Quinta-feira, Março 24 2011 14: 48

Desenho, Pintura e Gravura

Classifique este artigo
(2 votos)

Desenhar envolve fazer marcas em uma superfície para expressar um sentimento, experiência ou visão. A superfície mais utilizada é o papel; a mídia de desenho inclui implementos secos, como carvão, lápis de cor, giz de cera, grafite, ponta de metal e pastéis e líquidos, como tintas, marcadores e tintas. A pintura refere-se a processos que aplicam um meio líquido aquoso ou não aquoso (“tinta”) a superfícies dimensionadas, preparadas ou seladas, como tela, papel ou painel. Meios aquosos incluem aquarelas, têmpera, polímeros acrílicos, látex e afresco; os meios não aquosos incluem óleos de linhaça ou estandes, secadores, vernizes, alquídicos, cera encáustica ou fundida, acrílicos à base de solventes orgânicos, epóxi, esmaltes, corantes e lacas. Tintas e tintas normalmente consistem em agentes corantes (pigmentos e corantes), um veículo líquido (solvente orgânico, óleo ou água), aglutinantes, agentes de volume, antioxidantes, conservantes e estabilizadores.

Impressões são obras de arte feitas pela transferência de uma camada de tinta de uma imagem em uma superfície de impressão (como bloco de madeira, tela, placa de metal ou pedra) para papel, tecido ou plástico. O processo de impressão envolve várias etapas: (1) preparação da imagem; (2) impressão; e (3) limpeza. Várias cópias da imagem podem ser feitas repetindo a etapa de impressão. Em monoprints, apenas uma impressão é feita.

A impressão em talhe doce envolve a incisão de linhas por meios mecânicos (por exemplo, gravação, ponto seco) ou corrosão da placa de metal com ácido para criar áreas deprimidas na placa, que formam a imagem. Vários resistes contendo solventes e outros materiais, como resina ou tinta spray (aquatinting), podem ser usados ​​para proteger a parte da placa que não está sendo gravada. Na impressão, a tinta (à base de óleo de linhaça) é enrolada na placa e o excesso é limpo, deixando a tinta nas áreas e linhas deprimidas. A impressão é feita colocando o papel na placa e aplicando pressão por uma prensa tipográfica para transferir a imagem da tinta para o papel.

A impressão em relevo envolve o corte das partes dos blocos de madeira ou linóleo que não devem ser impressas, deixando uma imagem em relevo. Tintas à base de água ou óleo de linhaça são aplicadas à imagem em relevo e a imagem da tinta é transferida para o papel.

A litografia de pedra envolve fazer uma imagem com um lápis de desenho gorduroso ou outros materiais de desenho que tornarão a imagem receptiva à tinta à base de óleo de linhaça e tratar a placa com ácidos para tornar as áreas sem imagem receptivas à água e repelentes à tinta. A imagem é lavada com aguarrás mineral ou outros solventes, pintada com um rolo e depois impressa. A litografia de placa de metal pode envolver um contra-ataque preliminar que geralmente contém sais de dicromato. Placas de metal podem ser tratadas com vernizes vinílicos contendo solventes cetônicos para tiragens longas.

A serigrafia é um processo de estêncil em que uma imagem negativa é feita na tela de tecido, bloqueando partes da tela. Para tintas à base de água, os materiais de bloqueio devem ser insolúveis em água; para tintas à base de solvente, o inverso. Os estênceis de plástico cortados são frequentemente usados ​​e aderidos à tela com solventes. As impressões são feitas raspando a tinta na tela, forçando a tinta através das partes não bloqueadas da tela no papel localizado abaixo da tela, criando assim a imagem positiva. Grandes tiragens de impressão usando tintas à base de solvente envolvem a liberação de grandes quantidades de vapores de solvente no ar.

As colagrafias são feitas usando técnicas de impressão em baixo relevo ou relevo em uma superfície texturizada ou colagem, que pode ser feita de vários materiais colados na placa.

Os processos de fotoimpressão podem usar placas pré-sensibilizadas (geralmente diazo) para litografia ou entalhe, ou a fotoemulsão pode ser aplicada diretamente na placa ou pedra. Uma mistura de goma arábica e dicromatos tem sido freqüentemente usada em pedras (impressão de goma). A imagem fotográfica é transferida para a placa e, em seguida, a placa é exposta à luz ultravioleta (por exemplo, arcos de carbono, luzes de xenônio, luz solar). Quando reveladas, as porções não expostas da fotoemulsão são lavadas e a placa é então impressa. Os agentes de revestimento e revelação podem frequentemente conter solventes e álcalis perigosos. Em processos de tela fotográfica, a tela pode ser revestida com dicromato ou fotoemulsão diazo diretamente, ou pode ser usado um processo indireto, que envolve a adesão de filmes de transferência sensibilizados à tela após a exposição.

Nas técnicas de impressão que usam tintas à base de óleo, a tinta é limpa com solventes ou com óleo vegetal e detergente líquido. Os solventes também devem ser usados ​​para limpar os rolos de litografia. Para tintas à base de água, a água é usada para limpeza. Para tintas à base de solvente, grandes quantidades de solventes são usadas para limpeza, tornando este um dos processos mais perigosos na impressão. As fotoemulsões podem ser removidas das telas usando alvejante à base de cloro ou detergentes enzimáticos.

Artistas que desenham, pintam ou fazem impressões enfrentam riscos significativos de saúde e segurança. As principais fontes de perigo para esses artistas incluem ácidos (em litografia e entalhe), álcoois (em diluentes e removedores de tinta, goma-laca, resina e verniz), álcalis (em tintas, banhos de tingimento, fotorreveladores e limpadores de filme), poeiras (em giz , carvão e pastéis), gases (em aerossóis, gravura, litografia e fotoprocessos), metais (em pigmentos, fotoquímicos e emulsões), névoas e sprays (em aerossóis, aerografia e aquatintura), pigmentos (em tintas e tintas), pós (em pigmentos secos e fotoquímicos, resina, talco e badejo), conservantes (em tintas, colas, endurecedores e estabilizantes) e solventes (como hidrocarbonetos alifáticos, aromáticos e clorados, éteres glicólicos e cetonas). Rotas comuns de exposição associadas a esses perigos incluem inalação, ingestão e contato com a pele.

Entre os problemas de saúde bem documentados de pintores, desenhistas e gravadores estão: n-dano de nervo periférico induzido por hexano em estudantes de arte usando cimento de borracha e adesivos em spray; danos no sistema nervoso periférico e central induzidos por solvente em artistas de serigrafia; supressão da medula óssea relacionada a solventes e éteres de glicol em litógrafos; início ou agravamento da asma após exposição a sprays, névoas, poeiras, bolores e gases; ritmos cardíacos anormais após exposição a solventes de hidrocarbonetos como cloreto de metileno, freon, tolueno e 1,1,1-tricloroetano encontrados em colas ou fluidos corretivos; queimaduras por ácido, álcali ou fenol ou irritação da pele, olhos e membranas mucosas; lesão hepática induzida por solventes orgânicos; e irritação, reação imune, erupções cutâneas e ulceração da pele após exposição a níquel, dicromatos e cromatos, endurecedores epóxi, terebintina ou formaldeído.

Embora não estejam bem documentados, a pintura, o desenho e a gravura podem estar associados a um risco aumentado de leucemia, tumores renais e tumores da bexiga. Carcinógenos suspeitos aos quais pintores, desenhistas e gravadores podem estar expostos incluem cromatos e dicromatos, bifenilos policlorados, tricloroetileno, ácido tânico, cloreto de metileno, glicidol, formaldeído e compostos de cádmio e arsênico.

Os cuidados mais importantes na pintura, desenho e gravura incluem: substituição de materiais à base de água por materiais à base de solventes orgânicos; uso adequado de ventilação de diluição geral e ventilação de exaustão local (ver figura 1); manuseio, rotulagem, armazenamento e descarte adequados de tintas, líquidos inflamáveis ​​e solventes residuais; uso adequado de equipamentos de proteção individual, como aventais, luvas, óculos e respiradores; e evitar produtos que contenham metais tóxicos, especialmente chumbo, cádmio, mercúrio, arsênico, cromatos e manganês. Solventes a serem evitados incluem benzeno, tetracloreto de carbono, metil n-butil cetona, n-hexano e tricloroetileno.

Figura 1. Impressão em serigrafia com exaustor de slot.

ENT030F2

Michael McCann

Esforços adicionais destinados a reduzir o risco de efeitos adversos à saúde associados à pintura, desenho e gravura incluem a educação precoce e contínua de jovens artistas sobre os perigos dos materiais de arte e leis que exigem rótulos em materiais de arte que advertem sobre riscos de curto e longo prazo. perigos de saúde e segurança a longo prazo.

 

Voltar

Leia 7684 vezes Última modificação em sábado, 18 de junho de 2022 01:38
Mais nesta categoria: « Entretenimento e Artes Escultura "

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências do Entretenimento e das Artes

Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 1991. Equipamento de proteção. No Treinamento esportivo e medicina esportiva. Park Ridge, Illinois: APOS.

Arheim, DD. 1986. Lesões causadas pela dança: sua prevenção e cuidados. Louis, MO: CV Mosby Co.

Armstrong, RA, P Neill e R Mossop. 1988. Asma induzida por pó de marfim: Uma nova causa ocupacional. Tórax 43 (9): 737-738.

Axelsson, A e F Lindgren. 1981. Audição em músicos clássicos. Acta Oto-Larynogologica 92 Supl. 377:3-74.

Babin, A 1996. Medições de nível de som de poço de orquestra em shows da Broadway. Apresentado na 26ª Reunião Anual da Associação Americana de Saúde Pública. Nova York, 20 de novembro.

Baker, EL, WA Peterson, JL Holtz, C Coleman e PJ Landrigan. 1979. Intoxicação subaguda por cádmio em joalheiros: uma avaliação dos procedimentos diagnósticos. Arch Environment Health 34: 173-177.

Balafrej, A, J Bellakhdar, M El Haitem e H Khadri. 1984. Paralisia por cola em jovens aprendizes de sapateiro na medina de Fez. Rev Pediatria 20 (1): 43-47.

Ballesteros, M, CMA Zuniga, and OA Cardenas. 1983. Concentrações de chumbo no sangue de crianças de famílias olarias expostas a sais de chumbo em um vilarejo mexicano. Órgão de Saúde B Pan Am 17 (1): 35-41.

Bastian, RW. 1993. Distúrbios saculares e mucosos benignos; tumores laríngeos benignos. No Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço, editado por CW Cumming. St. Louis, MO: CV Mosby Co.

—. 1996. Microcirurgia de prega vocal em cantores. Jornal da Voz 10 (4): 389-404

Bastian, R, A Keidar e K Verdolini-Marston. 1990. Tarefas vocais simples para detectar inchaço das pregas vocais. Jornal da Voz 4 (2): 172-183.

Bowling, A. 1989. Lesões em bailarinos: Prevalência, tratamento e percepção das causas. British Medical Journal 6675: 731-734.

Bruno, PJ, WN Scott e G Huie. 1995. Basquete. No O Manual dos Médicos da Equipe, editado por MB Mellion, WM Walsh e GL Shelton. Filadélfia, PA: Mosby Yearbook.

Burr, GA, TJ Van Gilder, DB Trout, TG Wilcox e R Friscoll. 1994. Relatório de avaliação de riscos à saúde: Actors' Equity Association/The League of American Theatres and Producers, Inc. Doc. HETA 90-355-2449. Cincinnati, OH: Instituto Nacional dos EUA para Segurança e Saúde Ocupacional.

Calabrese, LH, DT Kirkendal e M Floyd. 1983. Anormalidades menstruais, padrões nutricionais e composição corporal em bailarinas clássicas. Medicina Esportiva Física 11: 86-98.

Cardullo, AC, AM Ruszkowski e VA DeLeo. 1989. Dermatite alérgica de contato resultante da sensibilidade à casca de frutas cítricas, geriniol e citral. J Am Acad Dermatol 21 (2): 395-397.

Carlson, T. 1989. Luzes! Câmera! Tragédia. TV Guide (26 de agosto):8-11.

Chasin, M e JP Chong. 1992. Um programa de proteção auditiva clinicamente eficiente para músicos. Artistas de Performance Med Prob 7 (2): 40-43.

—. 1995. Quatro técnicas ambientais para reduzir o efeito da exposição à música na audição. Artistas de Performance Med Prob 10 (2): 66-69.

Chaterjee, M. 1990. Trabalhadores de roupas prontas em Ahmedabad. B Saúde Ocupacional Segurança 19: 2-5.

Clara, PR. 1990. Futebol. No O Manual dos Médicos da Equipe, editado por MB Mellion, WM Walsh e GL Shelton. St. Louis, MO: CV Mosby Co.

Cornell, C. 1988. Potters, chumbo e saúde - Segurança ocupacional em uma vila mexicana (resumo da reunião). Resumo Pap Am Chem S 196: 14.

Conselho de Assuntos Científicos da Associação Médica Americana. 1983. Lesão cerebral no boxe. JAMA 249: 254-257.

Das, PK, KP Shukla e FG Ory. 1992. Um programa de saúde ocupacional para adultos e crianças na indústria de tecelagem de tapetes, Mirzapur, Índia: Um estudo de caso no setor informal. Soc Sci Med 35 (10): 1293-1302.

Delacoste, F e P Alexander. 1987. Trabalho sexual: escritos de mulheres na indústria do sexo. São Francisco, CA: Cleis Press.

Depue, RH e BT Kagey. 1985. Um estudo de mortalidade proporcional da profissão de ator. Am J Ind Med 8: 57-66.

Dominguez, R, JR DeJuanes Paardo, M Garcia Padros, and F Rodriguez Artalejo. 1987. Vacinação antitetânica em uma população de alto risco. Trab Med Seguro 34: 50-56.

Driscoll, RJ, WJ Mulligan, D Schultz e A Candelaria. 1988. Mesotelioma maligno: um agrupamento em uma população nativa americana. New Engl J Med 318: 1437-1438.

Estébanez, P, K Fitch e Nájera 1993. HIV e mulheres trabalhadoras do sexo. Touro QUEM 71(3/4):397-412.

Evans, RW, RI Evans, S Carjaval e S Perry. 1996. Uma pesquisa sobre lesões entre artistas da Broadway. Sou J Saúde Pública 86: 77-80.

FEDER, RJ. 1984. A voz profissional e o voo aéreo. Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço92 (3): 251-254.

Feldman, R e T Sedman. 1975. Hobbyists trabalhando com chumbo. New Engl J Med 292: 929.

Fishbein, M. 1988. Problemas médicos entre músicos do ICSOM. Artistas de Performance Med Prob 3: 1-14.

Fischer, AA. 1976. “Doença do Blackjack” e outros quebra-cabeças de cromato. cutis 18 (1): 21-22.

FRYE, HJH. 1986. Incidência de síndrome de uso excessivo na orquestra sinfônica. Artistas de Performance Med Prob 1: 51-55.

Garrick, JM. 1977. A frequência de lesão, mecanismo de lesão e epidemiologia de entorses de tornozelo. Am J Sports Med 5: 241-242.

Griffin, R, KD Peterson, J Halseth e B Reynolds. 1989. Estudo radiográfico de lesões de cotovelo em cowboys profissionais de rodeio. Medicina Esportiva Física 17: 85-96.

Hamilton, LH e WG Hamilton. 1991. Balé clássico: Equilibrando os custos da arte e do atletismo. Artistas de Performance Med Prob 6: 39-44.

Hamilton, WG. 1988. Lesões no pé e tornozelo em dançarinos. No Clínicas Esportivas da América do Norte, editado por L Yokum. Filadélfia, PA: Williams e Wilkins.

Hardaker, WTJ. 1987. Considerações médicas no treinamento de dança para crianças. Sou Fam Física 35 (5): 93-99.

Henao, S. 1994. Condições de saúde dos trabalhadores latino-americanos. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

Huie, G e EB Hershman. 1994. A maleta do clínico da equipe. Am Acad Física Asst 7: 403-405.

Huie, G e WN Scott. 1995. Avaliação de entorses de tornozelo em atletas. Assistência Física J 19 (10): 23-24.

Kipen, HM e Y Lerman. 1986. Anormalidades respiratórias entre reveladores fotográficos: relato de 3 casos. Am J Ind Med 9: 341-347.

Knishkowy, B e EL Baker. 1986. Transmissão de doença ocupacional para contatos familiares. Am J Ind Med 9: 543-550.

Koplan, JP, AV Wells, HJP Diggory, EL Baker e J Liddle. 1977. Absorção de chumbo em uma comunidade de ceramistas em Barbados. Int J Epidemiol 6: 225-229.

Malhotra, HL. 1984. Segurança contra incêndios em edifícios de montagem. Segurança Contra Incêndio J 7 (3): 285-291.

Maloy, E. 1978. Segurança da cabine de projeção: novas descobertas e novos perigos. Int Assoc Electr Inspect Notícias 50 (4): 20-21.

McCann, M. 1989. 5 mortos em queda de helicóptero. Notícias sobre Perigos Artísticos 12: 1.

—. 1991. Luzes! Câmera! Segurança! Um Manual de Saúde e Segurança para Produção Cinematográfica e de Televisão. Nova York: Center for Safety in the Arts.

—. 1992a. Cuidado Artista. Nova York: Lyons e Burford.

—. 1992b. Procedimentos de segurança de arte: um manual de saúde e segurança para escolas de arte e departamentos de arte. Nova York: Center for Safety in the Arts.

—. 1996. Perigos em indústrias caseiras em países em desenvolvimento. Am J Ind Med 30: 125-129.

McCann, M, N Hall, R Klarnet e PA Peltz. 1986. Riscos reprodutivos nas artes e ofícios. Apresentado na Conferência Anual da Sociedade para Conferência de Saúde Ocupacional e Ambiental sobre Riscos Reprodutivos no Ambiente e Local de Trabalho, Bethesda, MD, 26 de abril.

Miller, AB, DT Silverman e A Blair. 1986. Risco de câncer entre pintores artísticos. Am J Ind Med 9: 281-287.

MMWR. 1982. Sensibilização ao cromo na oficina de um artista. Representante Semanal Morb Mort 31: 111.

—. 1996. Lesões cerebrais e da medula espinhal relacionadas à montaria em touros - Louisiana, 1994-1995. Representante Semanal Morb and Mort 45: 3-5.

Monge, TH. 1994. Ritmos circadianos na ativação subjetiva, humor e eficiência de desempenho. No Princípios e prática da medicina do sono, 2ª edição, editada por M. Kryger e WC. Roth. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1991. Fumaça ambiental de tabaco no local de trabalho: NIOSH Current Intelligence Bulletin 54. Cincinnati, Ohio: NIOSH.

Norris, RN. 1990. Distúrbios físicos de artistas plásticos. Notícias sobre Perigos Artísticos 13 (2): 1.

Nubé, J. 1995. Bloqueadores beta e músicos performáticos. Tese de doutorado. Amsterdã: Universidade de Amsterdã.

O'Donoghue, DH. 1950. Tratamento cirúrgico de lesões recentes nos principais ligamentos do joelho. J Bone Joint Surg 32: 721-738.

Olkinuora, M. 1984. Alcoolismo e ocupação. Scand J Work Environment Health 10 (6): 511-515.

—. 1976. Lesões no joelho. No Tratamento de Lesões em Atletas, editado por DH O'Donoghue. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). 1994. Condições de saúde nas Américas. Vol. 1. Washington, DC: OPAS.

Phéterson, G. 1989. A Reivindicação dos Direitos das Prostitutas. Seattle, WA: Seal Press.

Prockup, L. 1978. Neuropatia em um artista. Prática Hospitalar (novembro):89.

Qualley, CA. 1986. Segurança na Sala de Arte. Worcester, MA: Publicações Davis.

Ramakrishna, RS, P Muthuthamby, RR Brooks e DE Ryan. 1982. Níveis de chumbo no sangue em famílias do Sri Lanka recuperando ouro e prata de resíduos de joalheiros. Arch Environment Health 37 (2): 118-120.

Ramazzini, B. 1713. De morbis artificum (Doenças dos Trabalhadores). Chicago, IL: University of Chicago Press.

Rastogi, SK, BN Gupta, H Chandra, N Mathur, PN Mahendra e T Husain. 1991. Um estudo da prevalência de morbidade respiratória entre os trabalhadores de ágata. Int Arch Occup Ambiente Saúde 63 (1): 21-26.

Rossol, M. 1994. O Guia Completo de Saúde e Segurança do Artista. Nova York: Allworth Press.

Sachare, A.(ed.). 1994a. Regra nº 2. Seção CII. No A enciclopédia oficial de basquete da NBA. Nova York: Villard Books.

—. 1994b. Princípio Básico P: Diretrizes para controle de infecção. No A enciclopédia oficial de basquete da NBA. Nova York: Villard Books.

Samarco, GJ. 1982. O pé e o tornozelo no balé clássico e na dança moderna. No Distúrbios do pé, editado por MH Jahss. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Sataloff, RT. 1991. Voz profissional: a ciência e a arte do atendimento clínico. Nova York: Raven Press.

—. 1995. Medicamentos e seus efeitos na voz. diário de canto 52 (1): 47-52.

—. 1996. Poluição: Consequências para cantores. diário de canto 52 (3): 59-64.

Schall, EL, CH Powell, GA Gellin e MM Key. 1969. Riscos para go-go dancers expostos à luz “negra” de lâmpadas fluorescentes. Am Ind Hyg Assoc J 30: 413-416.

Schnitt, JM e D Schnitt. 1987. Aspectos psicológicos da dança. No A ciência do treinamento de dança, editado por P Clarkson e M Skrinar. Champaign, IL: Human Kinetics Press.

Seals, J. 1987. Superfícies de dança. No Medicina da dança: um guia completo, editado por A Ryan e RE Stephens. Chicago, IL: Pluribus Press.

Sofue, I, Y Yamamura, K Ando, ​​M Iida e T Takayanagi. 1968. Polineuropatia de N-hexano. Clínica Neurol 8: 393-403.

Stewart, R e C Hake. 1976. Risco de removedor de tinta. JAMA 235: 398.

Tan, TC, HC Tsang e LL Wong. 1990. Pesquisas de ruído em discotecas em Hong Kong. Saúde Ind 28 (1): 37-40.

Teitz, C, RM Harrington e H Wiley. 1985. Pressão no pé em sapatilhas de ponta. Pé tornozelo 5: 216-221.

VanderGriend, RA, FH Savoie e JL Hughes. 1991. Fratura do tornozelo. No Fraturas de Rockwood e Green em Adultos, editado por CA Rockwood, DP Green e RW Bucholz. Filadélfia, PA: JB Lippincott Co.

Warren, M, J Brooks-Gunn e L Hamilton. 1986. Escoliose e fratura em jovens bailarinos: Relação com idade da menarca atrasada e amenorréia. New Engl J Med 314: 1338-1353.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1976. Reunião sobre Organização da Atenção à Saúde em Pequenas Indústrias. Genebra: OMS.

Zeitels, S. 1995. Epitélio pré-maligno e câncer microinvasivo da prega vocal: a evolução do tratamento fonomicrocirúrgico. Laringoscópio 105 (3): 1-51.