Quinta-feira, Março 24 2011 15: 15

Cerâmica

Classifique este artigo
(0 votos)

Alimentos, esculturas, azulejos decorativos, bonecas e outros itens de cerâmica ou argila são feitos em grandes e pequenos estúdios e lojas profissionais, salas de aula em escolas públicas, universidades e escolas técnicas e em residências como hobby ou indústria artesanal. Os métodos podem ser divididos em cerâmica e cerâmica, embora a terminologia possa variar em diferentes países. Na cerâmica, os objetos são feitos por fundição de deslizamento - despejando uma pasta de água, argila e outros ingredientes em um molde. Os objetos de argila são retirados do molde, aparados e queimados em um forno. Algumas louças (bisque ware) são vendidas após esta etapa. Outros tipos são decorados com esmaltes que são misturas de sílica e outras substâncias que formam uma superfície de vidro. Na cerâmica, os objetos são formados a partir de argila plástica, geralmente por formação manual ou arremesso de roda, após o que são secos e queimados em um forno. Os objetos podem então ser vitrificados. As cerâmicas moldadas por deslizamento geralmente são vitrificadas com tintas chinesas, que são produzidas comercialmente na forma seca ou líquida pré-embalada (figura 1). Os ceramistas podem esmaltar suas peças com esses esmaltes comerciais ou com esmaltes que eles mesmos compõem. Produzem-se todos os tipos de loiça, desde terracota e faiança, que são cozidas a baixas temperaturas, até grés e porcelanas, que são cozidas a altas temperaturas.

Figura 1. Decorando um pote com tintas da China.

ENT090F1

Materiais de argila e esmalte

Todas as argilas e esmaltes são misturas de sílica, alumínio e minerais metálicos. Esses ingredientes geralmente contêm quantidades significativas de partículas de tamanho respirável, como as da farinha de sílica e argilas plásticas. Os corpos de argila e os esmaltes são compostos essencialmente pelos mesmos tipos de minerais (consulte a tabela 1, mas os esmaltes são formulados para derreter a temperaturas mais baixas (têm mais fluxo) do que os corpos nos quais são aplicados. O chumbo é um fluxo comum. Minerais de chumbo brutos como galena e óxidos de chumbo derivados da queima de placas de baterias de carros e outras sucatas são usados ​​como fundentes e envenenaram ceramistas e suas famílias em alguns países em desenvolvimento. foram misturados e pré-cozidos em fritas em pó. Os esmaltes são formulados para amadurecer em queima de oxidação ou redução (veja abaixo) e podem conter compostos metálicos como corantes. Chumbo, cádmio, bário e outros metais podem penetrar nos alimentos quando os utensílios de cerâmica esmaltados são usados.

Tabela 1. Ingredientes das massas cerâmicas e esmaltes.

constituintes básicos

 

 

Argilas (silicatos de hidroalumínio)

Alumina

Silica

Caulins e outras argilas brancas

Argilas vermelhas ricas em ferro

Argilas de fogo

Bolas de argila

bentonita

Óxido de alumínio, corindo, fonte usual em esmaltes é de argilas e feldspatos

Quartzo de sílex, areia, terra de diatomáceas; cristobalita de sílica calcinada ou minerais de sílica queimada

Outros ingredientes e algumas fontes minerais

Fluxos

Opacificantes

Corantes

Sódio, potássio, chumbo, magnésio, lítio, bário, boro, cálcio, estrôncio, bismuto

Estanho, zinco, antimônio, zircônio, titânio, flúor, cério, arsênico

Cobalto, cobre, cromo, ferro, manganês, cádmio, vanádio, níquel, urânio

As fontes incluem óxidos e carbonatos dos metais acima, feldspatos, talco, nefelina sienito, bórax, colemanita, badejo, fritas de chumbo, silicatos de chumbo

As fontes incluem óxidos e carbonatos dos metais acima, criolita fluorita, rutilo, silicato de zircônio

As fontes incluem óxidos, carbonatos e sulfatos dos metais acima, cromatos, espinelas e outros complexos metálicos

 

Outros tratamentos de superfície especiais incluem esmaltes de brilho metálico contendo óleos de aderência e solventes como clorofórmio, efeitos iridescentes obtidos pela vaporização de sais metálicos (geralmente cloretos de estanho, ferro, titânio ou vanádio) nas superfícies durante a queima e novas tintas contendo resinas plásticas e solventes, que se parecem com esmaltes cerâmicos queimados quando secos. Corpos de argila com textura especial podem incluir enchimentos como vermiculita, perlita e grog (tijolo refratário moído).

A exposição a ingredientes de argila e esmalte ocorre durante a mistura, lixamento e aplicação de esmaltes por pulverização, e ao esmerilhar ou lascar imperfeições do esmalte queimado do fundo da cerâmica ou das prateleiras do forno (figura 2). A limpeza das prateleiras do forno expõe os trabalhadores a pederneira, caulim e outros ingredientes de lavagem do forno. O pó de sílica da lavagem do forno ou bisque é mais perigoso porque está na forma de cristobalita. Os perigos incluem: silicose e outras pneumoconioses por inalação de minerais como sílica, caulim, talco e amianto anfibólio fibroso em alguns talcos; toxicidade por exposição a metais como chumbo, bário e lítio; dermatite por metais sensibilizantes como cromo, níquel e cobalto; transtornos traumáticos cumulativos, como síndrome do túnel do carpo (“polegar de oleiro”) devido ao arremesso de rodas; lesões nas costas por cavar argila, levantar sacos de 100 libras de minerais a granel ou por cunhas (argila trabalhada manualmente para remover bolhas de ar); escorrega e cai em pisos molhados; choques de rodas de cerâmica elétrica e outros equipamentos usados ​​em áreas molhadas; alergias a bolores em argila; infecções fúngicas e bacterianas dos leitos ungueais e da pele; e acidentes com misturadores de argila, moinhos pug, blungers, rolos de placas e similares.

Figura 2. Exposição a poeiras de argila e esmalte durante o lixamento manual de uma panela.

ENT090F3

Henry Dunsmore

Precauções: proíba a queima de chumbo a céu aberto; usar substitutos para chumbo bruto, fritas de chumbo, cádmio e materiais contendo amianto; isolar o trabalho das áreas familiares e dos filhos; praticar limpeza e higiene; controle de poeira; usar exaustão local para pulverização de esmalte e processos empoeirados (figura 3); usar proteção respiratória; trabalhar com períodos de descanso adequados; levantar com segurança; guarda máquinas; e use interruptores de falha de aterramento nas rodas e em todos os outros equipamentos elétricos.

Figura 3. Ventilação de exaustão local para mistura de argila.

ENT090F2

Michael McCann

queima de forno

Os fornos variam do tamanho de um vagão de trem a alguns centímetros cúbicos para queima de ladrilhos de teste e miniaturas. Eles são aquecidos com eletricidade ou combustíveis como gás, óleo ou madeira. Os fornos elétricos produzem artigos cozidos em atmosferas principalmente oxidantes. A queima de redução é alcançada ajustando as proporções de combustível/ar em fornos a combustível para criar atmosferas quimicamente redutoras. Os métodos de queima incluem queima de sal, raku (colocar potes em brasa em matéria orgânica, como feno úmido para produzir um corpo de argila reduzida e esfumaçado), fornos de escalada (fornos de madeira com muitas câmaras ou fornos de carvão construídos em encostas), queima de serragem (fornos embalados apertado com potes e serragem) e queima a céu aberto com muitos combustíveis, incluindo grama, madeira e esterco.

Os fornos primitivos movidos a combustível são mal isolados porque geralmente são feitos de argila cozida, tijolo ou lama. Esses fornos podem queimar grandes quantidades de madeira e contribuir para a escassez de combustível nos países em desenvolvimento. Fornos comerciais são isolados com tijolo refratário, refratário moldável ou fibra cerâmica. O isolamento de amianto ainda é encontrado em fornos mais antigos. A fibra cerâmica refratária é amplamente utilizada na indústria e em fornos amadores. Existem até pequenos fornos de fibra que são aquecidos colocando-os em fornos de microondas de cozinha doméstica.

As emissões do forno incluem produtos de combustão de combustíveis e de matéria orgânica que contamina argila e minerais de esmalte, óxidos de enxofre, flúor e cloro de minerais como criolita e sodalita e vapores de metal. A queima de sal emite ácido clorídrico. As emissões são especialmente perigosas quando combustíveis como madeira pintada ou tratada e óleos usados ​​são queimados. Os perigos incluem: irritação respiratória ou sensibilização de aldeídos, óxidos de enxofre, halogênios e outras emissões; asfixia por monóxido de carbono; câncer por inalação de amianto ou fibra cerâmica; lesões oculares causadas por radiação infravermelha de fornos quentes; e lesões térmicas e queimaduras.

Precauções: usar combustíveis de queima limpa; projetar fornos com baixo consumo de combustível e bem isolados; substituir o tijolo refratário por amianto ou fibra cerâmica; encapsular ou remover o isolamento de fibra existente; ventilar localmente fornos internos; localizar fornos em áreas livres de materiais combustíveis; equipar fornos elétricos com dois desligamentos automáticos; use óculos e luvas de bloqueio de infravermelho ao manusear objetos quentes.

 

Voltar

Leia 7542 vezes Actualizado em Terça, 06 Setembro 2011 12:01

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências do Entretenimento e das Artes

Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. 1991. Equipamento de proteção. No Treinamento esportivo e medicina esportiva. Park Ridge, Illinois: APOS.

Arheim, DD. 1986. Lesões causadas pela dança: sua prevenção e cuidados. Louis, MO: CV Mosby Co.

Armstrong, RA, P Neill e R Mossop. 1988. Asma induzida por pó de marfim: Uma nova causa ocupacional. Tórax 43 (9): 737-738.

Axelsson, A e F Lindgren. 1981. Audição em músicos clássicos. Acta Oto-Larynogologica 92 Supl. 377:3-74.

Babin, A 1996. Medições de nível de som de poço de orquestra em shows da Broadway. Apresentado na 26ª Reunião Anual da Associação Americana de Saúde Pública. Nova York, 20 de novembro.

Baker, EL, WA Peterson, JL Holtz, C Coleman e PJ Landrigan. 1979. Intoxicação subaguda por cádmio em joalheiros: uma avaliação dos procedimentos diagnósticos. Arch Environment Health 34: 173-177.

Balafrej, A, J Bellakhdar, M El Haitem e H Khadri. 1984. Paralisia por cola em jovens aprendizes de sapateiro na medina de Fez. Rev Pediatria 20 (1): 43-47.

Ballesteros, M, CMA Zuniga, and OA Cardenas. 1983. Concentrações de chumbo no sangue de crianças de famílias olarias expostas a sais de chumbo em um vilarejo mexicano. Órgão de Saúde B Pan Am 17 (1): 35-41.

Bastian, RW. 1993. Distúrbios saculares e mucosos benignos; tumores laríngeos benignos. No Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço, editado por CW Cumming. St. Louis, MO: CV Mosby Co.

—. 1996. Microcirurgia de prega vocal em cantores. Jornal da Voz 10 (4): 389-404

Bastian, R, A Keidar e K Verdolini-Marston. 1990. Tarefas vocais simples para detectar inchaço das pregas vocais. Jornal da Voz 4 (2): 172-183.

Bowling, A. 1989. Lesões em bailarinos: Prevalência, tratamento e percepção das causas. British Medical Journal 6675: 731-734.

Bruno, PJ, WN Scott e G Huie. 1995. Basquete. No O Manual dos Médicos da Equipe, editado por MB Mellion, WM Walsh e GL Shelton. Filadélfia, PA: Mosby Yearbook.

Burr, GA, TJ Van Gilder, DB Trout, TG Wilcox e R Friscoll. 1994. Relatório de avaliação de riscos à saúde: Actors' Equity Association/The League of American Theatres and Producers, Inc. Doc. HETA 90-355-2449. Cincinnati, OH: Instituto Nacional dos EUA para Segurança e Saúde Ocupacional.

Calabrese, LH, DT Kirkendal e M Floyd. 1983. Anormalidades menstruais, padrões nutricionais e composição corporal em bailarinas clássicas. Medicina Esportiva Física 11: 86-98.

Cardullo, AC, AM Ruszkowski e VA DeLeo. 1989. Dermatite alérgica de contato resultante da sensibilidade à casca de frutas cítricas, geriniol e citral. J Am Acad Dermatol 21 (2): 395-397.

Carlson, T. 1989. Luzes! Câmera! Tragédia. TV Guide (26 de agosto):8-11.

Chasin, M e JP Chong. 1992. Um programa de proteção auditiva clinicamente eficiente para músicos. Artistas de Performance Med Prob 7 (2): 40-43.

—. 1995. Quatro técnicas ambientais para reduzir o efeito da exposição à música na audição. Artistas de Performance Med Prob 10 (2): 66-69.

Chaterjee, M. 1990. Trabalhadores de roupas prontas em Ahmedabad. B Saúde Ocupacional Segurança 19: 2-5.

Clara, PR. 1990. Futebol. No O Manual dos Médicos da Equipe, editado por MB Mellion, WM Walsh e GL Shelton. St. Louis, MO: CV Mosby Co.

Cornell, C. 1988. Potters, chumbo e saúde - Segurança ocupacional em uma vila mexicana (resumo da reunião). Resumo Pap Am Chem S 196: 14.

Conselho de Assuntos Científicos da Associação Médica Americana. 1983. Lesão cerebral no boxe. JAMA 249: 254-257.

Das, PK, KP Shukla e FG Ory. 1992. Um programa de saúde ocupacional para adultos e crianças na indústria de tecelagem de tapetes, Mirzapur, Índia: Um estudo de caso no setor informal. Soc Sci Med 35 (10): 1293-1302.

Delacoste, F e P Alexander. 1987. Trabalho sexual: escritos de mulheres na indústria do sexo. São Francisco, CA: Cleis Press.

Depue, RH e BT Kagey. 1985. Um estudo de mortalidade proporcional da profissão de ator. Am J Ind Med 8: 57-66.

Dominguez, R, JR DeJuanes Paardo, M Garcia Padros, and F Rodriguez Artalejo. 1987. Vacinação antitetânica em uma população de alto risco. Trab Med Seguro 34: 50-56.

Driscoll, RJ, WJ Mulligan, D Schultz e A Candelaria. 1988. Mesotelioma maligno: um agrupamento em uma população nativa americana. New Engl J Med 318: 1437-1438.

Estébanez, P, K Fitch e Nájera 1993. HIV e mulheres trabalhadoras do sexo. Touro QUEM 71(3/4):397-412.

Evans, RW, RI Evans, S Carjaval e S Perry. 1996. Uma pesquisa sobre lesões entre artistas da Broadway. Sou J Saúde Pública 86: 77-80.

FEDER, RJ. 1984. A voz profissional e o voo aéreo. Otorrinolaringologia-Cirurgia de Cabeça e Pescoço92 (3): 251-254.

Feldman, R e T Sedman. 1975. Hobbyists trabalhando com chumbo. New Engl J Med 292: 929.

Fishbein, M. 1988. Problemas médicos entre músicos do ICSOM. Artistas de Performance Med Prob 3: 1-14.

Fischer, AA. 1976. “Doença do Blackjack” e outros quebra-cabeças de cromato. cutis 18 (1): 21-22.

FRYE, HJH. 1986. Incidência de síndrome de uso excessivo na orquestra sinfônica. Artistas de Performance Med Prob 1: 51-55.

Garrick, JM. 1977. A frequência de lesão, mecanismo de lesão e epidemiologia de entorses de tornozelo. Am J Sports Med 5: 241-242.

Griffin, R, KD Peterson, J Halseth e B Reynolds. 1989. Estudo radiográfico de lesões de cotovelo em cowboys profissionais de rodeio. Medicina Esportiva Física 17: 85-96.

Hamilton, LH e WG Hamilton. 1991. Balé clássico: Equilibrando os custos da arte e do atletismo. Artistas de Performance Med Prob 6: 39-44.

Hamilton, WG. 1988. Lesões no pé e tornozelo em dançarinos. No Clínicas Esportivas da América do Norte, editado por L Yokum. Filadélfia, PA: Williams e Wilkins.

Hardaker, WTJ. 1987. Considerações médicas no treinamento de dança para crianças. Sou Fam Física 35 (5): 93-99.

Henao, S. 1994. Condições de saúde dos trabalhadores latino-americanos. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

Huie, G e EB Hershman. 1994. A maleta do clínico da equipe. Am Acad Física Asst 7: 403-405.

Huie, G e WN Scott. 1995. Avaliação de entorses de tornozelo em atletas. Assistência Física J 19 (10): 23-24.

Kipen, HM e Y Lerman. 1986. Anormalidades respiratórias entre reveladores fotográficos: relato de 3 casos. Am J Ind Med 9: 341-347.

Knishkowy, B e EL Baker. 1986. Transmissão de doença ocupacional para contatos familiares. Am J Ind Med 9: 543-550.

Koplan, JP, AV Wells, HJP Diggory, EL Baker e J Liddle. 1977. Absorção de chumbo em uma comunidade de ceramistas em Barbados. Int J Epidemiol 6: 225-229.

Malhotra, HL. 1984. Segurança contra incêndios em edifícios de montagem. Segurança Contra Incêndio J 7 (3): 285-291.

Maloy, E. 1978. Segurança da cabine de projeção: novas descobertas e novos perigos. Int Assoc Electr Inspect Notícias 50 (4): 20-21.

McCann, M. 1989. 5 mortos em queda de helicóptero. Notícias sobre Perigos Artísticos 12: 1.

—. 1991. Luzes! Câmera! Segurança! Um Manual de Saúde e Segurança para Produção Cinematográfica e de Televisão. Nova York: Center for Safety in the Arts.

—. 1992a. Cuidado Artista. Nova York: Lyons e Burford.

—. 1992b. Procedimentos de segurança de arte: um manual de saúde e segurança para escolas de arte e departamentos de arte. Nova York: Center for Safety in the Arts.

—. 1996. Perigos em indústrias caseiras em países em desenvolvimento. Am J Ind Med 30: 125-129.

McCann, M, N Hall, R Klarnet e PA Peltz. 1986. Riscos reprodutivos nas artes e ofícios. Apresentado na Conferência Anual da Sociedade para Conferência de Saúde Ocupacional e Ambiental sobre Riscos Reprodutivos no Ambiente e Local de Trabalho, Bethesda, MD, 26 de abril.

Miller, AB, DT Silverman e A Blair. 1986. Risco de câncer entre pintores artísticos. Am J Ind Med 9: 281-287.

MMWR. 1982. Sensibilização ao cromo na oficina de um artista. Representante Semanal Morb Mort 31: 111.

—. 1996. Lesões cerebrais e da medula espinhal relacionadas à montaria em touros - Louisiana, 1994-1995. Representante Semanal Morb and Mort 45: 3-5.

Monge, TH. 1994. Ritmos circadianos na ativação subjetiva, humor e eficiência de desempenho. No Princípios e prática da medicina do sono, 2ª edição, editada por M. Kryger e WC. Roth. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1991. Fumaça ambiental de tabaco no local de trabalho: NIOSH Current Intelligence Bulletin 54. Cincinnati, Ohio: NIOSH.

Norris, RN. 1990. Distúrbios físicos de artistas plásticos. Notícias sobre Perigos Artísticos 13 (2): 1.

Nubé, J. 1995. Bloqueadores beta e músicos performáticos. Tese de doutorado. Amsterdã: Universidade de Amsterdã.

O'Donoghue, DH. 1950. Tratamento cirúrgico de lesões recentes nos principais ligamentos do joelho. J Bone Joint Surg 32: 721-738.

Olkinuora, M. 1984. Alcoolismo e ocupação. Scand J Work Environment Health 10 (6): 511-515.

—. 1976. Lesões no joelho. No Tratamento de Lesões em Atletas, editado por DH O'Donoghue. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). 1994. Condições de saúde nas Américas. Vol. 1. Washington, DC: OPAS.

Phéterson, G. 1989. A Reivindicação dos Direitos das Prostitutas. Seattle, WA: Seal Press.

Prockup, L. 1978. Neuropatia em um artista. Prática Hospitalar (novembro):89.

Qualley, CA. 1986. Segurança na Sala de Arte. Worcester, MA: Publicações Davis.

Ramakrishna, RS, P Muthuthamby, RR Brooks e DE Ryan. 1982. Níveis de chumbo no sangue em famílias do Sri Lanka recuperando ouro e prata de resíduos de joalheiros. Arch Environment Health 37 (2): 118-120.

Ramazzini, B. 1713. De morbis artificum (Doenças dos Trabalhadores). Chicago, IL: University of Chicago Press.

Rastogi, SK, BN Gupta, H Chandra, N Mathur, PN Mahendra e T Husain. 1991. Um estudo da prevalência de morbidade respiratória entre os trabalhadores de ágata. Int Arch Occup Ambiente Saúde 63 (1): 21-26.

Rossol, M. 1994. O Guia Completo de Saúde e Segurança do Artista. Nova York: Allworth Press.

Sachare, A.(ed.). 1994a. Regra nº 2. Seção CII. No A enciclopédia oficial de basquete da NBA. Nova York: Villard Books.

—. 1994b. Princípio Básico P: Diretrizes para controle de infecção. No A enciclopédia oficial de basquete da NBA. Nova York: Villard Books.

Samarco, GJ. 1982. O pé e o tornozelo no balé clássico e na dança moderna. No Distúrbios do pé, editado por MH Jahss. Filadélfia, PA: WB Saunders.

Sataloff, RT. 1991. Voz profissional: a ciência e a arte do atendimento clínico. Nova York: Raven Press.

—. 1995. Medicamentos e seus efeitos na voz. diário de canto 52 (1): 47-52.

—. 1996. Poluição: Consequências para cantores. diário de canto 52 (3): 59-64.

Schall, EL, CH Powell, GA Gellin e MM Key. 1969. Riscos para go-go dancers expostos à luz “negra” de lâmpadas fluorescentes. Am Ind Hyg Assoc J 30: 413-416.

Schnitt, JM e D Schnitt. 1987. Aspectos psicológicos da dança. No A ciência do treinamento de dança, editado por P Clarkson e M Skrinar. Champaign, IL: Human Kinetics Press.

Seals, J. 1987. Superfícies de dança. No Medicina da dança: um guia completo, editado por A Ryan e RE Stephens. Chicago, IL: Pluribus Press.

Sofue, I, Y Yamamura, K Ando, ​​M Iida e T Takayanagi. 1968. Polineuropatia de N-hexano. Clínica Neurol 8: 393-403.

Stewart, R e C Hake. 1976. Risco de removedor de tinta. JAMA 235: 398.

Tan, TC, HC Tsang e LL Wong. 1990. Pesquisas de ruído em discotecas em Hong Kong. Saúde Ind 28 (1): 37-40.

Teitz, C, RM Harrington e H Wiley. 1985. Pressão no pé em sapatilhas de ponta. Pé tornozelo 5: 216-221.

VanderGriend, RA, FH Savoie e JL Hughes. 1991. Fratura do tornozelo. No Fraturas de Rockwood e Green em Adultos, editado por CA Rockwood, DP Green e RW Bucholz. Filadélfia, PA: JB Lippincott Co.

Warren, M, J Brooks-Gunn e L Hamilton. 1986. Escoliose e fratura em jovens bailarinos: Relação com idade da menarca atrasada e amenorréia. New Engl J Med 314: 1338-1353.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1976. Reunião sobre Organização da Atenção à Saúde em Pequenas Indústrias. Genebra: OMS.

Zeitels, S. 1995. Epitélio pré-maligno e câncer microinvasivo da prega vocal: a evolução do tratamento fonomicrocirúrgico. Laringoscópio 105 (3): 1-51.