Segunda-feira, 28 Março 2011 16: 03

Touradas e Rodeios

Classifique este artigo
(3 votos)

Tourada ou corrida como é comumente chamado, é popular na Espanha, países de língua espanhola na América Latina (especialmente México), sul da França e Portugal. É altamente ritualizado, com cortejos, cerimónias bem definidas e coloridos trajes tradicionais. Os matadores são altamente respeitados e muitas vezes começam seu treinamento em uma idade precoce em um sistema de aprendizado informal.

Os rodeios, por outro lado, são um evento esportivo mais recente. Eles são uma conseqüência de competições de habilidades entre cowboys que ilustram suas atividades cotidianas. Hoje, os rodeios são eventos esportivos formalizados e populares no oeste dos Estados Unidos, no oeste do Canadá e no México. Cowboys de rodeio profissionais (e algumas cowgirls) percorrem o circuito de rodeio de um rodeio para outro. Os eventos de rodeio mais comuns são montaria em bronco, montaria em touro, luta de novilhos (bulldogging) e amarração de bezerros.

touradas. Os participantes de uma tourada incluem os matadores, seus assistentes (banderilleros e picadores) e os touros. Quando o touro entra pela primeira vez na arena pelo portão do curral, o matador atrai sua atenção com uma série de passes com sua grande capa. O touro é atraído pelo movimento da capa, não pela cor, já que os touros são daltônicos. A reputação do matador é baseada em quão perto ele chega dos chifres do touro. Esses touros de briga foram criados e treinados por séculos por sua agressividade. A próxima parte da tourada envolve o enfraquecimento do touro por picadores montados colocando lanças no touro e, em seguida, banderilleros, trabalhando a pé, colocando varas farpadas chamadas banderillas no ombro do touro para abaixar a cabeça do touro para a matança.

O estágio final da luta envolve o matador tentando matar o touro inserindo a lâmina de sua espada entre as omoplatas do touro na aorta. Este estágio envolve muitos passes formalizados com a capa antes da morte final. Quanto maiores os riscos assumidos pelo matador, maior a aclamação e, claro, maior o risco de ser chifrado (ver figura 1). Os toureiros geralmente recebem pelo menos uma goring por temporada, o que pode envolver até 100 touradas por ano por toureiro.

Figura 1. Touradas.

ENT285F2

El Pais

O principal perigo enfrentado pelos matadores e seus assistentes é ser chifrado ou mesmo morto pelo touro. Outro perigo potencial é o tétano por ser chifrado. Um estudo epidemiológico em Madri, Espanha, indicou que apenas 14.9% dos profissionais das touradas tinham vacinação antitetânica completa, enquanto 52.5% haviam sofrido lesões ocupacionais (Dominguez et al. 1987). Poucos cuidados são tomados. Os picadores montados usam armaduras de perna de aço. Caso contrário, os profissionais tauromáquicos dependem do treinamento e habilidades de si mesmos e de seus cavalos. Uma precaução essencial é o planejamento adequado para atendimento médico de emergência no local (consulte “Produção cinematográfica e televisiva” neste capítulo).

Rodeios. Os eventos de rodeio comuns mais perigosos são montaria em bronco ou touro e luta livre. Na montaria de bronco ou touro, o objetivo é permanecer sobre o animal que corre por um tempo pré-determinado. A equitação do Bronco pode ser sem sela ou com uma sela. Na luta de novilhos, um cavaleiro a cavalo tenta jogar o boi no chão saltando do cavalo, agarrando o touro pelos chifres e jogando-o no chão. Laço de bezerro envolve amarrar um bezerro a cavalo, pular do cavalo e, em seguida, amarrar as patas dianteiras e traseiras do bezerro juntas no menor tempo possível.

Além dos competidores de rodeio, estão em risco os pickup riders ou batedores, cuja função é resgatar o cavaleiro arremessado e capturar o animal, e os palhaços de rodeio, cuja função é distrair o animal, principalmente os touros, para dar ao cavaleiro arremessado uma chance de escapar (figura 2). Eles fazem isso a pé e vestidos com uma fantasia colorida para atrair a atenção do animal. Os perigos incluem ser pisoteado, ser chifrado pelos chifres do touro, ferimentos ao ser empurrado, lesões no joelho ao pular do cavalo, lesões no cotovelo em bronco e cavaleiros de touro por segurar o animal com uma mão e lesões faciais de touros jogando suas cabeças costas. Lesões também ocorrem quando cavaleiros de bronco ou touro são esmagados contra as laterais da rampa enquanto esperam a abertura do portão e a liberação do animal. Lesões graves e mortes não são incomuns. Montadores de touros sofrem 37% de todas as lesões relacionadas a rodeios (Griffin et al. 1989). Em particular, as lesões cerebrais e da medula espinhal são motivo de preocupação (MMWR 1996). Um estudo de 39 cowboys profissionais de rodeio mostrou um total de 76 anormalidades de cotovelo em 29 cavaleiros de bronco e touro (Griffin et al. 1989). Concluíram que as lesões eram decorrentes da hiperextensão constante do braço que segurava o animal, além de lesões em quedas.

Figura 2. Palhaço de rodeio distraindo um touro de um cavaleiro caído.

ENT285F1

Dan Hubbell

A principal forma de prevenir lesões está nas habilidades dos cowboys de rodeio, dos pick-ups e dos palhaços de rodeio. Cavalos bem treinados também são essenciais. Tapar os cotovelos e usar cotoveleiras também tem sido recomendado para montar bronco e touro. Coletes de segurança, protetores bucais e capacetes de segurança são raros, mas estão se tornando mais aceitos. Máscaras faciais foram ocasionalmente usadas para montar touros. Como nas touradas, uma precaução essencial é o planejamento adequado para atendimento médico de emergência no local.

Tanto nos rodeios quanto nas touradas, é claro, os tratadores de animais, comedouros e assim por diante também estão em risco. Para mais informações sobre este aspecto, consulte “Zoos e aquários” neste capítulo.

 

Voltar

Leia 9531 vezes Actualizado em Terça, 06 Setembro 2011 12:47

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências do Entretenimento e das Artes

Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 1991. Equipamento de proteção. No Treinamento esportivo e medicina esportiva. Park Ridge, Illinois: APOS.

Arheim, DD. 1986. Lesões causadas pela dança: sua prevenção e cuidados. Louis, MO: CV Mosby Co.

Armstrong, RA, P Neill e R Mossop. 1988. Asma induzida por pó de marfim: Uma nova causa ocupacional. Tórax 43 (9): 737-738.

Axelsson, A e F Lindgren. 1981. Audição em músicos clássicos. Acta Oto-Larynogologica 92 Supl. 377:3-74.

Babin, A 1996. Medições de nível de som de poço de orquestra em shows da Broadway. Apresentado na 26ª Reunião Anual da Associação Americana de Saúde Pública. Nova York, 20 de novembro.

Baker, EL, WA Peterson, JL Holtz, C Coleman e PJ Landrigan. 1979. Intoxicação subaguda por cádmio em joalheiros: uma avaliação dos procedimentos diagnósticos. Arch Environment Health 34: 173-177.

Balafrej, A, J Bellakhdar, M El Haitem e H Khadri. 1984. Paralisia por cola em jovens aprendizes de sapateiro na medina de Fez. Rev Pediatria 20 (1): 43-47.

Ballesteros, M, CMA Zuniga, and OA Cardenas. 1983. Concentrações de chumbo no sangue de crianças de famílias olarias expostas a sais de chumbo em um vilarejo mexicano. Órgão de Saúde B Pan Am 17 (1): 35-41.

Bastian, RW. 1993. Distúrbios saculares e mucosos benignos; tumores laríngeos benignos. No Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço, editado por CW Cumming. St. Louis, MO: CV Mosby Co.

—. 1996. Microcirurgia de prega vocal em cantores. Jornal da Voz 10 (4): 389-404

Bastian, R, A Keidar e K Verdolini-Marston. 1990. Tarefas vocais simples para detectar inchaço das pregas vocais. Jornal da Voz 4 (2): 172-183.

Bowling, A. 1989. Lesões em bailarinos: Prevalência, tratamento e percepção das causas. British Medical Journal 6675: 731-734.

Bruno, PJ, WN Scott e G Huie. 1995. Basquete. No O Manual dos Médicos da Equipe, editado por MB Mellion, WM Walsh e GL Shelton. Filadélfia, PA: Mosby Yearbook.

Burr, GA, TJ Van Gilder, DB Trout, TG Wilcox e R Friscoll. 1994. Relatório de avaliação de riscos à saúde: Actors' Equity Association/The League of American Theatres and Producers, Inc. Doc. HETA 90-355-2449. Cincinnati, OH: Instituto Nacional dos EUA para Segurança e Saúde Ocupacional.

Calabrese, LH, DT Kirkendal e M Floyd. 1983. Anormalidades menstruais, padrões nutricionais e composição corporal em bailarinas clássicas. Medicina Esportiva Física 11: 86-98.

Cardullo, AC, AM Ruszkowski e VA DeLeo. 1989. Dermatite alérgica de contato resultante da sensibilidade à casca de frutas cítricas, geriniol e citral. J Am Acad Dermatol 21 (2): 395-397.

Carlson, T. 1989. Luzes! Câmera! Tragédia. TV Guide (26 de agosto):8-11.

Chasin, M e JP Chong. 1992. Um programa de proteção auditiva clinicamente eficiente para músicos. Artistas de Performance Med Prob 7 (2): 40-43.

—. 1995. Quatro técnicas ambientais para reduzir o efeito da exposição à música na audição. Artistas de Performance Med Prob 10 (2): 66-69.

Chaterjee, M. 1990. Trabalhadores de roupas prontas em Ahmedabad. B Saúde Ocupacional Segurança 19: 2-5.

Clara, PR. 1990. Futebol. No O Manual dos Médicos da Equipe, editado por MB Mellion, WM Walsh e GL Shelton. St. Louis, MO: CV Mosby Co.

Cornell, C. 1988. Potters, chumbo e saúde - Segurança ocupacional em uma vila mexicana (resumo da reunião). Resumo Pap Am Chem S 196: 14.

Conselho de Assuntos Científicos da Associação Médica Americana. 1983. Lesão cerebral no boxe. JAMA 249: 254-257.

Das, PK, KP Shukla e FG Ory. 1992. Um programa de saúde ocupacional para adultos e crianças na indústria de tecelagem de tapetes, Mirzapur, Índia: Um estudo de caso no setor informal. Soc Sci Med 35 (10): 1293-1302.

Delacoste, F e P Alexander. 1987. Trabalho sexual: escritos de mulheres na indústria do sexo. São Francisco, CA: Cleis Press.

Depue, RH e BT Kagey. 1985. Um estudo de mortalidade proporcional da profissão de ator. Am J Ind Med 8: 57-66.

Dominguez, R, JR DeJuanes Paardo, M Garcia Padros, and F Rodriguez Artalejo. 1987. Vacinação antitetânica em uma população de alto risco. Trab Med Seguro 34: 50-56.

Driscoll, RJ, WJ Mulligan, D Schultz e A Candelaria. 1988. Mesotelioma maligno: um agrupamento em uma população nativa americana. New Engl J Med 318: 1437-1438.

Estébanez, P, K Fitch e Nájera 1993. HIV e mulheres trabalhadoras do sexo. Touro QUEM 71(3/4):397-412.

Evans, RW, RI Evans, S Carjaval e S Perry. 1996. Uma pesquisa sobre lesões entre artistas da Broadway. Sou J Saúde Pública 86: 77-80.

FEDER, RJ. 1984. A voz profissional e o voo aéreo. Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço92 (3): 251-254.

Feldman, R e T Sedman. 1975. Hobbyists trabalhando com chumbo. New Engl J Med 292: 929.

Fishbein, M. 1988. Problemas médicos entre músicos do ICSOM. Artistas de Performance Med Prob 3: 1-14.

Fischer, AA. 1976. “Doença do Blackjack” e outros quebra-cabeças de cromato. cutis 18 (1): 21-22.

FRYE, HJH. 1986. Incidência de síndrome de uso excessivo na orquestra sinfônica. Artistas de Performance Med Prob 1: 51-55.

Garrick, JM. 1977. A frequência de lesão, mecanismo de lesão e epidemiologia de entorses de tornozelo. Am J Sports Med 5: 241-242.

Griffin, R, KD Peterson, J Halseth e B Reynolds. 1989. Estudo radiográfico de lesões de cotovelo em cowboys profissionais de rodeio. Medicina Esportiva Física 17: 85-96.

Hamilton, LH e WG Hamilton. 1991. Balé clássico: Equilibrando os custos da arte e do atletismo. Artistas de Performance Med Prob 6: 39-44.

Hamilton, WG. 1988. Lesões no pé e tornozelo em dançarinos. No Clínicas Esportivas da América do Norte, editado por L Yokum. Filadélfia, PA: Williams e Wilkins.

Hardaker, WTJ. 1987. Considerações médicas no treinamento de dança para crianças. Sou Fam Física 35 (5): 93-99.

Henao, S. 1994. Condições de saúde dos trabalhadores latino-americanos. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

Huie, G e EB Hershman. 1994. A maleta do clínico da equipe. Am Acad Física Asst 7: 403-405.

Huie, G e WN Scott. 1995. Avaliação de entorses de tornozelo em atletas. Assistência Física J 19 (10): 23-24.

Kipen, HM e Y Lerman. 1986. Anormalidades respiratórias entre reveladores fotográficos: relato de 3 casos. Am J Ind Med 9: 341-347.

Knishkowy, B e EL Baker. 1986. Transmissão de doença ocupacional para contatos familiares. Am J Ind Med 9: 543-550.

Koplan, JP, AV Wells, HJP Diggory, EL Baker e J Liddle. 1977. Absorção de chumbo em uma comunidade de ceramistas em Barbados. Int J Epidemiol 6: 225-229.

Malhotra, HL. 1984. Segurança contra incêndios em edifícios de montagem. Segurança Contra Incêndio J 7 (3): 285-291.

Maloy, E. 1978. Segurança da cabine de projeção: novas descobertas e novos perigos. Int Assoc Electr Inspect Notícias 50 (4): 20-21.

McCann, M. 1989. 5 mortos em queda de helicóptero. Notícias sobre Perigos Artísticos 12: 1.

—. 1991. Luzes! Câmera! Segurança! Um Manual de Saúde e Segurança para Produção Cinematográfica e de Televisão. Nova York: Center for Safety in the Arts.

—. 1992a. Cuidado Artista. Nova York: Lyons e Burford.

—. 1992b. Procedimentos de segurança de arte: um manual de saúde e segurança para escolas de arte e departamentos de arte. Nova York: Center for Safety in the Arts.

—. 1996. Perigos em indústrias caseiras em países em desenvolvimento. Am J Ind Med 30: 125-129.

McCann, M, N Hall, R Klarnet e PA Peltz. 1986. Riscos reprodutivos nas artes e ofícios. Apresentado na Conferência Anual da Sociedade para Conferência de Saúde Ocupacional e Ambiental sobre Riscos Reprodutivos no Ambiente e Local de Trabalho, Bethesda, MD, 26 de abril.

Miller, AB, DT Silverman e A Blair. 1986. Risco de câncer entre pintores artísticos. Am J Ind Med 9: 281-287.

MMWR. 1982. Sensibilização ao cromo na oficina de um artista. Representante Semanal Morb Mort 31: 111.

—. 1996. Lesões cerebrais e da medula espinhal relacionadas à montaria em touros - Louisiana, 1994-1995. Representante Semanal Morb and Mort 45: 3-5.

Monge, TH. 1994. Ritmos circadianos na ativação subjetiva, humor e eficiência de desempenho. No Princípios e prática da medicina do sono, 2ª edição, editada por M. Kryger e WC. Roth. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1991. Fumaça ambiental de tabaco no local de trabalho: NIOSH Current Intelligence Bulletin 54. Cincinnati, Ohio: NIOSH.

Norris, RN. 1990. Distúrbios físicos de artistas plásticos. Notícias sobre Perigos Artísticos 13 (2): 1.

Nubé, J. 1995. Bloqueadores beta e músicos performáticos. Tese de doutorado. Amsterdã: Universidade de Amsterdã.

O'Donoghue, DH. 1950. Tratamento cirúrgico de lesões recentes nos principais ligamentos do joelho. J Bone Joint Surg 32: 721-738.

Olkinuora, M. 1984. Alcoolismo e ocupação. Scand J Work Environment Health 10 (6): 511-515.

—. 1976. Lesões no joelho. No Tratamento de Lesões em Atletas, editado por DH O'Donoghue. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). 1994. Condições de saúde nas Américas. Vol. 1. Washington, DC: OPAS.

Phéterson, G. 1989. A Reivindicação dos Direitos das Prostitutas. Seattle, WA: Seal Press.

Prockup, L. 1978. Neuropatia em um artista. Prática Hospitalar (novembro):89.

Qualley, CA. 1986. Segurança na Sala de Arte. Worcester, MA: Publicações Davis.

Ramakrishna, RS, P Muthuthamby, RR Brooks e DE Ryan. 1982. Níveis de chumbo no sangue em famílias do Sri Lanka recuperando ouro e prata de resíduos de joalheiros. Arch Environment Health 37 (2): 118-120.

Ramazzini, B. 1713. De morbis artificum (Doenças dos Trabalhadores). Chicago, IL: University of Chicago Press.

Rastogi, SK, BN Gupta, H Chandra, N Mathur, PN Mahendra e T Husain. 1991. Um estudo da prevalência de morbidade respiratória entre os trabalhadores de ágata. Int Arch Occup Ambiente Saúde 63 (1): 21-26.

Rossol, M. 1994. O Guia Completo de Saúde e Segurança do Artista. Nova York: Allworth Press.

Sachare, A.(ed.). 1994a. Regra nº 2. Seção CII. No A enciclopédia oficial de basquete da NBA. Nova York: Villard Books.

—. 1994b. Princípio Básico P: Diretrizes para controle de infecção. No A enciclopédia oficial de basquete da NBA. Nova York: Villard Books.

Samarco, GJ. 1982. O pé e o tornozelo no balé clássico e na dança moderna. No Distúrbios do pé, editado por MH Jahss. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Sataloff, RT. 1991. Voz profissional: a ciência e a arte do atendimento clínico. Nova York: Raven Press.

—. 1995. Medicamentos e seus efeitos na voz. diário de canto 52 (1): 47-52.

—. 1996. Poluição: Consequências para cantores. diário de canto 52 (3): 59-64.

Schall, EL, CH Powell, GA Gellin e MM Key. 1969. Riscos para go-go dancers expostos à luz “negra” de lâmpadas fluorescentes. Am Ind Hyg Assoc J 30: 413-416.

Schnitt, JM e D Schnitt. 1987. Aspectos psicológicos da dança. No A ciência do treinamento de dança, editado por P Clarkson e M Skrinar. Champaign, IL: Human Kinetics Press.

Seals, J. 1987. Superfícies de dança. No Medicina da dança: um guia completo, editado por A Ryan e RE Stephens. Chicago, IL: Pluribus Press.

Sofue, I, Y Yamamura, K Ando, ​​M Iida e T Takayanagi. 1968. Polineuropatia de N-hexano. Clínica Neurol 8: 393-403.

Stewart, R e C Hake. 1976. Risco de removedor de tinta. JAMA 235: 398.

Tan, TC, HC Tsang e LL Wong. 1990. Pesquisas de ruído em discotecas em Hong Kong. Saúde Ind 28 (1): 37-40.

Teitz, C, RM Harrington e H Wiley. 1985. Pressão no pé em sapatilhas de ponta. Pé tornozelo 5: 216-221.

VanderGriend, RA, FH Savoie e JL Hughes. 1991. Fratura do tornozelo. No Fraturas de Rockwood e Green em Adultos, editado por CA Rockwood, DP Green e RW Bucholz. Filadélfia, PA: JB Lippincott Co.

Warren, M, J Brooks-Gunn e L Hamilton. 1986. Escoliose e fratura em jovens bailarinos: Relação com idade da menarca atrasada e amenorréia. New Engl J Med 314: 1338-1353.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1976. Reunião sobre Organização da Atenção à Saúde em Pequenas Indústrias. Genebra: OMS.

Zeitels, S. 1995. Epitélio pré-maligno e câncer microinvasivo da prega vocal: a evolução do tratamento fonomicrocirúrgico. Laringoscópio 105 (3): 1-51.