17 bandeira

 

100. Serviços pessoais e comunitários

Editora de capítulos: Angela Babin


Conteúdo

Tabelas e Figuras

Serviços de limpeza interna
Karen bagunçando

Barbearia e Cosmetologia
Laura Stock e James Cone

Lavanderias, Vestuário e Lavagem a Seco
Gary S. Earnest, Lynda M. Ewers e Avima M. Ruder

Serviços funerários
Mary O. Brophy e Jonathan T. Haney

Trabalhadores domésticos
Ângela Babin

     Estudo de Caso: Questões Ambientais
     Michael McCann

Tabelas

Clique em um link abaixo para visualizar a tabela no contexto do artigo.

1. Posturas observadas durante a limpeza em um hospital
2. Produtos químicos perigosos usados ​​na limpeza

figuras

Aponte para uma miniatura para ver a legenda da figura, clique para ver a figura no contexto do artigo.

PCS020F4PCS020F5PCS020F1PCS030F1

Segunda-feira, 04 abril 2011 18: 07

Serviços de limpeza interna

Perfil Geral

A limpeza consiste em tirar o pó, lavar e polir as superfícies; paredes de lavagem; esfregar, varrer e polir pisos; bem como a eliminação de resíduos e águas residuais. É feito em escritórios, prédios públicos e comerciais, residências e fábricas. Pode ser feito em espaços confinados com pouca ventilação e em espaços não projetados para limpeza. Os faxineiros podem ser independentes ou empregados da empresa proprietária das instalações que estão sendo limpas, ou podem trabalhar para empreiteiros privados. Aqueles que limpam podem ser chamados de faxineiros, caseiros, chars, zeladores ou zeladores, dependendo dos espaços limpos e dos detalhes das tarefas atribuídas. Por exemplo, zeladores e zeladores podem combinar limpeza com manutenção e reparos.

Os faxineiros geralmente trabalham de forma relativamente autônoma, em comparação com outras categorias de empregos de prestígio semelhante. A fiscalização é feita por supervisores, embora os usuários dos espaços limpos também comentem o trabalho dos faxineiros. Os trabalhadores tendem a ordenar as próprias tarefas e desenvolver seus próprios procedimentos (Messing, Haëntjens e Doniol-Shaw 1993). No entanto, em espaços comerciais na América do Norte, as rotas dos limpadores têm sido cada vez mais determinadas usando software programado para levar em conta móveis, superfícies de piso e aglomeração. A frequência de operações desejada, a área a ser limpa e o tempo estimado para o tipo de área são utilizados para calcular o tempo total necessário. A inspeção pode ser feita usando um procedimento de verificação programada por computador. Alguns desses procedimentos podem subestimar severamente a tarefa executada em espaço compartilhado, especialmente se o inventário não for atualizado regularmente (Messing, Chatigny e Courville 1996).

No Canadá, a limpeza é a oitava profissão mais comum entre os homens e a décima entre as mulheres; as mulheres constituem 46% da profissão (Armstrong e Armstrong 1994). Na França, em 1991, 229,000 faxineiras trabalhavam para 9,000 empresas de limpeza; cerca de um terço eram imigrantes e 64% eram mulheres (Bretin 1994). Na Dinamarca, 85% dos 130,000 faxineiros são mulheres (Nielsen 1995). Em alguns países, as tarefas nas fábricas e nos serviços foram frequentemente divididas em “leves” e “pesadas”, atribuídas formal ou informalmente a trabalhadores femininos e masculinos, respectivamente, que podem ser pagos em taxas diferentes (Government of Quebec 1994). As mulheres podem tirar o pó e polir as superfícies, limpar os banheiros e esvaziar as cestas de lixo enquanto os homens varrem, esfregam e polim o chão e carregam os resíduos para os incineradores (Messing, Haëntjens e Doniol-Shaw 1993; Messing, Doniol-Shaw e Haëntjens 1993; Messing, Chatigny e Courville 1996 ). Em outros países, homens e mulheres podem ser designados para todas as tarefas de limpeza (Nielsen 1995; Hagner e Hagberg 1989). Os faxineiros costumam ser relativamente velhos em comparação com outros trabalhadores (Bretin et al. 1992; Messing 1991; Nielsen 1995).

Fatores de risco e estratégias de prevenção

A limpeza pode ser feita com ferramentas manuais, como escovas, vassouras, panos e esfregões, ou pode ser auxiliada por máquinas. Uma variedade de produtos químicos é usada para dissolver a sujeira e fazer com que as superfícies pareçam limpas e brilhantes. A dificuldade da tarefa varia em função do tipo de superfície (áspera, lisa, esburacada), da altura e geometria dos objetos a limpar, do grau de aglomeração dos espaços e das vocações exercidas nos espaços a limpar. Em alguns locais, a necessidade de limpeza pode ser reduzida ou eliminada por alterações no projeto do objeto limpo (como vasos sanitários com descarga automática).

Carga musculoesquelética

A limpeza, particularmente a limpeza de móveis e banheiros e o esvaziamento de lixeiras, envolve mudanças posturais rápidas e muitas posturas desajeitadas e constrangidas (ver tabela 1). Muitos objetos devem ser limpos, em várias alturas; uma sequência típica observada para tirar o pó em um quarto de hospital foi: mesa (81 cm), televisão (196 cm), mesa (81 cm), telefone (81 cm), luminária (estende até 188 cm), pé da mesa (11 cm) , cadeira (46 cm), tela (81 cm), poltrona (46 cm), peitoril da janela (89 cm), esfigmomanômetro de parede (154 cm), pernas da cadeira (chão até 46 cm), dispositivo de oxigênio (137 cm) (Messing , Chatigny e Courville 1995).

Tabela 1. Posturas observadas durante a limpeza do pó em um hospital.

Atividade

de duração

Extensão (%)

Neutro (%)

Flexão <45º (%)

Flexão ≥45º (%)

Não observável
em vídeo (%)

Posto de enfermagem limpo

3m, 26s

-

13.6

86.4

-

-

Cesto de lixo (3)

1m, 26s

-

19.8

71.1

9.2

-

Bath (2)

5m, 17s

2.8

26.6

63.1

7.5

-

Corredor do banheiro (2)

3m, 53s

6.6

18.6

71.0

3.8

0.3

Salas Limpas

8m, 45s

3.7

29.8

60.1

2.9

3.5

Área de recepção

3m, 13s

-

24.7

74.4

-

0.9

secretaria

10m, 20s

3.6

32.0

59.7

0.3

4.4

No geral

36m, 20s

3.0

26.4

65.8

2.7

2.2

Fonte: Messing, Chatigny e Courville 1995.

A limpeza do chão requer movimentos repetidos (tempo de ciclo fundamental de 1 a 2 segundos no estudo de Sogaard, Fallentin e Nielsen (1996)) e uma flexão moderada sustentada das costas. A pressão constante é exercida pelas mãos para empurrar aspiradores ou amortecedores, tarefas que requerem forças próximas a 10 kg (Messing, Chatigny e Courville 1996). Sogaard, Fallentin e Nielsen (1996) descobriram que a inclinação média para trás durante a limpeza do chão é de 28º e a flexão média do pescoço é de 51º. Hagner e Hagberg (1989) também notaram cargas musculares estáticas especialmente na articulação do ombro. Nordin et ai. (1986) encontraram extensa flexão do tronco para a frente em uma tarefa de zeladoria simulada envolvendo esfregar o chão. A limpeza de pisos e objetos geralmente é feita com movimentos repetidos. Sogaard (1994) sugere que os movimentos repetitivos sustentados com pausas pouco frequentes na atividade podem esgotar o número relativamente pequeno de fibras musculares envolvidas e resultar em distúrbios musculares.

Para limpar, muitos objetos devem ser movidos. Durante 66 minutos de limpeza e polimento de pisos, foi necessário movimentar 0.7 objetos por minuto, com peso de até 10 kg; durante 23 minutos de varredura, 3.7 objetos foram movidos por minuto, com pesos de até 2 kg (Messing, Chatigny e Courville 1995).

Winkel et ai. (1983) e Hagner e Hagberg (1989) observam que o aumento da especialização e padronização reduziu o número de oportunidades para variar os movimentos e posturas do corpo durante o trabalho de limpeza. Portanto, é importante fornecer tempo de pausa adequado. A divisão formal ou informal de tarefas de acordo com o sexo pode aumentar a probabilidade de problemas musculoesqueléticos ao diminuir a variação nos movimentos (Messing, Haëntjens e Doniol-Shaw 1993).

Carga cardiovascular

A carga cardiovascular pode ser bastante pesada. Johansson e Ljunggren (1989) registraram a frequência cardíaca de faxineiras durante a limpeza do escritório ou do banheiro em 123 batimentos/minuto, 65% do máximo para sua idade média de 29.8 anos (correspondente a cerca de 35% de seu consumo máximo de oxigênio estimado ou VO2 max, próximo ao dos trabalhadores da construção civil). A limpeza ou limpeza resultou em frequências cardíacas semelhantes de 122 a 127 batimentos/minuto. Hagner e Hagberg (1989) encontraram um alto nível de consumo de oxigênio (até 40% do VO2 max) entre limpadores que realizam a limpeza do chão em condições experimentais. Sogaard (1994) descobriu que a tensão cardiovascular relativa de faxineiras escolares medida no local de trabalho era de 53% do VO2 max.

Para evitar problemas músculo-esqueléticos e diminuir a carga cardiovascular, a carga de trabalho deve ser adequada e o tempo de descanso suficiente deve ser permitido. Deve-se prestar atenção à facilidade de limpeza quando os espaços e procedimentos estão sendo projetados e quando os móveis são adquiridos. Aspirar requer menos força se os tapetes forem colocados com cuidado para não enrugar quando o aspirador for passado. O uso de ferramentas adequadas é importante. Por exemplo, escovas extensíveis para tirar o pó podem reduzir a necessidade de alcançar ou escalar. A flexão prolongada pode ser minimizada se produtos químicos e ferramentas eficientes permitirem uma limpeza rápida e se a limpeza for frequente o suficiente para que a sujeira não endureça.

A prática comum de reduzir a taxa de ventilação em edificações durante o período vespertino ou noturno, quando da realização da limpeza, reduz a qualidade do ar para os trabalhadores da limpeza que trabalham nesses horários e deve ser evitada. Para evitar excesso de trabalho no caso em que a limpeza é planejada usando software adquirido, observação e verificação cuidadosas devem ser feitas para garantir que os tempos alocados sejam realistas e levem em consideração o uso múltiplo dos espaços limpos. Os inventários de salas e objetos limpos devem ser atualizados com frequência.

Procedimentos e aparelhos para esvaziar cestas de lixo em lixeiras e lixeiras em incineradores foram desenvolvidos para que o levantamento manual possa ser evitado.

produtos quimicos

Os produtos químicos podem ser classificados como sabões, detergentes, desinfetantes, limpadores de porcelana, pós de limpeza, removedores de cera e decapantes, solventes, pesticidas e limpadores de ralos. Eles podem conter outros ingredientes, como fragrâncias e corantes. Pode haver contato com a superfície da pele ou eles podem ser inalados ou absorvidos pela pele no sistema. Danos à pele, olhos, garganta ou pulmões podem ocorrer. O risco de exposição depende da concentração do produto químico e de como ele é usado. Os sprays volatilizam os produtos químicos e aumentam a exposição. Alguns produtos químicos são irritantes em baixa concentração e corrosivos em alta concentração (ácidos, agentes oxidantes ou bases). Outros são solventes ou detergentes eficazes que podem danificar a barreira da pele e torná-la mais vulnerável a outros agentes químicos. Outros ainda contêm metais (níquel, cobalto, cromo) ou outras substâncias que podem atuar como alérgenos.

Os agentes de limpeza são frequentemente vendidos em altas concentrações e diluídos no local para uso. A prática comum de usar produtos químicos em concentração maior do que a recomendada, na esperança de uma limpeza mais rápida ou eficiente, é uma fonte de superexposição e deve ser remediada por educação adequada e ajustando a carga de trabalho. A mistura de diferentes produtos químicos pode causar intoxicação acidental ou queimaduras. O trabalho com produtos químicos fortes em espaços mal ventilados pode ser um perigo para os limpadores e deve ser evitado.

A base de dados do registo de produtos dinamarquês PROBAS contém informações sobre 2,567 agentes de lavagem e limpeza. Destes, 70 são considerados agentes potencialmente nocivos que causam danos crônicos ou agudos à saúde, como corrosivos, carcinógenos, tóxicos reprodutivos, alérgenos e agentes neurotóxicos (Borglum e Hansen, 1994). Esses agentes são apresentados na tabela 2. Um estudo do registro PROBAS encontrou 33 alérgenos de contato em agentes de limpeza (Flyvholm 1993).

Tabela 2. Produtos químicos perigosos usados ​​na limpeza.†

 Produtos Químicos

 Saúde códigos de dano

 Outros perigos

solventes

butilglicol

N*

 

Isopropilbenzeno

N

 

Nafta, white spirit,

Solvente Stoddard

N, R

 

Tolueno

N, R

Inflamável

Etanol

R

Inflamável

2-etoxietanol

N, R

 

2-Metoxietanol

R

 

1-Metil-2-pirrolido

R

 

Óleo base, petróleo bruto

N

 

tetracloroetileno

N, R

 

1,1,1-Tricloroetano

N

 

xileno

N,R*

Inflamável

Butildiglicol

I

 

Ácidos e bases

Ácido acético

C

 

Hidróxido de amônio

I

Reage com alvejantes de cloro para liberar gás tóxico

Hidróxido de potássio

C

 

Carbonato de sódio

I

 

Hidróxido de sódio

C

 

Ácido fosfórico

C

 

Ácido sulfúrico

C

 

Monômeros residuais e impurezas

Formaldeído

A,K*

 

Fenol

N*

 

Benzeno

K,R,N

 

Acrilonitrilo

A, K

 

butilacrilato

A

 

Metilmetacrilato

A, R

 

Estireno

R

Inflamável

1-Propanol

N

Inflamável

Acrilato de etilo

A,K*

 

1,2-Etileno diamina

A

 

Óxido de etileno

A, K, R

Inflamável

Óxido de propileno

K

Inflamável

2-metilanilina

K

 

2-Propin-1-ol

N

 

Quelantes

EDTA de sódio (ácido etileno diamino tetraacético)

R

 

Sódio NTA (ácido nitrilotriacético)

K

 

antiferrugem

2-aminoetanol

N

 

Trietanolamina

A

 

Hexametileno tetramina

A

 

2-butin-1,4-diol

C, T

 

metassilicato dissódico

C, I

 

2-(3H)-benzotiazoltiona

A

 

Desinfetantes

bórax

R

 

Tetraborato dissódico

R

 

Morpholine

N

 

Cloreto de benzalcônio

C

 

Dicloroisocianurato de sódio

I

Reage com ácido para liberar gás tóxico

Hipoclorito de sódio

C

Reage com ácido ou amônia para liberar gases tóxicos

Agentes de preservação

1,2-Bensisotiazol-3(2H)-ona

A

 

5-Cloro-2-metil-3-isotiazolona

A

 

2-Metil-3-isotiazolona

A

 

2-cloracetamida

A

 

p-cloro-m-cresol

A

 

Hexahidro-1,3,5-tris-

(2-hidroxietil)1,3,5-triazina

A

 

1,5-Pentadiol

A

 

2-Bromo-2-nitro-1,3-propanodiol

T

 

enchimentos

quartzo

K

 

O dióxido de silício

K

 

Hidrogenossulfato de sódio

C

 

Produtos Digitais

Subtilisina (Enzima)

A

 

Sacarina sódica

K

 

peroxodissulfato de amônio

(Agente de branqueamento)

A

 

A = alérgeno; C = corrosivo; I = irritante; K = cancerígeno; N = agente neurotóxico; R = agente tóxico reprodutivo; T = tóxico se ingerido; * = perigo dependente da concentração.

A determinação da toxicidade foi feita pelo Instituto Dinamarquês de Saúde Ocupacional. 

†Observe que nem todos os agentes de limpeza foram testados para todas as propriedades tóxicas, de modo que esta lista não é necessariamente completa ou abrangente.

Fonte: Resumido de Borglum e Hansen 1994.

Os profissionais de limpeza que trabalham em fábricas ou hospitais podem estar expostos a produtos químicos (ou riscos biológicos) associados às atividades em andamento nos espaços que limpam. Se os faxineiros não forem integrados aos programas de treinamento e à rede social da força de trabalho regular, eles podem estar menos cientes desses perigos do que outros trabalhadores. Por exemplo, um estudo mostrou que os trabalhadores da limpeza eram o grupo mais frequentemente exposto a produtos químicos nocivos de todas as categorias de trabalhadores hospitalares (Weaver et al. 1993).

Existe alguma controvérsia sobre o uso de luvas para trabalhos de limpeza. As luvas desempenham um papel importante na proteção da pele contra agentes perigosos, desde que se ajustem corretamente e sejam feitas de materiais impermeáveis ​​e resistentes. Mas usar luvas constantemente pode impedir que a transpiração evapore. A área úmida resultante é um meio de crescimento favorável para agentes infecciosos. O uso de luvas foi associado a problemas de pele em uma grande amostra de limpadores dinamarqueses (Nielsen 1996). Portanto, é melhor usar luvas o tempo mínimo compatível com a proteção. A necessidade de usar luvas muitas vezes pode ser evitada pelo uso de ferramentas com cabos longos ou por outras mudanças nos métodos. Usar luvas de algodão sob luvas de borracha ou plástico pode reduzir a umidade e proteger contra alergias a alguns materiais de luvas (Foussereau et al. 1982). Alguns cremes para as mãos podem conter irritantes e devem ser evitados (Hansen 1983).

Várias outras práticas diminuem a exposição a produtos químicos. Quando as soluções de limpeza são armazenadas ou preparadas, deve haver boa ventilação e os procedimentos devem permitir a preparação sem qualquer perigo de tocar ou respirar os produtos químicos. A tentação de trabalhar com produtos químicos não diluídos diminuirá se os trabalhadores tiverem tempo e implementos adequados. Além disso, os limpadores podem usar produtos químicos não diluídos ou produtos químicos com fragrâncias alergênicas para sinalizar aos outros que fizeram seu trabalho. Isso pode ser feito por outros meios, como procedimentos de inspeção claros e links de comunicação com outros trabalhadores e com clientes de serviços de limpeza.

Informações úteis sobre a prevenção da exposição a produtos químicos podem ser encontradas em um manual publicado pela cidade de Nova York (Michaels, sem data).

Outros riscos para a saúde

Os faxineiros costumam trabalhar em turnos vespertinos ou noturnos, para não atrapalhar as demais atividades realizadas nos mesmos espaços. Eles podem, portanto, sofrer os efeitos usuais do trabalho por turnos no biorritmo. Além disso, eles correm o risco de violência se trabalharem sozinhos em áreas isoladas.

Os faxineiros, principalmente aqueles que trabalham fora do horário regular do prédio e/ou que não fazem parte do quadro regular de funcionários, podem ser ignorados e excluídos da rede social em seus locais de trabalho (Messing in press). Eles podem não ter acesso às instalações apropriadas para pausas e refeições. Além dos efeitos psicológicos da exclusão, os faxineiros podem ser privados de informações sobre os perigos fornecidos rotineiramente a outros trabalhadores, apesar dos requisitos legais em muitas jurisdições para fornecer essas informações. Além disso, apesar da importância das texturas e do design da superfície para seu trabalho, eles e seus supervisores podem não ser consultados quando decisões relevantes de compra e planejamento são tomadas. Isso é especialmente verdadeiro se a limpeza for terceirizada. É, por isso, importante que seja feito um esforço especial para incluir os trabalhadores de limpeza nas atividades de promoção da saúde e segurança no trabalho. As informações sobre as características dos produtos químicos, sobre os procedimentos de trabalho e sobre segurança devem ser discutidas com os funcionários da limpeza e claramente afixadas no local de trabalho.

Efeitos na saúde e padrões de doenças

A profissão de faxineira tem pior saúde do que outras (Nielsen 1995; ASSTSAS 1993; Sogaard 1994). Comparando faxineiras com outros trabalhadores, uma análise da Pesquisa de Saúde de Quebec constatou, depois de controlar a idade, que as faxineiras tinham a maior prevalência de problemas crônicos nas costas e cardiopatias de todas as categorias de trabalhadoras e que os homens da limpeza tinham a maior prevalência de problemas musculoesqueléticos e cardiopatias (Gervais 1993). As faxineiras grávidas têm maior probabilidade de abortar (McDonald et al. 1986), dar à luz prematuramente (McDonald et al. 1988) ou ter filhos com baixo peso ao nascer (McDonald et al. 1987).

Alguns grandes estudos epidemiológicos de base populacional encontraram altas taxas de câncer entre os faxineiros. Verificou-se que as taxas de alguns tumores cerebrais entre os homens brancos dos EUA são especialmente altas para trabalhadores de serviços de limpeza (Demers, Vaughan e Schommer 1991). Entre as mulheres, o câncer invasivo do colo do útero é quase cinco vezes mais comum entre as faxineiras do que entre as outras mulheres (Savitz, Andrews e Brinton 1995). Esses resultados são atribuídos a exposições químicas, principalmente solventes.

Problemas musculoesqueléticos são frequentemente encontrados. Na Dinamarca, Nielsen (1995) constatou que aqueles que deixaram a limpeza tiveram uma frequência reduzida de sintomas musculoesqueléticos em comparação com aqueles que permaneceram na profissão. A limpeza foi um dos cinco ofícios que relataram mais dores no ombro/pescoço, tendovaginite e dor lombar (Sogaard, Fallentin e Nielsen 1996). Um estudo epidemiológico de base populacional constatou que as empregadas de limpeza são particularmente propensas a ter osteoartrite do joelho, em comparação com outras trabalhadoras suecas (Vingard et al. 1991). Os faxineiros nos hospitais de Quebec sofrem quase o dobro de acidentes e doenças ocupacionais do que o trabalhador médio de saúde de Quebec: 23.8 em comparação com 13.9 por 100 trabalhadores equivalentes em tempo integral por ano (ASSTSAS 1993). A maioria das lesões envolvia o tronco ou membros superiores (ASSTSAS 1993). Comparando empregados de limpeza masculinos com femininos, uma pesquisa com faxineiras na região de Paris, na França, descobriu que os homens tinham mais dores nas costas e as mulheres tinham mais dores nas articulações (Opatowski et al. 1995). Estas diferenças são provavelmente atribuíveis a especificidades nas tarefas atribuídas a homens e mulheres de limpeza (Messing, Haëntjens e Doniol-Shaw 1993; Messing, Doniol-Shaw e Haëntjens 1993; Messing, Chatigny e Courville 1996).

Os limpadores têm um alto nível de problemas de pele, incluindo dermatite e eczema (Gawkrodger, Lloyd e Hunter 1986; Singgih et al. 1986). Prevalências pontuais de doenças de pele de 15 a 18% e uma prevalência de duração do emprego de 39% foram encontradas entre grandes amostras de faxineiros hospitalares (Hansen 1983; Delaporte et al. 1990). Os profissionais de limpeza que passam mais tempo com as mãos molhadas têm mais problemas de pele (Nielsen 1996). Os limpadores também podem ser feridos ou infectados por vidros quebrados, agulhas ou outros objetos pontiagudos durante o manuseio de resíduos (ASSTSAS 1993).

Recentemente, especialistas em saúde ocupacional observaram sintomas de estresse relacionados ao trabalho entre os funcionários da limpeza de hospitais, sugerindo um reexame do processo de trabalho (Toivanen, Helin e Hänninen 1993). O baixo prestígio da profissão pode ser motivo de angústia para os faxineiros (Messing, no prelo).

Acidentes, infecções e contaminação ambiental podem ser evitados por meio de diretrizes claras e bem divulgadas para o descarte de resíduos perigosos em fábricas, hospitais, escritórios e prédios públicos. Uma vez que as restrições impostas a outros trabalhadores podem impedi-los de prestar toda a atenção à prevenção de riscos para os trabalhadores da limpeza, devem ser organizadas consultas entre os trabalhadores da limpeza e outros trabalhadores, a fim de decidir sobre o tamanho adequado e a colocação de cestos de lixo, separação de resíduos e rotulagem. Os limpadores devem ser incluídos sempre que as práticas de disposição de resíduos estiverem sendo planejadas ou revisadas para que métodos realistas possam ser propostos.

 

Voltar

Segunda-feira, 04 abril 2011 18: 21

Barbearia e Cosmetologia

Perfil Geral

Estima-se que mais de um milhão de pessoas trabalhem em aproximadamente 150,000 salões e barbearias nos Estados Unidos. Esses homens e mulheres, barbeiros e cosmetologistas (também chamados de “técnicos”), realizam uma ampla gama de serviços, incluindo barbear; cortar e pentear o cabelo; dar manicures e pedicures; aplicação de unhas artificiais; e realizando uma variedade de processos químicos capilares, incluindo descoloração, coloração, relaxamento capilar e ondulação permanente. Além disso, alguns técnicos oferecem tratamentos faciais e remoção de pelos corporais.

Os técnicos podem estar expostos a uma variedade de riscos potenciais de saúde e segurança no trabalho, incluindo:

produtos quimicos. De acordo com uma análise realizada pelo Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional dos EUA (NIOSH), 30% dos cerca de 3,000 produtos químicos usados ​​em cosmetologia são classificados pelo governo dos EUA como substâncias tóxicas. A ventilação em muitas oficinas costuma ser inadequada para eliminar a exposição a produtos químicos.

Doenças. Devido ao contato próximo com os clientes, os técnicos podem estar expostos a uma variedade de doenças infecciosas, desde resfriados e gripes até impetigo, catapora e hepatite.

Riscos ergonômicos. Barbeiros e cosmetologistas também sofrem de uma série de distúrbios musculoesqueléticos associados a movimentos repetitivos, permanência prolongada, espaços de trabalho apertados e ferramentas e equipamentos mal projetados.

Agendamento. O horário de trabalho pode ser irregular e prolongado. Muitos técnicos trabalham em “turnos divididos”, dividindo sua jornada de trabalho para cobrir 12 a 14 horas de atendimento ao cliente.

Outros problemas. Isso inclui manutenção inadequada e riscos elétricos e de incêndio.

Como resultado da exposição a esses e outros perigos, um número crescente de pessoas está sendo forçado a deixar a profissão que escolheu. Um estudo recente de Nellie Brown, diretora do Programa de Informação sobre Riscos Químicos da Cornell University, constatou que 20% dos cabeleireiros americanos deixam seus empregos por causa de doenças relacionadas ao trabalho (New York Times Magazine7 de março de 1993).

Apesar da crescente evidência de risco, existem poucos regulamentos que protegem barbeiros e cosmetologistas. Nos Estados Unidos, os produtos cosméticos são regulamentados pela Food and Drug Administration (FDA), que é orientada para a proteção do consumidor e tem uma capacidade limitada de abordar questões de saúde e segurança do trabalhador. Como as agências reguladoras em muitos países, o FDA não exige que os fabricantes de produtos realizem testes de segurança antes do marketing público, listem os ingredientes nos rótulos dos produtos vendidos apenas para uso profissional ou forneçam ao FDA informações sobre reclamações de consumidores. A FDA também não testa produtos rotineiramente por sua própria iniciativa; qualquer teste feito pelo FDA se concentra nos riscos para os consumidores, não para os trabalhadores, embora os trabalhadores possam estar em maior risco devido ao uso diário e prolongado de produtos químicos cosméticos.

As tentativas de regulamentar esta indústria são ainda mais complicadas pelas diferentes definições locais, nacionais e internacionais das tarefas que barbeiros e cosmetologistas executam. Nos Estados Unidos, os requisitos de licenciamento variam de estado para estado. Muitos países não têm nenhum requisito de licenciamento.

Principais Processos e Perigos

Perigos químicos

Barbeiros e cosmetologistas estão expostos a uma grande variedade de produtos químicos durante o dia de trabalho. Os técnicos correm o risco de absorver produtos químicos através da pele ou dos olhos, inalar vapores ou partículas perigosas e ingerir toxinas que contaminaram alimentos, bebidas ou cigarros. Algumas diretrizes para reduzir a exposição perigosa são fornecidas na figura 1 .

Figura 1. Redução da exposição a riscos químicos.

PCS020F4

Os produtos químicos podem afetar o corpo de diferentes maneiras, dependendo da concentração do produto químico em um produto; quão tóxico é o produto químico; a via pela qual entra no corpo (inalação, contato com a pele, ingestão); e o tempo de exposição. Características individuais, como estado geral de saúde, gravidez e tabagismo, também podem afetar o risco de uma pessoa.

Existem milhares de produtos químicos diferentes associados aos processos de cosmetologia. Para determinar os produtos químicos específicos contidos em um produto e seus efeitos, é importante que os técnicos tenham acesso e compreendam os rótulos dos produtos e as fichas de dados de segurança do material (MSDSs).

Processos químicos comuns

Coloração de cabelo. As soluções de coloração capilar são aplicadas manualmente no cabelo com um frasco ou pincel aplicador. Também está se tornando muito comum os clientes solicitarem uma coloração de sobrancelha ou cílios.

Os produtos químicos usados ​​na coloração do cabelo incluem corantes orgânicos sintéticos, corantes metálicos complexos e corantes vegetais. Os corantes capilares sintéticos geralmente incluem corantes oxidativos permanentes que usam peróxido de hidrogênio para oxidar diaminas aromáticas. Esses produtos químicos são irritantes para os olhos, nariz e garganta. Tinturas capilares orgânicas sintéticas contendo um grupo amina também estão entre as causas mais frequentes de sensibilização alérgica. Corantes metálicos podem incluir compostos contendo chumbo.

Tinturas de cabelo à base de alcatrão de hulha podem conter agentes mutagênicos. Tinturas de cabelo que foram consideradas mutagênicas em in vitro testes representam riscos incertos para a saúde humana. No entanto, a produção de corantes capilares não mutagênicos parece ser possível e deve ser incentivada. Por exemplo, a hena, uma tintura vegetal, é uma das tinturas de cabelo mais antigas e não é conhecida por ser mutagênica ou cancerígena.

Descolorir o cabelo. As soluções clareadoras são aplicadas manualmente com um frasco aplicador ou pincel. Essas soluções podem conter peróxido de hidrogênio, peróxido de sódio, hidróxido de amônio, persulfato de amônio ou persulfato de potássio. Esses produtos químicos podem causar irritação na pele, olhos, nariz, garganta ou pulmões. Os pós descolorantes à base de persulfato também foram associados à asma entre os cosmetologistas (Blainey et al. 1986).

Acenando permanente. As ondas permanentes costumam envolver várias etapas: lavar os cabelos; enrolar o cabelo em bobes; aplicar um tioglicolato ou solução semelhante; e enxaguar e neutralizar com um agente oxidante. Também podem ser usados ​​sprays de água.

As soluções de onda permanente podem conter álcool, bromatos, hidróxido de sódio, ácido bórico (perborato ou borato), tioglicolato de amônio ou monotioglicolato de glicerol. Alguns desses produtos químicos podem causar efeitos no sistema nervoso central (dor de cabeça, tontura, náusea, sonolência); irritação nos olhos, nariz e garganta; problemas pulmonares (dificuldade respiratória ou tosse); Irritação na pele; queimaduras; ou reações alérgicas (nariz entupido ou escorrendo, espirros, asma ou dermatite alérgica).

Manicure, pedicure e unhas postiças. O cuidado das unhas envolve a imersão das cutículas em agentes amaciantes, usando cortadores de unhas, lixas de unha ou lixas de unha para lixar as unhas, usando loções para as mãos e aplicando e removendo o esmalte. As unhas artificiais (acrílicos, géis, fibra de vidro, porcelanas e películas e pontas de tecido) podem ser escovadas na unha ou fixadas com cola. Eles podem endurecer e, em seguida, arquivados na forma desejada.

Os muitos produtos químicos encontrados em produtos para unhas incluem acetona, metacrilato de etila e outros acrilatos, metiletilcetona, acetato de etila, lanolina e dimetil-p-toluidina. Estes podem causar irritação na pele, olhos, nariz, garganta e pulmões, bem como efeitos no sistema nervoso central. Alguns produtos para unhas também contêm formaldeído, associado a alergias e câncer com o uso prolongado. Alguns produtos contêm éteres de glicol, xileno e tolueno, todos ligados a problemas reprodutivos em animais de laboratório.

O uso de metacrilato de metila (MMA) em produtos para unhas artificiais foi proibido nos Estados Unidos em 1974. Apesar da proibição, esse produto químico continua a ser usado. Um estudo de 1982 descobriu que o metacrilato de metila estava presente em 8 dos 29 produtos para unhas artificiais, e um estudo de 1986 encontrou níveis mensuráveis ​​de MMA no ar de alguns salões de beleza. Este produto químico, se em contato com a pele, pode causar formigamento, dormência e branqueamento dos dedos. Também causa alergia na pele em muitas pessoas. Uma alergia ao MMA pode resultar em sensibilidade cruzada a outros metacrilatos mais comumente usados. Em alguns produtos o MMA foi substituído por outros acrilatos que também podem ser sensibilizantes. A Figura 2 mostra uma mesa de fluxo descendente projetada para minimizar a exposição de uma manicure aos produtos químicos.

Figura 2. Uma mesa de manicure comercial modificada para aplicação de unhas artificiais.

PCS020F5

Lavar e pentear o cabelo. A lavagem do cabelo envolve a lavagem com xampu e enxágue com água. Durante este serviço, também podem ser aplicados condicionadores e outros produtos de tratamento capilar. A secagem do cabelo é feita de várias maneiras: secando manualmente com toalhas, usando um secador de mão ou deixando o cliente sentado sob um secador fixo. O estilo geralmente envolve o uso de géis, cremes ou sprays aerossóis. Lavar o cabelo costuma ser o primeiro passo para outros serviços, como pentear, pintar e ondular o cabelo. Em grandes salões, uma pessoa pode receber a tarefa de lavar o cabelo dos clientes e não fazer nada além disso.

Xampus e condicionadores podem conter álcool, destilados de petróleo e formaldeído. Todos foram associados a dermatites e alergias, incluindo asma. O uso prolongado de formaldeído também tem sido associado ao câncer.

Os aerossóis para cabelo podem conter polivinilpirrolidona, que tem sido associada a doenças pulmonares e outras doenças respiratórias, incluindo tesaurose. Eles também contêm uma variedade de solventes.

Alisamento de cabelo. As soluções de alisamento ou relaxamento capilar são aplicadas no cabelo com uma escova; então o cabelo é esticado para relaxar a ondulação natural. O alisador de cabelo pode conter hidróxido de sódio, peróxido de hidrogênio, bromatos, amônio, tioglicolato e monotioglicolato de glicerol. Esses produtos químicos podem causar irritação nos olhos, nariz e garganta, efeitos no sistema nervoso central e dermatite.

Outros processos químicos. Uma variedade de cosméticos, incluindo cremes faciais e pós, rímel, delineadores, batons e outros produtos, também podem ser aplicados por cosmetologistas. Estes podem conter uma grande variedade de solventes, corantes, pigmentos, conservantes, óleos, ceras e outros produtos químicos que podem causar alergias e/ou irritações na pele.

Os cosmetologistas também podem remover os pelos do corpo. Os tratamentos de depilação podem envolver a aplicação de cera quente e o uso de produtos químicos depilatórios. Esses produtos geralmente contêm ingredientes alcalinos que podem causar dermatite.

Riscos ergonômicos

Barbeiros e cosmetologistas correm o risco de desenvolver distúrbios musculoesqueléticos devido às demandas físicas de seu trabalho e equipamentos, ferramentas e espaços de trabalho mal projetados. Tais distúrbios podem incluir:

  • Problemas de punho e mão, como tendinite e síndrome do túnel do carpo. Os fatores de risco incluem dobrar e torcer o pulso ao cortar e modelar o cabelo, segurar secadores de cabelo e usar uma escova redonda ou chapinha. Esses distúrbios também estão ligados ao aperto ou pinçamento forçado causado pelo corte com tesouras cegas e/ou mal ajustadas.
  • Problemas de ombro, incluindo tendinite e bursite. Estes estão associados a buscar suprimentos constantemente ou manter os braços acima da altura dos ombros ao cortar ou pentear o cabelo. Veja a figura 3.
  • Problemas no pescoço e nas costas, variando de dores comuns a condições graves, como nervos comprimidos e discos rompidos. Estes estão associados a flexões ou torções frequentes durante atividades como lavar o cabelo, cortar o cabelo abaixo do nível da orelha e fazer manicure e pedicure.
  • Problemas nos pés e pernas, incluindo inchaço, calos e veias varicosas. Estes podem ocorrer como resultado de longos períodos de pé em pisos duros em sapatos com suporte de arco pobre.

 

Figura 3. Trabalhando com os braços acima do nível dos ombros em um salão de cabeleireiro no Zimbábue.

PCS020F1

Prevenção de distúrbios musculoesqueléticos

Para prevenir distúrbios musculoesqueléticos, é importante aplicar princípios ergonômicos ao design de tarefas, ferramentas e estações de trabalho. A ergonomia é a ciência de adaptar o local de trabalho às necessidades do corpo humano. Ele sugere maneiras de minimizar posturas desajeitadas e movimentos repetitivos, bem como o uso de força excessiva. Maximiza a segurança, a saúde e o conforto.

As soluções ergonômicas podem incluir:

  • Móveis ajustáveis. Por exemplo, estão disponíveis cadeiras para clientes que podem ser levantadas, abaixadas e giratórias. As cadeiras de manicure estão disponíveis com apoio para as costas, apoios de braços e assentos que podem ser inclinados para acomodar a inclinação para a frente.
  • Guilhotina Hidraulica CNC que são afiados, bem lubrificados e projetados para caber na mão do indivíduo.
  • Ferros de ondulação e secadores de cabelo com alças flexíveis. Estes podem ser usados ​​sem dobrar ou torcer excessivamente o pulso.
  • Pias independentes que permitem aos técnicos lavar o cabelo sem torcer e dobrar as costas.
  • Assentos ou banquetas com rodinhas que permitem que os técnicos realizem muitos procedimentos sentados ou alternem entre sentado e em pé.
  • Estação de trabalho adequada projetos como armazenar suprimentos comumente usados ​​de fácil acesso; fornecimento de tapetes acolchoados; e garantir que os gabinetes estejam na altura correta para minimizar o alcance ou a flexão.
  • agendamento de cliente que varia as tarefas e processos que um técnico executa ao longo do dia.
  • Training para técnicos em boa mecânica corporal e práticas de trabalho, como métodos de elevação adequados; dobrando os quadris em vez da cintura; e usando técnicas de corte de cabelo que minimizam o alcance e a flexão do pulso.

 

Doenças infecciosas

O trabalho realizado por barbeiros e cosmetologistas envolve um contato próximo com os clientes. Compreender como as doenças infecciosas são transmitidas ajudará os técnicos a prevenir infecções. As doenças infecciosas podem se espalhar no salão das seguintes maneiras:

  • Através do ar (por exemplo, doenças respiratórias superiores, como resfriados e gripes)
  • Através de água ou alimentos contaminados (por exemplo, hepatite A, salmonela e giardia)
  • Através de picadas de insetos ou animais (por exemplo, piolhos)
  • Através do contato direto da pele com pessoas infectadas (por exemplo, sarna, piolhos, micose, impetigo, herpes simples, resfriados e varicela)
  • Raramente, através da exposição ao sangue de uma pessoa infectada (por exemplo, hepatite B e HIV/AIDS)

 

Embora não haja nenhum caso registrado de um barbeiro ou cosmetologista infectado com HIV/AIDS no trabalho, e a infecção por hepatite B relacionada ao trabalho é extremamente rara nessas ocupações, a exposição a esses patógenos transmitidos pelo sangue pode ocorrer em casos raros de contato com o sangue. Possíveis fontes de exposição podem incluir perfurar a pele com ferramentas que transportam sangue infectado (navalhas, pinças, agulhas de tatuagem ou tosquiadeiras) ou sangue infectado que entra no corpo através de uma ferida aberta, ferida ou erupção cutânea.

Esse é um dos motivos pelos quais barbear clientes com lâminas de barbear se tornou incomum em muitos países. Além do risco para os técnicos, existe a possibilidade de transmissão de infecções de pele e outras infecções de um cliente para outro por meio de equipamentos não esterilizados.

A exposição a organismos nocivos pode ser evitada tomando precauções simples:

  • As mãos devem ser lavadas frequentemente com água e sabão.
  • Luvas de látex devem ser usadas para proteger o técnico e o cliente se tiverem feridas, lesões ou erupções cutâneas.
  • Instrumentos cortantes devem ser manuseados com cuidado e descartados em recipientes à prova de perfuração aprovados.
  • Todas as ferramentas, equipamentos e superfícies devem ser desinfetados adequadamente.
  • Toalhas devem ser higienizadas.
  • Os trabalhadores devem ser vacinados contra a hepatite B.

 

Outros perigos

Os riscos de incêndio

Alguns produtos usados ​​no salão podem conter produtos químicos inflamáveis ​​ou combustíveis. As fontes de ignição podem incluir a chama de um cigarro, fósforo ou queimador; uma faísca de um interruptor de luz, plugue elétrico ou fio desgastado; ou um objeto quente, como um ferro de frisar, fogão, lâmpada ou placa de aquecimento. Para evitar acidentes, deve-se garantir que os produtos químicos sejam usados ​​e armazenados adequadamente. Inflamáveis ​​e combustíveis devem ser mantidos longe de chamas, faíscas ou objetos quentes, e equipamentos elétricos devem ser verificados quanto a cabos quebrados ou desgastados que possam produzir faíscas ou esquentar. Cada loja também deve ter um plano de prevenção e evacuação de incêndio e extintores de incêndio adequados e funcionais.

Limpeza geral

Os salões costumam ser ambientes de trabalho apertados e lotados. Prateleiras sobrecarregadas podem ser instáveis. Os técnicos podem correr o risco de escorregar e cair como resultado de líquidos derramados, equipamentos mal armazenados ou cabos ou fios mal posicionados. Corredores estreitos e lotados limitam a capacidade dos trabalhadores de se movimentarem livremente sem obstruções. Todas as lojas devem praticar boas práticas de limpeza, incluindo: manter os corredores livres, limpar derramamentos imediatamente, armazenar objetos pesados ​​em prateleiras baixas e garantir que as pessoas possam se movimentar livremente em seu espaço de trabalho.

Perigos elétricos

Os dispositivos elétricos no salão podem incluir máquinas de cortar cabelo, secadores de cabelo, máquinas faciais e equipamentos de eletrólise e devem ser verificados quanto a fios desgastados e aterramento adequado. Uma vez que os equipamentos elétricos e as tomadas estão frequentemente dentro do alcance da água, devem ser usados ​​interruptores de circuito de falha de aterramento vermelhos para evitar choques.

Problemas de saúde e padrões de doenças

Doenças de pele

A dermatite alérgica e irritante apenas das mãos, ou das mãos e rosto juntos, é um problema comum, experimentado por 10 a 20% dos cosmetologistas (van der Walle e Brunsveld 1994). Muitas vezes produz uma erupção característica nos espaços entre os dedos. Os sinais de dermatite geralmente incluem vermelhidão, ressecamento e rachaduras na pele das mãos. Eczema nas pontas dos dedos também pode ocorrer, com sulcos nas dobras das unhas. Os trabalhadores mais jovens parecem estar em maior risco, possivelmente porque aqueles com menor antiguidade tendem a ser designados com mais frequência para trabalhos de lavagem e ondulação permanente. As causas mais frequentes de erupção cutânea alérgica em cosmetologistas incluem tioglicolato de glicerol, tioglicolato de amônio, sulfato de níquel, conservantes de persulfato de amônio e tinturas de cabelo (p-fenilenodiamina ou resorcinol) (Villaplana, Romaguera e Grimalt 1991).

Na maioria dos casos, uma vez que uma dermatite alérgica se desenvolve, ela não melhora, mesmo com o uso de luvas. O uso de luvas de látex de borracha pode ser um fator de risco significativo para reações alérgicas, e as luvas de vinil podem precisar ser substituídas se a alergia ao látex se desenvolver. Se um trabalhador em um salão desenvolver alergia ao látex, todo o salão pode precisar se tornar livre de látex para proteger esse trabalhador de repetidas reações alérgicas.

Outras doenças de pele de cabeleireiros incluem granuloma de implantação de cabelo e queimaduras por água quente. Além disso, as veias varicosas podem resultar da permanência prolongada comum a essa ocupação. Ferramentas pontiagudas, como tesouras, equipamentos de barbear e ferramentas elétricas de corte de cabelo, podem causar lacerações na pele. Esses cortes podem predispor o cosmetologista a dermatites devido a exposições químicas.

Problemas pulmonares

A rinite alérgica (“febre do feno”) e a asma foram associadas à exposição à solução de onda permanente (Schwartz, Arnold e Strohl 1990) e, em particular, ao persulfato de amônio (Gamboa et al. 1989). O descolorante capilar, bem como a hena (Starr, Yunginger e Brahser 1982) têm sido associados à asma ocupacional em cosmetologistas.

Saúde reprodutiva

Um estudo recente descobriu um risco moderadamente aumentado de aborto espontâneo entre cosmetologistas que trabalhavam em tempo integral e realizavam um grande número de serviços químicos. O uso de formaldeído e a exposição a produtos químicos para manicure e escultura de unhas foram especificamente associados a um risco aumentado de aborto espontâneo (John, Savitz e Shy, 1994).

Câncer

Verificou-se que os cosmetologistas têm um possível risco aumentado de desenvolver certos tipos de câncer, incluindo linfoma não-Hodgkin (Zahm et al. 1992; Pearce 1992), câncer de bexiga/urotelial (Steineck et al. 1990) e câncer de mama (Koenig 1994 ).

 

Voltar

Segunda-feira, 04 abril 2011 18: 30

Lavanderias, Vestuário e Lavagem a Seco

Perfil Geral

As lavanderias comerciais começaram como empresas domésticas, mas se transformaram em empresas com muitas preocupações exclusivas de saúde e segurança. Lavanderias especializadas em serviços para hospitais devem lidar com possíveis riscos biológicos, e aquelas que lavam roupas de trabalho para trabalhadores de manufatura ou serviços podem arriscar a exposição a riscos químicos específicos.

A lavagem a seco supostamente se originou na França em 1825, quando um trabalhador de uma fábrica de tintura e limpeza derramou óleo de lamparina em uma toalha de mesa suja (IARC 1995a). Depois que a toalha de mesa secou, ​​as manchas desapareceram. O óleo da lâmpada é um hidrocarboneto. Solventes de hidrocarbonetos semelhantes - terebintina, querosene, benzeno e gasolina - foram usados ​​na incipiente indústria de lavagem a seco. Todos esses solventes tinham uma grande desvantagem: eram inflamáveis, muitas vezes resultando em incêndios e explosões (Wentz 1995). Em 1928, WJ Stoddard introduziu um solvente à base de petróleo quase inodoro com um ponto de inflamação mais alto, que reduzia o risco de incêndio. O solvente Stoddard ganhou ampla aceitação na indústria e ainda é usado hoje.

Na virada do século, avanços na síntese de hidrocarbonetos clorados permitiram o desenvolvimento de solventes não inflamáveis ​​para limpeza a seco. Inicialmente, o tetracloreto de carbono era o preferido, mas devido à sua toxicidade e agressividade a metais, têxteis e corantes, foi gradualmente substituído nas décadas de 1940 e 1950 por tricloroetileno e tetracloroetileno (também conhecido como percloroetileno ou PERC) (Wentz 1995). PERC (C2Cl4) é um líquido incolor, límpido, pesado e de odor etéreo. Hoje, aproximadamente 90% das lavanderias a seco dos EUA usam PERC (EPA 1991a).

Embora as práticas de limpeza variem de país para país e de loja para loja, as lavanderias e lavanderias geralmente são pequenas empresas; cerca de 70% das lavanderias nos Estados Unidos têm menos de quatro funcionários, que geralmente realizam a limpeza no mesmo local da loja. Os funcionários de uma empresa tão pequena, muitos dos quais normalmente trabalham mais de oito horas por dia, podem ser membros de uma família, às vezes incluindo crianças. Em muitos países, a família da lavanderia mora no mesmo prédio da loja. Uma tendência crescente entre as grandes corporações é operar várias lojas “drop” onde os clientes deixam as roupas sujas. As roupas são transportadas para uma instalação central para limpeza e, posteriormente, devolvidas às lojas de entrega para retirada do cliente. Esse arranjo confina os resíduos perigosos em um local e reduz a exposição a solventes dos trabalhadores da loja de descarte.

O Processo de Lavanderia e Lavagem a Seco

O processo de lavagem a seco ou lavanderia geralmente começa quando um cliente traz roupas sujas para uma loja. As roupas modernas são feitas de muitas fibras e tecidos diferentes. As roupas são inspecionadas e classificadas de acordo com peso, cor, acabamento e tipo de tecido antes do carregamento da máquina. As manchas visíveis são tratadas em uma estação de manchas com vários produtos químicos, antes ou depois da limpeza, dependendo do tipo de mancha.

A limpeza é um processo de três etapas: lavagem, extração e secagem (figura 1). A lavagem por processo úmido (lavagem) usa detergente, água e possivelmente vapor. Na lavagem a seco, detergente e água são adicionados ao solvente para ajudar na remoção da sujeira. As roupas são carregadas manualmente na máquina e a solução de limpeza é injetada automaticamente. O conteúdo da máquina é agitado por um período, depois girado em alta velocidade para extrair a água ou solvente e secar em tambor. Depois que as roupas são removidas da secadora, elas são prensadas para remover rugas e restaurar sua forma.

Figura 1. Diagrama de fluxo do processo de lavagem a seco.

PCS030F1

Muitos países recentemente impuseram regulamentos rigorosos para o controle de exposições e emissões de PERC devido aos efeitos associados à saúde e problemas ambientais. Em resposta a essas regulamentações, os processos de lavagem a seco estão mudando. Sistemas aprimorados de purificação de solvente e recuperação de vapor estão disponíveis, solventes alternativos estão sendo desenvolvidos e métodos úmidos usando imersão em água estão sendo refinados para limpar roupas tradicionalmente limpas em solvente. Esses processos são descritos a seguir.

Transferência versus equipamento seco a seco

Dois tipos básicos de máquinas usadas na lavagem a seco são transferência e seco a seco. As máquinas de transferência, mais antigas e menos caras, exigem a transferência manual de roupas carregadas de solvente da lavadora para a secadora. A atividade de transferência causa exposição excessiva do trabalhador ao PERC. Devido às altas taxas de uso de solventes, emissões e exposições durante a transferência, as máquinas de transferência PERC não são mais fabricadas nos Estados Unidos; no entanto, os usados ​​ou recondicionados mais antigos ainda podem ser adquiridos.

Em 1994, pelo menos 70% das máquinas PERC nos Estados Unidos, por exemplo, eram máquinas dry-to-dry, usando um processo de uma etapa que elimina a transferência de roupas. Muitas lojas estão substituindo ou substituíram máquinas de transferência por máquinas dry-to-dry devido à tendência de regulamentações ambientais mais rígidas; no entanto, algumas oficinas ainda usam equipamentos de transferência para aumentar a produtividade e evitar gastos de capital necessários para novas máquinas. Nos Estados Unidos, as máquinas de petróleo são principalmente unidades de transferência.

As máquinas dry-to-dry podem ser ventiladas ou sem ventilação. As máquinas de secagem a secagem ventiladas liberam os vapores residuais do solvente diretamente para a atmosfera ou através de alguma forma de sistema de recuperação de vapor durante o processo de aeração. As máquinas dry-to-dry sem ventilação são sistemas essencialmente fechados, abertos para a atmosfera somente quando a porta da máquina é aberta. Eles recirculam o ar de secagem aquecido através de um sistema de recuperação de vapor e de volta ao tambor de secagem. Não há etapa de aeração.

Purificação de solventes: Filtração e destilação

As lavanderias a seco usam filtração e/ou destilação para recuperar e purificar solventes. A filtração remove sujeiras insolúveis, resíduos não voláteis e corantes soltos do solvente. Às vezes também é usado, principalmente nos Estados Unidos, para remover solos solúveis. A filtração é um processo contínuo. O solvente passa por um pó adsorvente, cartucho ou filtro de disco giratório, todos exigindo algum nível de manutenção periódica. Cada sistema de filtragem produz cartuchos ou pós contaminados.

A destilação, usada por 90% dos limpadores dos EUA, remove óleos solúveis, ácidos graxos e graxas não removidas por filtração (International Fabricare Institute 1990). A destilação ocorre quando o PERC é aquecido até o ponto de ebulição, de modo que vaporiza e depois se condensa novamente na forma líquida. Durante esse processo, as impurezas não voláteis, que não podem ser fervidas, permanecem no alambique e são descartadas como resíduos perigosos. Tanto a filtração quanto a destilação produzem alguns resíduos sólidos contendo PERC; no entanto, os fabricantes de máquinas de lavagem a seco estão se esforçando para desenvolver novas tecnologias de filtração e destilação que reduzam a quantidade de resíduos perigosos produzidos. Em última análise, isso resulta em economias importantes para o proprietário, reduzindo o custo do descarte de resíduos perigosos.

Recuperação de vapores PERC

Duas tecnologias primárias são usadas para recuperar vapores de PERC: o adsorvedor de carbono e os votos de condensador refrigerado. Essas duas tecnologias, tradicionalmente separadas, são utilizadas juntas em máquinas mais modernas. A adsorção de carbono é utilizada em cerca de 35% das máquinas controladas nos Estados Unidos, por exemplo. Os adsorventes de carbono atingem uma redução de vapor de 95 a 99% removendo o PERC do ar. Os vapores carregados de solvente passam sobre o carvão ativado com uma alta capacidade de adsorção. O carbono é posteriormente dessorvido e o PERC recuperado, ou o carbono é descartado como resíduo perigoso quando fica saturado com PERC. A dessorção de carbono ocorre tipicamente com vapor ou ar quente. A dessorção pode ser feita automaticamente após cada carga, ou pode ser feita no final do dia. Se não for realizado regularmente, o leito de carbono ficará saturado e será ineficaz para a recuperação de PERC. O sistema de adsorção pode lidar com grandes volumes de ar, tendo concentrações de solvente relativamente baixas, mantendo uma alta eficiência de remoção de PERC, mas a dessorção frequente é necessária e a regeneração do vapor produz águas residuais contaminadas.

Os condensadores refrigerados resfriam o ar carregado de solvente abaixo do ponto de orvalho do vapor para recuperar o PERC e operam com base no princípio de que a capacidade do ar de manter um solvente no estado de vapor varia com a temperatura. Condensadores refrigerados são usados ​​em aproximadamente 65% das máquinas controladas. O processo pode atingir 95% de controle de vapor em máquinas dry-to-dry e 85% de controle em máquinas de transferência. Os condensadores requerem pouca manutenção e minimizam o potencial de desperdício de água porque a regeneração do vapor não é necessária. Eles exigem concentrações de solvente mais altas do que um adsorvedor de carbono. O vapor de água pode representar um problema porque pode condensar e congelar, impedindo o fluxo de gás e a transferência de calor (EPA 1991b).

Alternativas de solvente para PERC

Solventes de limpeza a seco alternativos foram substituídos por PERC. Os solventes inflamáveis ​​à base de petróleo geralmente têm limites de exposição mais altos do que o PERC. Esses solventes à base de petróleo são menos agressivos na remoção de sujeira do que o PERC. Como suas pressões de vapor são menores do que PERC, as exposições por inalação geralmente serão menores. No entanto, efeitos adversos à saúde são possíveis, incluindo asfixia, depressão do sistema nervoso central e irritação da pele e membranas mucosas. A contaminação de hidrocarbonetos alifáticos com benzeno aumentará significativamente o perigo.

Duas abordagens diferentes foram adotadas na Alemanha para reduzir o risco de incêndio representado por solventes à base de petróleo: desenvolvimento de solventes mais seguros e redesenho de máquinas.

Os solventes à base de petróleo recentemente desenvolvidos, amplamente utilizados na Alemanha, são parafinas de cadeia linear, ramificada ou cíclica com um comprimento de cadeia entre 10 e 12 carbonos. Esses solventes à base de petróleo têm uma vida útil atmosférica de apenas alguns dias, são isentos de halogênio, não levam à destruição do ozônio e desempenham apenas um papel menor no efeito estufa. Alguns dos requisitos alemães para solventes de limpeza a seco à base de petróleo são descritos abaixo (Hohenstein Institute 1995):

  • Faixa de fervura entre 180° e 210°C
  • Aromático, benzeno, halogênio e conteúdo aromático policíclico inferior a 0.01% em peso
  • Ponto de inflamação superior a 55ºC
  • Termicamente estável em condições de operação.

 

As máquinas de lavagem a seco fabricadas para solventes à base de petróleo na Alemanha hoje são muito mais seguras do que as do passado. Como os solventes à base de petróleo são combustíveis, são necessárias medidas de segurança adicionais nas máquinas que os utilizam. Os avanços técnicos melhoram a segurança da máquina e reduzem consideravelmente o risco de incêndio/explosão. As seguintes medidas podem ser tomadas em combinação ou separadamente:

  • Usando um gás inerte, como nitrogênio ou argônio, para deslocar o oxigênio no tambor e garantir que a concentração de oxigênio seja suficientemente baixa (aproximadamente 4%) para evitar a combustão
  • Operando sob vácuo para remover o oxigênio e reduzir sua concentração para menos de 4%
  • Garantir que o limite inferior de explosão (LEL) não seja excedido ou, se o LEL não for conhecido, garantir que a temperatura operacional permaneça 15ºC abaixo do ponto de fulgor
  • Garantir que a concentração de vapor permaneça abaixo de 50º do LEL, controlando as temperaturas de operação ou fornecendo fluxo de ar suficientemente alto.

 

Limpeza a úmido

A limpeza úmida é uma tecnologia em desenvolvimento, diferente da lavagem tradicional, pois é um processo mais suave e pode ser usado em muitos tecidos que anteriormente eram lavados a seco. Quatro fatores desempenham um papel essencial na remoção da sujeira: temperatura, tempo, ação mecânica e agentes químicos. Somente a mistura adequada desses fatores alcança os melhores resultados de limpeza (Vasquez 1995). Existem pequenas variações de limpeza úmida à máquina, mas todas as técnicas usam:

  • Sabonetes de limpeza úmida e agentes de manchas especialmente formulados
  • Maior extração de água antes da secagem (velocidades de extração de aproximadamente 1,000 rotações por minuto)
  • Monitoramento rigoroso do conteúdo de calor e umidade durante o processo de secagem
  • Máquinas com menor ação mecânica durante a lavagem, conseguida pela redução de velocidade e limites de tempo.

 

As roupas são lavadas com vários níveis de ação mecânica limitada, com base no tipo de roupa e na quantidade de sujeira. O maior risco ocorre durante a secagem. Muitas fibras podem ser completamente secas com pouca ou nenhuma dificuldade. No entanto, roupas delicadas ou roupas suscetíveis a encolhimento devem ser secas por apenas alguns minutos antes de serem penduradas para secar ao ar. Devido a esses problemas, a maioria das roupas lavadas com água requer mais trabalho de acabamento do que roupas limpas com solvente. Longos tempos de secagem e mais trabalho de acabamento aumentam substancialmente o tempo de processamento (Earnest e Spencer 1996).

Hoje, o uso de limpeza úmida é limitado porque a tecnologia ainda não elimina completamente a necessidade de solventes. Estima-se que a limpeza úmida pode limpar com segurança aproximadamente 30 a 70% das roupas tradicionalmente limpas em solvente (Rice e Weinberg 1994). Ainda existem problemas com danos nas fibras, sangramento de corantes e, o mais importante, capacidade de limpeza. O uso inadequado de limpeza úmida pode expor os lojistas à responsabilidade por roupas danificadas. Por esta razão, os defensores da limpeza úmida estão trabalhando para persuadir os fabricantes de roupas a usar tecidos que possam ser lavados com água mais facilmente.

Perigos em lavanderias e instalações de lavagem a seco

perigos PERC

No local de trabalho, o PERC pode entrar no corpo humano através da exposição respiratória e dérmica (ATSDR 1995). Os sintomas associados à exposição respiratória incluem depressão do sistema nervoso central; danos ao fígado e rins (RSC 1986); memória prejudicada; confusão; tontura; dor de cabeça; sonolência; e irritação nos olhos, nariz e garganta. A exposição dérmica repetida pode resultar em dermatite seca, escamosa e fissurada (NIOSH 1977).

Os estudos do Instituto Nacional do Câncer dos EUA e do Programa Nacional de Toxicologia estabeleceram uma ligação entre a exposição ao PERC e o câncer em animais. Estudos em humanos mostram um risco elevado de câncer do trato urinário (Duh e Asal 1984; Blair et al. 1990b; Katz e Jowett 1981), esofágico (Duh e Asal 1984; Ruder, Ward e Brown 1994) e pancreático (Lin e Kessler 1981) entre trabalhadores de limpeza a seco. A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) recentemente classificou o PERC no grupo 2A (provavelmente cancerígeno para humanos) e a lavagem a seco no grupo 2B (possivelmente cancerígeno para humanos) (IARC 1995b). A Agência de Proteção Ambiental (EPA) regula o PERC como um poluente atmosférico perigoso.

Os dados da US Occupational Safety and Health Administration (OSHA) incluem numerosas amostras pessoais em lavanderias acima do limite de exposição permissível (PEL) de 100 ppm, média ponderada no tempo de 8 horas (TWA) (OSHA 1993). O operador da máquina é normalmente exposto às maiores concentrações de PERC. Estudos do Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional dos Estados Unidos (NIOSH) mostraram que em muitas lavanderias com máquinas tradicionais, ocorrem exposições extremamente altas do operador durante o carregamento e descarregamento. Como o carregamento/descarregamento ocorre frequentemente ao longo do dia, em muitos casos a exposição durante esta atividade pode ser responsável por 50 a 75% da exposição TWA do operador (Earnest 1996). As exposições ocupacionais podem ser reduzidas com o uso de modernas máquinas de lavagem a seco, substituição de solventes, isolamento do processo e ventilação local e geral eficaz próximo às máquinas de lavagem a seco.

Exposição a produtos químicos que não sejam PERC

Uma grande variedade de produtos químicos está presente em lavanderias e estabelecimentos de lavagem a seco. Existe exposição potencial através do contato com a pele ou olhos ou inalação de vapores. Danos à pele podem ocorrer devido à exposição crônica ou aguda. Produtos químicos que vaporizam facilmente e têm alta toxicidade podem apresentar risco de inalação, embora isso geralmente seja considerado menos preocupante do que lesões nos olhos ou na pele. Os produtos químicos comumente usados ​​nos Estados Unidos para tratar manchas por manchas são o tricloroetileno; cetonas, especialmente metil isobutil cetona (MIBK); nafta de petróleo; e ácido fluorídrico. Oxidantes, como alvejantes à base de cloro, podem representar um perigo se usados ​​na presença de muitos compostos comuns, como terebintina, amônia ou gases combustíveis. Detergentes contendo enzimas podem causar reações imunes em muitos trabalhadores. As exposições combinadas do solvente de limpeza a seco, PERC e vários outros produtos químicos também são uma preocupação.

Fatores de risco ergonômico

Os riscos ergonômicos na indústria de limpeza ocorrem principalmente entre as prensas. Pressionar é uma tarefa dinâmica e repetitiva que requer alcance, preensão precisa e posturas desajeitadas. Fatores de risco ergonômicos também estão presentes durante o manuseio de materiais quando pode ocorrer levantamento pesado, especialmente em lavanderias comerciais.

Os riscos de incêndio

A indústria de lavagem a seco tradicionalmente tem problemas com incêndios. Parte da razão para este problema tem sido o uso generalizado de líquidos inflamáveis ​​e combustíveis como meio de limpeza. A inflamabilidade de solventes à base de petróleo continua a apresentar um grave risco à saúde e segurança. Aproximadamente 10% das lavanderias nos Estados Unidos usam solventes tradicionais à base de petróleo, como o solvente Stoddard ou aguarrás mineral. Mesmo as lavanderias que usam PERC não inflamável enfrentam riscos importantes de incêndio. Se suficientemente aquecido, o PERC se decompõe em cloreto de hidrogênio e gases fosgênio. A produção de cianeto de hidrogênio ou monóxido de carbono é outro motivo de preocupação durante um incêndio. O cianeto de hidrogênio é produzido quando materiais que contêm nitrogênio, como muitas fibras naturais e sintéticas, queimam. O monóxido de carbono é formado durante a combustão incompleta. Todas as lavanderias possuem um grande número de combustíveis e fontes de ignição em potencial.

Os projetistas de máquinas de lavagem a seco devem evitar condições que possam levar à ocorrência de incêndio e devem garantir que suas máquinas operem com segurança. Da mesma forma, os lojistas devem tomar as medidas adequadas para evitar o desenvolvimento de condições perigosas. Algumas causas comuns de incêndios em todos os negócios são mau funcionamento elétrico, fricção, chamas abertas, faíscas, eletricidade estática, superfícies quentes e fumaça (NIOSH 1975).

Queimaduras térmicas

As instalações de limpeza têm várias fontes possíveis de queimaduras graves. Na estação de prensagem, as queimaduras podem resultar do contato com o cabeçote de uma prensa, linhas que transportam vapor ou o próprio vapor. O isolamento de tubos e superfícies e o uso de várias técnicas de proteção podem ajudar a prevenir queimaduras.

Embora as caldeiras modernas tenham um design mais seguro do que os modelos anteriores, elas ainda são usadas para produzir grandes quantidades de vapor e devem ser operadas com segurança. Muitas das precauções necessárias podem ser encontradas no Código 32 da Associação Nacional de Proteção contra Incêndios dos Estados Unidos, Norma para Instalações de Lavagem a Seco, e seus Manual de Proteção Contra Incêndio (NFPA 1991). As recomendações nesses documentos incluem requisitos de código de construção, armazenamento e isolamento adequados de produtos inflamáveis, extintores de incêndio e sistemas de sprinklers. As recomendações relativas ao acúmulo de gases ao redor da caldeira abordam maneiras de eliminar o vazamento de gás e garantir ventilação adequada.

Perigos mecânicos

Riscos mecânicos são sempre uma preocupação quando equipamentos elétricos são usados. As prensas representam um risco mecânico significativo. As prensas projetadas para serem ativadas por apenas uma mão deixam a mão livre do trabalhador em potencial para ficar presa entre as prensas. Correias, correntes de transmissão, eixos e acoplamentos devem ser protegidos para evitar contato acidental. Todos os componentes móveis das máquinas devem ser protegidos para evitar que partes do corpo fiquem presas em um ponto de aperto, aperto ou cisalhamento. Os métodos mais comuns de proteger um perigo são cercar a operação, dispositivos de intertravamento, barreiras móveis, dispositivos de remoção, controles remotos, dispositivos de disparo bimanual e dispositivos eletrônicos de segurança.

Perigos elétricos

Várias medidas podem ser tomadas para limitar os riscos elétricos. Especialmente importante é o isolamento e aterramento adequados. A identificação e proteção de peças vivas também ajudam a evitar lesões causadas por corrente elétrica. Os riscos elétricos podem ser agravados pela presença de umidade. Os interruptores de circuito de falha de aterramento são projetados para desligar a energia se uma alta corrente passar por um caminho não intencional. Ao selecionar equipamentos elétricos, devem ser seguidas as recomendações de códigos e padrões estabelecidos, como o US National Fire Protection Association 70, o National Electrical Code e o C2 do American National Standards Institute. As diretrizes para o uso apropriado de equipamentos elétricos são fornecidas em outras partes deste enciclopédia.

Estresse por calor

O estresse térmico pode afligir trabalhadores que devem trabalhar por longos períodos de tempo em ambientes quentes que existem em muitas instalações de limpeza. O estresse térmico pode ser agravado nos meses de verão, principalmente se a loja não tiver ar-condicionado (o ar-condicionado não é comum neste setor). Ambos os fatores físicos e ambientais modificarão os efeitos do calor. A aclimatação, a área de superfície corporal em relação ao peso, a idade e as doenças, o equilíbrio de água e sal e a aptidão física desempenham um papel importante na probabilidade de um indivíduo ser afetado pelo estresse térmico.

Escorregões, tropeções e quedas

O risco de escorregões, tropeções e quedas são especialmente pertinentes às instalações de limpeza, que geralmente ficam lotadas de pessoas e equipamentos. Sem corredores claramente definidos e com um grande número de recipientes contendo solventes ou água, os derramamentos podem ocorrer facilmente, resultando em um piso escorregadio. Para controlar esse risco, deve-se enfatizar a limpeza regular, o layout das instalações deve ser cuidadosamente planejado e as superfícies do piso devem ser de materiais antiderrapantes. O local de trabalho deve ser mantido em condições limpas, ordenadas e higiênicas, e qualquer derramamento deve ser limpo imediatamente.

Perigos biológicos

A lavagem de lençóis hospitalares coloca os classificadores em risco de objetos pontiagudos esquecidos em lençóis ou bolsos de uniformes. Tanto as lavanderias quanto as lavanderias podem encontrar roupas sujas recentemente que foram contaminadas com fluidos corporais humanos. Roupas provenientes de consultórios ou laboratórios odontológicos e médicos, bancos de sangue, centros de tratamento de drogas, clínicas, necrotérios, ambulâncias e outros estabelecimentos de saúde podem ser razoavelmente suspeitas de conter materiais potencialmente infecciosos. Em muitos países, as lojas que lidam com roupas dessas fontes devem cumprir os padrões ocupacionais que regem as exposições, como os regulamentos da OSHA que regem patógenos transmitidos pelo sangue.

Preocupações ambientais e de saúde pública

As preocupações ambientais e de saúde pública resultaram em mudanças drásticas nas regulamentações ambientais que afetam a indústria de lavagem a seco nos últimos anos. Apartamentos e empresas adjacentes podem ser expostos a vapores de PERC por difusão através de paredes ou tetos; fluxo de ar interno através de orifícios no teto, aberturas de tubos ou aberturas; e através de emissões de PERC ventiladas fora da oficina que são reentradas através de janelas abertas ou unidades de ventilação. A contaminação da água subterrânea ou do solo pode ocorrer por meio de derramamentos frequentes ou grandes de solventes que podem ocorrer durante a transferência de solvente de um caminhão de entrega para a máquina de lavagem a seco. A contaminação do solo também pode ocorrer pelo descarte inadequado da água do separador no esgoto sanitário. Finalmente, os consumidores podem ser expostos a resíduos de PERC em roupas mal secas. Isso é especialmente preocupante se a máquina de limpeza não estiver funcionando corretamente ou se o ciclo de secagem for reduzido para melhorar a produtividade.

Reconhecimento: Este artigo é amplamente baseado em materiais reunidos e publicados pelo Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional dos EUA (NIOSH).

 

Voltar

Segunda-feira, 04 abril 2011 18: 40

Serviços funerários

Perfil Geral

Assumindo uma população mundial de 5 bilhões, entre um quarto e meio milhão de pessoas morrem a cada dia. Muitos dos mortos são bebês ou crianças, mas eventualmente todos os que nascem também morrerão. Apesar da diversidade de culturas e crenças religiosas em torno da morte, os restos mortais de cada pessoa devem ser descartados. Em geral, os dois principais métodos de descarte de restos humanos consistem em enterro e cremação. Ambos os métodos de disposição foram frequentemente aplicados aos restos humanos não tratados. Muitas culturas, no entanto, desenvolveram ritos funerários que prescrevem algum tratamento para o cadáver. Ritos mais simples podem incluir a lavagem da superfície externa com ervas e especiarias para retardar ou mascarar o início da decomposição e o cheiro associado ao tecido morto. Ritos mais sofisticados incluem procedimentos intrusivos, como embalsamamento e remoção de órgãos internos. O embalsamamento geralmente envolve a substituição do sangue por um fluido de embalsamamento ou preservação. Os egípcios estavam entre a primeira cultura a desenvolver e praticar o embalsamamento dos mortos. O embalsamamento foi amplamente praticado no século XX em toda a Europa Ocidental e América do Norte. O embalsamamento pode ser seguido de enterro ou cremação. Fora da Europa Ocidental e da América do Norte, o enterro ou cremação geralmente não é precedido de embalsamamento.

Processos funerários

A preparação e o enterro de uma pessoa falecida podem envolver muitos processos, incluindo:

  • lavar a superfície do corpo com várias preparações
  • vestir o corpo com roupas funerárias
  • autópsias, em certas circunstâncias, que envolvem procedimentos intrusivos, como dissecação e análise de sangue e tecidos corporais
  • embalsamamento e remoção de órgãos internos
  • aplicação de cosméticos para cobrir danos visíveis se o corpo for visto
  • transporte do corpo para o local de sepultamento ou cremação
  • levantamento do corpo e caixão, e abaixando-o na sepultura
  • cavar e encher a sepultura
  • possível exumação do corpo e posterior autópsia.

 

Três tipos de riscos estão sempre associados ao manuseio de seres humanos falecidos: microbianos, psicológicos e ergonômicos. Um quarto tipo de perigo - exposição química - é introduzido quando o embalsamamento é realizado. Nos Estados Unidos, muitos estados promulgaram leis que exigem que um corpo seja embalsamado se a pessoa falecida for vista em um caixão aberto.

Perigos Microbianos

A morte é frequentemente causada por doenças. Após a morte, os germes que causaram a doença podem continuar a viver na pessoa falecida e podem infectar as pessoas que manuseiam o cadáver.

Doenças contagiosas, como a peste e a varíola, foram disseminadas pelo manuseio inadequado de vítimas que morreram por causa das doenças. A rota de exposição deve ser considerada ao avaliar o perigo microbiano associado ao manuseio de cadáveres. Muitas doenças são transmitidas ao tocar uma fonte de contaminação e, em seguida, introduzir o organismo causador da doença, ou patógeno, nas membranas mucosas da pessoa, esfregando os olhos ou o nariz ou ingerindo o patógeno. Algumas doenças podem ser contraídas simplesmente pela inalação do patógeno. A inalação pode ser um perigo especial durante a exumação, quando os restos mortais estão secos ou durante procedimentos que aerossolizam partes do corpo humano, como serrar o osso de uma pessoa falecida. O contágio de doenças é ainda mais agravado quando procedimentos com instrumentos cortantes são utilizados em ritos fúnebres. Tais práticas introduzem a possibilidade de exposição parenteral.

Os perigos microbianos podem ser classificados de muitas maneiras diferentes, incluindo o tipo de organismo causador de doença, o tipo de doença, a gravidade da doença e a via de infecção. Talvez a maneira mais útil de discutir os perigos microbianos encontrados pelos funerários seja por via de infecção. As vias de infecção são ingestão, inalação, toque ou contato com a superfície e parenteral ou punção de uma superfície corporal.

Ingestão como via de exposição pode ser controlada por meio de higiene pessoal adequada - ou seja, lavar sempre as mãos antes de comer ou fumar, e manter alimentos, bebidas ou qualquer objeto que vá à boca (como cigarros) fora das áreas de possível contaminação. Isso também é importante para controlar a exposição a produtos químicos. Além da higiene pessoal cuidadosa, o uso de luvas impermeáveis ​​ao manusear os mortos pode reduzir a probabilidade de infecção.

Inalação a exposição ocorre apenas quando os organismos causadores de doenças são transportados pelo ar. Para os trabalhadores funerários, as duas principais formas pelas quais os patógenos podem ser transportados pelo ar são durante uma exumação ou durante procedimentos de autópsia nos quais uma serra é usada para cortar o osso. Uma terceira possibilidade de aerossolizar um patógeno - tuberculose, por exemplo - é quando o ar é forçado a sair dos pulmões de um cadáver durante o manuseio. Embora as epidemias do passado tenham incluído peste, cólera, febre tifóide, tuberculose, antraz e varíola, apenas os organismos causadores de antraz e varíola parecem capazes de sobreviver por algum tempo após o enterro (Healing, Hoffman e Young 1995). Esses patógenos seriam encontrados em qualquer um dos tecidos moles, não nos ossos, e particularmente em tecidos moles que se tornaram mumificados e/ou secos e friáveis. A bactéria do antraz pode formar esporos que permanecem viáveis ​​por longos períodos, especialmente em condições de seca. Vírus da varíola intactos retirados dos tecidos de corpos enterrados na década de 1850 foram identificados sob o microscópio eletrônico. Nenhum dos vírus cresceu em cultura de tecidos e foram considerados não infecciosos (Baxter, Brazier e Young 1988). O vírus da varíola permaneceu infeccioso, no entanto, após 13 anos em armazenamento seco em condições de laboratório (Wolff e Croon 1968). Um artigo publicado no Journal of Public Health (Reino Unido) durante a década de 1850, os relatórios preocupam-se com a infecciosidade da varíola de restos enterrados duzentos anos antes em Montreal, quando a varíola estava disseminada no Novo Mundo (Sly 1994).

Talvez uma fonte mais provável de exposição à inalação durante a exumação sejam os esporos de fungos. Sempre que materiais antigos de qualquer tipo forem mexidos, deve-se fornecer proteção contra a inalação de esporos de fungos. Os respiradores descartáveis ​​de partículas de alta eficiência (HEPA), desenvolvidos principalmente para proteção contra tuberculose e poeira de chumbo, também são bastante eficazes contra esporos de fungos. Além das preocupações microbianas, a possibilidade de exposição a pó de madeira e/ou chumbo deve ser avaliada antes de qualquer exumação.

A principal via de infecção da tuberculose é a inalação. A incidência de tuberculose aumentou durante o último quarto do século XX, principalmente devido à diminuição da vigilância da saúde pública e ao surgimento de cepas bacterianas resistentes a vários grupos de antibióticos. Um estudo recente realizado na Johns Hopkins School of Public Health (Baltimore, Maryland, EUA) indica que 18.8% dos embalsamadores demonstraram resultados positivos nos testes cutâneos de tuberculina. Apenas 6.8% das pessoas empregadas no ramo funerário que não são embalsamadores demonstraram resultados positivos no mesmo teste. A menor taxa de reatividade é semelhante ao público em geral (Gershon e Karkashion 1996).

O vírus da hepatite B (HBV) e o vírus da imunodeficiência humana (HIV) são infecciosos se entrarem em contato com membranas mucosas ou forem introduzidos na corrente sanguínea através de um corte ou punção. Um estudo de profissionais de serviço funerário em Maryland indicou que 10% tiveram uma exposição da membrana mucosa nos últimos 6 meses e 15% relataram uma picada de agulha nos últimos 6 meses (Gershon et al. 1995). Outros estudos norte-americanos relataram que entre 39 e 53% dos agentes funerários tiveram uma picada de agulha nos últimos 12 meses (Nwanyanwu, Tubasuri e Harris 1989). Nos Estados Unidos, a prevalência relatada de HBV está entre 7.5 e 12.0% em funerárias não vacinadas e 2.6% ou menos em funerárias vacinadas. A taxa de vacinação relatada varia entre 19 e 60% dos agentes funerários nos Estados Unidos. Embora exista uma vacina para o HBV, atualmente não há vacina para o HIV.

O HIV e o HBV são infecciosos apenas quando o vírus entra em contato com as membranas mucosas ou é introduzido na corrente sanguínea de outro ser humano. O vírus não é absorvido pela pele intacta. As membranas mucosas incluem a boca, o nariz e os olhos. Esses vírus podem ser introduzidos na corrente sanguínea por meio de um corte ou abrasão na pele, ou perfurando ou cortando a pele com um instrumento que esteja contaminado com o vírus. Mãos rachadas devido ao ressecamento ou unha encravada podem fornecer rotas de entrada para esses vírus. Portanto, para evitar a transmissão dessas doenças, é importante fornecer uma barreira impermeável aos fluidos corporais, evitar respingos de fluidos contaminados nos olhos, nariz ou boca e evitar perfurar ou cortar a pele com um instrumento contaminado com HIV ou HBV. O uso de luvas de látex e um escudo facial geralmente podem fornecer essa proteção. As luvas de látex, no entanto, têm uma vida útil limitada, dependendo da quantidade de luz solar e calor a que foram expostas. Em geral, o látex deve ser submetido a testes de estresse se as luvas tiverem sido armazenadas por mais de um ano. O teste de resistência envolve encher a luva com água e observar se algum vazamento se desenvolve durante um mínimo de dois minutos. Alguns países do Ocidente, como Estados Unidos e Grã-Bretanha, adotaram a ideia de precauções universais, o que significa que todo cadáver é tratado como se estivesse infectado com HIV e HBV.

Riscos psicológicos

Em muitas culturas, a família do falecido prepara o corpo de seu parente morto para o enterro ou cremação. Em outras culturas, um grupo especializado de indivíduos prepara os corpos dos mortos para o enterro ou cremação. Há um efeito psicológico nos vivos quando eles estão envolvidos no manuseio de cadáveres. O efeito psicológico é real independentemente dos procedimentos utilizados nos ritos fúnebres. Recentemente, tem havido interesse em identificar e avaliar os efeitos da realização de ritos fúnebres naqueles que realmente os realizam.

Embora os riscos psicológicos de ser um trabalhador funerário profissional não tenham sido extensivamente estudados, os efeitos psicológicos de lidar com os restos mortais de uma morte traumática foram recentemente analisados. Os principais efeitos psicológicos parecem ser ansiedade, depressão e somatização (a tendência a relatar doenças físicas), assim como irritabilidade, distúrbios do apetite e do sono e aumento do uso de álcool (Ursano et al. 1995). O transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) ocorreu em um número significativo de indivíduos que lidaram com vítimas de mortes traumáticas. Imediatamente após um desastre no qual restos humanos foram manuseados por socorristas, entre 20 e 40% dos socorristas foram considerados de alto risco, conforme demonstrado por testes psicológicos, mas apenas cerca de 10% dos socorristas foram diagnosticados com TEPT. Os efeitos psicológicos ainda estavam presentes nas equipes de resgate um ano após o desastre, mas a incidência foi bastante reduzida. Efeitos psicológicos adversos, no entanto, foram detectados em indivíduos vários anos após o evento traumático.

Muitos desses estudos foram realizados em militares. Eles indicam que as taxas de estresse generalizado são maiores em indivíduos inexperientes que não foram voluntários, e que houve aumento da incidência de indicadores de estresse até um ano após um incidente traumático. A empatia ou a auto-identificação do funerário com o falecido parece estar associada a um aumento do nível de estresse psicológico (McCarroll et al. 1993; McCarroll et al. 1995).

Um estudo avaliou as causas de morte em 4,046 embalsamadores e agentes funerários nos Estados Unidos entre 1975 e 1985 e relatou uma taxa de mortalidade proporcional (PMR) de 130 para suicídio. O PMR é uma proporção do número real de suicídios em embalsamadores e agentes funerários dividido pelo número de suicídios que seriam esperados em um grupo de indivíduos comparáveis ​​em idade, raça e sexo que não são embalsamadores ou agentes funerários. Essa proporção é então multiplicada por 100. O objetivo deste estudo foi avaliar o risco de câncer em agentes funerários, e a estatística de suicídio não foi mais elaborada.

Ergonomia

Um adulto humano falecido é pesado e geralmente deve ser carregado para um local designado de enterro ou cremação. Mesmo quando forem utilizados meios mecânicos de transporte, o corpo morto deve ser transferido do local da morte para o veículo e deste para o local de sepultamento ou cremação. Por respeito à pessoa morta, essa transferência geralmente é realizada por outros humanos.

Os agentes funerários são obrigados a mover cadáveres muitas vezes durante a preparação do corpo e funerais. Embora não tenham sido encontrados estudos que abordassem esse assunto, a dor lombar e a lesão estão associadas ao levantamento prolongado e repetitivo de objetos pesados. Existem dispositivos de elevação disponíveis que podem ajudar com esses tipos de elevadores.

Riscos Químicos

Os procedimentos de embalsamamento introduzem uma série de produtos químicos potentes no espaço de trabalho dos trabalhadores funerários. Talvez o mais amplamente utilizado e tóxico seja o formaldeído. O formaldeído é irritante para as membranas mucosas, olhos, revestimento nasal e sistema respiratório e tem sido associado a alterações celulares mutagênicas e ao desenvolvimento de câncer, bem como à asma ocupacional. Durante as últimas décadas, o nível de exposição ocupacional associado a nenhum efeito adverso foi consistentemente reduzido. Os atuais limites permitidos de exposição média ponderada no tempo de 8 horas variam de 0.5 ppm na Alemanha, Japão, Noruega, Suécia e Suíça a 5 ppm no Egito e Taiwan (IARC 1995c). Níveis de formaldeído entre 0.15 e 4.3 ppm, com níveis instantâneos de até 6.6 ppm, foram relatados para embalsamamentos individuais. Um embalsamamento normalmente leva entre 1 e 2 horas. A exposição adicional ao formaldeído está associada à aplicação de cremes de embalsamamento e pós de secagem e endurecimento e durante derramamentos.

Ratos que foram cronicamente expostos a 6 a 15 ppm de formaldeído (Albert et al. 1982; Kerns et al. 1982; Tobe et al. 1985), ou repetidamente expostos a 20 ppm por períodos de 15 minutos (Feron et al. 1988 ), desenvolveram carcinomas nasais (Hayes et al. 1990). O IARC relata evidências epidemiológicas limitadas para uma associação entre a exposição ao formaldeído na indústria e o desenvolvimento de câncer nasal e faríngeo humano (Olsen e Asnaes 1986; Hayes et al. 1986; Roush et al. 1987; Vaughan et al. 1986; Blair et al. . 1986; Stayner et al. 1988). Vários estudos de agentes funerários, no entanto, relataram um aumento na incidência de leucemias e tumores cerebrais (Levine, Andjelkovich e Shaw 1984; Walrath e Fraumeni 1983). Além dos efeitos carcinogênicos, o formaldeído é irritante para as membranas mucosas e tem sido considerado um forte sensibilizador no desenvolvimento de asma de início adulto. O mecanismo ou mecanismos pelos quais o formaldeído precipita a asma são ainda menos bem caracterizados do que seu papel no desenvolvimento do câncer.

Outros produtos químicos potencialmente tóxicos usados ​​em fluidos de embalsamamento incluem fenol, metanol, álcool isopropílico e glutaraldeído (Hayes et al. 1990). O glutaraldeído parece ser ainda mais irritante do que o formaldeído para as membranas mucosas e afeta o sistema nervoso central em níveis bem acima de 500 ppm. O metanol também afeta o sistema nervoso central e, em particular, o sistema de visão. O fenol parece afetar o sistema nervoso, bem como os pulmões, coração, fígado e rins, e é absorvido rapidamente pela pele. Nosso conhecimento da toxicologia e nossa capacidade de realizar avaliação de risco para exposição a vários produtos químicos simultaneamente não são suficientemente sofisticados para analisar os efeitos fisiológicos das misturas às quais os embalsamadores e agentes funerários estão expostos. Blair et ai. (1990a) achava que o aumento da incidência de leucemias e tumores cerebrais relatados em trabalhadores profissionais, mas não industriais, era resultado da exposição a outros produtos químicos além do formaldeído.

Avanços recentes no projeto de mesas de dissecação indicam que a corrente descendente local de vapores reduz significativamente a exposição de indivíduos que trabalham nas proximidades (Coleman 1995). O uso de luvas durante a execução de procedimentos que requerem contato da pele com fluidos e cremes de embalsamamento também reduz o risco. Tem havido alguma preocupação, no entanto, que algumas das luvas de látex no mercado possam ser permeáveis ​​ao formaldeído. Portanto, as luvas de proteção devem ser selecionadas com cuidado. Além das preocupações imediatas sobre os perigos da exposição ao formaldeído, acumulam-se evidências de que o lixiviado dos cemitérios pode levar à contaminação do lençol freático por formaldeído.

A exumação de corpos também pode envolver exposições químicas. Embora usado esporadicamente durante séculos, o chumbo era comumente usado para revestir caixões começando no século XVIII e continuando no século XIX. A inalação de pó de madeira está associada a problemas respiratórios, e o pó de madeira contaminado por fungos é uma faca de dois gumes. Compostos de arsênico e mercúrio também foram usados ​​como conservantes no passado e podem representar um perigo durante a exumação.

 

Voltar

Segunda-feira, 04 abril 2011 18: 44

Trabalhadores domésticos

Perfil Geral

O trabalho doméstico é caracterizado pelo trabalho para outra família dentro de sua casa. O termo trabalhadores domésticos não deve ser confundido com donas de casa e donas de casa, que trabalham em casa própria ou governantas, que trabalham em instituições como hospitais ou escolas. A posição de emprego dentro de uma casa é um ambiente de trabalho único e muitas vezes isolado. A posição de empregada doméstica é quase sempre considerada servil ou inferior à família para a qual está empregada. De fato, no passado, o trabalho doméstico às vezes era feito por escravos ou servos contratados. Alguns dos cargos hoje para trabalhadores domésticos incluem: servo, empregada doméstica, governanta, au pair e babá. Embora os trabalhadores domésticos possam ser do sexo feminino ou masculino, as trabalhadoras do sexo feminino são muito mais empregadas e, na maioria das vezes, recebem menos do que os homens. Os trabalhadores domésticos são geralmente imigrantes ou membros de minorias étnicas, nacionais ou religiosas do país de trabalho.

Deve-se distinguir entre trabalhadores domésticos que trabalham como empregados domésticos daqueles que vivem em casa própria e se deslocam para o local de trabalho. Os trabalhadores domésticos residentes estão isolados da sua própria família, bem como frequentemente do seu próprio país de nacionalidade. Por causa da cassação do trabalhador, os contratos de trabalho e os benefícios de saúde e outros são irrisórios. Às vezes, a hospedagem e a alimentação são consideradas parte ou mesmo o pagamento total dos serviços prestados. Esta situação é particularmente crítica para o trabalhador doméstico estrangeiro. Às vezes, infrações relativas a salário pactuado, licença médica, jornada de trabalho, férias e regulamentação de jornada e deveres nem podem ser sanadas porque o trabalhador não é fluente no idioma, carece de advogado, sindicato, contrato de trabalho ou dinheiro com para sair de uma situação perigosa (Anderson 1993; OIT 1989). Os trabalhadores domésticos geralmente não têm remuneração trabalhista, nenhum lugar para relatar uma violação e muitas vezes não conseguem deixar o emprego.

Os locais onde os principais empregadores de trabalhadores domésticos são encontrados incluem a Grã-Bretanha, o Golfo Pérsico e os Estados Árabes, Grécia, Hong Kong, Itália, Nigéria, Cingapura e Estados Unidos. Esses trabalhadores domésticos são de vários países, incluindo Bangladesh, Brasil, Colômbia, Etiópia, Eritreia, Índia, Indonésia, Marrocos, Nepal, Nigéria, Filipinas, Serra Leoa e Sri Lanka (Anderson 1993). Nos Estados Unidos, muitos trabalhadores domésticos são imigrantes da América Central e Latina e das ilhas do Caribe. Os trabalhadores domésticos às vezes são imigrantes ilegais ou têm vistos especiais limitados. Freqüentemente, eles não são elegíveis para os serviços sociais básicos disponíveis para outros.

Tarefas Gerais

As tarefas dos trabalhadores domésticos podem incluir:

  • Trabalho de cozinha: comprar comida, cozinhar e preparar as refeições, atender a família e servir as refeições, limpar após as refeições e cuidar dos talheres
  • Limpeza e arrumação: cuidar de móveis e quinquilharias, lavar pratos, polir prata e limpar a casa incluindo banheiros, pisos, paredes, janelas e às vezes anexos, como pensões, garagens e galpões
  • Cuidados com a roupa: lavar, secar, passar roupas, às vezes consertar roupas ou entregar/retirar roupas lavadas a seco
  • Cuidados com crianças e idosos: babá ou creche, troca de fraldas e outras roupas, lavagem de crianças, supervisão de refeições e atividades e entrega de e para a escola. Às vezes, os trabalhadores domésticos recebem tarefas que giram em torno dos cuidados com os idosos, como supervisão, banho, tarefas de companhia, entrega de e para consultas médicas e tarefas médicas leves.

 

Perigos e Precauções

Em geral, a intensidade dos riscos associados aos trabalhadores domésticos residentes é muito maior do que aos trabalhadores domésticos que se deslocam diariamente para o trabalho.

Riscos físicos

Alguns riscos físicos incluem: longas horas de trabalho, tempo de descanso insuficiente e, às vezes, alimentação insuficiente, exposição a água quente e fria, exposição a ambientes quentes de cozinha, problemas musculoesqueléticos, especialmente dores nas costas e na coluna, por levantar crianças e móveis e ajoelhar-se para limpar o chão . O “joelho da empregada doméstica” foi comparado ao “joelho do tapete”, a lesão sofrida pelos tapetes. Embora a mecanização de certos processos de polimento e enceramento do piso tenha resultado em menos trabalho dos joelhos, muitos empregados domésticos ainda devem trabalhar de joelhos e quase sempre sem enchimento ou proteção (Tanaka et al. 1982; Turnbull et al. 1992).

As precauções incluem limitações de horas de trabalho, descanso adequado e pausas para alimentação, luvas para lavar louça e outras imersões em água, treinamento em técnicas de levantamento adequadas, limpadores mecanizados de carpetes e polidores de piso para minimizar o tempo gasto de joelhos e fornecimento de joelheiras para tarefas ocasionais.

Perigos químicos

Os trabalhadores domésticos podem ser expostos a uma grande variedade de ácidos, álcalis, solventes e outros produtos químicos em produtos de limpeza doméstica que podem causar dermatite. (Ver também “Serviços de limpeza interior” neste capítulo). Muitas vezes, a dermatite pode ser exacerbada pela imersão das mãos em água quente ou fria (Scolari e Gardenghi 1966). Os trabalhadores domésticos podem não saber o suficiente sobre os materiais que usam ou como usar esses produtos com segurança. Há treinamento inadequado em manuseio de produtos químicos ou comunicação de perigo para os materiais que eles usam. Por exemplo, foi relatado um caso de envenenamento grave em um empregado que estava usando pó de limpeza de prata de carbonato de cádmio. O trabalhador usou o produto por um dia e meio e sentiu cólicas abdominais, aperto na garganta, vômitos e pulso baixo. A recuperação levou 24 dias (Sovet 1958).

Muitos produtos usados ​​ou manuseados por trabalhadores domésticos são alérgenos conhecidos. Estes incluem luvas protetoras de borracha natural, plantas domésticas, ceras e polidores, detergentes, cremes para as mãos, anti-sépticos e impurezas em detergentes e branqueadores. A dermatite irritante pode ser um precursor da dermatite de contato alérgica em empregadas domésticas, e muitas vezes começa com o desenvolvimento de manchas de eritema nas costas das mãos (Foussereau et al. 1982). A inalação de solventes, pesticidas domésticos, poeiras, bolores e assim por diante pode causar problemas respiratórios.

As precauções incluem o uso de produtos de limpeza doméstica menos tóxicos possíveis, treinamento no manuseio de materiais e segurança dos vários detergentes e fluidos de limpeza, bem como o uso de cremes e luvas protetoras para as mãos. Produtos sem perfume podem ser melhores para indivíduos propensos a alergias (Foussereau et al. 1982).

Perigos biológicos

Trabalhadores domésticos responsáveis ​​pelo cuidado de crianças pequenas, em particular, correm maior risco de serem infectados com uma variedade de doenças, especialmente por causa da troca de fraldas e de alimentos e água contaminados. As precauções incluem lavar as mãos cuidadosamente após trocar e manusear fraldas sujas, descarte adequado de itens sujos e procedimentos adequados de manipulação de alimentos.

Riscos psicológicos e de estresse

Alguns riscos psicológicos e de estresse incluem isolamento da família e da comunidade; falta de férias remuneradas e licença médica ou maternidade; proteção inadequada dos salários; estupro, abuso físico e mental; jornada de trabalho excessivamente estendida; e falta geral de benefícios ou contratos. Trabalhadores domésticos residentes enfrentam maior perigo de perigos, incluindo violência, assédio, abuso físico e mental e estupro (Anderson 1993).

Durante um período de seis meses em 1990, houve oito mortes - seis suicídios e dois assassinatos - de empregadas domésticas filipinas relatadas em um relatório arquivado pela Embaixada das Filipinas em Cingapura. O suicídio é subnotificado e não está bem documentado; no entanto, houve até 40 suicídios relatados à Embaixada das Filipinas em um período de tempo (Gulati 1993).

Em menor grau, esses mesmos riscos são relevantes para os trabalhadores domésticos não residenciais. Em um estudo de Ohio (Estados Unidos) que examinou reivindicações de compensação de trabalhadores por agressão sexual de 1983 a 1985, 14% dos estupros ocorreram em empregadas domésticas e camareiras de motéis (Seligman et al. 1987).

A prevenção de abusos de trabalhadores domésticos pode ser auxiliada pelo estabelecimento de leis que protejam esses trabalhadores comparativamente indefesos. Nos Estados Unidos, a contratação de imigrantes ilegais como trabalhadores domésticos era uma prática comum até a aprovação da Lei de Controle e Reforma da Imigração de 1986. Essa lei aumentou as penalidades que poderiam ser impostas aos empregadores desses trabalhadores. No entanto, nos países desenvolvidos, a demanda por ajuda doméstica está aumentando constantemente. Nos Estados Unidos, os trabalhadores domésticos devem receber pelo menos o salário mínimo e, se ganharem US$ 1,000 ou mais anualmente de um único empregador, têm direito a seguro-desemprego e seguro social (Anderson 1993).

Outros países tomaram medidas para proteger esses trabalhadores domésticos vulneráveis. O Canadá iniciou seu programa Live-in Care-giver em 1981, que foi alterado em 1992. Este programa envolve o reconhecimento de trabalhadores domésticos imigrantes.

O reconhecimento do trabalhador doméstico imigrante é o primeiro passo para poder abordar questões preventivas de saúde e segurança para ele. À medida que o reconhecimento inicial desses trabalhadores e suas dificuldades é alcançado, as condições perigosas de trabalho podem ser abordadas e melhoradas com regulamentações governamentais, sindicalização, grupos de apoio privados e iniciativas de saúde da mulher.

Efeitos na saúde e padrões de doenças

Um estudo de dados de mortalidade de 1,382 trabalhadoras domésticas na Colúmbia Britânica (Canadá) mostrou mortalidade maior do que a esperada por cirrose hepática, morte acidental por exposição, homicídios e acidentes de todos os tipos combinados. Além disso, as mortes por pneumonia e câncer retal e ocular foram maiores do que o previsto. Os autores sugerem que um fator importante nas mortes elevadas devido à cirrose hepática é porque muitos trabalhadores domésticos na Colúmbia Britânica são das Filipinas, onde a hepatite B é endêmica (McDougal et al. 1992). Outros estudos apontam o alcoolismo como um fator. Em uma revisão de um estudo de mortalidade na Califórnia (Estados Unidos), observou-se que as seguintes ocupações estavam associadas ao aumento das taxas de mortalidade por cirrose em mulheres: faxineiras e empregadas domésticas; garçonete; e auxiliar de enfermagem, ordenança e atendente. Os autores concluem que o estudo apóia uma associação entre ocupação e mortalidade por cirrose e, além disso, que a maior mortalidade por cirrose está associada a empregos de baixo status e empregos onde o álcool está facilmente disponível (Harford e Brooks 1992).

Em seu estudo de 1989 sobre doenças ocupacionais da pele, a Associação Britânica de Dermatologistas constatou que, de 2,861 casos relatados (dos quais 96% eram dermatite de contato), a ocupação de “faxineiras e domésticas” era a segunda maior categoria de trabalho listada para mulheres ( 8.4%) (Cherry, Beck e Owen-Smith 1994). Da mesma forma, nas respostas positivas aos testes cutâneos dermatológicos realizados em 6,818 pacientes, as profissões mais comuns das mulheres estudadas foram empregada doméstica, escriturária, faxineira, costureira e cosmetologista. O trabalho doméstico foi responsável por 943 das respostas positivas aos testes de contato (Dooms-Goossens 1986).

Outras pesquisas apontaram para alergia e doença respiratória. Doenças pulmonares alérgicas ocupacionais induzidas por produtos químicos orgânicos foram revisadas, e a categoria de trabalhadores domésticos foi apontada como uma ocupação particularmente afetada por alérgenos respiratórios (Pepys 1986). Um estudo sueco sobre mortalidade por asma analisou mulheres que relataram emprego no Censo Nacional de 1960. Taxas de mortalidade padronizadas ajustadas ao tabagismo foram calculadas para cada ocupação. O aumento da mortalidade devido à asma foi observado em cuidadores, empregadas domésticas, garçonetes e camareiras (Horte e Toren 1993).

Há uma falta de estatísticas e informações de saúde sobre os trabalhadores domésticos, especialmente para os trabalhadores imigrantes no exterior, talvez por causa do status temporário ou mesmo ilegal desses trabalhadores em seus países de trabalho. O reconhecimento governamental só ajudará a possibilitar mais pesquisas e proteção da saúde desses trabalhadores.

 

Voltar

Segunda-feira, 04 abril 2011 18: 47

Problemas ambientais

Muitos dos processos descritos nos artigos deste capítulo podem gerar resíduos perigosos, como solventes, ácidos, álcalis, formaldeído e assim por diante.

Na lavagem a seco, tem havido preocupação com os vapores de percloroetileno que poluem o ar dos apartamentos acima das lavanderias. A instalação de máquinas para purificação e recuperação de vapores de solventes, a centralização da limpeza a seco (usando lojas locais apenas como locais de entrega e coleta) e o desenvolvimento de métodos de limpeza úmida que minimizem o uso de solventes são métodos que podem minimizar esses problemas.

As funerárias que usam o embalsamamento geram tanto resíduos químicos perigosos (por exemplo, formaldeído) quanto resíduos biológicos perigosos (sangue e materiais contendo sangue). A maioria dos países onde o embalsamamento é praticado exige que eles sejam descartados como resíduos perigosos. Nos crematórios, a contaminação por mercúrio no ar pode resultar de obturações de amálgama de mercúrio nos dentes.

A maioria das lojas de cosmetologia que geram resíduos químicos jogam no ralo ou colocam recipientes com resíduos no lixo. Isso também vale para o pessoal de limpeza, tanto em residências quanto em instituições, que podem gerar resíduos na forma de solventes, ácidos e outros produtos de limpeza que contenham produtos químicos perigosos. A existência de muitos geradores produzindo individualmente pequenas quantidades de resíduos cria um problema de controle; tecnologias de controle focadas e padrão não são facilmente implementadas nesses casos. Por exemplo, mesmo em grandes instituições como hospitais, os produtos químicos de limpeza são usados ​​em pequenas quantidades em todo o edifício, com produtos químicos de limpeza geralmente armazenados em vários locais.

Existem várias soluções para este problema. Uma delas é o desenvolvimento contínuo de substitutos menos perigosos, especialmente a substituição de solventes por produtos à base de água. Outra solução é a adoção de procedimentos para garantir que sejam adquiridas apenas as quantidades de produtos necessárias para o futuro próximo, evitando o acúmulo de produtos antigos que devem ser descartados. Usar todo o produto em um recipiente antes de descartá-lo no lixo pode reduzir a poluição dessa fonte. Nos últimos anos, alguns países, como os Estados Unidos e o Canadá, estabeleceram programas locais de resíduos perigosos domésticos, onde resíduos como solventes e produtos de limpeza podem ser levados para pontos de coleta central que aceitarão os resíduos perigosos gratuitamente e os descartarão de acordo aos devidos procedimentos.

 

Voltar

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de serviços pessoais e comunitários

Agência para Substâncias Tóxicas e Registro de Doenças (ATSDR). 1995. Perfil Toxicológico para Tetracloroetileno (Rascunho de Atualização para Comentários Públicos). Atlanta, GA: ATSDR dos EUA.

Albert, RE, AR Sellakumar, S Laskin, K Kuschner, N Nelson e CA Snyder. 1982. Formaldeído gasoso e indução de cloreto de hidrogênio de câncer nasal em ratos. JNCI 68: 597-603.

Anderson, B. 1993. Escravos secretos da Grã-Bretanha: uma investigação sobre a situação dos trabalhadores domésticos estrangeiros. Human Rights Series No. 5, Anti-slavery International e Kalayaan: Justiça para Trabalhadores Domésticos Estrangeiros.

Armstrong, P e H Armstrong. 1994. O duplo gueto, 3ª edição. Toronto: McClelland e Stewart.

Association pour la santé et la securité au travail, secteur affaires sociales (ASSTSAS). 1993. Entretien sanitário. Montreal: ASSTSAS.

Baxter, PJ, AM Brazier e SEJ Young. 1988. A varíola é um perigo nas criptas das igrejas? Br J Ind Med 45: 359-360.

Blainey, AD, S Ollier, D Cundell, RE Smith e RJ Davies. 1986. Asma ocupacional em salões de cabeleireiro. Tórax 41: 42-50.

Blair, A, R Saracci, PA Stewart, RB Hayes e C Shy. 1990a. Evidências epidemiológicas sobre a relação entre a exposição ao formaldeído e o câncer. Scand J Trabalho, Meio Ambiente e Saúde 16: 381-391.

Blair, A, P Stewart, PE Tolbert, D Grauman, FX Moran, J Faught e J Rayner. 1990b. Câncer e outras causas de morte entre trabalhadores de lavanderias e tinturarias. Br J Ind Med 47: 162-168.

Blair, A, PA Stewart, M O'Berg, W Gaffey, J Walrath, J Ward, R Bales, S Kaplan e D Cubit. 1986. Mortalidade entre trabalhadores industriais expostos ao formaldeído. JNCI 76: 1071-1084.

Borglum, B e AM Hansen. 1994. Uma Pesquisa de Agentes de Lavagem e Limpeza (em dinamarquês, resumo em inglês). Relatório AMI 44. Copenhagen, Dinamarca: Instituto Dinamarquês de Saúde Ocupacional.

Bretin, H. 1994. Santé des ouvriers du nettoyage em Montréal et em Paris: La face cachée du travail dans la ville. Kremlin-Bicêtre, França: INSERM Unité 292.

Bretin, H, N Frigul, I Metenier, L Aussel e A Thébaud-Mony. 1992. Des femmes chomeuses en mauvaise santé. Kremlin-Bicêtre, França: INSERM Unité 292.

Cherry, NM, MH Beck e V Owen-Smith. 1994. Vigilância de Doenças Ocupacionais da Pele no Reino Unido: O Projeto OCC-Derm. Publicação US NIOSH No. 94-112. Anais do 9º Simpósio Internacional de Epidemiologia em Saúde Ocupacional, 23-25 ​​de setembro de 1992, Cincinnati, OH: US NIOSH.

Coleman, R. 1995. Reduzindo os níveis de exposição ao formaldeído em laboratórios de anatomia macroscópica. Anat Rec 243: 531-533.

Delaporte, MF, M Estryn-Behar, G Brucker, E Peigne e A Pelletier. 1990. Pathologie dermatologique et exercice professionnel en milieu hospitalier. Arco mal prof. 51 (2): 83-88.

Demers, PA, TL Vaughan e RR Schommer. 1991. Ocupação, status socioeconômico e mortalidade por tumor cerebral: um estudo de caso-controle baseado em certidão de óbito. JOM 33 (9): 1001-1006.

Dooms-Goossens, A. 1986. Um sistema computadorizado de recuperação de substâncias alergênicas de contato. Seminários em Dermatologia 5 (3): 249-254.

Duh, RW e NR Asal. 1984. Mortalidade entre trabalhadores de lavanderias e tinturarias em Oklahoma. Sou J Saúde Pública 74: 1278-1280.

Sério, GS. 1996. Avaliação e controle das exposições ao percloroetileno durante a lavagem a seco. Appl Ocupar Ambiente Hyg 11 (2): 125-132.

Earnest, GS e AB Spencer. 1996. Lições da Europa: Reduzindo a Exposição Ocupacional e as Emissões Ambientais ao Percloroetileno na Lavagem a Seco Comercial (ECTB n.º 201-07). Cincinnati, OH: US NIOSH.

Agência de Proteção Ambiental (EPA). 1991a. Instalações de lavagem a seco - informações básicas para padrões propostos (Publicação EPA No. 50/3-91-020a). Research Triangle Park, NC: Escritório de Planejamento e Padrões de Qualidade do Ar, Agência de Proteção Ambiental.

—. 1991b. Padrões nacionais de emissão de poluentes atmosféricos perigosos para categorias de fontes: Emissões de percloroetileno de instalações de lavagem a seco, norma proposta e aviso de audiência pública. Registro Federal 56 (236): 64382-64402.

Feron, VJ, JP Bruyntjes, RA Woutersen, HR Immel e LM Appelman. 1988. Tumores nasais em ratos após exposição de curto prazo a uma concentração citotóxica de formaldeído. Canc Lett 39: 101-111.

Flyvholm, MA. 1993. Alergênicos de contato em agentes de limpeza registrados para uso industrial e doméstico. Br J Ind Med 50: 1043-1050.

Foussereau, J, C Benezra, HI Maibach e N Hjorth. 1982. Pessoal da casa. In Dermatite de Contato Ocupacional, Aspectos Clínicos e Químicos. Filadélfia: WB Saunders Company.

Gamboa, PM, CG de la Cuesta, BE Garcia, JG Castillo, and A Oehling. 1989. Reação asmática tardia em cabeleireira, devido à inalação de sais de persulfato de amônio. Alergologia e imunopatologia 17: 109-111.

Gawkrodger, DJ, MH Lloyd e JAA Hunter. 1986 Dermatite ocupacional em trabalhadores de limpeza e cozinha hospitalar. Dermatite de contato 15: 132-135.

Gershon, RRM e C Karkashion. 1996. O risco de TB em trabalhadores de serviços funerários: resultados preliminares. Apresentado nas reuniões da American Public Health Association, novembro, cidade de Nova York.

Gershon, RRM, D Vlahox, H Farzadegan e A Miriam. 1995. Risco ocupacional de infecções pelo vírus da imunodeficiência humana, vírus da hepatite B e vírus da hepatite C entre profissionais de serviço funerário em Maryland. 1995. Epidemia Hosp de Controle de Infecção 16: 194-197.

Gervais, M. 1993. Bilan de santé des travailleurs quebequenses. Montreal: Institut de recherche en santé et en securité du travail du Quebec.

Governo de Quebec. 1994. Décret sur le personal d'entretien d'edifices publics de la région de Montréal. Quebec: Éditeur officiel.

Gulati, L. 1993. Mulheres Trabalhadoras Migrantes na Ásia: Uma Revisão. Nova Delhi. Equipe Regional Asiática da OIT para a Proteção do Emprego.

Hagner, IM e M Hagberg. 1989. Avaliação de dois métodos de trabalho de esfregar o chão por medição de carga. Ergonomia 32 (4): 401-408.

Hansen, KS. 1983. Dermatoses ocupacionais em faxineiras hospitalares. Dermatite de contato 9: 343-351.

Harford, TC e SD Brooks. 1992. Mortalidade e ocupação por cirrose. J Álcool Stud 53 (5): 463-468.

Hayes, RB, A Blair, PA Stewart, RF Herrick e H Mahar. 1990. Mortalidade de embalsamadores e agentes funerários dos EUA. Am J Ind Med 18: 641-652.

Hayes, RB, JW Raatgever, A de Bruyn e M Gerin. 1986. Câncer da cavidade nasal e seios paranasais e exposição ao formaldeído. Int J Canc 37: 487-492.

Cura, TD, PN Hoffman e SEJ Young. 1995. Os riscos de infecção de cadáveres humanos. Rev Dis comunicável 5: R61-R68.

Instituto Hohenstein. 1995. Requisitos para o Uso de Solventes de Hidrocarbonetos na Indústria de Lavagem a Seco. Boennigheim, Alemanha: Hohenstein Institute.

Horte, LG e K Toren. 1993. Mortalidade ajustada por tabagismo devido à asma em uma população de trabalhadoras suecas. Br J Ind Med 50 (6): 575-576.

Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). 1995a. Limpeza a seco, alguns solventes clorados e outros produtos químicos industriais (Limpeza a seco). No Monografias da IARC sobre a avaliação do risco carcinogênico para humanos. vol. 63. Lyon: IARC.

—. 1995b. Limpeza a seco, alguns solventes clorados e outros produtos químicos industriais (tetracloroetileno). No Monografias da IARC sobre a Avaliação de Riscos Carcinogênicos para Humanos. Lyon: IARC.

—. 1995c. Pó de madeira e formaldeído. No Monografias da IARC sobre a avaliação de riscos cancerígenos para humanos. Lyon: IARC.

Instituto Fabricare Internacional. 1990. Foco em Lavagem a Seco: Destilação. Silver Spring, MD: Instituto Internacional Fabricare.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1989. Condições de Trabalho Digest: Home Work. Vol. 8, No. 2. Genebra: OIT.

Johannsson, SE e G Ljunggren. 1989. Esforço percebido durante um ritmo auto-imposto de trabalho para um grupo de faxineiras. Ergonomia Aplicada 20 (4): 307-312.

John, EM, DA Savitz e CM Shy. 1994. Aborto espontâneo entre cosmetologistas. Epidemiologia 5: 147-155.

Katz, RM e D. Jowett. 1981. Trabalhadoras de lavanderia e lavagem a seco em Wisconsin: uma análise de mortalidade. Sou J Saúde Pública 71: 305-307.

Kerns, WD, KL Pavkov, DJ Donofrio, EJ Gralla e JA Swenberg. 1982. Carcinogenicidade do formaldeído em ratos e camundongos após exposição prolongada à inalação. Canc res 43: 4382-4392.

Koenig, KL. 1994. Uso de tintura de cabelo e câncer de mama: um estudo de caso-controle entre participantes de triagem. Sou J Epi 133: 985-995.

Levine, RJ, DA Andjelkovich e LK Shaw. 1984. A mortalidade dos agentes funerários de Ontário e uma revisão dos estudos de mortalidade relacionados ao formaldeído. J Occ Med 26: 740-746.

Lin, RS e II Kessler. 1981. Um modelo multifatorial para câncer pancreático no homem: evidência epidemiológica. JAMA 245: 147-152.

McCarroll, JE, RJ Ursano, CS Fullerton e A Lundy. 1993. Estresse traumático de um necrotério em tempo de guerra, antecipação da exposição à morte em massa. J Nerv Ment Dis 181: 545-551.

—. 1995. Estresse antecipatório do manuseio de restos humanos da Guerra do Golfo Pérsico. J Nerv Ment Dis 183: 698-703.

McDonald, AD, B Armstong, N Cherry, C Delorme, AD Nolin, JC McDonald e D Robert. 1986. Aborto espontâneo e ocupação. J Occ Med 28: 1232-1238.

McDonald, AD, JC McDonald, B Armstong, N Cherry, C Delorme, AD Nolin e D Robert. 1987. Resultado da ocupação e da gravidez. Br J Ind Med 44: 521-526.

McDonald, AD, JC McDonald, B Armstong, N Cherry, AD Nolin e D Robert. 1988. Prematuridade e trabalho na gravidez. Br J Ind Med 45: 56-62.

McDougal, L, PR Band, JJ Spinelli, WJ Threlfall e RP Gallagher. 1992. Padrões de mortalidade em trabalhadoras domésticas. Am J Ind Med 21 (4): 595-599.

Messing, K. 1991. Preocupações com a saúde ocupacional das mulheres canadenses/La santé et la securité des travailleuses canadiennes. Ottawa: Recursos Humanos Canadá.

—. Na imprensa. Lixo hospitalar: os faxineiros falam de seu papel na prevenção de doenças. Med Anthropol Quar.

Messing, K, C Chatigny e J Courville. 1995. Travail prescrit, travail réel, travail perçu: l'entretien sanitaire «lourd» et «léger» en milieu hospitalier. Anais da Société d'ergonomie de langue française: 578-585.

—. 1996. L'invisibilité du travail et la division léger/lourd dans l'entretien sanitaire: Impact sur la santé et la securité du travail. Objectif Prevenção. 19 (2): 13-16.

Messing, K, G Doniol-Shaw e C Haëntjens. 1993. Açúcar e especiarias: Efeitos na saúde da divisão sexual do trabalho entre limpadores de trens. Serviços de Saúde Int J 23 (1): 133-146.

Messing, K, C Haëntjens e G Doniol-Shaw. 1993. L'invisible nécessaire: l'activité de nettoyage des toilettes sur les trains de voyageurs en gare. O trabalho humano 55: 353-370.

MICHAELS, David. Sem data. Manual de direito de saber para assistentes de custódia. Nova York: Gabinete de Operações do Prefeito da Cidade de Nova York, Escritório Municipal de Segurança e Saúde Ocupacional e Fundo de Educação do Conselho Distrital 37.

Associação Nacional de Proteção Contra Incêndios (NFPA). 1991. Manual de Proteção Contra Incêndio. Quincy, MA: NFPA.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1975. Guia de Saúde e Segurança para Lavanderias e Lavanderias. Publicação NIOSH No. 273-831. Cincinnati, OH: US NIOSH.

—. 1977. Doenças ocupacionais: um guia para seu reconhecimento. Publicação NIOSH No. 77-181. Cincinnati, OH: US NIOSH.

Nielsen, J. 1995. Saúde Ocupacional de Auxiliares de Limpeza (em dinamarquês, resumo em inglês). doutorado tese. Copenhagen, Dinamarca: Arbejdsmiljjoinstituttet.

—. 1996. A ocorrência e evolução dos sintomas cutâneos nas mãos entre mulheres que trabalham na limpeza. Dermatite de contato 34: 284-291.

Nordin, M, G Hultman, R Philipsson, S Ortelius e GBJ Andersson. 1986. Medições dinâmicas dos movimentos do tronco durante tarefas de trabalho. No A Ergonomia das Posturas de Trabalho, editado por N Corlett, J Wilson e I Manenica. Filadélfia: Taylor & Francis.

Nwanyanwu, OC, TH Tubasuri e G Harris. 1989. Exposição e precauções para sangue e fluidos corporais entre trabalhadores nas franquias de funerárias de Fort Worth, Texas. Am J Controle de Infecção 17: 208-212.

Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). 1993. Administração de Segurança e Saúde Ocupacional, banco de dados, regulamentos, documentos e informações técnicas. OSHA-CD-ROM (OSHA A93-2). Banco de dados não publicado.

Olsen, JH e S. Asnaes. 1986. Formaldeído e o risco de carcinoma de células escamosas das cavidades nasossinusais. Br J Ind Med 43: 769-774.

Opatowski, S, P Varaillac, C Richoux, N Sandret, L Peres, D Riffiod e Y Iwatsubo. 1995. Enquête sur les ouvriers nettoyeurs d'Ile-de-France. Arquivos de doenças profissionais 56 (3): 219-220.

Pearce, N. 1992. Aumento da incidência de linfoma não-Hodgkin: fatores ocupacionais e ambientais. Canc res 52 (Suplemento): 5496s-5500s.

Pepys, J. 1986. Doença pulmonar alérgica ocupacional causada por agentes orgânicos. J Allergy Clin Immunol 78(5) Parte 2: 1,058-1,062.

Rice, B e J. Weinberg. 1994. Dressed to Kill: Os perigos da lavagem a seco e a defesa de alternativas sem cloro. Um relatório do Greenpeace/Pollution Probe. Toronto. Pollution Probe, Sunset Chemicals Project para os Grandes Lagos.

Roush, GC, J Walrath, LT Stayner, SA Kaplan, JT Flannery e A Blair. 1987. Câncer nasofaríngeo, câncer nasossinusal e ocupações relacionadas ao formaldeído: Um estudo de caso-controle. JNCI 79: 1221-1225.

Sociedade Real de Química (RSC). 1986. Solventes Organoclorados: Riscos à Saúde dos Trabalhadores (EUR10531EN). Luxemburgo: Royal Society of Chemistry, Comissão das Comunidades Européias.

Ruder, AM, EM Ward e DP Brown. 1994. Mortalidade por câncer em trabalhadores de limpeza a seco femininos e masculinos. J Ocupa Med 36: 867-874.

Savitz, DA, KW Andrews e LA Brinton. 1995. Ocupação e câncer cervical. J Occup e Envir Med 37 (3): 357-361.

Schwartz, HJ, JL Arnold e KP Strohl. 1990. Rinite alérgica ocupacional na indústria de cuidados com os cabelos. Reações a soluções de ondas permanentes. J Occ Med 32: 473-475.

Scolari, FG e B. Gardenghi. 1966. Problemas de pré-seleção, prevenção e recuperação em dermatologia ocupacional. Jornal Italiano de Dermatologia 107 (5): 1259-1270.

Seligman, PJ, SC Newman, CL Timbrook e WE Halperin. 1987. Agressão sexual de mulheres no trabalho. Am J Ind Med 12 (4): 445-450.

Singgih, SIR, H Latinga, JP Nater, TE Woest e JA Kruyt-Gaspersz. 1986. Dermatoses ocupacionais das mãos em pessoal de limpeza hospitalar. Dermatite de contato 14: 14-19.

Manhoso. 1994. Epidemia de varíola em Quebec, supostamente dependente da abertura de um cemitério interno de 214 anos. Can J Publ Hlth (maio-junho): 149.

Sogaard, K. 1994. Biomecânica e controle motor durante o trabalho repetitivo: um estudo biomecânico e eletromiográfico da limpeza de pisos. doutorado tese. Copenhagen, Dinamarca: Departamento de Fisiologia, Instituto Nacional de Saúde Ocupacional.

Sogaard, K, N Fallentin e J Nielsen. 1996. Carga de trabalho durante a limpeza de pisos. O efeito dos métodos de limpeza e técnica de trabalho. Eur J App Physiol.

Sovet, U. 1958. Envenenamento causado por pó usado na limpeza de prata. Presse Médica 10 (9): 69-70.

Spencer, AB, CF Estil, JB McCammon, RL Mickelsen e OE Johnston. 1996. Controle da exposição ao metacrilato de etila durante a aplicação de unhas artificiais. Amer Ind Hyg Assoc J 58: 214-218.

Starr, JC, J Yunginger e GW Brahser. 1982. Resposta asmática tipo I imediata à hena após exposição ocupacional em cabeleireiros. Anais de Alergia 48: 98-99.

Stayner, LT, L Elliott, L Blade, R Keenlyside e W Halperin. 1988. Um estudo retrospectivo de mortalidade de coorte de trabalhadores expostos ao formaldeído na indústria de vestuário. Am J Ind Med 13: 667-681.

Steineck, G, N Plato, SE Norell e C Hogstedt. 1990. Câncer urotelial e alguns produtos químicos relacionados à indústria: uma avaliação da literatura epidemiológica. Am J Ind Med 17: 371-391.

Tanaka, S, AB Smith, W Halperin e R Jensen. 1982. Joelho de tapete. Nova Inglaterra J Med 307 (20): 1276-1277.

Tobe, M, T Kaneko, Y Uchida, E Kamata, Y Ogawa, Y Ikeda e M Saito. 1985. Estudos sobre a Toxicidade por Inalação do Formaldeído. Relatório do Serviço Nacional de Laboratórios Sanitários e Médicos. Tóquio: Departamento de Toxicidade do Organism Safety Research Centre.

Toivanen, H, P Helin e O Hänninen. 1993. Impacto do treinamento regular de relaxamento e fatores psicossociais de trabalho na tensão pescoço-ombro e absenteísmo em faxineiras hospitalares. J Ocupa Med 35 (11): 1123-1130.

Turnbull, N, J Dornan, B Fletcher e S Wilson. 1992. Prevalência de dor na coluna entre os funcionários de uma autoridade distrital de saúde. Ocupar Med 42 (3): 143-148.

Ursano, RJ, CS Fullerton, TC Kao e VR Bhartiya. 1995. Avaliação longitudinal do transtorno de estresse pós-traumático e depressão após exposição à morte traumática. Distúrbios Nervosos e Mentais 183: 36-42.

van der Walle, HB e VM Brunsveld. 1994. Dermatite em cabeleireiros. Dermatite de contato 30: 217-221.

Vásquez, C. 1995. Equipamento de limpeza molhada. Chicago: Centro de Tecnologia de Vizinhança.

Vaughan, TL, C Strader, S Davis e JR Daling. 1986. Formaldeído e cânceres da faringe, seios da face e cavidade nasal. Exposições ocupacionais. Int J Canc 38: 677-683.

Villaplana J, C Romaguera e F Grimalt. 1991. Dermatite de contato por resorcinol em uma tintura de cabelo. Dermatite de contato 24: 151-152.

Vingard, E, L Alfredsson, I Goldie e C Hogstedt. 1991. Ocupação e osteoartrose do quadril e joelho: Um estudo de coorte baseado em registro. Int J Epidemiol 20 (4): 1025-1031.

Walrath, J e JF Fraumeni. 1983. Padrões de mortalidade entre embalsamadores. Int J Canc 31: 407-411.

Weaver, V, MA McDiarmid, JA Guidera, FE Humphrey e JA Schaefer. 1993. Exposições ocupacionais a produtos químicos em um centro médico acadêmico. J Ocupa Med 35 (7): 701-706.

Wentz, M. 1995. A evolução das tecnologias de fabricação ambientalmente responsáveis. Lavanderia Americana 62 (7): 52-62.

Winkel, J, B Ekblom, M Hagberg e B Jonsson. 1983. O ambiente de trabalho dos limpadores. Avaliação do esforço físico em esfregar e esfregar como base para o redesenho do trabalho. No Ergonomia do design da estação de trabalho, editado por TO Kialseth. Toronto: Butterworth.

Wolff, HL e JJAB Croon. 1968. A sobrevivência do vírus da varíola (Variola Mivor) em circunstâncias naturais. Touro Órgão Mundial de Saúde 38: 492-493.

Zahm, SH, DD Weisenburger, PA Babbitt, RC Saal, JB Vaught e A Blair. 1992. Uso de produtos para coloração de cabelo e risco de linfoma, mieloma múltiplo e leucemia linfocítica crônica. Sou J Saúde Pública 82: 990-997.