Erro de saúde e tarefas críticas na braquiterapia de pós-carga remota: Abordagens para melhorar o desempenho do sistema

A btaquiterapia de pós-carga remota (RAB) é um processo médico usado no tratamento do câncer. O RAB usa um dispositivo controlado por computador para inserir e remover remotamente fontes radioativas próximas a um alvo (ou tumor) no corpo. Problemas relacionados com a dose administrada durante o RAB foram relatados e atribuídos a erro humano (Swann-D'Emilia, Chu e Daywalt 1990). Calan et ai. (1995) avaliaram o erro humano e as tarefas críticas associadas ao RAB em 23 locais nos Estados Unidos. A avaliação incluiu seis fases:

Fase 1: Funções e tarefas. A preparação para o tratamento foi considerada a tarefa mais difícil, pois foi responsável pelo maior desgaste cognitivo. Além disso, as distrações tiveram o maior efeito na preparação.

Fase 2: Interferências do sistema humano. O pessoal muitas vezes não estava familiarizado com as interfaces que usavam com pouca frequência. Os operadores não conseguiam ver sinais de controle ou informações essenciais de suas estações de trabalho. Em muitos casos, as informações sobre o estado do sistema não foram fornecidas ao operador.

Fase 3: Procedimentos e práticas. Como os procedimentos usados ​​para passar de uma operação para outra e aqueles usados ​​para transmitir informações e equipamentos entre as tarefas não eram bem definidos, informações essenciais poderiam ser perdidas. Os procedimentos de verificação estavam frequentemente ausentes, mal construídos ou inconsistentes.

Fase 4: Políticas de formação. O estudo revelou a ausência de programas formais de treinamento na maioria dos locais.

Fase 5: Estruturas de apoio organizacional. A comunicação durante o RAB estava particularmente sujeita a erros. Os procedimentos de controle de qualidade eram inadequados.

Fase 6: Identificação e classificação ou circunstâncias que favorecem o erro humano. Ao todo, foram identificados e categorizados 76 fatores que favorecem o erro humano. Abordagens alternativas foram identificadas e avaliadas.

Dez tarefas críticas estavam sujeitas a erros:

  • agendamento, identificação e rastreamento de pacientes
  • estabilização de posicionamento do aplicador
  • localização de grande volume
  • localização da posição de permanência
  • dosimetria
  • configuração de tratamento
  • entrada do plano de tratamento
  • troca de fonte
  • calibração da fonte
  • manutenção de registros e garantia de qualidade de rotina

 

O tratamento foi a função associada ao maior número de erros. Trinta erros relacionados ao tratamento foram analisados ​​e erros foram encontrados durante quatro ou cinco subtarefas de tratamento. A maioria dos erros ocorreu durante a administração do tratamento. O segundo maior número de erros esteve associado ao planejamento do tratamento e relacionado ao cálculo da dose. Melhorias de equipamentos e documentação estão em andamento, em colaboração com os fabricantes.

 

Voltar

O National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) estudou o levantamento e outras lesões relacionadas em dois armazéns de mercearia (doravante referidos como “Armazém A” e “Armazém B”) (NIOSH 1993a; NIOSH 1995). Ambos os armazéns têm padrões de engenharia em relação aos quais o desempenho do seletor de pedidos é medido; aqueles que ficam abaixo de seu padrão estão sujeitos a ação disciplinar. Os dados na tabela 1 são expressos apenas em porcentagens de seletores de pedidos, relatando todas as lesões ou apenas lesões nas costas a cada ano.

Tabela 1. Back e todos os acidentes de trabalho e doenças relatados envolvendo selecionadores de pedidos em dois armazéns de mercearia estudados pelo NIOSH, 1987-1992.

Ano

Armazém A: todas as lesões (%)

Armazém B: todas as lesões (%)

Armazém A: apenas lesões nas costas (%)

Armazém B: apenas lesões nas costas (%)

1987

79

N/D

28

N/D

1988

88

N/D

31

N/D

1989

87

62

39

21

1990

81

62

31

31

1991

52

83

28

29

1992

N/D

86

N/D

17

Fontes: NIOSH 1993a, 1995.

Correndo o risco de generalizar esses dados além de seu contexto, por qualquer cálculo, a magnitude de Gravável as porcentagens de lesões e doenças nesses armazéns são bastante significativas e consideravelmente mais altas do que os dados agregados da indústria como um todo para todas as classificações de trabalho. Enquanto o total de lesões no Armazém A mostra um ligeiro declínio, na verdade aumentam no Armazém B. Mas as lesões nas costas, com exceção de 1992 no Armazém B, são bastante estáveis ​​e significativas. Em termos gerais, esses dados sugerem que os selecionadores de pedidos têm virtualmente uma chance de 3 em 10 de sofrer uma lesão nas costas envolvendo tratamento médico e/ou perda de tempo em um determinado ano.

A Associação Nacional de Armazéns de Mercearia da América (NAGWA), um grupo da indústria, informou que as distensões e entorses nas costas representaram 30% de todas as lesões envolvendo armazéns de mercearia e que um terço de todos os trabalhadores do armazém (não apenas os selecionadores de pedidos) sofrerão uma lesão registrável por ano; esses dados são consistentes com os estudos do NIOSH. Além disso, eles estimaram o custo de pagar por essas lesões (principalmente compensação dos trabalhadores) em US$ 0.61 por hora no período de 1990-1992 (quase US$ 1,270 por ano por trabalhador). Eles também determinaram que o levantamento manual foi a principal causa de lesões nas costas em 54% de todos os casos estudados.

Além de uma revisão das estatísticas de lesões e doenças, o NIOSH utilizou um instrumento de questionário que foi administrado a todos os selecionadores de pedidos de supermercado. No Armazém A, dos 38 selecionadores de tempo integral, 50% relataram pelo menos uma lesão nos últimos 12 meses e 18% dos selecionadores de tempo integral relataram pelo menos uma lesão nas costas nos 12 meses anteriores. Para o Armazém B, 63% dos 19 selecionadores em tempo integral relataram pelo menos uma lesão registrável nos últimos 12 meses e 47% relataram ter pelo menos uma lesão nas costas no mesmo período. Setenta por cento dos trabalhadores em tempo integral no Armazém A relataram dor nas costas significativa no ano anterior, assim como 47% dos selecionadores em tempo integral no Armazém B. Esses dados auto-relatados correspondem de perto aos dados da pesquisa de lesões e doenças.

Além de revisar os dados de lesões nas costas, o NIOSH aplicou sua equação de levantamento revisada a uma amostra de tarefas de levantamento de seletores de ordem e descobriu que todas as tarefas de levantamento amostradas excediam o limite de peso recomendado por margens significativas, o que indica que as tarefas estudadas eram altamente estressantes do ponto de vista ergonômico. Além disso, as forças compressivas foram estimadas no disco vertebral L5/S1; todos excederam os limites biomecânicos recomendados de 3.4 kN (kilonewtons), que foram identificados como um limite superior para proteger a maioria dos trabalhadores do risco de lesões lombares.

Por fim, o NIOSH, usando metodologias de gasto de energia e consumo de oxigênio, estimou a demanda de energia nos seletores de pedidos de supermercado em ambos os armazéns. A demanda média de energia do selecionador de pedidos ultrapassou o critério estabelecido de 5 kcal/minuto (4 METS) para uma jornada de 8 horas, o que é reconhecido como trabalho moderado a pesado para a maioria dos trabalhadores saudáveis. No Armazém A, a taxa metabólica de trabalho variou de 5.4 a 8.0 kcal/minuto e a frequência cardíaca de trabalho variou de 104 a 131 batimentos por minuto; no Armazém B, foi de 2.6 a 6.3 kcal/minuto e 138 a 146 batimentos por minuto, respectivamente.

As demandas de energia dos seletores de pedidos de levantamento contínuo a uma taxa de 4.1 a 4.9 levantamentos por minuto provavelmente resultariam em músculos fatigados, especialmente ao trabalhar em turnos de 10 ou mais horas. Isso ilustra claramente o custo fisiológico do trabalho nos dois armazéns estudados até o momento. Ao resumir suas descobertas, o NIOSH chegou à seguinte conclusão sobre os riscos enfrentados pelos selecionadores de pedidos de supermercado:

Em resumo, todos os montadores de pedidos (selecionadores de pedidos) têm um risco elevado de distúrbios musculoesqueléticos, incluindo lombalgia, devido à combinação de fatores adversos do trabalho, todos contribuindo para a fadiga, alta carga metabólica e incapacidade dos trabalhadores de regular seu ritmo de trabalho por causa das exigências do trabalho. De acordo com critérios reconhecidos que definem a capacidade do trabalhador e acompanham o risco de lesão lombar, o trabalho de montador de pedidos neste local de trabalho colocará até mesmo uma força de trabalho altamente selecionada em risco substancial de desenvolver lesões lombares. Além disso, em geral, acreditamos que os padrões de desempenho existentes encorajam e contribuem para esses níveis excessivos de esforço (NIOSH 1995).

 

Voltar

Quinta-feira, 27 Outubro 2011 20: 59

Estudo de Caso: Mulheres Pescadoras

A Rede Emaranhada: As Pescadoras Comerciais do Alasca Contam Suas Vidas, por Leslie Leyland Fields (Urbana: University of Illinois Press, 1996), é a história, baseada na própria experiência e entrevistas da autora, de algumas das mulheres que trabalhavam como pescadoras comerciais nas águas do Oceano Pacífico e do Golfo do Alasca ao redor da Ilha Kodiak e das Ilhas Aleutas. Os trechos a seguir capturam um pouco da experiência dessas mulheres, por que elas escolheram essa linha de trabalho e o que isso implicava.

Teresa Peterson

A última temporada de bacalhau preto começou em 15 de maio. Eram duas garotas e dois rapazes. O capitão queria uma tripulação que pudesse iscar o equipamento rapidamente; era isso que ele estava procurando. ... Para começar, tudo o que estávamos tentando fazer é virar ganchos. É um jogo de números. O ideal é executar 18,000-20,000 anzóis por dia. E então teríamos quatro pessoas iscando o tempo todo e uma pessoa puxando o equipamento. A isca de pessoas girava enrolando a engrenagem. Voltamos à forma tradicional de pescar. A maioria dos barcos Kodiak deixa o equipamento cair em uma banheira, meio que sozinho, então você traz a banheira de volta e isca. Nas velhas escunas de alabote, eles enrolam tudo manualmente para que possam girar todos os ganchos. Eles tentam fazer uma bobina muito boa para que, quando você a retirar, possa iscá-la duas vezes mais rápido. Nos primeiros dias, verificamos o tempo que levava para iscar os patins bagunçados (as longas linhas nas quais os anzóis são presos). Eu me recuso a atrair outro patim assim, então todos nós começamos a enrolar os nossos. Ao fazer isso, você pode se mover de sua estação de isca. Nós realmente trabalhamos longas horas, muitas vezes vinte e quatro horas, então vamos para o dia seguinte e trabalhamos durante a noite até cerca de 2h e no dia seguinte mais vinte horas. Então nos deitávamos por cerca de três horas. Depois voltávamos e descíamos mais 00 horas e algumas horas. Na primeira semana, tivemos uma média de dez horas de sono juntos - descobrimos. Então nós brincamos, vinte e quatro em cima, um fora.

Eu nunca tinha pescado tanto antes. Quando abriu, pescávamos sábado, sábado inteiro, domingo inteiro e metade de segunda. Tão bem mais de cinquenta e seis horas sem dormir, trabalhando tão duro, tão rápido quanto você pode se esforçar. Então nos deitamos por três horas. Você levanta. Você é tão duro! Em seguida, trouxemos uma viagem, pouco mais de 40,000 libras em quatro dias, então praticamente estivemos acordados durante esses quatro dias. Foi uma boa carga. Foi realmente motivacional. Eu ganho mil dólares por dia. ... São as temporadas mais curtas, as temporadas mais curtas de espinhel, que estão levando os barcos de volta a esses horários. ... com uma temporada de três semanas, você é quase forçado a isso, a menos que possa rotacionar uma pessoa (deixá-la dormir) (págs. 31-33).

Leslie Smith

Mas a razão pela qual me sinto com sorte é porque estávamos lá, uma mulher comandando um barco com uma tripulação só de mulheres, e estávamos fazendo isso. E estávamos fazendo isso tão bem quanto qualquer outra pessoa na frota, então nunca me senti intimidado em pensar: “Oh, uma mulher não pode fazer isso, não pode descobrir ou não é capaz disso” porque o primeiro trabalho que já tive foi com mulheres e nos demos bem. Então eu tive esse fator de confiança desde o início da minha carreira de marinheiro... (p. 35).

Quando você está em um barco, você não tem vida, não tem espaço físico, não tem tempo para você. É o barco todo, a pescaria, quatro meses seguidos...(p. 36).

Eu tenho um pouco de proteção em alguns dos ventos, mas praticamente vou conseguir tudo. ... Aqui também tem muita maré. Você descarta essas âncoras; você tem quinze ou vinte âncoras, algumas delas de trezentas libras, para tentar manter uma rede no lugar. E toda vez que você sai, a rede é torcida em alguma forma diferente e você tem que arrastar essas âncoras. E o tempo não é muito bom na maioria das vezes. Você está sempre lutando contra o vento. É um desafio, um desafio físico em vez de um desafio mental... (p. 37).

Bater no cais (ir de barco em barco procurando emprego) era a pior coisa. Depois de fazer isso por um tempo, percebi que provavelmente há apenas 15% dos barcos nos quais você tem a possibilidade de ser contratado, porque o restante deles não contrata mulheres. Principalmente porque suas esposas não permitem ou já há outra mulher no barco ou eles são simplesmente machistas - eles não querem mulheres. Mas entre esses três fatores, o número de barcos que você poderia contratar era tão pequeno que era desanimador. Mas você tinha que descobrir quais eram esses barcos. Isso significa caminhar pelas docas...(p. 81).

marta sutro

Eu estava pensando sobre a pergunta que você fez antes. Por que as mulheres são cada vez mais atraídas por isso. Não sei. Você se pergunta se há um número crescente de mulheres minerando carvão ou transportando caminhões. Não sei se tem algo a ver com o Alasca e toda a atração de poder participar de algo que antes era negado a você, ou talvez seja uma raça de mulheres que foram criadas ou de alguma forma cresceram para entender que certas barreiras que supostamente existiam não são legítimas. Mesmo enfrentando todos os perigos, é uma experiência importante e muito viável, muito... odeio usar a palavra “realizadora”, mas é muito gratificante. Eu adorei, adorei pegar uma série de potes perfeitamente e não ter que pedir a ninguém para me ajudar com uma das portas uma vez e pegar todos os maciços maços de isca que você meio que mergulha sob o pote no meio. ...Existem elementos que você não encontra em nenhum outro tipo de experiência. É quase como a agricultura. É tão elementar. Convoca um processo tão elementar. Desde os tempos bíblicos falamos desse tipo de gente. Existe esse ethos em torno disso que é muito antigo. E ser capaz de ir até lá e desenhar sobre isso. Entra em todo esse reino místico (p.44).

Lisa Jakubowski

É muito solitário ser a única mulher em um barco. Eu faço questão de nunca me envolver com caras em um nível romântico ou algo assim. Amigos. Estou sempre aberto aos amigos, mas sempre tem que tomar cuidado para que eles não pensem que é mais. Veja, existem tantos níveis diferentes de caras. Não quero ser amigo dos bêbados e viciados em cocaína. Mas definitivamente as pessoas mais respeitáveis ​​de quem me tornei amigo. E mantive amizades masculinas e femininas. Há muita solidão embora. Descobri que a terapia do riso ajuda. Eu saio para o convés traseiro e apenas rio para mim mesmo e me sinto melhor (p. 61).

Campos Leslie Leyland

Cada (mulher) pediu apenas tratamento igual e oportunidades iguais. Isso não ocorre automaticamente em um trabalho em que você precisa de força para pousar um pote de caranguejo de 130 libras, resistência para suportar trinta e seis horas seguidas de trabalho sem dormir, coragem para conduzir um barco de cerco de 150 cavalos a todo vapor. velocidade perto de recifes e habilidades práticas especiais, como reparo e manutenção de motores a diesel, conserto de redes, operação hidráulica. Estes são os poderes que ganham o dia e os peixes; esses são os poderes que as mulheres pescadoras devem provar aos homens incrédulos. E não menos importante, há uma resistência ativa de um lado inesperado - outras mulheres, as esposas de homens que pescam (p. 53).

Isso faz parte do que sei sobre ser um capitão. ... Você sozinho tem a vida de duas, três ou quatro pessoas em suas mãos. Os pagamentos do barco e os custos do seguro chegam a dezenas de milhares todos os anos - você deve pescar. Você gerencia uma mistura potencialmente volátil de personalidades e hábitos de trabalho. Você deve ter amplo conhecimento de navegação, padrões climáticos, regulamentos de pesca; você deve ser capaz de operar e reparar, até certo ponto, o conjunto de eletrônicos de alta tecnologia que são o cérebro do barco. ... A lista continua.

Por que alguém ergue e carrega de bom grado tal carga? Há um outro lado, claro. Para dizer positivamente, há independência no capitão, um grau de autonomia raramente encontrado em outras profissões. Você sozinho controla a vida dentro de sua arca. Você pode decidir onde vai pescar, quando o barco vai, a que velocidade vai, quanto tempo e quanto a tripulação vai trabalhar, quanto tempo todos dormem, as condições do tempo em que vai trabalhar, os graus de risco que vai correr, o tipo de comida que você come... (p. 75).

Em 1992, quarenta e quatro navios afundaram no Alasca, oitenta e sete pessoas foram resgatadas de navios naufragados, trinta e cinco morreram. Na primavera de 1988, quarenta e quatro morreram depois que a névoa de gelo se aproximou e consumiu os barcos e a tripulação. Para colocar esses números em perspectiva, o Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional relata que a taxa de mortalidade anual para todas as ocupações nos EUA é de 7 por 100,000 trabalhadores. Para a pesca comercial no Alasca, a taxa salta para 200 por 100,000, tornando-se o trabalho mais mortal do país. Para os pescadores de caranguejo, cuja temporada vai até o inverno, a taxa sobe para 660 por 100,000, ou quase 100 vezes a média nacional (p. 98).

Débora Nielsen

Tenho apenas um metro e meio de altura e peso cinquenta quilos, então os homens têm um instinto protetor em relação a mim. Eu tive que superar isso toda a minha vida para realmente entrar e fazer qualquer coisa. A única maneira de superar é sendo mais rápido e sabendo o que estou fazendo. É sobre alavancagem. ... Você tem que desacelerar. Você tem que usar sua cabeça de uma maneira diferente e seu corpo de uma maneira diferente. Acho importante que as pessoas saibam o quanto sou pequena porque se eu consigo, qualquer mulher consegue... (p. 86).

Cristina Holmes

Eu realmente acredito na North Pacific Vessel Owner's Association, eles oferecem alguns cursos muito bons, um dos quais é Emergências Médicas no Mar. Eu acho que sempre que você faz qualquer tipo de aula de tecnologia marítima, você está fazendo um favor a si mesmo (p. 106).

Rebecca Raigoza

Desenvolveu tal senso de independência e força. Coisas que pensei que nunca poderia fazer, aprendi que faria aqui. Acabou de abrir um mundo totalmente novo para mim quando jovem. virar mulher, sei lá. Existem tantas possibilidades agora porque sei que posso fazer “o trabalho de um homem”, sabe? Há muito poder que vem com isso (p. 129).

Copyright 1997 pelo Conselho de Curadores da Universidade de Illinois. Usado com a permissão da University of Illinois Press.

 

Voltar

Quinta-feira, 27 Outubro 2011 20: 34

Sistemas de Classificação

3.1. Em geral

3.1.1. A autoridade competente, ou um órgão aprovado ou reconhecido pela autoridade competente, deve estabelecer sistemas e critérios específicos para classificar um produto químico como perigoso e deve ampliar progressivamente esses sistemas e sua aplicação. Critérios existentes para classificação estabelecidos por outras autoridades competentes ou por acordo internacional podem ser seguidos, se forem consistentes com os critérios e métodos descritos neste código, e isso é encorajado onde pode auxiliar na uniformidade de abordagem. Os resultados do trabalho do grupo de coordenação do Programa Internacional de Segurança Química do PNUMA/OIT/OMS (IPCS) para a harmonização da classificação de produtos químicos devem ser considerados quando apropriado. As responsabilidades e o papel das autoridades competentes em relação aos sistemas de classificação são definidos nos parágrafos 2.1.8 (critérios e requisitos), 2.1.9 (lista consolidada) e 2.1.10 (avaliação de novos produtos químicos).

3.1.2. Os fornecedores devem garantir que os produtos químicos fornecidos por eles foram classificados ou identificados e suas propriedades avaliadas (consulte os parágrafos 2.4.3 (avaliação) e 2.4.4 (classificação)).

3.1.3. Os fabricantes ou importadores, a menos que isentos, devem fornecer à autoridade competente informações sobre elementos e compostos químicos ainda não incluídos na lista de classificação consolidada compilada pela autoridade competente, antes de sua utilização no trabalho (ver parágrafo 2.1.10 (avaliação de novos produtos químicos )).

3.1.4. As quantidades limitadas de um novo produto químico necessário para fins de pesquisa e desenvolvimento podem ser produzidas, manuseadas e transportadas entre laboratórios e instalações piloto antes que todos os perigos desse produto químico sejam conhecidos de acordo com as leis e regulamentos nacionais. Todas as informações disponíveis encontradas na literatura ou conhecidas pelo empregador a partir de sua experiência com produtos químicos e aplicações semelhantes devem ser totalmente consideradas e medidas de proteção adequadas devem ser aplicadas, como se o produto químico fosse perigoso. Os trabalhadores envolvidos devem ser informados sobre as informações de perigo reais assim que forem conhecidas.

3.2. Critérios de classificação

3.2.1. Os critérios para a classificação de produtos químicos devem ser baseados em seus perigos físicos e de saúde intrínsecos, incluindo:

  1. propriedades tóxicas, incluindo efeitos agudos e crônicos à saúde em todas as partes do corpo;
  2. características químicas ou físicas, incluindo propriedades inflamáveis, explosivas, oxidantes e perigosamente reativas;
  3. propriedades corrosivas e irritantes;
  4. efeitos alergênicos e sensibilizantes;
  5. efeitos cancerígenos;
  6. efeitos teratogênicos e mutagênicos;
  7. efeitos sobre o sistema reprodutivo.

 

3.3. Método de classificação

3.3.1. A classificação dos produtos químicos deve basear-se nas fontes de informação disponíveis, por exemplo:

  1. dados de teste;
  2. informações fornecidas pelo fabricante ou importador, incluindo informações sobre trabalhos de pesquisa realizados;
  3. informações disponíveis como resultado das regras de transporte internacional, por exemplo, as Recomendações das Nações Unidas sobre o Transporte de Mercadorias Perigosas, que devem ser levadas em consideração para a classificação de produtos químicos no caso de transporte, e a Convenção de Basel do PNUMA sobre o Controle de Transporte Transfronteiriço Movimentos de Resíduos Perigosos e seu Descarte (1989), que devem ser levados em consideração em relação aos resíduos perigosos;
  4. livros de referência ou literatura;
  5. experiência prática;
  6. no caso de misturas, seja no teste da mistura ou nos perigos conhecidos de seus componentes;
  7. informações fornecidas como resultado do trabalho de avaliação de risco realizado pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), o Programa Internacional de Segurança Química do PNUMA/OIT/OMS (IPCS), as Comunidades Européias e várias instituições nacionais e internacionais, bem como como informações disponíveis por meio de sistemas como o Registro Internacional de Produtos Químicos Potencialmente Tóxicos (IRPTC) do PNUMA.

 

3.3.2. Certos sistemas de classificação em uso podem ser limitados apenas a classes específicas de produtos químicos. Um exemplo é a classificação de pesticidas recomendada pela OMS por perigo e diretrizes para classificação, que classifica os pesticidas apenas pelo grau de toxicidade e principalmente pelos riscos agudos à saúde. Empregadores e trabalhadores devem entender as limitações de qualquer sistema desse tipo. Tais sistemas podem ser úteis para complementar um sistema de aplicação mais geral.

3.3.3. As misturas de produtos químicos devem ser classificadas com base nos perigos exibidos pelas próprias misturas. Somente se as misturas não tiverem sido testadas como um todo, elas devem ser classificadas com base nos perigos intrínsecos de seus componentes químicos.

Fonte: OIT 1993, Capítulo 3.

 

Voltar

Uma abordagem sistemática à segurança requer um fluxo eficiente de informações dos fornecedores para os usuários de produtos químicos sobre perigos potenciais e precauções de segurança corretas. Ao abordar a necessidade de um programa de comunicação de riscos por escrito, o Código de Práticas de Segurança no Uso de Produtos Químicos no Trabalho da OIT (ILO 1993) afirma: “O fornecedor deve fornecer ao empregador informações essenciais sobre produtos químicos perigosos na forma de uma ficha de segurança química Ficha de dados." Esta folha de dados de segurança química ou folha de dados de segurança do material (MSDS) descreve os perigos de um material e fornece instruções sobre como o material pode ser manuseado, usado e armazenado com segurança. MSDSs são produzidos pelo fabricante ou importador de produtos perigosos. O fabricante deve fornecer MSDSs aos distribuidores e outros clientes na primeira compra de um produto perigoso e se o MSDS mudar. Os distribuidores de produtos químicos perigosos devem fornecer automaticamente MSDSs para clientes comerciais. De acordo com o Código de Prática da OIT, os trabalhadores e seus representantes devem ter direito a uma MSDS e receber informações por escrito em formulários ou idiomas de fácil compreensão. Como algumas das informações necessárias podem ser destinadas a especialistas, mais esclarecimentos podem ser necessários por parte do empregador. A FISPQ é apenas uma fonte de informação sobre um material e, portanto, é melhor utilizada junto com boletins técnicos, rótulos, treinamentos e outras comunicações.

Os requisitos para um programa de comunicação de perigo por escrito são descritos em pelo menos três importantes diretrizes internacionais: o padrão de comunicação de perigos da administração de saúde e segurança ocupacional dos EUA (OSHA), o sistema de informações sobre materiais perigosos no local de trabalho do Canadá (WHMIS) e a diretiva 91/155 da Comissão da Comunidade Européia. /EEC. Nas três diretivas, são estabelecidos os requisitos para a preparação de uma MSDS completa. Os critérios para as fichas de dados incluem informações sobre a identidade do produto químico, seu fornecedor, classificação, perigos, precauções de segurança e os procedimentos de emergência relevantes. A discussão a seguir detalha o tipo de informação necessária incluída no Código de Práticas de Segurança no Uso de Produtos Químicos no Trabalho de 1992 da OIT. Embora o Código não pretenda substituir as leis, regulamentações ou padrões nacionais aceitos, suas recomendações práticas destinam-se a todos aqueles que têm a responsabilidade de garantir o uso seguro de produtos químicos no local de trabalho.

A seguinte descrição do conteúdo da folha de dados de segurança química corresponde à seção 5.3 do Código:

As fichas de dados de segurança química para produtos químicos perigosos devem fornecer informações sobre a identidade do produto químico, seu fornecedor, classificação, perigos, precauções de segurança e os procedimentos de emergência relevantes.

As informações a incluir devem ser as estabelecidas pela autoridade competente para a área em que se situam as instalações do empregador, ou por um organismo aprovado ou reconhecido por essa autoridade competente. Detalhes do tipo de informação que deve ser exigida são fornecidos abaixo.

(a) Identificação do produto químico e da empresa

O nome deve ser o mesmo usado no rótulo do produto químico perigoso, que pode ser o nome químico convencional ou um nome comercial comumente usado. Nomes adicionais podem ser usados ​​se ajudarem na identificação. O nome completo, endereço e número de telefone do fornecedor devem ser incluídos. Também deve ser fornecido um número de telefone de emergência, para contato em caso de emergência. Este número pode ser o da própria empresa ou de um órgão consultivo reconhecido, desde que seja sempre possível contactá-los.

(b) Informações sobre os ingredientes (composição)

As informações devem permitir que os empregadores identifiquem claramente os riscos associados a um determinado produto químico para que possam realizar uma avaliação de risco, conforme descrito na seção 6.2 (Procedimentos para avaliação) deste código. Detalhes completos da composição devem normalmente ser fornecidos, mas podem não ser necessários se os riscos puderem ser avaliados adequadamente. O seguinte deve ser fornecido, exceto quando o nome ou a concentração de um ingrediente em uma mistura for uma informação confidencial que possa ser omitida de acordo com a seção 2.6:

  1. uma descrição dos principais componentes, incluindo sua natureza química;
  2. a identidade e as concentrações de componentes perigosos para a segurança e a saúde
  3. a identidade e concentração máxima a ser encontrada de componentes que estão na concentração ou excedem a concentração em que são classificados como perigosos para a segurança e a saúde em listas aprovadas ou reconhecidas pela autoridade competente, ou que são proibidos em concentrações superiores pela autoridade competente autoridade.

 

(c) Identificação do perigo

Os perigos mais importantes, incluindo os perigos mais significativos para a saúde, físicos e ambientais, devem ser declarados de forma clara e resumida, como uma visão geral de emergência. As informações devem ser compatíveis com as apresentadas no rótulo.

(d) Medidas de primeiros socorros

As medidas de primeiros socorros e auto-ajuda devem ser explicadas cuidadosamente. As situações em que é necessária atenção médica imediata devem ser descritas e as medidas necessárias indicadas. Quando apropriado, deve ser enfatizada a necessidade de providências especiais para tratamento específico e imediato.

(e) Medidas de combate a incêndios

Devem ser incluídos os requisitos para combater um incêndio envolvendo um produto químico; por exemplo:

  1. agentes extintores adequados;
  2. agentes extintores que não devem ser utilizados por razões de segurança;
  3. equipamento de proteção especial para bombeiros.

Devem também ser dadas informações sobre as propriedades do produto químico em caso de incêndio e sobre os riscos especiais de exposição resultantes dos produtos da combustão, bem como as precauções a tomar.

(f) Medidas de liberação acidental

Devem ser fornecidas informações sobre a ação a ser tomada em caso de liberação acidental do produto químico. As informações devem incluir:

  1. precauções de saúde e segurança: remoção de fontes de ignição, fornecimento de ventilação suficiente, fornecimento de equipamento de proteção individual adequado;
  2. precauções ambientais: manter-se afastado de esgotos, necessidade de alertar os serviços de emergência e eventual necessidade de alertar a vizinhança imediata em caso de risco iminente;
  3. métodos de segurança e limpeza: uso de materiais absorventes adequados, evitando a produção de gases/vapores pela água ou outro diluente, uso de agentes neutralizantes adequados;
  4. advertências: desaconselham ações perigosas razoavelmente previsíveis.

 

(g) Manuseio e armazenamento

Devem ser fornecidas informações sobre as condições recomendadas pelo fornecedor para armazenamento e manuseio seguros, incluindo:

  1. projeto e localização de armazéns ou embarcações;
  2. separação de locais de trabalho e edifícios ocupados;
  3. Materiais incompatíveis;
  4. condições de armazenamento (por exemplo, temperatura e umidade, evitar a luz solar);
  5. evitar fontes de ignição, incluindo disposições específicas para evitar o acúmulo de estática;
  6. fornecimento de ventilação local e geral;
  7. métodos de trabalho recomendados e os que devem ser evitados.

 

(h) Controles de exposição e proteção individual

Devem ser fornecidas informações sobre a necessidade de equipamentos de proteção individual durante o uso de um produto químico e sobre o tipo de equipamento que fornece proteção adequada e adequada. Quando apropriado, deve ser lembrado que os controles primários devem ser fornecidos pelo projeto e instalação de qualquer equipamento usado e por outras medidas de engenharia, e informações fornecidas sobre práticas úteis para minimizar a exposição dos trabalhadores. Parâmetros de controle específicos, como limites de exposição ou padrões biológicos, devem ser fornecidos, juntamente com os procedimentos de monitoramento recomendados.

(i) Propriedades físicas e químicas

Deve ser feita uma breve descrição da aparência do produto químico, seja sólido, líquido ou gasoso, e sua cor e odor. Certas características e propriedades, se conhecidas, devem ser fornecidas, especificando a natureza do teste para determiná-las em cada caso. Os testes usados ​​devem estar de acordo com as leis e critérios nacionais aplicáveis ​​no local de trabalho do empregador e, na ausência de leis ou critérios nacionais, os critérios de teste do país exportador devem ser usados ​​como orientação. A extensão das informações fornecidas deve ser apropriada ao uso do produto químico. Exemplos de outros dados úteis incluem:

  • viscosidade
  • ponto de congelamento/intervalo de congelamento
  • ponto de ebulição/intervalo de ebulição
  • ponto de fusão/intervalo de fusão
  • ponto de inflamação
  • temperatura de autoignição
  • propriedades explosivas
  • propriedades oxidantes
  • pressão de vapor
  • peso molecular
  • gravidade específica ou densidade
  • pH
  • solubilidade
  • coeficiente de partição (água/n-octano)
  • parâmetros como a densidade do vapor
  • miscibilidade
  • taxa de evaporação e condutividade.

 

(j) Estabilidade e reatividade

A possibilidade de reações perigosas sob certas condições deve ser declarada. Devem ser indicadas as condições a evitar, tais como:

  1. condições físicas (por exemplo, temperatura, pressão, luz, choque, contato com umidade ou ar);
  2. proximidade de outros produtos químicos (por exemplo, ácidos, bases, agentes oxidantes ou qualquer outra substância específica que possa causar uma reação perigosa).

Onde produtos de decomposição perigosos são liberados, estes devem ser especificados juntamente com as precauções necessárias.

(k) Informações toxicológicas

Esta seção deve fornecer informações sobre os efeitos no corpo e sobre as possíveis vias de entrada no corpo. Deve ser feita referência aos efeitos agudos, tanto imediatos como retardados, e aos efeitos crónicos da exposição de curta e longa duração. Também deve ser feita referência aos riscos à saúde resultantes de possíveis reações com outros produtos químicos, incluindo quaisquer interações conhecidas, por exemplo, resultantes do uso de medicamentos, tabaco e álcool.

(l) Informações ecológicas

Devem ser descritas as características mais importantes susceptíveis de afectar o ambiente. As informações detalhadas necessárias dependerão das leis e práticas nacionais aplicáveis ​​no local de trabalho do empregador. As informações típicas que devem ser fornecidas, quando apropriado, incluem as possíveis rotas de liberação do produto químico que são motivo de preocupação, sua persistência e degradabilidade, potencial de bioacumulação e toxicidade aquática e outros dados relacionados à ecotoxicidade (por exemplo, efeitos em obras de tratamento de água) .

(m) Considerações sobre descarte

Métodos seguros de descarte do produto químico e de embalagens contaminadas, que podem conter resíduos de produtos químicos perigosos, devem ser fornecidos. Os empregadores devem ser lembrados de que pode haver leis e práticas nacionais sobre o assunto.

(n) Informações de transporte

Devem ser dadas informações sobre precauções especiais que os empregadores devem conhecer ou tomar durante o transporte do produto químico dentro ou fora de suas instalações. Informações relevantes fornecidas nas Recomendações das Nações Unidas sobre o Transporte de Mercadorias Perigosas e em outros acordos internacionais também podem ser incluídas.

(o) Informações regulamentares

As informações necessárias para a marcação e rotulagem do produto químico devem ser fornecidas aqui. As regulamentações ou práticas nacionais específicas aplicáveis ​​ao usuário devem ser consultadas. Os empregadores devem ser lembrados de consultar os requisitos das leis e práticas nacionais.

(p) Outras informações

Devem ser incluídas outras informações que possam ser importantes para a saúde e segurança dos trabalhadores. Exemplos são conselhos de treinamento, usos e restrições recomendados, referências e fontes de dados importantes para compilar a ficha de dados de segurança química, o ponto de contato técnico e a data de emissão da ficha.

 

Voltar

Em um estudo de caso-controle observando fatores ambientais e ocupacionais para malformações congênitas (Kurppa et al. 1986), 1,475 casos foram identificados no Registro Finlandês de Malformações Congênitas durante o período entre 1976 e 1982 (ver tabela 1). Uma mãe cujo parto precedeu imediatamente um caso e estava no mesmo distrito serviu como controle para esse caso. A exposição a unidades de exibição visual (VDUs) durante o primeiro trimestre da gravidez foi avaliada por meio de entrevistas face a face realizadas na clínica durante uma visita pós-natal ou em casa. A classificação de uso provável ou óbvio de VDU foi determinada por higienistas ocupacionais, cegos para os resultados da gravidez, usando cargos e respostas a perguntas abertas pedindo para descrever o dia normal de trabalho. Não houve evidência de risco aumentado entre mulheres que relataram exposição a VDUs (OR 0.9; IC 95% 0.6 – 1.2) ou entre mulheres cujos cargos indicavam possível exposição a VDUs (235 casos/255 controles).

Uma coorte de mulheres suecas de três grupos ocupacionais foi identificada por meio de uma ligação entre o censo ocupacional e o Registro Médico de Nascimento durante 1980–1981 (Ericson e Källén 1986). Um estudo de base de casos foi realizado dentro dessa coorte: os casos foram 412 mulheres hospitalizadas por aborto espontâneo e outras 110 com outros desfechos (como morte perinatal, malformações congênitas e peso ao nascer abaixo de 1500 g). Os controles foram 1,032 mulheres de idade semelhante que tiveram bebês sem nenhuma dessas características, escolhidas no mesmo registro. Usando taxas de probabilidade brutas, houve uma relação exposição-resposta entre exposição a VDU em horas estimadas por semana (divididas em categorias de cinco horas) e resultados da gravidez (excluindo aborto espontâneo). Depois de controlar o tabagismo e o estresse, o efeito do uso de VDU em todos os resultados adversos da gravidez não foi significativo.

Concentrando-se em um dos três grupos ocupacionais identificados em um estudo anterior de Ericson, um estudo de coorte foi realizado usando 4,117 gestações entre funcionários da previdência social na Suécia (Westerholm e Ericson, 1986). As taxas de aborto espontâneo hospitalizado, baixo peso ao nascer, mortalidade perinatal e malformações congênitas nesta coorte foram comparadas às taxas da população em geral. A coorte foi dividida em cinco grupos de exposição definidos por representantes sindicais e patronais. Não foram encontrados excessos para nenhum dos desfechos estudados. O risco relativo geral para aborto espontâneo, padronizado para a idade da mãe, foi de 1.1 (95% CI 0.8 – 1.4).

Um estudo de coorte envolvendo 1,820 nascimentos foi conduzido entre mulheres que já trabalharam no Norwegian Postal Giro Center entre 1967-1984 (Bjerkedal e Egenaes 1986). As taxas de natimorto, morte na primeira semana, morte perinatal, baixo e muito baixo peso ao nascer, parto prematuro, nascimentos múltiplos e malformações congênitas foram estimadas para gestações ocorridas durante o emprego no centro (990 gestações) e gestações ocorridas antes ou depois do emprego no centro (830 gestações). As taxas de resultados adversos da gravidez também foram estimadas para três períodos de seis anos (1967-1972), (1973-1978) e (1979-1984). A introdução de VDUs começou em 1972 e foi extensivamente usada em 1980. O estudo concluiu que não havia nenhuma indicação de que a introdução de VDUs no centro tivesse levado a qualquer aumento na taxa de resultados adversos da gravidez.

Uma coorte de 9,564 gestações foi identificada por meio de registros de testes de gravidez de urina de três clínicas da Califórnia em 1981-1982 (Goldhaber, Polen e Hiatt. 1988). A cobertura de um plano médico do norte da Califórnia era um requisito para ser elegível para o estudo. Os resultados da gravidez foram encontrados para todas, exceto 391 gestações identificadas. Desta coorte, 460 de 556 casos de aborto espontâneo (<28 semanas), 137 de 156 casos de anormalidades congênitas e 986 de 1,123 controles (correspondendo a cada quinto nascimento normal na coorte original), responderam a um questionário postal retrospectivo sobre exposições ambientais químicas incluindo pesticidas e uso de VDU durante a gravidez. As razões de chances para mulheres com uso de VDU no primeiro trimestre por mais de 20 horas por semana, ajustadas para onze variáveis, incluindo idade, aborto espontâneo anterior ou defeito congênito, tabagismo e álcool, foram de 1.8 (95% CI 1.2 – 2.8) para aborto espontâneo e 1.4 (95% IC 0.7 – 2.9) para defeitos congênitos, em comparação com mulheres trabalhadoras que não relataram uso de VDUs.

Em um estudo realizado em 11 maternidades hospitalares na área de Montreal durante um período de dois anos (1982–1984), 56,012 mulheres foram entrevistadas sobre fatores ocupacionais, pessoais e sociais após o parto (51,855) ou tratamento para aborto espontâneo (4,127) ( McDonald e outros 1988).Essas mulheres também forneceram informações sobre 48,637 gestações anteriores. Resultados adversos da gravidez (aborto espontâneo, natimorto, malformações congênitas e baixo peso ao nascer) foram registrados para gestações atuais e anteriores. As proporções entre as taxas observadas e esperadas foram calculadas por grupo de trabalho para gestações atuais e gestações anteriores. As taxas esperadas para cada grupo de emprego foram baseadas no resultado em toda a amostra e ajustadas para oito variáveis, incluindo idade, tabagismo e álcool. Nenhum aumento no risco foi encontrado entre mulheres expostas a VDUs.

Um estudo de coorte comparando as taxas de ameaça de aborto, duração da gestação, peso ao nascer, peso da placenta e hipertensão induzida pela gravidez entre mulheres que usavam VDUs e mulheres que não usavam VDUs foi realizado entre 1,475 mulheres (Nurminen e Kurppa 1988).A coorte foi definida como todos os não casos de um estudo de caso-controle anterior de malformações congênitas. Informações sobre fatores de risco foram coletadas por meio de entrevistas face a face. As razões de taxas brutas e ajustadas para os resultados estudados não mostraram efeitos estatisticamente significativos para trabalhar com VDUs.

Um estudo de caso-controle envolvendo 344 casos de aborto espontâneo hospitalizado ocorrido em três hospitais em Calgary, Canadá, foi conduzido em 1984-1985 (Bryant e Love 1989). Até dois controles (314 no pré-natal e 333 no pós-parto) foram escolhidos entre mulheres com parto ou susceptíveis de ter parto nos hospitais do estudo. Os controles foram pareados para cada caso com base na idade da última menstruação, paridade e hospital pretendido para o parto. O uso de VDU em casa e no trabalho, antes e durante a gravidez, foi determinado por meio de entrevistas nos hospitais para controle pós-natal e aborto espontâneo, e em casa, trabalho ou escritório de estudo para controle pré-natal. O estudo controlou variáveis ​​socioeconômicas e obstétricas. O uso de VDU foi semelhante entre os casos e os controles pré-natais (OR=1.14; p=0.47) e controles pós-natais (OR=0.80; p=0.2).

Um estudo de caso-controle de 628 mulheres com aborto espontâneo, identificado por meio de amostras de patologia, cujo último período menstrual ocorreu em 1986, e 1,308 controles que tiveram nascidos vivos, foi realizado em um condado da Califórnia (Windham et al. 1990). Os controles foram selecionados aleatoriamente, na proporção de dois para um, entre mulheres pareadas pela data da última menstruação e hospital. As atividades durante as primeiras 20 semanas de gravidez foram identificadas por meio de entrevistas telefônicas. Os participantes também foram questionados sobre o uso de VDU no trabalho durante este período. Razões de chances brutas para aborto espontâneo e uso de VDU menos de 20 horas por semana (1.2; IC 95% 0.88 – 1.6) e pelo menos 20 horas por semana (1.3; IC 95% 0.87 – 1.5), mostraram pouca mudança quando ajustadas para variáveis ​​incluindo grupo de trabalho, idade materna, perda fetal anterior, consumo de álcool e tabagismo. Em uma análise mais aprofundada entre as mulheres do grupo de controle, os riscos de baixo peso ao nascer e retardo de crescimento intra-uterino não foram significativamente elevados.

Um estudo de caso-controle foi realizado dentro de uma base de estudo de 24,352 gestações ocorridas entre 1982 e 1985 entre 214,108 funcionários comerciais e administrativos na Dinamarca (Brandt e Nielsen 1990). Os casos, 421 entrevistados entre as 661 mulheres que tiveram filhos com anomalias congênitas e que estavam trabalhando no momento da gravidez, foram comparados a 1,365 entrevistados entre as 2,252 gestações selecionadas aleatoriamente entre mulheres trabalhadoras. Gravidezes e seus resultados e emprego foram determinados por meio de uma ligação de três bancos de dados. Informações sobre o uso de VDU (sim/não/horas por semana) e fatores pessoais e relacionados ao trabalho, como estresse, exposição a solventes, estilo de vida e fatores ergonômicos, foram determinados por meio de um questionário postal. Neste estudo, o uso de VDUs durante a gravidez não foi associado a um risco aumentado de anomalias congênitas.

Usando a mesma base de estudo do estudo anterior sobre anormalidades congênitas (Brandt e Nielsen 1990), 1,371 de 2,248 mulheres cujas gestações terminaram em aborto espontâneo hospitalizado foram comparadas a 1,699 gestações selecionadas aleatoriamente (Nielsen e Brandt 1990). Embora o estudo tenha sido realizado entre trabalhadoras comerciais e de escritório, nem todas as gestações corresponderam a momentos em que as mulheres estavam empregadas como trabalhadoras comerciais ou de escritório. A medida de associação usada no estudo foi a razão entre a taxa de uso de VDU entre mulheres com aborto espontâneo e a taxa de uso de VDU entre a amostra da população (representando todas as gestações, incluindo aquelas que terminaram em aborto espontâneo). A razão de taxa ajustada para qualquer exposição a VDU e aborto espontâneo foi de 0.94 (95% CI 0.77 – 1.14).

Um estudo de caso-controle foi realizado entre 573 mulheres que deram à luz crianças com malformações cardiovasculares entre 1982 e 1984 (Tikkanen e Heinonen 1991). Os casos foram identificados por meio do registro finlandês de malformações congênitas. O grupo controle consistiu de 1,055 mulheres, selecionadas aleatoriamente entre todos os partos hospitalares durante o mesmo período. O uso de VDU, registrado como nunca, regular ou ocasional, foi avaliado por meio de entrevista realizada 3 meses após o parto. Nenhuma associação estatisticamente significativa foi encontrada entre o uso de VDU, no trabalho ou em casa, e malformações cardiovasculares.

Um estudo de coorte foi realizado entre 730 mulheres casadas que relataram gravidez entre 1983 e 1986 (Schnorr et al. 1991). Essas mulheres trabalhavam como operadoras de assistência à lista ou como operadoras de telefonia geral em duas companhias telefônicas em oito estados do sudeste dos Estados Unidos. Somente os operadores de assistência de diretório usavam VDUs no trabalho. O uso de VDU foi determinado por meio de registros da empresa. Casos de aborto espontâneo (perda fetal com 28 semanas de gestação ou antes) foram identificados por meio de entrevista telefônica; as certidões de nascimento foram usadas posteriormente para comparar os relatos das mulheres com os resultados da gravidez e, quando possível, os médicos foram consultados. As forças dos campos elétricos e magnéticos foram medidas em frequências muito baixas e extremamente baixas para uma amostra das estações de trabalho. As estações de trabalho VDU ​​mostraram forças de campo mais altas do que aquelas que não usavam VDUs. Nenhum risco excessivo foi encontrado para mulheres que usaram VDUs durante o primeiro trimestre da gravidez (OR 0.93; IC 95% 0.63 – 1.38), e não houve relação exposição-resposta aparente ao observar o tempo de uso de VDU por semana.

Uma coorte de 1,365 trabalhadoras comerciais e de escritório dinamarquesas que estavam empregadas no momento da gravidez e identificadas por meio de um estudo anterior (Brandt e Nielsen 1990; Nielsen e Brandt 1990) foi usada para estudar as taxas de fecundabilidade em relação ao uso de VDU ( Brandt e Nielsen 1992). A fecundidade foi medida como o tempo desde a interrupção do uso do controle de natalidade até o momento da concepção, e foi determinada por meio de um questionário postal. Este estudo mostrou um aumento do risco relativo de espera prolongada até a gravidez para o subgrupo com pelo menos 21 horas semanais de uso de VDU. (RR 1.61; IC 95% 1.09 – 2.38).

Uma coorte de 1,699 trabalhadoras comerciais e de escritório dinamarquesas, composta por mulheres empregadas e desempregadas no momento da gravidez, identificadas através do estudo relatado no parágrafo anterior, foi usada para estudar baixo peso ao nascer (434 casos), parto prematuro (443 casos) , pequeno para a idade gestacional (749 casos) e mortalidade infantil (160 casos), em relação aos padrões de uso de VDU (Nielsen e Brandt 1992). O estudo falhou em mostrar qualquer risco aumentado para esses resultados adversos da gravidez entre mulheres com uso de VDU.

Em um estudo de caso-controle, foram entrevistadas 150 mulheres nulíparas com diagnóstico clínico de aborto espontâneo e 297 mulheres trabalhadoras nulíparas atendidas em um hospital em Reading, Inglaterra, para atendimento pré-natal entre 1987 e 1989 (Roman et al. 1992). As entrevistas foram realizadas face a face no momento da primeira consulta pré-natal para as controles e três semanas após o aborto para as mulheres com aborto espontâneo. Para as mulheres que mencionaram o uso de VDU, foram avaliadas as estimativas de tempo de exposição em horas por semana e o tempo de calendário da primeira exposição. Outros fatores como horas extras, atividade física no trabalho, estresse e conforto físico no trabalho, idade, consumo de álcool e aborto prévio também foram avaliados. As mulheres que trabalhavam com VDUs tiveram uma razão de chances para aborto espontâneo de 0.9 (IC 95% 0.6 – 1.4), e não houve relação com a quantidade de tempo gasto usando VDUs. O ajuste para outros fatores, como idade materna, tabagismo, álcool e aborto espontâneo anterior, não alterou os resultados.

A partir de uma base de estudo de bancários e funcionários administrativos em três empresas na Finlândia, 191 casos de aborto espontâneo hospitalizado e 394 controles (nascidos vivos) foram identificados nos registros médicos finlandeses de 1975 a 1985 (Lindbohm et al. 1992). O uso de VDUs foi definido usando relatórios dos funcionários e informações da empresa. As intensidades do campo magnético foram avaliadas retrospectivamente em um ambiente de laboratório usando uma amostra dos VDUs usados ​​nas empresas. A razão de chances para aborto espontâneo e trabalho com VDUs foi de 1.1 (95% CI 0.7 – 1.6). Quando os usuários de VDU foram separados em grupos de acordo com as intensidades de campo para seus modelos de VDU, a razão de chances foi de 3.4 (95% CI 1.4 – 8.6) para trabalhadores que usaram VDUs com alta intensidade de campo magnético na largura de banda de frequência extremamente baixa (0.9 μT), em comparação com aqueles que trabalham com VDUs com níveis de intensidade de campo abaixo dos limites de detecção (0.4 μT). Essa razão de chances mudou apenas ligeiramente quando ajustada para fatores ergonômicos e de carga de trabalho mental. Ao comparar trabalhadores expostos a altas forças de campo magnético com trabalhadores não expostos a VDUs, a razão de chances não era mais significativa.

Um estudo, observando os resultados adversos da gravidez e da fertilidade, foi realizado entre funcionárias públicas que trabalhavam para as repartições fiscais do governo britânico (Bramwell e Davidson, 1994). Dos 7,819 questionários enviados pelo correio na primeira etapa do estudo, 3,711 foram devolvidos. O uso de VDU foi determinado por meio deste primeiro questionário. A exposição foi avaliada em horas por semana de uso de VDU durante a gravidez. Um ano depois, um segundo questionário foi enviado para avaliar a incidência de desfechos adversos da gravidez entre essas mulheres; 2,022 dos participantes originais responderam. Possíveis fatores de confusão incluíram histórico de gravidez, fatores ergonômicos, estressores no trabalho, consumo de cafeína, álcool, cigarro e tranquilizantes. Não houve relação entre a exposição avaliada um ano antes e a incidência de resultados adversos na gravidez.

 

Voltar

Quinta-feira, 27 Outubro 2011 19: 57

Fórmulas e Definições

Em geral, há uma relação de raiz quadrada entre a espessura d de uma camada de ar estático e velocidade do ar v. A função exata depende do tamanho e forma da superfície, mas para o corpo humano uma aproximação útil é:

O ar parado atua como uma camada isolante com uma condutividade (uma constante de material, independentemente da forma do material) de 026 W/mK, que possui um coeficiente de transferência de calor h (unidades de ) (a propriedade condutora de uma placa de material) de:

(Kerslake 1972).

Fluxo de calor radiante () entre duas superfícies é aproximadamente proporcional à diferença de temperatura:

onde T é a temperatura absoluta média (em Kelvin) das duas superfícies, é o coeficiente de absorção e é a constante de Stefan-Boltzmann ( ). A quantidade de troca de radiação está inversamente relacionada ao número de camadas interceptadoras (n):

Isolamento de roupas () é definido pelas seguintes equações:

onde é o isolamento intrínseco, é (adjacente) isolamento de ar, é isolamento total, é a temperatura média da pele, é a temperatura média da superfície externa da roupa, é a temperatura do ar, é o fluxo de calor seco (calor convectivo e radiante) por unidade de área da pele e é o fator de área de vestuário. Este coeficiente tem sido subestimado em estudos mais antigos, mas estudos mais recentes convergem para a expressão

Frequentemente I é expresso na unidade clo; um clo é igual .

McCullough e outros. (1985) deduziu uma equação de regressão a partir de dados sobre uma mistura de conjuntos de roupas, usando a espessura do tecido (, em mm) e porcentagem de área corporal coberta () como determinantes. Sua fórmula para o isolamento de itens de vestuário individuais () é:

A resistência evaporativa R (unidades de s/m) pode ser definido como:

(ou às vezes em )

Para camadas de tecido, o ar equivalente () é a espessura do ar que oferece a mesma resistência à difusão que o tecido. O vapor associado e calor latente () os fluxos são:

onde D é o coeficiente de difusão (), C a concentração de vapor () e o calor de evaporação (2430 J/g).

(de Lotens 1993). está relacionado a R por:

em que:

D é o coeficiente de difusão do vapor de água no ar, .

 

Voltar

I. Índice de estresse térmico (ITS)

A melhoria equação de balanço de calor é:

onde é a evaporação necessária para manter o equilíbrio térmico,  é a carga solar e a produção de calor metabólico H é usado em vez da taxa metabólica para contabilizar o trabalho externo. Uma melhoria importante é o reconhecimento de que nem todo suor evapora (por exemplo, algumas gotas), portanto, a taxa de suor necessária está relacionada à taxa de evaporação necessária por:

onde nsc é a eficiência da transpiração.

Usado em ambientes fechados, a transferência de calor sensível é calculada a partir de:

Para condições externas com carga solar,  é substituído e permitido para carga solar (RS ) de:

As equações utilizadas são ajustadas a dados experimentais e não são estritamente racionais.

Máxima perda de calor por evaporação é:

e a eficiência da transpiração é dada por:

mas a

nsc = 1, exceto

e

nsc = 0.29, exceto

O índice de estresse térmico (IST) em g/h é dado por:

onde  é a taxa de evaporação necessária, 0.37 converte em g/h ensc é a eficiência da transpiração (McIntyre 1980).

II. Taxa de suor necessária

Semelhante aos outros índices racionais, é derivado dos seis parâmetros básicos (temperatura do ar (), temperatura radiante ( ), umidade relativa velocidade do ar (v), isolamento de roupas ( ), taxa metabólica (M) e trabalho externo (W)). Valores efetivos de área de radiação para postura (sentado = 0.72, em pé = 0.77) também são necessários. A partir disso, a evaporação necessária é calculada a partir de:

As equações são fornecidas para cada componente (consulte a tabela 8 e a tabela 9). A temperatura média da pele é calculada a partir de uma equação de regressão linear múltipla ou assume-se um valor de 36°C.

Da evaporação necessária (Ereg) e evaporação máxima (Emax) e eficiência da transpiração (r), são calculados:

Umectação necessária da pele 

Taxa de suor necessária 

III. Taxa de suor prevista em 4 horas (P4SR)

Medidas tomadas para obter o P4SR valor do índice são resumidos por McIntyre (1980) da seguinte forma:

If , aumentar a temperatura de bulbo úmido em .

Se a taxa metabólica M > 63 , aumente a temperatura de bulbo úmido no valor indicado na tabela (ver figura 6).

Se os homens estiverem vestidos, aumente a temperatura do bulbo úmido em .

As modificações são aditivas.

O (P4SR) é determinado a partir da figura 6. O P4SR é então:

XNUMX. Frequência cardíaca

onde M é a taxa metabólica, é a temperatura do ar em °C e Pa é a pressão de vapor em Mb.

Givoni e Goldman (1973) fornecem equações para prever a freqüência cardíaca de pessoas (soldados) em ambientes quentes. Eles definem um índice para a frequência cardíaca (RSI) de uma modificação da temperatura retal de equilíbrio prevista,

IHR é então:

onde M = taxa metabólica (watts), = trabalho mecânico (watts), clo = isolamento térmico da roupa,  = temperatura do ar = carga total de calor metabólico e ambiental (watts), = capacidade de resfriamento evaporativo para roupas e ambiente (watts).

A frequência cardíaca de equilíbrio (em batimentos por minuto) é então dado por:

para RSI 225

isto é, uma relação linear (entre a temperatura retal e a frequência cardíaca) para frequências cardíacas de até cerca de 150 batimentos por minuto. Para IHR > 225:

ou seja, uma relação exponencial à medida que a frequência cardíaca se aproxima do máximo, onde:

= frequência cardíaca de equilíbrio (bpm),

65 = frequência cardíaca de repouso assumida em condições confortáveis ​​(bpm) e t = tempo em horas.

V. Índice de temperatura do bulbo úmido (WBGT)

A temperatura de globo de bulbo úmido é dada por:

para condições com radiação solar, e:

para condições internas sem radiação solar, onde TNWB= temperatura de um termômetro de bulbo úmido naturalmente ventilado, Ta = temperatura do ar, e Tg = temperatura de um termômetro de globo negro de 150 mm de diâmetro.

 

Voltar

Quinta-feira, 27 Outubro 2011 19: 36

Estudo de caso: o que significa dose?

Existem várias maneiras de definir uma dose de radiação ionizante, cada uma apropriada para diferentes propósitos.

Dose absorvida

A dose absorvida é a que mais se assemelha à dose farmacológica. Enquanto a dose farmacológica é a quantidade de substância administrada a um indivíduo por unidade de peso ou superfície, a dose radiológica absorvida é a quantidade de energia transmitida por radiação ionizante por unidade de massa. A dose absorvida é medida em Grays (1 Gray = 1 joule/kg).

Quando os indivíduos são expostos de forma homogênea – por exemplo, por irradiação externa por raios cósmicos e terrestres ou por irradiação interna por potássio-40 presente no organismo – todos os órgãos e tecidos recebem a mesma dose. Nessas circunstâncias, é apropriado falar em todo o corpo dose. É, no entanto, possível que a exposição seja não homogênea, caso em que alguns órgãos e tecidos receberão doses significativamente mais altas do que outros. Neste caso, é mais relevante pensar em termos de dose de órgão. Por exemplo, a inalação de filhas de radônio resulta na exposição essencialmente apenas dos pulmões, e a incorporação de iodo radioativo resulta em irradiação da glândula tireóide. Nesses casos, podemos falar em dose pulmonar e dose tireoidiana.

No entanto, também foram desenvolvidas outras unidades de dose que levam em consideração as diferenças nos efeitos de diferentes tipos de radiação e as diferentes sensibilidades à radiação de tecidos e órgãos.

Dose equivalente

O desenvolvimento de efeitos biológicos (por exemplo, inibição do crescimento celular, morte celular, azoospermia) depende não apenas da dose absorvida, mas também do tipo específico de radiação. A radiação alfa tem um potencial ionizante maior do que a radiação beta ou gama. A dose equivalente leva em consideração essa diferença aplicando fatores de ponderação específicos da radiação. O fator de ponderação para radiação gama e beta (baixo potencial ionizante) é igual a 1, enquanto que para partículas alfa (alto potencial ionizante) é 20 (ICRP 60). A dose equivalente é medida em Sieverts (Sv).

Dose efetiva

Em casos de irradiação não homogênea (por exemplo, exposição de vários órgãos a diferentes radionuclídeos), pode ser útil calcular uma dose global que integre as doses recebidas por todos os órgãos e tecidos. Isso requer levar em consideração a sensibilidade à radiação de cada tecido e órgão, calculada a partir dos resultados de estudos epidemiológicos de cânceres induzidos por radiação. A dose efetiva é medida em Sieverts (Sv) (ICRP 1991). A dose efetiva foi desenvolvida para fins de proteção contra radiação (ou seja, gerenciamento de risco) e, portanto, é inadequada para uso em estudos epidemiológicos dos efeitos da radiação ionizante.

Dose coletiva

A dose coletiva reflete a exposição de um grupo ou população e não de um indivíduo, sendo útil para avaliar as consequências da exposição à radiação ionizante em nível populacional ou grupal. É calculado pela soma das doses individuais recebidas, ou pela multiplicação da dose média individual pelo número de indivíduos expostos nos grupos ou populações em questão. A dose coletiva é medida em man-Sieverts (man Sv).

 

Voltar

80ª Sessão da OIT, 2 de junho de 1993

80ª Sessão da OIT, 2 de junho de 1993

PARTE I. ESCOPO E DEFINIÇÕES

Artigo 1

1. O objetivo desta Convenção é a prevenção de acidentes graves envolvendo substâncias perigosas e a limitação das consequências de tais acidentes.…

Artigo 3

Para os fins desta Convenção:

(a) o termo “substância perigosa” significa uma substância ou mistura de substâncias que, em virtude de suas propriedades químicas, físicas ou toxicológicas, isoladamente ou combinadas, constituem um perigo;

(b) o termo “quantidade limite” significa para uma dada substância perigosa ou categoria de substâncias aquela quantidade, prescrita nas leis e regulamentos nacionais por referência a condições específicas, que se excedida identifica uma instalação de risco maior;

(c) o termo “instalação de risco maior” significa uma que produz, processa, manuseia, usa, descarta ou armazena, permanente ou temporariamente, uma ou mais substâncias ou categorias de substâncias perigosas em quantidades que excedam a quantidade limite;

(d) o termo “acidente maior” significa uma ocorrência repentina – como uma grande emissão, incêndio ou explosão – no curso de uma atividade dentro de uma instalação de risco maior, envolvendo uma ou mais substâncias perigosas e levando a um sério perigo para os trabalhadores , o público ou o meio ambiente, seja imediato ou tardio;

(e) o termo “relatório de segurança” significa uma apresentação escrita das informações técnicas, gerenciais e operacionais cobrindo os perigos e riscos de uma instalação de risco maior e seu controle e fornecendo justificativa para as medidas tomadas para a segurança da instalação;

(f) o termo “quase acidente” significa qualquer evento súbito envolvendo uma ou mais substâncias perigosas que, se não fossem os efeitos, ações ou sistemas de mitigação, poderia ter se transformado em um acidente grave.

PARTE II. PRINCÍPIOS GERAIS

Artigo 4

1. À luz das leis e regulamentos, condições e práticas nacionais, e em consulta com as organizações mais representativas de empregadores e trabalhadores e com outras partes interessadas que possam ser afetadas, cada Membro deve formular, implementar e revisar periodicamente uma política nacional coerente relativas à proteção dos trabalhadores, do público e do meio ambiente contra o risco de acidentes graves.

2. Esta política deve ser implementada por meio de medidas preventivas e de proteção para instalações de risco maior e, sempre que possível, deve promover o uso das melhores tecnologias de segurança disponíveis.

Artigo 5

1. A autoridade competente, ou um organismo aprovado ou reconhecido pela autoridade competente, deve, após consulta às organizações mais representativas de empregadores e trabalhadores e outras partes interessadas que possam ser afetadas, estabelecer um sistema para a identificação de instalações de risco maior, conforme definido no Artigo 3(c), com base em uma lista de substâncias perigosas ou de categorias de substâncias perigosas ou de ambas, juntamente com suas respectivas quantidades limite, de acordo com leis e regulamentos nacionais ou padrões internacionais.

2. O sistema referido no n.º 1 deve ser regularmente revisto e atualizado.

Artigo 6

A autoridade competente, após consulta às organizações representativas dos empregadores e dos trabalhadores interessados, tomará disposições especiais para proteger as informações confidenciais que lhe sejam transmitidas ou colocadas à sua disposição nos termos dos artigos 8.º, 12.º, 13.º ou 14.º, cuja divulgação seja suscetível de causar prejuízos negócio de entidade patronal, desde que esta disposição não conduza a riscos graves para os trabalhadores, para a população ou para o ambiente.

PARTE III. RESPONSABILIDADES DA IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR

Artigo 7

Os empregadores devem identificar qualquer instalação de risco maior sob seu controle com base no sistema referido no Artigo 5.

NOTIFICAÇÃO

Artigo 8

1. Os empregadores devem notificar a autoridade competente de qualquer instalação de risco maior que tenham identificado:

(a) dentro de um prazo fixo para uma instalação existente;

(b) antes de ser colocado em operação no caso de uma nova instalação.

2. Os empregadores devem também notificar a autoridade competente antes de qualquer fechamento definitivo de uma instalação de risco maior.

Artigo 9

Em relação a cada instalação de risco maior, os empregadores devem estabelecer e manter um sistema documentado de controle de risco maior que inclua provisões para:

(a) a identificação e análise dos perigos e a avaliação dos riscos, incluindo a consideração de possíveis interações entre substâncias;

(b) medidas técnicas, incluindo projeto, sistemas de segurança, construção, escolha de produtos químicos, operação, manutenção e inspeção sistemática da instalação;

(c) medidas organizacionais, incluindo treinamento e instrução de pessoal, fornecimento de equipamentos para garantir sua segurança, níveis de pessoal, horas de trabalho, definição de responsabilidades e controles de contratados externos e trabalhadores temporários no local da instalação;

(d) planos e procedimentos de emergência, incluindo:

(i) a preparação de planos e procedimentos eficazes de emergência no local, incluindo
procedimentos médicos de emergência, a serem aplicados em caso de acidentes graves ou ameaça
dos mesmos, com testes periódicos e avaliação de sua eficácia e revisão conforme
necessário;

(ii) o fornecimento de informações sobre possíveis acidentes e planos de emergência do local para
autoridades e órgãos responsáveis ​​pela elaboração de planos de emergência e
procedimentos para a proteção do público e do meio ambiente fora do local de
a instalação;

(iii) qualquer consulta necessária com tais autoridades e órgãos;

(e) medidas para limitar as consequências de um acidente grave;

(f) consulta aos trabalhadores e seus representantes;

(g) aperfeiçoamento do sistema, incluindo medidas de coleta de informações e análise de acidentes e quase acidentes. As lições assim aprendidas devem ser discutidas com os trabalhadores e seus representantes e devem ser registradas de acordo com a legislação e prática nacionais.…

* * *

PARTE IV. RESPONSABILIDADES DAS AUTORIDADES COMPETENTES

PREPARAÇÃO DE EMERGÊNCIA FORA DO LOCAL

Artigo 15

Tendo em conta as informações prestadas pelo empregador, a autoridade competente deve assegurar que sejam elaborados planos e procedimentos de emergência que contenham disposições para a proteção do público e do ambiente fora do local de cada instalação de risco grave, atualizados a intervalos adequados e coordenados com o autoridades e órgãos competentes.

Artigo 16

A autoridade competente deve assegurar que:

a) A informação sobre as medidas de segurança e os comportamentos correctos a adoptar em caso de acidente grave sejam divulgadas aos cidadãos susceptíveis de serem afectados por um acidente grave sem que estes tenham de o solicitar e que essas informações sejam actualizadas e redivulgadas em intervalos apropriados;

(b) o aviso seja dado o mais rápido possível no caso de um acidente grave;

(c) quando um acidente grave pode ter efeitos transfronteiriços, as informações exigidas em (a) e (b) acima são fornecidas aos Estados envolvidos, para auxiliar nos arranjos de cooperação e coordenação.

Artigo 17

A autoridade competente deve estabelecer uma política abrangente de localização, providenciando a separação apropriada das instalações de risco maior propostas de áreas de trabalho e residenciais e instalações públicas, e medidas apropriadas para as instalações existentes. Tal política deve refletir os Princípios Gerais estabelecidos na Parte II da Convenção.

INSPEÇÃO

Artigo 18

1. A autoridade competente deverá ter pessoal devidamente qualificado e treinado com as habilidades apropriadas e apoio técnico e profissional suficiente para inspecionar, investigar, avaliar e aconselhar sobre os assuntos tratados nesta Convenção e para garantir o cumprimento das leis e regulamentos nacionais .

2. Os representantes do empregador e os representantes dos trabalhadores de uma instalação de risco maior terão a oportunidade de acompanhar os inspetores que supervisionam a aplicação das medidas prescritas em conformidade com esta Convenção, a menos que os inspetores considerem, à luz das instruções gerais do autoridade competente, pois isso pode prejudicar o desempenho de suas funções.

Artigo 19

A autoridade competente terá o direito de suspender qualquer operação que represente uma ameaça iminente de acidente grave.

PARTE V. DIREITOS E DEVERES DOS TRABALHADORES E SEUS REPRESENTANTES

Artigo 20

Os trabalhadores e seus representantes em uma instalação de risco maior devem ser consultados por meio de mecanismos cooperativos apropriados para garantir um sistema seguro de trabalho. Em particular, os trabalhadores e seus representantes devem:

(a) ser adequadamente informados sobre os perigos associados à instalação de risco maior e suas prováveis ​​consequências;

(b) ser informado de quaisquer ordens, instruções ou recomendações da autoridade competente;

(c) ser consultado na preparação e ter acesso aos seguintes documentos:

(i) o relatório de segurança;

(ii) planos e procedimentos de emergência;

(iii) relatórios de acidentes;

(d) ser regularmente instruído e treinado nas práticas e procedimentos para a prevenção de acidentes graves e no controle de desenvolvimentos susceptíveis de conduzir a um acidente grave e nos procedimentos de emergência a serem seguidos em caso de acidente grave;

(e) no âmbito do seu trabalho, e sem ser colocado em qualquer desvantagem, tomar medidas corretivas e, se necessário, interromper a atividade sempre que, com base na sua formação e experiência, tenham motivos razoáveis ​​para acreditar que existe um perigo iminente de um acidente grave e notifique seu supervisor ou dê o alarme, conforme apropriado, antes ou o mais rápido possível após tomar tal ação;

(f) discutir com o empregador quaisquer perigos potenciais que considere capazes de gerar um acidente grave e ter o direito de notificar a autoridade competente sobre esses perigos.

Artigo 21

Os trabalhadores empregados no local de uma instalação de risco maior devem:

(a) cumprir todas as práticas e procedimentos relativos à prevenção de acidentes graves e ao controle de desenvolvimentos que possam levar a um acidente grave dentro da instalação de risco maior;

(b) cumprir todos os procedimentos de emergência caso ocorra um acidente grave.

PARTE VI. RESPONSABILIDADE DOS ESTADOS EXPORTADORES

Artigo 22

Quando, em um Estado membro exportador, o uso de substâncias, tecnologias ou processos perigosos for proibido como fonte potencial de um acidente grave, as informações sobre essa proibição e as razões para ela serão disponibilizadas pelo Estado membro exportador a qualquer importador país.

Fonte: Trechos, Convenção nº 174 (ILO 1993).

 

Voltar

Página 1 de 122

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Referências de estabelecimentos e serviços de saúde

Abdo, R e H Chriske. 1990. HAV-Infektionsrisiken im Krankenhaus, Altenheim und Kindertagesstätten. No Arbeitsmedizin im Gesundheitsdienst, Banda 5, editado por F Hofmann e U Stössel. Estugarda: Gentner Verlag.

Acton, W. 1848. Sobre as vantagens do cauchu e da guta-percha na proteção da pele contra o contágio de venenos animais. Lanceta 12: 588.

Ahlin, J. 1992. Estudos de caso interdisciplinares em escritórios na Suécia. No Espaço Corporativo e Arquitetura. vol. 2. Paris: Ministére de l'équipment et du logement.

Akinori, H e O Hiroshi. 1985. Análise de fadiga e condições de saúde entre enfermeiras hospitalares. J Ciência do Trabalho 61: 517-578.

Allmeers, H, B Kirchner, H Huber, Z Chen, JW Walter e X Baur. 1996. O período de latência entre a exposição e os sintomas na alergia ao látex natural: Sugestões para prevenção. Dtsh Med Wochenschr 121 (25/26):823-828.

Alter, MJ. 1986. Suscetibilidade ao vírus varicela zoster entre adultos com alto risco de exposição. Epidemia Hosp de Controle de Infecção 7: 448-451.

—. 1993. A detecção, transmissão e resultado da infecção por hepatite C. Agentes de Infecção Dis 2: 155-166.

Alter, MJ, HS Margolis, K Krawczynski, FN Judson, A Mares, WJ Alexander, PY Hu, JK Miller, MA Gerber e RE Sampliner. 1992. A história natural da hepatite C adquirida na comunidade nos Estados Unidos. New Engl J Med 327: 1899-1905.

Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1991. Documentação dos Valores Limite e Índices de Exposição Biológica, 6ª edição. Cincinnati, OH: ACGIH.

—. 1994. TLVs: Valores Limite e Índices de Exposição Biológica para 1994-1995. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

Associação Americana de Hospitais (AHA). 1992. Implementando Prática de Agulha Mais Segura. Chicago, IL: AHA.

Instituto Americano de Arquitetos. 1984. Determinando os Requisitos de Espaço Hospitalar. Washington, DC: Imprensa do Instituto Americano de Arquitetos.

Comitê de Arquitetura para a Saúde do Instituto Americano de Arquitetos. 1987. Diretrizes para Construção e Equipamentos de Instalações Hospitalares e Médicas. Washington, DC: American Institute of Acarchitects Press.

Sociedade Americana de Engenheiros de Aquecimento, Refrigeração e Ar Condicionado (ASHRAE). 1987. Estabelecimentos de saúde. No Manual da ASHRAE: Sistemas e aplicações de aquecimento, ventilação e ar condicionado. Atlanta, GA: ASHRAE.

Anon. 1996. Novos medicamentos para a infecção pelo HIV. Carta Médica de Medicamentos e Terapêutica 38: 37.

Axelsson, G, R Rylander e I Molin. 1989. Resultado da gravidez em relação a horários de trabalho irregulares e inconvenientes. Brit J Ind Med 46: 393-398.

Beatty, J SK Ahern e R Katz. 1977. Privação do sono e vigilância dos anestesiologistas durante cirurgia simulada. No vigilância, editado por RR Mackie. Nova York: Plenum Press.

Beck-Friis, B, P Strang e PO Sjöden. 1991. Estresse no trabalho e satisfação no trabalho em atendimento domiciliar hospitalar. Revista de Cuidados Paliativos 7 (3): 15-21.

Benenson, AS (ed.). 1990. Controle de Doenças Transmissíveis no Homem, 15ª edição. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

Bertold, H, F Hofmann, M Michaelis, D Neumann-Haefelin, G Steinert e J Wölfle. 1994. Hepatitis C—Risiko für Beschäftigte im Gesundheitsdienst? No Arbeitsmedizin im Gesundheitsdienst, Banda 7, editado por F Hofmann, G Reschauer e U Stössel. Estugarda: Gentner Verlag.

Bertram, DA. 1988. Características dos turnos e atuação do residente do segundo ano em um pronto-socorro. Estado de NY J Med 88: 10-14.

Berufsgenossenschaft für Gesundheitsdienst und Wohlfahrtspflege (BGW). 1994. Geschäftsbericht.

Bissel, L e R Jones. 1975. Médicos deficientes ignorados pelos colegas. Apresentado na American Medical Association Conference on the Imparied Physician, 11 de abril, San Francisco, CA.

Bitker, TE. 1976. Estendendo a mão para o médico deprimido. JAMA 236 (15): 1713-1716.

Blanchard, M, MM Cantel, M Faivre, J Girot, JP Ramette, D Thely e M Estryn-Béhar. 1992. Incidence des rythmes biologiques sur le travail de nuit. No Ergonomia à l'hôpital, editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Toulouse: Edição Octares.

Blanpain, C e M Estryn-Béhar. 1990. Measures d'ambiance physique dans dix services hospitaliers. Performances 45: 18-33.

Blaycock, B. 1995. Alergias ao látex: Visão geral, prevenção e implicações para os cuidados de enfermagem. Tratamento de feridas de ostomia 41(5):10-12,14-15.

Blazer, MJ, FJ Hickman, JJ Farmer e DJ Brenner. 1980. Salmonella typhi: O laboratório como reservatório de infecção. Jornal de Doenças Infecciosas 142: 934-938.

Blow, RJ e MIV Jayson. 1988. Dor nas costas. No Aptidão para o trabalho: a abordagem médica, editado por FC Edwards, RL McCallum e PJ Taylor. Oxford: Oxford University Press.

Boehm, G e E Bollinger. 1990. Significado dos fatores ambientais nos volumes tolerados de alimentação enteral para pacientes em unidades de terapia intensiva neonatal. Prática infantil 58 (6): 275-279.

Bongers, P, RD Winter, MAJ Kompier e VV Hildebrandt. 1992. Fatores Psicossociais do Trabalho e Doenças Osteomusculares. Revisão da literatura. Leiden, Holanda: TNO.

Bouhnik, C, M Estryn-Béhar, B Kapitaniak, M Rocher e P Pereau. 1989. Le roulage dans les établissements de soins. Document pour le médecin du travail. INRS 39: 243-252.

Boulard, R. 1993. Les indices de santé mentale du personal infirmier: l'impact de la charge de trail, de l'autonomie et du soutien social. No La psychologie du travail à l'aube du XXI° siècle. Actes du 7° Congrès de psychologie du travail de langue française. Issy-les-Moulineaux: Edições EAP.

Breakwell, GM. 1989. Enfrentando a Violência Física. Londres: British Psychological Society.

Bruce, DL e MJ Bach. 1976. Efeitos de concentrações de traços de gases anestésicos no desempenho comportamental do pessoal da sala de cirurgia. DHEW (NIOSH) Publicação No. 76-169. Cincinnati, OH: NIOSH.

Bruce, DL, KA Eide, HW Linde e JE Eckenhoff. 1968. Causas de morte entre anestesiologistas: uma pesquisa de 20 anos. Anestesiologia 29: 565-569.

Bruce, DL, KA Eide, NJ Smith, F Seltzer e MH Dykes. 1974. Uma pesquisa prospectiva da mortalidade dos anestesiologistas, 1967-1974. Anestesiologia 41: 71-74.

Burhill, D, DA Enarson, EA Allen e S Grzybowski. 1985. Tuberculose em enfermeiras na Colúmbia Britânica. Can Med Assoc J 132: 137.

Burke, FJ, MA Wilson e JF McCord. 1995. Alergia a luvas de látex na prática clínica: Relatos de casos. Quintessência Int 26 (12): 859-863.

Buring, JE, CH Hennekens, SL Mayrent, B Rosner, ER Greenberg e T Colton. 1985. Experiências de saúde do pessoal da sala de operações. Anestesiologia 62: 325-330.

Burton, R. 1990. St. Mary's Hospital, Ilha de Wight: Um histórico adequado para cuidar. Brit Med J 301: 1423-1425.

Büssing, A. 1993. Stress e burnout em enfermagem: Estudos em diferentes estruturas de trabalho e horários de trabalho. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Cabal, C, D Faucon, H Delbart, F Cabal e G Malot. 1986. Construction d'une blanchisserie industrielle aux CHU de Saint-Etienne. Arch Mal Prof. 48 (5): 393-394.

Callan, JR, RT Kelly, ML Quinn, JW Gwynne, RA Moore, FA Muckler, J Kasumovic, WM Saunders, RP Lepage, E Chin, I Schoenfeld e DI Serig. 1995. Avaliação de Fatores Humanos da Braquiterapia de Pós-carga Remota. NUREG/CR-6125. Vol. 1. Washington, DC: Comissão Reguladora Nuclear

Cammock, R. 1981. Prédios de Atenção Primária à Saúde: Briefing e Guia de Projeto para Arquitetos e seus Clientes. Londres: Architectural Press.

Cardo, D, P Srivastava, C Ciesielski, R Marcus, P McKibben, D Culver e D Bell. 1995. Estudo de caso-controle da soroconversão do HIV em profissionais de saúde após exposição percutânea a sangue infectado pelo HIV (resumo). Epidemiologia Hosp de Controle de Infecção 16 suplemento:20.

Carillo, T, C Blanco, J Quiralte, R Castillo, M Cuevas e F Rodriguez de Castro. 1995. Prevalência de alergia ao látex entre trabalhadores de estufas. J Allergy Clin Immunol 96(5/1):699-701.

Catananti, C e A Cambieri. 1990. Igiene e Tecnica Ospedaliera (Higiene e Organização Hospitalar). Roma: II Pensiero Scientifico Editore.

Catananti, C, G Damiani, G Capelli e G Manara. 1993. Projeto de construção e seleção de materiais e móveis no hospital: Uma revisão das diretrizes internacionais. In Indoor Air '93, Proceedings of the 6th International Conference on Indoor Air Quality and Climate 2: 641-646.

Catananti, C, G Capelli, G Damiani, M Volpe e GC Vanini. 1994. Avaliação de critérios múltiplos no planejamento de seleção de materiais para unidades de saúde. Identificação preliminar de critérios e variáveis. No Edifícios Saudáveis ​​'94, Actas da 3ª Conferência Internacional 1: 103-108.

Cats-Baril, WL e JW Frymoyer. 1991. A economia dos distúrbios da coluna vertebral. No A coluna adulta, editado por JW Frymoyer. Nova York: Raven Press.

Centros de Controle de Doenças (CDC). 1982. Síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS): Precauções para equipes de laboratórios clínicos. Representante Semanal Morb Mortal 31: 577-580.

—. 1983. Síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS): Precauções para profissionais de saúde e profissionais afins. Representante Semanal Morb Mortal 32: 450-451.

—. 1987a. Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana em profissionais de saúde expostos ao sangue de pacientes infectados. Representante Semanal Morb Mortal 36: 285-289.

—. 1987b. Recomendações para a prevenção da transmissão do HIV em ambientes de assistência à saúde. Morb Mortal Semanal Rep 36 suplemento 2:3S-18S.

—. 1988a. Precauções universais para prevenção da transmissão do vírus da imunodeficiência humana, vírus da hepatite B e outros patógenos transmitidos pelo sangue em ambientes de assistência à saúde. Representante Semanal Morb Mortal 37:377-382,387-388.

—. 1988b. Diretrizes para a prevenção da transmissão do vírus da imunodeficiência humana e do vírus da hepatite B para profissionais de saúde e segurança pública. Representante Semanal Morb Mortal 37 suplemento 6:1-37.

—. 1989. Diretrizes para a prevenção da transmissão do vírus da imunodeficiência humana e do vírus da hepatite B para profissionais de saúde e segurança pública. Representante Semanal Morb Mortal 38 suplemento 6.

—. 1990. Declaração do Serviço de Saúde Pública sobre o manejo da exposição ocupacional ao vírus da imunodeficiência humana, incluindo considerações sobre o uso pós-exposição. Representante Semanal Morb Mortal 39 (nº RR-1).

—. 1991a. Vírus da Hepatite B: Uma estratégia abrangente para eliminar a transmissão nos Estados Unidos por meio da vacinação infantil universal: Recomendações do Comitê Consultivo de Práticas de Imunização (ACIP). Representante Semanal Morb Mortal 40 (nº RR-13).

—. 1991b. Recomendações para prevenir a transmissão do vírus da imunodeficiência humana e vírus da hepatite B para pacientes durante procedimentos invasivos propensos à exposição. Representante Semanal Morb Mortal 40 (nº RR-8).

—. 1993a. Práticas recomendadas de controle de infecção em odontologia. Representante Semanal Morb Mortal 42 (Nº RR-8):1-12.

—. 1993b. Biossegurança em Laboratórios Microbianos e Biomédicos, 3ª edição. Publicação DHHS (CDC) No. 93-8395. Atlanta, GA: CDC.

—. 1994a. Relatório de Vigilância de HIV/AIDS. vol. 5(4). Atlanta, GA: CDC.

—. 1994b. Boletim de Prevenção de HIV/AIDS. vol. 5(4). Atlanta, GA: CDC.

—. 1994c. Vírus da imunodeficiência humana em ambientes domésticos - Estados Unidos. Representante Semanal Morb Mortal 43: 347-356.

—. 1994d. Relatório de Vigilância de HIV/AIDS. vol. 6(1). Atlanta, GA: CDC.

—. 1994e. Orientações para prevenir a transmissão de Mycobacterium tuberculosis em estabelecimentos de saúde. Representante Semanal Morb Mortal 43 (Nº RR-13):5-50.

—. 1995. Estudo de caso-controle da soroconversão do HIV em profissionais de saúde após exposição percutânea a sangue infectado pelo HIV—França, Reino Unido e Estados Unidos. Representante Semanal Morb Mortal 44: 929-933.

—. 1996a. Relatório de Vigilância de HIV/AIDS. Vol. 8(2). Atlanta, GA: CDC.

—. 1996b. Atualização: Recomendações Provisórias do Serviço de Saúde Pública para quimioprofilaxia após exposição ocupacional ao HIV. Representante Semanal Morb Mortal 45: 468-472.

Charney, W (ed.). 1994. Fundamentos da Segurança Hospitalar Moderna. Boca Raton, FL: Lewis Publishers.

Chou, T, D Weil e P Arnmow. 1986. Prevalência de anticorpos contra o sarampo no pessoal do hospital. Epidemia Hosp de Controle de Infecção 7: 309-311.

Chriske, H e A Rossa. 1991. Hepatitis-C-Infektionsgefährdung des medizinischen Personals. No Arbeitsmedizin im Gesundheitsdienst, Banda 5, editado por F Hofmann e U Stössel. Estugarda: Gentner Verlag.

Clark, DC, E Salazar-Gruesco, P Grabler, J Fawcett. 1984. Preditores de depressão durante os primeiros 6 meses de estágio. Am J Psychiatry 141: 1095-1098.

Clemens, R, F Hofmann, H Berthold e G Steinert. 1992. Prävalenz von Hepatitis, A, B und C bei Bewohern einer Einrichtung für geistig Behinderte. Sozialpädiatrie 14: 357-364.

Cohen, EN. 1980. Exposição anestésica no local de trabalho. Littleton, MA: PSG Publishing Co.

Cohen, EN, JW Bellville e BW Brown, Jr. 1971. Anestesia, gravidez e aborto espontâneo: Um estudo de enfermeiras e anestesistas da sala de cirurgia. Anestesiologia 35: 343-347.

—. 1974. Doença ocupacional entre o pessoal da sala de cirurgia: Um estudo nacional. Anestesiologia 41: 321-340.

—. 1975. Uma pesquisa sobre riscos de saúde anestésicos entre dentistas. Associação J Am Dent 90: 1291-1296.

Comissão das Comunidades Europeias. 1990. Recomendação da Comissão de 21 de fevereiro de 1990, sobre a proteção de pessoas contra a exposição ao radônio em ambientes fechados. 90/143/Euratom (tradução em italiano).

Cooper, JB. 1984. Rumo à prevenção de contratempos anestésicos. Clínicas Internacionais de Anestesiologia 22: 167-183.

Cooper, JB, RS Newbower e RJ Kitz. 1984. Uma análise dos principais erros e falhas de equipamentos no manejo da anestesia: Considerações para prevenção e detecção. Anestesiologia 60 (1): 34-42.

Costa, G, R Trinco, and G Schallenberg. 1992. Problemas de conforto térmico em uma sala de cirurgia equipada com sistema de fluxo de ar laminar In Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar M, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Cristofari, MF, M Estryn-Béhar, M Kaminski e E Peigné. 1989. Le travail des femmes à l'hôpital. Informações Hospitaleiras 22/23: 48-62.

Conselho das Comunidades Europeias. 1988. Diretiva de 21 de dezembro de 1988, para aproximar as leis dos países membros sobre produtos de construção. 89/106/EEC (tradução italiana).

De Chambost, M. 1994. Alarmes Sonnantes, Soignantes Trébuchantes. Soins objetivos 26: 63-68.

de Keyser, V e AS Nyssen. 1993. Les erreurs humaines en anesthésies. Le Travail humano 56(2/3):243-266.

Decreto do Presidente do Conselho de Ministros. 1986. Diretriz para as Regiões sobre Requisitos de Estabelecimentos de Saúde Privados. 27 de junho.

Dehlin, O, S Berg, GBS Andersson e G Grimby. 1981. Efeito do treinamento físico e aconselhamento ergonômico na percepção psicossocial do trabalho e na avaliação subjetiva da insuficiência lombar. Scand J Reabilitação 13: 1-9.

Delaporte, MF, M Estryn-Béhar, G Brucker, E Peigne e A Pelletier. 1990. Pathologie dermatologique et exercice professionnel en milieu hospitalier. Arch Mal Prof. 51 (2): 83-88.

Denisco, RA, JN Drummond e JS Gravenstein. 1987. O efeito da fadiga no desempenho de uma tarefa simulada de monitoramento anestésico. J Clin Monit 3: 22-24.

Devienne, A, D Léger, M Paillard, A Dômont. 1995. Troubles du sommeil et de la vigilance chez des généralistes de garde en région parisienne. Arch Mal Prof. 56(5):407-409.

Donovan, R, PA Kurzman e C Rotman. 1993. Melhorando a vida dos trabalhadores de assistência domiciliar: uma parceria de trabalho social e trabalho. Soc Trabalho 38(5):579-585..

Edling, C. 1980. Gases anestésicos como um risco ocupacional. Uma revisão. Scand J Work Environment Health 6: 85-93.

Ehrengut, W e T Klett. 1981. Rötelnimmunstatus von Schwesternschülerinnen in Hamberger Krankenhäusern im Jahre 1979. Monatsschrift Kinderheilkdunde 129: 464-466.

Elias, J, D Wylie, A Yassi e N Tran. 1993. Eliminando a exposição do trabalhador ao óxido de etileno de esterilizadores hospitalares: Uma avaliação de custo e eficácia de um sistema de isolamento. Appl Ocupar Ambiente Hyg 8 (8): 687-692.

Engels, J, TH Senden e K Hertog. 1993. Posturas de trabalho dos enfermeiros em lares. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Englade J, E Badet e G Becque. 1994. Vigilance et qualité de sommeil des soignants de nuit. Revue de l'infirmière 17: 37-48.

Ernst, E e V Fialka. 1994. Dor lombar idiopática: impacto atual, direções futuras. Jornal Europeu de Medicina Física e Reabilitação 4: 69-72.

Escribà Agüir, V. 1992. Atitudes dos enfermeiros face ao trabalho por turnos e qualidade de vida, Scand J Soc Med 20 (2): 115-118.

Escribà Agüir V, S Pérez, F Bolumar e F Lert. 1992. Retentissement des horaires de travail sur le sommeil des enfermiers. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Estryn-Béhar, M. 1990. Les groupes de parole: Une stratégie d'amélioration des Relations avec les malades. O concurso médico 112 (8): 713-717.

—. 1991. Guide des risques professionnels du staff des services de soins. Paris: Edições Lamarre.

Estryn-Béhar, M e N Bonnet. 1992. Le travail de nuit à l'hôpital. Quelques constats à mieux prendre en compte. Arch Mal Prof. 54 (8): 709-719.

Estryn-Béhar, M e F Fonchain. 1986. Les troubles du sommeil du personal hospitalier effectuant un travail de nuit en continu. Arch Mal Prof. 47(3):167-172;47(4):241.

Estryn-Béhar, M e JP Fouillot. 1990a. Etude de la charge physique du personal soignant, Documents pour le médecin du travail. INRS: 27-33.

—. 1990b. Etude de la charge mentale et approche de la charge psychique du personal soignant. Analise du trabalho de enfermagem e auxiliares de enfermagem em 10 serviços de saúde. Documents pour le médecin du travail INRS 42: 131-144.

Estryn-Béhar, M e C Hakim-Serfaty. 1990. Organisation de l'espace hospitalier. Hospital técnico 542: 55-63.

Estryn-Béhar, M e G Milanini. 1992. Concevoir les espaces de travail en services de soins. Técnica Hospitaleira 557: 23-27.

Estryn-Béhar, M e H Poinsignon. 1989. Travailler à l'hopital. Paris: Berger Levrault.

Estryn-Béhar, M, C Gadbois, e E Vaichere. 1978. Effets du travail de nuit en équipes fixes sur unepopulation feminine. Resultados de uma pesquisa no setor hospitalar. Arch Mal Prof. 39 (9): 531-535.

Estryn-Béhar, M, C Gadbois, E Peigné, A Masson e V Le Gall. 1989b. Impacto do plantão noturno em trabalhadores hospitalares masculinos e femininos, em Trabalho em turnos: saúde e desempenho, editado por G Costa, G Cesana, K Kogi e A Wedderburn. Anais do Simpósio Internacional sobre Trabalho Noturno e por Turnos. Francoforte: Peter Lang.

Estryn-Béhar, M, M Kaminski, e E Peigné. 1990. Condições de trabalho extenuantes e distúrbios musculoesqueléticos entre trabalhadoras hospitalares. Int Arch Occup Ambiente Saúde 62: 47-57.

Estryn-Béhar, M, M Kaminski, M Franc, S Fermand, e F Gerstle F. 1978. Grossesse er conditions de travail en milieu hospitalier. Revue franç gynec 73 (10) 625-631.

Estryn-Béhar, M, M Kaminski, E Peigné, N Bonnet, E Vaichère, C Gozlan, S Azoulay e M Giorgi. 1990. Estresse no trabalho e estado de saúde mental. Br J Ind Med 47: 20-28.

Estryn-Béhar, M, B Kapitaniak, MC Paoli, E Peigné e A Masson. 1992. Aptidão para o exercício físico numa população de trabalhadoras hospitalares. Int Arch Occup Ambiente Saúde 64: 131-139.

Estryn Béhar, M, G Milanini, T Bitot, M Baudet e MC Rostaing. 1994. La setorisation des soins: Une organization, un espace. Gestão hospitalar 338: 552-569.

Estryn-Béhar, M, G Milanini, MM Cantel, P Poirier, P Abriou e o grupo de estudos da UTI. 1995a. Interesse da metodologia ergonômica participativa para melhorar uma unidade de terapia intensiva. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, 2ª edição, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

—. 1995b. Metodologia ergonômica participativa para o novo arranjo de uma unidade de terapia intensiva cardiológica. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, 2ª edição, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Estryn-Béhar, M, E Peigné, A Masson, C Girier-Desportes, JJ Guay, D Saurel, JC Pichenot, and J Cavaré. 1989a. Les femmes travaillant à l'hôpital aux différents horaires, qui sont-elles? Que décrivent-elles como condições de trabalho? Que souhaitent-elles? Arch Mal Prof. 50 (6): 622-628.

Falk, SA e NF Woods. 1973. Níveis de ruído hospitalar e riscos potenciais à saúde, Nova Inglaterra J Med 289: 774-781.

Fanger, PO. 1973. Avaliação do conforto térmico do homem na prática. Br J Ind Med 30: 313-324.

—. 1992. Caracterização sensorial da qualidade do ar e fontes de poluição. No Aspectos Químicos, Microbiológicos, de Saúde e Conforto da Qualidade do Ar Interior - Estado da Arte em SBS, editado por H Knoppel e P Wolkoff. Dordrecht, NL: Kluwer Academic Publishers.

Favrot-Laurens. 1992. Tecnologias avançadas e organização do trabalho das equipas hospitalares. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

—. 1992. Caracterização sensorial da qualidade do ar e fontes de poluição. No Aspectos químicos, microbiológicos, de saúde e conforto da qualidade do ar interno - estado da arte na síndrome do edifício doente, editado por H Koppel e P Wolkoff. Bruxelas e Luxemburgo: CEE.

Ferstandig, LL. 1978. Trace concentrações de gases anestésicos: Uma revisão crítica de seu potencial de doença. Anesth Analg 57: 328-345.

Finley, GA e AJ Cohen. 1991. Percepção de urgência e o anestesista: Respostas a alarmes comuns de monitores de salas de cirurgia. Pode J Anaesth 38 (8): 958-964

Ford, CV e DK Wentz. 1984. O ano de estágio: Um estudo do sono, estados de humor e parâmetros psicofisiológicos. Sul Med J 77: 1435-1442.

Friedman, RC, DS Kornfeld e TJ Bigger. 1971. Problemas psicológicos associados à privação de sono em internos. Revista de Educação Médica 48: 436-441.

Friele, RD e JJ Knibbe. 1993. Monitoramento das barreiras com o uso de elevadores de pacientes em atendimento domiciliar na percepção do pessoal de enfermagem. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. LandsbergLech: Ecomed Verlag.

Gadbois, CH. 1981. Aides-soignanantes et infirmières de nuit. No Condições de trabalho e vida cotidiana. Montrougs: Agence Nationale pour l'Amélioration des Conditions de Travail.

Gadbois, C, P Bourgeois, MM Goeh-Akue-Gad, J Guillaume e MA Urbain. 1992. Contraintes temporelles et structure de l'espace dans le processus de travail des équipes de soins. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Jogos, WP e W Tatton-Braen. 1987. Projeto e Desenvolvimento de Hospitais. Londres: Architectural Press.

Gardner, ER e RC Hall. 1981. A síndrome do estresse profissional. Psicossomática 22: 672-680.

Gaube, J, H Feucht, R Laufs, D Polywka, E Fingscheidt e HE Müller. 1993. Hepatitis A, B und C als desmoterische Infecktionen. Gessundheitwesen e Desinfeção 55: 246-249.

Gerberding, JL. Nd Ensaio aberto da quimioprofilaxia pós-exposição com zidovudina em profissionais de saúde com exposição ocupacional ao vírus da imunodeficiência humana. Script SFGH.

—. 1995. Gestão de exposições ocupacionais a vírus transmitidos pelo sangue. New Engl J Med 332: 444-451.

Ginesta, J. 1989. Gases anestésicos. No Riesgos del Trabajo del Personal Sanitario, editado por JJ Gestal. Madri: Editorial Interamericana McGraw-Hill.

Gold, DR, S Rogacz, N Bock, TD Tosteson, TM Baum, FE Speizer e CA Czeiler. 1992. Trabalho em turnos rotativos, sono e acidentes relacionados à sonolência em enfermeiras hospitalares. Sou J Saúde Pública 82 (7): 1011-1014.

Goldman, LI, MT McDonough e GP Rosemond. 1972. Estresses que afetam o desempenho cirúrgico e o aprendizado: Correlação da frequência cardíaca, eletrocardiograma e operação gravada simultaneamente em fitas de vídeo. J Surg Res 12: 83-86.

Graham, C, C Hawkins e W Blau. 1983. Prática inovadora de trabalho social na área da saúde: controle do estresse. No Serviço social em um mundo turbulento, editado por M Dinerman. Washington, DC: Associação Nacional de Assistentes Sociais.

Green, A. 1992. Como os enfermeiros podem garantir que os sons que os pacientes ouvem tenham um efeito positivo em vez de negativo na recuperação e na qualidade de vida. Revista de Enfermagem em Cuidados Intensivos e Críticos 8 (4): 245-248.

Griffin, WV. 1995. Assistente social e agência de segurança. No Enciclopédia de Serviço Social, 19ª edição. Washington, DC: Associação Nacional de Assistentes Sociais.

Grob, PJ. 1987. Grupo de transmissão de hepatite B por um médico. Lanceta 339: 1218-1220.

Guardino, X e MG Rosell. 1985. Exposição laboral a gases anestésicos. No Notas Técnicas de Prevenção. Nº 141. Barcelona: INSHT.

—. 1992. Exposição no trabalho a gases anestésicos. Um risco controlado? Jano 12: 8-10.

—. 1995. Monitoramento da exposição a gases anestésicos. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagburg, F Hoffmann, U Stössel e G Westlander. Solna: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.

Hagberg, M, F Hofmann, U Stössel e G Westlander (eds.). 1993. Saúde Ocupacional para Trabalhadores da Saúde. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Hagberg, M, F Hofmann, U Stössel e G Westlander (eds.). 1995. Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde. Cingapura: Comissão Internacional de Saúde Ocupacional.

Haigh, R. 1992. A aplicação da ergonomia ao design do local de trabalho em edifícios de saúde no Reino Unido. Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Halm, MA e MA Alpen, 1993. O impacto da tecnologia no paciente e nas famílias. Clínicas de enfermagem da América do Norte 28 (2): 443-457.

Harber, P, L Pena e P Hsu. 1994. História pessoal, treinamento e local de trabalho como preditores de dor nas costas de enfermeiros. Am J Ind Med 25: 519-526.

Hasselhorn, HM. 1994. Antiretrovirale prophylaxe nach kontakt mit HIV-jontaminierten. No Flüssigkeiten em Infecciologia, editado por F Hofmann. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Hasselhorn, HM e E Seidler.1993. Cuidados terminais na Suécia - Novos aspectos do cuidado profissional ao morrer. No Saúde Ocupacional para Cuidados de Saúde Trabalhadores, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel U e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Heptonstall, J, K Porter e N Gill. 1993. Transmissão Ocupacional do HIV: Resumo dos Relatórios Publicados. Londres: Centro de Vigilância de Doenças Transmissíveis AIDS Centre.

Hesse, A, Lacher A, HU Koch, J Kublosch, V Ghane e KF Peters. 1996. Atualização no tópico de alergia ao látex. Hauzarzt 47 (11): 817-824.

Ho, DD, T Moudgil e M Alam. 1989. Quantificação do vírus da imunodeficiência humana tipo 1 no sangue de pessoas infectadas. New Engl J Med 321: 1621-1625.

Hodge, B e JF Thompson. 1990. Poluição sonora no bloco operatório. Lanceta 335: 891-894.

Hofmann, F e H Berthold. 1989. Zur Hepatitis-B-Gefährdung des Krankenhauspersonals-Möglichkeiten der prae-und postexpositionellen Prophylaxe. Mundo Médico 40: 1294-1301.

Hofmann, F e U Stössel. 1995. Saúde ambiental nas profissões de saúde: riscos de saúde biológicos, físicos, psíquicos e sociais. Comentários sobre Saúde Ambiental 11: 41-55.

Hofmann, F, H Berthold e G Wehrle. 1992. Imunidade à hepatite A no pessoal do hospital. Eur J Clin Microbiol Infect Dis 11 (12): 1195.

Hofmann, F, U Stössel e J Klima. 1994. Lombalgia em enfermeiros (I). Jornal Europeu de Reabilitação Física e Médica 4: 94-99.

Hofmann, F, B Sydow e M Michaelis. 1994a. Caxumba—berufliche Gefährdung und Aspekte der epidemiologischen Entwicklung. Gessundheitwesen e Desinfeção 56: 453-455.

—. 1994b. Zur epidemiologischen Bedeutung der Varizellen. Gessundheitwesen e Desinfeção 56: 599-601.

Hofmann, F, G Wehrle, K Berthold e D Köster. 1992. Hepatite A como um risco ocupacional. Vacine 10 suplemento 1:82-84.

Hofmann, F, U Stössel, M Michaelis e A Siegel. 1993. Tuberculose—Risco ocupacional para profissionais de saúde? No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M. Hagberg. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Hofmann, F, M Michaelis, A Siegel e U Stössel. 1994. Wirbelsäulenerkrankungen im Pflegeberuf. Medizinische Grundlagen und Prävention. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Hofmann, F, M Michaelis, M Nübling e FW Tiller. 1995. Hepatite Europeia — Um Estudo. Publicação em Vorereitung.

Hofmann, H e C Kunz. 1990. Baixo risco de profissionais de saúde para infecção pelo vírus da hepatite C. Infecção 18: 286-288.

Holbrook, TL, K Grazier, JL Kelsey e RN Stauffer. 1984. A frequência de ocorrência, impacto e custo de condições musculoesqueléticas selecionadas nos Estados Unidos. Park Ridge, Illinois: Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos.

Hollinger, FB. 1990. Vírus da hepatite B. No Virologia, editado por BN Fiedles e DM Knipe. Nova York: Raven Press.

Hopps, J e P Collins. 1995. Visão geral da profissão de assistente social. No Enciclopédia de Serviço Social, 19ª edição. Washington, DC: Associação Nacional de Assistentes Sociais.

Hubacova, L, I Borsky e F Strelka. 1992. Problemas de fisiologia do trabalho de enfermeiros que trabalham em unidades de internamento. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Hunt, LW, AF Fransway, CE Reed, LK Miller, RT Jones, MC Swanson e JW Yunginger. 1995. Uma epidemia de alergia ocupacional ao látex envolvendo profissionais de saúde. J Ocupa Meio Ambiente 37 (10): 1204-1209.

Jacobson, SF e HK MacGrath. 1983. Enfermeiras sob Estresse. Nova York: John Wiley & Sons.

Jacques, CHM, MS Lynch e JS Samkoff. 1990. Os efeitos da perda de sono no desempenho cognitivo de médicos residentes. J Fam Pract 30: 223-229.

Jagger, J, EH Hunt, J Brand-Elnagger e RD Pearson. 1988. Taxas de lesões por picada de agulha causadas por vários dispositivos em um hospital universitário. New Engl J Med 319: 284-288.

Johnson, JA, RM Buchan e JS Reif. 1987. Efeito da exposição a gases e vapores anestésicos residuais no resultado reprodutivo em pessoal veterinário. Am Ind Hyg Assoc J 48 (1): 62-66.

Jonasson, G, JO Holm e J Leegard. Alergia à borracha: um problema de saúde crescente? Tuidsskr Nor Laegeforen 113 (11): 1366-1367.

Kandolin, I. 1993. Burnout de enfermeiras e enfermeiros em turnos. Ergonomia 36(1/3):141-147.

Kaplan, RM e RA Deyo. 1988. Dor nas costas em profissionais de saúde. No Dor nas costas em trabalhadores, editado por RA Deyo. Filadélfia, PA: Hanley & Belfus.

Katz, R. 1983. Causas de morte entre enfermeiros. Ocupar Med 45: 760-762.

Kempe, P, M Sauter e I Lindner. 1992. Características especiais dos enfermeiros de idosos que recorreram a um programa de formação destinado a reduzir os sintomas de burn-out e os primeiros resultados no resultado do tratamento. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Kerr, JH. 1985. Dispositivos de alerta. Ir. J Anaesth 57: 696-708.

Kestin, IG, RB Miller e CJ Lockhart. 1988. Alarmes auditivos durante a monitorização da anestesia. Anestesiologia 69 (1): 106-109.

Kinloch-de-los, S, BJ Hirschel, B Hoen, DA Cooper, B Tindall, A Carr, H Sauret, N Clumeck, A Lazzarin e E Mathiesen. 1995. Um ensaio controlado de zidovudina na infecção primária pelo vírus da imunodeficiência humana. New Engl J Med 333:408-413.

Kivimäki, M e K Lindström. 1995. O papel crucial do enfermeiro-chefe numa enfermaria hospitalar. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Klaber Moffet, JA, SM Chase, I Portek e JR Ennis. 1986. Um estudo controlado para avaliar a eficácia da escola de dor nas costas no alívio da dor lombar crônica. Coluna 11: 120-122.

Kleczkowski, BM, C Montoya-Aguilar, e NO Nilsson. 1985. Abordagens para planejamento e projeto de unidades de saúde em áreas em desenvolvimento. Vol. 5. Genebra: OMS.

Klein, BR e AJ Platt. 1989. Planejamento e Construção de Instituições de Saúde. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

Kelin, R, K Freemann, P Taylor, C Stevens. 1991. Risco ocupacional de infecção pelo vírus da hepatite C entre dentistas da cidade de Nova York. Lanceta 338: 1539-1542.

Kraus, H. 1970. Tratamento Clínico de Dor nas Costas e Pescoço. Nova Iorque: McGraw-Hill.

Kujala, VM e KE Reilula. 1995. Sintomas respiratórios e dérmicos induzidos por luvas entre profissionais de saúde em um hospital finlandês. Am J Ind Med 28 (1): 89-98.

Kurumatani, N, S Koda, S Nakagiri, K Sakai, Y Saito, H Aoyama, M Dejima e T Moriyama. 1994. Os efeitos do turno de trabalho frequentemente rotativo no sono e na vida familiar de enfermeiras hospitalares. Ergonomia 37: 995-1007.

Lagerlöf, E e E Broberg. 1989. Lesões e doenças ocupacionais. No Riscos ocupacionais nas profissões de saúde, editado por DK Brune e C Edling. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Lahaye, D, P Jacques, G Moens e B Viaene. 1993. O registro de dados médicos obtidos por exames médicos preventivos em profissionais de saúde. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, F, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Lampher, BP, CC Linneman, CG Cannon, MM DeRonde, L Pendy e LM Kerley. 1994. Infecção pelo vírus da hepatite C em profissionais de saúde: risco de exposição e infecção. Epidemiologia Hosp de Controle de Infecção 15: 745-750.

Landau, C, S Hall, SA Wartman e MB Macko. 1986. Estresse nas relações sociais e familiares durante a residência médica. Revista de Educação Médica 61: 654-660.

Landau, K. 1992. Tensão psicofísica e o fenômeno de esgotamento entre profissionais de saúde. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Landewe, MBM e HT Schröer. 1993. Desenvolvimento de um novo programa integrado de treinamento de transferência de pacientes - prevenção primária da dor lombar. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Lange, M. 1931. Die Muskelhärten (Myogelose). Munique: JF Lehman Verlag.

Lange, W e KN Masihi. 1986. Durchseuchung mit Hepatitis-A- und B-Virus bei medizinischem Personal. Bundesgesundheitsol 29; 183-87.

Lee, K.A. 1992. Distúrbios do sono auto-relatados em mulheres empregadas. Dormir15 (6): 493-498.

Lempèreur, JJ. 1992. Prévention des dorso-lombalgies. Influência do vestuário de trabalho sobre o comportamento gestual. Especificações ergonômicas. Cah Kinésither 156,:4.

Leppanen, RA e MA Olkinuora. 1987. Estresse psicológico vivenciado por profissionais de saúde. Scand J Work Environment Health 13: 1-8.

Lert, F, MJ Marne e A Guéguen. 1993. Evolution des conditions de travail des infirmières des hôpitaux publics de 1980 a 1990. Revue de l'Epidémiologie et de santé publique 41: 16-29.

Leslie, PJ, JA Williams, C McKenna, G Smith e RC Heading. 1990. Horas, volume e tipo de trabalho dos oficiais de pré-registro. Brit Med J 300: 1038-1041.

Lettau, LA, HJ Alfred, RH Glew, HA Fields, MJ Alter, R Meyer, SC Hadler e JE Maynard. 1986. Transmissão nosocomial de hepatite delta. Ann Intern Med 104: 631-635.

Levin, H. 1992. Edifícios Saudáveis ​​– Onde estamos, para onde vamos? No Aspectos Químicos, Microbiológicos, de Saúde e Conforto da Qualidade do Ar Interior: Estado da Arte na Síndrome do Edifício Doente, editado por H Knoppel e P Wolkoff. Bruxelas e Luxemburgo: CEE.

Lewittes, LR e VW Marshall. 1989. Fadiga e preocupações sobre a qualidade do atendimento entre internos e residentes de Ontário. Can Med Assoc J 140: 21-24.

Lewy, R. 1990. Funcionários em Risco: Proteção e Saúde dos Profissionais de Saúde. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

Lindström, A e M Zachrisson. 1973. Ryggbesvär och arbetssoförmaga Ryyggskolan. Ett Försok até mer rationeli fysikalist terapi. Socialmet T 7: 419-422.

Lippert. 1971. Viagens em enfermarias. Fatores humanos 13 (3): 269-282.

Ljungberg, AS, A Kilbom e MH Goran. 1989. Levantamento ocupacional por auxiliares de enfermagem e almoxarifados. Ergonomia 32: 59-78.

Llewelyn-Davies, R e J Wecks. 1979. Áreas de internamento. No Abordagens para planejamento e projeto de unidades de saúde em áreas em desenvolvimento, editado por BM Kleczkowski e R Piboleau. Genebra: OMS.

Loeb, RG, BR Jones, KH Behrman e RJ Leonard. 1990. Os anestesistas não conseguem identificar alarmes sonoros. Anestesiologia 73(3A):538.

LOTAS, MJ. 1992. Efeitos da luz e do som no ambiente da unidade de terapia intensiva neonatal no recém-nascido de baixo peso. Problemas Clínicos da NAACOGS em Enfermagem Perinatal e de Saúde da Mulher 3 (1): 34-44.

Lurie, HE, B Rank, C Parenti, T Wooley e W Snoke. 1989. Como os oficiais de casa passam suas noites? Um estudo de tempo da equipe de plantão de uma casa de medicina interna. New Engl J Med 320: 1673-1677.

Luttman, A, M Jäger, J Sökeland e W Laurig. 1996. Estudo eletromiográfico em cirurgiões em urologia II. Determinação da fadiga muscular. Ergonomia 39 (2): 298-313.

Makino, S. 1995. Problemas de saúde em profissionais de saúde no Japão. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsbeg/Lech: Ecomed Verlag.

Malchaire, JB. 1992. Análise da carga de trabalho dos enfermeiros. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Manuaba, A. 1992. A abordagem sócio-cultural é uma obrigação na concepção de hospitais em países em desenvolvimento, a Indonésia como um estudo de caso. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Maruna, H. 1990. Zur Hepatitis-B-Durchseuchung in den Berufen des Gesundheits und Fürsorgewesens der Republik Österreichs, Arbeitsmed. Präventivmed. Sozialmed 25: 71-75.

Matsuda, A. 1992. Abordagem ergonômica para cuidados de enfermagem no Japão. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

McCall, T. 1988. O impacto de longas horas de trabalho em médicos residentes. New Engl J Med 318 (12): 775-778.

McCloy, E. 1994. Hepatite e a Diretiva EEC. Apresentado na 2ª Conferência Internacional sobre Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, Estocolmo.

McCormick, RD, MG Meuch, IG Irunk e DG Maki. 1991. Epidemiologia para ferimentos hospitalares cortantes: Um estudo prospectivo de 14 anos na era pré-AIDS e AIDS. Am J Med 3B:3015-3075.

McCue, JD. 1982. Os efeitos do estresse sobre os médicos e sua prática médica. New Engl J Med 306: 458-463.

McIntyre, JWR. 1985. Ergonomia: Uso de alarmes sonoros pelos anestesistas na sala de cirurgia. Int J Clin Monitorar Computação 2: 47-55

McKinney, PW, MM Horowitz e RJ Baxtiola. 1989. Suscetibilidade do pessoal de saúde hospitalar à infecção pelo vírus varicela zoster. Am J Controle de Infecção 18: 26-30.

Melleby, A. 1988. Programa de exercícios para costas saudáveis. No Diagnóstico e Tratamento da Dor Muscular. Chicago, IL: Livros Quintessência.

Meyer, TJ, SE Eveloff, MS Bauer, WA Schwartz, NS Hill e PR Millman. 1994. Condições ambientais adversas nas unidades de terapia intensiva respiratória e médica. Peito 105: 1211-1216.

Miller, E, J Vurdien e P Farrington. 1993. Mudança de idade na varicela. Lanceta 1: 341.

Miller, JM. 1982. William Stewart Halsted e o uso da luva cirúrgica de borracha. Cirurgia 92: 541-543.

Mitsui, T, K Iwano, K Maskuko, C Yanazaki, H Okamoto, F Tsuda, T Tanaka e S Mishiros. 1992. Infecção pelo vírus da hepatite C em pessoal médico após acidentes com agulhas. Hepatologia 16: 1109-1114.

Modig, B. 1992. Ergonomia hospitalar numa perspectiva biopsicossocial. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Momtahan, K, R Hétu e B Tansley. 1993. Audibilidade e identificação de alarmes sonoros em centro cirúrgico e unidade de terapia intensiva. Ergonomia 36 (10): 1159-1176.

Momtahan, KL e BW Tansley. 1989. Uma análise ergonômica dos sinais sonoros de alarme na sala de cirurgia e na sala de recuperação. Apresentado na Reunião Anual da Associação Acústica Canadense, 18 de outubro, Halifax, NS.

Montoliu, MA, V Gonzalez, B Rodriguez, JF Quintana e L Palenciano.1992. Condições de trabalho na blanchisserie centrale des grands hôpitaux de Madrid. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Moore, RM, YM Davis e RG Kaczmarek. 1993. Uma visão geral dos riscos ocupacionais entre veterinários, com referência particular a mulheres grávidas. Am J Ind Hyg Assoc 54 (3): 113-120.

Morel, O. 1994. Les agents des services hospitaliers. Vécu et santé au travail. Arco mal prof. 54 (7): 499-508.

Nachemson, AL e GBJ Anderson. 1982. Classificação da dor lombar. Scand J Work Environment Health 8: 134-136.

Serviço Nacional de Saúde (SNS). 1991a. Guia de Projeto. O Projeto de Hospitais Comunitários. Londres: Escritório de Papelaria de Sua Majestade.

—. 1991b. Prédio da Saúde Nota 46: Instalações da Clínica Médica Geral para a Prestação de Serviços de Atenção Primária à Saúde. Londres: Escritório de Papelaria de Sua Majestade.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1975. Desenvolvimento e Avaliação de Métodos para Eliminação de Resíduos de Gases e Vapores Anestésicos em Hospitais. Publicação DHEW (NIOSH) No. 75-137. Cincinnati, OH: NIOSH.

—. 1997a. Controle da Exposição Ocupacional ao N2O no Cirúrgico Dentário. Publicação DHEW (NIOSH) No. 77-171. Cincinnati, OH: NIOSH.

—. 1977b. Critérios para um Padrão Recomendado: Exposição Ocupacional a Resíduos de Gases e Vapores Anestésicos. DHEW (NIOSH) Publicação No. 77-1409. Cincinnati, OH: NIOSH.

—. 1988. Diretrizes para proteger a segurança e a saúde dos profissionais de saúde. Publicação DHHS (NIOSH) No. 88-119. Cincinnati, OH: NIOSH.

—. 1994. Alerta NIOSH: Solicitação de assistência no controle de exposições ao óxido nitroso durante a administração de anestésicos. Publicação DHHS (NIOSH) No. 94-100. Cincinnati, OH: NIOSH.

Niu, MT, DS Stein e SM Schnittmann. 1993. Infecção primária pelo vírus da imunodeficiência humana tipo 1: Revisão da patogênese e intervenções de tratamento precoce em infecções por retrovírus humanos e animais. J Infect Dis 168: 1490-1501.

Noweir, MH e MS al-Jiffry. 1991. Estudo da poluição sonora nos hospitais de Jeddah. Jornal da Associação Egípcia de Saúde Pública 66 (3/4):291-303.

Nyman, eu e A. Knutsson. 1995. Bem-estar psicossocial e qualidade do sono em trabalhadores hospitalares noturnos e diurnos. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Objetivo Prevenção No especial. 1994. Le lève personne sur rail au plafond: Outil de travail indispensável. Objectif Prevenção 17 (2): 13-39.

O'Carroll, TM. 1986. Levantamento de alarmes em unidade de terapia intensiva. Anestesia 41: 742-744.

Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). 1991. Exposição Ocupacional a Patógenos Transmitidos pelo Sangue: Regra Final. 29 CFR Parte 1910.1030. Washington, DC: OSHA.

Oëler, JM. 1993. Cuidados de desenvolvimento de bebês com baixo peso ao nascer. Clínicas de enfermagem da América do Norte 28 (2): 289-301.

Öhling, P e B Estlund. 1995. Técnica de trabalho para profissionais de saúde. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander G. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Ollagnier, E, Lamarche MJ. 1993. Uma intervenção ergonômica em um hospital suíço: Impacto na saúde da organização do pessoal e dos pacientes. No Ergonomia e saúde, editado por D Ramaciotti e A Bousquet. Actes du XXVIIIe congresso do SELF. Genebra: SELF.

Ott, C, M Estryn-Béhar, C Blanpain, A Astier e G Hazebroucq. 1991. Conditionnement du médicament et erreurs de médication. Clínica J.Farm 10: 61-66.

Patkin, M. 1992. Arquitetura hospitalar: um desastre ergonômico. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Pagador, L. 1988. Medicina e Cultura: A Variedade de Tratamento nos Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha Ocidental e França. Nova York: H. Holt.

Payne, R e J Firth-Cozens (eds.). 1987. Estresse em Profissões de Saúde. Nova York: John Wiley & Sons.

—. 1995. Determinação de óxido de dinitrogênio (N2O) na urina como controle da exposição anestésica. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hoffmann, U Stössel e G Westlander. Solna: Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.

PELIKAN, JM. 1993. Melhorando a saúde ocupacional para profissionais de saúde no hospital promotor de saúde: experiências do projeto modelo de Viena da OMS “saúde e hospital”. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Pérez, L, R De Andrés, K. Fitch e R Najera. 1994. Seroconversiones a VIH tras Sanitarios en Europa. Apresentado na 2ª Reunião Nacional sobre el SIDA Cáceres.

Philip, RN, KRT Reinhard e DB Lackman. 1959. Observações sobre uma epidemia de caxumba em uma população “virgem”. Sou J Hyg 69: 91-111.

Pottier, M. 1992. Ergonomia à l'hôpital-hospital ergonomia. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Poulton, EC, GM Hunt, A Carpenter e RS Edwards. 1978. O desempenho dos médicos juniores do hospital após sono reduzido e longas horas de trabalho. Ergonomia 21: 279-295.

Pöyhönen, T e M Jokinen. 1980. SÁrvores e outros problemas de saúde ocupacional que afetam os enfermeiros hospitalares. Vantaa, Finlândia: Tutkimuksia.

Raffray, M. 1994. Etude de la charge physique des AS par mesure de la frequence cardiaque. Soins objetivos 26: 55-58.

Ramaciotti, D, S Blaire, A Bousquet, E Conne, V Gonik, E Ollagnier, C Zummermann e L Zoganas. 1990. Processus de régulation des contraintes économiques physiologiques et sociales pour différents groupes de trail en horaires irréguliers et de nuit. O trabalho humano 53 (3): 193-212.

Rúben, DB. 1985. Sintomas depressivos em médicos internos: Efeitos do nível de treinamento e rotação de trabalho. Arch Intern Med 145: 286-288.

Reznick, RK e JR Folse. 1987. Efeito da privação do sono no desempenho de residentes cirúrgicos. Am J Surg 154: 520-52.

Rhoads, JM.1977. Excesso de trabalho. JAMA 237: 2615-2618.

Rodary, C e A Gauvain-Piquard 1993. Stress et épuisement professionnel. Soins objetivos 16: 26-34.

Roquelaure, Y, A Pottier e M Pottier. 1992. Approche ergonomique comparative de deux enregistreurs electroencéphalographiques. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Rosell, MG, P Luna e X Guardino. 1989. Avaliação e controle de contaminantes químicos em hospitais. Documento técnico nº 57. Barcelona: INSHT.

Rubin, R, P Orris, SL Lau, DO Hryhorczuk, S Furner e R Letz. 1991. Efeitos neurocomportamentais da experiência de plantão em médicos internos. J Ocupa Med 33: 13-18.

Saint-Arnaud, L, S Gingras, R Boulard., M Vezina e H Lee-Gosselin. 1992. Les symptômes psychologiques en milieu hospitalier. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Samkoff, JS, CHM Jacques. 1991. Uma revisão dos estudos sobre os efeitos da privação do sono e da fadiga no desempenho dos residentes. Academia Médica 66: 687-693.

Sartori, M, G La Terra, M Aglietta, A Manzin, C Navino e G Verzetti. 1993. Transmissão da hepatite C por respingo de sangue na conjuntiva. Scand J Infect Dis 25: 270-271.

Saurel, D. 1993. CHSCT Central, Enquete “Rachialgies” Resultados. Paris: Assistance Publique-Höpitaux de Paris, Direção de pessoal e relações sociais.

Saurel-Cubizolles, MJ, M Hay e M Estryn-Béhar. 1994. Trabalho em centro cirúrgico e resultado da gravidez entre enfermeiras. Int Arch Occup Ambiente Saúde 66: 235-241.

Saurel-Cubizolles, MJ, MKaminski, J Llhado-Arkhipoff, C Du Mazaubrum, M Estryn-Behar, C Berthier, M Mouchet e C Kelfa. 1985. Gravidez e seus resultados entre o pessoal do hospital de acordo com ocupação e condição de trabalho. Jornal de Epidemiologia e Saúde Comunitária 39: 129-134.

Schröer, CAP, L De Witte e H Philipsen. 1993. Efeitos do trabalho por turnos na qualidade do sono, queixas de saúde e consumo médico de enfermeiras. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Senevirane, SR, De A e DN Fernando. 1994. Influência do trabalho no resultado da gravidez. Int J Ginecologia Obstetrícia VOL.: 35-40.

Shapiro, ET, H Pinsker e JH Shale. 1975. O médico com doença mental como praticante. JAMA 232 (7): 725-727.

Shapiro, RA e T Berland. 1972. Ruído na sala de cirurgia. New Engl J Med 287 (24): 1236-1238.

Shindo, E. 1992. A condição atual da ergonomia de enfermagem no Japão. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Siegel, A, M Michaelis, F Hofmann, U Stössel e W Peinecke. 1993. Uso e aceitação de auxiliares de elevação em hospitais e lares geriátricos. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Smith, MJ, MJ Colligan, IJ Frocki e DL Tasto. 1979. Taxas de lesões ocupacionais entre enfermeiros em função do horário de turno. Jornal de Pesquisa de Segurança 11 (4): 181-187.

Smith-Coggins, R, MR Rosekind, S Hurd e KR Buccino. 1994. Relação do sono diurno versus noturno com o desempenho e humor do médico. Ann Emerg Med 24: 928-934.

Snook, SH. 1988a. Abordagens para o controle da dor nas costas na indústria. No Dor nas costas em trabalhadores, editado por RA Deyo. Filadélfia: Hanley & Belfus.

—. 1988b. Os custos da dor nas costas na indústria. No Dor nas costas em trabalhadores, editado por RA Deyo. Filadélfia: Hanley & Belfus.

South, MA, JL Sever e L Teratogen. 1985. Atualização: A síndrome da rubéola congênita. Teratologia 31: 297-392.

Spence, AA. 1987. Poluição ambiental por anestésicos inalatórios. Ir. J Anaesth 59: 96-103.

Stellman, JM. 1976. Trabalho Feminino, Saúde da Mulher: Mitos e Realidades. Nova York: Panteão.

Steppacher, RC e JS Mausner. 1974. Suicídio em médicos do sexo masculino e feminino. JAMA 228 (3): 323-328.

Sterling, DA. 1994. Visão geral de saúde e segurança no ambiente de saúde. No Fundamentos da Segurança Hospitalar Moderna, editado por W. Charney. Boca Raton, FL: Lewis Publishers.

Stoklov, M, P Trouiller, P Stieglitz, Y Lamalle, F Vincent, A Perdrix, C Marka, R de Gaudemaris, JM Mallion e J Faure. 1983. L'exposition aux gaz anethésiques: Risques et prévention. Sem Hôs 58(29/39):2081-2087.

Storer, JS, HH Floyd, WL Gill, CW Giusti e H Ginsberg. 1989. Efeitos da privação do sono na capacidade cognitiva e nas habilidades dos residentes de pediatria. Academia Médica 64: 29-32.

Stubbs, DA, PW Buckle e PM Hudson. 1983. Dor nas costas na profissão de enfermagem; I Epidemiologia e metodologia piloto. Ergonomia 26: 755-765.

Sundström-Frisk C e M Hellström.1995. O risco de cometer erros de tratamento, um estressor ocupacional. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Swann-D'Emilia, B, JCH Chu e J Daywalt. 1990. Má administração da dose de radiação prescrita. Dosimetria Médica 15: 185-191.

Sydow, B e F Hofmann. 1994. Resultados não publicados.

Tannenbaum, TN e RJ Goldberg. 1985. Exposição a gases anestésicos e resultados reprodutivos: Uma revisão da literatura epidemiológica. J Ocupa Med 27: 659-671.

Teyssier-Cotte, C, M Rocher e P Mereau. 1987. Les lits dans les établissements de soins. Documents pour le médecin du travail. INRS 29: 27-34.

Theorell, T. 1989. O ambiente de trabalho psicossocial. No Riscos ocupacionais nas profissões de saúde, editado por DK Brune e C Edling. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Theorell T. 1993. Sobre o ambiente psicossocial em cuidados. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Tintori, R e M Estryn-Béhar. 1994. Comunicação: Où, quand, comment? Critérios ergonômicos para melhorar a comunicação nos serviços de som. Gesções Hospitaleiras 338: 553-561.

Tintori, R, M Estryn-Behar, J De Fremont, T Besse, P Jacquenot, A Le Vot e B Kapitaniak. 1994. Evaluation des lits à hauteur variable. Une démarche de recherche en soins enfermiers. Gesções Hospitaleiras 332: 31-37.

Tokars, JI, R Marcus, DH Culver, CA Schable, PS McKibben, CL Bandea e DM Bell. 1993. Vigilância da infecção pelo HIV e uso de zidovudina entre profissionais de saúde após exposição ocupacional a sangue infectado pelo HIV. Ann Intern Med 118: 913-919.

Toomingas, A. 1993. A situação de saúde entre os profissionais de saúde suecos. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Topf, M. 1992. Efeitos do controle pessoal sobre o ruído hospitalar no sono. Pesquisa em Enfermagem e Saúde 15 (1): 19-28.

Tornquist, A e P Ullmark. 1992. Espaço Corporativo e Arquitetura, Atores e Procedimentos. Paris: Ministère de l'équipement du logement et des transports.

Townsend, M. 1994. Apenas uma luva? Br J Teatro Enfermeiras 4 (5): 7,9-10.

Tran, N, J Elias, T Rosenber, D Wylie, D Gaborieau e A Yassi. 1994. Avaliação de gases anestésicos residuais, estratégias de monitoramento e correlações entre níveis de óxido nitroso e sintomas de saúde. Am Ind Hyg Assoc J 55 (1): 36-42.

Turner, AG, CH King e G Craddock. 1975. Medindo e reduzindo o ruído. O perfil de ruído do hospital mostra que mesmo as áreas “silenciosas” são muito barulhentas. Hospital JAHA 49: 85-89.

Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA. 1989. Guia para Serviços Preventivos Clínicos: Uma Avaliação da Eficácia de 169 intervenções. Baltimore: Williams & Wilkins.

Vaillant, GE, NC Sorbowale e C McArthur. 1972. Algumas vulnerabilidades psicológicas dos médicos. New Engl J Med 287: 372-375.

Vaisman, AI. 1967. Condições de trabalho em cirurgia e seus efeitos na saúde dos anestesiologistas. Eskp Khir Anesteziol 12: 44-49.

Valentino, M, MA Pizzichini, F Mônaco e M Governa. 1994. Asma induzida por látex em quatro profissionais de saúde em um hospital regional. Ocupar Med (Oxf) 44 (3): 161-164.

Valko, RJ e PJ Clayton. 1975. Depressão nos internatos. Sistema Dis Nerv 36: 26-29.

Van Damme, P e GA Tormanns. 1993. Modelo de risco europeu. No Proceedings of the European Conference on Hepatitis B as a Occupatioonal Hazard. 10-12.

Van Damme, P, R Vranckx, A Safary, FE Andre e A Mehevs. 1989. Eficácia protetora de uma vacina de ácido desoxirribonucleico recombinante contra hepatite B em clientes com deficiência mental institucionalizados. Am J Med 87(3A):265-295.

Van der Star, A e M Voogd. 1992. Participação do usuário no projeto e avaliação de um novo modelo de cama hospitalar. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Van Deursen, CGL, CAM Mul, PGW Smulders e CR De Winter. 1993. Situação de saúde e trabalho de enfermeiros diurnos em comparação com um grupo pareado de enfermeiros em turnos rotativos. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Van Hogdalem, H. 1990. Diretrizes de projeto para arquitetos e usuários. No Edifício para Pessoas em Hospitais, Trabalhadores e Consumidores. Luxemburgo: Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e de Trabalho.

Van Waggoner, R e N Maguire. 1977. Um estudo sobre perda auditiva entre funcionários de um grande hospital urbano. Revista Canadense de Saúde Pública 68: 511-512.

Verhaegen, P, R Cober, DE Smedt, J Dirkx, J Kerstens, D Ryvers e P Van Daele. 1987. A adaptação dos enfermeiros nocturnos aos diferentes horários de trabalho. Ergonomia 30 (9): 1301-1309.

Villeneuve, J. 1992. Une demarche d'ergonomie participative dans le secteur hôspitalier. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

—. 1994. PARC: Des Foundations Solides para um projeto de renovação ou de construção prevenção objetiva (Montreal) 17(5):14-16.

Wade, JG e WC Stevens. 1981. Isoflurano: Um anestésico para os anos oitenta? Anesth Analg 60 (9): 666-682.

Wahlen, L. 1992. Ruído no ambiente de terapia intensiva. Revista Canadense de Enfermagem em Cuidados Intensivos, 8/9(4/1):9-10.

Walz, T, G Askerooth e M Lynch. 1983. O novo estado de bem-estar de cabeça para baixo. No Serviço social em um mundo turbulento, editado por M Dinerman. Washington, DC: Associação Nacional de Assistentes Sociais.

Varinhas, SE e A Yassi. 1993. Modernização de uma planta de processamento de lavanderia: é realmente uma melhoria? Ergon appl 24 (6): 387-396.

Weido, AJ e TC Sim. 1995. O crescente problema da sensibilidade ao látex. Luvas cirúrgicas são apenas o começo. Postgrad Med 98(3):173-174,179-182,184.

Wiesel, SW, HL Feffer e RH Rothmann. 1985. Lombalgia Industrial. Charlottesville, VA: Michie.

Wigaeus Hjelm, E, M Hagberg e S Hellstrom. 1993. Prevenção de distúrbios musculoesqueléticos em auxiliares de enfermagem por treinamento físico. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Landsberg/Lech: Ecomed Verlag.

Wigand, R e Y Grenner. 1988. Personaluntersuchungen auf Immunität gegen Masern, Varizellen und Röteln, Saarländ. Ärztebl 41: 479-480.

Wilkinson, RT, PD Tyler e CA Varey. 1975. Jornada de trabalho de jovens médicos hospitalares: Efeitos na qualidade do trabalho. J Ocupa Psicol 48: 219-229.

Willet, K.M. 1991. Perda auditiva induzida por ruído em equipe ortopédica. J Bone Joint Surg 73: 113-115.

Williams, M e JD Murphy. 1991. Ruído em unidades de terapia intensiva: Uma abordagem de garantia de qualidade. Revista de Qualidade da Assistência de Enfermagem 6 (1): 53-59.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1990. Diretrizes sobre AIDS e Primeiros Socorros no Local de Trabalho. OMS AIDS Series No. 7. Genebra: OMS.

—. 1991. Diretrizes de Biossegurança para Laboratórios de Diagnóstico e Pesquisa que Trabalham com HIV. OMS AIDS Series No. 9. Genebra: OMS.

—. 1995. Boletim Epidemiológico Semanal (13 de janeiro).

Wugofski, L. 1995. Acidente ocupacional em profissionais de saúde – Epidemiologia e prevenção. No Saúde Ocupacional para Profissionais de Saúde, editado por M Hagberg, F Hofmann, U Stössel e G Westlander. Cingapura: Comissão Internacional de Saúde Ocupacional.

Yassi, A. 1994. Agressão e abuso de profissionais de saúde em um grande hospital universitário. Can Med Assoc J 151 (9): 1273-1279.

Yassi, A e M McGill. 1991. Determinantes da exposição a sangue e fluidos corporais em um grande hospital universitário: Perigos do procedimento intravenoso intermitente. Jornal Americano de Controle de Infecção 19 (3): 129-135.

—. 1995. Eficácia e custo-efetividade de um sistema de acesso intravenoso sem agulha. Jornal Americano de Controle de Infecção 22 (2): 57-64.

Yassi, A, J Gaborieau, J Elias e D Willie. 1992. Identificação e controle de níveis perigosos de ruído em um complexo hospitalar. No Ergonomia à l'hôpital (Ergonomia Hospitalar), editado por M Estryn-Béhar, C Gadbois e M Pottier. Simpósio Internacional Paris 1991. Toulouse: Editions Octares.

Yassi, A, D Gaborieau, I Gi