessário controlar as verminoses, anemia, hipertensão, problemas comportamentais, defeitos oculares e problemas semelhantes, devido à sua elevada prevalência nas zonas rurais. A educação em saúde deve ser enfatizada, bem como a imunização antitetânica, inclusive para trabalhadoras grávidas para prevenir o tétano neonatal. Em algumas regiões, a imunização contra a febre amarela é necessária. A quimioprofilaxia é recomendada em áreas onde a malária é endêmica, juntamente com o uso de repelentes e orientação preventiva contra mosquitos, até que o saneamento seja adequado para controlar ou suprimir os vetores do agente etiológico. Soro contra veneno de cobra deve estar disponível.

Reconhecimento: Os autores agradecem a colaboração recebida do Professor Nelson Batista Martin, do Instituto de Economia Rural, Secretaria de Estado da Agricultura, São Paulo; André Nasser e Ricardo Luiz Zucas, da Sociedade Rural Brasileira; e Monica Levy Costa, do Centro de Saúde Escola da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

 

Voltar

Leia 7704 vezes Última modificação em sábado, 30 de julho de 2022 02:16

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo