Sábado, fevereiro 26 2011 17: 09

Indústria Química

Classifique este artigo
(2 votos)

Adaptado da 3ª edição, Encyclopaedia of Occupational Health and Safety.

O negócio da indústria química é mudar a estrutura química de materiais naturais para obter produtos de valor para outras indústrias ou para a vida diária. Os produtos químicos são produzidos a partir dessas matérias-primas - principalmente minerais, metais e hidrocarbonetos - em uma série de etapas de processamento. Tratamentos adicionais, como mistura e combinação, geralmente são necessários para convertê-los em produtos finais (por exemplo, tintas, adesivos, remédios e cosméticos). Assim, a indústria química abrange um campo muito mais amplo do que o que se costuma chamar de “produtos químicos”, pois também inclui produtos como fibras artificiais, resinas, sabões, tintas, filmes fotográficos e muito mais.

Os produtos químicos se enquadram em duas classes principais: orgânico e inorgânico. Os produtos químicos orgânicos têm uma estrutura básica de átomos de carbono, combinados com hidrogênio e outros elementos. Petróleo e gás são hoje a fonte de 90% da produção química orgânica mundial, tendo substituído em grande parte o carvão e matéria vegetal e animal, as primeiras matérias-primas. Os produtos químicos inorgânicos são derivados principalmente de fontes minerais. Exemplos são o enxofre, extraído como tal ou extraído de minérios, e o cloro, obtido a partir do sal comum.

Os produtos da indústria química podem ser amplamente divididos em três grupos, que correspondem às principais etapas da fabricação: produtos químicos básicos (orgânicos e inorgânicos) são normalmente fabricados em larga escala e normalmente convertidos em outros produtos químicos; intermediários são derivados de produtos químicos de base. A maioria dos intermediários requer processamento adicional na indústria química, mas alguns, como solventes, são usados ​​como estão; produtos químicos acabados são feitas por processamento químico adicional. Alguns deles (remédios, cosméticos, sabonetes) são consumidos como tal; outros, como fibras, plásticos, corantes e pigmentos, são processados ​​ainda mais.

Os principais setores da indústria química são os seguintes:

  1. inorgânicos básicos: ácidos, álcalis e sais, usados ​​principalmente em outras partes da indústria e gases industriais, como oxigênio, nitrogênio e acetileno
  2. orgânicos básicos: matérias-primas para plásticos, resinas, borrachas sintéticas e fibras sintéticas; solventes e matérias-primas detergentes; corantes e pigmentos
  3. fertilizantes e pesticidas (incluindo herbicidas, fungicidas e inseticidas)
  4. plásticos, resinas, borrachas sintéticas, fibras celulósicas e sintéticas
  5. produtos farmacêuticos (drogas e medicamentos)
  6. tintas, vernizes e lacas
  7. sabões, detergentes, produtos de limpeza, perfumes, cosméticos e outros artigos de higiene
  8. produtos químicos diversos, como polidores, explosivos, adesivos, tintas, filmes fotográficos e produtos químicos

 

No sistema de Classificação Industrial Padrão Internacional de Todas as Atividades Econômicas (ISIC), usado pelas Nações Unidas para classificar a atividade econômica em dez grandes divisões, a indústria química é classificada como Divisão 35, uma das nove subdivisões da Divisão Principal 3: Manufatura. A divisão 35 é ainda subdividida em produtos químicos industriais (351), outros produtos químicos (352), refinarias de petróleo (353), diversos produtos de carvão e petróleo, por exemplo, asfalto (354), produtos de borracha, incluindo pneus (355) e processamento de plásticos (356). .

Ao relatar estatísticas da indústria química, cada país normalmente usa seu próprio sistema de classificação, e isso pode ser enganoso. Assim, a comparação entre países do desempenho total da indústria química não pode ser baseada em fontes nacionais. No entanto, organismos internacionais como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e as Nações Unidas normalmente fornecem dados na base ISIC, embora com um atraso de cerca de dois anos.

As estatísticas comerciais são publicadas internacionalmente sob a Classificação Padrão do Comércio Internacional (SITC), que difere do sistema ISIC. As estatísticas comerciais de países individuais quase sempre se referem à seção 5 do SITC, que cobre cerca de 90% do total de produtos químicos relatados no sistema ISIC.

A indústria química cresceu muito mais rapidamente em meio século do que a indústria como um todo. Embora tenha havido uma depressão econômica na indústria química mundial no início dos anos 1990, a produção química aumentou em meados dos anos 1990. A maior área de crescimento da produção química foi no Sudeste Asiático. A Figura 1 mostra a variação percentual na produção química de 1992-95 para países selecionados.

Figura 1. Mudança na produção de produtos químicos para países selecionados, 1992-95

CMP010F1

Grande parte da indústria química é altamente intensiva em capital e também fortemente dependente de pesquisa e desenvolvimento (por exemplo, produtos farmacêuticos). O resultado combinado desses dois fatores é que a indústria emprega um número anormalmente baixo de trabalhadores manuais não qualificados para seu tamanho, em comparação com a indústria manufatureira em geral. O emprego total na indústria aumentou ligeiramente durante o período de rápido crescimento anterior a 1970, mas desde então o impulso para o aumento da produtividade resultou em um declínio no emprego na indústria química na maioria dos países desenvolvidos. A Tabela 1 mostra o emprego na indústria química nos Estados Unidos e em vários países europeus em 1995.

Tabela 1. Emprego na indústria química em países selecionados (1995)

País

Emprego

Estados Unidos

1, 045,000

Alemanha

538,000

França

248,000

Reino Unido

236,000

Itália

191,000

Polônia

140,000

Espanha

122,000

Fonte: Chemical and Engineering News 1996.

 

Voltar

Leia 6502 vezes Última modificação em domingo, 28 de agosto de 2011 01:37

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de processamento químico

Adams, WV, RR Dingman e JC Parker. 1995. Tecnologia de vedação dupla a gás para bombas. Anais do 12º Simpósio Internacional de Usuários de Bombas. Março, College Station, TX.

Instituto Americano de Petróleo (API). 1994. Sistemas de vedação de eixo para bombas centrífugas. Padrão API 682. Washington, DC: API.

Auger, JE. 1995. Construa um programa PSM adequado desde o início. Progresso da Engenharia Química 91:47-53.

Bahner, M. 1996. As ferramentas de medição de nível mantêm o conteúdo do tanque onde ele pertence. Mundo da Engenharia Ambiental 2:27-31.

Balzer, K. 1994. Estratégias para desenvolver programas de biossegurança em instalações de biotecnologia. Apresentado no 3º Simpósio Nacional de Biossegurança, 1º de março, Atlanta, GA.

Barletta, T, R Bayle e K Kennelley. 1995. Fundo do tanque de armazenamento TAPS: Equipado com conexão melhorada. Oil & Gas Journal 93:89-94.

Bartknecht, W. 1989. Explosões de poeira. Nova York: Springer-Verlag.

Basta, N. 1994. A tecnologia levanta a nuvem VOC. Engenharia Química 101:43-48.

Bennett, AM. 1990. Riscos para a Saúde em Biotecnologia. Salisbury, Wiltshire, Reino Unido: Divisão de Biológicos, Serviço de Laboratório de Saúde Pública, Centro de Microbiologia Aplicada e Pesquisa.

Berufsgenossenschaftlices Institut für Arbeitssicherheit (BIA). 1997. Medição de Substâncias Perigosas: Determinação da Exposição a Agentes Químicos e Biológicos. Pasta de Trabalho BIA. Bielefeld: Erich Schmidt Verlag.

Bewanger, PC e RA Krecter. 1995. Tornando os dados de segurança “seguros”. Engenharia Química 102:62-66.

Boicourt, GW. 1995. Desenho do sistema de socorro de emergência (ERS): uma abordagem integrada usando a metodologia DIERS. Progresso de Segurança de Processo 14:93-106.

Carroll, LA e EN Ruddy. 1993. Selecione a melhor estratégia de controle de VOC. Progresso da Engenharia Química 89:28-35.

Centro de Segurança de Processos Químicos (CCPS). 1988. Diretrizes para Armazenamento e Manuseio Seguro de Materiais de Alto Risco Tóxico. Nova York: Instituto Americano de Engenheiros Químicos.

—. 1993. Diretrizes para Projeto de Engenharia para Segurança de Processo. Nova York: Instituto Americano de Engenheiros Químicos.
Cesana, C e R Siwek. 1995. Comportamento de ignição de poeiras significado e interpretação. Progresso de Segurança de Processo 14:107-119.

Notícias Químicas e de Engenharia. 1996. Fatos e números para a indústria química. C&EN (24 de junho):38-79.

Associação de Fabricantes Químicos (CMA). 1985. Gestão de Segurança de Processos (Controle de Riscos Agudos). Washington, DC: CMA.

Comitê de Moléculas de DNA Recombinantes, Assembléia de Ciências da Vida, Conselho Nacional de Pesquisa, Academia Nacional de Ciências. 1974. Carta ao editor. Ciência 185:303.

Conselho das Comunidades Europeias. 1990a. Diretiva do Conselho de 26 de novembro de 1990 relativa à proteção dos trabalhadores contra os riscos relacionados à exposição a agentes biológicos no trabalho. 90/679/CEE. Jornal Oficial das Comunidades Europeias 50(374):1-12.

—. 1990b. Diretiva do Conselho de 23 de abril de 1990 sobre a liberação deliberada no meio ambiente de organismos geneticamente modificados. 90/220/CEE. Jornal Oficial das Comunidades Europeias 50(117): 15-27.

Dow Chemical Company. 1994a. Guia de Classificação de Perigos do Índice de Incêndio e Explosão da Dow, 7ª edição. Nova York: Instituto Americano de Engenheiros Químicos.

—. 1994b. Guia Dow's Chemical Exposure Index. Nova York: Instituto Americano de Engenheiros Químicos.

Ebadat, V. 1994. Teste para avaliar os riscos de incêndio e explosão do seu pó. Engenharia de pó e granel 14:19-26.
Agência de Proteção Ambiental (EPA). 1996. Diretrizes propostas para avaliação de risco ecológico. Registro Federal 61.

Fone, CJ. 1995. A aplicação de inovação e tecnologia na contenção de selos de eixo. Apresentado na Primeira Conferência Europeia sobre Controle de Emissões Fugitivas de Válvulas, Bombas e Flanges, 18-19 de outubro, Antuérpia.

Foudin, AS e C Gay. 1995. Introdução de microorganismos geneticamente modificados no meio ambiente: revisão sob USDA, autoridade reguladora do APHIS. Em Engineered Organisms in Environmental Settings: Biotechnological and Agricultural Applications, editado por MA Levin e E Israel. Boca Raton, Flórida:CRC Press.

Freifelder, D. (ed.). 1978. A controvérsia. Em DNA Recombinante. São Francisco, CA: WH Freeman.

Garzia, HW e JA Senecal. 1996. Proteção contra explosão de sistemas de tubos transportando pós combustíveis ou gases inflamáveis. Apresentado no 30º Simpósio de Prevenção de Perdas, 27 de fevereiro, Nova Orleans, LA.

Green, DW, JO Maloney e RH Perry (eds.). 1984. Perry's Chemical Engineer's Handbook, 6ª edição. Nova York: McGraw-Hill.

Hagen, T e R Rials. 1994. O método de detecção de vazamento garante a integridade dos tanques de armazenamento de fundo duplo. Oil & Gas Journal (14 de novembro).

Ho, MW. 1996. As atuais tecnologias transgênicas são seguras? Apresentado no Workshop sobre Capacitação em Biossegurança para Países em Desenvolvimento, 22-23 de maio, Estocolmo.

Associação Industrial de Biotecnologia. 1990. Biotecnologia em Perspectiva. Cambridge, Reino Unido: Hobsons Publishing plc.

Seguradoras de Riscos Industriais (IRI). 1991. Layout e Espaçamento de Plantas para Plantas Petrolíferas e Químicas. Manual de Informações do IRI 2.5.2. Hartford, CT: IRI.

Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não Ionizante (ICNIRP). Na imprensa. Guia Prático de Segurança no Uso de Aquecedores e Seladores Dielétricos de RF. Genebra: OIT.

Lee, SB e LP Ryan. 1996. Saúde e segurança ocupacional na indústria de biotecnologia: Uma pesquisa com profissionais praticantes. Am Ind Hyg Assoc J 57:381-386.

Legaspi, JA e C Zenz. 1994. Aspectos de saúde ocupacional de pesticidas: princípios clínicos e higiênicos. Em Occupational Medicine, 3ª edição, editado por C Zenz, OB Dickerson e EP Horvath. St. Louis: Mosby-Year Book, Inc.

Lipton, S e JR Lynch. 1994. Handbook of Health Hazard Control in the Chemical Process Industry. Nova York: John Wiley & Sons.

Liberman, DF, AM Ducatman e R Fink. 1990. Biotecnologia: Existe um papel para a vigilância médica? Em Bioprocessing Safety: Worker and Community Safety and Health Considerations. Filadélfia, PA: Sociedade Americana de Testes e Materiais.

Liberman, DF, L Wolfe, R Fink e E Gilman. 1996. Considerações de segurança biológica para liberação ambiental de organismos e plantas transgênicas. Em Engineered Organisms in Environmental Settings: Biotechnological and Agricultural Applications, editado por MA Levin e E Israel. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Lichtenstein, N e K Quellmalz. 1984. Flüchtige Zersetzungsprodukte von Kunststoffen I: ABS-Polymere. Staub-Reinhalt 44(1):472-474.

—. 1986a. Flüchtige Zersetzungsprodukte von Kunststoffen II: Polietileno. Staub-Reinhalt 46(1):11-13.

—. 1986b. Flüchtige Zersetzungsprodukte von Kunststoffen III: Poliamida. Staub-Reinhalt 46(1):197-198.

—. 1986c. Flüchtige Zersetzungsprodukte von Kunststoffen IV: Policarbonato. Staub-Reinhalt 46(7/8):348-350.

Comitê de Relações Comunitárias do Conselho de Biotecnologia de Massachusetts. 1993. Estatísticas não publicadas.

Mecklemburgo, JC. 1985. Layout da planta de processo. Nova York: John Wiley & Sons.

Miller, H. 1983. Relatório sobre o Grupo de Trabalho da Organização Mundial da Saúde sobre Implicações da Biotecnologia na Saúde. Boletim Técnico de DNA Recombinante 6:65-66.

Miller, HI, MA Tart e TS Bozzo. 1994. Fabricação de novos produtos biotecnológicos: ganhos e dores de crescimento. J Chem Technol Biotechnol 59:3-7.

Moretti, EC e N Mukhopadhyay. 1993. Controle de VOC: Práticas atuais e tendências futuras. Progresso da Engenharia Química 89:20-26.

Cortador, DS. 1995. Use a análise quantitativa para gerenciar o risco de incêndio. Processamento de Hidrocarbonetos 74:52-56.

Murphy, SR. 1994. Prepare-se para a regra do programa de gerenciamento de risco da EPA. Progresso da Engenharia Química 90:77-82.

Associação Nacional de Proteção Contra Incêndios (NFPA). 1990. Líquido Inflamável e Combustível. NFPA 30. Quincy, MA: NFPA.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1984. Recomendações para Controle de Riscos de Saúde e Segurança Ocupacional. Fabricação de tintas e produtos de revestimento afins. Publicação DHSS (NIOSH) No. 84-115. Cincinnati, OH: NIOSH.

Instituto Nacional de Saúde (Japão). 1996. Comunicação pessoal.

Institutos Nacionais de Saúde (NIH). 1976. Pesquisa de DNA recombinante. Registro Federal 41:27902-27905.

—. 1991. Ações de pesquisa de DNA recombinante sob as diretrizes. Registro Federal 56:138.

—. 1996. Diretrizes para pesquisa envolvendo moléculas de DNA recombinante. Registro Federal 61:10004.

Netzel, J.P. 1996. Tecnologia de vedação: Um controle para a poluição industrial. Apresentado no 45º Encontro Anual da Sociedade de Tribologistas e Engenheiros de Lubrificação. 7 a 10 de maio, Denver.

Nordlee, JA, SL Taylor, JA Townsend, LA Thomas e RK Bush. 1996. Identificação de um alérgeno da castanha-do-pará em soja transgênica. New Engl J Med 334 (11):688-692.

Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). 1984. 50 FR 14468. Washington, DC: OSHA.

—. 1994. CFR 1910.06. Washington, DC: OSHA.

Escritório de Política Científica e Tecnológica (OSTP). 1986. Estrutura Coordenada para Regulamentação de Biotecnologia. FR 23303. Washington, DC: OSTP.

Openshaw, PJ, WH Alwan, AH Cherrie e FM Record. 1991. Infecção acidental de trabalhador de laboratório com o vírus vaccinia recombinante. Lancet 338.(8764):459.

Parlamento das Comunidades Europeias. 1987. Tratado que institui um Conselho Único e uma Comissão Única das Comunidades Europeias. Jornal Oficial das Comunidades Europeias 50(152):2.

Penington, RL. 1996. Operações de controle de VOC e HAP. Revista Separations and Filtration Systems 2:18-24.

Pratt, D e J May. 1994. Medicina do trabalho agrícola. Em Occupational Medicine, 3ª edição, editado por C Zenz, OB Dickerson e EP Horvath. St. Louis: Mosby-Year Book, Inc.

Reutsch, CJ e TR Broderick. 1996. Nova legislação de biotecnologia na Comunidade Européia e na República Federal da Alemanha. Biotecnologia.

Sattelle, D. 1991. Biotecnologia em perspectiva. Lanceta 338:9,28.

Scheff, PA e RA Wadden. 1987. Projeto de Engenharia para Controle de Riscos no Local de Trabalho. Nova York: McGraw-Hill.

SIEGELL, JH. 1996. Explorando opções de controle de VOC. Engenharia Química 103:92-96.

Sociedade de Tribologistas e Engenheiros de Lubrificação (STLE). 1994. Diretrizes para atender aos regulamentos de emissão para máquinas rotativas com selos mecânicos. STLE Publicação Especial SP-30. Park Ridge, IL: STLE.

Sutton, IS. 1995. Sistemas integrados de gerenciamento melhoram a confiabilidade da planta. Processamento de Hidrocarbonetos 74:63-66.

Comitê Interdisciplinar Suíço para Biossegurança em Pesquisa e Tecnologia (SCBS). 1995. Diretrizes para Trabalho com Organismos Geneticamente Modificados. Zurique: SCBS.

Thomas, JA e LA Myers (eds.). 1993. Biotecnologia e Avaliação de Segurança. Nova York: Raven Press.

Van Houten, J e DO Flemming. 1993. Análise comparativa dos atuais regulamentos de biossegurança dos EUA e da CE e seu impacto na indústria. Journal of Industrial Microbiology 11:209-215.

Watrud, LS, SG Metz e DA Fishoff. 1996. Plantas engenheiradas no meio ambiente. Em Organismos de Engenharia em Ambientes Ambientais: Aplicações Biotecnológicas e Agrícolas, editado por M Levin e E Israel. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Madeiras, Dr. 1995. Projeto de Processo e Prática de Engenharia. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.