Terça-feira, 03 Maio 2011 10: 29

Trechos do Prefácio à Primeira Edição (1930)

Classifique este artigo
(2 votos)

Em 1919, a Conferência Internacional do Trabalho em Washington solicitou ao International Labour Office “que elabore uma lista dos principais processos a serem considerados insalubres”. Mas era impossível na prática elaborar tal lista, pelo menos de forma completa ou final, devido ao número e complexidade das operações que em alguns aspectos poderiam ser consideradas insalubres, a evolução contínua da técnica industrial que elimina com causas de doença em uma direção, ao mesmo tempo em que dá origem a novas possibilidades de doença em outra, e o caráter indefinido da concepção de “doenças” que varia em diferentes épocas e em diferentes países.

Essas considerações levaram à ideia de substituir a lista de processos insalubres solicitada pela Conferência por uma espécie de enciclopédia que analisasse sob o tríplice ponto de vista do trabalho a ser realizado, do trabalhador empregado e do ambiente em que trabalhou , as várias tarefas envolvidas no trabalho humano, as propriedades das substâncias tratadas, as operações envolvidas no manuseio e processamento dessas substâncias, as possíveis fontes e portadoras de intoxicação e doença, os dados estatísticos sobre os efeitos até onde conhecidos, o sintomas, o diagnóstico, o tratamento terapêutico e profilático e a legislação protetiva já existente.
Foi uma tarefa difícil, e que estava sujeita à reprovação de não ser nem completa nem final. Mas como poderia ser de outra forma? Ninguém pode esperar consertar de uma vez por todas algo que é vivo, evoluindo, progressivo. Embora, como já foi referido, a evolução da prática técnica na indústria possa criar todos os dias novos perigos para o trabalhador, o progresso desta mesma técnica e da higiene industrial pode, no dia seguinte, eliminar certos perigos existentes, que devem, no entanto, ser registados e analisados ​​neste trabalho. Uma das virtudes deste trabalho é justamente o fato de não ser definitivo. Ele captura um momento da vida social e do progresso da higiene industrial, mas requer uma atualização constante, precisamente porque é um trabalho científico e prático.

Esta é a sua dupla natureza, como é o caso de todas as pesquisas realizadas pela Organização Internacional do Trabalho, cujo objetivo estrito é fazer da ciência a serva da ação prática. Esta Enciclopédia não é uma obra de pura propaganda; nunca sacrifica a objetividade científica às idéias que os autores naturalmente têm em mente. Por outro lado, não é apenas um tratado de medicina ou higiene; não reivindica nenhuma originalidade no tratamento das várias questões; não pretende ser um estudo exaustivo; em cada assunto, ele apenas dá um resumo da posição existente da ciência, com números retirados das estatísticas para fins de exemplo e não para apoiar qualquer argumento. Tentou manter um meio-termo entre um trabalho puramente científico destinado ao especialista e um manual popular. Destina-se a fornecer aos trabalhadores, empregadores, suas organizações e médicos praticantes as informações necessárias para capacitá-los a descobrir, combater e prevenir doenças ocupacionais, cujas consequências econômicas são tão prejudiciais à produção quanto suas consequências sociais são para o mundo de mão de obra…

…A Organização Internacional do Trabalho, ao colaborar com esses cientistas por alguns anos, obteve uma consciência mais clara do alcance de sua missão. O Preâmbulo da Parte Xlll do Tratado de Paz [de Versalhes] incluiu entre as tarefas urgentes do Escritório a proteção dos trabalhadores “contra doenças, enfermidades e lesões decorrentes de seu emprego”. Os Estados signatários, ao concordar com esta declaração de princípio, parecem ter aceitado a máxima de Beaconsfield de que a saúde das pessoas é o mais importante de todos os problemas. O Escritório colocou à disposição dos interessados ​​uma declaração até a posição atual da ciência e transmitiu ao legislador os elementos de fisiologia e fisiopatologia necessários para estabelecer um código de saúde industrial; ao coletar e concentrar essas informações em um trabalho e, assim, aumentar seu alcance e apelo, o Escritório continua o trabalho daqueles que, desde o início da indústria de “grande escala”, têm se esforçado para proteger a vida humana, aberta ou insidiosamente ameaçada por novos processos técnicos...

Nas sociedades antigas, as tarefas perigosas e desagradáveis ​​eram reservadas aos criminosos. Fourier, com toda a sua imaginação fértil, não ousava prever que o progresso da técnica industrial um dia levaria à supressão de ocupações insalubres ou perigosas: ele reservava o trabalho sujo ou perigoso para suas “pequenas gangues”. Hoje em dia o problema é totalmente diferente: a consciência da sociedade moderna compreende que as doenças profissionais não devem ser reservadas a certas pessoas, mas sim que devem ser eliminadas. As origens e as causas já são conhecidas, e só falta vontade e organização. Existem muitos outros sofrimentos e muitas outras enfermidades a que os mortais estão expostos. Como disse Puccinotti: “A vida deve ser preservada para o trabalho, e o trabalho deve ser inofensivo à vida”. …

Alberto Thomas
Diretor geral
Secretaria Internacional do Trabalho
Genebra, 1930

Leia 6463 vezes

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo