Terça-feira, 15 Março 2011 14: 32

A Indústria do Varejo

Classifique este artigo
(0 votos)

O comércio varejista é a venda de bens aos consumidores. As empresas vendem de tudo, de automóveis a roupas, de alimentos a aparelhos de televisão. Em muitos países, o que antes era uma indústria composta principalmente por pequenas lojas e armazéns, agora consiste em grande parte de conglomerados multinacionais que possuem grandes megalojas competindo pelo mercado global. A concorrência e as mudanças tecnológicas mudaram as descrições de trabalho, os riscos associados a esses trabalhos e a natureza da própria força de trabalho.

Nos países desenvolvidos, pequenos varejistas lutam para competir com grandes varejistas corporativos. Nos Estados Unidos, Canadá e em toda a Comunidade Européia e na Orla do Pacífico, o comércio varejista mudou do centro da cidade para os shoppings suburbanos. Em vez das lojas “mom and pop” do bairro, as cadeias de lojas multinacionais vendem os mesmos produtos e as mesmas marcas, limitando efetivamente a escolha do produto pelo consumidor e forçando a concorrência para fora do mercado por seu poder de compra, capacidade de publicidade e preços mais baixos. Muitas vezes, uma grande loja terá uma perda em certos produtos para trazer clientes para uma loja; esta técnica freqüentemente gera outras vendas.

Nos países em desenvolvimento com economias predominantemente agrárias, os sistemas de troca e os mercados abertos ainda são comuns. No entanto, em muitos países em desenvolvimento, os grandes varejistas multinacionais estão começando a entrar no mercado varejista.

Cada tipo de estabelecimento tem seus próprios perigos. O trabalho de varejo em países em desenvolvimento e em transição costuma ser muito diferente do trabalho de varejo em países desenvolvidos; os conglomerados com grandes cadeias de lojas ainda não são dominantes e o trabalho de varejo é realizado principalmente em um mercado ao ar livre, em todos os tipos de clima.

Há uma tendência entre os conglomerados multinacionais de tentar mudar as condições de emprego: o sindicalismo é desencorajado, o pessoal é reduzido ao mínimo, os salários caem, as lojas contratam predominantemente trabalhadores em meio período, a idade média da força de trabalho é reduzida e os pacotes de benefícios diminuir.

Em todo o mundo, os horários de funcionamento das lojas mudaram, de modo que alguns estabelecimentos permanecem abertos 24 horas por dia, 7 dias por semana. Antigamente, o trabalhador que trabalhava até tarde da noite ou em feriado recebia uma remuneração extra; agora, o pagamento do prêmio por trabalhar essas horas foi retirado, pois essas longas horas se tornaram a norma. Nos EUA, por exemplo, os feriados tradicionais agora são negociáveis ​​quando a loja fica aberta 24 horas por dia, 7 dias por semana.

As mudanças na natureza de como os negócios são conduzidos forçaram várias mudanças fundamentais na força de trabalho. Uma vez que muitos empregos foram marginalizados para o trabalho de meio período, os próprios empregos exigem pouca habilidade e os trabalhadores não recebem treinamento. Trabalhadores que antes faziam carreira no varejo, agora mudam de emprego com frequência ou até mesmo deixam o trabalho no varejo, que se tornou de curto prazo e meio período.

O tamanho da força de trabalho no setor de varejo é difícil de estimar. O setor informal desempenha um papel significativo nos países em desenvolvimento (ver “Estudo de caso: mercados ao ar livre”). Muitas vezes, os problemas de saúde e segurança passam despercebidos, não são registrados pelo governo e são considerados parte do trabalho.

Em muitos dos países que mantêm estatísticas, os trabalhadores de varejo, atacado e restaurantes e hotéis são agrupados em uma categoria. Estatísticas de todo o mundo mostram que a porcentagem de pessoas que trabalham no comércio atacadista, varejista, de restaurantes e hotéis varia de mais de 20% em alguns países da Ásia a menos de 3% em Burkina Faso (ver tabela 1 ). Embora os homens superem as mulheres na força de trabalho, a porcentagem de mulheres no setor de varejo é maior em pelo menos metade dos países para os quais existem estatísticas disponíveis.

Tabela 1. Estatísticas trabalhistas no setor de varejo (países selecionados)

País

Homens na força de trabalho (%)

homens em
atacado
e comércio varejista;
restaurantes e
hotéis (%)

Mulheres na força de trabalho (%)

Mulheres em
atacado
e comércio varejista;
restaurantes e
hotéis (%)

População total em
Atacado e varejo
troca; restaurantes
e hotéis (%)

Número total
de pessoas
ferido

Pessoas feridas
no varejo
indústria (%)

Burquina Faso

51.3

1.0

48.7

1.5

2.6

1,858

8.71

Localização: Costa Rica

69.9

11.0

30.1

7.4

18.4

156,782

7.02

Egito

75.9

7.3

24.1

1.2

8.4

60,859

2.52

Alemanha

52.3

4.5

47.7

7.0

11.5

29,847

20.13

Grécia

63.0

10.9

37.0

7.0

17.0

23,959

10.54

Itália

63.1

11.7

36.9

6.9

8.6

767,070

8.15

Japão

59.5

11.0

40.5

10.9

21.9

2,245

9.7

México

69.1

10.8

30.9

9.6

20.5

456,843

16.96

Nederland

58.9

9.1

41.1

8.0

17.1

64,657

16.5

Noruega

54.5

7.9

45.5

8.9

16.7

26,473

5.0

Singapore

59.8

13.2

40.2

9.0

22.0

4,019

0.27

Suécia

52.0

6.8

48.0

6.5

13.3

43,459

6.6

ประเทศไทย

55.5

5.8

49.5

6.8

12.6

103,296

3.18

Reino Unido

56.2

8.3

43.8

9.5

17.8

157,947

11.09

Estados Unidos

54

11.1

46.0

10.0

21

295,340

23.610

1 Incluindo acidentes de trajeto; incluindo doenças ocupacionais.
2 Incluindo acidentes de trajeto; estabelecimentos que empregam 100 ou mais trabalhadores.
3 A série referia-se ao território da República Federal da Alemanha antes de 1990;
incluindo acidentes de trânsito.
4 Incluindo doenças ocupacionais;.incluindo casos não fatais sem afastamento.
5 Incluindo acidentes de trajeto; pessoas que perderam mais de três dias de trabalho
por período de invalidez.
6 Incluindo casos não fatais sem dias de trabalho perdidos.
7 Incluindo acidentes de trajeto; incluindo doenças ocupacionais;
incluindo casos não fatais sem dias de trabalho perdidos.
8 Incluindo acidentes de trajeto.
9 Somente funcionários; excluindo acidentes de trânsito; ano a partir de abril de 1993.
10 Incluindo doenças ocupacionais.
Fontes: Relatórios dos países: Costa Rica 1994; Grécia 1992, 1994; México 1992, 1996; Cingapura 1994, 1995; Tailândia 1994, 1995; Euro-FIET Commerce Trade Section 1996; OIT 1994, 1995; Preço Waterhouse 1991.

Operações, Perigos e Prevenção

Caixas

Muitos caixas trabalham em caixas registradoras mecanizadas que os obrigam a digitar milhares de vezes por dia para marcar o preço do artigo. A perfuração da chave geralmente é feita com a mão direita, enquanto os produtos são movidos da frente do caixa para a parte traseira do caixa para embalagem com a mão esquerda. Essas atividades de trabalho freqüentemente envolvem estações de trabalho mal projetadas, fazendo com que os caixas levantem produtos pesados, alcancem amplamente os produtos e freqüentemente torçam o corpo para mover os produtos de uma área para outra. Esta função de trabalho coloca cargas diferentes em cada lado do corpo, causando dores na parte inferior das costas, doenças nas extremidades superiores e doenças de movimentos repetitivos, incluindo tendinite, síndrome do túnel do carpo, tenossinovite, síndrome do desfiladeiro torácico e problemas no quadril, nas pernas e nos pés.

Estações de trabalho bem projetadas, com scanners automáticos, transportadores de altura de trabalho flexíveis, estações de ensacamento rebaixadas, pessoal extra para embalar os produtos e assentos flexíveis (para que os caixas possam sentar para aliviar a pressão na região lombar e nas pernas) ajudam a eliminar pressões e tensões nas extremidades superiores e movimentos de torção.

lasers

Leitores de código de barras e scanners portáteis em supermercados são geralmente lasers de Classe 2, que produzem radiação infravermelha na faixa de comprimento de onda de 760 a 1,400 nm; eles são considerados não perigosos, a menos que haja visualização prolongada do feixe de laser. Um laser produz uma luz de alta intensidade que pode danificar a retina do olho. Os olhos são vulneráveis ​​ao calor, não possuem sensores de calor e não dissipam o calor de forma eficiente. As práticas de segurança recomendadas devem incluir, no mínimo, o treinamento dos trabalhadores sobre os perigos de olhar para o feixe de luz e os danos aos olhos que podem ocorrer. Os exames oftalmológicos básicos devem ser incluídos em um programa de proteção do trabalhador para garantir que nenhum dano tenha ocorrido.

Clerks

Os balconistas transportam grandes quantidades de produtos dos caminhões para a doca de carga e depois para as prateleiras na área de vendas da loja. Os produtos vêm embalados em caixas de vários pesos. Descarregar caminhões manualmente e mover as caixas de produtos para a frente da loja pode causar problemas musculoesqueléticos. Precificar os itens e colocá-los nas prateleiras coloca uma pressão tremenda nas costas, pernas e pescoço. O uso de uma arma de preços pode causar a síndrome do túnel do carpo e outras LERs, colocando tensão excessiva e repetida no pulso, dedos e palma da mão. Abrir caixas com uma faca ou lâmina pode causar cortes nas mãos, braços e outras partes do corpo. Cortar papelão com uma faca cega requer pressão extra, o que coloca pressão extra nas palmas das mãos.

Auxiliares mecânicos de levantamento, como empilhadeiras, caminhões manuais, carrinhos e carrinhos ajudam a mover itens de uma parte da loja para outra. Mesas, macacos tipo tesoura e carrinhos móveis podem ajudar a colocar os itens em uma boa altura e ajudar os balconistas a colocar o produto nas prateleiras sem tensão nas costas devido ao levantamento e torção. Armas de precificação automatizadas ou mercadorias embaladas já rotuladas evitarão tensões no pulso e nas extremidades superiores devido a movimentos repetidos. Facas afiadas impedirão movimentos fortes ao abrir caixas.

Cortadores de carne e trabalhadores de delicatessen

Cortadores de carne e trabalhadores de delicatessen trabalham com serras, moedores, fatiadores e facas (ver figura 1). Quando as lâminas da máquina não são protegidas, ficam presas ou soltas, os dedos podem ser cortados, cortados, esmagados ou machucados. As máquinas devem estar firmemente ancoradas ao chão para evitar tombamento e movimentação. As lâminas devem ser mantidas livres de detritos. Se uma máquina estiver emperrada, devem ser usados ​​dispositivos de madeira para destravar a máquina com a energia desligada. Nenhuma máquina deve ser desbloqueada com a energia ainda ligada. As facas devem ser mantidas afiadas para evitar problemas nos pulsos, mãos e braços. Os cabos de facas, cutelos e maças devem ser mantidos limpos e antiderrapantes.

Figura 1. Corte manual em pequena escala de carne seca para venda local, Japão, 1989

OFR040F3

L. Manderson

Quando a carne é pesada mecanicamente e embalada em uma bandeja de isopor em um filme plástico selado com um elemento de aquecimento, os vapores e gases do plástico aquecido podem causar “asma do empacotador de carne” e irritação nos olhos, nariz e garganta, dificuldade em respirar, dores no peito, calafrios e febre. Ventilação de exaustão local (LEV) deve ser colocada perto do elemento de aquecimento para que esses vapores não sejam inalados pelos trabalhadores, mas sejam ventilados para fora do local de trabalho.

Os cortadores de carne entram e saem dos freezers várias vezes durante o dia. As roupas de trabalho devem incluir roupas pesadas para trabalhar no freezer.

Pisos e passarelas podem ficar escorregadios devido à carne, gordura e água. Escorregadelas, tropeções e quedas são causas comuns de lesões. Todo o material residual deve ser cuidadosamente descartado e mantido fora das superfícies de passagem. Os tapetes de caminhada e de pé devem ser limpos diariamente ou sempre que ficarem sujos.

Exposições químicas

Os trabalhadores do varejo estão cada vez mais expostos a produtos químicos perigosos em produtos de limpeza, pesticidas, raticidas, fungicidas e conservantes. Trabalhadores de ferragens, distribuidores automotivos e outros estão potencialmente expostos a produtos químicos perigosos devido ao estoque de tintas, solventes, ácidos, cáusticos e gases comprimidos. Os produtos químicos perigosos ou tóxicos variam de acordo com a natureza dos produtos que são estocados em cada estabelecimento. Estes podem incluir materiais não necessariamente considerados perigosos. Funcionários de lojas de departamentos, por exemplo, podem desenvolver sensibilidade e alergia a perfumes borrifados como demonstração.

Os produtos de limpeza usados ​​para limpar superfícies em supermercados e outros estabelecimentos varejistas podem conter cloro, amônia, álcoois, cáusticos e solventes orgânicos. Esses produtos podem ser utilizados pelas equipes de limpeza durante o turno da noite, em armazéns sem ventilação natural e quando o sistema de ventilação mecânica não estiver funcionando em plena capacidade. Esses produtos químicos afetam o corpo quando usados ​​no local de trabalho em intensidades e quantidades industriais. As informações sobre segurança química devem estar prontamente disponíveis no local de trabalho para leitura dos trabalhadores. Os recipientes de produtos químicos devem ser rotulados com o nome do produto químico e como o produto afeta o corpo, bem como quais equipamentos de proteção devem ser usados ​​para prevenir doenças. Os trabalhadores precisam ser treinados sobre os riscos à saúde associados ao uso de produtos químicos, como os produtos químicos entram no corpo e como evitar a exposição.

Os trabalhadores do varejo que se estabelecem na rua estão expostos à exaustão do tráfego de veículos motorizados, assim como os trabalhadores dos fundos da loja que inalam a exaustão dos caminhões de entrega parados nas baias dos caminhões. Os produtos da combustão incompleta no escapamento de veículos motorizados incluem, entre outros, monóxido de carbono e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos. Os gases de escape e as partículas afetam o corpo de várias maneiras. O monóxido de carbono causa tontura e náusea e atua como asfixiante, limitando a capacidade do sangue de usar oxigênio. Caminhões de entrega devem desligar os motores durante o descarregamento. Ventilação geral mecânica de exaustão pode ser necessária para ventilar o ar contaminado para longe dos trabalhadores. A manutenção e limpeza programadas de rotina são necessárias para manter o sistema de ventilação.

O formaldeído é freqüentemente usado em roupas e outros tecidos para evitar mofo. Pode afetar aqueles que o respiram. Em lojas com grandes estoques de roupas e tecidos sem sistemas adequados de ventilação natural ou mecânica, o gás formaldeído pode se acumular e irritar os olhos, nariz e garganta. O formaldeído pode causar irritação e alergias respiratórias e cutâneas e é considerado um provável carcinógeno.

Pesticidas, raticidas e fungicidas são freqüentemente usados ​​para manter os animais nocivos fora dos estabelecimentos. Eles podem afetar os sistemas nervoso, respiratório e circulatório de seres humanos, bem como insetos, roedores e plantas. É importante não pulverizar produtos químicos indiscriminadamente quando houver pessoas presentes e manter as pessoas afastadas das áreas pulverizadas até que seja seguro entrar nelas novamente. O aplicador de pesticidas deve ser treinado em métodos de trabalho seguros antes da aplicação de pesticidas.

Edifícios “apertados” – aqueles sem janelas que podem abrir e sem ventilação natural – são dependentes de sistemas de ventilação mecânica. Esses sistemas devem fornecer uma troca adequada de ar dentro do espaço e devem incluir ar fresco externo adequado. O ar deve ser aquecido ou resfriado dependendo da temperatura ambiente externa.

Saneamento

A higiene pessoal é importante no setor de varejo, especialmente quando os funcionários lidam com alimentos, dinheiro e produtos químicos perigosos. Banheiros e instalações para lavagem e bebida devem ser sanitários e estar disponíveis em áreas onde os funcionários possam usá-los durante o serviço. As instalações devem ter água corrente limpa, sabão e toalhas. Os funcionários devem ser incentivados a lavar bem as mãos após usar o banheiro e antes de retornar ao trabalho. Água potável limpa e fresca deve estar disponível em toda a área de trabalho. Uma boa limpeza é necessária para evitar pragas e acúmulo de lixo. O lixo deve ser recolhido regularmente.

As instalações sanitárias são difíceis de manter em mercados ao ar livre, mas deve-se tentar fornecer banheiros e lavatórios.

Clima

Nas feiras livres, os varejistas estão expostos às intempéries e sujeitos aos problemas relacionados ao calor e ao frio. Nos supermercados, os caixas costumam trabalhar na frente da loja, perto das portas que o público usa para entrar e sair, expondo os caixas a correntes de ar quente e frio. Os escudos de ar na frente das portas que vão para o lado de fora ajudarão a bloquear correntes de ar e manter a temperatura do ar na caixa registradora consistente com o resto da loja.

Prevenção de incêndio

Existem muitos riscos de incêndio em lojas de varejo, incluindo saídas trancadas ou bloqueadas, entrada e saída limitadas, materiais combustíveis e inflamáveis ​​e fiação elétrica e sistemas de aquecimento defeituosos ou temporários. Se os trabalhadores forem obrigados a combater um incêndio, eles devem ser treinados sobre como pedir ajuda, usar extintores de incêndio e evacuar o espaço. Os extintores de incêndio devem ser do tipo apropriado para o tipo de incêndio e devem ser inspecionados e mantidos regularmente. Simulações de incêndio são necessárias para que os trabalhadores saibam como sair da instalação durante uma emergência.

Estresse

Uma nova tendência no trabalho varejista, quando o estabelecimento pertence a um grande conglomerado, é a mudança do horário integral para o parcial. Muitas grandes lojas de varejo agora estão abertas 24 horas por dia, e muitas permanecem abertas todos os dias do ano, forçando os trabalhadores a trabalhar em horários “anti-sociais”. A interrupção do relógio biológico interno que controla os fenômenos físicos naturais, como o sono, causa sintomas como sonolência, distúrbios gastrointestinais, dores de cabeça e depressão. Mudança de turno, trabalho em feriados e trabalho em meio período causam estresse emocional e físico no trabalho e em casa. A vida familiar “normal” é severamente comprometida e a vida social significativa é restrita.

O horário noturno é cada vez mais prevalente, aumentando a sensação de insegurança quanto à segurança pessoal e o medo de roubos e outros tipos de violência no trabalho. Nos Estados Unidos, por exemplo, o homicídio é uma das principais causas de morte no trabalho para as mulheres, muitas dessas mortes ocorrendo durante roubos. Deve-se evitar lidar com dinheiro ou trabalhar sozinho ou tarde da noite. Uma revisão regular das medidas de segurança deve fazer parte de um programa de prevenção e segurança da violência.

O pagamento em tempo parcial, com poucos ou nenhum benefício, aumenta o estresse no trabalho e força muitos trabalhadores a encontrar empregos adicionais para sustentar suas famílias e manter os benefícios de saúde.

 

Voltar

Leia 7203 vezes Última modificação em terça-feira, 08 de novembro de 2011 00:47

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências para Escritórios e Comércio Varejista

Federação Americana do Trabalho e Congresso de Organizações Industriais (AFL-CIO). 1995. Estatísticas atuais sobre funcionários de colarinho branco. Publicação #95-3. Washington, DC: AFL-CIO, Departamento para Empregados Profissionais.

Arnetz, BB. 1996. Techno-stress: Um estudo psicofisiológico prospectivo do impacto de um programa de redução de estresse controlado no trabalho de design de sistema de telecomunicações avançado. Revista de Medicina Ocupacional e Ambiental 38 (1): 53-65.

Bequele, A. 1985. Trabalhadores nos setores rurais e urbanos informais em países em desenvolvimento. No Introdução às Condições e Ambiente de Trabalho, editado por JM Clerc. Genebra: OIT.

Biener, L. 1988. Gênero e Estresse. Nova Iorque: Free Press.

De Grip, A, J Hoevenberg e E Willems. 1997. Emprego atípico na União Europeia. Rev Trabalho Int 136 (1): 49-71.

Seção de Comércio Euro-FIET. 1996. Conferência sobre Transformação Econômica e Internacionalização nos Setores de Serviços e Finanças da Europa Central e Oriental, abril, Praga, República Tcheca.

Frankenhaeuser, M, U Lundberg e M. Chesney. 1991. Mulheres, trabalho e saúde: estresse e oportunidades. Nova York e Londres: Plenum Press.

Hetes, R, M Moore e C Northheim. 1995. Equipamento de escritório: oportunidades de design, emissões de ar interno e prevenção da poluição. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1990a. Classificação Padrão Internacional de Ocupações: ISCO-88. Genebra: OIT.

—. 1990b. Teletrabalho. Resumo das Condições de Trabalho. vol. 9(1). Genebra: OIT.

—. 1994. Anuário de Estatísticas do Trabalho. Genebra: OIT.

—. 1995. Anuário de Estatísticas do Trabalho. Genebra: OIT.

—. 1996. Trabalho infantil: visando o intolerável. Relatório VI(1), Conferência Internacional do Trabalho, 86ª Sessão. Genebra: OIT.

—. 1997. Tendências trabalhistas: Tendências trabalhistas. Revista Mundial do Trabalho OIT 19: 26-27.

Karasek, RA. 1979. Demandas de trabalho, latitude de decisão de trabalho e tensão mental: Implicações para o projeto de trabalho. Adm Ciência Q 24: 285-308.

—. 1990. Menor risco de saúde com maior controle do trabalho entre os trabalhadores de colarinho branco. J Órgão Comportamento 11: 171-185.

Maddi, SR e Kobasa, SC. 1984. The Hardy Executive: Saúde Sob Estresse. Homewood, IL: Dow Jones-Irwin.

Marselha, AJ. 1994. Trabalho e bem-estar numa sociedade etnoculturalmente pluralista: Questões conceptuais e metodológicas. No Estresse no Trabalho em uma Força de Trabalho em Mudança. Washington, DC: Associação Americana de Psicologia.

Murphy, L e J Hurrell, Jr. 1995. Intervenções de estresse no trabalho. No Gerenciando a segurança e a saúde no local de trabalho: o caso da mão de obra contratada na indústria petroquímica dos Estados Unidos. Washington, DC: Associação Americana de Psicologia.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1993. Atualização do NIOSH: NIOSH pede ação imediata para prevenir homicídio no local de trabalho. Publicação DHHS (NIOSH) No. 94-101. Cincinatti, OH: NIOSH.

Perry, GF. 1996. Fórum de medicina ocupacional. Revista de Medicina Ocupacional e Ambiental 38 (4): 339-341.

Preço Waterhouse. 1991. Fazendo negócios na Suécia. Nova York: Price Waterhouse.

Silvestri, G. 1993. A força de trabalho americana, 1992-2005: Emprego ocupacional: Grandes variações no crescimento. Revisão Mensal de Mão de Obra (Novembro).

Stellman, JM e MS Henifin. 1983. Trabalho de escritório pode ser perigoso para sua saúde. Nova York: Pantheon Books.

Stout, N, EL Jenkins e TJ Pizatella. 1996. Taxas de mortalidade por lesões ocupacionais nos Estados Unidos: Mudanças de 1980 a 1989. Sou J Saúde Pública 86 (1): 73-77.

Tagliacozzo, R e S Vaughn. 1982. Estresse e tabagismo em enfermeiras hospitalares. Sou J Saúde Pública. 72: 441-448.