Quinta-feira, Março 24 2011 15: 22

Carpintaria

Classifique este artigo
(Voto 1)

A carpintaria é praticada como uma forma de arte e artesanato utilitário em todo o mundo. Inclui escultura em madeira, fabricação de móveis e armários (figura 1), fabricação de instrumentos musicais e assim por diante. As técnicas incluem entalhe (figura 2), laminação, união, serragem, lixamento, remoção de tinta, pintura e acabamento. A carpintaria usa um grande número de tipos diferentes de madeiras duras e macias, incluindo muitas madeiras tropicais exóticas, compensados ​​e placas de composição e, às vezes, madeiras tratadas com pesticidas e conservantes de madeira.

Figura 1. Fabricação de móveis.

ENT100F3

Figura 2. Entalhe em madeira com ferramentas manuais.

ENT100F1

Perigos e Precauções

Mata

Muitas madeiras são perigosas, especialmente madeiras tropicais. Os tipos de reações podem incluir alergias de pele e irritação da seiva, pó de madeira ou às vezes da madeira, bem como conjuntivite, alergias respiratórias, pneumonia de hipersensibilidade e reações tóxicas. A inalação de pó de madeira dura está associada a um tipo específico de câncer nasal e do seio nasal (adenocarcinoma). Veja o capítulo Indústria de marcenaria.

As precauções incluem evitar o uso de madeiras sensibilizantes para pessoas com histórico de alergias ou para objetos em que as pessoas estariam em contato frequente com a madeira e controlar os níveis de poeira usando ventilação de exaustão local ou usando um respirador de poeira tóxica. Ao manusear madeiras que possam causar irritações ou alergias na pele, o artista deve usar luvas ou aplicar um creme barreira. As mãos devem ser lavadas cuidadosamente após o trabalho.

Contraplacados e painéis de composição

O compensado e o painel de composição (por exemplo, painel de partículas) são feitos colando folhas finas de madeira, ou pó e lascas de madeira, juntamente com colas de ureia-formaldeído ou colas de fenol-formaldeído. Esses materiais podem emitir formaldeído não reagido por alguns anos após a fabricação, com a placa de composição emitindo mais formaldeído. Aquecer esses materiais ou maquiná-los pode causar a decomposição da cola para liberar formaldeído. O formaldeído é um irritante para a pele, olhos e vias respiratórias e um forte sensibilizador, e um provável carcinógeno humano.

As precauções incluem o uso de produtos com baixo teor de formaldeído sempre que possível, não armazenar grandes quantidades de compensado ou compensado na oficina e usar coletores de pó conectados a máquinas de trabalhar madeira que são expelidos para fora.

Conservantes de madeira e outros tratamentos

Pesticidas e conservantes são freqüentemente aplicados à madeira quando ela está sendo esquadrinhada, processada ou transportada. Pentaclorofenol e seus sais, creosoto e arseniato de cobre cromatado (CCA) foram banidos para venda nos Estados Unidos como preservativos de madeira por causa de possível carcinogenicidade e riscos reprodutivos. Eles podem, no entanto, ainda ser encontrados em madeiras mais antigas, e o arseniato de cobre cromado ainda é permitido como tratamento comercial (por exemplo, madeira “verde”, equipamentos de playground e outros usos externos). Uma variedade de outros produtos químicos pode ser usada no tratamento da madeira, incluindo retardadores de fogo e alvejantes.

As precauções incluem não manusear madeiras tratadas com pentaclorofenol ou creosoto, usar ventilação local exaustora ao usinar madeira tratada com CCA ou usar um respirador com filtros de alta eficiência. A madeira tratada com creosoto, pentaclorofenol ou arseniato de cobre cromado não deve ser queimada.

Esculpir e usinar madeira

As madeiras podem ser esculpidas à mão com cinzéis, limas, serras manuais, lixas e similares, ou podem ser usinadas com serras elétricas, lixadeiras e outras máquinas para trabalhar madeira. Os perigos incluem exposição a pó de madeira, níveis excessivos de ruído de máquinas para trabalhar madeira, acidentes decorrentes do uso de ferramentas e máquinas, choque elétrico ou incêndio devido a fiação defeituosa e incêndios em madeira. Ferramentas vibratórias – por exemplo, motosserras – podem causar “dedos brancos” (fenômeno de Raynaud), envolvendo dormência dos dedos e das mãos.

As precauções incluem equipar as máquinas de trabalhar madeira com coletores de pó (figura 3) e proteções de máquina, limpar a serragem para evitar riscos de incêndio, usar óculos de proteção (e às vezes protetores faciais) e reduzir o ruído. Usar a máquina apropriada para a operação desejada e reparar as máquinas defeituosas imediatamente; manter as ferramentas manuais afiadas e usá-las com segurança; manter todos os equipamentos elétricos e fiação em bom estado de conservação e evitar cabos de extensão que possam ser tropeçados; não usar gravatas, cabelos compridos soltos, mangas soltas ou outros itens que possam prender nas máquinas são alguns outros cuidados.

Figura 3. Máquinas para trabalhar madeira com coletor de pó.

ENT100F2

Michael McCann

Madeira de colagem

Uma variedade de colas são usadas para laminação e união de madeira, incluindo adesivos de contato, cola de caseína, colas epóxi, colas de resina de formaldeído, colas de couro, cola branca (emulsão de acetato de polivinila) e as colas “instantâneas” de cianoacrilato. Muitos deles contêm solventes tóxicos ou outros produtos químicos e podem ser perigosos para a pele, olhos e vias respiratórias.

As precauções incluem evitar colas de resina de formaldeído; usar colas à base de água em vez de colas do tipo solvente; usar luvas ou cremes de barreira ao usar colas epóxi, adesivos à base de solvente ou colas de resina de formaldeído; e ter boa ventilação ao usar colas epóxi, colas de cianoacrilato e colas à base de solvente. Fontes de ignição devem ser evitadas ao usar solventes inflamáveis.

Pintura e acabamento

A madeira pode ser pintada com a maioria dos tipos de tinta; pode ser manchado, envernizado ou envernizado; e pode ser tratada com linhaça ou outros tipos de óleo. Outros materiais usados ​​no acabamento da madeira incluem goma-laca, revestimentos de poliuretano e ceras. Muitos materiais são pulverizados. Alguns marceneiros misturam suas próprias tintas com pigmentos secos. Os perigos incluem a inalação de pó de pigmento tóxico (especialmente pigmentos de cromato de chumbo), perigos para a pele e inalação de solventes, perigos de incêndio de solventes inflamáveis ​​e combustão espontânea de panos embebidos em óleo ou terebintina.

As precauções incluem usar tintas prontas em vez de misturar as suas; evitar comer, beber ou fumar na área de trabalho; usar tintas à base de água em vez de tintas à base de solvente; e colocar panos embebidos em óleo e solvente em latas de resíduos oleosos com fechamento automático ou até mesmo em um balde de água.

Os cuidados com solventes incluem o uso de luvas e óculos de proteção, bem como ventilação adequada; fazendo a operação fora; ou usando um respirador com cartuchos de vapor orgânico. Os materiais devem ser escovados sempre que possível, para evitar os riscos de pulverização. A pulverização termina dentro de uma cabine de pintura à prova de explosão ou usando um respirador com cartuchos de vapores orgânicos e filtros de pulverização; evitar chamas abertas, cigarros acesos e outras fontes de ignição (por exemplo, luzes piloto acesas) na área ao aplicar acabamentos inflamáveis ​​ou ao pulverizar, são outras precauções a serem tomadas.

Decapagem de tinta

A remoção de tintas e vernizes antigos de madeira e móveis é feita com removedores de tintas e vernizes que contêm uma grande variedade de solventes tóxicos e muitas vezes inflamáveis. Os decapantes “não inflamáveis” contêm cloreto de metileno. Soda cáustica (hidróxido de sódio), ácidos, maçaricos e pistolas de calor também são usados ​​para remover tinta velha. Manchas antigas na madeira geralmente são removidas com alvejantes, que podem conter álcalis corrosivos e ácido oxálico, peróxido de hidrogênio ou hipoclorito. Pistolas de calor e maçaricos podem vaporizar a tinta, possivelmente causando envenenamento por chumbo com tinta à base de chumbo e são um risco de incêndio.

Consulte a seção anterior para obter as precauções com decapantes à base de solvente. Luvas e óculos devem ser usados ​​ao manusear soda cáustica, alvejantes de ácido oxálico ou alvejantes do tipo cloro. Um lava-olhos e um chuveiro de emergência devem estar disponíveis. Evite usar maçaricos ou pistolas de calor para remover tinta contendo chumbo.

 

Voltar

Leia 6546 vezes Actualizado em Terça, 06 Setembro 2011 12:09
Mais nesta categoria: « Cerâmica Joias »

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências do Entretenimento e das Artes

Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 1991. Equipamento de proteção. No Treinamento esportivo e medicina esportiva. Park Ridge, Illinois: APOS.

Arheim, DD. 1986. Lesões causadas pela dança: sua prevenção e cuidados. Louis, MO: CV Mosby Co.

Armstrong, RA, P Neill e R Mossop. 1988. Asma induzida por pó de marfim: Uma nova causa ocupacional. Tórax 43 (9): 737-738.

Axelsson, A e F Lindgren. 1981. Audição em músicos clássicos. Acta Oto-Larynogologica 92 Supl. 377:3-74.

Babin, A 1996. Medições de nível de som de poço de orquestra em shows da Broadway. Apresentado na 26ª Reunião Anual da Associação Americana de Saúde Pública. Nova York, 20 de novembro.

Baker, EL, WA Peterson, JL Holtz, C Coleman e PJ Landrigan. 1979. Intoxicação subaguda por cádmio em joalheiros: uma avaliação dos procedimentos diagnósticos. Arch Environment Health 34: 173-177.

Balafrej, A, J Bellakhdar, M El Haitem e H Khadri. 1984. Paralisia por cola em jovens aprendizes de sapateiro na medina de Fez. Rev Pediatria 20 (1): 43-47.

Ballesteros, M, CMA Zuniga, and OA Cardenas. 1983. Concentrações de chumbo no sangue de crianças de famílias olarias expostas a sais de chumbo em um vilarejo mexicano. Órgão de Saúde B Pan Am 17 (1): 35-41.

Bastian, RW. 1993. Distúrbios saculares e mucosos benignos; tumores laríngeos benignos. No Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço, editado por CW Cumming. St. Louis, MO: CV Mosby Co.

—. 1996. Microcirurgia de prega vocal em cantores. Jornal da Voz 10 (4): 389-404

Bastian, R, A Keidar e K Verdolini-Marston. 1990. Tarefas vocais simples para detectar inchaço das pregas vocais. Jornal da Voz 4 (2): 172-183.

Bowling, A. 1989. Lesões em bailarinos: Prevalência, tratamento e percepção das causas. British Medical Journal 6675: 731-734.

Bruno, PJ, WN Scott e G Huie. 1995. Basquete. No O Manual dos Médicos da Equipe, editado por MB Mellion, WM Walsh e GL Shelton. Filadélfia, PA: Mosby Yearbook.

Burr, GA, TJ Van Gilder, DB Trout, TG Wilcox e R Friscoll. 1994. Relatório de avaliação de riscos à saúde: Actors' Equity Association/The League of American Theatres and Producers, Inc. Doc. HETA 90-355-2449. Cincinnati, OH: Instituto Nacional dos EUA para Segurança e Saúde Ocupacional.

Calabrese, LH, DT Kirkendal e M Floyd. 1983. Anormalidades menstruais, padrões nutricionais e composição corporal em bailarinas clássicas. Medicina Esportiva Física 11: 86-98.

Cardullo, AC, AM Ruszkowski e VA DeLeo. 1989. Dermatite alérgica de contato resultante da sensibilidade à casca de frutas cítricas, geriniol e citral. J Am Acad Dermatol 21 (2): 395-397.

Carlson, T. 1989. Luzes! Câmera! Tragédia. TV Guide (26 de agosto):8-11.

Chasin, M e JP Chong. 1992. Um programa de proteção auditiva clinicamente eficiente para músicos. Artistas de Performance Med Prob 7 (2): 40-43.

—. 1995. Quatro técnicas ambientais para reduzir o efeito da exposição à música na audição. Artistas de Performance Med Prob 10 (2): 66-69.

Chaterjee, M. 1990. Trabalhadores de roupas prontas em Ahmedabad. B Saúde Ocupacional Segurança 19: 2-5.

Clara, PR. 1990. Futebol. No O Manual dos Médicos da Equipe, editado por MB Mellion, WM Walsh e GL Shelton. St. Louis, MO: CV Mosby Co.

Cornell, C. 1988. Potters, chumbo e saúde - Segurança ocupacional em uma vila mexicana (resumo da reunião). Resumo Pap Am Chem S 196: 14.

Conselho de Assuntos Científicos da Associação Médica Americana. 1983. Lesão cerebral no boxe. JAMA 249: 254-257.

Das, PK, KP Shukla e FG Ory. 1992. Um programa de saúde ocupacional para adultos e crianças na indústria de tecelagem de tapetes, Mirzapur, Índia: Um estudo de caso no setor informal. Soc Sci Med 35 (10): 1293-1302.

Delacoste, F e P Alexander. 1987. Trabalho sexual: escritos de mulheres na indústria do sexo. São Francisco, CA: Cleis Press.

Depue, RH e BT Kagey. 1985. Um estudo de mortalidade proporcional da profissão de ator. Am J Ind Med 8: 57-66.

Dominguez, R, JR DeJuanes Paardo, M Garcia Padros, and F Rodriguez Artalejo. 1987. Vacinação antitetânica em uma população de alto risco. Trab Med Seguro 34: 50-56.

Driscoll, RJ, WJ Mulligan, D Schultz e A Candelaria. 1988. Mesotelioma maligno: um agrupamento em uma população nativa americana. New Engl J Med 318: 1437-1438.

Estébanez, P, K Fitch e Nájera 1993. HIV e mulheres trabalhadoras do sexo. Touro QUEM 71(3/4):397-412.

Evans, RW, RI Evans, S Carjaval e S Perry. 1996. Uma pesquisa sobre lesões entre artistas da Broadway. Sou J Saúde Pública 86: 77-80.

FEDER, RJ. 1984. A voz profissional e o voo aéreo. Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço92 (3): 251-254.

Feldman, R e T Sedman. 1975. Hobbyists trabalhando com chumbo. New Engl J Med 292: 929.

Fishbein, M. 1988. Problemas médicos entre músicos do ICSOM. Artistas de Performance Med Prob 3: 1-14.

Fischer, AA. 1976. “Doença do Blackjack” e outros quebra-cabeças de cromato. cutis 18 (1): 21-22.

FRYE, HJH. 1986. Incidência de síndrome de uso excessivo na orquestra sinfônica. Artistas de Performance Med Prob 1: 51-55.

Garrick, JM. 1977. A frequência de lesão, mecanismo de lesão e epidemiologia de entorses de tornozelo. Am J Sports Med 5: 241-242.

Griffin, R, KD Peterson, J Halseth e B Reynolds. 1989. Estudo radiográfico de lesões de cotovelo em cowboys profissionais de rodeio. Medicina Esportiva Física 17: 85-96.

Hamilton, LH e WG Hamilton. 1991. Balé clássico: Equilibrando os custos da arte e do atletismo. Artistas de Performance Med Prob 6: 39-44.

Hamilton, WG. 1988. Lesões no pé e tornozelo em dançarinos. No Clínicas Esportivas da América do Norte, editado por L Yokum. Filadélfia, PA: Williams e Wilkins.

Hardaker, WTJ. 1987. Considerações médicas no treinamento de dança para crianças. Sou Fam Física 35 (5): 93-99.

Henao, S. 1994. Condições de saúde dos trabalhadores latino-americanos. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

Huie, G e EB Hershman. 1994. A maleta do clínico da equipe. Am Acad Física Asst 7: 403-405.

Huie, G e WN Scott. 1995. Avaliação de entorses de tornozelo em atletas. Assistência Física J 19 (10): 23-24.

Kipen, HM e Y Lerman. 1986. Anormalidades respiratórias entre reveladores fotográficos: relato de 3 casos. Am J Ind Med 9: 341-347.

Knishkowy, B e EL Baker. 1986. Transmissão de doença ocupacional para contatos familiares. Am J Ind Med 9: 543-550.

Koplan, JP, AV Wells, HJP Diggory, EL Baker e J Liddle. 1977. Absorção de chumbo em uma comunidade de ceramistas em Barbados. Int J Epidemiol 6: 225-229.

Malhotra, HL. 1984. Segurança contra incêndios em edifícios de montagem. Segurança Contra Incêndio J 7 (3): 285-291.

Maloy, E. 1978. Segurança da cabine de projeção: novas descobertas e novos perigos. Int Assoc Electr Inspect Notícias 50 (4): 20-21.

McCann, M. 1989. 5 mortos em queda de helicóptero. Notícias sobre Perigos Artísticos 12: 1.

—. 1991. Luzes! Câmera! Segurança! Um Manual de Saúde e Segurança para Produção Cinematográfica e de Televisão. Nova York: Center for Safety in the Arts.

—. 1992a. Cuidado Artista. Nova York: Lyons e Burford.

—. 1992b. Procedimentos de segurança de arte: um manual de saúde e segurança para escolas de arte e departamentos de arte. Nova York: Center for Safety in the Arts.

—. 1996. Perigos em indústrias caseiras em países em desenvolvimento. Am J Ind Med 30: 125-129.

McCann, M, N Hall, R Klarnet e PA Peltz. 1986. Riscos reprodutivos nas artes e ofícios. Apresentado na Conferência Anual da Sociedade para Conferência de Saúde Ocupacional e Ambiental sobre Riscos Reprodutivos no Ambiente e Local de Trabalho, Bethesda, MD, 26 de abril.

Miller, AB, DT Silverman e A Blair. 1986. Risco de câncer entre pintores artísticos. Am J Ind Med 9: 281-287.

MMWR. 1982. Sensibilização ao cromo na oficina de um artista. Representante Semanal Morb Mort 31: 111.

—. 1996. Lesões cerebrais e da medula espinhal relacionadas à montaria em touros - Louisiana, 1994-1995. Representante Semanal Morb and Mort 45: 3-5.

Monge, TH. 1994. Ritmos circadianos na ativação subjetiva, humor e eficiência de desempenho. No Princípios e prática da medicina do sono, 2ª edição, editada por M. Kryger e WC. Roth. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1991. Fumaça ambiental de tabaco no local de trabalho: NIOSH Current Intelligence Bulletin 54. Cincinnati, Ohio: NIOSH.

Norris, RN. 1990. Distúrbios físicos de artistas plásticos. Notícias sobre Perigos Artísticos 13 (2): 1.

Nubé, J. 1995. Bloqueadores beta e músicos performáticos. Tese de doutorado. Amsterdã: Universidade de Amsterdã.

O'Donoghue, DH. 1950. Tratamento cirúrgico de lesões recentes nos principais ligamentos do joelho. J Bone Joint Surg 32: 721-738.

Olkinuora, M. 1984. Alcoolismo e ocupação. Scand J Work Environment Health 10 (6): 511-515.

—. 1976. Lesões no joelho. No Tratamento de Lesões em Atletas, editado por DH O'Donoghue. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). 1994. Condições de saúde nas Américas. Vol. 1. Washington, DC: OPAS.

Phéterson, G. 1989. A Reivindicação dos Direitos das Prostitutas. Seattle, WA: Seal Press.

Prockup, L. 1978. Neuropatia em um artista. Prática Hospitalar (novembro):89.

Qualley, CA. 1986. Segurança na Sala de Arte. Worcester, MA: Publicações Davis.

Ramakrishna, RS, P Muthuthamby, RR Brooks e DE Ryan. 1982. Níveis de chumbo no sangue em famílias do Sri Lanka recuperando ouro e prata de resíduos de joalheiros. Arch Environment Health 37 (2): 118-120.

Ramazzini, B. 1713. De morbis artificum (Doenças dos Trabalhadores). Chicago, IL: University of Chicago Press.

Rastogi, SK, BN Gupta, H Chandra, N Mathur, PN Mahendra e T Husain. 1991. Um estudo da prevalência de morbidade respiratória entre os trabalhadores de ágata. Int Arch Occup Ambiente Saúde 63 (1): 21-26.

Rossol, M. 1994. O Guia Completo de Saúde e Segurança do Artista. Nova York: Allworth Press.

Sachare, A.(ed.). 1994a. Regra nº 2. Seção CII. No A enciclopédia oficial de basquete da NBA. Nova York: Villard Books.

—. 1994b. Princípio Básico P: Diretrizes para controle de infecção. No A enciclopédia oficial de basquete da NBA. Nova York: Villard Books.

Samarco, GJ. 1982. O pé e o tornozelo no balé clássico e na dança moderna. No Distúrbios do pé, editado por MH Jahss. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Sataloff, RT. 1991. Voz profissional: a ciência e a arte do atendimento clínico. Nova York: Raven Press.

—. 1995. Medicamentos e seus efeitos na voz. diário de canto 52 (1): 47-52.

—. 1996. Poluição: Consequências para cantores. diário de canto 52 (3): 59-64.

Schall, EL, CH Powell, GA Gellin e MM Key. 1969. Riscos para go-go dancers expostos à luz “negra” de lâmpadas fluorescentes. Am Ind Hyg Assoc J 30: 413-416.

Schnitt, JM e D Schnitt. 1987. Aspectos psicológicos da dança. No A ciência do treinamento de dança, editado por P Clarkson e M Skrinar. Champaign, IL: Human Kinetics Press.

Seals, J. 1987. Superfícies de dança. No Medicina da dança: um guia completo, editado por A Ryan e RE Stephens. Chicago, IL: Pluribus Press.

Sofue, I, Y Yamamura, K Ando, ​​M Iida e T Takayanagi. 1968. Polineuropatia de N-hexano. Clínica Neurol 8: 393-403.

Stewart, R e C Hake. 1976. Risco de removedor de tinta. JAMA 235: 398.

Tan, TC, HC Tsang e LL Wong. 1990. Pesquisas de ruído em discotecas em Hong Kong. Saúde Ind 28 (1): 37-40.

Teitz, C, RM Harrington e H Wiley. 1985. Pressão no pé em sapatilhas de ponta. Pé tornozelo 5: 216-221.

VanderGriend, RA, FH Savoie e JL Hughes. 1991. Fratura do tornozelo. No Fraturas de Rockwood e Green em Adultos, editado por CA Rockwood, DP Green e RW Bucholz. Filadélfia, PA: JB Lippincott Co.

Warren, M, J Brooks-Gunn e L Hamilton. 1986. Escoliose e fratura em jovens bailarinos: Relação com idade da menarca atrasada e amenorréia. New Engl J Med 314: 1338-1353.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1976. Reunião sobre Organização da Atenção à Saúde em Pequenas Indústrias. Genebra: OMS.

Zeitels, S. 1995. Epitélio pré-maligno e câncer microinvasivo da prega vocal: a evolução do tratamento fonomicrocirúrgico. Laringoscópio 105 (3): 1-51.