Domingo, fevereiro 27 2011 06: 40

Ergonomia

Classifique este artigo
(0 votos)

A ergonomia é a ciência que avalia a relação entre os trabalhadores e seu ambiente de trabalho. Esta ciência inclui não apenas uma avaliação do risco musculoesquelético devido ao design do trabalho, mas também uma consideração dos processos cognitivos envolvidos no trabalho que podem levar a erros humanos.

Empregos na indústria de borracha e pneus foram identificados com um risco aumentado de determinados tipos de distúrbios musculoesqueléticos. Em particular, lesões nas costas parecem ser proeminentes. Uma amostra de trabalhos de manuseio de materiais na indústria de pneus e borracha indicou que os trabalhos de alto risco resultam em taxas de lesões na região lombar que são aproximadamente 50% mais altas do que na indústria em geral. Uma avaliação dos trabalhos indica que esses problemas normalmente surgem de trabalhos que exigem o transporte manual de produtos de borracha. Esses trabalhos incluem operações de processamento de borracha (Banbury), construtores de pneus, finalizadores de pneus e transportadores de pneus, tanto na fábrica quanto no ambiente de depósito. Problemas no pulso, como síndrome do túnel do carpo e tenossinovite, também parecem ser proeminentes na construção de pneus. Um exame das operações de fabricação de pneus sugere que problemas de ombro seriam esperados. No entanto, como esperado, os registros de lesões tendem a subestimar o risco de lesões no ombro devido à falta de sensibilidade para o problema. Finalmente, parece haver alguns problemas de processamento cognitivo envolvidos na indústria de pneus. Estes são aparentes nas tarefas de inspeção e muitas vezes são agravados pela falta de iluminação.

Acredita-se que vários fatores de risco relacionados ao local de trabalho sejam responsáveis ​​por esses problemas musculoesqueléticos na indústria de pneus e borracha. Os fatores de risco consistem em posturas estáticas e desajeitadas nas costas, ombros e pulsos, movimentos rápidos no pulso e nas costas e grandes pesos manuseados, bem como grandes forças aplicadas ao tronco durante o manuseio de grandes pedaços de borracha durante a construção do pneu. Um estudo dos fatores associados ao risco de lombalgia indica que trabalhadores da indústria de construção de pneus movimentam mais peso do que de outras áreas e essas cargas são movimentadas a distâncias maiores do que a média do corpo. Além disso, essas forças e pesos são freqüentemente impostos ao corpo durante movimentos assimétricos do tronco, como flexão. A duração das aplicações de força neste tipo de trabalho também é problemática. Freqüentemente, em uma operação de fabricação de pneus, são necessárias aplicações prolongadas de força que diminuem a força disponível do trabalhador ao longo do tempo. Finalmente, os locais de trabalho com pneus e borracha são frequentemente quentes e expostos a sujeira e poeira. O calor no local de trabalho tenderá a aumentar as demandas calóricas do trabalho, aumentando assim as demandas energéticas. A resina e a poeira no local de trabalho aumentam a probabilidade de os trabalhadores usarem luvas durante a execução de suas tarefas. O uso dessa luva aumentará a tensão necessária nos músculos do antebraço que controlam os dedos. Além disso, quando os trabalhadores usam luvas, aumentam a força de preensão, pois não conseguem perceber quando um objeto está prestes a escorregar de suas mãos. As soluções para esses problemas relacionados à ergonomia incluem o simples rearranjo do local de trabalho (por exemplo, elevar ou abaixar o local de trabalho ou mover as estações de trabalho para eliminar grandes movimentos de torção ou flexão lateral do tronco; o último pode ser realizado reorientando as origens e destinos de tarefas de levantamento de giros de 180º a giros de 90º). Muitas vezes, mudanças mais significativas são necessárias. Isso pode variar desde a incorporação de estações de trabalho ajustáveis, como macacos de tesoura ou mesas elevatórias, até a incorporação de dispositivos de assistência de elevação, como elevadores e guindastes, até a automação total da estação de trabalho. Obviamente, há um grande custo associado a algumas dessas soluções para o problema. Portanto, a chave para um design ergonômico adequado é fazer apenas as alterações necessárias e determinar o efeito da alteração em termos de alteração no risco musculoesquelético. Felizmente, novos métodos para quantificar a extensão do risco associado a um determinado projeto do local de trabalho estão se tornando disponíveis. Por exemplo, foi relatado um modelo de risco que avalia o risco de distúrbio lombar ocupacionalmente relacionado às demandas do trabalho (Marras et al. 1993; 1995) Também foram desenvolvidos modelos que avaliam a carga da coluna devido a atividades dinâmicas do tronco (Marras e Sommerich 1991; Granata e Marras 1993).

 

Voltar

Leia 4643 vezes Última modificação em terça-feira, 28 de junho de 2011 13:26

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências da Indústria da Borracha

Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1995. Ventilação Industrial: Um Manual de Práticas Recomendadas, 22ª ed. Cincinnati: OH: ACGIH.

Andjelkovich, D, JD Taulbee e MJ Symons. 1976. Experiência de mortalidade em uma coorte de trabalhadores da borracha, 1964–1973. J Occup Med 18:386–394.

Andjelkovich, D, H Abdelghany, RM Mathew e S Blum. 1988. Estudo de caso-controle de câncer de pulmão em uma fábrica de borracha. Am J Ind Med 14:559–574.

Arp, EW, PH Wolf e H Checkoway. 1983. Leucemia linfocítica e exposições ao benzeno e outros solventes na indústria da borracha. J Occup Med 25:598–602.

Bernardinelli, L, RD Marco e C Tinelli. 1987. Mortalidade por câncer em uma fábrica de borracha italiana. Br J Ind Med 44:187–191.

Blum, S, EW Arp, AH Smith e HA Tyroler. 1979. Câncer de estômago entre trabalhadores da borracha: Uma investigação epidemiológica. Em Poeiras e Doenças. Park Forest, IL: SOEH, Pathotox Publishers.

Checkoway, H, AH Smith, AJ McMichael, FS Jones, RR Monson e HA Tyroler. 1981. Um estudo de caso-controle de câncer de bexiga na indústria de pneus dos EUA. Br J Ind Med 38:240–246.

Checkoway, H, T Wilcosky, P Wolf e H Tyroler. 1984. Uma avaliação das associações de leucemia e exposição a solventes da indústria da borracha. Am J Ind Med 5:239–249.

Delzell, E e RR Monson. 1981a. Mortalidade entre seringueiros. III. Mortalidade por causa específica 1940-1978. J Occup Med 23:677–684.

—. 1981b. Mortalidade entre seringueiros. 23. Padrões gerais de mortalidade. J Occup Med 850:856–XNUMX.

Delzell, E, D Andjelkovich e HA Tyroler. 1982. Um estudo de caso-controle de experiência de emprego e câncer de pulmão entre trabalhadores da borracha. Am J Ind Med 3:393–404.

Delzell, E, N Sathiakumar, M Hovinga, M Macaluso, J Julian, R Larson, P Cole e DCF Muir. 1996. Um estudo de acompanhamento de trabalhadores de borracha sintética. Toxicologia 113:182–189.

Fajen, J, RA Lunsford e DR Roberts. 1993. Exposição industrial ao 1,3-butadieno em indústrias de monômeros, polímeros e usuários finais. Em Butadiene and Styrene: Assessment of Health Hazards, editado por M Sorsa, K Peltonen, H Vainio e K Hemminki. Lyon: Publicações Científicas da IARC.

Fine, LJ e JM Peters. 1976a. Morbidade respiratória em seringueiros. I. Prevalência de sintomáticos e doenças respiratórias em curadores. Arch Environ Health 31:5–9.

—. 1976b. Morbidade respiratória em seringueiros. II. Função pulmonar na cura de trabalhadores. Arch Environ Health 31:10–14.

—. 1976c. Estudos de morbidade respiratória em seringueiros. III. Morbidade respiratória em trabalhadores de processamento. Arch Environ Health 31:136–140.

Fine, LJ, JM Peters, WA Burgess e LJ DiBerardinis. 1976. Estudos de morbidade respiratória em trabalhadores da borracha. 31. Morbidade respiratória em trabalhadores de talco. Arch Environ Health 195:200–XNUMX.

Fox, AJ e PF Collier. 1976. Uma pesquisa de câncer ocupacional nas indústrias de borracha e fabricação de cabos: Análise de mortes ocorridas em 1972–74. Br J Ind Med 33:249–264.

Fox, AJ, DC Lindars e R Owen. 1974. Uma pesquisa sobre câncer ocupacional nas indústrias de borracha e fabricação de cabos: Resultados de uma análise de cinco anos, 1967–71. Br J Ind Med 31:140–151.

Gamble, JF e R Spirtas. 1976. Classificação de trabalho e utilização de histórias de trabalho completas em epidemiologia ocupacional. J Occup Med 18:399–404.

Goldsmith, D, AH Smith e AJ McMichael. 1980. Um estudo de caso-controle de câncer de próstata em uma coorte de trabalhadores de borracha e pneus. J Occup Med 22:533–541.

Granata, KP e WS Marras. 1993. Um modelo assistido por EMG de cargas na coluna lombar durante extensões assimétricas do tronco. J Biomech 26:1429–1438.

Grego, BF. 1991. Espera-se que a demanda por borracha cresça depois de 1991. C & EN (13 de maio): 37-54.

Gustavsson, P, C Hogstedt e B Holmberg. 1986. Mortalidade e incidência de câncer entre os seringueiros suecos. Scand J Work Environ Health 12:538–544.

Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). 1992. 1,3-Butadieno. Em Monografias da IARC sobre a Avaliação de Riscos Carcinogênicos para Humanos: Exposições Ocupacionais a Névoas e Vapores de Ácidos Inorgânicos Fortes e Outros Produtos Químicos Industriais. Lyon: IARC.

Instituto Internacional de Produtores de Borracha Sintética. 1994. Estatísticas Mundiais da Borracha. Houston, TX: Instituto Internacional de Produtores de Borracha Sintética.

Kilpikari, I. 1982. Mortalidade entre homens trabalhadores da borracha na Finlândia. Arch Environ Health 37:295–299.

Kilpikari, I, E Pukkala, M Lehtonen e M Hakama. 1982. Incidência de câncer entre os seringueiros finlandeses. Int Arch Occup Environ Health 51:65–71.

Lednar, WM, HA Tyroler, AJ McMichael e CM Shy. 1977. Os determinantes ocupacionais da doença pulmonar incapacitante crônica em trabalhadores da borracha. J Occup Med 19:263–268.

Marras, WS e CM Sommerich. 1991. Um modelo de movimento tridimensional de cargas na coluna lombar, Parte I: Estrutura do modelo. Fatores Hum 33:123–137.

Marras, WS, SA Lavender, S Leurgans, S Rajulu, WG Allread, F Fathallah e SA Ferguson. 1993. O papel do movimento tridimensional dinâmico do tronco em distúrbios lombares ocupacionais: os efeitos dos fatores do local de trabalho, posição do tronco e características do movimento do tronco em lesões. Espinha 18:617-628.

Marras, WS, SA Lavender, S Leurgans, F Fathallah, WG Allread, SA Ferguson e S Rajulu. 1995. Fatores de risco biomecânicos para risco de distúrbio lombar ocupacionalmente relacionado. Ergonomia 35:377–410.

McMichael, AJ, DA Andjelkovich e HA Tyroler. 1976. Mortalidade por câncer entre trabalhadores da borracha: Um estudo epidemiológico. Ann NY Acad Sci 271:125–137.

McMichael, AJ, R Spirtas e LL Kupper. 1974. Um estudo epidemiológico da mortalidade em uma coorte de trabalhadores da borracha, 1964-72. J Occup Med 16:458–464.

McMichael, AJ, R Spirtas, LL Kupper e JF Gamble. 1975. Exposição a solventes e leucemia entre trabalhadores da borracha: Um estudo epidemiológico. J Occup Med 17:234–239.

McMichael, AJ, R Spirtas, JF Gamble e PM Tousey. 1976a. Mortalidade entre seringueiros: relação com trabalhos específicos. J Occup Med 18:178–185.

McMichael, AJ, WS Gerber, JF Gamble e WM Lednar. 1976b. Sintomas respiratórios crônicos e tipo de trabalho na indústria da borracha. J Occup Med 18:611–617.

Monson, RR e KK Nakano. 1976a. Mortalidade entre seringueiros. I. Funcionários sindicais homens brancos em Akron, Ohio. Am J Epidemiol 103:284–296.

—. 1976b. Mortalidade entre seringueiros. II. Outros funcionários. Am J Epidemiol 103:297–303.

Monson, RR e LJ Fine. 1978. Mortalidade e morbidade por câncer entre trabalhadores da borracha. J Natl Cancer Inst 61:1047–1053.

Associação Nacional de Proteção Contra Incêndios (NFPA). 1995. Norma para Fornos e Fornalhas. NFPA 86. Quincy, MA: NFPA.

Conselho Industrial Conjunto Nacional para a Indústria de Fabricação de Borracha. 1959. Acidentes de Nip em execução. Londres: National Joint Industrial Council for the Rubber Manufacturing Industry.

—.1967. Trabalho seguro de calandras. Londres: National Joint Industrial Council for the Rubber Manufacturing Industry.

Negri, E, G Piolatto, E Pira, A Decarli, J Kaldor e C LaVecchia. 1989. Mortalidade por câncer em uma coorte de trabalhadores da borracha no norte da Itália. Br J Ind Med 46:624–628.

Norseth, T, A Anderson e J Giltvedt. 1983. Incidência de câncer na indústria da borracha na Noruega. Scand J Work Environ Health 9:69–71.

Nutt, A. 1976. Medição de alguns materiais potencialmente perigosos na atmosfera de fábricas de borracha. Environ Health Persp 17:117–123.

Parkes, HG, CA Veys, JAH Waterhouse e A Peters. 1982. Mortalidade por câncer na indústria de borracha britânica. Br J Ind Med 39:209–220.

Peters, JM, RR Monson, WA Burgess e LJ Fine. 1976. Doença ocupacional na indústria da borracha. Saúde Ambiental Persp 17:31–34.

Solionova, LG e VB Smulevich. 1991. Mortalidade e incidência de câncer em uma coorte de trabalhadores da borracha em Moscou. Scand J Work Environ Health 19:96–101.

Sorahan, R, HG Parkes, CA Veys e JAH Waterhouse. 1986. Mortalidade por câncer na indústria de borracha britânica 1946-80. Br J Ind Med 43:363–373.

Sorahan, R, HG Parkes, CA Veys, JAH Waterhouse, JK Straughan e A Nutt. 1989. Mortalidade na indústria da borracha britânica 1946-85. Br J Ind Med 46:1–11.

Szeszenia-Daborowaska, N, U Wilezynska, T Kaczmarek e W Szymezak. 1991. Mortalidade por câncer entre trabalhadores do sexo masculino na indústria polonesa de borracha. Jornal Polonês de Medicina Ocupacional e Saúde Ambiental 4:149–157.

Van Ert, MD, EW Arp, RL Harris, MJ Symons e TM Williams. 1980. Exposições de trabalhadores a agentes químicos na fabricação de pneus de borracha: Estudos de vapor de solvente. Am Ind Hyg Assoc J 41:212–219.

Wang, HW, XJ You, YH Qu, WF Wang, DA Wang, YM Long e JA Ni. 1984. Investigação da epidemiologia do câncer e estudo de agentes cancerígenos na indústria de borracha de Xangai. Câncer Res 44:3101–3105.

Weiland, SK, KA Mundt, U Keil, B Kraemer, T Birk, M Person, AM Bucher, K Straif, J Schumann e L Chambless. 1996. Mortalidade por câncer entre trabalhadores da indústria de borracha alemã. Occup Environ Med 53:289–298.

Williams, TM, RL Harris, EW Arp, MJ Symons e MD Van Ert. 1980. Exposição de trabalhadores a agentes químicos na fabricação de pneus e câmaras de borracha: Particulates. Am Ind Hyg Assoc J 41:204–211.

Wolf, PH, D Andjelkovich, A Smith e H Tyroler. 1981. Um estudo de caso-controle de leucemia na indústria de borracha dos EUA. J Occup Med 23:103–108.

Zhang, ZF, SZ Yu, WX Li e BCK Choi. 1989. Tabagismo, exposição ocupacional à borracha e câncer de pulmão. Br J Ind Med 46:12–15.