18 bandeira

 

104. Guia de Produtos Químicos

 Editores de capítulo: Jean Mager Stellman, DebraOsinsky e Pia Markkanen


 

 

Conteúdo

Perfil Geral

Jean Mager Stellman, Debra Osinsky e Pia Markkanen


Ácidos Inorgânicos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


álcoois

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Materiais Alcalinos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Aminas Alifáticas

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Azidas

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Monóxido de carbono


Compostos Epóxi

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Ésteres, Acrilatos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Éteres

Tabelas de Éteres:

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas

Tabelas de halogênios e éteres:

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Fluorocarbonetos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Glicerol e glicóis

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Compostos Heterocíclicos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Hidrocarbonetos Alifáticos e Halogenados

Tabelas de Hidrocarbonetos Saturados Halogenados:

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas

Tabelas de Hidrocarbonetos Insaturados Halogenados:

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Hidrocarbonetos Alifáticos Insaturados

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Hidrocarbonetos, Aromáticos Halogenados

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Isocianatos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Nitrocompostos Alifáticos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Peróxidos Orgânicos e Inorgânicos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Fosfatos Inorgânicos e Orgânicos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas

 


 


Ácidos e Anidridos Orgânicos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Aldeídos e Cetais

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Amidas

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Compostos de Aminoácidos Aromáticos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Boranos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Compostos Ciano

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Ésteres, Acetatos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Ésteres, Alcanoatos (exceto Acetatos)

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Éteres de glicol

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Halogênios e seus compostos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Hidrocarbonetos Saturados e Alicíclicos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


 

Hidrocarbonetos, Aromáticos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Hidrocarbonetos Poliaromáticos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Cetonas

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Nitrocompostos, Aromáticos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Fenóis e Compostos Fenólicos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Os ftalatos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Compostos de Silício e Organossilício

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Compostos Enxofre, Inorgânicos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


Compostos de Enxofre, Orgânicos

Identificação Química

Perigos para a saúde

Perigos Físicos e Químicos

Propriedades físicas e químicas


 

Terça-feira, 02 agosto 2011 23: 07

Perfil Geral

Ir para Agradecimentos or Notas sobre as tabelas

O Guia de Produtos Químicos foi elaborado para ser um guia de referência rápida para aproximadamente 2,000 produtos químicos de interesse comercial. Os produtos químicos foram divididos em "famílias" químicas com base em suas fórmulas químicas. Essa divisão é um tanto arbitrária, pois muitos produtos químicos podem ser classificados em mais de uma família.

O leitor que estiver procurando por um determinado produto químico é aconselhado a consultar o índice de substâncias químicas neste volume para determinar se um produto químico é coberto e sua localização. O índice de substâncias químicas também fornecerá referências a outros capítulos do enciclopédia em que a discussão do produto químico também pode ser encontrada. O leitor é encaminhado aos capítulos Metais: Propriedades químicas e toxicidade e Minerais e produtos químicos agrícolas para uma discussão sistemática desses elementos e compostos e para o capítulo, Uso, armazenamento e transporte de produtos químicos para obter informações sobre manuseio, uso, armazenamento e transporte seguros de produtos químicos.

Cada família química tem uma breve discussão de informações toxicológicas, epidemiológicas ou de segurança química relevantes e quatro tipos de tabelas que resumem os dados químicos, físicos, de segurança e toxicológicos em um formato consistente.

Devido a restrições de página, não são fornecidas aqui referências de literatura primária para a preparação dos materiais textuais. O leitor poderá localizar a maioria das fontes de dados primários consultando o Hazardous Substances Database (HSDB), produzido pela US National Library of Medicine. Além da 3ª edição deste enciclopédia e a literatura científica geral, as Revisões de HSE publicadas pelo Executivo de Saúde e Segurança do Reino Unido serviram como fonte de informação. O capítulo Recursos: Informação e SST neste enciclopédia e os capítulos mencionados acima fornecem outras referências gerais.

Os dados sobre usos industriais de produtos químicos foram adaptados da 3ª edição do enciclopédia e o HSDB. (Para discussões de indústrias químicas específicas, consulte os capítulos Processamento químico, Petróleo e gás natural, Indústria farmacêutica e Indústria da borracha.)

Agradecimentos

Este capítulo é uma coleção de materiais, alguns de artigos da 3ª edição da Enciclopédia de Saúde e Segurança Ocupacional, que foram atualizados e consistentemente colocados em forma de tabela.

Os colaboradores da 4ª edição são:

Janet L. Collins Pia Markkanen

Linda S. Forst Debra Osinsky

David L. Hinkamp Beth Donovan Reh

Niels Koehncke Jeanne Mager Stellman

Kari Kurppa Steven D. Stellman

Os diagramas de estrutura química fornecidos nas tabelas de identificação química foram criados usando o CS ChemDraw Pro e obtidos do ChemFinder Web Server, cortesia da CambridgeSoft Corporation (www.camsoft.com).

Os colaboradores da 3ª edição são:

MV Aldyreva M. Lob

Z. Aleksieva L. Magos

DD Alexandrov KE Malten

G. Armelli MM Manson

Z. Bardodej P. Manu

E. Bartalini JV Marhold

F. Bertolero D. Matheson

GW Boylen, Jr. TV Mihajlova

WE Broughton A. Munn

E. Browning S. Nomura

GT Bryan K. Norpoth

DD Bryson EV Olmstead

S. Caccuri L. Parmeggiani

B. Calesnick JD Paterson

N. Castellino FL M Pattison

P. Catilina M. Philbert

A. Cavigneaux J. Piotrowski

WB Deichmann J. Rantanen

D. De Ruggiero DW Reed

P. Dervillee G. Reggiani

E. Dervillee CF Reinhardt

J. Doignon VE Rose

HB Elkins H. Rossmann

M. Evrard VK Rowe

D. Fassett NI Sadkovskaja

AT Fenlon TS Scott

LD Fernandez-Conradi G. Smagghe

I. Fleig GC Smith

V. Foa J. Sollenberg

A Forni MJ Stasik

E. Fournier RD Stewart

ID Gadaskina WG Stocker

E. Gaffuri FW Sunderman, Jr.

JC Gage ON Syrovadko

PJ Gehring J. Teisinger

HW Gerarde AM Thiess

WG Goode AA Thomas

AR Gregory TR Torkelson

P. Hadengue T. Toyama

HI Hardy DC Trainor

H. Heimann JF Treon

EV Henson R. Truhaut

A. Iannaccone EC Vigliani

M. Ikeda PL Viola

M. Inclan Cuesta NI Volkova

T. Inoue M. Wassermann

NG Ivanov D. Wassermann

WH Jones NK Weaver

F. Kaloyanova-Simeonova D. Winter

BD Karpov CM Woodbury

K. Knobloch RC Woodcock

H. Kondo S. Yamaguchi

EJ Largent JA Zapp, Jr.

J. Levèque MR Zavon

AL Linch JB Zuzik

Notas sobre as tabelas

Os quatro tipos de mesas encontradas em cada família são:

1. Identificação química

Essas tabelas listam nomes químicos, sinônimos, códigos UN, números CAS e fórmulas químicas ou estruturais. Foi feita uma tentativa de usar o mesmo nome químico para cada substância ao longo das discussões neste Guia e neste enciclopédia, na medida do possível. Nenhuma tentativa foi feita, no entanto, para usar apenas o sistema de nomenclatura da União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC). Muitas vezes, o nome IUPAC não é familiar para aqueles que trabalham em um ambiente comercial e um nome menos complicado e/ou mais familiar é usado. Assim, o nome que aparece como nome químico nas tabelas de cada família é mais frequentemente um nome "familiar" do que o nome IUPAC. A lista de sinônimos fornecida nestas tabelas não é exaustiva, mas é uma amostra de alguns dos nomes que foram aplicados ao produto químico. O CAS Registry Number (RN) é um identificador numérico usado em cada uma das tabelas para identificação consistente. O número CAS é único e se aplica a produtos químicos e misturas e é usado universalmente e está no formato xxx-xx-x, o que permite uma pesquisa eficiente no banco de dados. O Chemical Abstracts Service é uma entidade dentro da American Chemical Society, uma sociedade profissional de químicos sediada nos Estados Unidos.

2. Perigos para a Saúde

Os dados sobre exposição de curto prazo, exposição de longo prazo, vias de exposição e sintomas associados são adaptados da série International Chemical Safety Cards (ICSC) produzida pelo Programa Internacional de Segurança Química (IPCS), um programa cooperativo da Organização Mundial da Saúde Organização das Nações Unidas para o Meio Ambiente (OMS), Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

As abreviaturas utilizadas são: SNC = sistema nervoso central; CVS = sistema cardiovascular; GI = sistema gastrointestinal; SNP = sistema nervoso periférico; trato respiratório = trato respiratório.

Os dados restantes sobre órgãos-alvo e vias de entrada e seus sintomas associados são retirados do Guia de bolso do NIOSH para perigos químicos publicado pelo Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional dos Estados Unidos (1994, NIOSH Publication No. 94-116).

The following abbreviations are used: abdom = abdominal; abnor = abnormal/abnormalities; album = albuminuria; anes = anesthesia; anor = anorexia; anos = anosmia (loss of the sense of smell); appre = apprehension; arrhy = arrhythmias; aspir = aspiration; asphy = asphyxia; BP = blood pressure; breath = breathing; bron = bronchitis; broncopneu = bronchopneumonia; bronspas = bronchospasm; BUN = blood urea nitrogen; [carc] = potential occupational carcinogen; card = cardiac; chol = cholinesterase; cirr = cirrhosis; CNS = central nervous system; conc = concentration; conf = confusion; conj = conjunctivitis; constip = constipation; convuls = convulsions; corn = corneal; CVS = cardiovascular system; cyan = cyanosis; decr = decreased; depress = depressant/depression; derm = dermatitis; diarr = diarrhea; dist = disturbance; dizz = dizziness; drow = drowsiness; dysfunc = dysfunction; dysp = dyspnea (breathing difficulty); emphy = emphysema; eosin = eosinophilia; epilep = epileptiform; epis = epistaxis (nosebleed); equi = equilibrium; eryt = erythema (skin redness); euph = euphoria; fail = failure; fasc = fasiculation; FEV = forced expiratory volume; fib = fibrosis; fibri = fibrillation; ftg = fatigue; func = function; GI = gastrointestinal; gidd = giddiness; halu = hallucinations; head = headache; hema = hematuria (blood in the urine); hemato = hematopoietic; hemog = hemoglobinuria; hemorr = hemorrhage; hyperpig = hyperpigmentation; hypox = hypoxemia (reduced oxygen in the blood); inco = incoordination; incr = increase(d); inebri = inebriation; inflamm = inflammation; inj = injury; insom = insomnia; irreg = irregularity/ irregularities; irrit = irritation; irrty = irritability; jaun = jaundice; kera = keratitis (inflammation of the cornea); lac = lacrimation (discharge of tears);lar = laryngeal; lass = 1assitude (weakness, exhaustion); leth = lethargy (drowsiness or indifference); leucyt = leukocytosis (increased blood leukocytes); leupen = leukopenia (reduced blood leukocytes); li-head = lightheadedness; liq = liquid; local = localized; low-wgt = weight loss; mal = malaise (vague feeling of discomfort); malnut = malnutrition; methemo = methemoglobinemia; monocy = monocytosis (increased blood monocytes); molt = molten; muc memb = mucous membrane; musc = muscle; narco = narcosis; nau = nausea; nec = necrosis; neph = nephritis; ner = nervousness; numb = numbness; opac = opacity; palp = palpitations; para = paralysis; pares = paresthesia; perf = perforation; peri neur = peripheral neuropathy; periorb = periorbital (situated around the eye); phar = pharyngeal; photo = phtophobia (abnormal visual intolerance to light); pneu = penumonia; pneuitis = pneumonitis; PNS = peripheral nervous system; polyneur = polyneuropathy; prot = proteinuria; pulm = pulmonary; RBC = red blood cell; repro = reproductive; resp = respiratory; restless = restlessness; retster = retrosternal (occurring behind the sternum); rhin = rhinorrhea (discharge of thin nasal mucus); salv = salivation; sens = sensitization; sez = seizure; short = shortness; sneez = sneezing; sol = solid; soln = solution; som = somnolence (sleepiness, unnatural drowsiness); subs = substernal (occurring beneath the sternum); sweat = sweating; swell = swelling; sys = system; tacar = tachycardia; tend = tenderness; terato = teratogenic; throb = throbbing; tight = tightness; trachbronch = tracheobronchitis; twitch=twitching; uncon = unconsciousness; vap = vapor; venfib = ventricular fibrillation; vert = vertigo (an illusion of movement); vesic = vesiculation; vis dist = visual disturbance; vomit = vomiting; weak = weakness; wheez=wheezing.

3. Perigos físicos e químicos

Os dados sobre perigos físicos e químicos são adaptados da série International Chemical Safety Cards (ICSC) produzida pelo Programa Internacional de Segurança Química (IPCS), um programa cooperativo da Organização Mundial da Saúde (OMS), da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Os dados de classificação de risco são retirados de Recomendações sobre o Transporte de Mercadorias Perigosas, 9ª edição, desenvolvido pelo Comitê de Peritos das Nações Unidas sobre o Transporte de Mercadorias Perigosas e publicado pelas Nações Unidas (9ª edição, 1995).

São usados ​​os seguintes códigos: 1.5 = substâncias muito insensíveis que apresentam risco de explosão em massa; 2.1 = gás inflamável; 2.3 = gás tóxico; 3 = líquido inflamável; 4.1 = sólido inflamável; 4.2 = substância susceptível de combustão espontânea; 4.3 = substância que em contato com a água emite gases inflamáveis; 5.1 = substância oxidante; 6.1 = tóxico; 7 = radioativo; 8 = substância corrosiva.

As Recomendações são dirigidas a governos e organizações internacionais preocupadas com a regulamentação do transporte de mercadorias perigosas. Abrangem princípios de classificação e definição de classes, listagem das principais mercadorias perigosas, requisitos gerais de embalagem, procedimentos de teste, marcação, rotulagem ou sinalização e documentos de transporte. As recomendações especiais tratam de classes específicas de produtos. Eles não se aplicam a mercadorias perigosas a granel que, na maioria dos países, estão sujeitas a regulamentos especiais. As seguintes classes e divisões da ONU são frequentemente encontradas nas tabelas químicas deste Guia de produtos químicos e no capítulo Metais: Propriedades químicas e toxicidade:

Classe 2—Gases

Divisão 2.3—Gases tóxicos: Gases que (a) são conhecidos por serem tão tóxicos ou corrosivos para os seres humanos que representam um perigo para a saúde ou (b) são considerados tóxicos ou corrosivos para os seres humanos porque têm um LC50 valor igual ou inferior a 5,000 ml/m3 (ppm) quando testado de acordo com 6.2.3. Os gases que atendem aos critérios acima devido à sua corrosividade devem ser classificados como tóxicos com um risco subsidiário de corrosão.

Classe 4—Sólidos inflamáveis; substâncias passíveis de combustão espontânea; substâncias que em contato com a água emitem gases inflamáveis

Divisão 4.2—Substâncias passíveis de combustão espontânea: Substâncias sujeitas a aquecimento espontâneo em condições normais encontradas no transporte, ou a aquecimento em contato com o ar, podendo então pegar fogo.

Divisão 4.3—Substâncias que em contato com a água emitem gases inflamáveis: Substâncias que, por interação com a água, podem se tornar espontaneamente inflamáveis ​​ou liberar gases inflamáveis ​​em quantidades perigosas.

Classe 5—Substâncias oxidantes; peróxidos orgânicos

Divisão 5.1—Substâncias oxidantes: Substâncias que, embora não sejam necessariamente combustíveis, podem, geralmente por liberar oxigênio, causar ou contribuir para a combustão de outros materiais.

Classe 6—Substâncias tóxicas e infecciosas

Divisão 6.1—Substâncias tóxicas: São substâncias susceptíveis de causar a morte ou ferimentos graves ou prejudicar a saúde humana se ingeridas ou inaladas ou em contato com a pele.

Classe 8—Substâncias corrosivas

São substâncias que, por ação química, causarão danos graves quando em contato com tecidos vivos, ou, em caso de vazamento, danificarão materialmente, ou mesmo destruirão, outras mercadorias ou o meio de transporte; eles também podem causar outros perigos.

Os Códigos da ONU, números de identificação atribuídos a materiais perigosos no transporte pelo Comitê de Peritos das Nações Unidas sobre Transporte de Mercadorias Perigosas, são usados ​​para identificar prontamente materiais perigosos em emergências de transporte. Aqueles precedidos por "NA" estão associados a descrições não reconhecidas para remessas internacionais, exceto para e do Canadá.

4. Propriedades físicas e químicas

A densidade relativa é medida a 20°C/4°C, temperatura ambiente e da água, respectivamente, a menos que especificado de outra forma.

As seguintes abreviaturas são encontradas: bp = ponto de ebulição; pf = ponto de fusão; mw = peso molecular; sol = solúvel; sl sol = ligeiramente solúvel; v sol = muito solúvel; misc = miscível; insol = insolúvel; pvap = pressão de vapor; inflamar. limite = limite de inflamabilidade (vol-% no ar); ll = limite inferior; ul = limite superior; fl. p = ponto de inflamação; cc = copo fechado; oc = copo aberto; auto ig. p = ponto de ignição automática

 

Voltar

Terça-feira, 02 agosto 2011 23: 41

Ácidos Inorgânicos

Um ácido inorgânico é um composto de hidrogênio e um ou mais outros elementos (com exceção do carbono) que se dissociam ou se decompõem para produzir íons de hidrogênio quando dissolvidos em água ou outros solventes. A solução resultante tem certas características, como a capacidade de neutralizar bases, tornar o papel de tornassol vermelho e produzir mudanças de cor específicas com alguns outros indicadores. Ácidos inorgânicos são freqüentemente chamados de ácidos minerais. A forma anidra pode ser gasosa ou sólida.

Um anidrido inorgânico é um óxido de metalóide que pode se combinar com água para formar um ácido inorgânico. Pode ser produzido por síntese como: S + O2 → SO2, que pode ser transformado em ácido pela adição de uma molécula de água (hidratação); ou eliminando a água de um ácido, como:

2HMnO4 → Mn2O7 + H2O

Os anidridos inorgânicos compartilham em geral as propriedades biológicas de seus ácidos, uma vez que a hidratação pode ocorrer prontamente em meios biológicos aquosos.

Uso

Os ácidos inorgânicos são usados ​​como intermediários químicos e catalisadores em reações químicas. Eles são encontrados em uma variedade de indústrias, incluindo metalurgia e madeira, têxtil, corantes, petróleo e fotografia. Na metalurgia, eles são freqüentemente usados ​​como agentes de limpeza antes da soldagem, chapeamento ou pintura. Ácido sulfâmico, ácido sulfúrico e ácido clorídrico são usados ​​em galvanoplastia, e ácido perclórico é usado em metalização.

Ácido clorídrico, ácido sulfúrico, ácido perclórico e ácido sulfâmico são amplamente utilizados na indústria. O ácido clorídrico, ou cloreto de hidrogênio em solução aquosa, é usado para acidificação industrial, para refinar minérios de estanho e tântalo, para converter amido de milho em xarope e remover incrustações de caldeiras e equipamentos de troca de calor. É também um agente de curtimento na indústria do couro. Ácido sulfúrico é usado em papel pergaminho e em vários processos, incluindo purificação de petróleo, refino de óleo vegetal, carbonização de tecidos de lã, extração de urânio de pechblenda e decapagem de ferro e aço. Ácido sulfúrico e ácido perclórico são usados ​​na indústria de explosivos. O ácido sulfâmico é um retardador de chama nas indústrias de madeira e têxtil e um agente de branqueamento e bactericida na indústria de celulose e papel. Também é usado para estabilização de cloro em piscinas.

Ácido nítrico é usado na fabricação de nitrato de amônio para fertilizantes e explosivos. Além disso, é usado em síntese orgânica, metalurgia, flotação de minério e para reprocessamento de combustível nuclear usado.

Riscos

Os perigos específicos dos ácidos inorgânicos industrialmente importantes serão encontrados abaixo; no entanto, deve-se notar que todos esses ácidos têm certas propriedades perigosas em comum. As soluções de ácidos inorgânicos não são inflamáveis ​​por si mesmas; no entanto, quando eles entram em contato com outras substâncias químicas ou materiais combustíveis, pode ocorrer um incêndio ou explosão. Esses ácidos reagem com certos metais com liberação de hidrogênio, que é uma substância altamente inflamável e explosiva quando misturada com ar ou oxigênio. Eles também podem atuar como agentes oxidantes e, quando em contato com materiais orgânicos ou outros oxidáveis, podem reagir de forma destrutiva e violenta.

Efeitos na saúde. Os ácidos inorgânicos são corrosivos, especialmente em altas concentrações; eles irão destruir o tecido do corpo e causar queimaduras químicas quando em contato com a pele e membranas mucosas. Em particular, o perigo de acidentes oculares é pronunciado. Vapores ou névoas de ácidos inorgânicos são irritantes do trato respiratório e das membranas mucosas, embora o grau de irritação dependa em grande parte da concentração; descoloração ou erosão dos dentes também pode ocorrer em trabalhadores expostos. O contato repetido com a pele pode causar dermatite. A ingestão acidental de ácidos inorgânicos concentrados resultará em irritação grave da garganta e do estômago e destruição do tecido dos órgãos internos, talvez com desfecho fatal, quando não forem tomadas medidas corretivas imediatas. Certos ácidos inorgânicos também podem atuar como venenos sistêmicos.

Medidas de Segurança e Saúde

Sempre que possível, os ácidos altamente corrosivos devem ser substituídos por ácidos que apresentem menos riscos; é essencial usar apenas a concentração mínima necessária para o processo. Onde quer que ácidos inorgânicos sejam usados, medidas apropriadas devem ser instituídas em relação ao armazenamento, manuseio, descarte de resíduos, ventilação, proteção pessoal e primeiros socorros.

Armazenamento. Evite o contato com outros ácidos e materiais combustíveis ou oxidáveis. As instalações elétricas também devem ser do tipo resistente a ácidos.

As áreas de armazenamento devem ser separadas de outras instalações, bem ventiladas, protegidas da luz solar e de fontes de calor; devem ter piso de cimento e não conter substâncias com as quais um ácido possa reagir. Grandes estoques devem ser cercados por meios-fios ou soleiras para reter o ácido em caso de vazamento, e devem ser tomadas providências para neutralização. Um hidrante e um suprimento de equipamento autônomo de proteção respiratória para fins de emergência ou resgate devem ser fornecidos fora das instalações de armazenamento. Os derramamentos devem ser tratados imediatamente com mangueira; em caso de grande vazamento, o pessoal deve desocupar o local e, a seguir, munidos de equipamentos de emergência, retornar para neutralizar o ácido com água ou areia calcinada. Os equipamentos elétricos devem ser do tipo à prova d’água e resistentes ao ataque de ácidos. Iluminação de segurança é desejável.

Os recipientes devem ser mantidos bem fechados e devem ser claramente rotulados para indicar o conteúdo. Medidas de descompressão devem ser tomadas quando necessário. Tubulações, acoplamentos, gaxetas e válvulas devem ser todos feitos de material resistente ao ácido nítrico. Recipientes de vidro ou plástico devem ser adequadamente protegidos contra impactos; eles devem ser mantidos fora do chão para facilitar a descarga em caso de vazamento. Os tambores devem ser armazenados em berços ou prateleiras e calçados na posição. Os cilindros de gás de ácido anidro gasoso devem ser armazenados na vertical com a tampa no lugar. Recipientes vazios e cheios devem ser preferencialmente armazenados separadamente. Manutenção e boa limpeza são essenciais.

Manipulação. Sempre que possível, os ácidos devem ser bombeados através de sistemas selados para evitar qualquer perigo de contato. Sempre que recipientes individuais tiverem que ser transportados ou decantados, o equipamento apropriado deve ser empregado e apenas pessoas experientes devem realizar o trabalho. A decantação deve ser feita por meio de sifões especiais, bombas de transferência, ou berços basculantes de tambor ou garrafão e assim por diante. Os cilindros de gás ácido anidro requerem válvulas de descarga e conexões especiais.

Onde os ácidos são misturados com outros produtos químicos ou água, os trabalhadores devem estar totalmente cientes de qualquer reação violenta ou perigosa que possa ocorrer. Por exemplo, um ácido concentrado deve ser adicionado lentamente à água, e não vice-versa, a fim de evitar a geração de calor excessivo e reações violentas que podem causar respingos e contato com a pele ou com os olhos.

Ventilação. Onde os processos produzem névoas ou vapores ácidos, como na galvanoplastia, deve ser instalada ventilação de exaustão.

Proteção pessoal. As pessoas expostas a respingos perigosos de ácidos inorgânicos devem usar equipamentos de proteção individual resistentes a ácidos, incluindo proteção para mãos e braços, proteção ocular e facial e aventais, macacões ou casacos. Desde que sejam adotados procedimentos de trabalho seguros, o uso de equipamento de proteção respiratória não deve ser necessário; no entanto, deve estar disponível para uso de emergência em caso de vazamento ou derramamento.

Quando os trabalhadores forem obrigados a entrar em um tanque que contenha ácidos inorgânicos para realizar manutenção ou reparos, os tanques devem primeiro ser purgados e todas as precauções para entrada em espaços fechados, conforme descrito em outra parte do enciclopédia, deve ser tomada.

Treinamento. Todos os trabalhadores obrigados a lidar com ácidos devem ser instruídos sobre suas propriedades perigosas. Determinadas atividades de trabalho, como as que envolvem espaços fechados ou manuseio de grandes quantidades de ácidos, devem ser sempre realizadas por duas pessoas, estando uma pronta a socorrer a outra em caso de necessidade.

Saneamento. A higiene pessoal é de extrema importância onde há contato com ácidos inorgânicos. Lavagem adequada e instalações sanitárias devem ser fornecidas e os trabalhadores incentivados a se lavarem bem antes das refeições e no final dos turnos.

Primeiro socorro. O tratamento essencial para a contaminação da pele ou dos olhos por ácidos inorgânicos é a lavagem imediata e abundante com água corrente. Chuveiros de emergência e lava-olhos, banheiras ou frascos devem estar estrategicamente localizados. Respingos nos olhos devem ser tratados com irrigação abundante com água. Roupas contaminadas devem ser removidas e outros procedimentos apropriados de tratamento de emergência da pele devem ser implementados e pessoal treinado em sua administração. A neutralização do ácido na área afetada com uma solução alcalina, como 2 a 3% de bicarbonato de sódio, ou 5% de carbonato de sódio e 5% de hipossulfito de sódio, ou 10% de trietanolamina é um procedimento padrão.

Pessoas que tenham inalado névoas ácidas devem ser imediatamente removidas da zona contaminada e impedidas de fazer qualquer esforço. Eles devem ser colocados sob os cuidados de um médico imediatamente. Em caso de ingestão acidental, deve-se administrar à vítima uma substância neutralizante e realizar lavagem gástrica. Em geral, o vômito não deve ser induzido, pois isso pode tornar a lesão mais disseminada.

Supervisão médica. Os trabalhadores devem receber exames médicos pré-emprego e periódicos. O exame pré-emprego deve ser particularmente dirigido para a detecção de doenças respiratórias, gastrointestinais ou nervosas crónicas e quaisquer doenças oculares e cutâneas. Exames periódicos devem ocorrer em intervalos frequentes e devem incluir uma verificação da condição dos dentes.

Poluição da água. Isso deve ser evitado garantindo que as águas residuais contendo ácido usado não sejam despejadas em cursos de água ou sistemas de esgoto até que o pH (acidez) tenha atingido um nível entre 5.5 e 8.5.

Ácido clorídrico

Cloreto de hidrogênio anidro não é corrosivo; no entanto, as soluções aquosas atacam quase todos os metais (mercúrio, prata, ouro, platina, tântalo e certas ligas são exceções) com liberação de hidrogênio. O ácido clorídrico reage com sulfetos para formar cloretos e sulfeto de hidrogênio. É um composto muito estável, mas em altas temperaturas se decompõe em hidrogênio e cloro.

Riscos. Os perigos especiais do ácido clorídrico são sua ação corrosiva na pele e membranas mucosas, a formação de hidrogênio quando em contato com certos metais e hidretos metálicos e sua toxicidade. O ácido clorídrico produzirá queimaduras na pele e nas membranas mucosas, sendo a gravidade determinada pela concentração da solução; isso pode levar a ulcerações seguidas de cicatrizes queloides e retráteis. O contato com os olhos pode produzir visão reduzida ou cegueira. Queimaduras na face podem produzir cicatrizes graves e desfigurantes. O contato frequente com soluções aquosas pode levar a dermatites.

Os vapores têm um efeito irritante no trato respiratório, causando laringite, edema de glote, bronquite, edema pulmonar e morte. As doenças digestivas são frequentes e caracterizam-se por necrose molecular dentária em que os dentes perdem o brilho, amarelam, tornam-se macios e pontiagudos e depois quebram.

Medidas de segurança e saúde. Além das medidas gerais descritas acima, o ácido não deve ser armazenado próximo a substâncias inflamáveis ​​ou oxidantes, como ácido nítrico ou cloratos, ou perto de metais e hidretos metálicos que possam ser atacados pelo ácido com formação de hidrogênio. (Os limites de explosão do hidrogênio são de 4 a 75% em volume no ar.) O equipamento elétrico deve ser à prova de chamas e protegido contra a ação corrosiva dos vapores.

Ácido nítrico

O ácido nítrico é altamente corrosivo e ataca um grande número de metais. As reações entre o ácido nítrico e vários materiais orgânicos costumam ser altamente exotérmicas e explosivas, e as reações com metais podem produzir gases tóxicos. O ácido nítrico causa queimaduras na pele e os vapores são altamente irritantes para a pele e membranas mucosas; a inalação de quantidades significativas produzirá envenenamento agudo.

Incêndio e Explosão. O ácido nítrico ataca a maioria das substâncias e todos os metais, exceto os metais nobres (ouro, platina, irídio, tório, tântalo) e certas ligas. A velocidade da reação varia dependendo do metal e da concentração do ácido; os gases produzidos durante a reação incluem os óxidos de nitrogênio, nitrogênio e amônia, que podem ter um efeito tóxico ou asfixiante. Ao entrar em contato com sódio ou potássio, a reação é violenta e perigosa, com liberação de nitrogênio. No entanto, no caso de certos metais, forma-se uma película protetora de óxido que impede ataques posteriores. O ácido nítrico pode reagir explosivamente com sulfeto de hidrogênio. Os nitratos obtidos pela ação do ácido sobre várias bases são poderosos agentes oxidantes.

Mesmo em concentrações diluídas, o ácido nítrico é um poderoso material oxidante. Soluções com concentração superior a 45% podem causar a ignição espontânea de materiais orgânicos como terebintina, madeira, palha e assim por diante.

Riscos para a saúde. As soluções de ácido nítrico são altamente corrosivas e produzirão lesões na pele, olhos e mucosas, cuja gravidade dependerá da duração do contato e da concentração do ácido; as lesões variam de irritação a queimaduras e necrose localizada após contato prolongado. As névoas de ácido nítrico também são corrosivas para a pele, membranas mucosas e esmalte dentário.

Os vapores de ácido nítrico sempre conterão uma certa proporção de outros compostos gasosos de nitrogênio (por exemplo, óxidos de nitrogênio), dependendo da concentração do ácido e do tipo de operação. A inalação pode produzir envenenamento agudo e envenenamento superagudo. O envenenamento superagudo é raro e pode ser fatal. A intoxicação aguda geralmente compreende três fases: a primeira consiste em irritação das vias respiratórias superiores (queimação na garganta, tosse, sensação de sufocamento) e dos olhos com lacrimejamento (lacrimejamento); a segunda fase é enganosa, pois os sinais patológicos estão ausentes por um período de até várias horas; na terceira fase, os distúrbios respiratórios reaparecem e podem evoluir rapidamente para edema pulmonar agudo, muitas vezes com evolução grave.

A ingestão acidental produzirá danos graves na boca, faringe, esôfago e estômago, podendo causar sequelas graves.

Medidas de segurança e saúde. Dependendo das quantidades e concentrações envolvidas, o ácido nítrico deve ser armazenado em recipientes de aço inoxidável, alumínio ou vidro. Os garrafões de vidro ou guinchos devem ser protegidos por um invólucro de metal para oferecer resistência a impactos. No entanto, o ácido nítrico contendo quaisquer compostos fluorados não deve ser armazenado em vidro. Materiais orgânicos como madeira, palha, serragem e outros devem ser mantidos longe de operações que envolvam ácido nítrico. Quando o ácido nítrico for diluído com água, o ácido deve ser derramado na água e o aquecimento localizado deve ser evitado.

Ácido sulfúrico

O ácido sulfúrico é um ácido forte que, quando aquecido acima de 30 °C, libera vapor e, acima de 200 °C, emite trióxido de enxofre. Quando frio, reage com todos os metais, incluindo a platina; quando quente, a reatividade é intensificada. Ácido sulfúrico diluído dissolve alumínio, cromo, cobalto, cobre, ferro, manganês, níquel e zinco, mas não chumbo ou mercúrio. Tem grande afinidade com a água, absorve a umidade atmosférica e abstrai água de materiais orgânicos, causando carbonização. Ele decompõe os sais de todos os outros ácidos, exceto o ácido silícico.

O ácido sulfúrico é encontrado no estado nativo nas proximidades dos vulcões, em particular nos gases vulcânicos.

Perigos. A ação do ácido sulfúrico no corpo é a de um poderoso agente cáustico e tóxico geral. Introduzido no corpo na forma de líquido ou vapor, causa intensa irritação e queimaduras químicas das mucosas do trato respiratório e digestivo, dentes, olhos e pele. Em contato com a pele, o ácido sulfúrico causa desidratação violenta. Libera calor em quantidade suficiente para produzir queimaduras semelhantes às térmicas, podendo ser classificadas de acordo com primeiro, segundo ou terceiro grau. A profundidade das lesões depende da concentração do ácido e da duração do contato. A inalação de vapores produz os seguintes sintomas: secreção nasal, espirros, sensação de queimação na garganta e região retroesternal; estes são seguidos por tosse, desconforto respiratório, às vezes acompanhado de espasmo das cordas vocais e sensação de queimação nos olhos com lacrimejamento e congestão conjuntival. Altas concentrações podem causar secreção nasal sanguinolenta e escarro, hematêmese, gastrite e assim por diante. Lesões dentárias são comuns; afetam principalmente os incisivos e se apresentam como manchas marrons, estrias do esmalte, cáries e destruição rápida e indolor da coroa dentária.

Exposições ocupacionais a fortes névoas de ácidos inorgânicos, como névoas de ácido sulfúrico, foram classificadas pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) como cancerígenas para humanos.

As queimaduras químicas são as lesões mais comumente encontradas em trabalhadores da produção de ácido sulfúrico. As soluções concentradas causam queimaduras profundas nas membranas mucosas e na pele; inicialmente a zona de contato com o ácido é branqueada e torna-se marrom antes da formação de uma úlcera bem definida sobre um fundo vermelho claro. Essas feridas demoram a cicatrizar e podem frequentemente causar cicatrizes extensas que resultam em inibição funcional. Se a queima for suficientemente extensa, o resultado pode ser fatal. O contato repetido da pele com baixas concentrações de ácido causa ressecamento da pele e ulceração das mãos e panaris ou inflamação purulenta crônica ao redor das unhas. Salpicos de ácido nos olhos podem ter consequências particularmente graves: ulceração profunda da córnea, querato-conjuntivite e lesões palpebrais com sequelas graves.

A ação tóxica geral do ácido sulfúrico causa depleção alcalina do corpo (isto é, uma acidose que afeta o sistema nervoso e produz agitação, marcha hesitante e fraqueza generalizada).

Medidas de segurança e saúde. As medidas mais eficazes são o fechamento total dos processos e a mecanização dos procedimentos de manuseio para evitar qualquer contato pessoal com o ácido sulfúrico. Atenção especial deve ser dada ao armazenamento do ácido, procedimentos de manuseio e aplicação, ventilação e iluminação dos locais de trabalho, manutenção e boa limpeza e equipamentos de proteção individual. Além das precauções gerais dadas acima, o ácido sulfúrico não deve ser armazenado próximo a cromatos, cloratos ou substâncias similares devido ao risco de incêndio e explosão envolvido.

Incêndio e Explosão. Ácido sulfúrico e oleum não são inflamáveis ​​per se. No entanto, eles reagem vigorosamente com inúmeras substâncias, especialmente materiais orgânicos, com liberação de calor suficiente para produzir um incêndio ou explosão; além disso, o hidrogênio liberado durante a reação com metais pode formar uma mistura explosiva no ar.

Catalisadores. Quando um catalisador de vanádio for usado no processo de contato, os trabalhadores devem ser protegidos contra a exposição a emissões de vanadato de amônio ou pentóxido de vanádio, que são empregados em um suporte de diatomita ou gel de sílica.

Ácidos inorgânicos, tabelas

Mesa 1 - Informações químicas.

Mesa 2 - Riscos para a saúde.

Mesa 3 - Perigos físicos e químicos.

Mesa 4 - Propriedades físicas e químicas.

 

Voltar

Terça-feira, 02 agosto 2011 23: 48

Ácidos e Anidridos Orgânicos

Os ácidos orgânicos e seus derivados abrangem uma ampla gama de substâncias. Eles são usados ​​em quase todos os tipos de fabricação de produtos químicos. Devido à variedade na estrutura química dos membros do grupo dos ácidos orgânicos, podem ocorrer vários tipos de efeitos tóxicos. Esses compostos têm um efeito irritante primário, cujo grau é determinado em parte pela dissociação ácida e solubilidade em água. Alguns podem causar danos graves aos tecidos semelhantes aos observados com ácidos minerais fortes. A sensibilização também pode ocorrer, mas é mais comum com os anidridos do que com os ácidos.

Para o propósito deste artigo, os ácidos orgânicos podem ser divididos em ácidos monocarboxílicos saturados e monocarboxílicos insaturados, ácidos dicarboxílicos alifáticos, ácidos acéticos halogenados, ácidos monocarboxílicos alifáticos diversos e ácidos carboxílicos aromáticos. Muitos ácidos carboxílicos são importantes devido ao seu uso em alimentos, bebidas, medicamentos e uma variedade de processos de fabricação. Os mais comuns são: ácido adípico, ácido azelaico, ácido fumárico, ácido itacônico, ácido maleico, ácido málico, ácido malônico, ácido oxálico, ácido pimélico, ácido sebácico, ácido succínico, ácido tartárico e ácido tiomálico.

O ácidos monocarboxílicos saturados de cadeia longa são o ácidos gordos e são principalmente derivados de fontes naturais. Os ácidos graxos sintéticos também podem ser produzidos pela oxidação ao ar de parafinas (hidrocarbonetos alifáticos) usando catalisadores metálicos. Eles também são produzidos pela oxidação de álcoois com soda cáustica.

Uso

Os ácidos orgânicos são empregados nas indústrias de plásticos, curtumes, têxteis, papel, metais, farmacêutica, alimentícia, de bebidas e de cosméticos. Ácidos orgânicos também são encontrados em perfumes, herbicidas, corantes, lubrificantes e produtos de limpeza.

Ácido fórmico e ácido acético são os principais produtos químicos industriais no grupo dos ácidos monocarboxílicos saturados. O ácido fórmico é usado principalmente nas indústrias têxtil e de couro. Atua como agente de exaustão de corantes para várias fibras naturais e sintéticas e como agente redutor no tingimento de cromo. O ácido fórmico é usado como agente de descalcificação e neutralizador na indústria do couro e como coagulante do látex de borracha. Também encontra uso na fabricação de fumigantes e inseticidas. O ácido acético serve como intermediário químico, agente de descalcificação durante o curtimento de couro, solvente e acidificante de poços de petróleo. Além disso, é um aditivo para vários alimentos e esmaltes, bem como um catalisador e um agente de acabamento nas indústrias de corantes e têxteis.

Concentrações fracas de ácido acético (o vinagre contém cerca de 4 a 6%) são produzidas por fermentação aeróbica (Acetobacter) de soluções alcoólicas. O ácido acético é um dos ácidos orgânicos mais utilizados. É empregado na produção de acetato de celulose, acetato de vinila, acetatos inorgânicos, acetatos orgânicos e anidrido acético. O próprio ácido acético é usado na indústria de tingimento, na indústria farmacêutica, na indústria de conservas e conservas de alimentos e na produção de pigmentos.

Ácido cloroacético é usado nas indústrias farmacêutica, de corantes e química como intermediário químico. Ácido salicílico atua como outro intermediário químico usado na síntese da aspirina e nas indústrias de borracha e corantes. Ácido benzóico, ácido nonanóico, ácido ascórbico e ácido oleico (Ácido 9-octadecenóico) são outros compostos úteis encontrados nas indústrias de alimentos, bebidas e farmacêuticas.

Ácido palmítico e ácido esteárico têm ampla aplicação em sabões, cosméticos, detergentes, lubrificantes, revestimentos protetores e produtos químicos intermediários. Ácido propiónico é usado em síntese orgânica. É também um inibidor de mofo e conservante de alimentos. Ácido acrílico, ácido metacrílico e ácido crotônico são empregados na fabricação de resinas e plastificantes nas indústrias de papel, plásticos e tintas. Além disso, o ácido acrílico é um ingrediente em formulações de polidores de piso. O ácido crotônico encontra uso na fabricação de agentes amaciantes para borracha sintética. Ácido láctico, ácido butírico e ácido gálico são empregados na indústria de curtimento de couro. O ácido lático também é usado em adesivos, plásticos e têxteis. Serve como acidulante alimentar e como agente na acidificação de poços de petróleo. Ácido glicólico é usado nas indústrias de couro, têxtil, galvanoplastia, adesivos e limpeza de metais.

Os ácidos dicarboxílicos (ácido succínico, ácido maleico, ácido fumárico, ácido adípico) e o ácido tricarboxílico (Ácido Cítrico) são úteis nas indústrias de alimentos, bebidas e farmacêuticas. O ácido succínico também é usado na fabricação de lacas e corantes. O ácido maleico é utilizado na fabricação de resinas sintéticas e em sínteses orgânicas. O ácido maleico atua como conservante de óleos e gorduras; seus sais são usados ​​no tingimento de algodão, lã e seda. O ácido fumárico é usado em poliésteres e resinas alquídicas, revestimentos de superfícies plásticas, acidulantes alimentícios, tintas e sínteses orgânicas. A maior parte do ácido adípico é utilizada para a produção de nylon, enquanto quantidades menores são usadas em plastificantes, lubrificantes sintéticos, poliuretanos e acidulantes alimentícios.

Ácido oxálico é um agente de limpeza no acabamento, decapagem e limpeza de têxteis e um componente de formulações domésticas para limpeza de metais. Também encontra uso nas indústrias de papel, fotografia e borracha. O ácido oxálico é usado na impressão e tingimento de chita, no branqueamento de chapéus de palha e couro e na limpeza de madeira. Ácido aminoacético é usado como um agente tampão e em sínteses. Ácido peracético é usado como alvejante, catalisador e oxidante.

Comercial ácido naftênico é geralmente uma mistura malcheirosa de ácidos naftênicos de cor escura. Os ácidos naftênicos são derivados das cicloparafinas do petróleo, provavelmente por oxidação. Ácidos comerciais são geralmente misturas líquidas viscosas e podem ser separados como frações de baixo e alto ponto de ebulição. Os pesos moleculares variam de 180 a 350. São utilizados principalmente na preparação de secadores de tintas, onde os sais metálicos, como chumbo, cobalto e manganês, atuam como agentes oxidantes. Os ácidos naftênicos metálicos são usados ​​como catalisadores em processos químicos. Uma vantagem industrial é a sua solubilidade em óleo.

Anidridos de ácidos orgânicos

An anidrido é definido como um óxido que, quando combinado com água, dá um ácido ou uma base. Os anidridos ácidos são derivados da remoção de água de duas moléculas do ácido correspondente, tais como:

2HMnO4 → Mn2O7 + H2O

Industrialmente, os anidridos mais importantes são o acético e o ftálico. Anidrido acético é utilizado nas indústrias de plásticos, explosivos, perfumaria, alimentícia, têxtil e farmacêutica, e como intermediário químico. Anidrido ftálico serve como plastificante na polimerização do cloreto de vinila. Também é usado para a produção de resinas de poliéster saturadas e insaturadas, ácido benzóico, pesticidas e certas essências e perfumes. O anidrido ftálico é empregado na produção de corantes de ftalocianina e resinas alquídicas usadas em tintas e lacas. O anidrido maleico também tem um número significativo de aplicações.

Anidrido Propiônico é utilizado na fabricação de perfumes, resinas alquídicas, remédios e corantes, enquanto anidrido maleico, anidrido trimelítico e anidrido acético encontrar uso na indústria de plásticos. O anidrido trimelítico (TMA) também é utilizado nas indústrias de tintas, impressão e estofados automotivos. É usado como agente de cura para epóxi e outras resinas, em plastificantes vinílicos, tintas, revestimentos, corantes, pigmentos e uma grande variedade de outros produtos manufaturados. Alguns desses produtos encontram aplicações em plásticos de alta temperatura, isolamento de fios e juntas.

Riscos

Ácidos monocarboxílicos

Os ácidos monocarboxílicos de baixo peso molecular são irritantes primários e causam graves danos aos tecidos. Precauções estritas são necessárias no manuseio; equipamento de proteção adequado deve estar disponível e qualquer respingo na pele ou nos olhos deve ser irrigado com grandes quantidades de água. Os ácidos mais importantes deste grupo são o ácido acético e o ácido fórmico.

O ácidos monocarboxílicos saturados de cadeia longa (O ácidos graxos) são não irritantes e de grau muito baixo de toxicidade. Eles parecem apresentar poucos problemas no uso industrial.

Ácidos monocarboxílicos insaturados são substâncias altamente reativas e são reconhecidas como irritantes severos da pele, olhos e trato respiratório em solução concentrada. Os perigos parecem estar relacionados com exposições agudas e não cumulativas.

A maioria desses ácidos parece apresentar risco mínimo de exposição crônica de baixo nível, e muitos estão normalmente presentes nos processos metabólicos humanos. Efeitos irritantes primários estão presentes com vários desses ácidos, no entanto, particularmente em soluções concentradas ou em pó. A sensibilização é rara. Como os materiais são todos sólidos à temperatura ambiente, o contato geralmente ocorre na forma de poeira ou cristais.

Ácido acético. O vapor de ácido acético pode formar misturas explosivas com o ar e constituir um risco de incêndio diretamente ou pela liberação de hidrogênio. Ácido acético glacial ou ácido acético em forma concentrada são irritantes primários da pele e produzirão eritema (vermelhidão), queimaduras químicas e bolhas. Em casos de ingestão acidental, lesões ulceronecróticas graves do trato digestivo superior foram observadas com vômitos sanguinolentos, diarreia, choque e hemoglobinúria seguidos de distúrbios urinários (anúria e uremia).

Os vapores têm ação irritante nas membranas mucosas expostas, particularmente conjuntiva, rinofaringe e trato respiratório superior. A broncopneumonia aguda se desenvolveu em uma mulher que foi obrigada a inalar vapores de ácido acético após um ataque de desmaio.

Trabalhadores expostos por vários anos a concentrações de até 200 ppm sofrem de edema palpebral com hipertrofia dos gânglios linfáticos, hiperemia conjuntival, faringite crônica, bronquite catarral crônica e, em alguns casos, bronquite asmática e vestígios de erosão na superfície vestibular dos dentes (incisivos e caninos).

A extensão da aclimatação é notável; no entanto, tal aclimatação não significa que efeitos tóxicos também não ocorrerão. Após exposição repetida, por exemplo, os trabalhadores podem se queixar de distúrbios digestivos com pirose e constipação. A pele das palmas das mãos está sujeita à maior exposição e torna-se seca, gretada e hiperqueratótica, e quaisquer pequenos cortes e escoriações demoram a cicatrizar.

Ácido fórmico. O principal perigo é o de danos primários graves na pele, olhos ou superfícies mucosas. A sensibilização é rara, mas pode ocorrer em uma pessoa previamente sensibilizada ao formaldeído. Lesões acidentais em humanos são as mesmas que para outros ácidos relativamente fortes. Nenhum efeito tardio ou crônico foi observado. O ácido fórmico é um líquido inflamável e seu vapor forma misturas inflamáveis ​​e explosivas com o ar.

Ácido propiónico em solução tem propriedades corrosivas para vários metais. É irritante para os olhos, sistema respiratório e pele. Aplicam-se as mesmas precauções recomendadas para a exposição ao ácido fórmico, tendo em conta o ponto de inflamação mais baixo do ácido propiónico.

Ácido maleico é um ácido forte e produz irritação acentuada da pele e membranas mucosas. Efeitos graves, particularmente nos olhos, podem resultar de concentrações tão baixas quanto 5%. Não há relatos de efeitos tóxicos cumulativos em humanos. O perigo na indústria é a irritação primária das superfícies expostas, e isso deve ser evitado, quando necessário, pelo fornecimento de equipamento de proteção pessoal adequado, geralmente na forma de luvas ou manoplas impermeáveis.

Ácido fumárico é um ácido relativamente fraco e tem baixa solubilidade em água. É um metabólito normal e é menos tóxico por via oral do que o ácido tartárico. É um irritante moderado da pele e das membranas mucosas, e nenhum problema de manuseio industrial é conhecido.

Ácido adípico é não irritante e de baixíssima toxicidade quando ingerido.

Ácidos acéticos halogenados

Os ácidos acéticos halogenados são altamente reativos. Eles incluem ácido cloroacético, ácido dicloroacético (DCA), ácido tricloroacético (TCA), ácido bromoacético, ácido iodoacético, ácido fluoroacético e ácido trifluoroacético (TFA).

Os ácidos acéticos halogenados causam danos severos à pele e membranas mucosas e, quando ingeridos, podem interferir com sistemas enzimáticos essenciais no corpo. São necessárias precauções rigorosas para o seu manuseamento. Devem ser preparados e utilizados em planta fechada, cujas aberturas devem ser limitadas às necessidades de manipulação. Ventilação de exaustão deve ser aplicada ao invólucro para garantir que vapores ou poeira não escapem pelas aberturas limitadas. O equipamento de proteção individual deve ser usado pelas pessoas envolvidas nas operações, e equipamentos de proteção ocular e respiratória devem estar disponíveis para uso quando necessário.

Ácido fluoroacético. Os ácidos di e trifluoroacéticos têm um nível de toxicidade mais baixo do que o ácido monofluoroacético.ácido fluoroacético). O ácido monofluoroacético e seus compostos são estáveis, altamente tóxicos e insidiosos. Pelo menos quatro plantas biológicas na África do Sul e na Austrália devem sua toxicidade a este ácido.Dichapetalum cymosum, Acacia georginae, Palicourea marcgravii), e recentemente mais de 30 espécies de Gastrolóbio e Oxilóbrio na Austrália Ocidental contêm várias quantidades de fluoroacetato.

O mecanismo biológico responsável pelos sintomas da intoxicação por fluoroacetato envolve a “síntese letal” do ácido fluorocítrico, que por sua vez bloqueia o ciclo do ácido tricarboxílico por meio da inibição da enzima aconitase. A resultante privação de energia pela interrupção do ciclo de Krebs é seguida por disfunção celular e morte. É impossível ser específico sobre a dose tóxica de ácido fluoroacético para humanos; um intervalo provável situa-se entre 2 e 10 mg/kg; mas vários fluoroacetatos relacionados são ainda mais tóxicos do que isso. Uma ou duas gotas do veneno por inalação, ingestão e absorção através de cortes na pele e abrasão ou pele intacta podem ser fatais.

A partir de um estudo de histórias de casos hospitalares, é evidente que os principais efeitos tóxicos dos fluoroacetatos em humanos envolvem o sistema nervoso central e o sistema cardiovascular. Convulsões epileptiformes graves alternam com coma e depressão; a morte pode resultar de asfixia durante uma convulsão ou de insuficiência respiratória. As características mais proeminentes, no entanto, são irregularidades cardíacas, principalmente fibrilação ventricular e parada cardíaca súbita. Esses sintomas (que são indistinguíveis daqueles freqüentemente encontrados clinicamente) são geralmente precedidos por um período inicial de latência de até 6 h caracterizado por náuseas, vômitos, salivação excessiva, dormência, formigamento, dor epigástrica e apreensão mental; outros sinais e sintomas que podem se desenvolver subsequentemente incluem espasmos musculares, pressão arterial baixa e visão turva.

Ácido cloroacético. Este material é um produto químico altamente reativo e deve ser manuseado com cuidado. Luvas, óculos, botas de borracha e macacão impermeável são obrigatórios quando os trabalhadores estiverem em contato com soluções concentradas.

Outros ácidos

Ácido glicólico é mais forte que o ácido acético e produz queimaduras químicas muito graves na pele e nos olhos. Nenhum efeito cumulativo é conhecido e acredita-se que seja metabolizado em glicina. São necessárias precauções rigorosas para o seu manuseamento. Estes são semelhantes aos necessários para o ácido acético. Soluções concentradas podem causar queimaduras na pele e nos olhos. Não são conhecidos efeitos cumulativos. O equipamento de proteção individual deve ser usado por pessoas que manuseiam soluções concentradas deste ácido.

Ácido sórbico é usado como fungicida em alimentos. É um irritante primário da pele e os indivíduos podem desenvolver sensibilidade a ele. Por estas razões deve ser evitado o contacto com a pele.

Ácido salicílico é um forte irritante quando em contato com a pele ou membranas mucosas. Precauções rigorosas são necessárias para os operários da planta.

Anidridos

Os anidridos de ácido têm pontos de ebulição mais elevados do que os ácidos correspondentes. Seus efeitos fisiológicos geralmente se assemelham aos dos ácidos correspondentes, mas são irritantes oculares mais potentes na fase de vapor e podem produzir conjuntivite crônica. Eles são lentamente hidrolisados ​​em contato com os tecidos do corpo e podem ocasionalmente causar sensibilização. Ventilação adequada deve ser fornecida e equipamento de proteção pessoal adequado deve ser usado. Em certas circunstâncias, particularmente aquelas associadas a trabalhos de manutenção, são necessários equipamentos de proteção ocular adequados e equipamentos de proteção respiratória.

Há relatos de conjuntivite, excreção nasal sanguinolenta, atrofia da mucosa nasal, rouquidão, tosse e bronquite em trabalhadores empregados na produção de ácido ftálico e anidrido. Foi reconhecido que o anidrido ftálico causa asma brônquica, e foi relatada sensibilização da pele após exposição prolongada ao anidrido ftálico; a lesão é geralmente uma dermatite alérgica. Uma IgE específica para anidrido ftálico também foi identificada.

Anidrido ftálico é inflamável e constitui um risco moderado de incêndio. Sua toxicidade é comparativamente baixa em relação a outros anidridos ácidos industriais, mas atua como irritante para a pele, olhos e trato respiratório superior. Como o anidrido ftálico não tem efeito sobre a pele seca, mas queima a pele úmida, é provável que o irritante real seja o ácido ftálico, que se forma em contato com a água.

O anidrido ftálico deve ser armazenado em local fresco e bem ventilado, longe de chamas e substâncias oxidantes. Boa ventilação local e geral são necessárias onde for manuseado. Em muitos processos, o anidrido ftálico é usado não como flocos, mas como um líquido. Quando assim utilizado, é levado à usina em tanques e bombeado diretamente para o sistema de tubulação, evitando o contato e a contaminação do ar com poeira. Isso levou ao completo desaparecimento das manifestações de irritação entre os trabalhadores dessas fábricas. No entanto, os vapores liberados do anidrido ftálico líquido são tão irritantes quanto os flocos; cuidado deve, portanto, ser tomado para evitar qualquer vazamento do sistema de tubulação. Em caso de derramamento ou contato com a pele, esta deve ser lavada imediata e repetidamente com água.

Os trabalhadores que manuseiam derivados ftálicos devem estar sob supervisão médica. Atenção especial deve ser dada aos sintomas de asma e sensibilização da pele. Se algum desses sintomas for notado, o trabalhador deve ser transferido para outro trabalho. O contato com a pele deve ser evitado em todas as circunstâncias. Roupas adequadas, como proteção de borracha para as mãos, são recomendadas. Exames pré-emprego são necessários para garantir que pessoas com asma brônquica, eczema ou outras doenças alérgicas não sejam expostas ao anidrido ftálico.

Anidrido acético. Quando exposto ao calor, o anidrido acético pode emitir fumaça tóxica e seus vapores podem explodir na presença de chamas. Pode reagir violentamente com ácidos fortes e oxidantes, como ácido sulfúrico, ácido nítrico, ácido clorídrico, permanganatos, trióxido de cromo e peróxido de hidrogênio, bem como com refrigerante.

O anidrido acético é um forte irritante e tem propriedades corrosivas em contato com os olhos, geralmente com ação retardada; o contato é seguido por lacrimejamento, fotofobia, conjuntivite e edema da córnea. A inalação pode causar irritação nasofaríngea e do trato respiratório superior, com sensação de queimação, tosse e dispneia; exposição prolongada pode levar a edema pulmonar. A ingestão causa dor, náusea e vômito. A dermatite pode resultar da exposição prolongada da pele.

Quando os contatos são possíveis, roupas e óculos de proteção são recomendados e lava-olhos e chuveiros devem estar disponíveis. Os respiradores de cartucho químico são adequados para proteção contra concentrações de até 250 ppm; respiradores com fornecimento de ar com ocular completa são recomendados para concentrações de 1,000 ppm; aparelho respiratório autônomo é necessário em caso de incêndio.

Anidrido butírico é fabricado por hidrogenação catalítica do ácido crotônico. anidrido butírico e anidrido propiônico apresentam perigos semelhantes aos do anidrido acético.

Anidrido maleico pode produzir queimaduras graves nos olhos e na pele. Estes podem ser produzidos por solução de anidrido maleico ou por flocos do material no processo de fabricação que entram em contato com a pele úmida. Ocorreu sensibilização da pele. Devem ser tomadas precauções rigorosas para evitar o contacto da solução com a pele ou os olhos. Óculos adequados e outras roupas de proteção devem ser usados ​​pelos trabalhadores da planta; acesso imediato a frascos de solução para irrigação ocular é essencial. Quando suspenso no ar em uma condição finamente dividida, o anidrido maleico é capaz de formar misturas explosivas com o ar. Condensadores nos quais o material sublimado se deposita na forma de cristais finos devem ser colocados em uma posição segura fora de uma sala ocupada.

Anidrido trimelítico foi relatado como causador de edema pulmonar em trabalhadores após exposição aguda grave e sensibilização das vias aéreas após períodos de exposição de semanas a anos, com rinite e/ou asma. Vários incidentes envolvendo os efeitos ocupacionais da exposição ao TMA foram relatados. Múltiplas exposições por inalação a uma resina epóxi contendo TMA sendo pulverizada em tubos aquecidos causaram edema pulmonar em dois trabalhadores. Os níveis de exposição não foram relatados, mas não houve relato de irritação do trato respiratório superior durante as exposições, indicando que uma reação de hipersensibilidade pode ter ocorrido.

Em outro relatório, 14 trabalhadores envolvidos na síntese de TMA apresentaram sintomas respiratórios resultantes da sensibilização ao TMA. Neste estudo, três respostas separadas foram observadas. A primeira, rinite e/ou asma, desenvolveu-se durante uma exposição de semanas a anos. Uma vez sensibilizados, os trabalhadores expostos apresentaram sintomas imediatamente após a exposição ao TMA, que cessaram quando a exposição foi interrompida. Uma segunda resposta, também envolvendo sensibilização, produziu sintomas tardios (tosse, sibilância e dificuldade respiratória) 4 a 8 horas após o término da exposição. A terceira síndrome foi um efeito irritante após altas exposições iniciais.

Um estudo de efeitos adversos à saúde, que também envolveu medições de concentrações de TMA no ar, foi conduzido pelo Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional dos Estados Unidos (NIOSH). Treze trabalhadores envolvidos na fabricação de uma tinta epóxi apresentaram queixas de irritação nos olhos, pele, nariz e garganta, falta de ar, respiração ofegante, tosse, azia, náusea e dor de cabeça. Os níveis de exposição ocupacional no ar foram em média de 1.5 mg/m3 TMA (intervalo de “nenhum detectado” a 4.0 mg/m3) durante as operações de processamento e 2.8 mg/m3 TMA (intervalo de “nenhum detectado” a 7.5 mg/m3) durante os procedimentos de descontaminação.

Estudos experimentais com ratos demonstraram hemorragia intra-alveolar com exposições subagudas a TMA a 0.08 mg/m3. A pressão de vapor a 20 °C (4 × 10-6 mm Hg) corresponde a uma concentração ligeiramente superior a 0.04 mg/m3.

Ácido oxálico e seus derivados. O ácido oxálico é um ácido forte que, na forma sólida ou em soluções concentradas, pode causar queimaduras na pele, olhos ou mucosas; concentrações de ácido oxálico tão baixas quanto 5 a 10% são irritantes se a exposição for prolongada. Fatalidades humanas foram registradas após a ingestão de apenas 5 g de ácido oxálico. Os sintomas aparecem rapidamente e são marcados por um estado de choque, colapso e convulsões. Esses casos podem apresentar dano renal acentuado com precipitação de oxalato de cálcio nos túbulos renais. Acredita-se que as convulsões sejam resultado de hipocalcemia. Relatou-se que a exposição crônica da pele a soluções de ácido oxálico ou oxalato de potássio causou dor localizada e cianose nos dedos ou até mesmo alterações gangrenosas. Isto é aparentemente devido a uma absorção localizada do ácido oxálico e uma arterite resultante. Lesões sistêmicas crônicas por inalação de pó de ácido oxálico parecem ser muito raras, embora a literatura descreva o caso de um homem que havia sido exposto a vapores quentes de ácido oxálico (provavelmente contendo um aerossol de ácido oxálico) com sintomas generalizados de perda de peso e inflamação do trato respiratório superior. Devido à natureza fortemente ácida do pó de ácido oxálico, a exposição deve ser cuidadosamente controlada e as concentrações na área de trabalho mantidas dentro dos limites de saúde aceitáveis.

Oxalato de dietilo é ligeiramente solúvel em água; miscível em todas as proporções em muitos solventes orgânicos; um líquido incolor, instável e oleoso. É produzido por esterificação de álcool etílico e ácido oxálico. É usado, assim como outros ésteres de oxalato líquidos, como solvente para muitas resinas naturais e sintéticas.

Os sintomas em ratos após a ingestão de grandes quantidades de oxalato de dietila são distúrbios respiratórios e espasmos musculares. Grandes quantidades de depósitos de oxalato foram encontradas nos túbulos renais de um rato após uma dose oral de 400 mg/kg. Relatou-se que trabalhadores expostos a 0.76 mg/l de oxalato de dietila por um período de vários meses desenvolveram queixas de fraqueza, dor de cabeça e náusea juntamente com algumas ligeiras alterações no hemograma. Devido à pressão de vapor muito baixa desta substância à temperatura ambiente, as concentrações de ar relatadas podem estar erradas. Houve também algum uso de acetato de diamila e carbonato de dietila nesta operação.

Medidas de Segurança e Saúde

Todos os ácidos devem ser armazenados longe de todas as fontes de ignição e substâncias oxidantes. As áreas de armazenamento devem ser bem ventiladas para evitar o acúmulo de concentrações perigosas. Os recipientes devem ser de aço inoxidável ou vidro. Em caso de vazamento ou derramamento, o ácido acético deve ser neutralizado pela aplicação de soluções alcalinas. Lava-olhos e chuveiros de emergência devem ser instalados para lidar com casos de contato com a pele ou olhos. A marcação e rotulagem dos recipientes é essencial; para todas as formas de transporte, o ácido acético é classificado como uma substância perigosa.

Para evitar danos ao sistema respiratório e membranas mucosas, a concentração atmosférica de ácidos orgânicos e anidridos com alta pressão de vapor deve ser mantida abaixo dos níveis máximos permitidos usando práticas padrão de higiene industrial, como exaustão local e ventilação geral, apoiadas por determinação periódica de concentrações atmosféricas de ácido acético. A detecção e análise, na ausência de outros vapores ácidos, é feita por meio de borbulhamento em solução alcalina e determinação de álcali residual; na presença de outros ácidos, era necessária a destilação fracionada; no entanto, um método de cromatografia gasosa está agora disponível para determinação no ar ou na água. As exposições à poeira também devem ser minimizadas.

As pessoas que trabalham com o ácido puro ou soluções concentradas devem usar roupas de proteção, proteção para os olhos e rosto, proteção para as mãos e braços e equipamento de proteção respiratória. Instalações sanitárias adequadas devem ser fornecidas e uma boa higiene pessoal deve ser incentivada.

Tabelas de ácidos e anidridos orgânicos

Mesa 1 - Informações químicas.

Mesa 2 - Riscos para a saúde.

Mesa 3 - Perigos físicos e químicos.

Mesa 4 - Propriedades físicas e químicas.

 

Voltar

Terça-feira, 02 agosto 2011 23: 53

álcoois

Os álcoois são uma classe de compostos orgânicos formados a partir de hidrocarbonetos pela substituição de um ou mais grupos hidroxila por igual número de átomos de hidrogênio; o termo é estendido a vários produtos de substituição que são neutros na reação e que contêm um ou mais dos grupos álcool.

Uso

Os álcoois são usados ​​como intermediários químicos e solventes nas indústrias têxtil, de corantes, química, de detergentes, perfumes, alimentos, bebidas, cosméticos e tintas e vernizes. Alguns compostos também são usados ​​em álcool desnaturante, produtos de limpeza, óleos e tintas de secagem rápida, anticongelante e como agentes espumantes na flotação de minério.

n-propanol é um solvente encontrado em lacas, cosméticos, loções dentais, tintas de impressão, lentes de contato e fluidos de freio. É também antisséptico, aromatizante sintético para bebidas não alcoólicas e alimentos, intermediário químico e desinfetante. Isopropanol é outro importante solvente industrial, usado em anticongelantes, óleos e tintas de secagem rápida, álcool desnaturante e perfumes. É usado como anti-séptico e substituto do álcool etílico em cosméticos (ou seja, loções para a pele, tônicos capilares e álcool isopropílico), mas não pode ser usado para produtos farmacêuticos ingeridos. O isopropanol é um ingrediente em sabonetes líquidos, limpadores de janelas, um aditivo aromatizante sintético para bebidas não alcoólicas e alimentos e um intermediário químico.

n-butanol é empregado como solvente para tintas, lacas e vernizes, resinas naturais e sintéticas, gomas, óleos vegetais, corantes e alcaloides. É usado como intermediário na fabricação de produtos farmacêuticos e químicos e empregado nas indústrias de couro artificial, têxtil, vidro de segurança, cimento de borracha, goma-laca, capas de chuva, filmes fotográficos e perfumes. sec-butanol também é usado como solvente e intermediário químico e é encontrado em fluidos de freio hidráulico, compostos de limpeza industrial, polidores, removedores de tinta, agentes de flotação de minério, essências de frutas, perfumes, corantes e como intermediário químico.

isobutanol, um solvente para revestimentos de superfície e adesivos, é empregado em lacas, decapantes, perfumes, limpadores e fluidos hidráulicos. terc-butanol é utilizado para a remoção de água de produtos, como solvente na fabricação de medicamentos, perfumes e aromas, e como intermediário químico. Também é um componente de compostos de limpeza industrial, um desnaturante para etanol e um reforço de octanagem na gasolina. o álcoois amílicos são agentes espumantes na flotação de minério. Numerosos álcoois, incluindo álcool metílico, 2-etilbutanol, 2-etilhexanol, ciclohexanol, 2-octanol e metilciclohexanol, são usados ​​na fabricação de lacas. Além de seus numerosos usos como solventes, o ciclohexanol e o metilciclohexanol são úteis na indústria têxtil. O ciclohexanol é empregado no acabamento de têxteis, processamento de couro e como homogeneizador para sabões e emulsões de detergentes sintéticos. O metilciclohexanol é um componente de removedores de manchas à base de sabão e um agente de mistura para sabões e detergentes têxteis especiais. Álcool benzílico é usado na preparação de perfumes, produtos farmacêuticos, cosméticos, corantes, tintas e ésteres benzílicos. Também serve como solvente de laca, plastificante e como agente desengordurante em produtos de limpeza de tapetes. 2-Cloroetanol encontra uso como agente de limpeza e como solvente para éteres de celulose.

Etanol é a matéria-prima para inúmeros produtos, incluindo acetaldeído, éter etílico e cloroetano. É um agente anticongelante, aditivo alimentar e meio de crescimento de levedura, e é usado na fabricação de revestimentos de superfície e gasool. A produção de butadieno a partir do álcool etílico tem sido de grande importância para as indústrias de plásticos e borracha sintética. O álcool etílico é capaz de dissolver uma ampla gama de substâncias, por isso é utilizado como solvente na fabricação de remédios, plásticos, lacas, polidores, plastificantes, perfumes, cosméticos, aceleradores de borracha, entre outros.

Metanol é um solvente para tintas, corantes, resinas e adesivos, e é usado na fabricação de filmes fotográficos, plásticos, sabões têxteis, tintas para madeira, tecidos revestidos, vidro inquebrável e formulações impermeabilizantes. É um material de partida na fabricação de muitos produtos químicos, bem como um ingrediente de removedores de tinta e verniz, preparações de desparafinação, fluidos de embalsamamento e misturas anticongelantes.

pentanol é utilizado na fabricação de lacas, tintas, vernizes, removedores de tinta, borracha, plásticos, explosivos, fluidos hidráulicos, cimento para calçados, perfumes, produtos químicos, farmacêuticos e na extração de gorduras. As misturas de álcoois funcionam bem para muitos dos usos de solventes, mas para sínteses químicas ou extrações mais seletivas, um produto puro geralmente é necessário.

Ao lado do cloreto de alila, álcool alílico é o mais importante dos compostos de alilo na indústria. É útil na fabricação de produtos farmacêuticos e em sínteses químicas em geral, mas o maior uso individual de álcool alílico é na produção de vários ésteres alílicos, dos quais os mais importantes são dialil ftalato e dialil isoftalato, que servem como monômeros e repolímeros.

Perigos para a saúde

Metanol

Entre os processos sintéticos pelos quais o álcool metílico é produzido está a reação de Fischer-Tropsch entre monóxido de carbono e hidrogênio, da qual é obtido como um dos subprodutos. Também pode ser produzido pela oxidação direta de hidrocarbonetos e por um processo de hidrogenação em duas etapas, no qual o monóxido de carbono é hidrogenado a formato de metila, que por sua vez é hidrogenado a álcool metílico. A síntese mais importante, no entanto, é a hidrogenação catalítica moderna, de média pressão, de monóxido de carbono ou dióxido de carbono a pressões de 100 a 600 kgf/cm2 e temperaturas de 250 a 400 °C.

O álcool metílico tem propriedades tóxicas sob exposição aguda e crônica. Lesões ocorreram entre alcoólatras por ingestão do líquido e trabalhadores de processos por inalação do vapor. Experimentos com animais estabeleceram que o álcool metílico pode penetrar na pele em quantidade suficiente para causar intoxicação fatal.

Em casos de envenenamento grave, mais comumente após a ingestão, o álcool metílico tem um efeito específico no nervo óptico, causando cegueira como resultado da degeneração do nervo óptico acompanhada de alterações degenerativas das células ganglionares da retina e distúrbios circulatórios na coróide. A ambliopia é comumente bilateral e pode ocorrer dentro de algumas horas após a ingestão, enquanto a cegueira total geralmente requer uma semana. As pupilas estão dilatadas, a esclera está congestionada, há palidez do disco óptico com escotoma central; a respiração e a função cardiovascular estão deprimidas; em casos fatais, o paciente fica inconsciente, mas o coma pode ser precedido por delirium.

As consequências da exposição industrial ao vapor de álcool metílico podem variar consideravelmente entre trabalhadores individuais. Sob condições variadas de gravidade e duração da exposição, as indicações de intoxicação incluem irritação das membranas mucosas, dor de cabeça, zumbido nos ouvidos, vertigem, insônia, nistagmo, pupilas dilatadas, visão nublada, náusea, vômito, cólica e constipação. Podem ocorrer lesões cutâneas decorrentes da ação irritante e solvente do álcool metílico e dos efeitos nocivos das manchas e resinas nele dissolvidas, sendo mais provável que estas se localizem nas mãos, punhos e antebraços. Em geral, no entanto, esses efeitos nocivos foram causados ​​por exposições prolongadas a concentrações muito acima dos limites recomendados pelas autoridades sobre intoxicação por vapor de álcool metílico.

A exposição crônica combinada a metanol e monóxido de carbono foi relatada como um fator causador de aterosclerose cerebral.

A ação venenosa do álcool metílico é atribuída à sua oxidação metabólica em ácido fórmico ou formaldeído (que têm um efeito perigoso específico no sistema nervoso) e possivelmente a uma acidose grave. Este processo de oxidação pode ser inibido pelo álcool etílico.

Etanol

O perigo industrial convencional é a exposição ao vapor nas proximidades de um processo no qual o álcool etílico é usado. A exposição prolongada a concentrações acima de 5,000 ppm causa irritação dos olhos e nariz, dor de cabeça, sonolência, fadiga e narcose. O álcool etílico é rapidamente oxidado no corpo em dióxido de carbono e água. O álcool não oxidado é excretado na urina e expirado no ar, resultando em um efeito cumulativo praticamente desprezível. Seu efeito na pele é semelhante ao de todos os solventes gordurosos e, na ausência de precauções, pode ocorrer dermatite de contato.

Recentemente, suspeitou-se de outro perigo potencial na exposição humana ao etanol sintético porque o produto foi considerado carcinogênico em camundongos tratados com altas doses. Posteriormente, análises epidemiológicas revelaram um excesso de incidência de câncer de laringe (em média cinco vezes maior do que o esperado) associado a uma unidade de etanol ácido forte. O sulfato de dietila parece ser o agente causador, embora alquil sultonas e outros carcinógenos potenciais também estejam envolvidos.

O álcool etílico é um líquido inflamável e seu vapor forma misturas inflamáveis ​​e explosivas com o ar em temperatura normal. Uma mistura aquosa contendo 30% de álcool pode produzir uma mistura inflamável de vapor e ar a 29 °C. Um contendo apenas 5% de álcool pode produzir uma mistura inflamável a 62 °C.

Embora a ingestão não seja uma consequência provável do uso de álcool industrial, é uma possibilidade no caso de um viciado. O perigo desse consumo ilícito depende da concentração de etanol, que acima de 70% é susceptível de produzir lesões esofágicas e gástricas, e da presença de desnaturantes. Estes são adicionados para tornar o espírito intragável quando obtido sem impostos para fins não potáveis. Muitos desses desnaturantes (por exemplo, álcool metílico, benzeno, bases de piridina, metilisobutilcetona e querosene, acetona, gasolina, dietilftalato e assim por diante) são mais prejudiciais para um bebedor do que o próprio álcool etílico. É importante, portanto, garantir que não haja consumo ilícito de aguardente industrial.

n-propanol

Efeitos nocivos do uso industrial de n-propanol não foram relatados. Em animais é moderadamente tóxico por inalação, via oral e dérmica. É um irritante das membranas mucosas e um depressor do sistema nervoso central. Após a inalação, pode ocorrer ligeira irritação das vias respiratórias e ataxia. É um pouco mais tóxico que o álcool isopropílico, mas parece produzir os mesmos efeitos biológicos. Há evidência de um caso fatal após a ingestão de 400 ml de n-propanol. As alterações patomorfológicas foram principalmente edema cerebral e edema pulmonar, que também foram frequentemente observados na intoxicação por álcool etílico. n-O propanol é inflamável e apresenta risco moderado de incêndio.

Outros compostos

Isopropanol em animais é ligeiramente tóxico por via dérmica e moderadamente tóxico por via oral e intraperitoneal. Nenhum caso de intoxicação industrial foi relatado. Um excesso de câncer de seio e de laringe foi encontrado entre os trabalhadores que produzem álcool isopropílico. Isso pode ser devido ao subproduto, óleo isopropílico. A experiência clínica mostra que o álcool isopropílico é mais tóxico que o etanol, mas menos tóxico que o metanol. O isopropanol é metabolizado em acetona, que pode atingir altas concentrações no corpo e, por sua vez, é metabolizado e excretado pelos rins e pulmões. Em humanos, concentrações de 400 ppm produzem leve irritação nos olhos, nariz e garganta.

O curso clínico da intoxicação por isopropanol é semelhante ao da intoxicação por etanol. A ingestão de até 20 ml diluídos em água tem causado apenas sensação de calor e leve diminuição da pressão arterial. No entanto, em dois casos fatais de exposição aguda, poucas horas após a ingestão, foi observada parada respiratória e coma profundo e também hipotensão, que é considerada um sinal de mau prognóstico. O isopropanol é um líquido inflamável e um perigoso risco de incêndio.

n-butanol é potencialmente mais tóxico do que qualquer um de seus homólogos inferiores, mas os perigos práticos associados à sua produção industrial e uso em temperatura normal são substancialmente reduzidos por sua menor volatilidade. Altas concentrações de vapor produzem narcose e morte em animais. A exposição de seres humanos ao vapor pode provocar irritação das membranas mucosas. Os níveis relatados em que ocorre irritação são conflitantes e variam entre 50 e 200 ppm. Edema leve transitório da conjuntiva do olho e uma contagem de eritrócitos ligeiramente reduzida podem ocorrer acima de 200 ppm. O contato do líquido com a pele pode resultar em irritação, dermatite e absorção. É ligeiramente tóxico quando ingerido. É também um perigo de incêndio perigoso.

A resposta dos animais a sec-butanol vapores é semelhante ao n-butanol, mas é mais narcótico e letal. É um líquido inflamável e um perigo de incêndio perigoso.

Em altas concentrações, a ação de isobutanol vapor, como os outros álcoois, é principalmente narcótico. É irritante para o olho humano acima de 100 ppm. O contato do líquido com a pele pode resultar em eritema. É ligeiramente tóxico quando ingerido. Este líquido é inflamável e apresenta risco de incêndio perigoso.

Apesar terc-butanol vapor é mais narcótico para ratos do que o de n- ou isobutanol, poucos efeitos nocivos industriais foram relatados, além de uma leve irritação ocasional da pele. É ligeiramente tóxico quando ingerido. Além disso, é inflamável e um perigoso risco de incêndio.

Embora a dor de cabeça e a irritação conjuntival possam resultar da exposição prolongada a ciclohexanol vapor, não existe nenhum risco industrial sério. Irritação nos olhos, nariz e garganta de seres humanos resulta em 100 ppm. O contato prolongado do líquido com a pele resulta em irritação e o líquido é lentamente absorvido pela pele. É ligeiramente tóxico quando ingerido. O ciclohexanol é excretado na urina, conjugado com o ácido glucurônico. O líquido é inflamável e apresenta risco moderado de incêndio.

Dores de cabeça e irritação dos olhos e vias respiratórias superiores podem resultar da exposição prolongada ao vapor de metilciclohexanol. O contato prolongado do líquido com a pele resulta em irritação e o líquido é lentamente absorvido pela pele. É ligeiramente tóxico quando ingerido. O metilciclohexanol, conjugado com o ácido glicurônico, é excretado na urina. É um risco moderado de incêndio.

Além de dor de cabeça temporária, vertigem, náusea, diarréia e perda de peso durante a exposição a uma alta concentração de vapor resultante de uma mistura contendo álcool benzílico, benzeno e solventes éster, nenhuma doença industrial é conhecida de Álcool benzílico. É ligeiramente irritante para a pele e produz um leve efeito lacrimejante. O líquido é inflamável e apresenta risco moderado de incêndio.

Álcool alílico é um líquido inflamável e irritante. Causa irritação em contato com a pele, e a absorção pela pele provoca dor profunda na região onde ocorreu a absorção, além de lesão sistêmica. Queimaduras graves podem ser causadas pelo líquido se entrar no olho. O vapor não possui propriedades narcóticas graves, mas tem um efeito irritante nas membranas mucosas e no sistema respiratório quando inalado como contaminante atmosférico. A sua presença num ambiente fabril deu origem a lacrimejamento, dor ocular e visão turva (necrose da córnea, hematúria e nefrite).

álcoois amílicos

Os álcoois pentílicos existem em várias formas isoméricas e, dos oito isômeros estruturais possíveis, três também possuem formas ativas ópticas. Das formas estruturais, quatro são álcoois primários—1-pentanol (álcool amílico), 2-metil-1-butanol, álcool isopentilo (3-metil-1-butanol, álcool isoamílico) e álcool neopentílico (2,2-dimetil-1-propanol); três são álcoois secundários — 2-pentanol, 3-pentanol e 3-metil-2-butanol; e o último é um álcool terciário - álcool terc-pentílico (2-metil-2-butanol).

O álcool pentílico é irritante para as membranas mucosas dos olhos, nariz e garganta em ou um pouco acima de 100 ppm. Embora seja absorvido pelo trato gastrointestinal e pelos pulmões e pela pele, a incidência de doenças industriais é bastante baixa. A irritação da membrana mucosa ocorre prontamente a partir do produto bruto devido aos materiais voláteis estranhos presentes. As queixas de doença sistêmica incluem dor de cabeça, tontura, náusea, vômito, diarreia, delírio e narcose. Como o álcool pentílico é freqüentemente usado como material técnico impuro e em conjunto com outros solventes, sintomas e achados distintos não podem ser atribuídos ao álcool com certeza. A facilidade com que os álcoois são metabolizados está na ordem decrescente de primário, secundário e terciário; mais terciário é excretado inalterado do que os outros. Embora a toxicidade varie com a configuração química, como estimativa geral pode-se dizer que uma mistura de álcoois pentílicos é cerca de dez vezes mais tóxica que o álcool etílico. Isso se reflete nos limites de exposição recomendados dos dois álcoois - 100 ppm e 1,000 ppm, respectivamente. O risco de incêndio dos álcoois amílicos não é particularmente grande.

Tabelas de álcoois

Mesa 1 - Informações químicas.

Mesa 2 - Riscos para a saúde.

Mesa 3 - Perigos físicos e químicos.

Mesa 4 - Propriedades físicas e químicas.

 

Voltar

Terça-feira, 02 agosto 2011 23: 58

Aldeídos e Cetais

Os aldeídos são membros de uma classe de compostos químicos orgânicos representados pela fórmula estrutural geral R-CHO. R pode ser hidrogênio ou um radical de hidrocarboneto - substituído ou não substituído. As reações importantes dos aldeídos incluem oxidação (por meio da qual os ácidos carboxílicos são formados), redução (com a formação de álcool), condensação aldólica (quando duas moléculas de um aldeído reagem na presença de um catalisador para produzir um hidroxialdeído) e a reação de Cannizzaro. reação (com a formação de um álcool e o sal de sódio de um ácido). Cetais, ou acetais, como também são chamados, são diésteres de hidratos de aldeído ou cetona. Eles são produzidos por reações de aldeídos com álcoois.

Uso

Devido à sua alta reatividade química, os aldeídos são importantes intermediários para a fabricação de resinas, plastificantes, solventes e corantes. Eles são usados ​​nas indústrias têxtil, alimentícia, de borracha, plásticos, couro, química e de saúde. Os aldeídos aromáticos e os aldeídos alifáticos superiores são utilizados na fabricação de perfumes e essências.

Acetaldeído é usado principalmente para fabricar ácido acético, mas também é usado na fabricação de acetato de etila, ácido peracético, derivados de piridina, perfumes, corantes, plásticos e borracha sintética. O acetaldeído é utilizado para espelhos prateados, endurecimento de fibras de gelatina e como um desnaturante de álcool e um agente aromatizante sintético. Paraldeído, um trímero de acetaldeído, é usado nas indústrias de corantes e couro e como agente hipnótico na medicina. Industrialmente tem sido usado como solvente, ativador de borracha e antioxidante. Metaldeído é usado como combustível em fogões portáteis e para controle de lesmas em jardinagem. glicidaldeído tem sido usado como um agente de reticulação para acabamento de lã, para curtimento de óleo e para engorduramento de couro e suturas cirúrgicas. Propionaldeído é utilizado na fabricação de polivinil e outros plásticos e na síntese de produtos químicos de borracha. Também funciona como desinfetante e conservante. Acroleína é usado como matéria-prima para a fabricação de muitos compostos orgânicos, incluindo plásticos, perfumes, acrilatos, acabamentos têxteis, fibras sintéticas e produtos farmacêuticos. Tem sido usado em misturas de gases venenosos militares e como combustível líquido, herbicida e biocida aquático e fixador de tecidos em histologia.

Formaldeído tem uma gama extremamente ampla de usos relacionados às suas propriedades solventes e germicidas. É usado na produção de plásticos (por exemplo, uréia-formaldeído, fenol-formaldeído, resinas de melamina-formaldeído). Também é utilizado na indústria fotográfica, na tinturaria, na indústria da borracha, seda artificial e explosivos, curtimento, recuperação de metais preciosos e no tratamento de esgotos. O formaldeído é um poderoso anti-séptico, germicida, fungicida e conservante usado para desinfetar objetos inanimados, melhorar a solidez das tintas em tecidos e preservar e revestir o látex de borracha. É também um intermediário químico, um agente de embalsamamento e um fixador de espécimes histológicos. Paraformaldeído é o polímero comercial mais comum obtido a partir do formaldeído e consiste em uma mistura de produtos com diferentes graus de polimerização. É utilizado em fungicidas, desinfetantes, bactericidas e na fabricação de adesivos.

Butiraldeído é utilizado em síntese orgânica, principalmente na fabricação de aceleradores de borracha, e como aromatizante sintético em alimentos. Isobutiraldeído é um intermediário para antioxidantes e aceleradores de borracha. É utilizado na síntese de aminoácidos e na fabricação de perfumes, aromatizantes, plastificantes e aditivos para gasolina. O crotonaldeído é usado na fabricação de álcool n-butílico e ácido crotônico e na preparação de agentes tensoativos, pesticidas e agentes quimioterápicos. É um solvente para o cloreto de polivinila e atua como um impedimento na polimerização do cloreto de vinila. O crotonaldeído é usado na preparação de aceleradores de borracha, na purificação de óleos lubrificantes, no curtimento de couro e como agente de alerta para gases combustíveis e para localizar rupturas e vazamentos em tubulações.

glutaraldeído é um importante agente esterilizante eficaz contra todos os microrganismos, incluindo vírus e esporos. É usado como desinfetante químico para esterilização a frio de equipamentos e instrumentos na indústria de saúde e como agente de curtimento na indústria de couro. É também um componente do fluido de embalsamamento e um fixador de tecidos. p-dioxano é um solvente na polpação da madeira e como agente umectante e dispersante no processamento têxtil, banhos de tingimento, corantes e composições de impressão. É usado em preparações de limpeza e detergentes, adesivos, cosméticos, fumigantes, lacas, tintas, vernizes e removedores de tintas e vernizes.

Os cetais são usados ​​na indústria como solventes, plastificantes e intermediários. Eles são capazes de endurecer adesivos naturais como cola ou caseína. Metilal é usado em pomadas, perfumes, combustível para fins especiais e como solvente para adesivos e revestimentos. dicloroetilaformal é usado como solvente e intermediário para borracha sintética de polissulfeto.

Precauções de segurança

Muitos aldeídos são líquidos voláteis e inflamáveis ​​que, em temperatura ambiente normal, formam vapores em concentrações explosivas. As precauções contra incêndio e explosão, conforme descritas em outras partes deste capítulo, devem ser mais rigorosas no caso dos membros inferiores da família dos aldeídos, e as salvaguardas com relação às propriedades irritantes também devem ser mais extensas para os membros inferiores e para aqueles com uma composição insaturada. ou cadeia substituída.

O contato com aldeídos deve ser minimizado pela atenção ao projeto da planta e procedimento de manuseio. Os derramamentos devem ser evitados sempre que possível e, quando ocorrerem, devem estar disponíveis instalações adequadas de água e drenagem. Para os produtos químicos rotulados como cancerígenos conhecidos ou suspeitos, devem ser aplicadas as precauções de rotina para cancerígenos, descritas em outra parte deste capítulo. Muitos desses produtos químicos são irritantes potentes para os olhos e a proteção química aprovada para os olhos e o rosto deve ser obrigatória na área da fábrica. Para trabalhos de manutenção, protetores faciais de plástico também devem ser usados. Onde as condições exigirem, roupas de proteção adequadas, aventais, proteção para as mãos e proteção impermeável para os pés devem ser fornecidas. Chuveiros de água e sistemas de irrigação ocular devem estar disponíveis na área da fábrica e, como acontece com todos os equipamentos de proteção, os operadores devem ser totalmente treinados em seu uso e manutenção.

Perigos para a saúde

A maioria dos aldeídos e cetais são capazes de causar irritação primária da pele, olhos e sistema respiratório - uma tendência que é mais pronunciada nos membros inferiores de uma série, em membros que são insaturados na cadeia alifática e na cadeia halogenada. membros substituídos. Os aldeídos podem ter efeito anestésico, mas as propriedades irritantes de alguns deles podem obrigar o trabalhador a limitar a exposição antes de ter exposição suficiente para sofrer efeitos anestésicos. O efeito irritante nas membranas mucosas pode estar relacionado ao efeito ciliostático, onde os cílios semelhantes a pelos que revestem o trato respiratório e fornecem funções essenciais de depuração são desativados. O grau de toxicidade varia muito nesta família. Alguns dos membros dos aldeídos aromáticos e certos aldeídos alifáticos são rapidamente metabolizados e não estão associados a efeitos adversos e, portanto, foram considerados seguros para uso em alimentos e como aromatizantes. No entanto, outros membros da família são cancerígenos conhecidos ou suspeitos e o devido cuidado deve ser exercido em todas as situações em que o contato pode ser possível. Alguns são mutagênicos químicos e vários são alérgenos. Outros efeitos tóxicos incluem a capacidade de produzir um efeito hipnótico. Dados mais detalhados sobre membros específicos da família estão incluídos no texto a seguir e nas tabelas que os acompanham.

Acetaldeído é um irritante da membrana mucosa e também tem ação narcótica geral do sistema nervoso central. Baixas concentrações causam irritação dos olhos, nariz e vias respiratórias superiores, bem como catarro brônquico. O contato prolongado pode danificar o epitélio da córnea. Altas concentrações causam dor de cabeça, estupor, bronquite e edema pulmonar. A ingestão causa náuseas, vômitos, diarreia, narcose e insuficiência respiratória; a morte pode resultar de danos aos rins e degeneração gordurosa do fígado e do músculo cardíaco. O acetaldeído é produzido no sangue como um metabólito do álcool etílico e causa rubor facial, palpitações e outros sintomas desagradáveis. Este efeito é intensificado pelo medicamento dissulfiram (Antabuse) e pela exposição aos produtos químicos industriais cianamida e dimetilformamida.

Além de seus efeitos agudos, o acetaldeído é um carcinógeno do Grupo 2B, ou seja, foi classificado como possivelmente carcinogênico para humanos e carcinógeno para animais pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). O acetaldeído induz aberrações cromossômicas e troca de cromátides-irmãs em uma variedade de sistemas de teste.

A exposição repetida aos vapores de acetaldeído causa dermatite e conjuntivite. Na intoxicação crônica, os sintomas se assemelham aos do alcoolismo crônico, como perda de peso, anemia, delírios, alucinações da visão e da audição, perda da inteligência e distúrbios psíquicos.

Acroleína é um poluente atmosférico comum que é produzido nos gases de escape dos motores de combustão interna, que contêm muitos e variados aldeídos. A concentração de acroleína é aumentada quando óleo diesel ou óleo combustível é usado. Além disso, a acroleína encontra-se no fumo do tabaco em quantidades consideráveis, não só na fase particulada do fumo, mas também, e ainda mais, na fase gasosa. Acompanhado de outros aldeídos (acetaldeído, propionaldeído, formaldeído, etc.) atinge tal concentração (50 a 150 ppm) que parece estar entre os aldeídos mais perigosos da fumaça do tabaco. Assim, a acroleína representa um possível risco ocupacional e ambiental.

A acroleína é tóxica e muito irritante, e sua alta pressão de vapor pode resultar na rápida formação de concentrações atmosféricas perigosas. Os vapores são capazes de causar lesões no trato respiratório e os olhos podem ser feridos por líquidos e vapores. O contato com a pele pode produzir queimaduras graves. A acroleína tem excelentes propriedades de advertência e irritação severa ocorre em concentrações menores do que aquelas esperadas para serem agudamente perigosas (seu poderoso efeito lacrimogêneo em concentrações muito baixas na atmosfera (1 mg/m3) obriga as pessoas a fugirem do local poluído em busca de dispositivos de proteção). Consequentemente, é mais provável que a exposição resulte de vazamento ou derramamento de tubulações ou vasos. Efeitos crônicos graves, como o câncer, no entanto, podem não ser completamente evitados.

A inalação apresenta o perigo mais sério. Causa irritação do nariz e da garganta, aperto no peito e falta de ar, náuseas e vômitos. O efeito broncopulmonar é muito grave; mesmo que a vítima se recupere da exposição aguda, haverá danos radiológicos e funcionais permanentes. Experimentos em animais indicam que a acroleína tem ação vesicante, destruindo as membranas mucosas do trato respiratório a tal ponto que a função respiratória é totalmente inibida em 2 a 8 dias. O contato repetido com a pele pode causar dermatite e foi observada sensibilização da pele.

A descoberta das propriedades mutagênicas da acroleína não é recente. Rapaport apontou isso já em 1948 em Drosophila. Pesquisas têm sido realizadas para determinar se o câncer de pulmão, cuja conexão com o abuso do tabaco é inquestionável, pode ser atribuído à presença de acroleína na fumaça, e se certas formas de câncer do aparelho digestivo que se descobriu terem uma ligação com a absorção do óleo de cozinha queimado deve-se à acroleína contida no óleo queimado. Estudos recentes demonstraram que a acroleína é mutagênica para certas células (Drosophila, Salmonella, algas como Dunaliella bioculata), mas não para outros (leveduras como Saccharomyces cerevisiae). Quando a acroleína é mutagênica para uma célula, podem ser identificadas alterações ultraestruturais no núcleo que lembram aquelas causadas por raios x em algas. Também produz vários efeitos na síntese de DNA, atuando em certas enzimas.

A acroleína é muito eficaz na inibição da atividade dos cílios das células brônquicas que ajudam a manter a árvore brônquica limpa. Isso, somado à sua ação favorável à inflamação, implica uma boa probabilidade de que a acroleína possa causar lesões brônquicas crônicas.

Cloroacetaldeído tem propriedades muito irritantes não só no que diz respeito às membranas mucosas (é perigoso para os olhos mesmo na fase de vapor e pode causar danos irreversíveis), mas também para a pele. Pode causar queimaduras em contato com solução a 40% e irritação apreciável em solução a 0.1% em contato prolongado ou repetido. A prevenção deve basear-se na prevenção de qualquer contacto e no controlo da concentração atmosférica.

Hidrato de cloral é principalmente excretado em humanos primeiro como tricloroetanol e depois, com o passar do tempo, como ácido tricloroacético, que pode atingir até metade da dose em exposições repetidas. Na exposição aguda severa, o hidrato de cloral age como um narcótico e prejudica o centro respiratório.

Crotonaldeído é uma substância altamente irritante e um risco definido de queimadura da córnea, assemelhando-se a acroleína em termos de toxicidade. Alguns casos de sensibilização em trabalhadores foram relatados e alguns ensaios de mutagenicidade produziram resultados positivos.

Além do fato de que p-dioxano é um perigoso risco de incêndio, também foi classificado pela IARC como carcinógeno do Grupo 2B, ou seja, um carcinógeno animal estabelecido e possível carcinógeno humano. Estudos de inalação em animais demonstraram que p-o vapor de dioxano pode causar narcose, danos aos pulmões, fígado e rins, irritação da membrana mucosa, congestão e edema dos pulmões, alterações comportamentais e hemogramas elevados. Grandes doses de p-dioxano administrado na água potável levaram ao desenvolvimento de tumores em ratos e porquinhos-da-índia. Experimentos em animais também demonstraram que o dioxano é rapidamente absorvido pela pele, produzindo sinais de incoordenação, narcose, eritema, assim como lesões hepáticas e renais.

Estudos experimentais com humanos também mostraram irritação nos olhos, nariz e garganta em concentrações de 200 a 300 ppm. Um limite de odor tão baixo quanto 3 ppm foi relatado, embora outro estudo tenha resultado em um limite de odor de 170 ppm. Estudos em animais e humanos demonstraram que o dioxano é metabolizado em ácido β-hidroxietoxiacético. Uma investigação em 1934 das mortes de cinco homens que trabalhavam em uma fábrica de seda artificial sugeriu que os sinais e sintomas de envenenamento por dioxano incluíam náuseas e vômitos seguidos de diminuição e finalmente ausência de produção de urina. Os achados da necropsia incluíram fígados aumentados e pálidos, rins hemorrágicos inchados e pulmões e cérebros edematosos.

Deve-se notar que, ao contrário de muitos dos outros aldeídos, as propriedades irritantes de alerta de p-dioxano são considerados pobres.

Formaldeído e seu derivado polimérico paraformaldeído. O formaldeído polimeriza prontamente tanto no estado líquido quanto no estado sólido para formar a mistura de produtos químicos conhecida como paraformaldeído. Este processo de polimerização é retardado pela presença de água e, consequentemente, as preparações comerciais de formaldeído (conhecidas como formalina ou formol) são soluções aquosas contendo 37 a 50% de formaldeído em peso; 10 a 15% de álcool metílico também é adicionado a essas soluções aquosas como um inibidor de polimerização. O formaldeído é tóxico por ingestão e inalação e também pode causar lesões na pele. É metabolizado em ácido fórmico. A toxicidade do formaldeído polimerizado é potencialmente semelhante à do monômero, uma vez que o aquecimento produz despolimerização.

A exposição ao formaldeído está associada a efeitos agudos e crônicos. O formaldeído é um cancerígeno animal comprovado e foi classificado como provável cancerígeno humano 1B pela IARC. Consequentemente, ao trabalhar com formaldeído, devem ser tomadas as devidas precauções para agentes cancerígenos.

A exposição a baixas concentrações atmosféricas de formaldeído causa irritação, especialmente dos olhos e do trato respiratório. Devido à solubilidade do formaldeído em água, o efeito irritante é limitado à seção inicial do trato respiratório. Uma concentração de 2 a 3 ppm causa leve formigueiro nos olhos, nariz e faringe; em 4 a 5 ppm, o desconforto aumenta rapidamente; 10 ppm é tolerado com dificuldade mesmo brevemente; entre 10 e 20 ppm, há grande dificuldade respiratória, ardor nos olhos, nariz e traquéia, lacrimejamento intenso e tosse intensa. A exposição a 50 a 100 ppm produz sensação de aperto no peito, dor de cabeça, palpitações e, em casos extremos, morte devido a edema ou espasmo da glote. Queimaduras oculares também podem ser produzidas.

O formaldeído reage prontamente com as proteínas dos tecidos e promove reações alérgicas, incluindo dermatite de contato, que também surgiu do contato com roupas tratadas com formaldeído. Podem ocorrer sintomas asmáticos devido à sensibilidade alérgica ao formaldeído, mesmo em concentrações muito baixas. Lesões renais podem ocorrer em exposição excessiva e repetida. Há relatos de dermatite inflamatória e alérgica, incluindo distrofia ungueal devido ao contato direto com soluções, sólidos ou resinas contendo formaldeído livre. A inflamação segue mesmo após contato de curto prazo com grandes quantidades de formaldeído. Uma vez sensibilizado, a resposta alérgica pode seguir o contato apenas com quantidades muito pequenas.

O formaldeído reage com cloreto de hidrogênio, e foi relatado que tal reação em ar úmido pode produzir uma quantidade não desprezível de bis(clorometil) éter, BCME, um carcinógeno perigoso. Investigações posteriores mostraram que em temperatura e umidade ambientes, mesmo em concentrações muito altas, formaldeído e cloreto de hidrogênio não formam éter bis-(clorometil) no limite de detecção de 0.1 ppb. No entanto, o Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional dos Estados Unidos (NIOSH) recomendou que o formaldeído seja tratado como um carcinógeno ocupacional em potencial porque demonstrou atividade mutagênica em vários sistemas de teste e induziu câncer nasal em ratos e camundongos, particularmente na presença de vapores de ácido clorídrico.

Glutaraldeído é um alérgeno relativamente fraco que pode causar dermatite alérgica de contato e a combinação de propriedades irritantes e alergênicas também sugere a possibilidade de alergias do sistema respiratório. É um irritante relativamente forte para a pele e os olhos.

glicidaldeído é um produto químico altamente reativo que foi classificado pela IARC como possível carcinógeno humano do grupo 2B e carcinógeno animal estabelecido. Portanto, precauções apropriadas para o manuseio de carcinógenos devem ser tomadas com este produto químico.

Metaldeído, se ingerido, pode causar náusea, vômito intenso, dor abdominal, rigidez muscular, convulsões, coma e morte por insuficiência respiratória. Ingestão de paraldeído normalmente induz o sono sem depressão da respiração, embora ocasionalmente ocorram mortes por insuficiência respiratória e circulatória após altas doses ou mais. Metilal pode produzir danos hepáticos e renais e age como um irritante pulmonar em exposição aguda.

Tabelas de aldeídos e cetais

Mesa 1 - Informações químicas.

Mesa 2 - Riscos para a saúde.

Mesa 3 - Perigos físicos e químicos.

Mesa 4 - Propriedades físicas e químicas.

 

Voltar

Quarta-feira, 03 agosto 2011 00: 05

Materiais Alcalinos

Este artigo discute amônia, sódio, potássio, cálcio e lítio e seus compostos. Com exceção da amônia, estes são os metais alcalinos e alcalino-terrosos mais comuns.

Uso

Amônia é uma fonte importante de vários compostos contendo nitrogênio. Uma enorme quantidade de amônia é utilizada na produção de sulfato de amônia e nitrato de amônio, que são usados ​​como fertilizantes. A amônia é ainda utilizada para a oxidação em ácido nítrico, para a produção de ureia sintética e soda, e para a preparação de soluções aquosas utilizadas nas indústrias química e farmacêutica. É empregado na indústria de explosivos, na medicina e na agricultura. Na refrigeração, a amônia é utilizada para baixar temperaturas abaixo do ponto de congelamento e para a fabricação de gelo sintético.

Hidróxido de amônio é empregado nas indústrias têxtil, de borracha, farmacêutica, cerâmica, fotográfica, de detergentes e alimentícia. Também é usado na extração de metais como cobre, níquel e molibdênio de seus minérios. O hidróxido de amônio é útil para remover manchas e branquear. É um agente de limpeza doméstica, bem como um solvente para caseína na indústria de celulose e papel. Fosfato de diamônio é usado para produtos têxteis, papel e madeira à prova de fogo. É encontrado em fertilizantes e em fluxo para metais de solda. Cloreto de amônio é usado em fluxo para revestimento de chapas de ferro com zinco, em explosivos de segurança, remédios e em cimento para tubos de ferro. Além disso, é utilizado em estanhagem, tingimento, galvanoplastia e curtimento.

Cálcio é o quinto elemento mais abundante e o terceiro metal mais abundante; é amplamente difundido na natureza como carbonato de cálcio (calcário e mármore), sulfato de cálcio (gesso), fluoreto de cálcio (fluorita) e fosfato de cálcio (apatita). Os minerais de cálcio são extraídos ou extraídos; o cálcio metálico é obtido pela eletrólise do cloreto ou flúor de cálcio fundido. O cálcio metálico é usado na produção de urânio e tório e na indústria eletrônica. Serve como desoxidante para cobre, berílio e aço e como endurecedor para rolamentos de chumbo. Além disso, o cálcio é um catalisador industrial para fibras de poliéster.

Cloreto de cálcio é obtido como resíduo no processo de amônia-soda da Solvay. É usado como descongelante de pavimentos, refrigerante e como agente de secagem em sistemas de ar condicionado. O cloreto de cálcio é utilizado na produção de cloreto de bário, cálcio metálico e vários corantes. Também é usado para prevenir a formação de poeira durante a construção de estradas, para acelerar os tempos de cura do concreto e para inibir a combustão espontânea de carvão em minas de carvão. Nitrato de cálcio é usado na agricultura como fertilizante e na fabricação de fósforos como agente oxidante. Também é encontrado nas indústrias de explosivos e pirotecnia. O sulfito de cálcio é usado como agente redutor na produção de celulose. Carboneto de cálcio é utilizado para a produção industrial de acetileno e na fabricação de cianamida cálcica. É empregado na indústria pirotécnica e em geradores de acetileno para lâmpadas de acetileno. O carboneto de cálcio também é usado para soldagem e corte de oxiacetileno.

Lima é um termo geral para os produtos de calcário calcinado - por exemplo, óxido de cálcio e hidróxido de cálcio. Óxido de cálcio é usado como material refratário, como fundente na siderurgia, aglutinante na construção civil e como matéria-prima para pó de branqueamento de cal clorada. É empregado nas indústrias de papel e celulose, refino de açúcar, agricultura e indústrias de curtimento de couro. Hidróxido de cálcio é usado na construção e engenharia civil para argamassas, rebocos e cimentos. É usado para tratamento de solo, depilação de couros e proteção contra fogo. O hidróxido de cálcio também é usado em lubrificantes e na indústria de papel e celulose.

Lítio é usado como um “getter” em tubos de vácuo, um constituinte de solda e ligas de brasagem, um refrigerante ou trocador de calor em reatores e como um catalisador na fabricação de borracha sintética e lubrificantes. Encontra uso na fabricação de catalisadores para plásticos poliolefínicos e nas indústrias de metal e cerâmica. O lítio também é usado em vidros especiais e em combustíveis para aeronaves e mísseis. Cloreto de lítio é utilizado na fabricação de águas minerais e na soldagem de alumínio. É empregado na indústria pirotécnica e na medicina como antidepressivo. Carbonato de lítio é utilizado na produção de esmaltes em cerâmica e porcelana elétrica e para o revestimento de eletrodos de soldagem a arco. É encontrado em tintas luminescentes, vernizes e corantes. O carbonato de lítio também é usado na medicina como um medicamento estabilizador do humor e antidepressivo. O hidreto de lítio é uma fonte de hidrogênio e um material de blindagem nuclear.

Potássio é usado na síntese de compostos inorgânicos de potássio. É encontrado na agricultura como um componente de fertilizantes. O potássio também é empregado na liga de sódio-potássio para transferência de calor em sistemas de reatores nucleares e em termômetros de alta leitura.

Hidróxido de potássio é usado para a fabricação de sabão líquido, para absorção de dióxido de carbono, mercerização do algodão e para a produção de outros compostos de potássio. Encontra uso em galvanoplastia, litografia e como mordente para madeira. O hidróxido de potássio também é usado em removedores de tintas e vernizes e em tintas de impressão.

Outros compostos de potássio incluem bromato de potássio, clorato de potássio, nitrato de potássio, perclorato de potássio e permanganato de potássio. São utilizados nas indústrias pirotécnica, alimentícia e de explosivos, e atuam como agentes oxidantes. Clorato de potássio é um componente de pontas de fósforo, um agente de branqueamento e um agente de tingimento para peles, algodão e lã. Também é usado nas indústrias de corantes e papel e celulose. Clorato de potássio é usado na fabricação de explosivos, fósforos, pirotecnia e corantes.

O bromato de potássio é um condicionador de massa, um aditivo alimentar, um agente oxidante e um composto de onda permanente. O nitrato de potássio é utilizado em fogos de artifício, fluxos, pólvora e nas indústrias de vidro, fósforo, tabaco e cerâmica. Também é usado para conservar carnes e impregnar pavios de velas. O nitrato de potássio atua como fertilizante na agricultura e como oxidante em propulsores sólidos de foguetes. O perclorato de potássio é usado nas indústrias de explosivos, pirotecnia e fotografia. Serve como um agente inflador em airbags de segurança de automóveis. O permanganato de potássio é usado como agente oxidante, desinfetante e agente de branqueamento nas indústrias de couro, metal e têxtil. Também é empregado na limpeza, separação e purificação de metais na mineração. Além disso, o permanganato de potássio é um agente de curtimento na indústria do couro.

Sódio é usado na fabricação de compostos de sódio e em sínteses orgânicas. Serve como agente redutor para metais e como refrigerante em reatores nucleares. O sódio também é encontrado em lâmpadas de sódio e em cabos de energia elétrica. Clorato de sódio é um agente oxidante na indústria de corantes e um agente oxidante e branqueador na indústria de celulose e papel. É usado para tingir e imprimir tecidos, curtimento e acabamento de couro e processamento de urânio. Também é empregado como herbicida e oxidante de combustível de foguetes. O clorato de sódio encontra usos adicionais nas indústrias de explosivos, fósforo e farmacêutica.

Hidróxido de sódio é usado nas indústrias de rayon, algodão mercerizado, sabão, papel, explosivos, corantes e química. Também é utilizado na limpeza de metais, extração eletrolítica de zinco, estanhagem, lavagem e branqueamento. Fosfato trissódico encontra uso em reveladores fotográficos, em misturas de detergentes e na indústria de papel. É usado para clarificar açúcar, remover incrustações de caldeiras, amaciar água, lavar e curtir couro. O fosfato trissódico também é um agente de tratamento de água e um emulsificante em queijo processado. Fosfato dissódico é usado em fertilizantes, produtos farmacêuticos, cerâmica e detergentes. É usado para pesar seda, tingir e estampar na indústria têxtil e para proteger madeira e papel à prova de fogo. O fosfato dissódico também é um aditivo alimentar e um agente de curtimento. Hipoclorito de sódio é um agente de branqueamento doméstico e de lavanderia, e um agente de branqueamento nas indústrias de papel, celulose e têxtil. É empregado como desinfetante para vidros, cerâmicas e água, bem como desinfetante em piscinas. cloreto de sódio é usado para metalurgia, cura de peles, descongelamento de rodovias e preservação de alimentos. Também encontra uso nas indústrias de fotografia, química, cerâmica e sabão e em reatores nucleares.

Os sais de ácido carbônico (H2CO3), ou carbonatos, são difundidos na natureza como minerais. Eles são usados ​​na construção, vidro, cerâmica, agricultura e indústrias químicas. Bicarbonato de amônio é usado nas indústrias de plásticos, cerâmicas, corantes e têxteis. Encontra uso como agente de expansão para espuma de borracha e como agente de fermentação na produção de produtos de panificação. O bicarbonato de amônio também é usado em fertilizantes e em extintores de incêndio. Carbonato de cálcio é usado principalmente como pigmento e é empregado nas indústrias de tintas, borracha, plásticos, papel, cosméticos, fósforos e lápis. O carbonato de cálcio também encontra uso na fabricação de cimento Portland, alimentos, polidores, cerâmica, tintas e inseticidas. Carbonato de sódio é amplamente utilizado na fabricação de vidros, soda cáustica, bicarbonato de sódio, alumínio, detergentes, sais e tintas. É utilizado para a dessulfuração de ferro-gusa e para a purificação de petróleo. Bicarbonato de sódio é utilizado nas indústrias de confeitaria, farmacêutica, de bebidas não alcoólicas, couro e borracha, e na fabricação de extintores de incêndio e águas minerais. Carbonato de potássio é amplamente utilizado em fertilizantes potássicos e na indústria têxtil para tingir lã. Também encontra uso nas indústrias de vidro, sabão e farmacêutica.

Alcalis

Os álcalis são substâncias cáusticas que se dissolvem em água para formar uma solução com um pH substancialmente superior a 7. Estes incluem amônia; hidróxido de amónio; hidróxido e óxido de cálcio; potássio; hidróxido e carbonato de potássio; sódio; carbonato de sódio, hidróxido, peróxido e silicatos; e fosfato trissódico.

Riscos para a saúde

Em geral, os álcalis, seja na forma sólida ou em solução líquida concentrada, são mais destrutivos para os tecidos do que a maioria dos ácidos. As poeiras, névoas e sprays cáusticos livres podem causar irritação dos olhos e vias respiratórias e lesões do septo nasal. Alcalis fortes se combinam com tecidos para formar albuminatos e com gorduras naturais para formar sabões. Eles gelatinizam o tecido para formar compostos solúveis que podem resultar em destruição profunda e dolorosa. O potássio e o hidróxido de sódio são os materiais mais ativos desse grupo. Mesmo soluções diluídas de álcalis mais fortes tendem a amolecer a epiderme e emulsionar ou dissolver as gorduras da pele. As primeiras exposições a ambientes levemente contaminados com álcalis podem ser irritantes, mas essa irritação logo se torna menos perceptível. Os trabalhadores frequentemente trabalham em tais ambientes sem mostrar qualquer efeito, enquanto esta exposição causará tosse e dor de garganta e irritação nasal em pessoas não acostumadas. O maior perigo associado a esses materiais é o respingo ou respingo de partículas ou soluções de álcalis mais fortes nos olhos.

Hidróxido de potássio e hidróxido de sódio. Esses compostos são muito perigosos para os olhos, tanto na forma líquida quanto na sólida. Como álcalis fortes, eles destroem os tecidos e causam queimaduras químicas graves. A inalação de poeiras ou névoas desses materiais pode causar lesões graves em todo o trato respiratório, e a ingestão pode prejudicar gravemente o sistema digestivo. Embora não sejam inflamáveis ​​e não suportem a combustão, muito calor é liberado quando o material sólido é dissolvido em água. Portanto, deve-se usar água fria para esse fim; caso contrário, a solução pode ferver e respingar líquido corrosivo em uma área ampla.

Carbonatos e bicarbonatos. Os principais carbonatos são: carbonato de cálcio (CaCO3), magnesita (MgCO3), carbonato de sódio (NaCO3), bicarbonato de sódio (NaHCO3) e potássio (K2CO3). Os carbonatos normais (com o ânion CO3) e o ácido ou bicarbonatos (com o ânion HCO3) são os compostos mais importantes. Todos os bicarbonatos são solúveis em água; dos carbonatos normais, apenas os sais de metais alcalinos são solúveis. Os carbonatos anidros se decompõem ao serem aquecidos antes de atingir o ponto de fusão. As soluções de carbonato dão origem a reações alcalinas devido à considerável hidrólise envolvida. Os bicarbonatos são convertidos em carbonatos normais por aquecimento:

2NaHCO3 = Na2CO3 + H2O + CO2

Os carbonatos normais são decompostos por ácidos fortes (H2SO4, HCl) e libertar CO2.

Os carbonatos de sódio ocorrem nas seguintes formas: carbonato de sódio - carbonato de sódio anidro (Na2CO3); soda cristalizada— bicarbonato de sódio (NaHCO3); e carbonato de sódio deca-hidratado (Na2CO3·10H2Ó).

Os carbonatos alcalinos podem causar irritação prejudicial da pele, da conjuntiva e das vias aéreas superiores durante várias operações industriais (manuseio e armazenamento, processamento). Trabalhadores que carregam e descarregam carbonatos ensacados podem apresentar porções de pele necrótica do tamanho de uma cereja em seus braços e ombros. Depressões ulceradas bastante profundas às vezes são observadas após a queda das crostas marrom-escuras. O contato prolongado com soluções de refrigerante pode causar eczema, dermatite e ulceração.

Cálcio e compostos. O cálcio é um constituinte essencial bem conhecido do corpo humano, e seu metabolismo, sozinho ou em associação com o fósforo, tem sido amplamente estudado com referência especial ao sistema musculoesquelético e membranas celulares. Várias condições podem levar a perdas de cálcio, como imobilização, distúrbios gastrointestinais, baixa temperatura, falta de peso em voos espaciais e assim por diante. A absorção de cálcio do ambiente de trabalho pela inalação de poeira de compostos de cálcio não aumenta significativamente a ingestão diária de cálcio de vegetais e outros alimentos (geralmente 0.5 g). Por outro lado, o cálcio metálico tem propriedades alcalinas e reage com a umidade, causando queimaduras nos olhos e na pele. Exposto ao ar pode apresentar risco de explosão.

Carboneto de cálcio. O carboneto de cálcio exerce um efeito irritante pronunciado devido à formação de hidróxido de cálcio ao reagir com ar úmido ou suor. O carboneto seco em contato com a pele pode causar dermatite. O contato com a pele úmida e membranas mucosas leva à ulceração e cicatrização. O carboneto de cálcio é particularmente perigoso para os olhos. Um tipo peculiar de melanodermia com forte hiperpigmentação e numerosas telangiectasias é freqüentemente observado. Queimaduras causadas por carboneto de cálcio quente são comuns. Os tecidos são geralmente danificados em profundidades de 1 a 5 mm; as queimaduras evoluem muito lentamente, são difíceis de tratar e muitas vezes requerem excisão. Os trabalhadores feridos podem retomar o trabalho somente depois que a superfície da pele queimada estiver completamente cicatrizada. As pessoas expostas ao carboneto de cálcio freqüentemente sofrem de queilite caracterizada por ressecamento, inchaço e hiperemia dos lábios, descamação intensa e fissuras radiais profundas; lesões erosivas com tendência à supuração podem ser observadas nos ângulos da boca. Trabalhadores com longa história profissional freqüentemente sofrem de lesões nas unhas, ou seja, oníquia e paroníquia ocupacionais. Também são observadas lesões oculares com hiperemia pronunciada das pálpebras e conjuntiva, muitas vezes acompanhadas por secreções mucopurulentas. Em casos graves, a sensibilidade da conjuntiva e da córnea é fortemente reduzida. Embora a ceratite e a ceratoconjuntivite evoluam primeiro sem sintomas, elas podem degenerar posteriormente em opacidades da córnea.

Na produção de carboneto de cálcio, as impurezas podem produzir perigos adicionais. O carboneto de cálcio contaminado com fosfato de cálcio ou arsenato de cálcio pode, quando umedecido, liberar fosfina ou arsina, ambos extremamente tóxicos. O próprio carboneto de cálcio, quando exposto ao ar úmido, libera acetileno, que é um anestésico moderado e asfixiante, e um risco considerável de incêndio e explosão.

Cloreto de cálcio tem uma poderosa ação irritante sobre a pele e membranas mucosas, e foram relatados casos, entre trabalhadores que embalam cloreto de cálcio seco, de irritação acompanhada de eritema e descamação da pele facial, lacrimejamento, secreção ocular, sensação de queimação e dor nas cavidades nasais, sangramento nasal ocasional e cócegas na garganta. Casos de perfuração do septo nasal também foram relatados.

Nitrato de cálcio tem uma ação irritante e cauterizante na pele e membranas mucosas. É um poderoso agente oxidante e apresenta um perigoso risco de incêndio e explosão.

Sulfito de cálcio. Casos de intoxicação ocupacional por sulfito de cálcio não parecem ter sido relatados. A ingestão acidental de alguns gramas pode produzir vômitos repetidos, diarreia violenta, distúrbios circulatórios e metahemoglobinemia.

Amônia

A amônia está presente em pequenas quantidades no ar, na água, na terra e, principalmente, na matéria orgânica em decomposição. É o produto do metabolismo humano, animal e vegetal normal. O esforço muscular e a excitação do sistema nervoso resultam na formação de uma quantidade aumentada de amônia, cujo acúmulo nos tecidos resultaria em envenenamento. A formação endógena de aumentos de amônia também no decorrer de muitas doenças. Através de processos vitais é combinado e excretado do organismo, principalmente via urina e suor, na forma de sulfato de amônio e uréia. A amônia também é de importância primária no metabolismo do nitrogênio das plantas.

A amônia é levemente reativa, sofrendo facilmente oxidação, substituição (de átomos de hidrogênio) e reações adicionais. Ele queima no ar ou em hidrogênio para formar nitrogênio. Um exemplo de substituição seria a formação de amidas de metais alcalinos e alcalino-terrosos. Como resultado da adição, forma amoníacos (por exemplo, CaCl2·8NH3, AgCl3NH3) e outros compostos. Quando a amônia se dissolve na água, ela forma hidróxido de amônio (NH4OH), que é uma base fraca e se dissocia da seguinte forma:

NH4OH → NH4+ + OH-

O radical NH4+ não existe na forma livre, pois se decompõe em amônia e hidrogênio quando se tenta isolá-lo.

A intoxicação por amônia pode ocorrer na produção de amônia e na fabricação de ácido nítrico, nitrato e sulfato de amônio, fertilizantes líquidos (amoníacos), uréia e soda, em refrigeração, fábricas de gelo sintético, fábricas de impressão de algodão, tingimento de fibras, processos de galvanoplastia, processos orgânicos síntese, tratamento térmico de metais (nitretação), laboratórios químicos e em vários outros processos. É formado e emitido no ar durante o processamento do guano, na purificação de rejeitos, nas refinarias de açúcar e curtumes, e está presente no acetileno não purificado.

O envenenamento industrial geralmente é agudo, enquanto o envenenamento crônico, embora possível, é menos comum. O efeito irritante da amônia é sentido principalmente no trato respiratório superior e, em grandes concentrações, afeta o sistema nervoso central, causando espasmos. A irritação do trato respiratório superior ocorre em concentrações acima de 100 mg/m3, enquanto a concentração máxima tolerável em 1 hora está entre 210 e 350 mg/m3. Respingos de água com amônia nos olhos são particularmente perigosos. A rápida penetração da amônia no tecido ocular pode resultar em perfuração da córnea e até mesmo na morte do globo ocular. Existem perigos específicos para a saúde em cada seção de uma planta de amônia. Nas seções onde o gás é gerado, convertido (oxidação de CO a CO2), comprimido e purificado, o principal problema é a emissão de monóxido de carbono e sulfeto de hidrogênio. Quantidades consideráveis ​​de amônia podem escapar durante sua síntese. O escape de amônia na atmosfera pode atingir limites explosivos.

Cloratos e percloratos

Cloratos e percloratos são os sais do ácido clórico (HClO3) e ácido perclórico (HClO4 ). Eles são fortes defensores da combustão e seu principal perigo está associado a essa propriedade. Os sais de potássio e sódio são típicos do grupo e são os mais utilizados na indústria.

Riscos de incêndio e explosão. Os cloratos são poderosos agentes oxidantes, e os principais perigos são os de incêndio e explosão. Eles próprios não são explosivos, mas formam misturas inflamáveis ​​ou explosivas com matéria orgânica, enxofre, sulfetos, metais em pó e compostos de amônio. Tecidos, couro, madeira e papel são extremamente inflamáveis ​​quando impregnados por esses cloratos.

Os percloratos também são agentes oxidantes muito fortes. Os sais de metais pesados ​​do ácido perclórico são explosivos.

Riscos para a saúde. Os cloratos são prejudiciais se absorvidos por ingestão ou inalação do pó, o que pode provocar dor de garganta, tosse, metahemoglobinemia com pele azulada, tontura e desmaio e anemia. No caso de grande absorção de clorato de sódio, será observado um aumento do teor de sódio no soro.

Os percloratos podem entrar no corpo por inalação como pó ou por ingestão. Eles são irritantes para a pele, olhos e membranas mucosas. Causam anemia hemolítica com metahemoglobinemia, corpos de Heinz nas hemácias e lesões hepáticas e renais.

Tabelas de materiais alcalinos

Mesa 1 - Informações químicas.

Mesa 2 - Riscos para a saúde.

Mesa 3 - Perigos físicos e químicos.

Mesa 4 - Propriedades físicas e químicas.

 

Voltar

Quarta-feira, 03 agosto 2011 00: 11

Amidas

As amidas são uma classe de compostos orgânicos que podem ser considerados derivados de ácidos ou aminas. Por exemplo, a amida alifática simples acetamida (CH3–CO–NH2) está relacionado ao ácido acético no sentido de que o grupo –OH do ácido acético é substituído por um –NH2 grupo. Por outro lado, a acetamida pode ser considerada como sendo derivada da amônia pela substituição de uma amônia hidrogênio por um grupo acila. As amidas podem ser derivadas não apenas de ácidos carboxílicos alifáticos ou aromáticos, mas também de outros tipos de ácidos - por exemplo, ácidos contendo enxofre e fósforo.

O termo amidas substituídas pode ser usado para descrever aquelas amidas com um ou ambos os hidrogênios no nitrogênio substituídos por outros grupos - por exemplo, N,N-dimetilacetamida. Este composto também pode ser considerado como uma amina, acetil dimetil amina.

As amidas são geralmente bastante neutras na reação em comparação com o ácido ou a amina da qual são derivadas e, ocasionalmente, são um pouco resistentes à hidrólise. As amidas simples de ácidos carboxílicos alifáticos (exceto formamida) são sólidos à temperatura ambiente, enquanto as amidas de ácidos carboxílicos alifáticos substituídos podem ser líquidos com pontos de ebulição relativamente altos. As amidas dos ácidos carboxílicos ou sulfônicos aromáticos são geralmente sólidas. Uma grande variedade de métodos está disponível para a síntese de amidas.

Uso

As amidas de ácidos carboxílicos alifáticos não substituídos têm ampla utilização como intermediários, estabilizadores, agentes de liberação para plásticos, filmes, surfactantes e fluxos de solda. As amidas substituídas, como dimetilformamida e dimetilacetamida, possuem poderosas propriedades solventes.

dimetilformamida é usado principalmente como um solvente na síntese orgânica. Também é usado na preparação de fibras sintéticas. É um meio seletivo para a extração de aromáticos do petróleo bruto e um solvente para corantes. Tanto a dimetilformamida como dimetilacetamida são ingredientes em removedores de tinta. A dimetilacetamida também é usada como solvente para plásticos, resinas e gomas, e em muitas reações orgânicas.

Acetamida é usado para desnaturar álcool e como solvente para muitos compostos orgânicos, como plastificante e aditivo em papel. Também é encontrado em lacas, explosivos e fluxo de solda. Formamida é um amaciante para papel e colas, e um solvente nas indústrias de plásticos e farmacêutica.

Algumas amidas alifáticas insaturadas, como acrilamida, são monômeros reativos usados ​​na síntese de polímeros. A acrilamida também é usada na síntese de corantes, adesivos, colagem de papel e têxteis, tecidos de impressão permanente e tratamento de esgoto e resíduos. É utilizado na indústria metalúrgica para processamento de minério e na engenharia civil para a construção de fundações de barragens e túneis. o poliacrilamidas encontram uso extensivo como floculantes no tratamento de água e esgoto e como agentes de fortalecimento durante a fabricação de papel na indústria de papel e celulose. Compostos aromáticos de amida formam corantes importantes e intermediários medicinais. Alguns têm propriedades repelentes de insetos.

Riscos

A grande variedade de possíveis estruturas químicas de amidas é refletida na diversidade de seus efeitos biológicos. Alguns parecem totalmente inócuos - por exemplo, as amidas de ácidos graxos simples de cadeia mais longa, como as amidas de ácido esteárico ou oleico. Por outro lado, vários membros desta família são classificados como Grupo 2A (prováveis ​​carcinógenos humanos) ou Grupo 2B (possíveis carcinógenos humanos) pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). Efeitos neurológicos foram observados em humanos e animais experimentais com acrilamida. A dimetilformamida e a dimetilacetamida produziram lesão hepática em animais, e a formamida e a monometilformamida demonstraram experimentalmente serem teratógenos.

Embora uma quantidade considerável de informações esteja disponível sobre o metabolismo de várias amidas, a natureza de seus efeitos tóxicos ainda não foi explicada em bases moleculares ou celulares. Muitas amidas simples são provavelmente hidrolisadas por amidases não específicas no fígado e o ácido produzido é excretado ou metabolizado por mecanismos normais.

Algumas amidas aromáticas – por exemplo, N-fenilacetamida (acetanilida) – são hidroxiladas no anel aromático e então conjugadas e excretadas. A capacidade de várias amidas de penetrar na pele intacta é especialmente importante ao considerar as precauções de segurança.

Efeitos neurológicos

A acrilamida foi produzida inicialmente na Alemanha em 1893. O uso prático desse composto teve que esperar até o início da década de 1950, quando os processos de fabricação comercial se tornaram disponíveis. Este desenvolvimento ocorreu principalmente nos Estados Unidos. Em meados da década de 1950, reconheceu-se que os trabalhadores expostos à acrilamida desenvolviam alterações neurológicas características caracterizadas principalmente por dificuldades posturais e motoras. Os achados relatados incluíam formigamento nos dedos, sensibilidade ao toque, frieza nas extremidades, suor excessivo nas mãos e pés, uma descoloração vermelho-azulada característica da pele das extremidades e uma tendência a descamação da pele dos dedos e mãos. Esses sintomas foram acompanhados por fraqueza nas mãos e nos pés, o que levou à dificuldade de andar, subir escadas e assim por diante. A recuperação geralmente ocorre com a cessação da exposição. O tempo de recuperação varia de algumas semanas até 1 ano.

O exame neurológico de indivíduos que sofrem de intoxicação por acrilamida mostra uma neuropatia periférica bastante típica com fraqueza ou ausência de reflexos tendinosos, teste de Romberg positivo, perda do senso de posição, diminuição ou perda do senso de vibração, ataxia e atrofia dos músculos do extremidades.

Após o reconhecimento do complexo de sintomas associado à exposição à acrilamida, foram realizados estudos em animais na tentativa de documentar essas alterações. Verificou-se que uma variedade de espécies animais, incluindo ratos, gatos e babuínos, eram capazes de desenvolver neuropatia periférica com distúrbios da marcha, distúrbios do equilíbrio e perda do senso de posição. O exame histopatológico revelou uma degeneração dos axônios e bainhas de mielina. Os nervos com os axônios maiores e mais longos foram os mais comumente envolvidos. Não parecia haver envolvimento dos corpos celulares nervosos.

Várias teorias foram avançadas sobre por que essas mudanças ocorrem. Uma delas tem a ver com a possível interferência no metabolismo do próprio corpo da célula nervosa. Outra teoria postula a interferência com o sistema de transporte intracelular da célula nervosa. Uma explicação é que há um efeito tóxico local em todo o axônio, que é considerado mais vulnerável à ação da acrilamida do que o corpo celular. Estudos das mudanças que ocorrem dentro dos axônios e bainhas de mielina resultaram em uma descrição do processo como um secando de volta fenômeno. Este termo é usado para descrever com mais precisão a progressão das alterações observadas nos nervos periféricos.

Embora os sintomas e sinais descritos da neuropatia periférica característica associada à exposição à acrilamida sejam amplamente reconhecidos pela exposição na indústria e em estudos com animais, parece que em humanos, quando a acrilamida é ingerida como contaminante na água potável, os sintomas e sinais são de envolvimento do sistema nervoso central. Nesses casos, sonolência, perturbação do equilíbrio e alterações mentais caracterizadas por confusão, perda de memória e alucinações foram fundamentais. Alterações neurológicas periféricas só apareceram mais tarde.

A penetração na pele foi demonstrada em coelhos, e esta pode ter sido a principal via de absorção nos casos relatados de exposições industriais ao monômero de acrilamida. Considera-se que o perigo da inalação seria principalmente da exposição ao material aerossolizado.

Efeitos hepatotóxicos

A boa ação solvente da dimetilformamida resulta em ressecamento e desengorduramento da pele em contato, resultando em coceira e descamação. Algumas queixas de irritação ocular resultaram da exposição ao vapor na indústria. As queixas dos trabalhadores expostos incluíram náuseas, vómitos e anorexia. Foi relatada intolerância a bebidas alcoólicas após exposição à dimetilformamida.

Estudos em animais com dimetilformamida mostraram evidências experimentais de danos hepáticos e renais em ratos, coelhos e gatos. Estes efeitos foram observados em estudos de administração intraperitoneal e de inalação. Cães expostos a altas concentrações do vapor exibiram policitemia, diminuição da frequência cardíaca e declínio da pressão sistólica, além de evidências histológicas de alterações degenerativas no miocárdio.

Em humanos, este composto é capaz de ser prontamente absorvido pela pele, e exposições repetidas podem levar a efeitos cumulativos. Além disso, como a dimetilacetamida, pode facilitar a absorção percutânea de substâncias nele dissolvidas.

Deve-se mencionar que a dimetilformamida penetra facilmente em luvas de borracha natural e de neoprene, de modo que o uso prolongado de tais luvas é desaconselhável. O polietileno oferece melhor proteção; no entanto, quaisquer luvas usadas com este solvente devem ser lavadas após cada contato e descartadas com frequência.

Dimetilacetamida foi estudado em animais e demonstrou exibir sua principal ação tóxica no fígado em exposição excessiva repetida ou contínua. O contato com a pele pode causar a absorção de quantidades perigosas do composto.

Carcinogênese

A acetamida e a tioacetamida são preparadas aquecendo acetato de amônio e sulfeto de alumínio e são usadas em laboratório como reagentes analíticos. Ambos os compostos demonstraram produzir hepatomas em ratos com alimentação dietética prolongada. A tioacetamida é mais potente a esse respeito, é carcinogênica também para camundongos e também pode induzir tumores do ducto biliar em ratos. Embora os dados humanos sobre esses produtos químicos não estejam disponíveis, a extensão dos dados experimentais com animais é tal que ambas as substâncias são agora consideradas possíveis carcinógenos humanos. (A tioacetamida também pode ser encontrada no artigo “Compostos de enxofre, orgânicos” neste capítulo.) A dimetilformamida também é classificada como possível carcinógeno humano do Grupo 2B pelo IARC.

A acrilamida é classificada como um provável carcinógeno humano (Grupo 2A) pela IARC. Esta decisão é apoiada pelos resultados de bioensaios em camundongos por várias vias e produzindo múltiplos locais de câncer, por dados sobre genotoxicidade e pela capacidade da acrilamida de formar adutos. A estrutura química das acrilamidas também suporta a probabilidade de que o produto químico seja um carcinógeno humano.

Medidas de Segurança e Saúde

As potenciais propriedades tóxicas de qualquer amida devem ser cuidadosamente consideradas antes do início do uso ou exposição. Devido à tendência geral das amidas (especialmente as de menor peso molecular) serem absorvidas por via percutânea, o contato com a pele deve ser evitado. A inalação de poeiras ou vapores deve ser controlada. É desejável que as pessoas com exposição a amidas estejam sob observação médica regular, com referência particular ao funcionamento do sistema nervoso e do fígado. O possível ou provável status de câncer de alguns desses produtos químicos dita que são necessárias condições de trabalho extremamente prudentes.

Tabelas de amidas

Mesa 1 - Informações químicas.

Mesa 2 - Riscos para a saúde.

Tabela 3- Perigos físicos e químicos.

Mesa 4 - Propriedades físicas e químicas.

 

Voltar

Quarta-feira, 03 agosto 2011 00: 15

Aminas Alifáticas

Compostos de amina alifática são formados quando um ou mais átomos de hidrogênio na amônia (NH3) são substituídos por um, dois ou três radicais alquil ou alcanol. As aminas alifáticas inferiores são gases como a amônia e livremente solúveis em água, mas os homólogos superiores são insolúveis em água. Todas as aminas alifáticas são básicas em solução e formam sais. Os sais são sólidos inodoros e não voláteis livremente solúveis em água.

Conforme o número de hidrogênios substituídos, as aminas podem ser primárias (NH2R), secundário (NHR2) ou terciário (NR3).

Uso

As aminas alifáticas são encontradas nas indústrias química, farmacêutica, de borracha, plásticos, corantes, têxtil, cosmética e metalúrgica. Esses produtos químicos são usados ​​como intermediários, solventes, aceleradores de borracha, catalisadores, emulsificantes, fluidos sintéticos de corte, inibidores de corrosão e agentes de flotação. Vários são usados ​​na fabricação de herbicidas, pesticidas e corantes. Na indústria da fotografia, trietilamina e metilamina são usados ​​como aceleradores para desenvolvedores. dietilamina é um inibidor de corrosão nas indústrias de metal e um solvente na indústria de petróleo. Nas indústrias de curtumes e couros, hexametilenotetramina é usado como conservante de bronzeamento; metilamina, etanolamina e diisopropanolamina são agentes amaciantes para peles e couros.

2-Dimetilaminoetanol funciona como um agente de controle para a acidez da caldeira de tratamento de água. Trietanolamina, isopropanolamina, ciclohexilamina e diciclohexilamina são usados ​​em sabões de limpeza a seco. A trietanolamina é amplamente utilizada na indústria para a fabricação de agentes tensoativos, ceras, polidores, herbicidas e óleos de corte. Também é usado para recuperar sulfeto de hidrogênio de gás natural ácido e petróleo bruto ácido. A etanolamina extrai dióxido de carbono e sulfeto de hidrogênio do gás natural.

Etilamina atua como um estabilizador para látex de borracha e como intermediário de corante, enquanto a butilamina é um pesticida e um líquido alcalino forte usado nas indústrias de borracha, farmacêutica e de corantes. Etilenodiamina é outro líquido fortemente alcalino utilizado na preparação de corantes, aceleradores de borracha, fungicidas, ceras sintéticas, fármacos, resinas, inseticidas e agentes umectantes de asfalto. Dimetilamina e isobutanolamina encontram uso na indústria da borracha como aceleradores de vulcanização. A dimetilamina também é utilizada na indústria de curtumes e na fabricação de sabões detergentes.

Etilenimina é um importante composto encontrado nas indústrias de papel, têxtil, petróleo, lacas e vernizes, cosméticos e fotografia. Dietanolamina é um agente de depuração de gases, um intermediário químico e um emulsificante em produtos químicos agrícolas, cosméticos e farmacêuticos. Outros agentes emulsificantes amplamente utilizados incluem isobutanolamina, isopropanolamina e ciclohexilamina.

Riscos

Como as aminas são bases e podem formar soluções fortemente alcalinas, elas podem ser prejudiciais se espirrarem nos olhos ou se contaminarem a pele. Caso contrário, eles não têm propriedades tóxicas específicas e as aminas alifáticas inferiores são constituintes normais dos tecidos do corpo, de modo que ocorrem em um grande número de alimentos, particularmente peixes, aos quais conferem um odor característico. Uma área de preocupação no momento é a possibilidade de que algumas aminas alifáticas possam reagir com nitrato ou nitrito in vivo para formar compostos nitroso, muitos dos quais são conhecidos por serem carcinógenos potentes em animais, conforme discutido mais detalhadamente no quadro anexo.

Alilamina. O vapor é intensamente irritante. Em animais, há evidências de efeitos no coração e no sistema circulatório. Legiões miocárdicas e vasculares foram observadas. Parte da toxicidade da alilamina foi atribuída à formação de acroleína in vivo. Existe também um risco definido de explosão em uma ampla gama de concentrações no ar.

Butilamina é o isômero mais importante comercialmente. Observou-se que seu vapor tem efeitos graves no sistema nervoso central (SNC) dos animais expostos a ele. Tem efeitos intensos nos seres humanos. É extremamente irritante para os olhos e vias respiratórias. Também afeta o SNC e pode causar depressão e até inconsciência. Dores no peito e tosse intensa também foram relatadas. A butilamina é prontamente absorvida pela pele. Qualquer butilamina absorvida é prontamente metabolizada.

Um dos principais efeitos tóxicos da ciclohexilamina é agir como um irritante. Pode danificar e sensibilizar a pele. A ciclohexilamina também é um indutor fraco de metahemoglobina. Esta amina é também um metabólito principal do ciclamato.

Dietanolamina é irritante para a pele e membranas mucosas. A exposição pode levar a náuseas e vômitos.

Dimetilamina os vapores são inflamáveis ​​e irritantes. As soluções que forma são fortemente alcalinas.

Etanolamina pode ser levemente irritante, mas não está associado a grandes efeitos tóxicos em humanos.

Etilamina pode causar irritação ocular. Danos na córnea podem ocorrer em pessoas expostas ao vapor. O composto é excretado inalterado pelos seres humanos.

Etilenodiamina danifica os olhos, a pele e as vias respiratórias. A sensibilização pode seguir a exposição ao vapor.

Metilamina uma base mais forte que a amônia, e o vapor é irritante para os olhos e trato respiratório. Casos de sensibilização (brônquica) foram relatados. As propriedades de advertência deste produto químico não são boas, pois pode ocorrer fadiga olfativa.

Propilamina o vapor pode ser prejudicial aos olhos e trato respiratório. Distúrbios visuais transitórios foram relatados.

Trietanolamina é de baixa toxicidade humana e é comumente adicionado a muitos cosméticos e produtos similares.

Tabelas de aminas alifáticas

Mesa 1 - Informações químicas.

Mesa 2 - Riscos para a saúde.

Mesa 3 - Perigos físicos e químicos.

Mesa 4 - Propriedades físicas e químicas.

Caixa caixa!!

 

Voltar

Quarta-feira, 03 agosto 2011 00: 17

Compostos de Aminoácidos Aromáticos

Os compostos amino aromáticos são uma classe de produtos químicos derivados de hidrocarbonetos aromáticos, como benzeno, tolueno, naftaleno, antraceno e difenil pela substituição de pelo menos um átomo de hidrogênio por um amino -NH2 grupo. Um composto com um grupo amino livre é descrito como uma amina primária. Quando um dos átomos de hidrogênio do –NH2 grupo é substituído por um grupo alquil ou aril, o composto resultante é uma amina secundária; quando ambos os átomos de hidrogênio são substituídos, resulta uma amina terciária. O hidrocarboneto pode ter um grupo amino ou dois, mais raramente três. É assim possível produzir uma gama considerável de compostos e, com efeito, as aminas aromáticas constituem uma grande classe de produtos químicos de grande valor técnico e comercial.

A anilina é o composto amino aromático mais simples, consistindo de um –NH2 grupo ligado a um anel de benzeno e seus derivados são mais amplamente utilizados na indústria. Outros compostos de anel único comuns incluem dimetilanilina e dietilanilina, as cloroanilinas, nitroanilinas, toluidinas, clorotoluidinas, fenilenodiaminas e acetanilida. Benzidina, o-tolidina, o-dianisidina, 3,3'-diclorobenzidina e 4-aminodifenil são os compostos de anéis conjuntos mais importantes do ponto de vista da saúde ocupacional. Dos compostos com estruturas em anel, as naftilaminas e os aminoantracenos têm atraído muita atenção devido a problemas de carcinogenicidade. Precauções estritas necessárias para o manuseio de carcinógenos se aplicam a muitos membros desta família.

Corantes azo e diazo

Corante azo é um termo abrangente aplicado a um grupo de corantes que carregam o grupo azo (–N=N–) na estrutura molecular. O grupo pode ser dividido em subgrupos de corantes monoazo, diazo e triazo e ainda de acordo com o número do grupo azo na molécula. Do ponto de vista toxicológico, é importante levar em consideração que os corantes de grau comercial geralmente contêm impurezas de até 20% ou até mais. A composição e a quantidade das impurezas são variáveis ​​dependendo de vários fatores, como a pureza dos materiais de partida para a síntese, o processo de síntese empregado e os requisitos dos usuários.

Produção

Os corantes azos são sintetizados por diazotização ou tetrazotização de monoaminas aromáticas ou compostos de diaminas aromáticas com nitrito de sódio no meio HCl, seguido de acoplamento com intermediários de corantes, como vários compostos aromáticos ou compostos heterocíclicos. Quando o componente de acoplamento carrega um grupo amino, é possível produzir corante poliazo de cadeia longa pela repetição de diazotização e acoplamento. As fórmulas estruturais generalizadas para os três primeiros membros da família são:

R–N=N–R' corante monoazo

R–N=N–R'–N=N–R" corante diazo

R–N=N–R'–N=N–R"–N=N–R"' corante triazo

A tetrazotização da benzidina e o acoplamento com o ácido naftiônico produzem o popular corante Vermelho Congo.

Uso

Os compostos de aminoácidos aromáticos são usados ​​principalmente como intermediários na fabricação de corantes e pigmentos. A maior classe de corantes é a dos corantes azo, que são feitos por diazotização, um processo pelo qual uma amina aromática primária reage com ácido nitroso na presença de ácido mineral em excesso para produzir um composto diazo (–N=N–); este composto é subsequentemente acoplado a um fenol ou a uma amina. Outra importante classe de corantes, os corantes trifenilmetano, também é fabricado a partir de aminas aromáticas. Além de servirem como intermediários químicos na indústria de corantes, vários compostos são empregados como corantes ou intermediários nas indústrias farmacêutica, de peles, cabeleireiro, têxtil e fotográfica.

o-Aminofenol é usado para tingir peles e cabelos. Também é desenvolvedora na indústria fotográfica e intermediária para produtos farmacêuticos. p-Aminofenol é usado no tingimento de tecidos, cabelos, peles e penas. Encontra uso em reveladores fotográficos, produtos farmacêuticos, antioxidantes e aditivos de óleo. 2,4-Diaminoanisol fornece uma base de oxidação para tingir peles. o-Toluidina, p-fenilenodiamina, difenilamina e N-fenil-2-naftilamina encontrar usos adicionais como antioxidantes na indústria da borracha.

Difenilamina também é empregado nas indústrias farmacêutica e de explosivos e como pesticida. N-fenil-2-naftilamina serve como acelerador de vulcanização, estabilizador de esmaltes de silicone e lubrificante. É um componente de combustíveis de foguetes, gesso cirúrgico, banhos de estanho galvanoplastia e corantes. 2,4-Diaminotolueno e 4,4'-diaminodifenilmetano são intermediários úteis na fabricação de isocianatos, matérias-primas básicas para a produção de poliuretanos.

O principal uso de benzidine está na fabricação de corantes. É tetrazotizado e acoplado a outros intermediários para formar cores. Seu uso na indústria da borracha foi abandonado. auramina é usado em tintas de impressão e como anti-séptico e fungicida.

o-fenilenodiamina é um agente revelador fotográfico e um componente de tintura de cabelo enquanto p-A fenilenodiamina é usada como um produto químico fotográfico e um agente de tingimento para peles e cabelos. No entanto, p-A fenilenodiamina foi proibida para uso como corante de oxidação para cabelos em alguns países. p-A fenilenodiamina também é um acelerador de vulcanização, um componente dos antioxidantes da gasolina. m-fenilenodiamina tem inúmeras funções nas indústrias de corantes, borracha, têxtil, cabeleireiro e fotografia. Encontra uso em agentes de cura de borracha, troca iônica e resinas descolorantes, uretanos, fibras têxteis, aditivos de petróleo, inibidores de corrosão e tinturas de cabelo. É utilizado como promotor de aderência de cordões de pneus à borracha.

Xilidina serve como aditivo de gasolina, bem como matéria-prima na fabricação de corantes e produtos farmacêuticos. Melamina é usado em compostos de moldagem, resinas para tratamento de têxteis e papel e em resinas adesivas para colagem de madeira serrada, compensado e pisos. Além disso, é útil na síntese orgânica e no curtimento de couro. o-tolidina é um reagente para a detecção de ouro.

Anilinas

As anilinas são usadas principalmente como intermediários para corantes e pigmentos. Vários compostos também são intermediários para produtos farmacêuticos, herbicidas, inseticidas e produtos químicos para processamento de borracha. Anilina se é amplamente utilizado na fabricação de corantes sintéticos. Também é usado em tintas para impressão e marcação de tecidos e na fabricação de resinas, vernizes, perfumes, graxas para sapatos, produtos químicos fotográficos, explosivos, herbicidas e fungicidas. A anilina é útil na fabricação de borracha como agente vulcanizante, antioxidante e antiozônio. Outra função importante da anilina é a fabricação de
p,p'-metilenobisfenildiisocianato (MDI), que é então usado para preparar resina de poliuretano e fibras de spandex e para unir borracha a rayon e nylon.

Cloroanilina existe em três formas isoméricas: orto, meta e para, destas apenas a primeira e a última são importantes para a fabricação de corantes, medicamentos e pesticidas. p-Nitroanilina é um intermediário químico para antioxidantes, corantes, pigmentos, inibidores de goma de gasolina e produtos farmacêuticos. É usado na forma diazotada para reter a solidez dos corantes após a lavagem. 4,4'-metileno-bis(2-cloroanilina), MbOCA, é usado como agente de cura com polímeros contendo isocianato para a fabricação de borrachas de uretano sólidas resistentes à abrasão e artigos de espuma de poliuretano semi-rígida moldada com uma pele endurecida. Esses materiais são usados ​​em uma ampla gama de produtos, incluindo rodas, roletes, polias transportadoras, conectores e vedações de cabos, solas de calçados, montagens antivibração e componentes acústicos. p-Nitroso-N,N,-dimetilanilina e 5-cloro-o-toluidina são usados ​​como intermediários na indústria de corantes. N, N-Dietilanilina e N, N-dimetilanilina são usados ​​na síntese de corantes e outros intermediários. A N,N-dimetilanilina também serve como endurecedor catalítico em certas resinas de fibra de vidro.

Compostos azo

Os compostos azo estão entre os grupos mais populares de vários corantes, incluindo corantes diretos, corantes ácidos, corantes básicos, corantes naftol, corantes ácidos mordentes, corantes dispersos, etc., e são amplamente utilizados em têxteis, tecidos, artigos de couro, produtos de papel, plásticos e muitos outros itens.

Riscos

A fabricação e uso na indústria de certas aminas aromáticas pode constituir um perigo grave e às vezes inesperado. No entanto, desde que esses perigos se tornaram mais conhecidos, tem havido, nos últimos anos, uma tendência para substituir outras substâncias ou tomar precauções que reduzam o perigo. Também houve discussão sobre a possibilidade de aminas aromáticas terem efeitos sobre a saúde quando existem como impurezas em um produto acabado ou quando podem ser restauradas como resultado de uma reação química ocorrendo durante o uso de um derivado, ou—e este é um caso totalmente diferente - como resultado da degradação metabólica dentro do organismo de pessoas que podem estar absorvendo derivados mais complexos.

vias de absorção

De um modo geral, o principal risco de absorção reside no contacto com a pele: as aminas aromáticas são quase todas lipossolúveis. Este perigo particular é ainda mais importante porque na prática industrial muitas vezes não é suficientemente apreciado. Além da absorção pela pele, existe também um risco considerável de absorção por inalação. Isso pode ser o resultado da inalação dos vapores, embora a maioria dessas aminas seja de baixa volatilidade em temperaturas normais; ou pode resultar da inalação de pó de produtos sólidos. Isto aplica-se particularmente no caso dos sais de amina, como sulfatos e clorohidratos, que têm uma volatilidade e lipossolubilidade muito baixas: o risco profissional do ponto de vista prático é menor, mas a sua toxicidade global é aproximadamente a mesma que a correspondente amina e, portanto, a inalação de suas poeiras e até o contato com a pele devem ser considerados perigosos.

A absorção por via digestiva representa um perigo potencial se houver alimentação inadequada e instalações sanitárias inadequadas ou se os trabalhadores não praticarem práticas de higiene pessoal excelentes. Contaminação de alimentos e tabagismo com as mãos sujas são dois exemplos de possíveis vias de ingestão.

Muitas das aminas aromáticas são inflamáveis ​​e representam um risco de incêndio moderado. Os produtos da combustão podem frequentemente ser altamente tóxicos. O principal perigo para a saúde da exposição industrial à anilina surge da facilidade com que ela pode ser absorvida, seja por inalação ou pela absorção pela pele. Devido a essas propriedades de absorção, a prevenção do envenenamento por anilina requer altos padrões de higiene industrial e pessoal. A medida específica mais importante para a prevenção de derramamento ou contaminação da atmosfera de trabalho com vapor de anilina é o projeto adequado da planta. O controle de ventilação do contaminante deve ser projetado o mais próximo possível do ponto de geração. A roupa de trabalho deve ser mudada diariamente e devem ser providenciadas instalações para um banho ou duche obrigatório no final do período de trabalho. Qualquer contaminação da pele ou da roupa deve ser imediatamente lavada e o indivíduo mantido sob supervisão médica. Tanto os trabalhadores quanto os supervisores devem ser instruídos para estarem cientes da natureza e extensão do perigo e para realizar o trabalho de maneira limpa e segura. O trabalho de manutenção deve ser precedido com atenção suficiente para a remoção de possíveis fontes de contato com os produtos químicos nocivos.

Uma vez que muitos casos de envenenamento por anilina resultam da contaminação da pele ou roupas que levam à absorção pela pele, as roupas contaminadas devem ser removidas e lavadas. Mesmo quando a intoxicação resulta de inalação, é provável que a roupa esteja contaminada e deve ser removida. Toda a superfície do corpo, incluindo cabelos e unhas, deve ser cuidadosamente lavada com sabão e água morna. Na presença de metahemoglobinemia, devem ser tomadas as devidas precauções de emergência e o serviço de saúde ocupacional deve estar totalmente equipado e treinado para lidar com tais emergências. Os trabalhadores da lavanderia devem receber precauções adequadas para evitar a contaminação dos compostos de anilina.

Metabolismo

As aminas sofrem um processo de metabolização dentro do organismo. Geralmente os agentes ativos são os metabólitos, alguns dos quais induzem metahemoglobinemia, enquanto outros são carcinogênicos. Esses metabólitos geralmente assumem a forma de hidroxilaminas (R-NHOH), transformando-se em aminofenóis (H2NR-OH) como forma de desintoxicação; sua excreção fornece um meio de estimar o grau de contaminação quando o nível de exposição é tal que é detectável.

Efeitos na saúde

As aminas aromáticas têm vários efeitos patológicos e cada membro da família não compartilha as mesmas propriedades toxicológicas. Embora cada produto químico deva ser avaliado independentemente, certas características importantes são compartilhadas de forma proeminente por muitos deles. Esses incluem:

  • câncer do trato urinário, particularmente da bexiga urinária
  • perigo de envenenamento agudo, particularmente metahemoglobinemia, que pode ter efeitos adversos nos glóbulos vermelhos
  • sensibilização, principalmente da pele, mas às vezes respiratória.

 

Os efeitos tóxicos também estão relacionados às características químicas. Por exemplo, embora um sal de anilina tenha uma toxicidade muito semelhante à da própria anilina, não é solúvel em água ou em lipídios e, portanto, não é facilmente absorvido pela pele ou por inalação. Assim, envenenamento por sais de anilina de exposição industrial são raros.

Envenenamento agudo geralmente resulta da inibição da função da hemoglobina através da formação de metahemoglobina, levando a uma condição chamada metahemoglobinemia, que é discutida mais detalhadamente no Sangue capítulo. A metahemoglobinemia é mais frequentemente associada aos compostos amino aromáticos de anel único. A metahemoglobina está normalmente presente no sangue em um nível de cerca de 1 a 2% da hemoglobina total. A cianose na mucosa oral começa a se tornar aparente em níveis de 10 a 15%, embora os sintomas subjetivos normalmente não sejam experimentados até que níveis de metahemoglobina da ordem de 30% sejam atingidos. Com aumentos acima desse nível, a cor da pele do paciente se torna mais profunda; mais tarde, ocorrem dores de cabeça, fraqueza, mal-estar e anóxia, a serem sucedidos, se a absorção continuar, por coma, insuficiência cardíaca e morte. A maioria dos casos de intoxicação aguda reage favoravelmente ao tratamento e a metahemoglobina desaparece completamente após dois a três dias. O consumo de álcool favorece e agrava o envenenamento agudo por metahemoglobina. A hemólise dos glóbulos vermelhos pode ser detectada após envenenamento grave, e é seguida por um processo de regeneração que é demonstrado pela presença de reticulócitos. Às vezes, também pode ser detectada a presença de corpos de Heinz nos glóbulos vermelhos.

Câncer. Os potentes efeitos carcinogênicos das aminas aromáticas foram descobertos pela primeira vez no local de trabalho como resultado da incidência anormalmente alta de funcionários com câncer em uma fábrica de corantes. Os cânceres foram descritos como "câncer de corante", mas análises posteriores logo apontaram que sua origem estava nas matérias-primas, das quais a mais importante era a anilina. Eles então ficaram conhecidos como "cânceres de anilina". Mais tarde, uma definição mais aprofundada foi possível e a β-naftilamina e a benzidina foram consideradas os produtos químicos “culpados”. A confirmação experimental disso demorou a chegar e foi difícil. O trabalho experimental em muitos membros desta família descobriu que vários deles são carcinógenos animais. Uma vez que evidências humanas insuficientes estão disponíveis, eles foram classificados pela Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC) em sua maior parte como 2B, prováveis ​​carcinógenos humanos, ou seja, com evidências suficientes para carcinogenicidade animal, mas insuficientes para carcinogenicidade humana. Em alguns casos, o trabalho de laboratório levou à descoberta de câncer humano, como no caso do 4-aminodifenil, que foi demonstrado pela primeira vez como carcinogênico para animais (no fígado), após o que vários casos de câncer de bexiga em humanos foram trazidos à tona.

Dermatite. Devido à sua natureza alcalina, certas aminas, particularmente as primárias, constituem um risco direto de dermatite. Muitas aminas aromáticas podem causar dermatites alérgicas, como a causada pela sensibilidade às "para-aminas" (p-aminofenol e particularmente p-fenilenodiamina). Sensibilidade cruzada também é possível.

Alergia respiratória. Vários casos de asma devido à sensibilização à p-fenilenodiamina, por exemplo, foram relatados.

A cistite hemorrágica pode resultar de exposição intensa a o- e p-toluidina, particularmente os derivados de cloro, dos quais cloro-5-O-toluidina é o melhor exemplo. Estas hematúrias parecem ser de curta duração e a relação com o desenvolvimento de tumores da bexiga não está estabelecida.

Lesões hepáticas. Certas diaminas, como toluenodiamina e diaminodifenilmetano, têm efeitos hepatotóxicos potentes em animais experimentais, mas danos hepáticos graves resultantes da exposição industrial não foram amplamente relatados. Em 1966, no entanto, 84 casos de icterícia tóxica foram relatados por ingestão de pão feito de farinha contaminada com 4,4'-diaminodifenilmetano, e casos de hepatite tóxica também foram relatados após exposição ocupacional.

Algumas das propriedades toxicológicas das aminas aromáticas são discutidas abaixo. Como os membros desta família química são muito numerosos, não é possível incluí-los todos, podendo haver outros, não incluídos abaixo, que também possuem propriedades tóxicas.

Aminofenóis

Nem o- nem pOs isômeros de aminofenol, que são sólidos cristalinos de baixa volatilidade, são prontamente absorvidos pela pele, embora ambos possam atuar como sensibilizadores da pele e causar dermatite de contato, que parece ser o maior perigo decorrente de seu uso na indústria. Embora ambos os isômeros possam causar metahemoglobinemia grave, até mesmo com risco de vida, isso raramente surge da exposição industrial, uma vez que suas propriedades físicas são tais que nenhum dos compostos é prontamente absorvido pelo corpo. p-Aminofenol é o principal metabólito da anilina em humanos e é excretado na urina na forma conjugada. Asma brônquica do isômero orto também foi relatada.

p-Aminodifenil é considerado um carcinógeno humano confirmado pela IARC. Foi o primeiro composto em que a demonstração de atividade carcinogênica em animais experimentais precedeu os primeiros relatos de tumores de bexiga em trabalhadores expostos, onde foi utilizado como antioxidante na fabricação de borracha. A substância é claramente um potente cancerígeno da bexiga, pois em uma fábrica com 315 trabalhadores, 55 desenvolveram tumores, assim como 11% dos 171 trabalhadores em outra fábrica de 4-aminodifenil. Os tumores apareceram 5 a 19 anos após a exposição inicial, e a sobrevida variou de 1.25 a 10 anos.

Anilina e seus derivados

Foi demonstrado experimentalmente que o vapor de anilina pode ser absorvido pela pele e pelo trato respiratório em quantidades aproximadamente iguais; entretanto, a taxa de absorção do líquido através da pele é cerca de 1,000 vezes maior que a do vapor. A causa mais frequente de intoxicação industrial é a contaminação acidental da pele, seja diretamente por contato acidental, seja indiretamente por contato com roupas ou calçados sujos. O uso de roupas de proteção limpas e adequadas e a lavagem rápida em caso de contato acidental constituem a melhor proteção. Embora o Instituto Nacional de Saúde e Segurança Ocupacional dos EUA (NIOSH) recomende que a anilina seja tratada como um carcinógeno humano suspeito, a IARC a classificou como um produto químico do Grupo 3, o que significa evidência insuficiente de carcinogenicidade animal ou humana.

p-Cloroanilina é um potente formador de metahemoglobina e irritante ocular. Experimentos com animais não forneceram evidências de carcinogenicidade. O 4,4'-metileno bis(2-cloroanilina), ou MbOCA, pode ser absorvido pelo contato com poeira ou pela inalação de fumaça e, na indústria, a absorção pela pele também pode ser uma via importante de absorção. Estudos de laboratório mostraram que o MbOCA ou seus metabólitos podem causar danos genéticos em uma variedade de organismos. Além disso, a administração subcutânea a longo prazo em ratos resultou em tumores hepáticos e pulmonares. Assim, o MbOCA é considerado um carcinógeno animal e um provável carcinógeno humano.

N, N-Dietilanilina e N, N-dimetilanilina são facilmente absorvidos pela pele, mas também pode ocorrer envenenamento por inalação de vapores. Seus perigos podem ser considerados semelhantes aos da anilina. Eles são, em particular, potentes formadores de metahemoglobina.

Nitroanilinas. Das três mono-nitroanilinas, a mais importante é p-nitroanilina. Todos são usados ​​como corantes intermediários, mas o o- e m- isômeros apenas em pequena escala. p-A nitroanilina é prontamente absorvida pela pele e também pela inalação de poeira ou vapor. É um poderoso formador de metahemoglobina e, em casos graves, também causa hemólise ou mesmo danos ao fígado. Casos de envenenamento e cianose foram relatados após a exposição durante a limpeza de derramamentos. As cloronitroanilinas também são potentes formadores de metahemoglobina, levando à hemólise e são hepatotóxicas. Podem dar origem a dermatites por sensibilização.

p-Nitroso-N,N-dimetilanilina possui propriedades irritantes primárias e sensibilizantes da pele, e é uma causa comum de dermatite de contato. Embora, ocasionalmente, os trabalhadores que desenvolvem dermatite possam posteriormente trabalhar com este composto sem maiores problemas, a maioria sofrerá uma recorrência severa das lesões de pele na reexposição e, em geral, é aconselhável transferi-los para outro trabalho para evitar novas contato.

5-Cloro-o-toluidina é prontamente absorvido pela pele ou por inalação. Embora ele (e alguns de seus isômeros) possa causar a formação de metahemoglobina, a característica mais marcante é seu efeito irritante no trato urinário, resultando em cistite hemorrágica caracterizada por hematúria dolorosa e micção frequente. Hematúria microscópica pode estar presente em homens expostos a este composto antes que a cistite se manifeste, mas não há risco carcinogênico para humanos. No entanto, experimentos de laboratório lançaram dúvidas sobre a carcinogenicidade de outros isômeros para certas espécies de animais.

Benzidina e derivados

A benzidina é um cancerígeno confirmado, cuja fabricação e uso industrial tem causado muitos casos de papiloma e carcinoma do trato urinário. Entre algumas populações trabalhadoras, mais de 20% de todos os trabalhadores desenvolveram a doença. Estudos recentes indicam que a benzidina pode aumentar a taxa de câncer em outros locais, mas ainda não há consenso sobre isso. A benzidina é um sólido cristalino com uma pressão de vapor significativa (ou seja, forma vapores facilmente). A penetração através da pele parece ser a via mais importante para a absorção da benzidina, mas também existe o perigo da inalação de vapores ou partículas finas. A atividade carcinogênica da benzidina foi estabelecida pelos muitos casos relatados de tumor de bexiga em trabalhadores expostos e por indução experimental em animais. É um carcinógeno humano confirmado do Grupo 1, de acordo com as classificações da IARC. O uso de benzidina foi descontinuado na maioria dos lugares.

3,3'-diclorobenzidina é um provável carcinógeno humano (IARC Classe 2B). Esta conclusão é baseada em uma incidência de tumor significativamente aumentada em ratos, camundongos e cães e dados positivos sobre sua genotoxicidade. A relação estrutural com a benzidina, um conhecido e poderoso carcinógeno da bexiga humana, dá mais peso à probabilidade de que seja um carcinógeno humano.

Diamino-4,4'-diaminodifenilmetano. O exemplo mais marcante da toxicidade desse composto foi quando 84 pessoas contraíram hepatite tóxica por comer pão feito de farinha contaminada com a substância. Outros casos de hepatite foram observados após exposição ocupacional por absorção cutânea. Também pode dar origem a dermatite alérgica. Experimentos com animais levaram à suspeita de ser um carcinógeno potencial, mas resultados conclusivos não foram obtidos. Derivados de diaminodifenilmetano demonstraram ser cancerígenos para animais de laboratório.

Dimetilaminoazobenzeno. O metabolismo do DAB foi extensivamente estudado e descobriu-se que envolve redução e clivagem do grupo azo, desmetilação, hidroxilação do anel, N-hidroxilação, N-acetilação, ligação a proteínas e ligação a ácidos nucléicos. DAB mostra propriedades mutagênicas após a ativação. Tem poder carcinogênico por várias vias em ratos e camundongos (carcinoma hepático), e por via oral causa carcinoma de bexiga em cães. A única observação de saúde ocupacional em humanos foi de dermatite de contato em operários manuseando DAB.

As medidas técnicas devem evitar qualquer contato com a pele e membranas mucosas. Os trabalhadores expostos a DAB devem usar equipamentos de proteção individual e seu trabalho deve ser realizado apenas em áreas restritas. Roupas e equipamentos após o uso devem ser colocados em um recipiente impermeável para descontaminação ou descarte. Pré-emprego e exames periódicos devem se concentrar na função hepática. Nos EUA, o DAB foi incluído pela OSHA entre os agentes suspeitos de câncer em humanos.

Difenilamina. Este produto químico pode ser levemente irritante. Parece que em condições industriais comuns oferece pouco perigo, mas o potente carcinógeno 4-aminodifenil pode estar presente como uma impureza durante o processo de fabricação. Isso pode estar concentrado em proporções significativas nos alcatrões produzidos no estágio de destilação e constituirá um risco de câncer de bexiga. Embora os procedimentos de fabricação modernos tenham permitido que a quantidade de impurezas neste composto fosse consideravelmente reduzida no produto comercial, a prevenção adequada deve ser tomada para evitar contato desnecessário.

Naftilaminas

As naftilaminas ocorrem em duas formas isoméricas, a-naftilamina e B-naftilamina.
A α-naftilamina é absorvida pela pele e por inalação. O contato pode causar queimaduras na pele e nos olhos. A intoxicação aguda não decorre de seu uso industrial, mas a exposição a graus comerciais desse composto no passado resultou em muitos casos de papiloma e carcinoma da bexiga. É possível que esses tumores fossem atribuíveis à impureza substancial de β-naftilamina. Este assunto não é meramente de interesse acadêmico, já que a α-naftilamina com níveis muito reduzidos de impureza β-naftilamina está agora disponível.

A β-naftilamina é um conhecido carcinógeno da bexiga humana. A intoxicação aguda resulta em metahemoglobinemia ou cistite hemorrágica aguda. Embora tenha sido usado extensivamente como intermediário na fabricação de corantes e antioxidantes, sua fabricação e uso foram quase totalmente abandonados em todo o mundo e foi condenado como muito perigoso de fabricar e manusear sem precauções proibitivas. É prontamente absorvido pela pele e por inalação. A questão de seus efeitos tóxicos agudos não se coloca por causa de sua alta potência cancerígena.

fenilenodiaminas

Existem várias formas isoméricas das fenilenodiaminas, mas apenas a m- e p-isômeros são de importância industrial. Enquanto p-fenilenodiamina pode atuar como um formador de metahemoglobina in vitro, a metahemoglobinemia decorrente da exposição industrial é desconhecida. p-A fenilenodiamina é conhecida por suas propriedades sensibilizantes da pele e do trato respiratório. O contato regular com a pele causa prontamente dermatite de contato. Acne e leucoderma também foram relatados. O antigo problema de "dermatite do pelo" é agora muito menos frequente devido a melhorias no processo de tingimento que têm o efeito de remover todos os vestígios de p-fenilenodiamina. Da mesma forma, a asma, outrora comum entre os tintureiros de peles que usavam essa substância, agora é relativamente rara após melhorias no controle da poeira transportada pelo ar. Mesmo com controles, um teste cutâneo preliminar é útil antes de uma possível exposição ocupacional. m-Fenilenodiamina é um forte irritante para a pele e causa irritação ocular e respiratória. As conclusões tiradas das experiências realizadas com as fenilenodiaminas e seus derivados (por exemplo, N-fenil ou 4- ou 2-nitro) relativas ao seu potencial carcinogênico são, até o momento, insuficientes, inconclusivas ou negativas. Derivados de cloro que foram testados parecem ter um potencial carcinogênico em testes com animais.

O potencial carcinogênico de misturas comerciais no passado era motivo de grande preocupação devido à presença de β-naftilamina, que havia sido encontrada como uma impureza em quantidades consideráveis ​​(chegando a dezenas ou mesmo centenas de ppm) em algumas das preparações mais antigas , e pela descoberta, no caso de N-fenil-2-naftilamina, PBNA, de β-naftilamina como excreção metabólica, embora em quantidades infinitesimais. Os experimentos apontam para um potencial carcinogênico para os animais testados, mas não permitem um julgamento conclusivo, e o grau de significância dos achados metabólicos ainda não é conhecido. Investigações epidemiológicas em um grande número de pessoas que trabalham em diferentes condições não mostraram nenhum aumento significativo na incidência de câncer entre os trabalhadores expostos a esses compostos. A quantidade de β-naftilamina presente nos produtos comercializados atualmente é muito baixa – menos de 1 ppm e frequentemente 0.5 ppm. No momento não é possível tirar conclusões sobre o verdadeiro risco de câncer, e por isso todas as precauções devem ser tomadas, incluindo a eliminação de impurezas que possam ser suspeitas e medidas técnicas de proteção na fabricação e uso destes compostos.

Outros compostos

Toluidina existe em três formas isoméricas, mas apenas o o e p- isômeros são de importância industrial. o-Toluidina e p-toluidina são facilmente absorvidos pela pele ou inalados como poeira, fumaça ou vapor. Eles são poderosos formadores de metahemoglobina, e envenenamento agudo pode ser acompanhado por hematúria microscópica ou macroscópica, mas eles são muito menos potentes como irritantes da bexiga do que 5-cloro-o-toluidina. Existem evidências suficientes de carcinogenicidade em animais para classificar o-toluidina e p-toluidina como carcinógenos humanos suspeitos.

Toluenodiaminas. Dentre os seis isômeros da toluenodiamina, o mais encontrado é o 2,4- que responde por 80% do produto intermediário na fabricação do diisocianato de tolueno, sendo outros 20% o isômero 2,6-, que é um dos substâncias básicas para os poliuretanos. A atenção foi atraída para este composto após a descoberta experimental de um potencial carcinogênico em animais de laboratório. Dados em humanos não estão disponíveis.

Xilidinas. Resultados de experimentos com animais indicam que são principalmente toxinas do fígado e atuam secundariamente no sangue. No entanto, outras experiências demonstraram que a metahemoglobinemia e a formação de corpúsculos de Heinz foram prontamente induzidas em gatos, embora não em coelhos.

Corantes Azo

Em geral, os corantes azo como um grupo representam uma ordem relativamente baixa de toxicidade geral. Muitos deles têm um LD oral50 de mais de 1 g/kg quando testado em ratos e camundongos, e os roedores podem receber dietas de laboratório contendo mais de 1 g do produto químico em estudo por quilo de dieta. Alguns podem causar dermatite de contato, mas geralmente com apenas manifestações leves; na prática, é bastante difícil determinar se o corante per se ou material coexistente é responsável pela lesão de pele observada. Em contraste, atenção crescente tem sido dada aos potenciais carcinogênicos dos corantes azóicos. Embora observações epidemiológicas confirmativas ainda sejam raras, os dados de experimentos de longo prazo se acumularam para mostrar que alguns corantes azóicos são cancerígenos em animais de laboratório. O principal órgão-alvo nessas condições experimentais é o fígado, seguido pela bexiga urinária. O intestino também está envolvido em alguns casos. É, no entanto, muito problemático extrapolar essas descobertas para os seres humanos.

A maioria dos corantes azo cancerígenos não são carcinógenos diretos, mas pré-carcinógenos. Ou seja, eles exigem conversão por in vivo ativação metabólica através de carcinógenos próximos para serem carcinógenos finais. Por exemplo, metilaminoazobenzeno primeiro sofre N-hidroxilação e N-desmetilação no grupo amino e, em seguida, ocorre a conjugação de sulfato com o derivado N-hidroxi formando o carcinógeno final que é reativo com o ácido nucleico.

Deve-se notar que os corantes diazo derivados da benzidina podem ser transformados na benzidina química altamente cancerígena pelos processos metabólicos normais do corpo. O corpo reduz dois grupos azo in vivo ou pela atividade de bactérias intestinais, à benizidina. Assim, os corantes azo devem ser manuseados com prudência.

Medidas de Segurança e Saúde

A medida específica mais importante para a prevenção de derramamento ou contaminação da atmosfera de trabalho por esses compostos é o projeto adequado da planta. O controle de ventilação do contaminante deve ser projetado o mais próximo possível do ponto de geração. A roupa de trabalho deve ser mudada diariamente e devem ser providenciadas instalações para um banho ou duche obrigatório no final do período de trabalho. Qualquer contaminação da pele ou da roupa deve ser imediatamente lavada e o indivíduo mantido sob supervisão médica. Tanto os trabalhadores quanto os supervisores devem ser instruídos para estarem cientes da natureza e extensão do perigo e para realizar o trabalho de maneira limpa e segura. O trabalho de manutenção deve ser precedido com atenção suficiente para a remoção de possíveis fontes de contato com os produtos químicos nocivos.

Tabelas de compostos de aminoácidos aromáticos

Mesa 1 - Informações químicas.

Mesa 2 - Riscos para a saúde.

Mesa 3 - Perigos físicos e químicos.

Mesa 4 - Propriedades físicas e químicas.

 

Voltar

Quarta-feira, 03 agosto 2011 00: 24

Azidas

Uso

As azidas têm usos variados nas indústrias química, de corantes, plásticos, borracha e metal. Vários compostos são usados ​​no tratamento de águas residuais e como intermediários químicos, aditivos alimentares e agentes sanitizantes em detergentes para lavar louça e piscinas.

1,1'-Azobis(formamida) é um agente de expansão para borracha sintética e natural e copolímeros de etileno-acetato de vinila. Também é útil como agente espumante adicionado para aumentar a porosidade dos plásticos. Ácido isocianúrico triclorado e dicloroisocianurato de sódio são usados ​​como agentes desinfetantes para piscinas e como ingredientes ativos em detergentes, alvejantes comerciais e domésticos e compostos para lavagem de louças. O dicloroisocianurato de sódio também é usado no tratamento de água e esgoto.

ácido edético (EDTA) tem inúmeras funções nas indústrias alimentícia, metalúrgica, química, têxtil, fotográfica e de saúde. É um antioxidante em alimentos. O EDTA é usado como um agente quelante para remover íons metálicos indesejados na água da caldeira e na água de resfriamento, no revestimento de níquel e na polpação de madeira. Também atua como agente de branqueamento para processamento de filmes na indústria fotográfica, agente de corrosão no acabamento de metais e agente de tingimento na indústria têxtil. O EDTA é encontrado em detergentes para têxteis, germicidas industriais, fluidos de corte de metais, produção de semicondutores, sabões líquidos, xampus, produtos da indústria farmacêutica e cosmética. Também é usado na medicina para tratar envenenamento por chumbo.

Fenilidrazina, aminoazotolueno e hidrazina são úteis na indústria de corantes. A fenilhidrazina também é utilizada na preparação de produtos farmacêuticos. A hidrazina é um reagente em células de combustível para uso militar e um agente redutor na extração de plutônio de resíduos de reatores. É usado em revestimento de níquel, tratamento de águas residuais e revestimento eletrolítico de metais em vidro e plásticos. A hidrazina é empregada no reprocessamento de combustível nuclear e como componente de combustíveis de alta energia. É um inibidor de corrosão na água de alimentação da caldeira e na água de resfriamento do reator. A hidrazina também é um intermediário químico e um propulsor de foguetes. Diazometano é um poderoso agente de metilação para compostos ácidos, como ácidos carboxílicos e fenóis.

A azida sódica é utilizada na síntese orgânica, na fabricação de explosivos e como propelente em airbags de automóveis. O ácido hidrazóico é usado para fazer explosivos de contato, como azida de chumbo.

Outras azidas, incluindo metilhidrazina, hidrazobenzeno, 1,1-dimetilhidrazina, sulfato de hidrazina e diazometano, são usados ​​em inúmeras indústrias. A metilhidrazina é um solvente, um intermediário químico e um propulsor de mísseis, enquanto o hidrazobenzeno é um intermediário químico e um aditivo antilodo para óleo de motor. A 1,1-dimetilhidrazina é usada em formulações de combustível para foguetes. É um estabilizador para aditivos de combustível de peróxido orgânico, um absorvente para gases ácidos e um componente de combustível de aviação. O sulfato de hidrazina é usado na estimativa gravimétrica de níquel, cobalto e cádmio. É um antioxidante no fluxo de solda para metais leves, um germicida e um agente redutor na análise de minerais e escórias.

Riscos

Diazometano

Riscos de incêndio e explosão. Seja no estado gasoso ou líquido, o diazometano explode com flashes e mesmo a –80 °C o diazometano líquido pode detonar. Tem sido a experiência geral, no entanto, que as explosões não ocorrem quando o diazometano é preparado e contido em solventes como o éter etílico.

Riscos para a saúde. O diazometano foi descrito pela primeira vez em 1894 por von Pechmann, que indicou que era extremamente venenoso, causando falta de ar e dores no peito. Em seguida, outros investigadores relataram sintomas de tontura e zumbido. Foi relatado que a exposição da pele ao diazometano produz desnudamento da pele e das membranas mucosas, e foi alegado que sua ação se assemelha à do sulfato de dimetila. Também foi notado que os vapores da solução de éter do gás eram irritantes para a pele e tornavam os dedos tão sensíveis que era difícil pegar um alfinete. Em 1930, a exposição de duas pessoas resultou em dores no peito, febre e sintomas asmáticos graves cerca de 5 horas após a exposição a meros vestígios do gás.

A primeira exposição ao gás pode não produzir reações iniciais dignas de nota; no entanto, exposições subseqüentes em quantidades mínimas podem produzir ataques extremamente graves de asma e outros sintomas. Os sintomas pulmonares podem ser explicados como resultado de uma verdadeira sensibilidade alérgica após exposição repetida ao gás, particularmente em indivíduos com alergia hereditária, ou de uma poderosa ação irritante do gás nas membranas mucosas.

Pelo menos 16 casos de envenenamento agudo por diazometano, incluindo mortes por edema pulmonar, foram relatados entre químicos e trabalhadores de laboratório. Em todos os casos, os sintomas de intoxicação incluíram tosse irritante, febre e mal-estar, variando de intensidade de acordo com o grau e duração da exposição. Exposições subsequentes levaram a hipersensibilidade.

Em animais, a exposição ao diazometano a 175 ppm por 10 minutos causou enfisema hemorrágico e edema pulmonar em gatos, resultando em morte em 3 dias.

Toxicidade. Uma explicação para a toxicidade do diazometano tem sido a formação intracelular de formaldeído. O diazometano reage lentamente com a água para formar álcool metílico e liberar nitrogênio. O formaldeído, por sua vez, é formado pela oxidação do álcool metílico. Podem ser consideradas as possibilidades de liberação in vivo de álcool metílico ou da reação do diazometano com compostos carboxílicos para formar ésteres metílicos tóxicos; por outro lado, os efeitos deletérios do diazometano podem ser devidos principalmente à ação fortemente irritante do gás no sistema respiratório.

O diazometano demonstrou ser um carcinógeno pulmonar em camundongos e ratos. A aplicação na pele e a injeção subcutânea, bem como a inalação do composto, também demonstraram causar o desenvolvimento de tumores em animais experimentais. Estudos bacterianos mostram que é mutagênico. A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), no entanto, o coloca no Grupo 3, inclassificável quanto à carcinogenicidade humana.

O diazometano é um inseticida eficaz para o controle químico de Triatom infestações. Também é útil como algicida. Quando o componente ictiotóxico da alga verde Chaetomorpha mínima é metilado com diazometano, obtém-se um sólido que retém sua toxicidade para matar peixes. Vale ressaltar que no metabolismo dos carcinógenos dimetilnitrosamina e cicasina, um dos produtos intermediários é o diazometano.

Hidrazina e derivados

Inflamabilidade, explosão e toxicidade são os principais perigos das hidrazinas. Por exemplo, quando a hidrazina é misturada com nitrometano, forma-se um alto explosivo que é mais perigoso que o TNT. Todas as hidrazinas discutidas aqui têm pressões de vapor suficientemente altas para apresentar sérios riscos à saúde por inalação. Eles têm um odor amoniacal de peixe que é repulsivo o suficiente para indicar a presença de concentrações perigosas para condições de exposição acidental breve. Em concentrações mais baixas, que podem ocorrer durante a fabricação ou processos de transferência, as propriedades de advertência do odor podem não ser suficientes para impedir exposições ocupacionais crônicas de baixo nível em manipuladores de combustível.

Concentrações moderadas a altas de vapores de hidrazina são altamente irritantes para os olhos, nariz e sistema respiratório. A irritação da pele é pronunciada com as hidrazinas propulsoras; o contato direto com o líquido resulta em queimaduras e até dermatites do tipo sensibilização, principalmente no caso da fenilhidrazina. Respingos oculares têm um efeito altamente irritante e a hidrazina pode causar lesões permanentes na córnea.

Além de suas propriedades irritantes, as hidrazinas também exercem efeitos sistêmicos pronunciados por qualquer via de absorção. Após a inalação, a absorção pela pele é a segunda via mais importante de intoxicação. Todas as hidrazinas são venenos moderados a fortes do sistema nervoso central, resultando em tremores, aumento da excitabilidade do sistema nervoso central e, em doses suficientemente altas, convulsões. Isso pode progredir para depressão, parada respiratória e morte. Outros efeitos sistêmicos ocorrem no sistema hematopoiético, no fígado e nos rins. As hidrazinas individuais variam amplamente em grau de toxicidade sistêmica no que diz respeito aos órgãos-alvo.

Os efeitos hematológicos são autoexplicativos com base na atividade hemolítica. Estes são dependentes da dose e, com exceção da monometilhidrazina, são mais proeminentes na intoxicação crônica. As alterações da medula óssea são hiperplásicas com fenilhidrazina, e também foi observada produção de células sanguíneas fora da medula óssea. A monometilhidrazina é um forte formador de metahemoglobina e os pigmentos do sangue são excretados na urina. As alterações hepáticas são principalmente do tipo degeneração gordurosa, raramente evoluindo para necrose, e geralmente são reversíveis com as hidrazinas propulsoras. Monometilhidrazina e fenilhidrazina em altas doses podem causar danos renais extensos. Alterações no músculo cardíaco são principalmente de caráter gorduroso. A náusea observada com todas essas hidrazinas é de origem central e refratária à medicação. Os convulsivantes mais potentes desta série são a monometilhidrazina e a 1,1-dimetilhidrazina. A hidrazina causa principalmente depressão e as convulsões ocorrem com muito menos frequência.

Todas as hidrazinas parecem ter algum tipo de atividade em algumas espécies de animais de laboratório por alguma via de entrada (alimentação na água potável, intubação gástrica ou inalação). A IARC os considera Grupo 2B, possivelmente cancerígenos em humanos. Em animais de laboratório, com exceção de um derivado não discutido aqui, 1,2-dimetilhidrazina (ou dimetilhidrazina simétrica), há uma resposta definida à dose. Tendo em vista sua classificação do Grupo 2B, qualquer exposição de humanos deve ser minimizada por equipamento de proteção adequado e descontaminação de derramamentos acidentais.

Fenilidrazina

A patologia da fenilhidrazina foi estudada por meio de experimentos com animais e observações clínicas. Informações sobre os efeitos da fenilhidrazina em humanos foram obtidas a partir do uso de cloridrato de fenilhidrazina para terapia. As condições observadas incluíram anemia hemolítica, com hiperbilirrubinemia e urobilinúria, e aparecimento de corpúsculos de Heinz; dano hepático com hepatomegalia, icterícia e urina muito escura contendo fenóis; às vezes, ocorreram sinais de manifestações renais. Os efeitos hematológicos incluíram cianose, anemia hemolítica, algumas vezes com metahemoglobinemia e leucocitose. Entre os sintomas mais gerais estavam fadiga, tontura, diarréia e diminuição da pressão arterial. Observou-se também que um aluno, que havia recebido 300 g da substância no abdômen e nas coxas, sofreu um colapso cardíaco com coma que durou várias horas. Indivíduos com deficiência hereditária de glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PDH) seriam muito mais suscetíveis aos efeitos hemolíticos da fenilhidrazina e não deveriam ser expostos a ela.

Com relação aos danos à pele, há relatos de eczema agudo com erupção vesicular, bem como eczema crônico nas mãos e antebraços de trabalhadores que preparam antipirina. Também foi descrito um caso de dermatose vesicular com produção de flictenas no punho de uma auxiliar de farmácia. Isso apareceu 5 ou 6 horas após o manuseio e levou 2 semanas para cicatrizar. Um engenheiro químico que manipulou a substância teve apenas algumas espinhas, que desapareceram em 2 ou 3 dias. A fenilhidrazina é, portanto, considerada um potente sensibilizador da pele. É muito rapidamente absorvido pela pele.

Devido a relatos de carcinogenicidade da fenilhidrazina em camundongos, o Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional dos Estados Unidos (NIOSH) recomendou sua regulamentação como carcinógeno humano. Uma variedade de estudos bacterianos e de cultura de tecidos mostraram que é mutagênico. A injeção intraperitoneal de camundongos prenhes resultou em filhotes com icterícia grave, anemia e déficit no comportamento adquirido.

Azida sódica e ácido hidrazóico

A azida sódica é produzida pela combinação de sodamida com óxido nitroso. Ele reage com a água para produzir ácido hidrazóico. Vapor de ácido hidrazóico pode estar presente ao manusear azida sódica. Comercialmente, o ácido hidrazóico é produzido pela ação do ácido sobre a azida sódica.

A azida de sódio parece ser apenas ligeiramente menos tóxica do que o cianeto de sódio. Pode ser fatal se inalado, ingerido ou absorvido pela pele. O contato pode causar queimaduras na pele e nos olhos. Um técnico de laboratório ingeriu acidentalmente o que se estima ser uma “quantidade muito pequena” de azida sódica. Foram observados sintomas de taquicardia, hiperventilação e hipotensão. Os autores observam que a dose hipotensora mínima em humanos situa-se entre 0.2 e 0.4 mg/kg.

O tratamento de indivíduos normais com 3.9 mg/dia de azida sódica por 10 dias não produziu nenhum efeito além de uma sensação de batimento cardíaco. Alguns pacientes hipertensos desenvolveram sensibilidade à azida na dose de 0.65 mg/dia.

Trabalhadores expostos a 0.5 ppm de ácido hidrazóico desenvolveram dores de cabeça e congestão nasal. Sintomas adicionais de fraqueza e irritação ocular e nasal se desenvolveram com a exposição a 3 ppm por menos de 1 hora. A pulsação era variável e a pressão arterial baixa ou normal. Sintomas semelhantes foram relatados entre os trabalhadores que fabricam azida de chumbo. Eles tinham pressão arterial baixa definida, que se tornou mais pronunciada durante o dia de trabalho e voltou ao normal após sair do trabalho.

Estudos em animais mostraram uma queda rápida, mas temporária, da pressão arterial com doses orais únicas de 2 mg/kg ou mais de azida sódica. Hematúria e irregularidades cardíacas associadas foram observadas em níveis de 1 mg/kg IV em gatos. Os sintomas observados em animais após doses relativamente altas de azida sódica são estimulação respiratória e convulsões, depois depressão e morte. o ld50 para azida sódica é de 45 mg/kg em ratos e 23 mg/kg em camundongos.

A exposição de roedores ao vapor de ácido hidrazóico causa inflamação aguda do pulmão profundo. O vapor de ácido hidrazóico é cerca de oito vezes menos tóxico que o cianeto de hidrogênio, com uma concentração de 1,024 ppm sendo fatal em camundongos após 60 minutos (em comparação com 135 ppm para o cianeto de hidrogênio).

A azida sódica foi mutagênica em bactérias, embora esse efeito fosse reduzido na presença de enzimas metabolizadoras. Também foi mutagênico em estudos com células de mamíferos.

tabelas de azidas

Mesa 1 - Informações químicas.

Mesa 2 - Riscos para a saúde.

Mesa 3 - Perigos físicos e químicos.

Mesa 4 - Propriedades físicas e químicas.

 

Voltar

Página 1 de 15

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo